Jump to content


Photo

Primeiro F-35B italiano chega à NAS Pax River


  • You cannot start a new topic
  • Please log in to reply
2 replies to this topic

#1 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 24,518 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 05 de February de 2018 - 10:36

Meus prezados
Primeiro F-35B italiano chega à NAS Pax River

F-35B-italiano.jpg
F-35B italiano

 

O primeiro F-35B montado fora dos EUA pousou na NAS Patuxent River no dia 31 de janeiro depois de completar um voo transatlântico desde a Base Aérea Cameri, no norte da Itália.
O voo segue a aceitação pelo Ministério da Defesa da Itália da aeronave no dia 25 de janeiro na linha de montagem final de F-35 de Cameri. Há duas linhas de montagem final estrangeiras do F-35, a outra está localizado em Nagoya, Japão.
Cameri é a única linha de montagem final da variante B fora dos EUA e entregou nove F-35As e um F-35B.
A aeronave é destinada à Marinha Italiana e vai passar por certificação de efeitos eletromagnéticos ambientais nos próximos três meses na Integrated Battlespace Simulation and Test Facility da NAS Rio Patuxent.
Fonte: site Poder Aéreo 4 fev 2018



#2 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 24,518 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 09 de July de 2018 - 11:16

Meus prezados
Itália diz que não vai comprar mais caças F-35 e pode cortar pedido existente

A Itália não comprará mais caças F-35 da Lockheed Martin e está considerando se deve cumprir a encomenda com a qual já está comprometida, disse a ministra da Defesa, Elisabetta Trenta, na sexta-feira (6/7).

Trenta vem do movimento anti-establishment 5 Estrelas, que sempre criticou a encomenda italiana da OTAN para 90 dos aviões, dizendo que o dinheiro poderia ser mais bem gasto para aumentar o bem-estar e ajudar a lenta economia.
“Não vamos comprar mais F-35”, disse Trenta em entrevista à televisão com a emissora privada La 7. “Estamos avaliando o que fazer em relação aos contratos já em vigor”.
Ela explicou várias razões para ser cautelosa, dizendo que “fortes penalidades financeiras” podem significar que “desmantelar a encomenda pode nos custar mais do que mantê-la”.
Ela também citou benefícios em termos de tecnologia e pesquisa na Itália ligados aos aviões, bem como empregos que seriam perdidos.
O F-35 é fabricado pela Lockheed Martin, com companhias como Northrop Grumman, Pratt & Whitney e BAE Systems também envolvidas.
No entanto, Trenta disse que viu mérito em estender as compras, a fim de liberar recursos para investimentos em projetos de defesa europeus.
Algumas autoridades do 5 Estrelas disseram no ano passado que a Itália deveria cancelar a encomenda dos caças, mas Trenta deixou claro que tinha reservas sobre isso.
“Ninguém está escondendo o fato de que sempre fomos críticos … em vista dos contratos existentes assinados pelo governo anterior, estamos realizando uma avaliação cuidadosa que considera exclusivamente o interesse nacional”, disse ela.
O Movimento 5 Estrelas formou um governo de coalizão populista no mês passado com o partido de extrema direita Liga.
Fonte: Reuters via site Poder Aéreo 9 JUL 2018



#3 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 24,518 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 28 de July de 2018 - 21:26

Meus prezados

Itália pode parar pedidos do F-35 em 13 aeronaves
F-35-ItAF.jpg
F-35 italiano
Giovanni de Briganti
PARIS – Se continuar com sua decisão de não comprar mais caças Lockheed F-35, a Itália poderá economizar até US$ 13 bilhões que poderia usar, como a Alemanha, para comprar Eurofighters adicionais para substituir sua aeronave de ataque Tornado e ainda teria dinheiro sobrando para gastar nos programas de bem-estar que são a prioridade de seu novo governo.
Elisabetta Trenta, a nova ministra da Defesa que tomou posse em junho, disse durante uma entrevista transmitida pela televisão “La 7” (em italiano) em 6 de julho que “Certamente, não compraremos mais F-35s – posso garantir que e estou enfatizando isso agora porque algumas pessoas escreveram o contrário”.
No entanto, Trenta também disse que a Itália estava “avaliando o que fazer em relação aos contratos já em vigor” e avaliando se deve manter suas encomendas ou esticá-las por um período mais longo. A Itália avaliará os benefícios do programa em termos de tecnologia, emprego e rotatividade antes de chegar a uma decisão, “porque pode nos custar mais para cancelar do que continuar”.
Contradição ou mal-entendido?
De fato, nenhuma penalidade é devida se a Itália deixar de encomendar o F-35 e, além disso, já recebeu dez dos doze F-35 que encomendou, e os outros dois seguirão durante o segundo tempo. Uma 13ª aeronave, encomendada como parte do lote 11, deve ser entregue em 2019.
A aparente contradição entre a garantia da ministra de que a Itália não encomendaria mais F-35s e sua declaração de que iria avaliar se manteria ou cancelaria pedidos existentes provavelmente se deve a uma má compreensão da situação contratual, especulou uma fonte sênior em 13 de julho, “porque não há outra explicação”.
O governo anterior planejou encomendar 17 F-35 adicionais entre 2020 e 2022, aumentando seu total para 28, e os incluiu em seu planejamento plurianual de DDP. Isso provavelmente levou Trenta a erroneamente supor que eles já haviam sido encomendados, disse a fonte.
Solicitado a esclarecer essa aparente contradição, o Ministério da Defesa italiano não pôde responder em nosso prazo.
Também não está claro se a Itália perderia muitos negócios se parasse de comprar F-35s. A Leonardo, a principal fornecedora italiana do programa F-35, tem contratos firmes para produzir 835 conjuntos de asa e montar 29 aeronaves F-35A para a Holanda, disse um porta-voz da empresa em 16 de julho, bem como para manutenção e suporte dos F-35A pertencentes aos operadores europeus.
A primeira aeronave chegou para manutenção no mês passado na Final Assembly and Check-Out (FACO) operada pela empresa em Cameri, perto de Milão, onde todas as suas atividades relacionadas ao F-35 estão concentradas, disse ele.
A Itália e os parceiros estrangeiros não têm obrigação de continuar
Este é um momento particularmente favorável para a Itália – ou qualquer outro parceiro – sair do programa, uma vez que o compromisso de pagar uma parte dos custos do programa irá expirar no final da fase de Desenvolvimento e Demonstração de Sistemas (SDD), atualmente planejada para final de 2019.
A fase de testes de voo do SDD já terminou, como anunciado no dia 12 de abril, e o programa deve agora concluir sua fase inicial de testes operacionais e avaliação (IOT&E), que deve começar em setembro e terminar no final de 2019.
A Itália ainda não assinou contrato para o Desenvolvimento e Entrega Continuada de Recursos Contínuos (C2D2, anteriormente conhecido como desenvolvimento Block 4) e não tem obrigação de fazê-lo. Nenhuma nação tem qualquer obrigação de encomendar qualquer aeronave adicional.
Encomendas estrangeiras atrasadas
Em meados de junho, os parceiros estrangeiros haviam encomendado apenas uma pequena parte de suas compras planejadas. Em vez das centenas de aeronaves que a Lockheed sugere já terem sido encomendadas, após 17 anos as sete nações parceiras encomendaram apenas 49 aeronaves, ou menos de 14% das 359 aeronaves F-35 encomendadas até o momento.
Outros 32 deverão ser encomendados pelos países parceiros no Lote 11, que também inclui 22 para os três clientes do FMS, conforme detalhado nesta tabela:
F-35-tab2018-07.jpg
Partilha de trabalho em atraso
Quanto ao desempenho e custos do F-35, a Lockheed superestimou e entregou menos em termos de carga de trabalho para a indústria italiana. O governo italiano gastou quase 796 milhões de euros para construir a FACO da Cameri, que originalmente deveria fornecer pelo menos 1.800 empregos com altos salários, enquanto a Lockheed deveria conceder bilhões de euros em contratos de produção para empresas italianas.
Isso não aconteceu, no entanto, levando o chefe do sindicato italiano de defesa e indústria aeroespacial, AIAD, a reclamar que os EUA “não honraram as promessas” feitas desde que a Itália aderiu ao programa, prejudicando as firmas italianas, bem como ameaçando a carga de trabalho no centro F-35 MRO. Guido Crosetto disse ao Defense News que a Itália tinha a promessa de que seu negócio provavelmente atingiria cerca de 65% de seu investimento, mas que “hoje, estamos em menos de 20%”.
A nossa própria análise do trabalho do F-35 italiano encontrou um deficit entre um terço e metade comparado com as promessas iniciais feitas pela Lockheed e pelo JPO.
Compreensivelmente, a Lockheed começou a informar a mídia selecionada sobre os benefícios que a Itália supostamente recebeu do programa F-35.
Um funcionário anônimo da Lockheed Martin disse ao Jane’s em 12 de julho que, junto com seus parceiros, a empresa concedeu mais de 100 contratos para empresas italianas. “Até o momento, a indústria italiana garantiu US$ 1,8 bilhão em contratos de produção de F-35 e espera-se que ultrapasse US$ 9,9 bilhões ao longo da vida do programa. Além disso, a fabricação de motores resultou em US$ 45 milhões em contratos para empresas italianas, com um valor total do programa que deverá exceder US$ 4 bilhões”.
Esses números não podem ser verificados independentemente, e o fato de o funcionário da Lockheed permanecer anônimo lança algumas dúvidas sobre sua credibilidade.
As deficiências de compartilhamento de trabalho não são exclusivas da Itália. Em seu Relatório de Programas Majoritários de 2017, o Escritório Nacional de Auditoria da Austrália descobriu que, ao contrário do que os ministros afirmaram, “os benefícios econômicos esperados (retorno sobre o investimento, participação de mercado/participação regional) da Indústria Australiana no Programa JSF global não foram atingidos.”
Por outro lado, a Dinamarca, a Noruega e a Holanda parecem satisfeitas com o trabalho do F-35 que receberam, muitas vezes proporcionalmente mais do que o número de aquisições parece garantir. A Dinamarca, por exemplo, vem há anos recebendo contratos de produção de F-35, embora ainda não tenha encomendado nenhuma aeronave.
First-italian-built-F-35B-1024x643.jpg
O primeiro F-35B produzido na FACO da Cameri, Itália. Foto: Aeronautica Militare/Lockheed Martin
Contrato do Lote 11 muito atrasado
A partir de hoje, a Lockheed só recebeu pedidos para os primeiros dez lotes de Produção Inicial de Baixa Cadência (LRIP), ou lotes anuais. O contrato para o lote 11 está em negociação há quase um ano, já que o Pentágono se recusa a pagar o que a Lockheed solicita, e não é esperado antes do outono. O Pentágono anunciou no dia 15 de julho que havia concluído um “acordo de aperto de mãos” para o contrato do lote 11, mas não forneceu outros detalhes.
O programa F-35 não atingirá o Milestone C, que marca a transição para a produção com cadência total, até outubro de 2019, e, portanto, não pode legalmente receber um contrato plurianual. Para contornar este obstáculo legal, a Lockheed e o JPO inventaram o Block Buy Contract, que é um contrato plurianual com outro nome.
Usando esse “truque”, eles planejam conceder um único contrato cobrindo os Lotes 12, 13 e 14 e, assim, garantir pedidos para cerca de 440 aeronaves F-35, tanto para os Estados Unidos quanto para os operadoras estrangeiros. No entanto, isso requer a aprovação de parceiros estrangeiros, bem como do Congresso, que eles ainda não obtiveram.
Não é grande demais para falhar – ainda
A Lockheed Martin há anos tenta convencer o Congresso de que o programa do F-35 é grande demais para fracassar, mas esse não é o caso.
O programa só entregou sua 300ª aeronave em 11 de junho, de uma meta de produção atual de mais de 3.000 aeronaves: cerca de 2.450 para os Estados Unidos e, segundo a estimativa otimista da Lockheed, mais de 500 para parceiros estrangeiros e clientes de Vendas Militares Estrangeiras (FMS).
Mas as encomendas estrangeiras estão ficando para trás, já que os parceiros estrangeiros preferem esperar até que a Lockheed conserte as muitas falhas da aeronave, enquanto Israel declarou abertamente que compraria um esquadrão extra de F-15Is em vez de mais F-35s.
Essas falhas são numerosas, variadas e sérias.
Em 5 de junho, o Government Accountability Office (GAO) informou que “em janeiro de 2018, o programa F-35 tinha 966 deficiências em aberto — 111 categoria 1 e 855 categoria 2. Pelo menos 25 deficiências de categoria 1 e 165 de categoria 2 não ser resolvido antes da produção de cadência total. ”
O GAO define deficiências de Categoria 1 como “aquelas que poderiam colocar em risco a segurança, ou outro requisito crítico”, enquanto as deficiências de Categoria 2 são “aquelas que poderiam impedir ou restringir o sucesso da missão”. Em qualquer um dos casos, 966 falhas não resolvidas não são um bom sinal em um programa que quase completou seu desenvolvimento.
Também deve ser notado que, no mesmo relatório, o GAO informou que:
• As 213 aeronaves que o programa já adquiriu e entregou precisarão de reformas para corrigir os problemas encontrados durante os testes;
• Mais de 270 aeronaves foram identificadas como carecendo do “primer” necessário a partir de fevereiro de 2018, para o qual os reparos podem levar entre 30 a 40 dias por aeronave a um custo ainda a ser determinado;
• Cada uma das 66 aeronaves entregues em 2017 exigiu, em média, 6.237 horas de trabalho para “substituição, retrabalho e reparo”, que deve ser pago extra.
Fonte: Defense-Aerospace.com via site Poder Aéreo 28 JUL 2018