Jump to content


Photo

Bandidos usam drones para monitorar facções rivais e polícia


  • You cannot start a new topic
  • Please log in to reply
1 reply to this topic

#1 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 24,516 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 25 de June de 2018 - 17:17

Meus prezados
Tecnologia vira arma na mão de traficantes
Drones são usados por bandidos para monitorar os passos da polícia e de facções rivais

RIO - Com o avanço e a popularização dos drones, a guerra do Rio chegou aos céus. E a tecnologia virou arma nas mãos dos bandidos para monitorar os passos da polícia e de facções rivais. São os novos “olheiros” do tráfico em favelas conflagradas como a Serrinha e Vigário Geral. Para o bem, no entanto, eles têm se tornado aliados indispensáveis de agentes públicos e privados de segurança. Nessa corrida, quem fica para trás são as polícias Civil e Militar fluminenses, sem investimentos na área.

O Batalhão de Operações Especiais (Bope) é hoje a única unidade especializada da PM que opera essas aeronaves não tripuladas — que há mais de uma década ganharam os ares em guerras como as do Iraque e do Afeganistão. Mas elas já apoiam ações das Forças Armadas, reforçam a vigilância em eventos como o Rock in Rio e são usadas na guarda de indústrias, centros de distribuição e até de condomínios residenciais.
Do lado da criminalidade carioca, o chefe do tráfico na Serrinha, Walace de Brito Trindade, o Lacosta, foi um dos primeiros a adotá-las. Atual comandante do 41º BPM (Irajá), o tenente-coronel Maurílio Nunes conta que, há aproximadamente dois anos, quando era do Bope, foi apreendido um controle de drone na favela de Madureira. Na época, diz ele, um dos presos na ação relatou que a quadrilha tinha três aeronaves para vigiar a polícia e os inimigos.
Já no mês passado, a imagem de um drone sobrevoando o Parque das Missões, em Duque de Caxias, chamou a atenção. O veículo aéreo não-tripulado (Vant, como também são conhecidos) seria de Álvaro Malaquias, o Peixão, chefe do tráfico de Parada de Lucas, Vigário Geral e Cidade Alta. Apesar da constatação, a Polícia Civil informou que não abriu inquérito para investigar o caso, pois não tinha como provar de quem era o drone. O assunto é novo até para os investigadores.
— O problema é que temos a informação, mas falta a materialização — comentou um delegado, que pediu para não ser identificado.
14.jpg
Até por isso, na lista de tecnologias de ponta que precisam ser empregadas na polícia, especialistas na área de segurança põem os drones entre os prioritários. Para Wanderley de Abreu, da Storm Security, além do uso dos Vants, os agentes precisam ser capazes também de bloquear o sinal ou até sequestrar as aeronaves dos bandidos.
— Isso é muito comum nas ações militares americanas. É o “hijacking” de drones, ou seja, o sequestro deles. É possível “roubar” o controle dos aparelhos que estiverem voando. Além disso, nos Estados Unidos há aparelhos que fazem o drone inimigo pousar — explica Abreu. — A tecnologia é fundamental para o combate a qualquer tipo de delito, desde um roubo de carro até crimes de colarinho branco. A polícia tem que se preparar.
Na segurança privada no Brasil, é crescente o uso tanto dos drones quanto dos antidrones, ressalta Bruno Jouan, diretor da SegurPro, braço da empresa Prosegur. Ele explica que o sistema para impedir o sobrevoo de drones cria uma espécie de barreira eletromagnética, usada no Rio por empresas que precisam garantir segurança industrial e da informação. Já as aeronaves da empresa estão presentes nos serviços prestados a clientes na capital e em Macaé.
— Com visão aérea e móvel, conseguimos ter um espectro de vigilância maior e ganhamos agilidade. Usamos os drones no Rock in Rio. Com câmeras térmicas, pudemos enxergar à distância uma lancha com pessoas que tentariam pular as cercas e invadir o evento. Enviamos uma equipe para o local, que conseguiu interceptá-las — diz Bruno. — Mas também já sofremos com uma experiência ruim relacionada aos drones, usados por bandidos para monitorar uma base nossa que eles explodiram no Paraguai.
Entre os usos, o combate ao roubo de cargas
As possibilidades de utilização são muitas. Na Zona Norte, um condomínio tem utilizado os Vants para monitorar a mata vizinha e checar possíveis ocupações irregulares. As informações serão enviadas à prefeitura. Os bombeiros já usam os drones em salvamentos na orla e em buscas nos trechos de difícil acesso. O Instituto Estadual do Ambiente (Inea) os utiliza para coibir o desmatamento, incluindo áreas controladas pelas milícias. E o prefeito Marcelo Crivella lançou recentemente o projeto Sentinela Carioca, com drones para fiscalizar e dar apoio à PM.
Já em Duque de Caxias, na Baixada, a empresa de monitoramento FJ firmou parcerias para o combate ao roubo de cargas. Os caminhões têm rastreadores que travam os veículos na iminência de um perigo. Mas, se mesmo assim eles forem roubados e levados para as favelas, em pelo menos 20% dos casos os drones entram em cena.
— É o nosso último recurso. De um ponto seguro, levantamos voo para conseguirmos informações sobre onde a carreta e a carga estão. Mapeamos, por exemplo, possíveis acessos e qual a situação no entorno. E enviamos essa informação a nossas equipes e à polícia — diz Pablo Ferreira, assessor de segurança da empresa, contando que, em uma dessas ações, já teve um drone alvejado pelos ladrões.
Diretor de outra empresa, Alexandre Lopes, da Drone Visual, ressalta que, atualmente, softwares permitem que os drones façam rotas autônomas, controlando, por exemplo, quanto tempo eles param num determinado ponto, ou a que altura devem sobrevoar. Assim, diz ele, os Vants são usados em fazendas e até para a inspeção de redes elétricas, como faz a distribuidora de energia Enel, no Rio. E permite também que sejam usados em indústrias que ocupam grandes áreas, como uma companhia siderúrgica na Zona Oeste.
— Hoje, temos uma escola de drones, para formação de pilotos, porque faltam profissionais qualificados no mercado — diz Alexandre.
Mas há diferenças entre as aeronaves comerciais e as utilizadas pelas Forças Armadas. Os drones militares vão a até dois mil metros de altura, tornando-se apenas um ponto no céu. Os Vants mais modernos não só oferecem câmeras com qualidade profissional para fazer fotos e vídeos como transmitem tudo ao vivo para centrais remotas.
Desde 2005, a empresa FT Sistemas, de São José dos Campos, em São Paulo, desenvolve Vants com a Defesa brasileira, já utilizados pelo Exército e pela Marinha no Rio. Presidente da FT, Nei Brasil lembra que essas aeronaves, além de chegarem a distâncias maiores e terem mais autonomia de voo, possuem sensores que permitem que elas sejam operadas à noite e em condições de muita nebulosidade. E a robustez do sistema em ambientes eletromagnéticos hostis o torna imune aos sistemas antidrone. E, por isso, são controlados, com certificações da Defesa.
— Há uma superioridade dos drones militares em relação aos comerciais, encontrados com os bandidos — diz Nei. — Os Vants militares são usados no suporte a missões em comunidades, fazendo reconhecimento de áreas pré e pós-operações. Lançou-se mão deles ainda nas eleições. Já nos Jogos de 2016 havia medidas de proteção eletromagnética no Rio. Mas nossos Vants operavam em frequência específica e, por isso, podiam voar — diz.
Segundo Nei, várias forças policiais do país têm demonstrado interesse pelo sistema. Ele, no entanto, não especifica de quais estados.
— Não basta a simples compra de um aparato. É preciso construir uma doutrina de uso dos Vants, como fizeram o Exército e a Marinha. É necessário ainda estruturar um novo esquadrão e treiná-lo. Esse é um desafio orçamentário, principalmente em tempos de redução de receitas — ressalta Nei.
Oportunidades desperdiçadas
Para o especialista em segurança Vinicius Cavalcante, o Rio teve a chance de investir nesse tipo de tecnologia com as verbas destinadas à Copa e à Olimpíada. Mas, segundo ele, os recursos não foram empregados adequadamente. Enquanto isso, diz Cavalcante, os bandidos fazem o que ele chama de “guerrilha intuitiva”.
— A ideia dos traficantes, que tem dinheiro à beça, é comprar o que está na moda. A gente permitiu que criminosos tivessem um armamento militar moderno, quando não fomos eficientes no controle da entrada de armas no estado. Hoje, traficantes têm fuzis de última geração. Ele vai roubar carrocinha de cachorro-quente de fuzil — diz Cavalcante. — Além disso, se a capacidade de interferir eletronicamente em transmissões de rádio e telefonia celular já eram úteis e desejáveis nas ocorrências de retomadas de reféns com uso de artefatos e explosivos, com a criminalidade empregando os drones, é importante dotar as forças de segurança de capacidade própria de guerra eletrônica, antes associada apenas às forças militares.
A Polícia Civil informou que não fala sobre equipamentos de tecnologia da corporação. Desde o ano passado, está em vigor uma nova regulamentação da Anac sobre o uso dos drones. A legislação brasileira permite que os Vants com até 25 quilos cheguem a uma altura de até 120 metros de altura (não é considerado espaço aéreo). Acima de 25 quilos, é preciso ter o certificado aeronáutico de veículo experimental.
Fonte:  Rafael Galdo / Vera Araújo para o Globo via CECOMSAER 25 JUN 2018



#2 capelini

capelini
  • Usuários
  • 1,423 posts
  • Gender:Male
  • Location:Recife
  • Cidade/UF/País:Marília/SP/Brasil
  • Data de Nascimento:06/09/1956

Posted 26 de June de 2018 - 07:00

Não há limites para o uso da tecnologia. Existem "paradas" temporárias (cada vez menores) no espaço-tempo, até que se supere determinado estágio do desenvolvimento tecnológico.
E isso vale, valerá, para o bem e para o mal...sempre!