Jump to content


Photo

Caças Gripen NG para a FAB: Notícias


  • You cannot start a new topic
  • Please log in to reply
199 replies to this topic

#181 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 24,864 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 16 de June de 2018 - 22:00

Meus prezados
Saab Aeronáutica Montagens (SAM)

Nova-f%C3%A1brica-da-Saab-no-Brasil-1.jp
Apresentação da nova fábrica da Saab no Brasil

A Saab está apresentando hoje a convidados as instalações de sua fábrica de aeroestruturas em São Bernardo do Campo (SP), denominada SAM (Saab Aeronáutica Montagens), engajada no programa para atender à encomenda de 36 caças Saab Gripen pela Força Aérea Brasileira (FAB).
Nosso colaborador Fernando “Nunão” De Martini está cobrindo o evento e enviou as primeiras imagens.
No convite à imprensa, a Saab vai apresentar os próximos passos do projeto da nova fábrica de aeroestruturas da Saab em São Bernardo do Campo e mostrar os progressos do Programa Gripen Brasileiro.
As instalações da fábrica em São Bernardo do Campo deverão produzir aeroestruturas, como cone de cauda, freios aerodinâmicos, asas, fuselagem dianteira (tanto da versão monoposto quando da biposto) e fuselagem traseira para os caças Gripen da Força Aérea Brasileira.
Essas partes serão enviadas a Gavião Peixoto (SP), local da linha de montagem final dos componentes de 15 dos 36 caças Gripen da encomenda da FAB. Em Gavião Peixoto, onde a Embraer realiza a montagem final de suas aeronaves da área de Defesa, já existe o Centro de Projetos e Desenvolvimento do Gripen (GDDN).
nova-f%C3%A1brica-da-Saab-no-Brasil-2.jp

nova-f%C3%A1brica-da-Saab-no-Brasil-4.jp

nova-f%C3%A1brica-da-Saab-no-Brasil-5.jp

nova-f%C3%A1brica-da-Saab-no-Brasil-3.jp
Fonte: site Poder Aéreo 9 JUN 2018



#182 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 24,864 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 16 de June de 2018 - 22:15

Meus prezados



#183 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 24,864 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 17 de June de 2018 - 00:22

Meus prezados
Além do Gripen – parte 2: conversa com piloto de provas da Saab e atualizações sobre o programa
Replica-Gripen-e-piloto-Hans-Einerth-fot
Em 9 de maio, o Poder Aéreo cobriu a apresentação das instalações da Saab Aeronáutica Montagens – SAM –   em São Bernardo do Campo / SP. Hoje publicamos a segunda parte da matéria, com mais informações e conversa exclusiva com piloto de ensaios em voo da Saab
Por Fernando “Nunão” De Martini
No mês passado, mostramos o andamento dos trabalhos para implantar a Saab Aeronáutica Montagens – SAM –  a nova instalação industrial instalada numa área de cerca de 5 mil metros quadrados que o grupo sueco de defesa Saab, fabricante do caça Gripen, apresentou na cidade de São Bernardo do Campo – SP. Na ocasião, também compartilhamos informações de apresentações de executivos da Saab sobre o andamento do programa do caça Gripen para o Brasil, e que ao final de suas palestras responderam a perguntas da imprensa.
Sugerimos aos leitores que vejam a parte 1 desta matéria que traz diversos detalhes sobre a SAM e como ela se insere numa série de decisões que vão além do Gripen: segundo os executivos da Saab e empresas parceiras, trata-se de uma perspectiva de longo prazo de transferência de tecnologia e capacitação para o parque industrial aeronáutico brasileiro, o qual poderá se inserir com maior presença na cadeia de fornecedores globais do grupo sueco, não apenas para a produção do caça supersônico, mas em outras oportunidades de negócio (tanto em produtos civis como militares). Nesta parte 2, o foco é trazer atualizações sobre o programa Gripen para o Brasil, em especial o andamento do desenvolvimento do caça, dos offsets (compensações) e da transferência de tecnologia, além de um bate-papo que tivemos com o piloto de ensaios em voo Hans Einerth, da Saab, que atualmente voa a aeronave de testes de sistemas 39-7.
Saab-Aeron-Montagens-apresent-Mikael-Fra
Apresentação realizada pelo chefe da unidade de negócios Gripen Brasil, Mikael Franzén (outra parte da apresentação na foto de baixo)
A fase atual e os passos anteriores – Mikael Franzén, chefe da Unidade de Negócios Gripen Brasil, afirmou em sua apresentação de 9 de maio que, até o momento, os engenheiros brasileiros envolvidos no programa estavam dedicados ao desenvolvimento do Gripen E e F para o Brasil em conjunto com engenheiros suecos, em especial o modelo biposto F (até o momento encomendado apenas pela Força Aérea Brasileira, mas que poderá interessar potenciais compradores do Gripen E, monoposto).
Já agora, além das atividades de desenvolvimento, que desde o final de 2016 envolvem também o Centro de Projetos e Desenvolvimento do Gripen (Gripen Design and Development Network – GDDN) inaugurado em novembro daquele ano pela Saab e Embraer em Gavião Peixoto – SP, esse pessoal passa a participar de  uma nova fase: a engenharia de produção.
Saab-Aeron-Montagens-replica-Gripen-E-fo
Réplica do Gripen E e convidados presentes à apresentação da Saab Aeronáutica Montagens, em São Bernardo do Campo – SP
A implantação da SAM para a fabricação de aeroestruturas, assim como o envolvimento de fornecedores locais para a fábrica, se inserem nessa etapa voltada à produção dos caças: das 36 aeronaves da encomenda brasileira, 15 serão produzidas no Brasil (incluindo as partes estruturais fabricadas na SAM), sendo 7 delas do tipo biposto (o primeiro Gripen F, biposto, dos 8 encomendados pela Brasil, será produzido na Suécia).
A montagem final desses 15 caças será realizada nas instalações da Embraer em Gavião Peixoto. Espera-se a encomenda de um novo lote de caças pela FAB para a continuidade da produção da SAM, assim como o fornecimento de aeroestruturas fabricadas no Brasil para parte dos caças Gripen da encomenda da Força Aérea Sueca (que encomendou 60 caças Gripen E).
Saab-Aeron-Montagens-apresent-Mikael-Fra
Vale a pena rememorar passos anteriores do processo para entender a nova fase, voltada à engenharia de produção: em 18 de dezembro de 2013, o governo brasileiro anunciou (após anos de postergação de uma decisão) que o Gripen de nova geração era o vencedor do programa F-X2 da Força Aérea Brasileira, para a aquisição de 36 caças, incluindo transferência de tecnologia. Passou-se a uma fase de negociação, cujos marcos foram 27 de outubro de 2014, quando a Saab anunciou a conclusão do contrato com o Brasil para o desenvolvimento e produção das 36 aeronaves, e a entrada em vigor do mesmo em setembro de 2015, quando todas as condições solicitadas foram cumpridas.
No mês seguinte, foi iniciado o programa de transferência de tecnologia, com o envio dos 50 primeiros engenheiros e técnicos das principais empresas brasileiras parceiras do programa, Embraer, Akaer, Atech e AEL, para absorverem conhecimentos tanto teóricos quanto práticos, participando efetivamente das atividades de desenvolvimento do caça (on the job training – treinamento realizando trabalho). Em novembro de 2016, como já mencionado, a Embraer e a Saab inauguraram o GDDN no Brasil e, um ano depois, o número de engenheiros trabalhando nele somava 110 profissionais (90 brasileiros e 20 suecos).
Perspectivas do GDDN em Gavião Peixoto – O Centro de Projetos e Desenvolvimento do Gripen (GDDN) em Gavião Peixoto é considerado, como a SAM, parte das compensações de offset do contrato dos 36 caças para a FAB, compensações que são investimentos da parte contratada (Saab) do programa e que deverão ultrapassar 9 bilhões de dólares. Parte desse investimento se dá no mencionado treinamento na Suécia de profissionais brasileiros.
Como já mencionado na primeira parte dessa matéria,  até 2024 cerca de 350 engenheiros, operadores, técnicos e pilotos do Brasil participarão de cursos e treinamentos na Suécia, num total de 3,5 milhões de horas de treinamento e troca de conhecimento, segundo  Mikael Franzén. Isso está permitindo, conforme a Saab, que habilidades e conhecimentos sejam adquiridos pela indústria brasileira, num programa de transferência de tecnologia composto por mais de 50 projetos-chave, com duração de até 24 meses.
GDDN.jpg
Inauguração do GDDN – Centro de Projetos e Desenvolvimento do Gripen pela Saab e Embraer em novembro de 2016 – foto Saab
Até o momento 140 profissionais já passaram por esse processo, e parte dessas pessoas está trabalhando distribuída pelas empresas parceiras do programa, e parte está concentrada no GDDN: a perspectiva é que daqui a alguns anos o número de profissionais no centro de desenvolvimento em Gavião Peixoto passe dos atuais 110 para cerca de 280 especialistas.
Material da Saab distribuído no evento de 9 de maio destacou que  “o GDDN foi implantado com a missão de ser o eixo central de grande parte do desenvolvimento tecnológico do novo caça do Brasil pela Saab e pela Embraer junto a outras empresas e instituições parceiras”, sendo considerado “a base para a transferência de tecnologia” num “compromisso de longo prazo”.  O centro contribuirá para a autonomia desejada pela FAB para o suporte logístico da aeronave e sua evolução com o tempo, de forma que a Força Aérea tenha independência na manutenção e integração de armamentos e sistemas.
Os engenheiros brasileiros que trabalham no centro têm se dedicado ao desenvolvimento do Gripen E /F, especialmente deste último (biposto), num ambiente de conexões seguras entre a sede da Saab, na Suécia, e os parceiros industriais do programa Gripen no Brasil. Trabalhando de forma conectada, o fluxo de decisões assim como os projetos de desenvolvimento são otimizados e, segundo a empresa, isso também se dará nos testes e verificação dos caças e de seus sistemas de suporte: futuramente o GDDN abrigará um Centro de Ensaios em Voo.
Uma conversa com Hans Einerth, piloto de provas da Saab – Falando em Centro de Ensaios em Voo, o Poder Aéreo reencontrou na apresentação da SAM o piloto Hans Einerth, que na ocasião da visita do site às instalações da Saab em Linköping, na Suécia (em maio de 2016, quando da apresentação do protótipo do Gripen E), foi um dos cicerones da visita ao hangar de aeronaves de testes da empresa. Na ocasião, o hangar abrigava o jato 39-7, chamado pelos pilotos de “dash seven” (traço sete). Trata-se do ex-demonstrador do Gripen NG (avião biposto remodelado a partir de um Gripen D para demonstrar as mudanças da geração seguinte da aeronave) e hoje aeronave de testes de sistemas, justamente o avião que Einerth pilota no programa de desenvolvimento do Gripen de nova geração.
Em 2016, a visita da imprensa especializada ao hangar de aeronaves de teste em Linköping foi dividida em duas turmas, e o Poder Aéreo foi guiado por outro piloto de provas, Marcus Wandt – piloto que atualmente voa o protótipo do Gripen E (aeronave 39-8) cuja apresentação foi feita naquela semana. Ao final desta matéria, falaremos mais dos voos do jato 39-8. Como em 2016 acabei conversando muito mais com Wandt do que com Einerth, devido à separação das turmas de jornalistas, a presença deste no evento de apresentação da SAM foi uma oportunidade para saber mais sobre os testes de sistemas realizados na aeronave 39-7, além de diversos outros assuntos.
Visita-hangar-testes-Saab-19-5-2016-foto
Gripen-E-com-IRST-foto-SAAB-1.jpg
Gripen de testes 39-7, ex-demonstrador do Gripen NG, equipado com radar AESA e sensor IRST da Selex / Leonardo, no hangar de aeronaves de testes da Saab, em Linköping, e em voo. O jato é voado pelo piloto de provas Hans Einerth – fotos Saab
Radar e peso máximo de decolagem – Uma das questões referiu-se ao radar  Raven ES-05 AESA (varredura eletrônica ativa) do Gripen E/F, com antena reposicionável, fornecido pela Selex / Leonardo. A pergunta sobre como estava caminhando a integração do radar ao caça foi feita na coletiva de imprensa ao final da apresentação dos executivos, à qual Hans Einerth estava presente. O piloto respondeu que era ele mesmo o responsável pelos testes em voo com o equipamento, instalado no jato 39-7. Esclareceu que no momento se está trabalhando bastante com o radar, e que os testes estão de acordo com a capacidade esperada, com o radar desempenhando muito bem. Frisou também que ele equipará tanto os jatos Gripen encomendados pelo Brasil quanto pela Suécia.
Além de outras questões já apresentadas na primeira parte desta matéria, o Poder Aéreo aproveitou a coletiva para questionar um detalhe frequentemente lembrado pelos leitores do site, sobre o peso máximo de decolagem do Gripen E. Reparei que no material distribuído à imprensa, com características do caça, não estava divulgado esse item, mas apenas o peso vazio de 8 toneladas. Como é recorrente o questionamento sobre o peso máximo de decolagem ser, eventualmente, aumentado durante o desenvolvimento do caça para compensar a ampliação do peso vazio (que no início do desenvolvimento da nova geração do caça era estimado na faixa de 7,5 toneladas), perguntei qual o motivo da ausência desse dado no material e se havia possibilidade do peso máximo de decolagem ser aumentado. Einerth respondeu que não se está trabalhando com outro valor para o peso máximo de decolagem, e que este continua como divulgado anteriormente: 16,5 toneladas.
[img https://www.aereo.jo...oto-2-Nunao.jpg[/img]
Réplica em tamanho real do Gripen E, destacada na área interna da fábrica Saab Aeronáutica Montagens – foto Nunão
Ex-piloto de Viggen – Durante o coquetel  que se seguiu às apresentações e à coletiva de imprensa, aproveitei que o piloto estava sozinho junto à réplica em tamanho real do Gripen E, que adornava parte do chão de fábrica ainda vazio da SAM, para uma conversa mais descontraída. Nesse diálogo, feito em inglês, pude descobrir que Einerth foi piloto de caça da Força Aérea Sueca por 17 anos, antes de se tornar piloto de ensaios em voo da Saab, há 5 anos, trabalho que ele pretende continuar fazendo até se aposentar. Fazendo as contas desse tempo voando jatos de alto desempenho, veio a pergunta inevitável: se ele voou o Saab Viggen antes do Gripen. Ele confirmou que sim.
O Viggen existia em versões distintas para emprego ar-solo (AJ37), ar-ar (JA37)e  reconhecimento (SF/SH37), pois não era um jato multifuncional como o Gripen, mas uma plataforma da qual derivavam versões específicas. Assim, a questão seguinte foi se, como piloto de Viggen, sua especialização era como piloto de ataque, de reconhecimento ou de caça.  “Air to air” (ar-ar) foi a resposta, e a conversa logicamente fluiu para as diferenças de pilotagem do Viggen e do Gripen em manobras de combate aéreo.
Saab-evento-Museu-Forca-Aerea-Sueca-16-5
Saab Viggen exposto no museu da Força Aérea Sueca, em Linköping – foto Nunão
Hans Einerth, com sua cabeça raspada, tem uma aparência um tanto sisuda (já mencionamos em matéria anterior que, num filme de Hollywood com combates aéreos, ele provavelmente faria o papel do vilão), e tende à economia com as palavras em algumas partes da conversa, e isso pode enganar o interlocutor à primeira vista. Porém, na hora de descrever essas experiências de voo, o sorriso ia aparecendo cada vez mais no rosto do piloto, e os gestos mais contidos ficavam mais espontâneos.
Hans Einerth descreveu em alguns minutos de diálogo como o Viggen era um avião bem mais pesado, tanto no aspecto físico quanto nos comandos, e como o manejo era bem mais trabalhoso que o seu sucessor. Com palavras e gestos falou do emprego do manche com bastante amplitude, que praticamente colava nas pernas nas curvas mais apertadas, exigindo esticar e puxar bastante o braço. Em comparação, o manche estilo “joystick” do Gripen, com comandos fly-by-wire, leva a aeronave a manobras de alta carga G apenas com leves toques. Essas manobras também eram feitas de forma muito diferente no Viggen em relação ao Gripen.
Saab-Aeron-Montagens-Hans-Einerth-foto-N
Hans Einerth, piloto de ensaios em voo da Saab – foto Nunão
Uma curva apertada com o Gripen é feita de forma precisa, com o caça seguindo exatamente a trajetória que se quer fazer, pois ao mesmo tempo em que os comandos eletrônicos fazem a aeronave desempenhar ao máximo, eles também impedem que ela fuja dos limites estruturais e aerodinâmicos, mantendo-a sob controle. Já na descrição de uma curva apertada com o Viggen,  o termo correto em inglês para o que acontecia com a aeronave fugiu, momentaneamente, tanto para o piloto sueco quanto para o brasileiro que o questionava. Apelou-se para as mãos, e ele descreveu, com o pulso, a traseira do avião fugindo da trajetória, ou “saindo de traseira”. Então lhe disse: “Like a car?” (como um carro?) “Yes!!! Like a car” (sim,como um carro), respondeu sorrindo enfaticamente. Só mais tarde alguns termos em inglês equivalentes a “derrapar com o carro”, ou “glissar com a aeronave” vieram à mente, como “drift”, mas os gestos e as metáforas bastaram para a ocasião e ambos nos fizemos entender: ele com a vasta experiência em voos reais, eu com a lembrança das oportunidades em que “voei” em simuladores do Gripen.
WAD – Como já mencionado, Einerth não voa o protótipo do Gripen E (jato 39-8 apresentado em maio de 2016 e que realizou o primeiro voo no ano seguinte), o que está a cargo de seu colega Marcus Wandt, então aproveitei a conversa para relembrar a configuração do jato biposto 39-7, que ele voa para testar os diversos sistemas da nova geração do caça, na qual o posto dianteiro é igual ao de um Gripen D (com as mesmas telas, comandos e sistemas da geração atual do caça) e o painel do posto traseiro é configurado como um Gripen E, no caso da versão sueca, com três telas multifunção. Falando em telas, perguntei se ele já havia experimentado, nos simuladores instalados em Linköping para desenvolvimento do Gripen E/F, a versão com tela única de grande área (WAD – Wide Area Display) que equipará o Gripen E/F da FAB, e suas impressões como piloto sobre sua utilização, comparado ao uso do painel com três telas do avião 39-7 que ele voa.
Saab-Aeron-Montagens-replica-Gripen-E-fo
Painel com tela única de grande área (WAD) na réplica em tamanho real do Gripen E, presente na apresentação da Saab Aeronáutica Montagens – foto Nunão
O piloto de ensaios em voo respondeu que sim, já experimentou, e elencou os aspectos positivos mais evidentes e os desafios, ou pontos negativos para quem está acostumado ao sistema mais tradicional, a vencer: a grande tela única (19 x 8 polegadas) permite uma visão do cenário tático muito mais abrangente que a permitida por telas separadas de menor tamanho, o que aumenta a consciência situacional. É possível elencar exatamente o que você quer priorizar em dado momento, e ampliar essa janela na tela com comandos “touch screen” (toque dos dedos) como o mapa do teatro de operações, a imagem do radar, do sensor infravermelho, entre diversas possibilidades.
Por um lado, isso é fácil e intuitivo de fazer. Por outro, pilotos acostumados a telas separadas tendem a padronizar, pela própria doutrina estabelecida e ainda que as telas sejam multifuncionais, o que cada uma vai apresentar (dados táticos, radar, informações de navegação, voo ou motor) conforme suas posições no painel e olhar rapidamente o que se deseja, de forma mais “amarrada” porém intuitiva. A tela única muda esse paradigma, e é preciso mais disciplina e padronização de atitudes para não abusar da abertura de telas, ampliação das mesmas e posicionamento das janelas abertas de informações na tela única, para que as informações que você resolveu priorizar sejam vistas rapidamente quando se desvia o olhar do ambiente externo para o painel.  É uma nova forma de gerenciar as informações de combate, e doutrinas precisam ser estabelecidas para que toda a ampliação de consciência situacional seja aproveitada plenamente. Nas fotos abaixo, outras partes da cabine mostrada na réplica do Gripen E.
Saab-Aeron-Montagens-replica-Gripen-E-fo Saab-Aeron-Montagens-replica-Gripen-E-fo

O WAD fornecido pela empresa AEL, que recentemente entregou o protótipo do modelo C do sistema, está passando por desenvolvimento e testes na Suécia, focados no momento na interface homem-máquina, segundo informações do executivo Mikael Franzén durante a coletiva de imprensa. Essa interface, além do uso do recurso touch screen, pode ser feita pelas teclas na moldura da mesma e do sistema HOTAS (hands on trottle and stick – mãos na manete e no manche). O modelo C é resultado, segundo a AEL, de evoluções e melhorias desenvolvidas a partir do modelo B, entre elas uma nova placa gráfica para aumentar a capacidade de processamento e desempenho na apresentação das imagens, acréscimo de funcionalidades ao software e ensaios de vibração e temperatura.
Expansão do envelope e protótipo brasileiro – Sobre o colega de Einerth, Marcus Wandt, este tem trabalhado bastante na expansão do envelope de voo do Gripen E, que é justamente a função da aeronave 39-8, enquanto o antecessor 39-7 testa os sistemas. Como a nova geração do Gripen tem os softwares / códigos fonte que controlam sistemas de missão separados dos que controlam o voo em si, essa separação de trabalho entre as aeronaves permite avançar com vários itens do programa de testes simultaneamente.
Gripen-E.jpg
Gripen E, protótipo 39-8, em voo – foto Saab
Durante a coletiva de imprensa, o executivo Mikael Franzén frisou que, no início do próximo ano, começarão os testes em solo do primeiro Gripen E destinado ao Brasil, atualmente em montagem final e integração de sistemas. A aeronave também realizará seu primeiro voo em 2019, juntando-se ao 39-7 e ao 39-8 na campanha de testes e certificação. Faltou perguntar a Einerth se, com a inclusão do avião da encomenda brasileira no programa de ensaios, ele e Wandt também se revezarão nas missões de voo com a aeronave, na Suécia. A pergunta ficará para uma próxima oportunidade, conversando com Hans, com Marcus, ou, quem sabe, com um piloto brasileiro de Gripen. A conferir!
Saab-Aeron-Montagens-replica-Gripen-E-fo
Acima e abaixo, mais imagens da réplica em tamanho real do Gripen E presente ao evento de apresentação da SAM – fotos Nunão
Saab-Aeron-Montagens-replica-Gripen-E-fo Saab-Aeron-Montagens-replica-Gripen-E-fo

Fonte: site Poder Aéreo 15 JUN 2018



#184 Leonardo PoA

Leonardo PoA
  • Usuários
  • 1,536 posts
  • Gender:Male
  • Cidade/UF/País:por aí
  • Data de Nascimento:07/10/1979

Posted 18 de June de 2018 - 14:36

Assim, o pedido foi feito em  2014/2015, lá foi consumado um pacote, com tal aviônica, tal radar, tal míssil, etc, custou tanto e vai ser entregue em 2024. E nesse meio tempo, se a tecnologia embarcada muda, se altera também no pedido que o Brasil fez sem custo? ou não se altera nada e é aquilo que foi no pedido?

 

Pergunto pois pode ser que daqui a mais 6 anos esses Caças já não vão estar defasados em comparação com os concorrentes?? Visto que a tecnologia nesse setor sempre tem novidades.  



#185 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 24,864 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 25 de June de 2018 - 12:53

Meus prezados



#186 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 24,864 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 19 de July de 2018 - 14:45

Meus prezados
Segundo protótipo do Gripen NG perto do primeiro voo
Gripen-E-39-8-armado-1024x683.jpg
Saab Gripen E, 39-8. Equipado com um míssil ar-ar IRIS-T em cada ponta da asa, e quatro pilones sob as asas e o pilone central na fuselagem

A Saab está se preparando para voar o segundo e terceiro protótipos do seu JAS 39E Gripen NG.
As duas aeronaves, de codinome 39-9 e 39-10, devem voar “em breve”, disse Jonas Hjelm, vice-presidente sênior de aeronáutica da companhia, a jornalistas.
Imagens mostradas pela empresa revelaram que 39-9 estava em grande parte completo e estava passando por pintura na fábrica da empresa em Linköping.
Testes de voo com a primeira aeronave, 39-8, que voou pela primeira vez em junho do ano passado, continuam, com a aeronave dando suporte a testes de expansão do envelope de voo.
Mais recentemente, a aeronave tem voado com pilones sob as asas produzidos pela RUAG Aerostructures da Suíça, enquanto os mísseis ar-ar IRIS-T foram montados nos lançadores de ponta das asas. O IRIS-T será o principal míssil ar-ar de curto alcance da aeronave no serviço sueco.
Os testes de voo com pilones abrirão o caminho para futuros testes de transporte e liberação de armas e tanques de combustível.
À medida que os novos jatos se juntam ao programa de testes, eles serão equipados com os sistemas de guerra eletrônica, radar e outros sensores. O radar Leonardo Raven ES-05 já está sendo testado no jato de demonstração 39-7, disse Hjelm.
Gripen-E-com-pilones-e-m%C3%ADsseis-ar-a
Saab Gripen E 39-8

 

Hjelm disse que a abordagem da empresa ao software embarcado – a de separar o software crítico de voo dos sistemas táticos – valeu a pena, com 39-9 sendo equipado com hardware de computador mais potente. O processo levou semanas e dias em vez de meses, como aconteceu com outros fabricantes de caças.
“Isso nos permite ser muito mais rápidos e nos dá uma vantagem”, disse Hjelm.
Hjelm expressou desapontamento com a recente decisão eslovaca de selecionar o F-16 Block Block 70 da Lockheed Martin sobre o modelo Gripen C/D. É a segunda decepção para o programa em vários meses depois que a Croácia, amplamente cotada para ser cliente do Gripen, optou pelos F-16 de segunda mão de Israel. Hjelm insistiu que a Saab tinha um forte roteiro de desenvolvimento para o modelo anterior, apesar do desenvolvimento do Gripen NG. A atualização recente de software MS20 adicionou a integração de mísseis MBDA Meteor à Força Aérea Sueca. O MS20 foi também adotado pela República Checa.
Também há planos para introduzir um radar ativo de varredura eletrônica (AESA) ao Gripen C/D, embora Hjelm não detalhasse a fonte do radar.
Hjelm também sugeriu que os EUA e o Reino Unido poderiam ser clientes em potencial para sua plataforma Gripen Aggressor desarmada, que a empresa tem comercializado para operadores comerciais de plataformas de jatos rápidos para apoiar o treinamento de Red Air e agressores.
A cooperação com o Brasil continua com a recente abertura de uma instalação de aeroestruturas para apoiar o desenvolvimento do Gripen no país. Hjelm disse que tanto o Brasil quanto a Suécia estavam discutindo como padronizar ainda mais a configuração dos jatos que estão sendo comprados pelos dois países. O Brasil está buscando introduzir um cockpit de exibição de área ampla (WAD) desenvolvido pela AEL Sistema. A Suécia, por outro lado, está buscando um cockpit mais tradicional com três monitores multifuncionais. Hjelm deu a entender que os dois países poderiam optar por uma configuração única de cockpit.
WAD-Modelo-B-Gripen-AEL-Sistemas-Cr%C3%A
WAD no cockpit do Gripen – AEL Sistemas – Foto: Gilmar Gomes

Fonte: Tony Osborne para Aviation Week via site Poder Aéreo 19 JUL 2018



#187 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 24,864 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 20 de July de 2018 - 02:21

Meus prezados
Gripen E chama atenção por sua flexibilidade de missões durante o Farnborough International Airshow 2018
gripenEFIA.jpg

Durante a feira Farnborough International Airshow 2018, à empresa sueca Saab falou de como está sendo feito o progresso nas aeronaves protótipo do caça Gripen E, o qual está sendo aproveitado ao máximo a sua flexibilidade nas missões, com seu inigualável design. O chefe de área de negócios Aeronáuticos da Saab, Jonas Hjelm, explicou como as duas próximas aeronaves Gripen E, do programa de ensaios em voo, estão se beneficiando das principais decisões em relação ao design.
As ameaças de hoje não são iguais às ameaças de amanhã, e os caças modernos poderiam ser vistos como uma rede de supercomputadores voadores que buscam superar o desempenho de seus oponentes.

Por isso, projetamos uma arquitetura inteligente do Gripen , para garantir que possamos incluir os sistemas mais avançados de computadores e outros hardwares com rapidez e simplicidade, algo incomparável nessa indústria. Temos uma dupla vantagem: De o Gripen ser tanto a aeronave mais nova, quanto a mais capaz de evoluir de forma simples a medida que o poder de processamento avança.
O piloto que estiver no comando do Gripen E terá, portanto, uma vantagem inegável, explica Hjelm. As duas aeronaves (39-9 e 39-10) se beneficiaram com computadores novos e atualizados que foram rapidamente adicionados à elas, melhorando ainda mais a capacidade da primeira aeronave, 39-8.

Um fator sensível, era que isso pudesse ser feito sem afetar os sistemas críticos de voo e, portanto, ser concluído em dias ou semanas, não em meses e anos, como é comum nos caças. Isso significa que o Gripen E poderá estar na vanguarda do combate aéreo por décadas, a medida que novos recursos ou tecnologias exijam cada vez mais poder de processamento. Jonas Hjelm também revelou que durante o mês de julho, o Gripen E realizou seu primeiro voo equipado com um míssil ar-ar IRIS-T em cada ponta da asa, além de quatro pilones sob as asas e o pilone central na fuselagem.
O voo incluiu várias manobras de ensaio em velocidade supersônica. Ele aconteceu sobre o Mar Báltico e abre caminho para futuros testes envolvendo transporte e lançamento de mísseis, tanques externos (drop tanks) e outras cargas externas.
gripendemo.jpg

O Gripen E é um programa global e tem tido progressos com o design do Gripen F, a versão de dois assentos do caça. Ele está sendo projetado no Brasil, em parceria com a Embraer, e pode ser usado para treinamento, treinamento de prontidão para o combate, missões de combate e Guerra Eletrônica, configuração de Comandante de Missão e Oficial do Sistema de Armas no assento traseiro.
Outros destaques foram as novas entregas em torno do hardware principal, como o Wide Area Display (WAD), que está sendo desenvolvido pela empresa brasileira AEL. O Gripen E está sendo desenvolvido para a Força Aérea Sueca, e a Força Aérea Brasileira receberá tanto o Gripen E quanto o F.
Fonte: redação de Orbis Defence 19 JUL 2018



#188 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 24,864 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 23 de July de 2018 - 09:10

Meus prezados
Saab divulga avanços do Gripen no Farnborough Airshow
Simulador-do-Gripen-E-com-WAD-no-Farnbor
Simulador do Gripen E com WAD no Farnborough Airshow

 

No Farnborough International Airshow de 2018, a Saab falou sobre como o progresso que está sendo feito nas aeronaves de teste do Gripen E está aproveitando a flexibilidade inigualável do design da aeronave.
O chefe de área de negócios Aeronautics da Saab, Jonas Hjelm, explicou como as duas próximas aeronaves Gripen E para o programa de ensaios em voo estão se beneficiando das principais decisões tomadas em relação ao design.
“As ameaças de hoje não são iguais às ameaças de amanhã, e os caças modernos poderiam ser vistos como uma rede de supercomputadores voadores que buscam superar o desempenho de seus oponentes. Por isso, projetamos a arquitetura inteligente do Gripen para garantir que possamos incluir os mais recentes e avançados computadores e outros hardwares com rapidez e simplicidade, algo incomparável nessa indústria. Temos a dupla vantagem de o Gripen ser tanto a aeronave mais nova quanto a mais capaz de evoluir de forma simples à medida que o poder de processamento avança. O piloto que estiver no comando do Gripen E terá, portanto, uma vantagem inegável”, explica Hjelm.
Programa-de-Testes-do-Gripen-E.jpg
Programa de Testes do Gripen E: os protótipos 39-8 e 39-9 servirão para testar a Flight Test Instrumentation (FTI), plataforma e sistemas. O 39-10 aferirá o peso correto, além de testes de plataforma e sistemas
As duas aeronaves (conhecidas como 39-9 e 39-10) se beneficiaram com computadores novos e atualizados que foram rapidamente adicionados a elas, melhorando ainda mais a capacidade da primeira aeronave, 39-8. Um fator sensível era que isso pudesse ser feito sem afetar os sistemas críticos de voo e, portanto, ser concluído em dias e semanas, não em meses e anos, como é comum nos caças. Isso significa que o Gripen E poderá estar na vanguarda do combate aéreo por décadas, à medida que novos recursos ou tecnologias exijam cada vez mais poder de processamento.
Jonas Hjelm também revelou que durante o mês de julho, o Gripen E realizou seu primeiro voo equipado com um míssil ar-ar IRIS-T em cada ponta da asa, além de quatro pilones sob as asas e o pilone central na fuselagem.
O voo incluiu várias manobras de ensaio em velocidade supersônica. Ele aconteceu sobre o Mar Báltico e abre caminho para futuros testes envolvendo transporte e lançamento de mísseis, tanques externos (drop tanks) e outras cargas externas.
O Gripen E é um programa global e tem tido progressos com o design do Gripen F, a versão de dois assentos do caça. Ele está sendo projetado no Brasil, em parceria com a Embraer, e pode ser usado para treinamento, treinamento de prontidão para o combate, missões de combate e Guerra Eletrônica, configuração de Comandante de Missão e Oficial do Sistema de Armas no assento traseiro.
Outros destaques foram as novas entregas em torno do hardware principal, como o Wide Area Display (WAD), que está sendo desenvolvido pela empresa brasileira AEL. O Gripen E está sendo desenvolvido para a Força Aérea Sueca, e a Força Aérea Brasileira receberá tanto o Gripen E quanto o F.
Gripen-E-voa-com-armamento-pela-primeira
Gripen E voando com mísseis ar-ar IRIS-T na ponta das asas
Fonte: Saab via site Poder Aéreo 19 JUL 2018


  • MR. STAR likes this

#189 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 24,864 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 07 de August de 2018 - 20:38

Meus prezados

 


  • Cassio.Fernandes likes this

#190 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 24,864 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 18 de August de 2018 - 14:36

Meus prezados

O Gripen sul-africano tem um característica peculiar, tem tampas na fuselagem próprias para o abastecimento por gravidade caso tenha que operar em algum aeródromo menos moderno.

Fonte: Roberto F. Santana - site Poder Aéreo 18 ago 2018

Será que o F-39 terá esta capacidade?



#191 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 24,864 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 28 de August de 2018 - 15:54

Meus prezados
FAB atualiza acordo de ‘Offset’ com a SAAB
Após ajustes no Acordo, Termo Aditivo incorpora 13 novos projetos voltados à transferência de tecnologia e à cooperação industrial na área de defesa
A Força Aérea Brasileira (FAB) e a empresa sueca SAAB firmaram um Termo Aditivo ao Acordo de Compensação “Offset” do projeto F-X2 (Gripen NG) durante uma cerimônia presidida pelo chefe da 6ª subchefia do Estado-Maior da Aeronáutica (EMAER), Major Brigadeiro do Ar Sérgio Roberto de Almeida, nesta sexta-feira (24/08), em Brasília (DF).
O documento foi assinado pelo vice-diretor do Projeto Gripen Brasil, Göran Almquist, e pelo Presidente da Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate (COPAC), Brigadeiro do Ar Marcio Bruno Bonotto que, na ocasião, representou o Comando da Aeronáutica.
Com a assinatura desse primeiro aditivo, 13 projetos passaram por ajustes. As alterações foram necessárias para adequá-los ao contexto tecnológico vigente e de maneira a atender às atuais demandas da FAB.
Os projetos formalmente incluídos nesta etapa são relacionados a iniciativas de transferência de tecnologia e cooperação industrial, com foco em investimentos em áreas estratégicas voltadas ao desenvolvimento de caças de 5ª geração, com a participação de pesquisadores militares e civis brasileiros em cursos de pós-graduação na área aeronáutica na Suécia, desenvolvimento de sistemas de comunicação (Link BR2), integração de armamentos e montagem de componentes estruturais da fuselagem da aeronave Gripen NG.
Ao todo, agora, mais de 60 projetos integram o Acordo de Compensação comercial (resultante da aquisição de 36 aeronaves de combate – Gripen NG – da fabricante sueca em 2014) que totaliza mais de US$ 9 bilhões em créditos de offset.
Além do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), do Instituto de Fomento e Coordenação Industrial (IFI), do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE), do Instituto de Estudos Avançados (IEAv), do Instituto de Aplicações Operacionais (IAOP) e do Instituto de Pesquisa e Ensaios em Voo (IPEV) – integrantes do Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) – a Empresa Brasileira de Aeronáutica (Embraer) e as empresas Atmos, AEL, Mectron Communications, Atech, Akaer e SAM são diretamente beneficiadas.
Representantes de todas as instituições beneficiárias pelo projeto F-X2 participaram da assinatura do Termo Aditivo ao Acordo de Compensação “Offset” no auditório da COPAC. Segundo o presidente da comissão responsável por projetos de desenvolvimento, aquisição e modernização de equipamentos militares, a previsão é de que os processos de transferência de tecnologia e cooperação industrial – que tiveram início em 2015 – sejam concluídos até 2026.
“A expectativa é a melhor possível. Até o momento, tudo o que foi prometido está sendo cumprido e funcionando conforme o programado. As iniciativas de transferência de tecnologia estão quase 50% concluídas. Isso demonstra a confiança que a FAB e a SAAB depositam uma na outra. E tudo indica que será uma parceria de sucesso”, concluiu o Brigadeiro Bonotto ao destacar a importância da conclusão desta etapa do projeto.
Gripen NG
O caça sueco de múltiplo emprego Gripen NG é um modelo supersônico monomotor projetado para missões ar-ar, ar-mar e ar-solo. A versão brasileira, desenvolvida em parceria com empresas locais, contará com modernos sistemas embarcados, radar de última geração e capacidade para empregar armamentos de fabricação nacional.
Em termos estratégicos, a aquisição do caça representa a possibilidade de entrada do Brasil como parceiro em um programa de alta tecnologia que promoverá reflexos em toda a indústria de defesa nacional.
Fonte: Força Aérea Brasileira via site Poder Aéreo 26 ago 2018



#192 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 24,864 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 05 de September de 2018 - 11:34

Meus prezados
CRE aprova acordo de sigilo militar com a Suécia
Publicado Em 04/09 - 19h23
A Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) aprovou nesta terça-feira (4) o acordo com a Suécia para proteção mútua de informações sensíveis (PDS 93/2018). A proposta ajudará a proteger segredos tecnológicos e militares relacionados à fabricação dos caças militares Gripen, como explicou o senador Jorge Viana (PT-AC).

https://www12.senado...@@download/file



#193 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 24,864 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 05 de September de 2018 - 11:37

Meus prezados
CRE aprova acordo de sigilo militar com a Suécia
A Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) aprovou nesta terça-feira (4) o acordo com a Suécia para proteção mútua de informações sensíveis (PDS 93/2018). A proposta ajudará a proteger segredos tecnológicos e militares relacionados à fabricação dos caças militares Gripen, como explicou o senador Jorge Viana (PT-AC).

https://www12.senado...@@download/file

Fonte: Senado Federal via CECOMSAER 5 set 2018



#194 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 24,864 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 14 de October de 2018 - 12:06

Meus prezados
GRIPEN NG
IFI realiza Briefing de Familiarização do Projeto F-X2 em solo brasileiro
Militares e civis da Divisão de Certificação de Produto Aeroespacial (CPA) e funcionários da SAAB participaram do evento
i1892615163657143.jpg
O Instituto de Fomento e Coordenação Industrial (IFI) promoveu, entre os dias 25 e 28 de setembro, em São José dos Campos (SP), o primeiro Briefing de Familiarização do Projeto F-X2 no País. O evento contou com a participação de militares e civis da Divisão de Certificação de Produto Aeroespacial (CPA) e de cinco funcionários da empresa sueca SAAB envolvidos no programa GRIPEN NG.
O objetivo foi debater conhecimentos acerca do processo de certificação militar da aeronave de caça sueca adquirida pela Força Aérea Brasileira (FAB). Para o Vice-Diretor do IFI, Coronel Engenheiro Marcelo Fernandes de Oliveira, o briefing é parte importante do processo de validação da certificação do órgão sueco (FLYGI) e da certificação de aspectos exclusivos da configuração da aeronave Gripen NG para a FAB.
“O conhecimento mais detalhado dos seus sistemas proporciona aos engenheiros e técnicos do IFI uma maior capacidade de julgamento quanto à adequada abrangência das análises e testes realizados nesta aeronave, o que contribui para a garantia da segurança, do desempenho e da disponibilidade da mesma, tal como preconiza a missão do IFI”, ressaltou o coronel.
Segundo o Chefe da Subdivisão de Coordenação de Processos da CPA, Major Aviador Guilherme Moreira de Souza, o evento serviu para prover conhecimento do projeto sueco ao corpo técnico responsável pela certificação da aeronave. “Esse conhecimento será essencial nas fases de definição de nível de envolvimento do IFI no processo, bem como na avaliação técnica necessária à certificação de tipo requerida pela SAAB”.
i18926151640171181.jpg
Fotos: Sargento Anderson
Fonte: CECOMSAER 11 out 2018



#195 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 24,864 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 19 de October de 2018 - 12:08

Meus prezados
Segundo protótipo do caça Saab Gripen E realiza teste de motor
Saab-JAS-39E-Gripen-39-9-1024x576.jpg
Saab JAS 39E Gripen 39-9

A Saab divulgou vídeo com o teste de motor do caça Saab JAS 39E Gripen matrícula 39-9, o segundo da versão Gripen NG.
https://www.facebook...23653805078794/
Fonte: site Poder Aéreo 18 out 2018



#196 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 24,864 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 23 de October de 2018 - 02:48

Meus prezados
Saab afirma que o desenvolvimento do Gripen E é mais eficiente
Saab-Gripen-E-voa-com-armamento-pela-pri
Saab JAS 39E Gripen

 

A Saab, as Forças Armadas Suecas e a Administração Sueca de Materiais de Defesa (FMV) compartilham uma longa história de cooperação. No desenvolvimento do Gripen E, essa cooperação está sendo aprimorada, pois as três organizações estão agora realizando uma validação e verificação conjuntas do sistema de aeronaves de combate.
No desenvolvimento de versões anteriores do Gripen, a validação e a verificação foram geralmente realizadas de forma consecutiva. Realizar a verificação conjunta em que as três partes participam desde o início resulta em maior sofisticação e eficiência nas operações. O número de testes repetidos é reduzido e quaisquer medidas que precisem ser implementadas são reconhecidas anteriormente.
– Estou muito feliz com a cooperação reforçada entre a Saab, a FMV e as Forças Armadas da Suécia. Acredito que esta é a chave para o sucesso e para a entrega no prazo e de acordo com o que é acordado com o cliente. Continuaremos a desenvolver e fortalecer nossa cooperação para maior eficiência no programa, diz Jonas Hjelm, chefe da área de negócios da Saab Aeronautics.
O projeto industrial mais importante da Suécia?
“Testes conjuntos nos dão a oportunidade de colaborar com a indústria em um estágio ainda anterior de desenvolvimento. Isso reduz o risco de retrabalho tardio e caro no programa de desenvolvimento. Além disso, talvez seja o maior e mais importante projeto industrial da Suécia de tecnologia de ponta. E, por essa razão, é também muito emocionante fazer parte disso, “diz Niklas Englund, gerente de projeto da FMV Test & Evaluation.
A validação confirma se construímos o produto correto, ou seja, ele mostra que a aeronave é operacionalmente viável e capaz das funções pretendidas, enquanto a verificação confirma se o produto está corretamente construído – que os requisitos foram atendidos. No início do processo conjunto para confirmar o acima, cada parte especifica o que precisa testar. Estes requisitos de teste são posteriormente comparados e um requisito conjunto é formulado.
Saab-Gripen-E.jpg
Saab JAS 39E Gripen

Uso otimizado de recursos na aviação sueca
“Isso significa que testes duplicados ou muito semelhantes são eliminados e acabamos com um número reduzido de testes em comparação com antes. O tempo e o dinheiro são economizados em um programa consolidado e a qualidade aumenta quando o cliente e o usuário estão envolvidos. Simplificando, aproveitamos ao máximo os recursos existentes na aviação e aeroespacial suecas”, disse Johan Gingberg, responsável pela validação e verificação conjunta no departamento de testes de voo da Saab.
O requisito do teste conjunto culmina em uma especificação de requisito de teste conjunto, que serve como base para a avaliação de recursos, por exemplo, quantas sessões precisam ser realizadas. Também constitui dados de entrada para um programa de teste de voo. Este programa irá então governar a execução, assim como o relatório final.
“Trabalhamos sempre em equipes integradas, compostas de representantes de todas as três organizações. A exigência de teste conjunto é formulada no que chamamos de Equipes de Coordenação e, durante a execução real dos testes, são as Equipes Integradas de Teste (ITT) que trabalham juntas”, diz Johan.
Até o momento, dez ITTs foram estabelecidos nas áreas de radar, IRST, suporte à decisão, reabastecimento aéreo, Sistema de Suporte à Missão (MSS), equipamento do piloto / sistemas de emergência, Guerra Eletrônica (EW), armas e operação e manutenção. Nos últimos anos, um piloto, engenheiros de teste e técnicos da FMV participaram do trabalho na Saab.
Gripen-E-com-pilones-e-m%C3%ADsseis-ar-a
Saab JAS 39E Gripen

Três organizações trabalhando para o mesmo objetivo
Os resultados coletados durante os testes são analisados e depois compartilhados entre as três organizações com o desenvolvimento da aeronave, como o departamento de desenvolvimento de sistemas.
“Temos vários sistemas que estão sendo integrados e testados no momento, incluindo sistemas táticos em diferentes aeronaves de teste Gripen E, incluindo o novo cockpit para o Gripen E. Estamos em um período de testes cada vez mais ocupado e o feedback que recebemos dos testes é inestimável para o contínuo desenvolvimento e conclusão dos sistemas.
A validação e a verificação conjuntas são pré-requisitos para termos sucesso juntos na manutenção do alto ritmo nos testes. Ter três organizações trabalhando com o mesmo objetivo – entregar o que o cliente final quer – é uma força incrível”, diz o líder do projeto Karin Brinkebäck, Gripen E Systems Development na Saab.
Fonte: Saab via site Poder Aéreo 22 out 2018



#197 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 24,864 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 26 de October de 2018 - 19:58

Meus prezados
Caça Gripen E dispara míssil IRIS-T pela primeira vez
Gripen-E-dispara-m%C3%ADssil-IRIS-T-pela
Míssil IRIS-T saindo do trilho da ponta da asa do Gripen E 39-8

O caça Gripen E concluiu com sucesso os primeiros testes para verificar a capacidade de liberar e lançar cargas úteis externas. Os testes foram realizados em outubro de 2018 no Vidsel Test Range, no norte da Suécia.
Os testes, conduzidos pela primeira aeronave de teste Gripen E (designada 39-8), consistiram em alijar um tanque externo de combustível e um disparo de um míssil ar-ar IRIS-T.
“Como piloto, voar com cargas externas, como tanque alijável e mísseis, é importante para permitir a avaliação de como a aeronave se comporta com as cargas anexadas. Este teste também foi usado para avaliar o efeito na aeronave ao liberar e lançar as cargas. O destaque foi, claro, puxar o gatilho e ver o míssil disparar. Isso também nos aproxima da preparação da aeronave para o seu uso operacional”, diz Marcus Wandt, piloto experimental de testes Gripen da Saab.
“Estou satisfeito em ver a aeronave realizando e se comportando de acordo com as nossas expectativas, o que prova seu design inteligente e engenharia de classe mundial da Saab. O programa está no bom caminho e estamos fazendo um bom progresso no programa para a entrega aos nossos clientes suecos e brasileiros”, diz Jonas Hjelm, vice-presidente sênior e chefe da área de negócios da Saab Aeronautics.
Esses testes são os últimos passos do programa de testes de voo Gripen E, precedidos pelos testes de transporte em julho, e fazem parte do trabalho de integração de armas.
O Gripen E possui armas para todos os tipos de missões, como ataque de precisão com bombas planadoras guiadas, mísseis antinavio e de ataque profundo, até mísseis ar-ar de longo alcance e ágeis como o Meteor. O Gripen E também pode transportar pods e sensores para reconhecimento e missões especiais. Para dar às forças aéreas uma ampla variedade de recursos operacionais, o Gripen E foi projetado para permitir a rápida integração de várias armas. Isso é parcialmente possível graças à arquitetura aviônica flexível do Gripen E.
Gripen-E-alija-tanque-de-combust%C3%ADve
Gripen E alija tanque de combustível externo

Gripen-E-Weapons-and-Pods-1024x725.jpg
As cargas externas do Gripen E. Clique na imagem para ampliar

Fonte: Saab via site Poder Aéreo 26 out 2018



#198 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 24,864 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 02 de November de 2018 - 20:01

Meus prezados
Gerentes dos projetos KC-390 e Gripen NG se reúnem em Brasília
KC-390-novo-v%C3%ADdeo-960x665.jpg

Simpósio promovido pelo Estado-Maior da Aeronáutica visa à atualização sobre o andamento dos projetos
O Estado-Maior da Aeronáutica (EMAER) realiza, pela sexta vez, o Seminário para Acompanhamento da Implantação dos Projetos KC-390 e Gripen F-39. O evento, que acontece nesta quarta (31/10) e quinta-feira (01/11) em Brasília (DF), reúne os principais atores envolvidos nos processos de desenvolvimento e aquisição das novas aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB).
Segundo um dos organizadores, Coronel Aviador Jorge Marques de Campos Junior, o EMAER tem buscado reunir os gerentes a cada três meses para debater como está o andamento das ações que precisam ser tomadas por diversas Organizações Militares da FAB pelo país. “Mais do que só acompanhar, nosso intuito aqui é identificar os óbices e oferecer soluções, de forma a cumprir o cronograma e evitar atrasos”, disse. A cada seminário, um plano de ação é elaborado, de forma a distribuir responsabilidades em áreas como infraestrutura, orçamento e recursos humanos.
O Coronel Marques explica que o recebimento desses dois novos vetores – a aeronave multimissão KC-390 e o caça F-39 Gripen NG – requer uma série de esforços. Na Ala 2, em Anápolis (GO), por exemplo, há a necessidade de adaptação de instalações existentes e construção de outras. Outro caso é a capacitação dos militares que vão operar as novas aeronaves: no âmbito do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), controladores de defesa aérea já estão sendo treinados, inclusive por meio de intercâmbios, para dar o suporte necessário à operação do Gripen.
No primeiro dia do evento, acompanhado pelo Chefe da Sétima Subchefia do EMAER, Major-Brigadeiro do Ar Pedro Luís Farcic, e pelo Presidente da Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate (COPAC), Brigadeiro do Ar Marcio Bruno Bonotto, os temas da pauta foram os dois projetos relacionados ao KC-390 – um de aquisição e outro de desenvolvimento da aeronave. “Diante das novas possibilidades de emprego multitarefa e das novas tecnologias que serão incorporadas, essas aeronaves provocarão mudanças doutrinárias significativas no Comando da Aeronáutica, uma vez implantadas e operando com sua capacidade máxima”, disse o Coronel Marques.
Saab-F-39-Gripen-1024x644.jpg
Concepção do Saab Gripen E da FAB

Fonte: Força Aérea Brasileira via site Poder Aéreo 2 nov 2018



#199 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 24,864 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 12 de November de 2018 - 08:27

Meus prezados
Militares da FAB são qualificados para operação do Gripen NG
Militares-da-FAB-s%C3%A3o-qualificados-p
Intercâmbios operacionais no exterior especializam militares da FAB no novo caça
Militares da Força Aérea Brasileira (FAB) selecionados para atuar nos processos de implantação e operação do novo caça Gripen NG no país estão participando de uma série de eventos no exterior. O objetivo é a troca de experiências com outros países usuários do caça sueco e a qualificação dos brasileiros para receber a nova aeronave.
Na Hungria, entre os dias 5 e 9 de novembro, acontece a segunda reunião anual do Aquisition and Development Work Group (Grupo de Trabalho de Aquisição e Desenvolvimento), um dos encontros periódicos do Gripen User’s Group (Grupo de Usuários do Gripen). Em maio de 2018, a reunião foi sediada, pela primeira vez, no Brasil. Na reunião, que tem o Major-Brigadeiro do Ar Jefson Borges como representante da FAB, países que já operam o caça debatem com a fabricante SAAB questões táticas, doutrinárias, logísticas e novos desenvolvimentos, entre outras questões.
Também na Hungria aconteceu, de 24 de setembro a 05 de outubro, o Exercício Lion Effort – do qual participaram pilotos de Gripen brasileiros. Trata-se de um treinamento multinacional que acontece a cada três anos. “Na Lion Effort, países usuários de Gripen operam em conjunto, realizando missões Ar-Ar, com emprego de mísseis BVR, ou seja, Beyond Visual Range (além do alcance visual); e de mísseis infravermelhos, realizando combate WVR, ou seja, Within Visual Range (dentro do alcance visual). Também é treinada a parte de emprego Ar-Solo, como Close Air Support, que é Apoio Aéreo Aproximado. “É bastante parecido com a CRUZEX, em que é criado um cenário e as ações são desenvolvidas nesse contexto”, explica o Coronel Aviador Ricardo Guerra Rezende, Presidente do Grupo Fox. O grupo foi criado para coordenar as ações para implantação do Gripen NG na FAB.
ca%C3%A7as-Gripen-de-seis-operadores-em-
Caças Gripen de seis operadores em formação – foto Jamie Hunter – Saab

Militares-da-FAB-s%C3%A3o-qualificados-p
Intercâmbios
Já na Tailândia, um dos países operadores do Gripen, dois oficiais da FAB iniciaram, na segunda-feira (05/11), um intercâmbio que deve durar três meses. Os militares, que são das áreas operacional e logística, observarão como eles operam, quais são os óbices, como funciona a parte de recursos humanos, quais as competências necessárias aos pilotos, mecânicos e operadores dos sistemas de suporte, como é a estrutura logística adotada, qual o custo operacional e como tratam a guerra cibernética, entre outros aspectos.
Na Suécia, sede da fabricante, militares da FAB – tanto pilotos como controladores de defesa aérea – realizaram treinamento em um centro de simulação de ambiente tático – o chamado FLSC (sigla em sueco para Flygvapnets Luftstrids Simulerings Centrum). Entre os dias 29 de outubro e 1º de novembro, vinte militares estiveram envolvidos na atividade, que consiste na utilização de simuladores do caça para desenvolver habilidades de gerenciamento da guerra em pilotos e controladores, dentro do cenário escolhido pelos brasileiros. “A curva de aprendizado é muito grande: em pouco tempo, os militares são capazes de se adaptar ao sistema e utilizá-lo dentro do cenário, gerenciar a guerra. Essa é uma das missões operacionais mais importantes que a FAB realiza no exterior”, avalia o Coronel Rezende.
Militares-da-FAB-s%C3%A3o-qualificados-p
Próximos passos
Também na Suécia, entre os dias 19 a 22 de novembro, acontece o Gripen Tactical Leadership Training, no mesmo ambiente simulado do FLSC. A diferença é que, em vez de só brasileiros, todos os países operadores de Gripen se reúnem, promovendo intercâmbio e troca de conhecimentos.
FLSC-2.jpg
Um dos simuladores do Gripen do FLSC. Os simuladores funcionam em rede, permitindo o treinamento em esquadrilhas

Fonte: site Poder Aéreo 10 nov 2018



#200 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 24,864 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 12 de November de 2018 - 21:02

Meus prezados
Caça Saab JAS 39E Gripen voa com mísseis Meteor
Ca%C3%A7a-Saab-JAS-39E-Gripen-voa-com-m%
Caça Saab JAS 39E Gripen voa com mísseis Meteor

Em outubro, a Saab completou com sucesso um voo de teste de uma aeronave Gripen E com o míssil ar-ar Meteor Beyond Visual Range (BVRAAM) pela primeira vez.
O voo incluiu dois mísseis Meteor e a aeronave Gripen E (designada 39-8) foi
operado a partir do aeródromo da Saab em Linköping, Suécia.
“A aeronave continua a ter um desempenho tão bom quanto o que vimos em toda a fase de teste de voo, voando com cargas externas. Estou realmente ansioso para as próximas etapas do programa de testes de voo, levando-nos cada vez mais perto de concluir a integração de armas. O Meteor torna o Gripen E extremamente capaz no papel de dominância aérea”, diz Robin Nordlander, piloto de teste experimental do Gripen, Saab.
Este teste com o Meteor faz parte do progresso da integração de armas no programa de testes Gripen E e atinge um importante marco no acordo com o cliente sueco. O próximo passo é continuar a voar com diferentes configurações e expandir gradualmente o envelope de voo.
O Meteor é um BVRAAM guiado por radar ativo, superior a outros mísseis de seu tipo, e capaz de atacar alvos aéreos de forma autônoma, dia ou noite, em todos os climas e em ambientes severos de guerra eletrônica. O sistema de propulsão ramjet do míssil dá ao Meteor seu desempenho de alta velocidade e a energia para derrotar alvos rápidos e em movimento a uma distância muito longa. O Gripen C/D com a Força Aérea Sueca em 2016 foi o primeiro caça do mundo a operar com o míssil Meteor.
O programa Meteor é uma das colaborações de defesa mais bem-sucedidas da Europa e vê o Reino Unido, a França, a Alemanha, a Itália, a Espanha e a Suécia unirem-se para criar um fator de mudança para o combate aéreo. A Saab é parceira no programa Meteor em conjunto com a Prime Contractor MBDA UK.
Fonte: Saab via site Poder Aéreo 12 nov 2018