Jump to content


Photo

A-1M: programa de modernização


  • You cannot start a new topic
  • Please log in to reply
79 replies to this topic

#21 Kodiak

Kodiak
  • Usuários
  • 1,875 posts
  • Location:São Paulo
  • Cidade/UF/País:São Paulo
  • Data de Nascimento:11/08/1984

Posted 02 de February de 2012 - 11:21

Uma dúvida de leigo na área militar: Existe diferença entre o A-1 Brasileiro e o Italiano, exceto o canhão .50? Os AMX Italianos também serão modernizados?

abraços

#22 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 22,711 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 02 de February de 2012 - 19:14

Prezado Kodiak:
Tanto o AMX italiano, quanto o A-1 brasileiro não possuem canhões (seriam metralhadoras) de .50 polegadas.
Aquele possue o canhão tipo "gatling" M61-A1 "Vulcan" de 20mm e este o tipo "revólver" DEFA 554, de 30mm.
Quanto ao upgrade dos italianos, veja http://forum.contato...php/topic/52699
  • Kodiak likes this

#23 transvasp

transvasp
  • Usuários
  • 5,142 posts
  • Gender:Male
  • Location:Salvador
  • Cidade/UF/País:Salvador - Bahia - Brasil
  • Data de Nascimento:04/02/1974

Posted 06 de March de 2012 - 14:02

A-1 modernizado pronto para realizar primeiro voo em março


Posted Image

A primeira aeronave A-1 modernizada pela Embraer para FAB deve voar em março. (Foto: Sgt. Johnson Barros / FAB / Cavok)
Em março de 2012, na sede da Embraer em Gavião Peixoto (SP), acontece o voo inaugural do protótipo do A-1 modernizado, projeto que prevê a entrega de 43 aeronaves revitalizadas para a Força Aérea Brasileira até 2017. Os Esquadrões de Caça já recebem as primeiras unidades no próximo ano.

As aeronaves A-1 passam por uma revitalização estrutural e recebem novos equipamentos, entre eles o radar SCP-01, com modos ar-ar, ar-solo e ar-mar. Uma segunda aeronave de testes, biplace, deverá voar em julho. Serão manti das características elogiadas da aeronave, como o raio de ação, a capacidade de reabastecimento em voo e os dois canhões de 30mm.

Além do radar, os caças também ganharam um sistema integrado de auto-defesa com alerta de detecção de radar (RWR) e de aproximação de mísseis (MLAWS), contramedidas (AECM) e lançadores de iscas para mísseis (chaff e fl are). Os A-1 também vão poder voar com casulos equipados com sistemas de reconhecimento e designação de alvos, além do Skyshield, que tem a capacidade de bloquear e despistar radares de busca em solo, embarcados ou de guiagem de mísseis.

Posted Image

As melhorias inseridas no A-1 modernizado pela Embraer.

Todas as informações serão apresentadas ao piloto em três telas multifuncionais coloridas. Juntas, elas somam 121 polegadas quadradas para exibição, desde parâmetros de funcionamento do motor até o cenário tático da missão. Os pilotos vão contar ainda com um novo visor na altura dos olhos (Head Up Display), um visor montado no capacete (Helmet Mounted Display) e a facilidade de todos os comandos poderem ser acessados sem ti rar as mãos do manche e da manete de potência, de acordo com o conceito HOTAS (Hands
on Throttle And Stick).

Posted Image

Duas aeronaves A-1 do Esquadrão Centauro da Base Aérea de Santa Maria. (Foto: Mauro Lins de Barros / Cavok)

História – Recebidos a partir de 1990, os A-1 trouxeram para a FAB novidades como computadores de mira. Fabricado pela Embraer em parceria com empresas italianas, o A-1 opera hoje nos Esquadrões Adelphi, Poker e Centauro, baseados no Rio de Janeiro (RJ) e Santa Maria (RS). As aeronaves brasileiras já participaram de operações como a Ágata e inúmeros exercícios, entre eles as cinco edições da CRUZEX, a Tigre e a Red Flag, nos Estados Unidos. Já a Itália voou seus A-1 em missões reais sobre os Balcãs, o Afeganistão e a Líbia.

Fonte: Revista NOTAER / Via Cavok blog
  • Jhondson_ likes this

#24 transvasp

transvasp
  • Usuários
  • 5,142 posts
  • Gender:Male
  • Location:Salvador
  • Cidade/UF/País:Salvador - Bahia - Brasil
  • Data de Nascimento:04/02/1974

Posted 27 de March de 2012 - 12:45

Embraer seleciona GNAT Pro Ada da AdaCore para modernização das aeronaves AMX

Posted Image


A empresa Ada Core dos EUA fará a modernização do sistema de missão crítica das aeronaves A-1 da FAB.

A AdaCore, fornecedora de ferramentas e conhecimentos para softwares de missão crítica, segurança crítica, e proteção crítica, anunciou hoje que a Embraer Defesa e Segurança escolheu o ambiente de desenvolvimento GNAT Pro Ada da AdaCore como o principal conjunto de ferramentas para desenvolver o programa de operação de vôo do programa de modernização do AMX. O GNAT Pro será usado junto com o sistema operacional Wind River da VxWorks em tempo real (RTOS) como base para desenvolver este sistema de software crítico no trabalho de modernização do AMX.


O objetivo do projeto de modernização dos jatos AMX, chamado de A-1 pela Força Aérea Brasileira (Força Aérea Brasileira – FAB), é manter a frota de 53 aeronaves na ativa por mais de 20 anos. O AMX é um dos aviões de combate mais eficientes em atividade no país e foi fabricado pela Embraer entre 1989 e 2000. A atualização do AMX incorporará os mais avançados sistemas aviônicos, de armamento e sensores. A modernização da aeronave atingirá o patamar operacional entre os mais avançados aviões de combate disponíveis no mercado.

“Embora a nossa principal prioridade é sempre para manter o alto nível de suporte para nossos clientes existentes, ainda somos capazes de sustentar um ritmo acelerado de melhorias e desenvolvimentos”, disse Robert Dewar, Presidente e CEO da AdaCore (EUA). “Todo grande lançamento do GNAT Pro contém avanços significativos, e este lançamento não é excepção. Ele contém muitas melhorias importantes, apresentando em particular uma implementação compreensiva do novo padrão de linguagem Ada 2012, que é em si uma etapa emocionante no futuro.”

A linguagem Ada foi selecionada para o programa operacional de vôo do AMX baseado em seu histórico de sucesso comprovado no desenvolvimento de sistemas de aviônicos de missão crítica. É usado em sistemas críticos de vôo fly-by-wire para muitos aviões comerciais e militares em todo o mundo. O Ada é usado quando a segurança, proteção e alta confiabilidade são necessários.

Usado para o desenvolvimento de software de sistemas embarcados e em tempo real, as características principais do Ada aplicadas pela Embraer são forte tipagem, mecanismos de modularidade (pacotes), tempo de execução e verificação, processamento em paralelo (tarefas, passagem de mensagens síncronas, objetos protegidos e declarações selecionadas), manipulação de exceção e genéricos.

“Nós nos orgulhamos da qualidade de nossas ferramentas de desenvolvimento e de alto nível de especialização ao apoiar os nossos clientes”, disse Robert Dewar, Presidente e CEO da AdaCore. “A AdaCore tem um histórico comprovado tanto no apoio geral de desenvolvimento de software Ada, bem como uma infinidade de projetos que necessitam atender aos mais altos níveis de segurança para o padrão de aviônicos comerciais DO-178B. Estamos muito satisfeitos por termos sido escolhidos pela Embraer, o fabricante líder de aviônicos no Brasil.”

Fonte: http://www.cavok.com.br/blog/?p=48214
  • Jhondson_ likes this

#25 transvasp

transvasp
  • Usuários
  • 5,142 posts
  • Gender:Male
  • Location:Salvador
  • Cidade/UF/País:Salvador - Bahia - Brasil
  • Data de Nascimento:04/02/1974

Posted 10 de April de 2012 - 08:55

Modernização: AMX A-1M em detalhes...BRIL 09, 2012


Posted Image



Desenvolvido na década de 80, em uma parceria entre Brasil e Itália, o caça A-1 (AMX) passa por processo de modernização na fábrica da EMBRAER, em Gavião Peixoto, no interior de São Paulo. O novo caça-bombardeiro-reconhecedor terá um novo nome, A-1M, e ganhará sobrevida de mais 20 anos para a defesa do país. A publicação Aerovisão da FAB esteve na linha de montagem para contar, em primeira mão, como anda o projeto e quais são as novidades que virão com a modernização. Veja a seguir fotos inéditas do avião.

Velocidade, altitude, ângulo, vento, peso e muitos outros cálculos precisavam estar perfeitos para que um piloto de caça da Força Aérea Brasileira conseguisse atingir seu alvo em um ataque. O desafio era o mesmo desde os pioneiros veteranos na Segunda Guerra Mundial até aqueles que, décadas depois, já voavam supersônicos. Mas, de repente, um novo avião tornou tudo muito mais fácil: computadores de bordo ajudavam o caçador e tornou-se cada vez mais comum voltar dos treinamentos comum índice de acertos surpreendente. Essa revolução aconteceu no início dos anos 90, quando o Embraer AMX, designado na FAB como A-1, trouxe para as linhas de voo tanta tecnologia que ficou conhecido como “O Avião Computador”.

Nesses 20 anos, por influência direta do A-1, mudou-se completamente a forma de voar uma missão de combate no Brasil. Com os novos A-29 Super Tucano e a modernização dos F-5, a tecnologia passou definitivamente a fazer parte do cotidiano dos pilotos de caça, e aquilo que era novidade passou a ser corriqueiro. Mas 2012 trará para a FAB um novo capítulo na história desse caça-bombardeiro-reconhecedor, que vai voltar a assumir o papel de destaque na linha de frente da defesa do país.



Posted Image



A linha de modernização dos jatos A-1M na unidade da Embraer em Gavião Peixoto. (Foto: CB Silva Lopes / Agência Força Aérea)

O projeto de modernização de 33 caças A-1A monoposto e 10 A-1B biposto capacita a FAB para combater nos teatros de operações de combate atuais e pelos próximos 20 anos. Após um ano de testes, a primeira entrega de A-1M (Modernizado) vai acontecer em 2013 e a última será em 2017. “A aeronave modernizada deverá ter a capacidade de realizar ataques de precisão contra alvos de superfície com o mínimo de perdas e de danos colaterais, além de missões de reconhecimento aéreo com alta probabilidade de êxito”, explica o Coronel-Aviador Márcio Bonotto, da Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate (COPAC), subordinada ao Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), que gerencia o projeto de modernização.

A revitalização irá ampliar as capacidades da aeronave, entre elas a de sobreviver a missões perigosas. Ainda em 1994, os então recém-incorporados A-1 participaram da primeira operação Tigre, quando ao lado dos F-5E foram testados em combates simulados contra os F-16 Fighting Falcon da Força Aérea dos Estados Unidos. Os americanos tiveram tanta dificuldade em enfrentar o novo caça brasileiro que os apelidaram de “The Bee” (As Abelhas). Nas operações Tigre I (1994), realizada em Porto Rico, Tigre II (1995), em Natal (RN), e Tigre III (1997), em Santa Maria (RS), os A-1 não apenas conseguiram realizar seus ataques simulados como também venceram em combate, mais de uma vez, caças F-16 que tentaram interceptá-los.



Posted Image



No total serão modernizadas 43 aeronaves A-1. (Foto: CB Silva Lopes / Agência Força Aérea)

Testes - Mas a qualidade dos A-1 e dos pilotos brasileiros foram atestados em 1998, quando seis A-1 do 1°/16° Grupo de Aviação, o Esquadrão Adelphi, representaram a Força Aérea Brasileira, pela primeira vez, na operação Red Flag, a mais realística guerra aérea simulada do mundo, realizada no deserto da Nevada, nos Estados Unidos. Em um ambiente repleto de caças F-15 Eagle, F-16, F-18 Hornet, F-5 Tiger III e sistemas que simulavam presença de baterias antiaéreas de mísseis como SA-6, SA-3 e Roland, os A-1 conseguiram sucesso nas suas missões de ataque e sobreviver às ameaças que representavam o que havia de mais moderno na guerra aérea no mundo.

Além da manobrabilidade, os caças da FAB se valeram do seu sistema que avisa quando está na tela de um radar (Radar Warning System, conhecido pela sigla RWR) e iscas contra mísseis guiados por radar (chaff) ou calor (flare). Mas esses artifícios já precisavam ser melhorados, o que acontecerá na modernização. “O A-1M terá um sensível aumento de sua capacidade de sobrevivência em ambiente hostil, permitindo ao avião, além de esconder-se fisicamente da detecção de radares voando a baixa altura, esconder-se também eletronicamente”, afirma o Coronel Bonotto.



Posted Image

O novo painel com telas coloridas do A-1M. (Foto: CB Silva Lopes / Agência Força Aérea)

Tanto o RWR quanto os lançadores de iscas serão revitalizados e integrados. Isso quer dizer que o piloto poderá ter uma consciência bem maior das ameaças em torno do caça. Além disso, as contramedidas poderão ser acionadas automaticamente, o que reduziráo tempo de reação e a aumentará a capacidade de sobrevivência.

Depois de modernizados, os A-1 também poderão perceber não apenas as emissões de radares dos inimigos, mas também se eles já abriram fogo. Um Sistema de Lançamento e Aproximação de Mísseis (Missile Airborne Warning System – MAWS) conseguirá identificar e classificar os disparos tanto de aeronaves interceptadoras quanto de baterias antiaéreas. Para isso, conta com sensores ativos e passivos, como antenas que detectam emissões de radares embarcados em mísseis e sistemas laser que conseguem perceber a aproximação das ameaças.

Outra novidade será o casulo Skyshield, capaz de despistar e até bloquear radares em solo ou embarcados de busca ou aquisição de alvo. Em resumo, aquela estação em solo ou aeronave de caça que tentar utilizar radares para detectar os A-1M da FAB poderão ter interferências em seus sistemas. O Skyshield poderá ser carregado externamente nos A-1M e, quando instalado, será possível proteger não apenas o próprio caça, mas também esquadrilhas inteiras em espaço aéreo hostil. Mais que sobreviver, no entanto, é preciso ter capacidade de encontrar e, se preciso, destruir os alvos. É essa a missão para qual foi projetado o AMX: penetrar em território hostil e atingir objetivos estratégicos. Para isso foi dotado de computadores que ajudam os pilotos no lançamento das armas com precisão. O caça receberá o radar SCP-01, construído em uma parceria da empresa italiana Selex Galileu com a brasileira Mectron, que literalmente fará com que os pilotos vejam além do alcance.

O radar permitirá encontrar alvos no solo em distâncias maiores e aumentar a precisão do lançamento de armas. Em modo ar-ar, poderá ter controle do espaço aéreo a sua volta, para avaliar as ameaças, conseguir fugir dos interceptadores e, se não for possível evitar o combate aéreo, utilizar o radar para aumentar a chance de acertar seus mísseis de autodefesa. Apesar da defesa aérea não ser a missão primária do A-1, o jato poderá se tornar uma opção aos comandos operacionais para cumprir essa tarefa.



Posted Image


Além de novos sistemas e novas armas, o A-1M terá a disposição um novo radar multimodo. (Foto: CB Silva Lopes / Agência Força Aérea)

O radar SCP-01 também possui modos ar-mar, o que dará ao A-1M a possibilidade de voar missões contra alvos navais. Ao lado dos recém-adquiridos aviões de patrulha P-3AM, a aviação de caça da FAB estará pronta para defender a região onde há as reservas de petróleo da camada pré-sal, riqueza brasileira descoberta nos últimos anos. Tanto sobre mar quanto terra, os A-1M poderão contar ainda com casulos de reconhecimento capazes de visualizar pontos de interesse de dia, de noite e nos espectros infra-vermelho e termal. Também poderão ser visto sob as asas dos jatos casulos laser de designação de alvos, que possibilitarão o uso de bombas inteligentes. Os A-1M também serão todos compatíveis com o uso de óculos de visão noturna (Night Vision Googles – NVG), que permitem enxergar à noite.

De acordo com o Coronel Bonotto, é esperado um acréscimo superior a 30% nas funções e no gerenciamento de cargas bélicas. “O acréscimo de sensores propicia ao piloto uma maior consciência situacional, ou seja, uma melhor percepção do ambiente à sua volta, facilitando seu processo decisório em função da grande quantidade de informações disponíveis”, resume.

As possibilidades de uso de armamentos também serão ampliadas. “Poderemos utilizar os artefatos com mais velocidade e em situações mais críticas, expandindo seus limites e diminuindo o tempo de exposição da aeronave durante os ataques”, afirma.

Os A-1M também poderão, em um futuro próximo, lançar mísseis anti-radar, que utilizam as próprias emissões dos radares hostis como referências até atingir o alvo, uma arma típica para missões de supressão de defesas inimigas (Suppression of Enemy Air Defenses – SEAD). Para lidar com tantas informações, os pilotos vão contar agora com uma cabine completamente remodelada. Vários “relógios” e instrumentos analógicos serão substituídos por três telas multifuncionais que vão mostrar cada dado de forma mais simples, de acordo com a missão e com o interesse do piloto. Além disso, o display na altura da visão (Head Up Display – HUD) será integrado aos sistemas de navegação, ataque e gerenciamento de sensores e armas, oferecendo uma maior consciência da situação tática ao piloto.

No total, serão 121 polegadas quadradas de mostradores digitais com interface amigável. Ainda assim, os pilotos contarão ainda com um display montado no próprio capacete (Helmet Mounted Display – HMD), que entre outras vantagens permite, por exemplo, direcionar mísseis de acordo com o movimento da cabeça do piloto. Para controlar tudo isso, todos os instrumentos estarão ao alcance dos dedos, sendo possível voar toda a missão sem retirar as mãos do manche e da manete de potência, de acordo com o conceito HOTAS (Hands-on Throttle And Stick).

Uma das elogiadas vantagens do A-1 também será mantida: o seu alcance. No dia 22 de agosto de 2003, dois desses caças decolaram da Base Aérea de Santa Maria (RS) e fizeram um voo até Natal (RN), sobrevoaram o Amapá, no extremo Norte do país, em um percurso que incluiu simulações de ataque e navegação à baixa altura. Com o uso de reabastecimento em voo, os aviões percorreram 6.700 km em 10 horas e 5 minutos, uma prova da capacidade da aviação de caça cobrir todo o país e atingir alvos distantes.

Missões desse tipo continuarão possíveis, mas agora com maior segurança e menor carga de trabalho para os pilotos. Uma nova suíte eletrônica vai integrar rádios, sistemas de navegação e datalink. Também haverá um sistema de instrumentos de voo reserva (Back-Up Flight Intrumentation – BFI), que, em caso de falha dos sistemas principais, poderá ser usado para um retorno seguro após uma pane ou no caso de aeronave vir a ser atingida por fogo inimigo. Todos os voos serão gravados digitalmente. Isso vai permitir, por exemplo, que após o pouso de um piloto novato seu instrutor possa comentar cada detalhe da missão.

Além dessas melhorias, a modernização dos A-1 também tornará sua operação mais econômica. Os 54 aviões hoje em uso, apesar de bastante semelhantes, são de três lotes diferentes que têm alguns sistemas distintos, o que complica a manutenção. “Ocorrerá uma redução significativa na quantidade de itens em processo de obsolescência, bem como maior participação da indústria nacional no suporte à aeronave e, consequentemente, uma menor dependência externa”, completa o Coronel Bonotto.

Os A-1M serão todos idênticos, o que reduzirá os custos com logística e formação de mecânicos. A passagem pela unidade industrial da Embraer em Gavião Peixoto (SP) também envolve um reforço na própria estrutura física dos caças, para assegurar mais 20 anos de voos.



Posted Image

As aeronaves A-1M vão oferecer uma capacidade ampliada para Força Aérea Brasileira. (Foto: CB Silva Lopes / Agência Força Aérea)

História - Projetado na década de 80 em uma parceria entre a Itália e o Brasil, o A-1 entrou em operação nas Forças Aéreas desses dois países em um cenário de mudanças de táticas e doutrinas após o fim da Guerra Fria. Apesar disso, o caça conseguiu ser adequado para o século XXI e provar na prática que ainda é um vetor de importância estratégica. A Itália também decidiu modernizar seus AMX, chamados localmente de “Ghibli”, que deverão voar até aproximadamente 2020.

Em 1999, ainda sob dúvidas quanto a sua eficácia, os AMX italianos tiveram seu batismo de fogo na Operação Allied Force, na Bósnia. Ao final, 66% das missões da Força Aérea Italiana naquele conflito foram realizadas pelo “Ghibli”. Desde 2009 estes jatos também são presença constante no Afeganistão, como parte das forças da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) no combate às forças talibãs.

Em 2011, os AMX italianos também participaram no conflito na Líbia, quando voaram 550 horas em missões de reconhecimento e ataque, com o uso de bombas inteligentes. Em um cenário de crise econômica, os AMX ganharam destaque por cumprirem suas missões com eficiência e um custo operacional menor que outros aviões, como o Eurofigther e o Tornado.

A FAB também operou com sucesso os seus três Esquadrões que operam o caça (Adelphi, Poker e Centauro) nas quatro edições do exercício Cruzeiro do Sul (CRUZEX), que simula uma guerra com uma força de coalizão. “O A-1 é capaz de se adaptar às mais modernas táticas da guerra aérea. Com a modernização, será um sistema de armas ainda mais letal”, afirma o Coronel Bonotto.

Fonte: Humberto Leite, Aerovisão - Via Cavok


Edited by jambock, 04 de September de 2012 - 13:35 .

  • jambock, Glener, Aces High and 1 other like this

#26 transvasp

transvasp
  • Usuários
  • 5,142 posts
  • Gender:Male
  • Location:Salvador
  • Cidade/UF/País:Salvador - Bahia - Brasil
  • Data de Nascimento:04/02/1974

Posted 10 de April de 2012 - 09:49

O futuro painel do A-1M

Os futuros A-1M da FAB terão, grosso modo, um painel semelhante ao do F-5M. Grande parte dos atuais mostradores analógicos será substituída por MFD (Multi-Function Displays) coloridos.

Somando a área dos três MFD, o A-1M terá cerca de 121 polegadas quadradas de área digital mostrando informações que variam desde dados relacionados com o motor até armamentos.

Além do novo painel o A-1M contará com um HMD que trará maior consciência situacional.

Posted Image

FOTOS: Embraer, via FAB

Via: Site Poder Aéreo
  • Jhondson_ likes this

#27 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 22,711 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 10 de April de 2012 - 15:00

Prezado transvasp:
Parabéns pelo post. Matou a pau! Finalmente temos notícias completas sobre o tão aguardado upgrade do A-1.
Creio que a aplicação de um revestimento proporcionando mais furtividade ao A-1M, à semelhança do T-50, o tornaria ainda mais eficiente.
http://forum.contato...ao-t-50-pak-fa/

#28 Jhondson_

Jhondson_
  • Usuários
  • 350 posts
  • Gender:Male
  • Cidade/UF/País:Natal - Parnamirim/RN - Brasil
  • Data de Nascimento:30/01/1993

Posted 10 de April de 2012 - 20:07

Louco pra ver ele aqui por Natal, quando vier fazer os testes com armamentos! :ahhh:

#29 transvasp

transvasp
  • Usuários
  • 5,142 posts
  • Gender:Male
  • Location:Salvador
  • Cidade/UF/País:Salvador - Bahia - Brasil
  • Data de Nascimento:04/02/1974

Posted 11 de April de 2012 - 08:06

O NAVFLIR do AMX

Posted Image


Imagens recentes da revista Aerovisão mostram muitas fotos do A-1M sendo modernizado na EMBRAER, mas parecem denunciar como será instalado o NAVFLIR (FLIR de navegação) do A-1M. O que se tem certeza é que a câmera ficará acima e atrás da antena do radar.

No centro da imagem acima pode ser vista uma cavidade onde parece ficar a abertura da câmera. A imagem está sobreposta à sonda de reabastecimento, mas é bem diferente da luz instalada na sonda. A câmera pode ser instalada na vertical funcionando como um periscópio. Outras imagens da revista (em detalhe na foto acima) mostram alterações no local indicando que a posição do NAVFLIR será à direita da cabine.

O NAVFLIR dará novas capacidades ao A-1M, que aumentarão em muito suas possibilidades de sobrevivência. Podendo atacar baixo, à noite, e em bom tempo, também apoiado por óculos de visão noturna, o A-1M poderá anular a maioria das defesas aéreas guiadas opticamente como mísseis superfície-ar portáteis e artilharia antiaérea apontada visualmente, além de caças não equipados com radares com capacidade look-down/shoot-down. Voando baixo, o A-1M conseguirá atingir alvos com bombas burras com precisão semelhante às de bombas JDAM (CEP menor que 15 metros), mas que seria muito arriscado de dia dependendo das defesas do alvo.

A imagem abaixo mostra a janela de um FLIR, abaixo do nariz e na frente do trem de pouso dianteiro, em um jato executivo Gulfstream.

Posted Image



Fonte: Poder Aéreo




  • jambock and Jhondson_ like this

#30 Jhondson_

Jhondson_
  • Usuários
  • 350 posts
  • Gender:Male
  • Cidade/UF/País:Natal - Parnamirim/RN - Brasil
  • Data de Nascimento:30/01/1993

Posted 12 de April de 2012 - 11:59

O A-1 é lindo demais. E agora modernizado! :jump:

#31 transvasp

transvasp
  • Usuários
  • 5,142 posts
  • Gender:Male
  • Location:Salvador
  • Cidade/UF/País:Salvador - Bahia - Brasil
  • Data de Nascimento:04/02/1974

Posted 01 de May de 2012 - 14:59



Primeiro AMX modernizado pela Embraer voará antes de julho

1 de maio de 2012, em Noticiário Internacional, por Guilherme Poggio

[/left]




Posted Image
Posted ImageA Embraer espera que o primeiro caça AMX modernizado voe pela primeira vez antes do mês de julho, segundo relatório do primeiro trimestre do ano.
Dois aviões para testes e oito aeronaves de produção já estão nas instalações da empresa esperando pela modernização. A Embraer informa que um total de 43 aeronaves serão modernizadas pelo programa. O AMX foi originalmente produzido em cooperação com a Itália.
A modernização inclui um painel tipo “glass cockpit”, novos sistemas de contramedidas eletrônicas e outros itens.
Paralelamente, o programa de modernização dos 12 caças Boeing A-4 Skyhawk da Marinha do Brasil segue sua trajetória. Os jatos são localmente conhecidos como AF-1.
“Dois deles estão nas nossas instalações em Gavião Peixoto,” informa a Embraer. “A fase de configuração já foi concluída em 2011 e o detalhamento das modificações e a modernização está em andamento.”
Adicionalmente, o A-29 Tucano (sic) vai muito bem, embora a USAF tenha cancelado o seu programa LAS. Mas a companhia espera receber um novo contrato LAS da USAF em 2013. A Embraer compete com a Hawker Beechcraft, mas teme que a mudança dos requisitos do contrato pela USAF.
No último trimestre do ano passado o Brasil também firmou contratos com Bukina Faso, Angola e Mauritânia para o turboélice de ataque leve. O valor total do contrato com os países africanos gira em torno de US$180 milhões.
Já o programa do KC-390 continua e a fase da seleção dos maiores colaboradores já foi feita.
FONTE: Flight Global

[/left]


Leia mais (Read More): Primeiro AMX modernizado pela Embraer voará antes de julho | Poder Aéreo - Informação e Discussão sobre Aviação Militar e Civil


  • MR. STAR likes this

#32 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 22,711 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 29 de May de 2012 - 16:29

Meus prezados:
As notícias sobre a modernização das aeronaves de ataque A-1 são tão raras que não podemos deixar passar despercebidas qualquer notícia que saia na imprensa. Assim, temos a notícia da entrega da nona aeronave à EMBRAER para o upgrade. O que me surpreende é a informação de que são necessárias seis semanas de preparação para tal entrega. Ou será que entendí errado?
http://www.fab.mil.br/portal/capa/index.php?mostra=11287&MODERNIZAÇÃO - Força Aérea envia 9º caça A-1 para EMBRAER

Edited by jambock, 29 de May de 2012 - 16:31 .


#33 GPA

GPA
  • Usuários
  • 27 posts
  • Gender:Male
  • Location:Natal
  • Cidade/UF/País:Natal
  • Data de Nascimento:31/01/1989

Posted 08 de June de 2012 - 19:48

Foi citada a instalação de Laser Range? Alguém leu algo?

#34 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 22,711 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 09 de June de 2012 - 05:39

Foi citada a instalação de Laser Range? Alguém leu algo?

Prezado GPA: Creio que o AMX já dispunha de tal equipamento, como opcional. Eis um trecho de um post que abordava o assunto:
"Um HUD moderno é integrado com o sistema de navegação e ataque da aeronave e com o sistemas de gerenciamento de sensores e armas. No caso de ataque contra alvos pré-planejados, antes da missão o piloto introduz no computador de bordo os dados relevantes da posição do alvo, seleciona os modos de disparo e a arma que será usada.

Após a decolagem o sistema de navegação mostra dos dados e controles necessários para manter o curso e altitude e os mostra no HUD. Próximo do alvo, o HUD muda de modo automaticamente e começa a mostrar dados de TOT (tempo sobre o alvo) e uma linha que representa a trajetória de lançamento da arma com o CCIP superposto (Continuosly Computed Initial Point/Ponto Inicial Continuamente Computado).

Outras simbologias mostram a posição do alvo e a direção do designador laser se estiver presente. O piloto alinha o laser com a posição do alvo pré-computada e os dados de altitude e distancia do alvo são automaticamente carregados no sistema de navegação e ataque para possíveis correções de posição. Quando a simbologia do CCIP coincide com o alvo, as armas são lançadas no modo automático ou manual.

O sistema permite uma grande melhoria da pontaria com armas "burras", pois numa velocidade de 1000km/h, uma antecipação de 1/5 de segundo pode significar um erro de mais de 50m.
Mas, realmente, não lí nada que mencionasse a instalação do laser range como equipamento standard no A-1AM.

#35 Cougar_PH

Cougar_PH
  • Usuários
  • 619 posts
  • Gender:Male
  • Cidade/UF/País:Parnamirim/RN/Brasil
  • Data de Nascimento:07/06/1971

Posted 09 de June de 2012 - 09:04

o laser ranger deve ser feito ao meu ver pelo litenning. no mesmo ou em outra aeronave de apoia.
Bom dia!!
a todos
:-)

#36 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 22,711 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 09 de June de 2012 - 15:01


 

Foi citada a instalação de Laser Range? Alguém leu algo?

Prezado GPA: no post 23 deste tópico consta um diagrama do A-1M onde vê-se o "designador laser/FLIR".

 


Edited by jambock, 30 de March de 2016 - 10:13 .


#37 GPA

GPA
  • Usuários
  • 27 posts
  • Gender:Male
  • Location:Natal
  • Cidade/UF/País:Natal
  • Data de Nascimento:31/01/1989

Posted 11 de June de 2012 - 22:46

Justamente isso que gostaria de levantar, se a função do laser range (basicamente telemetria de lançamento de armamento "burro") seria realizado por um dos pods ou se o mid-life iria instalar um fixo.

Agradeço pelas respostas!
Abraços.

#38 Renan - SAO

Renan - SAO
  • Usuários
  • 3,024 posts
  • Gender:Male
  • Cidade/UF/País:São Paulo
  • Data de Nascimento:12/11/1900

Posted 19 de June de 2012 - 19:05

Posted Image

A Força Aérea Brasileira (FAB) realizou nesta terça-feira o primeiro voo do caça AMX modernizado, na fábrica da Embraer em Gavião Peixoto, no interior de São Paulo. Um contrato entre a FAB e a Embraer prevê a revitalização e modernização de 43 caças subsônicos A-1, como a aeronave é designada na Força Aérea Brasileira, nas versões A e B. Dez aeronaves já estão nas instalações da Embraer e as primeiras entregas, segundo a empresa, serão em 2013.

"O A-1 é um avião genuinamente nosso, desenvolvido a partir de uma parceria entre a Embraer e a Força Aérea Brasileira. A modernização que estamos fazendo o tornará um avião muito superior à versão anterior. O piloto vai ter um avião com um grande incremento na sua capacidade operacional", disse Luiz Carlos Aguiar, presidente da Embraer Defesa e Segurança.

As aeronaves A-1 estão passando por uma revitalização estrutural e vão receber novos equipamentos, entre eles o radar SCP-01, com modos ar-ar, ar-solo e ar-mar. Serão mantidas características elogiadas da aeronave, como o raio de ação, a capacidade de reabastecimento em voo e os dois canhões de 30mm.

Além do radar, os caças também vão receber um sistema integrado de autodefesa com alerta de detecção de radar e de aproximação de mísseis e lançadores de iscas para mísseis. Os A-1M - designação das aeronaves modernizadas - também terão sistemas de reconhecimento e designação de alvos, além do Skyshield, que tem a capacidade de bloquear e despistar radares de busca em solo, embarcados ou de guiagem de mísseis.

"Os A-1M estão recebendo sistemas modernos semelhantes aos que já equipam os nossos F-5M e A-29. A similaridade entre os aviônicos destas aeronaves ajudará na adaptação dos nossos pilotos e representa uma padronização que oferece inúmeras vantagens operacionais, tais como o aprimoramento da doutrina de emprego da FAB e o melhor rendimento das horas de voo", afirma o Juniti Saito, comandante da Aeronáutica.

A ocasião também marcou o recebimento do 99º e último turboélice de ataque leve A-29 Super Tucano. Também foram entregues os dois últimos caças F-5M do lote de 46 aeronaves modernizadas. Em breve, mais onze F-5 comprados pela FAB junto à Jordânia deverão passar por uma modernização.

http://noticias.terr...rior de SP.html

#39 MLN-SJP

MLN-SJP
  • Moderador
  • 4,147 posts
  • Gender:Male
  • Location:SJP
  • Data de Nascimento:21/08/1970

Posted 20 de June de 2012 - 10:26



A ocasião também marcou o recebimento do 99º e último turboélice de ataque leve A-29 Super Tucano. Também foram entregues os dois últimos caças F-5M do lote de 46 aeronaves modernizadas. Em breve, mais onze F-5 comprados pela FAB junto à Jordânia deverão passar por uma modernização.

http://noticias.terr...rior+de+SP.html



Mais duas excelentes noticias


MLN

#40 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 22,711 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 20 de June de 2012 - 18:44

(...)
Em breve, mais onze F-5 comprados pela FAB junto à Jordânia deverão passar por uma modernização.
http://noticias.terr...rior+de+SP.html

Prezado Renan - SAO: em abril de 2011 a AEL já assinava o primeiro contrato para o retrofit dos jordanianos:
http://forum.contato...__1#entry702577