Jump to content


Photo

Reino Unido e Suécia discutem colaboração sobre futuro caça


  • You cannot start a new topic
  • Please log in to reply
No replies to this topic

#1 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 24,857 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 09 de July de 2018 - 13:59

Meus prezados
Reino Unido e Suécia discutem colaboração sobre futuro caça
Conceito-de-ca%C3%A7a-stealth-sueco.jpg
Conceito do caça Flight System 2020 sueco

MoD britânico busca novos parceiros aeroespaciais depois de ficar de fora do programa de caça franco-alemão
O Reino Unido manteve conversas iniciais com a Suécia sobre a colaboração em um futuro caça, enquanto se prepara para revelar a tão aguardada estratégia aérea de combate no show aéreo de Farnborough, no final deste mês.
Como parte da estratégia, espera-se que o governo se comprometa a lançar um programa de avião de combate de próxima geração até 2020, em um sinal de suas ambições pós-Brexit de manter a expertise aérea de combate de ponta.
A estratégia, que deve estabelecer um cronograma para a concessão de um contrato firme de fabricação até 2020, ainda precisa receber aprovação final do gabinete. Mas pretende dar um forte sinal a potenciais parceiros internacionais de que o Reino Unido está determinado a avançar com tal programa, apesar de ter ficado de fora de um futuro projeto de caça franco-alemão no ano passado.
Espera-se que a declaração defina os critérios para a colaboração internacional, destacando que o Reino Unido pretende desempenhar um papel de liderança em qualquer parceria para desenvolver um caça para substituir o jato Typhoon em 2040. A Suécia – cujo carro-chefe de defesa, a Saab, faz o Gripen aeronave de combate – indicou o seu interesse potencial e seria um parceiro natural, de acordo com várias fontes.
Um porta-voz do Ministério da Defesa disse: “A estratégia aérea de combate será lançada para garantir que a Grã-Bretanha mantenha uma capacidade aérea de combate líder mundial”.
O acordo firmado no último verão entre Paris e Berlim para trabalhar em um roteiro para um futuro programa de de avião de combate surpreendeu o governo do Reino Unido e os executivos da BAE Systems, repositório da expertise aérea de combate da Grã-Bretanha. A BAE trabalha há vários anos com a Dassault Aviation, da França, em um futuro caça não-tripulado. É também um parceiro privilegiado do consórcio Eurofighter com a Airbus franco-alemã e a italiana Leonardo.
Taranis-taxiing-at-Warton-Lancashire-128
UCAV Taranis

 

UCAV-Neuron-decolando-de-Vidsel-na-Su%C3
UCAV Neuron

 

O projeto não-tripulado, combinando recursos no demonstrador Taranis da Grã-Bretanha e Neuron da França, foi visto por muitos no setor de defesa como fundamental para sustentar a competência do Reino Unido em habilidades e tecnologia aeroespacial de alta qualidade quando a produção do Typhoon terminar por volta de 2024.
No entanto, várias fontes disseram que a colaboração parecia estar estagnada na esteira do acordo franco-alemão. Uma pessoa próxima à BAE disse que continuou a progredir, mas admitiu que a tecnologia envolvida na parceria estava sendo revisada, pois o foco se voltou para um futuro caça tripulado.
A França e a Alemanha sinalizaram no mês passado que os planos iniciais de colaboração no chamado caça de sexta geração se expandiram para incluir seu papel em um sistema de combate mais amplo.
Dassault e Airbus foram nomeados os principais parceiros industriais no projeto franco-alemão, enquanto a França liderará o programa. Os dois países disseram que estariam abertos a trabalhar com outros parceiros, mas em um estágio posterior. Isso levantou preocupações de que, se a Grã-Bretanha aderisse ao projeto, poderia ser forçada a assumir um papel secundário e ser impedida de atuar na crucial fase de planejamento e projeto de qualquer futuro caça.
Fontes industriais afirmaram que as tensões do Brexit prejudicaram a questão. As dúvidas sobre a disposição do Reino Unido de assumir um firme compromisso de financiar um programa também frustraram os parceiros europeus, disse um executivo da indústria.
“Para entrar no relacionamento franco-alemão, temos que colocar algo na mesa que valha a pena levá-lo a sério”, disse ele.
A estratégia terá como objetivo fazer exatamente isso e será uma “forte declaração de interesse nacional”, de acordo com uma pessoa próxima ao assunto. No entanto, não mencionará o acordo franco-alemão e deliberadamente deixará a porta aberta para outros parceiros. Além da Suécia, Japão e Coreia do Sul podem ser parceiros em potencial, disseram fontes da indústria.
A BAE disse: “Congratulamo-nos com o debate sobre a necessidade de sistemas aéreos de combate de próxima geração em muitas nações. Temos um forte histórico de colaboração com outras nações e continuamos a investir em tecnologias novas e emergentes para que possamos desenvolver futuras aeronaves”.
Embora não seja esperado que a estratégia defina se o jato da próxima geração será tripulado ou não-tripulado, ela estabelecerá metas de política, requisitos futuros e cronogramas para certos marcos em um futuro programa de combate.
Ainda não está claro se haverá algum financiamento anunciado no show aéreo. No entanto, a BAE Systems deverá apresentar um conceito de aeronave em Farnborough para mostrar as tecnologias potenciais para um caça de sexta geração.
Fonte: Financial Times via site Poder Aéreo 9 JUL 2018