Jump to content


Photo

Bombardier CSeries se tornará Airbus A200...


  • You cannot start a new topic
  • Please log in to reply
65 replies to this topic

#1 Pessoa 1985

Pessoa 1985
  • Usuários
  • 754 posts
  • Gender:Male
  • Location:Purgatório da Beleza e do Caos!
  • Cidade/UF/País:Rio de Janeiro RJ Brasil
  • Data de Nascimento:02/09/1985

Posted 25 de April de 2018 - 21:23

Após compra pela Airbus, Bombardier CSeries irá se tornar Airbus A200

 

A Airbus tem planos para expandir a sua participação no projeto C Series da Bombardier, como reportamos em primeira mão em outubro do ano passado, seguindo uma dica do jornalista Jon Ostrower.

Porém agora os planos estão mais concretos, a fabricante que atualmente possui 50% no projeto após um investimento de mais de $6 bilhões de dólares deverá acabar com a marca CSeries, transformando o nome dos jatos em A210 e A230, respectivamente para o CS100 e CS300.

A série chamada de “A200” é a primeira designação da Airbus fora da série A300 que inclui o A300, A310, A318/19/20/21, A330, A340, A350 e A380. Apesar da nova designação ainda não estar 100% confirmada, é certo que a marca atual será retirada.

Um dos motivos da Airbus ter comprado a CSeries é ter um portifólio maior de aeronaves, podendo oferecer desde jatos regionais de 110 passageiros até 800 passageiros com o gigante A380. Desta maneira oferecendo descontos atrativos para clientes que levarem uma gama maior de aeronaves.

A nova marca dos jatos regionais irá ajudar na inserção do produto no mercado europeu, a mudança definitiva será anunciada após a conclusão final da compra do projeto CSeries, que está sob análise de orgãos reguladores. O anúncio deverá ser feito a tempo da feira de Farnborough, a mais importante do ano e segunda maior do setor, atrás do Paris Air Show – Salão de Le Bourget.

Outro motivo para a designação A200 seria a possibilidade de desenvolver novas versões no futuro, inclusive para competir com o Embraer E175 no mercado americano, que possui 75 assentos e está dentro do permitido de 76 assentos pelo convenção coletiva que rege a aviação regional americana.

Informações pela Bloomberg

 

 

http://www.aeroin.ne...ar-a210-e-a230/



#2 Renatosilva

Renatosilva
  • Usuários
  • 574 posts
  • Cidade/UF/País:Belo Horizonte MG Brasil
  • Data de Nascimento:06/05/1980

Posted 25 de April de 2018 - 22:25

No futuro Boeing 675,690 e 695
😁
  • .kr'st_fer., AlexVenturine, José Castro and 1 other like this

#3 ChicoZé

ChicoZé
  • Usuários
  • 27 posts
  • Cidade/UF/País:Rio de Janeiro/RJ/Brasil
  • Data de Nascimento:13/11/1993

Posted 25 de April de 2018 - 22:41

No futuro Boeing 675,690 e 695

 

Os E-Jets já são uma marca forte ... não duvido que a Boeing mantenha o nome da família (170/175/190/195  e 175E2/190E2/195E2).



#4 Hirondelle

Hirondelle
  • Usuários
  • 204 posts
  • Gender:Male
  • Cidade/UF/País:João Pessoa/PB/Brasil
  • Data de Nascimento:10/09/1982

Posted 25 de April de 2018 - 23:02

Me tirem uma dúvida, por gentileza: os CRJs e Q400 permanecerão com a "marca" Bombardier ou deixarão de ser fabricados? 



#5 FCRO

FCRO
  • Usuários
  • 638 posts
  • Gender:Male
  • Cidade/UF/País:jacarei/sp/brasil
  • Data de Nascimento:11/06/1987

Posted 25 de April de 2018 - 23:26

Os E-Jets já são uma marca forte ... não duvido que a Boeing mantenha o nome da família (170/175/190/195  e 175E2/190E2/195E2).


Mcdonnel Douglas era um nome muito mais forte e o md95 virou boeing 717
  • Sandro, A345_Leadership, adelfy and 13 others like this

#6 Fabrício163

Fabrício163
  • Usuários
  • 1,309 posts
  • Gender:Male
  • Location:SP
  • Cidade/UF/País:Dourados/Campo Grande-MS
  • Data de Nascimento:17/02/1994

Posted 25 de April de 2018 - 23:57

Me tirem uma dúvida, por gentileza: os CRJs e Q400 permanecerão com a "marca" Bombardier ou deixarão de ser fabricados? 


A Airbus só comprou o programa CSeries. Os outros modelos que a Bombardier fabrica não vão ter nada a ver com a Airbus. Portanto, não tem porque mudarem de marca.

Edited by Fabrício163, 25 de April de 2018 - 23:57 .

  • Hirondelle likes this

#7 Fabrício163

Fabrício163
  • Usuários
  • 1,309 posts
  • Gender:Male
  • Location:SP
  • Cidade/UF/País:Dourados/Campo Grande-MS
  • Data de Nascimento:17/02/1994

Posted 26 de April de 2018 - 00:12

Alarguem um pouco a fuselagem do CS300 para ficar com uma configuração 3+3, coloquem uma nova asa e motores da próxima geração e, pronto, temos um substituto para o A320neo.

#8 Landing

Landing
  • Usuários
  • 11,758 posts
  • Gender:Male
  • Cidade/UF/País:br
  • Data de Nascimento:06/06/1966

Posted 26 de April de 2018 - 03:41

Alarguem um pouco a fuselagem do CS300 para ficar com uma configuração 3+3, coloquem uma nova asa e motores da próxima geração e, pronto, temos um substituto para o A320neo.

Isso nunca vai acontecer.

Primeiro que Alargar a fuselagem é praticamente criar um avião novo e eliminar a vantagem de comprar um projeto já existente.

Segundo que a sua fuselagem mais estreita é uma das vantagens que o tornam a aeronave mais aerodinamicamente limpa e consequentemente mais econômica. 

 

O único investimento que acredito é uma versão alongada e se a Airbus for muito ousada, uma padronização na aviônica.


  • raverbashing and Dantoviski like this

#9 raverbashing

raverbashing
  • Usuários
  • 2,697 posts
  • Gender:Male
  • Location:SBCT - KOTOL
  • Cidade/UF/País:Curitiba PR
  • Data de Nascimento:01/05/1981

Posted 26 de April de 2018 - 04:23

Aliás, diga-se de passagem, como passageiro o CSeries é um avião excelente (ok, tá certo que era da LX, mesmo assim)



#10 Fabrício163

Fabrício163
  • Usuários
  • 1,309 posts
  • Gender:Male
  • Location:SP
  • Cidade/UF/País:Dourados/Campo Grande-MS
  • Data de Nascimento:17/02/1994

Posted 26 de April de 2018 - 07:16

Isso nunca vai acontecer.
Primeiro que Alargar a fuselagem é praticamente criar um avião novo e eliminar a vantagem de comprar um projeto já existente.
Segundo que a sua fuselagem mais estreita é uma das vantagens que o tornam a aeronave mais aerodinamicamente limpa e consequentemente mais econômica. 
 
O único investimento que acredito é uma versão alongada e se a Airbus for muito ousada, uma padronização na aviônica.


Eu também pensava em uma versão alongada, mas não daria, pois o porão do CS300 não comporta containers do tipo AKH como nos A320, seria um retrocesso ao meu ver.

Sobre o custo ser tão alto que acabaria não sendo vantajoso, não sei, mas dá para fazer um aeronave aerodinâmicamente limpa mesmo com a fuselagem mais larga. Quer aeronave mais limpa que o 787? E o que realmente torna uma aeronave mais econômica é o seu peso. Me lembro de ter lido uma reportagem dizendo que os avanços aerodinâmicos do 787 fazem ele economizar cerca de 1% apenas. O que faz ele ser tão econômico é a fuselagem em grande parte feita com materiais compostos, assim como no CS300. Um CS300 mais largo ainda ficaria bem mais leve que um A320.

#11 51Tucano

51Tucano
  • Usuários
  • 2,511 posts
  • Cidade/UF/País:SP/SP/BR
  • Data de Nascimento:07/07/1979

Posted 26 de April de 2018 - 07:22

Se acontecer o mesmo com os Embraer, tomara que a Boeing use a nomenclatura 717NG com os E170/175/190/195 sendo 717-600/700/800/900 respectivamente.

#12 Landing

Landing
  • Usuários
  • 11,758 posts
  • Gender:Male
  • Cidade/UF/País:br
  • Data de Nascimento:06/06/1966

Posted 26 de April de 2018 - 08:55

Eu também pensava em uma versão alongada, mas não daria, pois o porão do CS300 não comporta containers do tipo AKH como nos A320, seria um retrocesso ao meu ver.

Cara, o que isso tem a ver? Quantos operadores do A320 que vc conhece que usam containers?
Alongar uma aeronave é um processo evolutivo presente em quase todos top sales da industria.

 

 

 

Sobre o custo ser tão alto que acabaria não sendo vantajoso, não sei, mas dá para fazer um aeronave aerodinâmicamente limpa mesmo com a fuselagem mais larga. Quer aeronave mais limpa que o 787? E o que realmente torna uma aeronave mais econômica é o seu peso. Me lembro de ter lido uma reportagem dizendo que os avanços aerodinâmicos do 787 fazem ele economizar cerca de 1% apenas. O que faz ele ser tão econômico é a fuselagem em grande parte feita com materiais compostos, assim como no CS300. Um CS300 mais largo ainda ficaria bem mais leve que um A320.

Vc está esquecendo completamente a questão da área frontal.
Evidente que o peso é um fator determinante, 787 e A350 estão ai para provar isso, mas ele é apenas um dos fatores em uma equação onde os projetistas buscam ganhos em tudo!



#13 Ozires

Ozires
  • Usuários
  • 1,567 posts
  • Cidade/UF/País:São Paulo
  • Data de Nascimento:01/02/1974

Posted 26 de April de 2018 - 09:39

A fuselagem do CSeries é metálica, sendo apenas a porção traseira, não pressurizada, de material composto.
  • Landing likes this

#14 A345_Leadership

A345_Leadership
  • Moderador
  • 18,559 posts
  • Gender:Male
  • Cidade/UF/País:Skunk Works
  • Data de Nascimento:14/05/1986

Posted 26 de April de 2018 - 10:00

Alargar uma aeronave é mais custoso que alongar, este basta colocar anéis estruturais antes ou depois das asas.


  • Landing and Darlan like this

#15 Fabrício163

Fabrício163
  • Usuários
  • 1,309 posts
  • Gender:Male
  • Location:SP
  • Cidade/UF/País:Dourados/Campo Grande-MS
  • Data de Nascimento:17/02/1994

Posted 26 de April de 2018 - 11:42

Cara, o que isso tem a ver? Quantos operadores do A320 que vc conhece que usam containers?
Alongar uma aeronave é um processo evolutivo presente em quase todos top sales da industria.
 
Vc está esquecendo completamente a questão da área frontal.
Evidente que o peso é um fator determinante, 787 e A350 estão ai para provar isso, mas ele é apenas um dos fatores em uma equação onde os projetistas buscam ganhos em tudo!

Eu não estou esquecendo a área frontal, só não entendo você colocar como um dificuldade enorme manter o design frontal do CSeries em uma fuselagem mais larga. Os modelos russo e chinês possuem fuselagens mais largas e design parecido.

Todos os modelos mais recentes de aeronaves são compatíveis com o AKH, eu vejo sim como um retrocesso a Airbus parar de oferecer essa possibilidade de transporte de carga.

Edited by Fabrício163, 26 de April de 2018 - 11:43 .


#16 Fabrício163

Fabrício163
  • Usuários
  • 1,309 posts
  • Gender:Male
  • Location:SP
  • Cidade/UF/País:Dourados/Campo Grande-MS
  • Data de Nascimento:17/02/1994

Posted 26 de April de 2018 - 12:59

A fuselagem do CSeries é metálica, sendo apenas a porção traseira, não pressurizada, de material composto.


No site da BBD fala que as asas também são. Mas eu achava que a fuselagem era de materiais compósitos também. Na verdade, é de alumínio (advanced aluminium segundo eles).

#17 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 24,852 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 28 de April de 2018 - 12:10

Meus prezados
Airbus e Bombardier fecharão acordo de jatos C Series em maio de 2018
C-Series.jpg
Bombardier C Series

A Airbus pode decidir mudar o nome da família C Series para a família A200, informa a Bloomberg. De acordo com fontes anônimas, o CS100 e o CS300 seriam respectivamente A210 e A230. Isto viria como uma forma do fabricante europeu harmonizar o seu catálogo.
A mudança de nome poderia ser anunciada durante a oficialização da parceria entre as duas empresas, o que poderia estar acontecendo até o final de maio de 2018, informa a Reuters. O acordo já deveria entrar em vigor em meados de 2018.
“Não podemos confirmar essa informação”, comentou Nathalie Siphengphet, porta-voz da Bombardier. “Esperamos que nossa parceria com a Airbus duplique o valor do programa da C Series. O poder de venda e a marca da Airbus darão à C Series uma vantagem competitiva invejável.”
Seria a primeira vez que a Airbus não nomeia um de seus aviões após o seu primeiro modelo, o A300.
Em outubro de 2017, a Airbus anunciou que compraria uma participação majoritária na C Series da Bombardier. A empresa estava lutando para reduzir seus custos e conseguir novos pedidos. “Não tenho dúvidas de que nossa parceria com a Bombardier impulsionará tremendamente as vendas e o valor desse programa”, disse Tom Enders, diretor-executivo da Airbus na época.
A C Series é atualmente operada por três empresas, a Swiss, a AirBaltic e a Korean Air. A Delta Air Lines começará a usá-lo no início de 2019. Atualmente, a Bombardier tem 372 pedidos para ambos os modelos.
C-Series-2.jpg
C Series
FONTE: AeroTime News Hub via site Poder Aéreo 27 ABR 2018[/I]



#18 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 24,852 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 11 de June de 2018 - 11:18

Meus prezados
Avião da Bombardier será um sucesso, diz Airbus
A Airbus prometeu empregar "toda a sua força" para fazer da aeronave C Series da Bombardier um sucesso, depois que as duas companhias firmaram um acordo para transferir o controle majoritário do problemático programa de US$ 6 bilhões para a fabricante europeia de aviões.
A Airbus e a Bombardier anunciaram na sexta-feira que todos os obstáculos reguladores foram contornados semanas antes do esperado. "O empenho de toda a organização Airbus estará por trás do C Series", disse Harald Wilhelm, diretor financeiro da Airbus.
A Airbus vai adquirir 50,01% do programa C Series em 1º de julho pelo preço simbólico de 1 centavo canadense, numa iniciativa que já vem sacudindo a indústria aeronáutica.
Meses após a Airbus e a Bombardier anunciarem seu acordo, a Boeing revelou que estava em discussões com a Embraer. Os dois lados estão perto de um acordo em que a americana assumirá uma participação de cerca de 80% nas operações de jatos comerciais da companhia brasileira.
As operações de defesa e jatos executivos da Embraer formarão um grupo separado. O formato do acordo está perto de ser definido, mas uma fonte a par do assunto disse que ele só deverá ser fechado no ano que vem.
Com Airbus e Boeing ampliando seus alcances para o segmento de jatos regionais de menor porte, o número de fabricantes ocidentais de aviões comerciais cairá de quatro para dois.
Enquanto isso, a Airbus prometeu que de 1º de julho em diante vai se concentrar em aumentar a produção do C Series, uma família de jatos regionais de 100 a 150 assentos, e melhorar os custos.
A Airbus deverá pressionar fornecedores para que reduzam significativamente preços em troca de sua permanência no programa. Mas ela poderá oferecer acesso a outros programas da Airbus para ajudar a dar escala aos fornecedores. A Airbus também poderá começar a comercializar a aeronave, que representa um avanço em termos de materiais e eficiência no consumo de combustíveis.
A procura dos clientes pelo jato tem sido lenta, afetada pela fragilidade financeira da Bombardier, que foi forçada a pedir um resgate financeiro público das autoridades federais e provinciais canadenses, depois que os custos do programa fugiram de controle.
Os clientes americanos foram dissuadidos pela taxa de importação de 300% recomendada pelo Departamento do Comércio, depois que a Boeing reclamou que o C Series havia sido beneficiado por subsídios ilegais. No entanto, a International Trade Commission dos EUA decidiu contra o imposto em janeiro.
A finalização do acordo vai depender da possibilidade do C Series ter acesso à rede mundial de reparos e manutenção da Airbus, e aproveitar sua organização de vendas e marketing.
Como parte do negócio, a Airbus ampliará sua linha de produção em Mobile, Alabama, para produzir até quatro jatos C Series por mês a partir de 2020. Todavia, a principal linha de produção e a sede do C Series continuarão em Méribel, Quebec, que emprega cerca de 2.200 pessoas e subempreiteiros.
A Bombardier também vai bancar até US$ 925 milhões de qualquer deficiência de financiamento incorrida pelo programa.
No ano passado, a Bombardier entregou 17 aeronaves C Series e o plano é mais que dobrar as entregas este ano. O programa tem encomendas de 403 aeronaves, enquanto cerca de 30 já entraram em serviço na Air Baltic, Lufthansa e Swiss Global Air Lines.
Juntamente com a participação majoritária da Airbus, a Bombardier controlará 31% da parceria do C Series e a Investissement Québec, um órgão estatal, ficará com 19%.
Fonte: Peggy Hollinger | Financial Times via Valor Economico 11 JUN 2018



#19 luciano_katia

luciano_katia
  • Usuários
  • 2,140 posts
  • Cidade/UF/País:guarulhos/sao paulo/brazil
  • Data de Nascimento:17/01/1980

Posted 11 de June de 2018 - 11:51

So uma pergunta de leigo. Os avioes A210 e A230 vai competir com o A320N e A321N? Ou seja disputa caseira? Abracos a todos.

#20 Fabrício163

Fabrício163
  • Usuários
  • 1,309 posts
  • Gender:Male
  • Location:SP
  • Cidade/UF/País:Dourados/Campo Grande-MS
  • Data de Nascimento:17/02/1994

Posted 11 de June de 2018 - 12:12

So uma pergunta de leigo. Os avioes A210 e A230 vai competir com o A320N e A321N? Ou seja disputa caseira? Abracos a todos.


Não compete, capacidades diferentes.
Em classe única com 30" de pitch e full galley e banheiros:
A210: 125 pax
A230: 150 pax
A320: 174 pax
A321: 220(?) pax