Jump to content


Photo

Japão lança primeiro satélite de comunicação militar


  • You cannot start a new topic
  • Please log in to reply
No replies to this topic

#1 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 22,493 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 26 de January de 2017 - 20:43

Meus prezados
Japão lança primeiro satélite de comunicação militar
34528_resize_620_380_true_false_null.jpg
O Japão lançou nesta terça-feira seu primeiro satélite de comunicação militar para ampliar a capacidade de banda larga de suas Forças de Autodefesa, no momento em que estas reforçam uma cadeia de ilhas que se estende pelo extremo sul do Mar do Leste da China.

Durante o governo do primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, os militares estão operando mais além das ilhas que integram o país, que vem assumindo um papel maior na contenção das atividades militares crescentes dos chineses na região.

O satélite partiu do espaçoporto japonês de Tanegashima a bordo de um foguete H-IIA às 5h44 (horário de Brasília) e entrou em órbita com sucesso, disse o porta-voz da Mitsubishi Heavy Industries , que construiu o lançador.

O equipamento é um dos três assim chamados satélites banda X em planejamento, que irão quadruplicar a capacidade de banda larga, unificar uma rede de comunicações fragmentada e sobrecarregada e permitir comunicações em mais territórios.

Tóquio e Pequim estão envolvidos em uma disputa territorial no Mar do Leste da China por conta de um grupo de ilhas desabitadas conhecidas como Senkaku no Japão e Diaoyu na China. Os dois países também divergem a respeito da exploração de campos de gás em zonas econômicas reivindicadas por ambos.

O Japão, principal aliado dos Estados Unidos na Ásia, teme que um aumento recente nas atividades militares chinesas na área seja um sinal de que Pequim pretende ampliar sua influência militar a partir do vizinho Mar do Sul da China, visando a desafiar o predomínio marítimo dos EUA.
Fonte: Reuters via DefesaNet 24 JAN 2017