Jump to content


Photo

Habilitação em avião anfíbio - um desafio


  • You cannot start a new topic
  • Please log in to reply
18 replies to this topic

#1 thor.rao

thor.rao
  • Usuários
  • 2,878 posts
  • Gender:Male
  • Location:Tão perto e tão distante!
  • Interests:Aviação Geral e Comercial; Instrução de Voo
  • Cidade/UF/País:SBRP
  • Data de Nascimento:21/05/1984

Posted 30 de January de 2012 - 17:42

O Brasil, com seus oito mil kilômetros de praias e rios em profusão cortando seu território, deveria ter uma grande frota de aeronaves hidro e anfíbias mas esta não é nossa realidade.
Na Região Amazônica concentram-se os poucos exemplares( cerca de 15 aeronaves na área de Manaus).
Esta carência de aeronaves torna difícil a vida dos também escassos pilotos habilitados neste tipo de equipamento pois muitos SERAC (agora GER) não possuem checadores para realizar os vôos necessários à renovação da sua habilitação e poucas são as aeronaves disponíveis para um vôo de recheque.
Agora, se alguém quiser obter a qualificação inicial em hidro ou anfíbio, a dificuldade é ainda maior. Não existem instrutores com aviões disponíveis para formar um piloto de anfíbio.
O Jean Peter é o feliz proprietário de um dos dois Seawind existentes no Brasil. Trata-se de um avião anfíbio experimental “high performance” com capacidade para piloto mais quatro passageiros e equipado com um motor Lycomming de 300 Hp. Piloto privado formado a muito tempo mas fora do vôo por 30 anos, comprou o Seawind e tratou de renovar seu PP, o que fez no AC de S. Paulo. Adaptou-se à nova aeronave e aprendeu a operá-la na água: tecnicamente estava pronto para curtir seu novo brinquedo em total segurança, faltava apenas resolver a parte legal, ou seja, colocar o anfíbio no seu CHT-Certificado de Habilitação Técnica.
Aí começou o seu problema: o DAC(agora ANAC) não checa nem recheca piloto privado em aeronave experimental. A única maneira do Jean poder voar, legalmente habilitado, o seu Seawind seria fazendo o curso em outra aeronave anfíbia homologada e nela ser checado. Fácil não é? Seria, se não houvesse a dificuldade em se conseguir um avião e um instrutor disposto a dar a instrução.
Eu mesmo, fiz o curso do Seawind lá nos “States”, com o Dick Silva, fabricante do kit deste belo anfíbio. Voltei de lá com uma carta onde ele declara que eu sou “piloto de teste” e “instrutor” credenciado pela fábrica mas, como meu CHT estava vencido, não podia voa-lo aqui no Brasil. Tentei revalidar nele mas não deu por ser experimental, tentei fazer o cheque no Lake do Gerard Moss mas não deu pois quando a aeronave estava disponível no Rio, o SERAC 3(hoje GER3) não tendo checador de anfíbio teria que solicitar um ao SERAC 7 e aí o Gerard já teria viajado. Assim, fiquei quase um ano tentando, sem sucesso, colocar em dia minha habilitação.
Numa passagem por Macaé, com os T6 da OI, conheci o Paulo Brahma ( apelido colocado porque seu avô foi proprietário da primeira fábrica de cerveja da Amazônia, depois vendida para a Brahma. Detalhe: ele só bebe refrigerante), piloto de helicópteros da HELIVIA operando nas plataformas mas amante da aviação anfíbia nas horas de folga. Lá em Macaé ele me falou do Cessna 185 hidro e de seu hangar flutuante nas margens do Rio Tarumã, em Manaus. Achando que isto daria uma matéria de interesse dos nossos leitores falei com o Juca e marcamos uma ida até lá para conferir
O Jean Peter soube da viagem e foi comigo pois tentaríamos nossa habilitação em anfíbio.
O Paulo Brahma é um dos dois checadores de anfíbios do SERAC 7 e estava em Manaus na sua folga quinzenal. Necessitávamos um instrutor e um avião. Fomos apresentados ao Daniel Moreno, proprietário da Tio Táxi Aéreo Ltda que tem um Lake Bucaneer e um C 206 hidro. Ele e o Walter Lincoln, piloto do Caravan anfíbio da RICO Táxi Aéreo Ltda, nos deram a adaptação ao Lake.
Fiz o primeiro vôo pois já havia voado o Lake. O Jean foi atrás. Decolamos do Aeródromo de Flores, administrado pelo AC do Amazonas, e atravessamos o Rio Solimões, tudo coordenado pelo APP Manaus. Fizemos nossos pousos no Solimões em frente ao Lago Salvador. A primeira seção foi encerrada pois um enorme CB se aproximava de Manaus e resolvemos voltar.
Cruzando o rio, o APP nos informou que o Aeroporto Eduardo Gomes estava sob chuva torrencial e o vento já chegava a 40 Kt. Nesta hora avistamos os efeitos do vento, já sobre o rio. Colunas de água subiam em direção às nuvens, sugadas pelas fortes correntes ascendentes.
Fizemos 180 graus e fomos procurar um lago abrigado para pousar e aguardar a passagem da tempestade. Pousamos no Lago Iranduba e ficamos dentro do avião que derivou até encostar numa “moita” de aguapés. Choveu e ventou muito. Apesar da pouca visibilidade vimos que estávamos sendo envolvidos por uma enorme quantidade de plantas.
O CB chegando Nosso instrutor enquanto aguardávamos, pousados, a passagem do CB

Demos a partida no motor e fugimos dali para o centro do lago. Em seguida decolamos e voltamos para o Aeródromo de flores, não sem antes levar um susto com fumaça saindo do painel do Lake. Descobrimos que fora uma sobrevoltagem que derreteu um fio e danificou o transponder.
Neste mesmo dia o Jean fez seu primeiro treinamento, completado na manhã seguinte. Como seu cheque era inicial, foi necessário voar 6 horas, o mínimo exigido pelo DAC(agora ANAC) para conceder uma habilitaçãoo de anfíbio, embora ele já estivesse apto ao cheque com apenas 3 horas, graças à sua experiência no Seawind. As seis horas de treinamento mais uma hora de cheque lhe custariam quase dez mil reais ( R$1.200,00 a hora) e teve que gastar esta quantia porque o DAC(ANAC) não checa em aeronaves experimentais. Estávamos prontos para o cheque num avião homologado.
Jean Peter na final para pouso Chegando no Peixe Boi depois do vôo de cheque
O Omer Yurtsever, Vice-Presidente da Rico Linhas Aéreas Regionais e ex-sócio do Moreno na Tio Táxi Aéreo, nos deu carona e fomos todos ao SERAC 7 para dar entrada no pedido de cheque para o Jean e de recheque para mim.
Poucas vezes vi usuários serem atendidos com tanta simpatia em algum órgão do Sistema de Aviação Civil. Os comandados do T. Cel Av Gomes Alves verificaram toda nossa documentação e nos deram as autorizações de cheque em menos de uma hora. Sei que alguns SERAC tem uma carga de trabalho bem superior à deles mas isto somente influiria no tempo de atendimento. Jean e eu saímos comentando sobre a simpatia dos militares que nos atenderam: Maj Av Cassiano, Chefe da Seção de Habilitação e os Sgt Ferreira e Bomfim que trabalham com ele. Nos trataram como “pessoas de bem” que somos e não como “golpistas” como várias vezes me senti sendo tratado noutros lugares.
Para comemorar, fomos até a casa de praia do Omer, pegamos sua lancha e fomos Almoçar no Peixe Boi, o restaurante da Ana que fica num braço do Rio Tarumã. Lá, sobre dois flutuantes, encontramos a casa onde esta paulista cheia de histórias para contar mora há 17 anos e o restaurante, onde saboreamos algumas costelas de tambaqui e postas de pirarucu, tudo regado a cerveja gelada. O assunto principal foi algumas histórias sobre um dos pilotos mais conhecidos na Amazônia, o Rogério Maconha, que morava ali com a Ana quando estava em Manaus. Seus amigos juram que nem cigarro normal ele fumava, apesar do apelido. O Omer mandou vir a garrafa de run que ele trouxera do Caribe e dera ao Rogério e com ele fizemos um brinde “à alma do Rogério”.
No dia seguinte fomos checados e aprovados pelo Paulo Brahma.
Sobre nosso checador, grande entusiasta da aviação, temos uma história triste. Algum tempo depois, quando o Gerard e a Margi Moss passavam por Manaus durante o projeto Brasil das Águas, amigos do Paulo, o convidaram e fizeram um vôo com repórteres estrangeiros nas duas aeronaves: Lake do Gerard e C 185 do Paulo. Pousaram num rio para fotos, Gerard decolou na frente de volta à Manaus mas estranhou não escutar o Paulo no rádio. Voltou para ver o que acontecera e avistou o avião do Paulo emborcado dentro d’água(apenas os flutuadores de fora). O avião pousou ao lado, ainda tentou mergulhar para tirá-lo do avião mas foi tudo inútil.
Foi-se, inexplicavelmente, um ótimo piloto e amigo.
Jean Peter de pé e Paulo Brahma na asa Paulo Brahama no Lake.

http://www.airsport....0&tipo=Tecnicos
  • David Weber, captbrunotf, asenci and 1 other like this

#2 David Weber

David Weber
  • Usuários
  • 422 posts
  • Gender:Male
  • Cidade/UF/País:Brasil
  • Data de Nascimento:04/11/1989

Posted 03 de February de 2012 - 00:50

Maravilhoso texto. Com certeza se houvesse uma difusão maior sobre os anfíbios e hidroaviões, muitos se apaixonariam e procurariam esse estilo de voo que é maravilhoso. Infelizmente nossa autoridade reguladora e os investidores da aviação brasileira não enxergam as possibilidades de sucesso, tornando as amerrissagens um privilégio para poucos sortudos brasileiros.
  • Packo1 and Air Force One like this

#3 TaZmaniA

TaZmaniA
  • Usuários
  • 570 posts
  • Gender:Male
  • Location:Brasil
  • Cidade/UF/País:Brasil
  • Data de Nascimento:01/01/1981

Posted 03 de February de 2012 - 11:38

Muito bom o texto.

Espero que dessa vez, daqui 1 ou 2 meses dias o pessoal da aeromagazine não publique com a assinatura deles.

#4 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 24,711 posts
  • Gender:Male
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 03 de February de 2012 - 11:56

Meus prezados:
Excelente narração!
Este fato retrata muito bem a incoerência existente no Brasil, terra de muitos rios e lagos. Entretanto a aviação anfíbia é coisa rara por aqui. Faltam aeronaves, checadores e, por consequência, pilotos anfíbios. Creio que nem todos têm dindin para fazerem seus check's nos States.
Conhecí um piloto em Ilhabela/SP que estava para fazer seu check com o Paulo, quando ocorreu seu falecimento.

#5 raulmarinho

raulmarinho
  • Usuários
  • 635 posts
  • Gender:Male
  • Location:São Paulo
  • Cidade/UF/País:São Paulo/SP/Brasil
  • Data de Nascimento:11/01/1968

Posted 04 de February de 2012 - 12:23

Fiquem atentos com este assunto, pois tem gente graúda querendo ressuscitar a aviação anfíbia hoje, no Brasil.
É o que posso dizer no momento...
  • monks and Air Force One like this

#6 thor.rao

thor.rao
  • Usuários
  • 2,878 posts
  • Gender:Male
  • Location:Tão perto e tão distante!
  • Interests:Aviação Geral e Comercial; Instrução de Voo
  • Cidade/UF/País:SBRP
  • Data de Nascimento:21/05/1984

Posted 04 de February de 2012 - 13:12

Gostaria de saber como conseguir o AFM e/ou POH do Caravan Anfíbio....
Se possível ou disponível em PT. Mas se for em Inglês, ok tb!

Sds

#7 David Weber

David Weber
  • Usuários
  • 422 posts
  • Gender:Male
  • Cidade/UF/País:Brasil
  • Data de Nascimento:04/11/1989

Posted 04 de February de 2012 - 20:57

Fiquem atentos com este assunto, pois tem gente graúda querendo ressuscitar a aviação anfíbia hoje, no Brasil.
É o que posso dizer no momento...


Isso que você fez é maldade. :ahhh:

#8 Mauro Silva

Mauro Silva
  • Membro Honorário
  • 1,670 posts
  • Gender:Male
  • Location:São Paulo
  • Interests:Me interesso pela VIDA !
  • Cidade/UF/País:São Paulo / S P / Brasil
  • Data de Nascimento:05/04/1961

Posted 11 de February de 2012 - 00:10

Trabalhei com Paulo Brahma, na Cruzeiro Táxi Aéreo nos anos 90 em Carauari AM, realmente uma pessoa muito bacana!
E com Rogério Maconha no Garimpo de Roraima também anos 90, na época meu apelido era Mauro Coca, figuraça!

As Operações de Anfíbios na Amazônia, são muito restritas, não por falta de "pista" é claro, mas por falta de Pax!

A Região é extremamente Pobre, não tem poder Financeiro algum para custear um fretamento, pois uma Aeronave para 4 pessoas, não consegue fazer uma Linha ou Malha para embarque de Pax, então fica para o Fretamento de serviços específicos como troca de tripulação de Pilotos de Helicópteros e Mecânicos que operem nos confins da Amazônia, onde não tem cidade ou Pista de pouso para Aeronave Convencional, pessoal da Área da Geofísica da Petrobrás, ou Técnicos de Empresas que fazem Barragens e alguns Ricos Turistas!

As poucas e pequenas Cidades, são atendidas pelas Empresas Aéreas Regionais com Base em Manaus!

Para se ter uma ideia, em 1980, fui de Manaus para Carauari de Pax de um DC-3 da Rico Táxi Aéreo e minutos antes de pousarmos, o motor esquerdo começou a pegar Fogo!

Imaginem Todo mundo em Pânico (galinha, porco, cabrito e outros bichos mais) e alguns Pax mais um bocado de Carga nessa situação?

Para nossa Sorte, estávamos num DC-3 e pousamos tranquilos com um motor a pleno e outro em idle!

No solo encontro Comandante Mickey, simplesmente o Dono da Rico, que estava voando um Monomotor pequeno, transportando uns Pax da Petrobrás.

Será que faz tanto tempo assim?

Gostaria de ver esse Horizonte que o Colega postou, que em breve teremos investimentos para os Anfíbios, é Show de Bola voar a Maquineta!

Abc

Mauro
  • Nelson 707, Sydy, Leandro M. and 1 other like this

#9 upspeed

upspeed
  • Usuários
  • 72 posts
  • Gender:Male
  • Location:sao paulo
  • Cidade/UF/País:sao paulo
  • Data de Nascimento:07/12/1975

Posted 24 de August de 2012 - 15:13

Instrução Hidroaviões.

Olá Senhores,

Alguém saberia informar se atualmente existe alguma possibilidade de obter instrução de hidroaviões no Brasil? Sei que existe o Hidroclube do Brasil no Rio, porém não consigo nenhum contato com eles.

Fly safe!

Upspeed.

#10 thor.rao

thor.rao
  • Usuários
  • 2,878 posts
  • Gender:Male
  • Location:Tão perto e tão distante!
  • Interests:Aviação Geral e Comercial; Instrução de Voo
  • Cidade/UF/País:SBRP
  • Data de Nascimento:21/05/1984

Posted 24 de August de 2012 - 16:37

Fiquem atentos com este assunto, pois tem gente graúda querendo ressuscitar a aviação anfíbia hoje, no Brasil.
É o que posso dizer no momento...


Raul,

Já pode nos contar?


Sds
  • David Weber likes this

#11 Wesley Minuano

Wesley Minuano
  • Usuários
  • 147 posts
  • Cidade/UF/País:Sao Paulo / SP / Brasil
  • Data de Nascimento:19/08/1960

Posted 24 de August de 2012 - 19:44

O Omar teve um DHC-2 Beaver, ao que consta uma vez foi equipado anfíbio.
PT-DXH: http://www.myaviatio...0043&size=large

Que fim levou esse avião eu adoraria saber.

E também se alguem tem fotos dele anfíbio.

De onde saiu o texto original ? Tem fotos lá ?

#12 thor.rao

thor.rao
  • Usuários
  • 2,878 posts
  • Gender:Male
  • Location:Tão perto e tão distante!
  • Interests:Aviação Geral e Comercial; Instrução de Voo
  • Cidade/UF/País:SBRP
  • Data de Nascimento:21/05/1984

Posted 25 de August de 2012 - 09:28

O Omar teve um DHC-2 Beaver, ao que consta uma vez foi equipado anfíbio.
PT-DXH: http://www.myaviatio...0043&size=large

Que fim levou esse avião eu adoraria saber.

E também se alguem tem fotos dele anfíbio.

De onde saiu o texto original ? Tem fotos lá ?



Antiga essa foto hein!!

Bom ver esses regitros!

#13 David Weber

David Weber
  • Usuários
  • 422 posts
  • Gender:Male
  • Cidade/UF/País:Brasil
  • Data de Nascimento:04/11/1989

Posted 25 de August de 2012 - 20:54


Raul,

Já pode nos contar?


Sds


²

#14 thor.rao

thor.rao
  • Usuários
  • 2,878 posts
  • Gender:Male
  • Location:Tão perto e tão distante!
  • Interests:Aviação Geral e Comercial; Instrução de Voo
  • Cidade/UF/País:SBRP
  • Data de Nascimento:21/05/1984

Posted 25 de August de 2012 - 21:21


De onde saiu o texto original ?


O texto inicial é de autoria de Gustavo Henrique Albrecht

#15 Antonio

Antonio
  • Usuários
  • 76 posts
  • Gender:Male
  • Cidade/UF/País:Brasil
  • Data de Nascimento:01/01/1900

Posted 11 de June de 2014 - 11:15

Referente ao PT-DXH, por favor, alguém sabe seu paradeiro ?

Ele ainda consta no RAB, proprietário Arnaldo de tal...

IAM e CA vencidos.

CA cancelado.

A informação que eu tenho é que ele foi acidentado no Piaui, mas sem indicação de local, data, econdições/destino da aeronave.

Agradeço imensamente qualquer ajuda.



#16 Cmt Eduardo Pqd

Cmt Eduardo Pqd
  • Usuários
  • 189 posts
  • Gender:Male
  • Cidade/UF/País:São Paulo SP
  • Data de Nascimento:03/02/1977

Posted 11 de June de 2014 - 11:28

     Com relação a essa habilitação, tenho um amigo piloto que comprou um Lake ( anfíbio) e tinha a intenção de agregar essa aeronave em algum aeroclube para que fosse disponibilizado ao público a instrução e cheque da habilitação anfíbio, mas até hoje nem ele conseguiu ter instrução anfíbia sem falar no cheque, sua aeronave que está em ótimas condições fica parada , sem uso.

 A problemática de encontrar um instrutor de anfíbio e um checador vai longe. 



#17 GLK

GLK
  • Moderador
  • 5,428 posts
  • Gender:Male
  • Cidade/UF/País:Brasil
  • Data de Nascimento:29/09/1959

Posted 12 de June de 2014 - 07:27

Triste. Imagino o bom uso que vários anfíbios poderiam ter no norte.



#18 thor.rao

thor.rao
  • Usuários
  • 2,878 posts
  • Gender:Male
  • Location:Tão perto e tão distante!
  • Interests:Aviação Geral e Comercial; Instrução de Voo
  • Cidade/UF/País:SBRP
  • Data de Nascimento:21/05/1984

Posted 12 de June de 2014 - 11:14

Triste. Imagino o bom uso que vários anfíbios poderiam ter no norte.

 

Não só no Norte. Na Costa Brasileira num geral.

Já voei o PR-HRE e afirmo, o bichinho é bom!!


  • GLK likes this

#19 GLK

GLK
  • Moderador
  • 5,428 posts
  • Gender:Male
  • Cidade/UF/País:Brasil
  • Data de Nascimento:29/09/1959

Posted 02 de July de 2017 - 23:59

Alguma novidade no cenário dos anfíbios? Tivemos tantas mudanças em regulamentação nos últimos anos, ficou mais fácil ou viavel obter o anfíbio na carteira?
  • David Weber likes this