Jump to content


Photo

Madagáscar, a outra África


This topic has been archived. This means that you cannot reply to this topic.
5 replies to this topic

#1 TAP151

TAP151
  • Usuários
  • 2,219 posts

Posted 24 de September de 2012 - 20:17

Madagáscar, a outra África


O Airbus A340 da South African Airways avança em direcção a Sul. Para trás ficou o Mediterrâneo, o imenso Sahara e o Níger… em cima do Congo o avião vai sendo sacudido na sua fragilidade pela forte trovoada, aproxima-se o Zimbabwe, a Zâmbia e o Botswana logo a seguir, quase 13 horas depois de termos saído de Frankfurt, começamos a descer para Joanesburgo.

Depois de cortar de alto a baixo todo Continente Africano, pisamos terra firme, tempo apenas para lavar a cara e embarcar novamente num pequeno avião com destino a Madagáscar. Abordo não estariam mais de 30 pessoas, afinal a luta de poder que se travava em Antananarivo não fazia deste país um destino muito apetecido pelos estrangeiros.

Na realidade, os turistas, na sua maioria sul-africanos, franceses e italianos abandonaram Madagáscar, facto que fomos comprovando pelos hotéis vazios e pelos parques naturais sem vestígios de vida humana. Tanto melhor!

A instabilidade política que se viveu nos meses que antecederam a nossa viagem quase inviabilizaram a nossa vontade de conhecer mais este singular destino. Em cima da mesa esteve muitas vezes o Malawi como substituição, mas a nossa teimosia acabou por vencer e ainda bem que assim foi.

A chegada a Antananarivo revelou uma África pura, negra na sua essência mas tão diferente de todos os outros países africanos que conheço.
Aqui existe uma arquitectura própria e um povo Malgaxe muito orgulhoso da sua descendência mais próxima do Índico do que África. As baguetes para o pequeno-almoço são, à boa maneira francesa, transportadas debaixo do braço, sinais dos tempos idos do colonialismo.

Posted Image

Posted Image


Antananarivo tem uma imensidão de mercados negros, reveladores de uma economia paralela tão característica de países completamente arruinados. Em Madagáscar tenta-se trabalhar de manhã para se poder almoçar e nem sempre isso é possível. Com apenas 400 euros tornamo-nos milionários!

Posted Image


Mas a exploração de Antananarivo teria que ficar para o regresso, logo no dia seguinte, bem cedo, estávamos de partida para Antsiranana ou, por questões de facilitismo, Diego Suarez.

Posted Image

Posted Image

Posted Image


Logo aqui começamos a entender a razão por que Madagáscar é única, a paisagem é dominada pelos baobabs, as árvores que nasceram ao “contrário”, uma pequena brincadeira da mãe natureza.

Posted Image


A baía de Antsiranana é a segunda maior do mundo e, estrategicamente posicionados num ponto alto, podemos observar Nosy Longo e vamos descobrindo uma, duas, três pequenas baías, Sakalava, Dunes e Pigeon, respectivamente, que escondem praias idílicas, barcos de pesca, pequenas aldeias e uma beleza que nos faz parar e contemplar.

Posted Image

Posted Image

Posted Image


O asfalto degradado dá lugar a estradas de areia e vamo-nos perdendo por meio de dunas e baobabs, o silêncio vai sendo quebrado pelas inúmeras espécies de pássaros. As águas turquesas e as tartarugas vão contribuindo para o crescente deslumbramento!

Posted Image

Posted Image

Posted Image

Posted Image

Posted Image


A manhã acabaria com um churrasco improvisado numa das praias!

As surpresas vão surgindo com uma cadência calculada, partimos, na manhã seguinte, em direcção ao Parque Nacional Montagne D’Ambre. O parque eleva-se a 1.475 metros de altura e é um verdadeiro oásis, são cerca de 18 mil hectares de floresta tropical, com cerca de 3.6 mm de chuva por ano.

O parque é conhecido pelas variedades de plantas, fetos, árvores gigantescas e ainda pelas dezenas de variedades de orquídeas.
As quedas de água e lagos vulcânicos completam o cenário onde pássaros, morcegos, répteis, camaleões (nomeadamente a espécie Boettgers, os camaleões mais pequenos do mundo), rãs, lémures e fosas se escondem e vão aumentando o interesse desta viagem tão intimamente ligada á natureza.

Posted Image

Posted Image

Posted Image

Posted Image

Posted Image

Posted Image

Posted Image

Posted Image


Embora a nossa vontade fosse ficar aqui muito mais tempo, a verdade é que tínhamos um itinerário a cumprir.

Partimos em direcção a Ankarana com uma paragem em Red Tsingy.

Posted Image

Posted Image

Posted Image

Posted Image


A paisagem ao logo da estrada até Ankarana é muito semelhante à savana. Vamos parando nas pequenas aldeias de gentes sorridentes, somos recebidos por sonoras gargalhadas das mulheres que, claramente, gozam com a nossa aparência.

Compramos mangas e bananas, vamos rindo com as histórias traduzidas pelo nosso guia ou pelo pouco francês que nos vais permitindo alguma comunicação.

O islamismo começa a ser visível pela maneira como as mulheres se vestem e pelas discretas mesquitas.

Posted Image

Posted Image

Posted Image


O Parque Nacional de Ankarana é aquele que oferece aos seus visitantes um maior grau de aventura pelas suas pontes suspensas entre magníficos desfiladeiros, grutas, floresta inexplorada e pela possibilidade de caminhar pelas imensas planícies de xisto.

Os lémures continuam a fazer-nos companhia, conseguimos mesmo ver algumas espécies de lémures nocturnos que ficam temporariamente cegos com a luz do sol.

Posted Image

Posted Image

Posted Image

Posted Image

Posted Image

Posted Image

Posted Image


O cenário árido muda e as plantações de açúcar e castanha de caju predominam na paisagem até Ankify onde apanharemos a lancha até ao pequeno paraíso chamado Nosy Komba.

A ilha está dominada pelas plantações de cacau e baunilha, fomo-nos perdendo pelas aldeias de pescadores e apreciando os jogos de futebol improvisados pelos miúdos nos vastos areais.

Posted Image

Posted Image

Posted Image

Posted Image

Posted Image

Posted Image

Posted Image

Posted Image

Posted Image

Posted Image

Posted Image


Depois de três dias descanso no paraíso ainda nos restou tempo para visitar Nosy Be onde apanhámos o voo de regresso a Antananarivo.

Posted Image


O último dia em Antananarivo foi reservado para explorar os mercados, palácios e pontos de maior interesse da capital de Madagáscar.

Posted Image

Posted Image

Posted Image

Posted Image

Posted Image

Posted Image

Posted Image


Ficou a vontade de regressar a uma das maiores maravilhas naturais do Continente Africano.

Abraços

#2 G-BOAC

G-BOAC
  • Usuários
  • 1,288 posts

Posted 24 de September de 2012 - 20:26

Literalmente é uma outra África. O lugar é maravilhoso, e as fotos nem se fala, perfeitas! Parabéns Luís


Abraços

#3 soapbro

soapbro
  • Usuários
  • 371 posts

Posted 24 de September de 2012 - 20:38

Tuas fotos são lindas...
Não imaginava que Madagascar era tão atraente.

Abçs,

#4 Ernesto

Ernesto
  • Usuários
  • 873 posts

Posted 24 de September de 2012 - 21:53

Fotos incriveis.... parabens! Seria indelicado perguntar sobre os custos de uma viagem destas?

#5 Fantinel

Fantinel
  • Desligados
  • 1,079 posts

Posted 24 de September de 2012 - 22:07

Caracas..que lugar lindo, fotos de profissional...parabéns.

#6 topodidi

topodidi
  • Usuários
  • 361 posts

Posted 25 de September de 2012 - 00:01

Obrigado por me lembrar este país maravilhoso. Boas lembranças.
Eu trabalhei em Majunga em 1984, pouco antes de vir trabalhar no ???? Brasil.
Apesar de todos os problemas políticos, é um povo de extrema bondade.
Opcao de Europa para Madagascar com Air France , Corsair , Air austral , Air Madagascar , Air Mauritius Kenya Airways ...

Parabens para su trip .