Jump to content


Photo

Pentágono suspende proibição do uso de bombas de fragmentação


  • You cannot start a new topic
  • Please log in to reply
No replies to this topic

#1 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 25,032 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 04 de December de 2017 - 23:45

Meus prezados
Pentágono suspende proibição do uso de bombas de fragmentação
F18_cbu_drop.jpg
F/A-18D Hornet lança bombas de fragmentação CBU-99

 

WASHINGTON – O Pentágono adiou indefinidamente uma proibição planejada sobre o uso de certas bombas de fragmentação, que liberam submunições explosivas ou “bomblets”. Os militares dos EUA consideram-nos uma arma legítima e importante, embora os críticos digam que matam indiscriminadamente e representam riscos para os civis.
Um tratado internacional de 2010 proíbe o uso de bombas de fragmentação, mas os EUA não são signatários.
A administração de George W. Bush declarou em 2008 que, depois de 1º de janeiro de 2019, os Estados Unidos continuariam a usar bombas de fragmentação somente se cumprirem um padrão de desempenho de falha de detonação de 1% ou menos. Esse padrão é importante porque as munições de fragmentação armadas e não explodidas deixadas no campo de batalha representam um perigo a longo prazo para os civis.
Tom Crosson, porta-voz do Pentágono, disse que, apesar dos esforços para desenvolver munições cluster mais confiáveis e, portanto, mais seguras, os militares dos EUA não conseguiram produzir bombas com taxas de falha de 1 por cento ou menos. Ele disse que não está claro quanto tempo poderia demorar para alcançar esse padrão e, portanto, o Pentágono concluiu em uma revisão política de durou meses que deveria deixar de lado o prazo de 2019 e permitir que os comandantes autorizem o uso das armas quando julgarem necessário.
A nova política criou críticas imediatas. Mary Wareham, diretora de divisão de armas da Human Rights Watch, afirmou que não há motivos convincentes para o uso de munições de fragmentação.
“Os EUA dizem que não podem produzir munições de fragmentação seguras”, por isso decidiu continuar usando as inseguras”, disse ela. “Condenamos essa decisão de reverter o longo compromisso dos Estados Unidos de não usar munições de fragmentação que falhem mais de 1% das vezes, resultando em submunições mortíferas e não explodidas”. Sua organização é presidente da Cluster Munition Coalition, uma campanha internacional que busca eliminar bombas de fragmentação.
Uma nova política do Pentágono aprovada quinta-feira apaga o prazo de 2019 e afirma que as armas são legítimas, não necessariamente um risco humanitário, e são importantes para ataques de guerra em “alvos de área”, como as formações de tropas inimigas.
A nova política autoriza os comandantes a aprovar o uso de bombas de fragmentação existentes “até quantidades suficientes” de versões mais seguras serem desenvolvidas e colocadas em campo. “Mais seguro” significa cumprir o padrão de falha de 1 por cento ou desenvolver bombas equipadas com um mecanismo de autodestruição ou que podem ser inoperáveis em 15 minutos ou menos pelo esgotamento de sua fonte de energia.
A política não define o que se qualifica como “quantidades suficientes” de armas mais seguras e não estabelece um novo prazo.
Hornet-decolando-com-bomba-de-fragmenta%
Hornet decolando com bomba de fragmentação em 2003 para atacar alvo no Iraque

 

Na prática, os EUA raramente usam bombas de fragmentação. O Pentágono diz que seu último uso em larga escala foi na invasão do Iraque de 2003. Elas poderiam ser considerados importantes para uso em um conflito de grande escala, como uma guerra terrestre contra a Coreia do Norte.
Em um memorando assinado no dia 30 de novembro, o vice-secretário de Defesa, Patrick Shanahan, disse que os EUA continuam empenhados em colocar armas que são eficazes na guerra e que “minimizem os danos involuntários” para os civis e forças dos EUA e  parceiros.
“Embora o Departamento (de Defesa) busque montar uma nova geração de munições mais altamente confiáveis, não podemos arriscar o fracasso da missão ou aceitar o potencial aumento de vítimas militares e civis, perdendo as melhores capacidades disponíveis”, escreveu Shanahan.
“As munições cluster são armas legítimas com uma utilidade militar clara”, escreveu Shanahan. Ele também afirmou que as munições de fragmentação “podem resultar” em danos menos intencionais para civis e outros que outros tipos de armas em certos alvos, como formações em massa de tropas inimigas e alvos sensíveis ao tempo ou em movimento.
Por lei, os EUA não podem fornecer munições de fragmentação a outros países, a menos que atinjam o padrão de falha de 1 por cento.
Fonte: CBS News via site Poder Aéreo 2 dez 2017