Jump to content


Photo

Circuito de tráfego - realmente mandatório?

Circuito tráfego VFR

  • You cannot start a new topic
  • Please log in to reply
8 replies to this topic

#1 De Marchi

De Marchi
  • Usuários
  • 5 posts
  • Gender:Male
  • Cidade/UF/País:São Paulo
  • Data de Nascimento:19/08/1989

Posted 19 de June de 2018 - 15:04

Prezados,

Alguém saberia me dizer uma FONTE OFICIAL, brasileira ou ICAO, contendo uma instrução que obriga pilotos em um aeródromo não controlado, sem AFIS, sem TWR, sem nada, apenas uma FCA, a entrar no circuito de tráfego de forma específica (ex.: 45º da perna do vento)?
Ainda, existe alguma proibição ESCRITA relacionada a entrar no circuito de tráfego em uma final direta (de novo, AD sem AFIS/TWR)?
Pela FAA, o circuito é apenas recomendado. A entrada 45º não é mandatória pela FAA também.
Se alguém puder me indicar fontes ICAO/DECEA/ANAC oficiais sobre o tópico, agradeço.
Na ICA 100-37 e 100-12 não há nada, ao meu ver, que dê uma reposta.

Segunda dúvida. Em um aeródromo provido de AFIS, posso realizar e entrada no circuito pela perna base? A ICA 100-37 proíbe POUSOS DIRETOS, o que deixa uma área cinzenta para argumentos.

Obrigado e um abraço

#2 renaq

renaq
  • Usuários
  • 92 posts
  • Gender:Male
  • Cidade/UF/País:Curitiba - PR - Brasil
  • Data de Nascimento:01/02/1994

Posted 21 de June de 2018 - 00:42

Olá
Falando por mim em operação real:
A questão de entrar a 45 eu nunca faço. Ao realizar o circuito, eu ingresso pelo ponto da perna do vento que condiz com minha rota.. E se minha rota me joga numa final da cabeceira em uso; obviamente coordenando e não tendo ninguém no circuito, eu ingresso direto final.

Em aeródromos com AFIS, nunca me deixaram ingressar direto base ou final; pois o operador do rádio diz: aeródromo desprovido de torre, obrigatório circuito.

#3 Pliskin

Pliskin
  • Usuários
  • 82 posts
  • Gender:Male
  • Cidade/UF/País:cone de silencio

Posted 21 de June de 2018 - 01:42

EUA:

14 CFR 91

 

§91.126   Operating on or in the vicinity of an airport in Class G airspace.

(a) General. Unless otherwise authorized or required, each person operating an aircraft on or in the vicinity of an airport in a Class G airspace area must comply with the requirements of this section.
 
(b) Direction of turns. When approaching to land at an airport without an operating control tower in Class G airspace—
 
(1) Each pilot of an airplane must make all turns of that airplane to the left unless the airport displays approved light signals or visual markings indicating that turns should be made to the right, in which case the pilot must make all turns to the right; and
 
(2) Each pilot of a helicopter or a powered parachute must avoid the flow of fixed-wing aircraft.
 
© Flap settings. Except when necessary for training or certification, the pilot in command of a civil turbojet-powered aircraft must use, as a final flap setting, the minimum certificated landing flap setting set forth in the approved performance information in the Airplane Flight Manual for the applicable conditions. However, each pilot in command has the final authority and responsibility for the safe operation of the pilot's airplane, and may use a different flap setting for that airplane if the pilot determines that it is necessary in the interest of safety.
 
(d) Communications with control towers. Unless otherwise authorized or required by ATC, no person may operate an aircraft to, from, through, or on an airport having an operational control tower unless two-way radio communications are maintained between that aircraft and the control tower. Communications must be established prior to 4 nautical miles from the airport, up to and including 2,500 feet AGL. However, if the aircraft radio fails in flight, the pilot in command may operate that aircraft and land if weather conditions are at or above basic VFR weather minimums, visual contact with the tower is maintained, and a clearance to land is received. If the aircraft radio fails while in flight under IFR, the pilot must comply with §91.185.
 
§91.127   Operating on or in the vicinity of an airport in Class E airspace.
(a) Unless otherwise required by part 93 of this chapter or unless otherwise authorized or required by the ATC facility having jurisdiction over the Class E airspace area, each person operating an aircraft on or in the vicinity of an airport in a Class E airspace area must comply with the requirements of §91.126.
 

 

14 CFR § 137.45 :

 
Notwithstanding part 91 of this chapter, the pilot in command of an aircraft may deviate from an airport traffic pattern when authorized by the control tower concerned. At an airport without a functioning control tower, the pilot in command may deviate from the traffic pattern if -
 
(a) Prior coordination is made with the airport management concerned;
(b) Deviations are limited to the agricultural aircraft operation;
© Except in an emergency, landing and takeoffs are not made on ramps, taxiways, or other areas of the airport not intended for such use; and
(d) The aircraft at all times remains clear of, and gives way to, aircraft conforming to the traffic pattern for the airport.
 

 


  • raverbashing likes this

#4 Pilotblue

Pilotblue
  • Usuários
  • 131 posts
  • Gender:Male
  • Cidade/UF/País:Tubarao SC
  • Data de Nascimento:15/02/1990

Posted 25 de June de 2018 - 17:24

Olá
Falando por mim em operação real:
A questão de entrar a 45 eu nunca faço. Ao realizar o circuito, eu ingresso pelo ponto da perna do vento que condiz com minha rota.. E se minha rota me joga numa final da cabeceira em uso; obviamente coordenando e não tendo ninguém no circuito, eu ingresso direto final.

Em aeródromos com AFIS, nunca me deixaram ingressar direto base ou final; pois o operador do rádio diz: aeródromo desprovido de torre, obrigatório circuito.


Rádio não autoriza nem proíbe. Ele foi gentil em te informar, poderia ter ficado quieto e te canetar
  • flightFernando likes this

#5 leobradias

leobradias
  • Usuários
  • 423 posts
  • Gender:Male
  • Cidade/UF/País:Manaus
  • Data de Nascimento:02/02/1992

Posted 26 de June de 2018 - 22:13

ICA 100-12

 

4.2.6 OPERAÇÕES EM AERÓDROMO OU EM SUAS IMEDIAÇÕES



#6 De Marchi

De Marchi
  • Usuários
  • 5 posts
  • Gender:Male
  • Cidade/UF/País:São Paulo
  • Data de Nascimento:19/08/1989

Posted 05 de July de 2018 - 10:56


EUA:
14 CFR 91
 

Olá Falando por mim em operação real:A questão de entrar a 45 eu nunca faço. Ao realizar o circuito, eu ingresso pelo ponto da perna do vento que condiz com minha rota.. E se minha rota me joga numa final da cabeceira em uso; obviamente coordenando e não tendo ninguém no circuito, eu ingresso direto final.Em aeródromos com AFIS, nunca me deixaram ingressar direto base ou final; pois o operador do rádio diz: aeródromo desprovido de torre, obrigatório circuito.

Obrigado! Estou procurando uma fonte oficial. Essa pode ser uma interpretação do operador da AFIS.Não há lugar nenhum que diz que a entrada DEVE ser feita na perna do vento.

EUA:14 CFR 91

Obrigado. Mas como eu disse na minha pergunta, procuro fontes não-FAA. Na FAA, circuitos NÃO são mandatórios. Vide AC:https://www.faa.gov/...r/AC_90-66B.pdf

ICA 100-12 4.2.6 OPERAÇÕES EM AERÓDROMO OU EM SUAS IMEDIAÇÕES

Meu ponto de vista:
4.2.6 OPERAÇÕES EM AERÓDROMO OU EM SUAS IMEDIAÇÕES
As aeronaves que operarem em um aeródromo, ou nas suas imediações, quer estejam ou não em uma ATZ, deverão:
a) observar o tráfego do aeródromo a fim de evitar colisões; OK!

b) ajustar-se ao circuito de tráfego do aeródromo efetuado por outras aeronaves ou evitá-lo;
OK, mas pode ser um ingresso na perna base, de través...sem ingressar a 45na perna do vento...não especifica! E se não houver aeronaves? Não preciso me ajustar ao circuito?

c) efetuar todas as curvas à esquerda ao aproximarem-se para pouso e após a decolagem, a não ser que haja instrução que indique de outra forma
OK, então ao ingressar 45 na perna do vento, estou realizando uma curva pela direita! Uma final direta também não significa uma curva pela direita. d) pousar e decolar contra o vento, a menos que razões de segurança, configuração da pista ou de tráfego aéreo determinem que outra direção seja recomendável;

e) em aeródromo não controlado, prosseguir para pouso somente quando não houver outra aeronave na pista; e f) ocupar a pista de pouso e decolagem o mínimo de tempo necessário para a operação de pouso e decolagem, evitando deter-se sobre a pista por tempo que prejudique a operação das demais aeronaves.


Onde eu quero chegar:
Voei anos nos EUA e reparei que no Brasil há uma cultura muito forte de fazer coisas de determinadas maneiras que não estão escritas, mas que foram passadas de boca a boca, geração por geração, sem nenhuma base teórica. Vejo coisas, como pilotos não cruzando a barra de parada ao livrar uma pista antes de obter autorização de taxi, essa questão do circuito, o mito sobre aproximações visuais, que muitos pensam que cancelariam o plano IFR, etc. De onde tiram isso?
Leiam as ICAs 100-37 e 100-12 com olhar crítico para isso, questionando se o que está escrito realmente bate com o que a cultura diz e me dêem uma opinião, por favor.

Obrigado e abraços
  • Henrique2710 likes this

#7 leobradias

leobradias
  • Usuários
  • 423 posts
  • Gender:Male
  • Cidade/UF/País:Manaus
  • Data de Nascimento:02/02/1992

Posted 06 de July de 2018 - 10:13

b) ajustar-se ao circuito de tráfego do aeródromo efetuado por outras aeronaves ou evitá-lo;
OK, mas pode ser um ingresso na perna base, de través...sem ingressar a 45na perna do vento...não especifica! E se não houver aeronaves? Não preciso me ajustar ao circuito?

c) efetuar todas as curvas à esquerda ao aproximarem-se para pouso e após a decolagem, a não ser que haja instrução que indique de outra forma
OK, então ao ingressar 45 na perna do vento, estou realizando uma curva pela direita! Uma final direta também não significa uma curva pela direita. d) pousar e decolar contra o vento, a menos que razões de segurança, configuração da pista ou de tráfego aéreo determinem que outra direção seja recomendável;
 

 

Acredito que o item b se refira quando vc vai cruzar o campo, passar próximo do local sem a intenção de pouso. Acontece direto com helicópteros.

 

Já na letra C, as curvas à esquerda são quando vc já está no circuito, e não realizando a entrada no mesmo, os tais 45 graus na perna do vento.



#8 Cmte. Erick

Cmte. Erick
  • Usuários
  • 255 posts
  • Cidade/UF/País:São Paulo
  • Data de Nascimento:14/05/1986

Posted 20 de July de 2018 - 06:51

Bom dia, esse assunto foi tópico em uma das aulas de Regulamentos que tive, não me recordo exatamente se havia alguma literatura que deixasse claro a necessidade e vou procurar o contato da minha professora para sanar essa dúvida; mas recordo que, segundo ela, o circuito de tráfego é mandatório em AD desprovido de TWR em virtude de não saber a real condição da pista, por isso a necessidade de ser realizado o circuito, para checagem dessa condição, pois pode haver um buraco, um animal, um veículo ou qualquer outro item que, você vindo numa final direta, não tenha campo de visão para analisar esse fator. Em AD provido de AFIS também se torna mandatório a realização do circuito pois muitos não tem campo de visão da pista, ficando a cargo do piloto a análise desses fatores.

#9 Airborn1982

Airborn1982
  • Usuários
  • 1,170 posts
  • Gender:Male
  • Location:SAO
  • Cidade/UF/País:SAO
  • Data de Nascimento:09/11/1982

Posted 31 de July de 2018 - 09:46

Prezados,

Alguém saberia me dizer uma FONTE OFICIAL, brasileira ou ICAO, contendo uma instrução que obriga pilotos em um aeródromo não controlado, sem AFIS, sem TWR, sem nada, apenas uma FCA, a entrar no circuito de tráfego de forma específica (ex.: 45º da perna do vento)?
Ainda, existe alguma proibição ESCRITA relacionada a entrar no circuito de tráfego em uma final direta (de novo, AD sem AFIS/TWR)?
Pela FAA, o circuito é apenas recomendado. A entrada 45º não é mandatória pela FAA também.
Se alguém puder me indicar fontes ICAO/DECEA/ANAC oficiais sobre o tópico, agradeço.
Na ICA 100-37 e 100-12 não há nada, ao meu ver, que dê uma reposta.

Segunda dúvida. Em um aeródromo provido de AFIS, posso realizar e entrada no circuito pela perna base? A ICA 100-37 proíbe POUSOS DIRETOS, o que deixa uma área cinzenta para argumentos.

Obrigado e um abraço

 

Entenda que para se voar foi preciso criar inumeras regras e padroes para que se fosse viavel operar com seguranca. Apesar de muitas delas ainda serem antigas, porem muito util aqui no BR, muitas ou sao pouco utilizadas, ou utilizadas de forma errada. Em AD desproveniente de servico ATS TWR ou AFIS e proibida a aproximacao direta para pouso em um THR por diversos motivos. Por mais que voce tenha executado seu planejamento de voo e tomado ciencia das informacoes do AD , durante a sua aproximacao para o pouso diversas situacoes podem ter acontecido como animais na pista, acft acidentada, buracos, interdicao por pessoas ou objetos na pista, acredite.....isso acontece e muito nesses locais, portanto alem do vento para determinar a THR em uso pela biruta, e interessante executar o circuito de trafego completo, pois voce precisa lembrar que nestes AD`s tambem operam acfts sem radio. Falando sobre o fato da entrada ser a 45 graus, eh um angulo de entrada para a perna do vento que nao ajuda o ingresso sem um overshooting , como se voce viesse a 90 graus....um exemplo e quem ja voou em SBJD e vem da posicao lagoa para ingressar no circuito......voce tem que se adiantar para nao voar na vertical do AD.

 

Sobre sua pergunta sobre ADs operando sob AFIS, eu entendo que ele nao pode autorizar nada, apenas dar ciencia do que voce esta fazendo e prover aos outros traficos a informacao do seu trafego.....pelo regulamento toda entrada deve ser feita pela perna do vento, portanto se voce vem de um setor oposto eu entendo que voce deva cruzar a vertical do AD e ingressar na perna do vento e assim efetuar um circuito completo de trafego para pouso. 

 

Desculpe a falta de acentos, esse meu teclado Razer nao esta configurando a acentuacao, mas vou providenciar algo para me adequar ao forum.

 

Fazia tempo que eu nao postava aqui, eh bom estar de volta!

 

Abracos!