Jump to content


Photo

Islândia com a Icelandair e emergência médica na TAP

Icelandair TAP Islândia

This topic has been archived. This means that you cannot reply to this topic.
11 replies to this topic

#1 Jopeg

Jopeg
  • Usuários
  • 743 posts

Posted 27 de July de 2016 - 05:59

Caros, 
 
Viagem à Islândia com a Icelandair 
 
A marcação da viagem:
 
Foi fácil chegar a um acordo sobre as férias de junho, eu e a minha esposa rapidamente escolhemos a bela e selvagem ilha da Islândia. Com o destino escolhido passamos à fase da marcação dos voos. Sabendo que os preços das ligações aéreas para este país são dispendiosas optei por utilizar as milhas que dispunha.  
 
De entre as várias hipóteses escolhi a combinação TAP + Icelandair com escala em Paris Orly. Os horários, especialmente à ida, eram bons e arriscamos uma ligação com apenas 1h00. Sabíamos que era algo curto mas podia ser que a sorte estivesse do nosso lado. No regresso a situação não era tão preocupante pois além de ter 1h10 para a mudança entre os voos, a TAP tinha voos mais tarde que permitiam chegar a Lisboa ainda nesse mesmo dia. 
 
Tive alguma dificuldade em fazer o check-in online, pois envolvia duas companhias diferentes, e foi quase por acaso que na tarde anterior entrei no site da TAP e verifiquei que o procedimento estava enfim disponível.   
 
 
Os voos:
 
Dia: 18/06/2016
Companhia: TAP
Voo: TP428
Rota: Lisboa – Paris Orly
Horário: LIS 9h55 - ORY 13h20
Avião: Airbus A320 (CS-TNU) (MSN 4106 – 1º voo em 30/10/2009)
Lugar: 10E (lugar do meio)
Distância: 894 mi / 1439 km
Ocupação: Entre 70% a 80% 
Preço: Milhas + 208,66€ (LIS-ORY-KEF-ORY-LIS)
 
Em plena Copa da Europa de Futebol, com a seleção portuguesa a jogar em Paris ao final do dia, pensei que o aeroporto estaria mais caótico do que aquilo que na realidade estava. Foi rápido deixar a mala de porão e passar no controlo de segurança. Aguardei pelo voo na praça central, senti falta dos jornais que anteriormente eram oferecidos, e fui verificando que o mesmo iria registar um atraso, uma péssima notícia para quem dispunha apenas de 1h00 para a ligação. 
 
Vindo de Frankfurt atrasado o CS-TNU lá parqueou na porta 126 e começou o embarque. Alguns africanos em voos de ligação, alguns fãs de futebol, jovens famílias mas ainda sobravam lugares neste A320 da TAP. Claro que os atrasos foram aumentando e foi apenas às 10h29 (+34m) que o avião deixou a sua posição. Levantamos voo às 10h45 a partir da Pista 03. 
 
O A320 da TAP em Lisboa aguardando o embarque para o voo LIS-ORY
DSC00001_zpspldvnixr.jpg
 
Tudo tranquilo a bordo, sem nenhum tipo de entretenimento para além da revista de bordo, foi servida uma sandes e bebidas às 11h15 e aterramos em Paris às 13h50. Quando saímos do avião da TAP faltavam apenas 21m para a partida do voo da Icelandair, mas já estava um funcionário à espera de 4 passageiros para esta ligação. Foi caminhar rapidamente pelo aeroporto parisiense, voltar a passar pelo controlo de segurança e já em cima da hora conseguimos chegar à porta de embarque do voo para a Islândia. Tínhamos conseguido fazer a ligação. 
 
A refeição servida na classe económica
DSC00005_zpsywado3sa.jpg
 
A sandes e o Compal são "padrão", podendo o passageiro escolher o sumo e café ou chá
DSC00006_zpspnjdrzle.jpg
 
A320 CS-TNU (foto de Stuart Haigh - Airliners)
2238941_zpsznha996q.jpg
 
 
Dia: 18/06/2016
Companhia: Icelandair
Voo: FI549
Rota: Paris Orly – Reiquejavique
Horário: ORY 14h20 – KEF 15h50
Avião: Boeing 757 -200 (TF-FIO) (cn 29436 – 1º voo em 24/03/1999)
Lugar: 29B (meio)
Distância: 1408 mi / 2267 km
Ocupação: Cerca de 70% 
Preço: Milhas + 208,66€ (LIS-ORY-KEF-ORY-LIS)
 
A Icelandair utiliza na recente rota Orly-Reiquejavique um dos seus Boeing 757-200, o mais comum dos seus aviões. Quando entrei no TF-FIO pude verificar que o avião já não é um modelo recente apesar de estar ainda em bom estado de conservação. É um avião com cerca de 17 anos que sempre voou na companhia islandesa. Mesmo sendo um voo europeu de médio curso há pormenores no avião que remete para voos de longo curso. 
 
O B757 da Icelandair em Paris Orly
DSC00007_zpshjwjuxkp.jpg
 
A companhia utiliza três classes a bordo, a Economy, a Economy Confort e a Saga Class, a sua executiva. Tendo entrado, através de ponte telescópica, pela parte da frente do avião pude ver logo a sua classe executiva. Os assentos são antigos e esta executiva fica muito longe do melhor que se faz atualmente no sector. 
 
As cadeiras da classe executiva Saga
DSC00010_zpsiw0iup81.jpg
 
Já com algum atraso em relação à hora inicial de partida e com as postas fechadas, os passageiros receberam a desagradável notícia que devido ao tráfego e a uma tempestade a norte de Paris tínhamos de esperar mais de 1h00 pela descolagem. Antes de decorrido este tempo, um novo aviso sonoro a dizer que finalmente tínhamos ordem para a descolagem. Palmas a bordo. 
 
Aguardando por autorização para a descolagem 
DSC00035_zpsn0dxspoz.jpg
 
Toda esta demora permitiu ir observando o interior do avião, o assento, a leitura a bordo e o sistema individual de entretenimento. Este último apresentava algumas opções desde filmes, vídeos e informação sobre o voo. Contudo os auscultadores teriam de ser nossos ou comprados a bordo. O lugar em si era bastante espaçoso em comparação com os atuais assentos utilizados em voos europeus. Um pormenor que achei interessante num avião de uma companhia islandesa era as luzes de cabine a simular uma Aurora Boreal. 
 
Os assentos
DSC00028_zpshfcipyen.jpg
 
DSC00082_zpsi6hisnun.jpg
 
O generoso espaço para pernas
DSC00027_zpssed6aper.jpg
 
A revista de bordo da companhia islandesa
DSC00011_zpsglkhm5y0.jpg
 
A rede de voos da Icelandair com destaque para as ligações Europa-América
DSC00015_zpsqymq7sdo.jpg
 
Os quatro modelos da frota da Icelandair
DSC00017_zpso0mife8x.jpg
 
Os aviões da Icelandair têm nome de vulcões
DSC00014_zpsofzah0kt.jpg
 
Reportagem sobre a histórica participação islandesa no euro 2016
DSC00022_zpsrmcszkes.jpg
 
Artigo sobre o novo destino ORY e sobre wi-fi a bordo 
DSC00020_zpsijgp33f3.jpg
 
Alguns pormenores fazem recordar a idade do avião
DSC00064_zpsnq4qokhp.jpg
 
DSC00063_zpsk2kz9wku.jpg
 
Uma das particularidades da Icelandair, a iluminação a imitar as Auroras Boreais
DSC00056_zpsb4krupr0.jpg
 
Às 15h67 (+ ) saímos da nossa posição e começamos efetivamente a voar às 15h00. Apenas uma ligeira turbulência na fase inicial do voo. Quando chegamos à altitude de cruzeiro a tripulação começou o serviço de bordo. A comida a bordo é paga (BOB), mas as bebidas são grátis. Eu recusei ambas. Mais tarde pedi um copo de água.  
 
O inicio do voo
DSC00039_zpsuooxbz9y.jpg
 
As instruções de segurança
DSC00025_zps7ercvv2j.jpg
 
DSC00026_zps5keshyzq.jpg
 
O menu
DSC00054_zpstrcfv9gi.jpg
 
Comida paga a bordo
DSC00053_zpshqtb87iy.jpg
 
No ecrã individual pude ver a rota e me lembro da passagem sobre o território escocês. Cerca das 16h00 a tripulação começou a preparar a cabine para a aterragem. Esta ocorreu às 17h00 (-1h em relação a Portugal Continental) e desde logo deu para ver que apesar de estarmos em junho, a Islândia é um país frio. 
 
As opções disponíveis no sistema de entretenimento individual
DSC00024_zpssklfuomb.jpg
 
Informações sobre o voo
DSC00046_zpstr6kqqc8.jpg
 
Dados sobre a rota
DSC00048_zpsnjetayrs.jpg
 
Sobrevoando as ilhas escocesas
DSC00050_zpsfafuirbw.jpg
 
DSC00041_zpsttkvg8ry.jpg
 
A cabine do B757 
DSC00057_zpsc76u1d69.jpg
 
As "cinzentas" águas junto ao aeroporto 
DSC00069_zpsqoq6a0dk.jpg
 
A chegada à Islândia
DSC00073_zpssoi8fitz.jpg
 
A aproximação à pista 11
DSC00075_zpsqmke5kzs.jpg
 
O desembarque foi através de ônibus que levou os passageiros até ao terminal. O aeroporto é pequeno e dá para perceber que foi sendo ampliado ao longo dos tempos. Na televisão os islandeses assistiam ao 2.º jogo da sua histórica participação na Copa de Futebol França 2016. Atravessei o terminal e fui até à zona de recolha de bagagens, mas tal como suspeitava a minha mala não apareceu no tapete devido ao pouco tempo de escala em Paris. Fiz a reclamação e saí do aeroporto para recolher a viatura anteriormente alugada. Terminava assim a minha estreia na Icelandair. 
 
O desembarque por ônibus
DSC00085_zpssedcfmpx.jpg
 
Um D400 utilizado em voos domésticos e para Aberdeen
DSC00086_zpssgw6exxd.jpg
 
A chegada ao terminal durante o jogo Islândia-Hungria
DSC00087_zpsxauyevtp.jpg
 
O tapete das bagagens onde faltou chegar a minha mala
DSC00090_zpsisfrl9em.jpg
 
B757-200 TF-FIO (foto de Mats Salder - Airliners)
2719522_zps7ipvowis.jpg
 
 
Continua ...


#2 Jopeg

Jopeg
  • Usuários
  • 743 posts

Posted 27 de July de 2016 - 06:00

Dia: 24/06/2016
Companhia: Icelandair
Voo: FI548
Rota: Reiquejavique – Paris Orly
Horário: KEF 7h45 - ORY 13h00 (+ 2h)
Avião: Boeing 757 -200 (TF-ISS) (cn 27447 – 1º voo em 17/07/1996)
Lugar: 29B (meio)
Distância: 1408 mi / 2267 km
Ocupação: Cerca de 70% 
Preço: Milhas + 208,66€ (LIS-ORY-KEF-ORY-LIS)
 
Depois de seis noites na bela e dispendiosa Islândia estava na hora de regressar a casa. A escala seria uma vez mais em Paris Orly e para embarcar no voo para Lisboa inicialmente previsto (TP439) pretendia um voo pontual. 
 
Tinha feito o check-in no hotel na noite anterior, mas não tive hipótese de imprimir os talões de embarque propriamente ditos. Sabia que aquela hora o aeroporto deveria estar bastante concorrido pois é a principal hora de saída dos voos europeus da Icelandair. Felizmente o aeroporto de Keflavik  se mostrou muito rápido e em poucos minutos cheguei à zona de embarque.
 
O aeroporto de Keflavik 
DSC00233_zpsucrutdst.jpg
 
Os voos daquela manhã
DSC00234_zps99kvlv0e.jpg
 
Comecei por utilizar umas maquinas automáticas para imprimir os documentos de embarque. De seguida fui deixar a mala de porão a um balcão dedicado, evitando assim a longa fila de check-in. A passagem pela segurança também foi rápida e já na zona de embarque fiz as compras de última hora. 
 
Maquinas para check-in
DSC00232_zpsvjjycx5l.jpg
 
O balcão para entrega de bagagens
DSC00231_zpszv63zafi.jpg
 
A área de embarque
DSC00237_zps7eatp9mr.jpg
 
As lojas do aeroporto
DSC00238_zpsbrmtzolc.jpg
 
Publicidade à Wow, uma outra companhia islandesa
DSC00242_zpsun277mf1.jpg
 
Um avião da Wow utilizado em voos para o continente americano
DSC00246_zpsp6yxsos2.jpg
 
Um Boeing 757, a base da frota da Icelandair
DSC00248_zpsvb93u9wc.jpg
 
O embarque para este FI548 foi efetuado através de ônibus. Alguns passageiros eram Norte Americanos em voos de ligação para a Europa. A ocupação não era elevada com apenas 60%-70% dos lugares ocupados. 
 
O embarque para o meu voo
DSC00249_zpskqbawh9x.jpg
 
TF-ISS o avião utilizado para o voo FI548
DSC00250_zpsfx7bdgkt.jpg
 
De entre os seus trinta aviões a Icelandair escolheu TF-ISS para este voo KEF-ORY. Batizado com o nome de vulcão Dyngjufjöll, este B757 com praticamente 20 anos de vida está na companhia islandesa apenas desde 2016, tendo anteriormente pertencido à American Airlines.
 
Apesar de não ser um modelo recente, muito possivelmente por ter sofrido uma remodelação, apresenta um sistema de entretenimento mais recente que o avião utilizado na ida, o TF-FIO. Lugares espaçosos no seu interior.  
 
Os assentos do B757 TF-ISS
DSC00277_zpsv4ccm36q.jpg
 
A mensagem do Stopover muito presente
DSC00287_zpsdk4lsfma.jpg
 
Saímos da posição às 8h25 (+40m) e começamos a voar às 8h33. Foi um voo tranquilo com exceção de uns segundos na parte inicial onde sentimos alguma turbulência. Cerca de 1h00 depois a tripulação começou a distribuir a comida, paga à parte, e as bebidas grátis. 
 
O menu para as vendas a bordo
DSC00280_zpsdmeszxi0.jpg
 
Dados sobre os B752 utilizados pela Icelandair
DSC00262_zpswf4eh1ib.jpg
 
Informações sobre as várias classes da companhia nórdica
DSC00264_zps2fejpp22.jpg
 
O sistema de entretenimento individual
DSC00259_zpsqj6ccksr.jpg
 
DSC00252_zpsu3l5wohi.jpg
 
Dados sobre o voo KEF-ORY
DSC00268_zps8hvjo4gw.jpg
 
A cabine da Icelandair
DSC00273_zpsg6gwygte.jpg
 
Foi um voo sem nada de relevante a apontar. Antes da aproximação a Paris Orly aproveitei para mudar par a desocupada fila de trás de modo a conseguir viajar à janela. Aterramos às 13h48 (+48m) apenas 22m antes da suposta partida do voo da TAP e para piorar as coisas o desembarque foi por ônibus num processo lento. 
 
A voar ...
DSC00275_zpshjrhprsk.jpg
 
Sobrevoando as pistas de equitação do norte de França
DSC00283_zpsccmr7x4m.jpg
 
A voar rumo a Paris
DSC00285_zpsbuiqef2j.jpg
 
A aproximação ao aeroporto de Paris Orly
DSC00290_zpsgor80rm7.jpg
 
A aterragem no aeroporto da capital francesa
DSC00294_zpswd9gkjcq.jpg
 
Um B747da Corsair na placa de Orly 
DSC00297_zpshswvzau0.jpg
 
Um avião da regional HOP em Paris
DSC00298_zpsetfawtvl.jpg
 
B757-200 TF-ISS (foto Airliners)
3863787_zpsrnlvcl6i.jpg
 
Apesar do atraso registado, o que provoca momentos de stress, não perdi as esperanças de conseguir embarcar no voo TP439. Fiz tudo à pressa e na entrada do terminal vi no painel que o voo da TAP tinha chegado atrasado, portanto ainda havia uma hipótese. Passamos novamente pela revista de segurança e quando chegamos à área de embarque vi que o mesmo ainda não tinha sequer começado. Um atraso compensou outro atraso e assim conseguimos manter o planejamento inicial.     
 
 
Dia: 24/06/2016
Companhia: TAP
Voo: TP439
Rota: Paris Orly - Lisboa
Horário: ORY 14h10 – LIS 15h35 
Avião: Airbus A320 (CS-TQD) (MSN 870 – 1º voo em 18/02/1999)
Lugar: 14B (lugar do meio)
Distância: 894 mi / 1439 km
Ocupação: Praticamente cheio em económica. 
Preço: Milhas + 208,66€ (LIS-ORY-KEF-ORY-LIS)
 
Foi já com um considerável atraso que começou o embarque para este voo TP439. O outro avião da TAP para fazer o voo seguinte (TP441) já estava inclusive em Paris. Os passageiros, que praticamente enchiam este A320, entraram para o avião por ponte telescópica.
 
O atraso à partida permitiu ver o avião da TAP que ia fazer o voo seguinte
DSC00299_zpsje0bwhgz.jpg
 
O avião apresentava alguns sinais de sujidade dos voos anteriores, mas nada de especial. Os ecrãs não foram ligados durante o voo e a demonstração de emergência foi feita pela tripulação. Alguns pormenores deste CS-TQD já deixam perceber a idade, sendo um avião inferior ao ao utilizado no voo da ida, o CS-TNU.
 
O push-back ocorreu às 15h05 (+ 55m) e começamos a voar as 15h10. O serviço de bordo começou às 15h48 e estava a ser um voo normal até ao momento da emergência médica. Devido a este facto foi pedido à torre prioridade na aterragem e utilizamos a pista 35 para o efeito. Aterramos às 16h20 (+ 45m). O desembarque foi pela porta 126 através de ponte telescópica e fui o penúltimo a abandonar o avião. 
 
A refeição servida na classe económica
DSC00301_zpsx6gbmiif.jpg
 
 
Emergência médica a bordo:
 
Cerca de 30m antes da aterragem em Lisboa a tripulação, através do sistema sonoro, perguntou se havia algum médico a bordo. Sendo a minha esposa médica intensivista (unidade de cuidados intensivos), depressa carreguei na campainha situada por cima do assento. 
 
Enquanto a minha esposa passava pelo sono, eu disse à assistente que ali estava uma médica, ela perguntou se falava português e perante a resposta afirmativa pediu para ir ver uma passageira que estava passando mal. A minha esposa saiu do seu lugar e foi de imediato ver o que se passava. Um outro médico, pai de um piloto da TAP, também foi prestar auxilio à senhora. 
 
O diagnostico foi muito fácil, a senhora estava a ter um AVC, o seu lado direito já estava paralisado e o quadro clínico era complicado. Começaram por deitar a senhora no corredor e a minha esposa tomou o comando das operações, isto apesar do colega também ser experiente neste tipo de emergências visto ser médico do INEM (Instituto Nacional Emergência Médica). 
 
Uma palavra de apreço para a tripulação da TAP. Foram super prestáveis, depressa fizeram chegar às mãos da minha esposa a mala médica presente a bordo, foram simpáticos e tentaram na medida do possível manter a calma a bordo. Mas estavam visivelmente transtornados pelo sucedido. O chefe de cabine pingava suor, um comissário ficou junto dos médicos e da passageira, duas assistentes prepararam a cabine para a aterragem, alojaram os passageiros de modo que os médicos pudessem aterrar sentados na fila 20 ao lado da senhora e o comandante pediu aterragem de emergência, tendo utilizado a pista 35 em detrimento da pista 03 em uso aquela hora. 
 
Se costuma dizer que: "mesmo no azar o português tem sorte", a fortuna daquela passageira foi ter dois médicos competentes a bordo, pois caso contrário a hipótese de óbito rondava os 70%. Apesar de ser um daqueles quadros clínicos fáceis de identificar, típico de livros de estudante de medicina, a tripulação não estava obviamente treinada para tão grave situação. A faculdade de medicina e pelo menos seis anos de estudo fazem muita diferença nestes casos. 
 
Mas nem tudo correu da melhor forma. Mesmo para médicos habituados a casos urgentes trabalhar no espaço reduzido de um corredor de avião não é fácil. A minha esposa detetou algumas pequenas lacunas na mala de médico. Faltava, por exemplo, um tubo para ligar a mascara à garrafa de oxigénio e um rolo de fita adesiva de modo a manter o acesso/agulha no pulso da doente. 
 
O médico funcionário do INEM pediu ao comandante para falar com as operações de modo a ter à aterragem uma ambulância e a viatura VMER (Viatura Médica Emergência e Reanimação). Pedir ao CODU para ativar a "Via Verde AVC". 
 
Contudo nada disto aconteceu, depois de rapidamente aterrarmos e chegarmos à porta 126, apenas estava a ambulância da Cruz Vermelha à nossa espera. A tripulação da TAP pediu aos passageiros para permanecerem sentados a fim de evacuar a senhora. Quando os socorristas chegaram ao interior do avião não sabiam como retirar a passageira deitada no corredor. Em vez de colocar o ambulift na porta traseira foi colocada uma normal escada utilizada para o desembarque de passageiros, o que obviamente não permitiu retirar a doente urgente. 
 
Tudo isto demorou um tempo infinito e os passageiros das filas da frente, alguns deles em voo de escala (Recife por exemplo), começaram a ficar impacientes e a pedir para sair do avião. Toda esta demora começou a provocar algum mau estar a bordo. 
 
Todo o esforço da tripulação da TAP em lidar com a emergência e aterrar o mais rapidamente, foi anulado pela ineficácia do aeroporto em resolver estas situações. Um AVC tem uma "janela temporal" de duas horas para ser eficazmente tratado. A falta de meios para evacuar de um modo rápido e eficiente a passageira foram notórios. 
 
Já tinha tido voos com problemas médicos a bordo, mas nenhum com esta gravidade. A lição que tiro é que é muito complicado quando isto acontece. Nem sempre há médicos experientes a bordo, não há o equipamento necessário, o espaço é apertado, os procedimentos de aterragem são demorados e a juntar a isto tudo, como foi este o caso, o aeroporto não está preparado para urgências.
 
A aproximação à pista 35 em Lisboa
DSC00302_zpsrjbdptft.jpg
 
Tudo feito de modo rápido até à chegada ao terminal
DSC00304_zpsxcdih2sg.jpg
 
A porta de desembarque já com a ambulância à espera
DSC00305_zpsfnuvmxcf.jpg
 
A320 CS-TQD (foto de Szabo Gabor - Airliners)
2599134_zps0aa5eq1r.jpg
 
 
Em resumo: Os voos da TAP foram negativamente marcados pelos atrasos verificados. A Icelandair também não foi um exemplo na pontualidade. A companhia islandesa apresenta alguns aspetos positivos, tais como espaço do assento e o sistema de entretenimento individual, mas nos restantes pontos é uma companhia que não encanta. 
 
 
Um abraço português,
 
Jopeg


#3 Kal_Center

Kal_Center
  • Usuários
  • 2,025 posts

Posted 27 de July de 2016 - 10:12

Excelente report Jopeg, parabéns!

 

Ainda pretendo conhecer a Islândia.

 

Fiquei abismado com a situação médica descrita. Sabemos que em situações peculiares não raciocinamos direito, mas é notável as falhas graves tanto da TAP (falta de material na maleta de bordo) quanto do pessoal em terra de Lisboa. Não sei se é motivo de RELPER mas é complicado.

 

Soube depois do estado de saúde desta passageira?

 

Abs!



#4 Rlabreu

Rlabreu
  • Usuários
  • 538 posts

Posted 27 de July de 2016 - 17:41

Bacana como sempre, Jopeg.

Em minha ultima estada na Europa eu quase fui à Islandia, mas como voce disse é tudo muito caro para la.



#5 comandantejpc

comandantejpc
  • Usuários
  • 273 posts

Posted 27 de July de 2016 - 19:27

Excelente report! Viajei contigo ao ler os relatos!

 

Abraços!



#6 A340-600

A340-600
  • Usuários
  • 1,956 posts

Posted 29 de July de 2016 - 17:14

Que legal o report!

Vou para Islândia em setembro e pretendo usar os serviços da Icelandair.



#7 -ZAP-

-ZAP-
  • Usuários
  • 3,494 posts

Posted 30 de July de 2016 - 09:11

Show...a Islândia deve ser muito top. Se puder fazet um relato de lá também ficaria grato!

#8 MissedApproach

MissedApproach
  • Usuários
  • 659 posts

Posted 31 de July de 2016 - 15:00

Nem imagino o trampo que dá fazer um FR desses, obrigado Jopeg!



#9 cadualm

cadualm
  • Usuários
  • 246 posts

Posted 01 de September de 2016 - 09:21

Obrigado Jopeg! Tenho interesse muito grande em conhecer essas terras do Norte Europeu!



#10 Jopeg

Jopeg
  • Usuários
  • 743 posts

Posted 03 de September de 2016 - 11:50

Caros,

 

Já coloquei aqui no «Guia CR» o relatório da minha viagem à Islândia. 

 

Abraço,

 

Jopeg



#11 Geoshina

Geoshina
  • Usuários
  • 673 posts

Posted 05 de September de 2016 - 16:34

Excelente com sempre, Jopeg!! 



#12 sundown

sundown

    In Memorian

  • In Memorian
  • 389 posts

Posted 23 de September de 2016 - 18:07

Parabéns amigo! E parabéns a sua esposa também.