Jump to content


Photo

Avião da BASM teria caído em Santa Catarina


This topic has been archived. This means that you cannot reply to this topic.
41 replies to this topic

#21 transvasp

transvasp
  • Usuários
  • 5,189 posts

Posted 06 de December de 2012 - 14:22

FAB divulga nota oficial sobre acidente com aeronave A-1 da Base Aérea de Santa Maria


Posted Image

Uma aeronave A-1A do Esquadrão Poker. (Foto: Fernando Valduga / Cavok)

Conforme divulgado aqui anteriormente, uma aeronave A-1A AMX da Base Aérea de Santa Maria caiu nessa quinta-feira de manhã, dia 6 de dezembro, na fronteira entre os Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina. No acidente morreu o piloto, o Capitão Aviador André Ricardo Halmenschlager, do Esquadrão Poker (1°/10° GAV).

Dois helicópteros Blackhawk do Esquadrão Pantera foram usados na busca ao piloto. A aeronave provavelmente teria colidido com fios de transmissão de energia da Usina de Machadinho. A FAB já deu início às investigações sobre as causas do acidente.

Segue a NOTA OFICIAL do Comando da Aeronáutica:

O Comando da Aeronáutica lamenta informar que por volta das 9h40 desta quinta-feira (06/12), uma aeronave de caça da Força Aérea Brasileira (FAB), modelo A-1 (AMX), caiu em Piratuba (SC), nas proximidades da Usina de Machadinho. O Capitão Aviador André Ricardo Halmenschlager, piloto da aeronave, faleceu no acidente.

A aeronave era do 1º Esquadrão do 10º Grupo de Aviação (1º/10º GAV), sediado na Base Aérea de Santa Maria (RS), e estava em missão de treinamento operacional. O Comando da Aeronáutica já iniciou as investigações para apurar os possíveis fatores que contribuíram para o acidente.

Brasília, 6 de dezembro de 2012
Brigadeiro do Ar Marcelo Kanitz Damasceno
Chefe do Centro de Comunicação Social da Aeronáutica

Fonte: http://www.cavok.com.br/blog/?p=58818

Edited by jambock, 06 de December de 2012 - 15:10 .


#22 JCeccatto

JCeccatto
  • Usuários
  • 906 posts

Posted 06 de December de 2012 - 14:42

Aquilo ali é o para-quedas e o capacete dele? Aparentemente ele ejetou e morreu no pouso, que azar!

#23 DpsTr

DpsTr
  • Usuários
  • 1,813 posts

Posted 06 de December de 2012 - 20:46

Aquilo ali é o para-quedas e o capacete dele? Aparentemente ele ejetou e morreu no pouso, que azar!


Azar ou ineficiência do assento ejetável.

Pelos relatos parece que ele já vinha com problemas e tentou salvar o cacarec... Quer dizer, a aeronave, e acabou não conseguindo e perdendo a vida.

#24 Cristian Prigol

Cristian Prigol
  • Usuários
  • 37 posts

Posted 06 de December de 2012 - 20:56

Varias fotos do local do acidente.
Mas parece que não sobro muita coisa não....
http://radiocapinzal...-caca-em-zortea_-_

#25 bortolanza3

bortolanza3
  • Usuários
  • 352 posts

Posted 07 de December de 2012 - 00:23

Sinico Aeronauta, em partes voce está certo. E pelo Regulamento também. Porém eles não levam isso a ponta de faca. Moro na fronteira do RS com Argentina. 290km de Santa Maria, onde tirei minhas carteiras. E aqui na minha cidade, eles são CAMPEOES em assustar pilotos agricola. E AFIRMO, aqui, é mais facil se chocar com aviões agrícolas do que com pássaros.

Abcs.

#26 Sydy

Sydy
  • Expulsos
  • 7,065 posts

Posted 07 de December de 2012 - 01:30

Pelos relatos parece que ele já vinha com problemas e tentou salvar o cacarec... Quer dizer, a aeronave, e acabou não conseguindo e perdendo a vida.


Véio, na boa... Vc acha que o AMX é cacareco? Eu adoraria voar um.

Vc já ouviu falar em envelope de ejeção?Acredito que não. Dá uma googleadaae...

Aff..

#27 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 26,129 posts

Posted 07 de December de 2012 - 10:01

Meus prezados:
MISSÃO TRÁGICA
Acidente mata piloto de caça
Avião em que estava capitão gaúcho da Aeronáutica caiu na divisa de SC com o RS após batida em cabo de alta-tensão
Destroços espalhados pelo Rio Pelotas, na divisa entre Santa Catarina e o Rio Grande do Sul, e uma grande clareira aberta na mata indicavam o local da queda de um caça A-1 AMX da Força Aérea Brasileira (FAB) na manhã de ontem. O acidente em Zortéa, no meio-oeste catarinense, causou a morte de um piloto gaúcho, que estava sozinho na aeronave.

As causas do acidente ainda são investigadas. Testemunhas contaram aos peritos que, por volta das 9h30min, o caça pilotado pelo capitão-aviador André Ricardo Halmenschlager, 33 anos, chocou-se com os cabos da rede de transmissão que passa sobre o Rio Pelotas, entre Zortéa e a cidade gaúcha de Machadinho.

A aeronave caiu na mata, em local de difícil acesso. O piloto chegou a ejetar-se antes que o avião atingisse o solo, mas não resistiu aos ferimentos. O corpo foi localizado perto do paraquedas, cerca de uma hora depois do acidente, em meio a destroços e fumaça.

O avião havia decolado da Base Aérea de Santa Maria (Basm) para um treinamento operacional, o que explicaria a baixa altitude do voo (entre 66 metros e 166 metros) no momento da batida nos cabos de alta-tensão que levam a energia produzida pela Usina Hidrelétrica de Machadinho até uma subestação de Campos Novos (SC). Testemunhas afirmam que o avião explodiu antes da queda – foram ouvidos pelo menos dois fortes estrondos nas redondezas. Parte dos destroços do avião foi parar dentro do rio.

Aviões de Santa Maria são os mais novos da Aeronáutica

A área do acidente, cujo acesso só é possível de barco, foi isolada pela Aeronáutica. Uma equipe da Basm foi ao local para a apurar as circunstâncias do acidente. A equipe deve transportar os destroços do avião para Santa Maria ou outro local indicado pela FAB.

A investigação tem prazo de pelo menos 30 dias, mas pode levar mais tempo. Segundo o comandante da Basm, David Alcoforado, fatores como geografia, velocidade do vento, raios solares e visibilidade podem ter influenciado no acidente. O A-1 AMX opera há mais de 20 anos na Força Aérea e só havia registro de um acidente com morte. As aeronaves de Santa Maria são as mais novas da frota brasileira e passam por frequentes manutenções.
Um militar dedicado à Força Aérea
Um excelente e dedicado piloto. É dessa forma que os colegas da Base Aérea de Santa Maria (Basm) lembrarão do capitão-aviador André Ricardo Halmenschlager, 33 anos, do 1º Esquadrão do 10º Grupo de Aviação (1º/10º GAv), o Esquadrão Poker, que morreu no acidente aéreo em Santa Catarina.

Halmenschlager atuava em Santa Maria havia oito anos. Ele era casado com Nivia Bezerra de Almeida Halmenschlager e tinha dois filhos, cujas idades não foram divulgadas. Durante quatro anos, David Alcoforado, atual comandante da base aérea da cidade da Região Central, trabalhou com o capitão-aviador:

– Ele era uma pessoa maravilhosa, um piloto dedicado à Força Aérea. Os colegas estão em luto, consternados com a perda desse amigo, pai de família.

Antes de decolar, o piloto havia feito uma inspeção no avião. O corpo foi encaminhado ao posto do Departamento Médico Legal de Lagoa Vermelha para necropsia e depois será levado para Estância Velha, terra natal do piloto e onde ele será sepultado na manhã de hoje. Halmenschlager deverá ser sepultado com honras militares.
ENTREVISTA
“Foram duas explosões”
Cornélio Funkler Neto, morador de Zortéa (SC)
O aposentado Cornélio Funkler Neto foi um dos primeiros a chegar ao local do acidente. Ele mora há cerca de 10 anos no interior de Zortéa (SC), às margens do Rio Pelotas, e já havia visto aviões da FAB passarem pelo local.

Na manhã de ontem, no entanto, Funkler foi surpreendido por explosões, quando estava sentado na frente de casa e presenciou o acidente com o caça. Leia trechos da entrevista:

Diário Catarinense – Como foi o momento do acidente?


Cornélio Funkler Neto – Fiquei impressionado com o barulho que a aeronave fazia. Ela parecia estar voando baixo, quando bateu na fiação. Foram duas explosões, e o avião caiu na mata. Os estouros foram muito altos e corri para chamar socorro.

DC – E o cenário do local?


Funkler – Telefonei para o socorro e peguei o barco para ver se tinha sobreviventes. Estava com medo de chegar perto porque a fiação caiu em cima do rio e poderia haver descargas elétricas. Coloquei botas de borracha e também tenho proteção de isolamento no barco, daí consegui chegar perto. Havia muita fumaça e bastante cheiro de combustível.

DC – O senhor foi o primeiro a chegar ao local do acidente?


Funkler – Cheguei praticamente junto com três homens que estavam roçando em uma mata próxima. Os destroços estavam muito espalhados e não tínhamos a mínima ideia de como procurar o piloto. Abriu uma grande clareira na mata e tinham muitos destroços espalhados pelo rio.

DC – Quando o senhor viu o avião passando, havia algum indício de falha técnica?


Funkler – Parecia estar tudo normal, embora ele estivesse voando baixo. Já tinha visto outros passarem por aqui e sabia que o barulho do motor é muito alto. O susto mesmo veio quando ocorreram as explosões, assim que a aeronave bateu nos fios. É uma coisa que vai ficar marcada para o resto da vida.
fonte: Daisy Trombetta para o jornal "Zero Hora" 7 dez 2012

#28 DpsTr

DpsTr
  • Usuários
  • 1,813 posts

Posted 07 de December de 2012 - 11:49

Eu também adoraria voar um AMX. Mas isso não faz dele uma boa aeronave de combate, muito menos a ponto de justificar a morte de um pai de família para tentar salvar um exemplar.

A FAB, com esse mantra de "salvem a máquina a qualquer custo, salvem a máquina a qualquer custo, porque não temos como comprar outra", parece que esqueceu a lição ensinada pelos americanos na Segunda Guerra e que era a grande diferença entre estes e os alemães e os russos: o homem é insubstituível; a máquina, essa é apenas um monte de ferro, que a gente junta no formato certo outra vez depois.

#29 Sydy

Sydy
  • Expulsos
  • 7,065 posts

Posted 07 de December de 2012 - 12:59

DpsTr,

Já saiu o relatório do acidente? Onde, pls?

Por sinal, vc já viu o AAR do Amx atuando nos Balcãs ou o AAR do Red Flag?

Abcs,

Sydy

#30 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 26,129 posts

Posted 07 de December de 2012 - 15:16

Meus prezados:
Vista da torre contra a qual colidiu o A-1:
http://www.radiocata...s/2275/g/12.jpg

#31 sinico.aeronauta

sinico.aeronauta
  • Usuários
  • 5,106 posts

Posted 07 de December de 2012 - 16:25

Sydy,

AAR = ??

abç !

#32 transvasp

transvasp
  • Usuários
  • 5,189 posts

Posted 07 de December de 2012 - 16:27

Meus prezados:
Vista da torre contra a qual colidiu o A-1:
http://www.radiocata...s/2275/g/12.jpg



É o que pode acontecer quando se faz este tipo de treinamento.

Vc lembra desse...

http://news.bbc.co.u...000/2527521.stm

#33 Sydy

Sydy
  • Expulsos
  • 7,065 posts

Posted 07 de December de 2012 - 16:41

Sinico,

AAR = After Action Report. Se ele não leu, não pode dizer se é bom ou ruim em combate.

Abc,

Sydy

Edited by Sydy, 07 de December de 2012 - 16:41 .


#34 Ozires

Ozires
  • Usuários
  • 1,642 posts

Posted 07 de December de 2012 - 16:42

DpsTr,

Já saiu o relatório do acidente? Onde, pls?

Por sinal, vc já viu o AAR do Amx atuando nos Balcãs ou o AAR do Red Flag?

Abcs,

Sydy


Pois é né Sydy... queria saber de onde tiraram isso de que o piloto morreu porque tentou salvar a aeronave (pois essa é a política ou a ordem da FAB). O cara deve ser muito bom para já ter achado as causas da morte do piloto.

A única coisa que sei é que o avião deve ter se chocado mesmo com a torre de transmissão, pois divulgaram uma foto da torre destruída.

Uma pena

Meus sentimentos a família do aviador.

Ozires

#35 Fernando Cima

Fernando Cima
  • Usuários
  • 732 posts

Posted 07 de December de 2012 - 18:36

Só para deixar claro, não existe nenhuma política ou ordem da FAB para tentar salvar aeronave a qualquer custo. Não sei de onde tiraram isto, ninguém jamais daria tal ordem nem ninguém aceitaria. A vida humana sempre vem antes do equipamento.

#36 DEL

DEL
  • Moderador
  • 1,538 posts

Posted 08 de December de 2012 - 00:35

A FAB, com esse mantra de "salvem a máquina a qualquer custo, salvem a máquina a qualquer custo, porque não temos como comprar outra", parece que esqueceu a lição ensinada pelos americanos na Segunda Guerra e que era a grande diferença entre estes e os alemães e os russos: o homem é insubstituível; a máquina, essa é apenas um monte de ferro, que a gente junta no formato certo outra vez depois.

Sério que tem isso na FAB? Interessante porque estou há mais de sete anos e, das 5 aeronaves que voei até hoje, nunca me falaram nada disso. Mas como você diz com tanta propriedade, certamente sabe mais do que nós que vestimos a farda, então comente mais a respeito: onde ouviu isso quem falou, etc. A propósito, segue o conselho do Sydy e vai pesquisar a respeito de envelope de ejeção.

Brincadeira viu, é cada uma que tem que ler aqui... :ranting_1:

DEL

#37 Reineves

Reineves
  • Usuários
  • 669 posts

Posted 09 de December de 2012 - 23:37

Eu também adoraria voar um AMX. Mas isso não faz dele uma boa aeronave de combate, muito menos a ponto de justificar a morte de um pai de família para tentar salvar um exemplar.

A FAB, com esse mantra de "salvem a máquina a qualquer custo, salvem a máquina a qualquer custo, porque não temos como comprar outra", parece que esqueceu a lição ensinada pelos americanos na Segunda Guerra e que era a grande diferença entre estes e os alemães e os russos: o homem é insubstituível; a máquina, essa é apenas um monte de ferro, que a gente junta no formato certo outra vez depois.



Vivendo e aprendendo..após 30 anos na Força aprendi mais duas coisas:
1- Assento ejetável é milagreiro. Aperta um "botão" ou puxa "uma cordinha" e automaticamente estará salvo... :anta:
2- Todos voam e irão morrer na tentativa de salvar um avião porque os políticos não irão liberar verba para reposição. :o
Kamikazes na FAB ??
Não se deve confundir com a tentativa de um piloto em tentar primeiro solucionar a pane e somente se ejetar quando não houver outro meio. Ninguém em seu juízo perfeito dará sua vida para o governo economizar um dindin.

#38 MLN-SJP

MLN-SJP
  • Moderador
  • 4,260 posts

Posted 10 de December de 2012 - 10:14

Eu também adoraria voar um AMX. Mas isso não faz dele uma boa aeronave de combate, muito menos a ponto de justificar a morte de um pai de família para tentar salvar um exemplar.

A FAB, com esse mantra de "salvem a máquina a qualquer custo, salvem a máquina a qualquer custo, porque não temos como comprar outra", parece que esqueceu a lição ensinada pelos americanos na Segunda Guerra e que era a grande diferença entre estes e os alemães e os russos: o homem é insubstituível; a máquina, essa é apenas um monte de ferro, que a gente junta no formato certo outra vez depois.



Fazia muito tempo que nao lia tanta bobagem em tao poucas linhas...E olha que o CR e bom nisto...

#39 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 26,129 posts

Posted 22 de December de 2012 - 12:08

Meus prezados:

Inquérito de tragédia com avião da FAB já ouviu 15 pessoas na delegacia de Machadinho


O Inquérito da Polícia Civil que apura as causas da queda do Avião da FAB entre Machadinho e Zortea está na delegacia de Machadinho.

Conforme a inspetora Maria Cristina, entre 10 a 15 pessoas já foram ouvidas, principalmente de testemunhas da tragédia no Rio Pelotas e de quem esteve no local momentos depois. Ela lembra que, por se tratar de um objeto de segurança nacional, a polícia civil está prestando apoio à Força Aérea Brasileira que também faz investigação paralela.

A polícia de Machadinho está fazendo alerta via imprensa para que os curiosos devolvam peças retiradas do local do impacto. Houve uma espécie de turismo em Volta Grande-Zortea e Linha Canudo-Machadinho e muitas peças pequenas foram levadas como souvenirs. Acontece que todos os destroços são importantes para o processo. A inspetora informa que o chamamento tem surtido resultado, já que alguns curiosos já devolveram objetos.

O delegado Germano Alves de Lima, que atua na região de Erechim, esteve em Machadinho na tarde desta quinta (20) para dar sequência aos trabalhos.
Na tragédia morreu o capitão André, que foi sepultado em Estância Velha/RS.
fonte: Rádio Rural (SC) via CECOMSAER 22 dez 2012

#40 transvasp

transvasp
  • Usuários
  • 5,189 posts

Posted 23 de May de 2013 - 10:57


A Central de Jornalismo da Rádio Catarinense de Joaçaba teve acesso nesta quarta-feira (22) à informações preliminares que revelam as causas do acidente envolvendo um Caça da Força Aérea Brasileira no lago da Usina de Machadinho. O acidente aconteceu no dia 07 de dezembro do ano passado resultando na morte de um piloto.




Falha humana ou técnica? O que teria causado o acidente que resultou na queda do Caça AMX no lago da Usina Hidrelétrica de Machadinho? A aeronave, pilotada pelo capitão André Ricardo Halmenschlager, 33 anos, caiu no final do ano passado após colisão com cabos de transmissão de energia. Por se tratar de um assunto militar as informações estavam sendo mantidas de forma sigilosa pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA) por se tratar de segurança nacional. Depois de muitas ligações e contatos por e-mail, a Rádio Catarinense conseguiu romper a barreira, buscando respostas para as perguntas que envolvem o acidente.De forma exclusiva, o comandante da Base Aérea DE Santa Maria (RS) Coronel Davi Almeida Alcoforado, antecipou resultados da investigação, revelando detalhes que mostram o que teria acontecido naquela manhã fatídica de dezembro, envolvendo um dos pilotos mais experientes da base.




O relatório da investigação, que será encaminhado ao CENIPA, apontou que ao contrário do que se imaginava inicialmente, e das inúmeras especulações em razão de relato de testemunhas, o Caça AMX, não apresentou problemas mecânicos nos motores ou comandos. “Todos os comandos estavam normais, o que foi analisado neste caso é a questão do sensor que era ultrapassado e que exigiu que o piloto voasse numa altitude baixa para conseguir captar as imagens em alta resolução”. A investigação constatou que a linha de transmissão, no trajeto do Caça, não constava na carta aeronáutica que fazia parte do plano de voo. Na posição que ela fica as imagens de alta resolução dos satélites não conseguem identifica-la. Ou seja, para o piloto a linha não exista naquele local. Capitão André, que estava numa missão de reconhecimento da região e captando imagens, foi surpreendido. A conclusão se chegou após testes realizados com helicópteros que mostraram que era praticamente impossível identificar a linha pelo campo de visão do piloto. “A linha era balizada, tinha as bolas sinalizadoras, mas fizemos várias corridas com helicóptero, tentando aproximar o chamado eixo-de- vizada, e naquele dia havia, de acordo com a posição do sol, um baixo contrataste que prejudicou o piloto” disse o Coronel da Base Aérea.




Barulhos estranhos



Questionado sobre relatos de testemunhas que afirmaram que o Caça sobrevoava a região em baixa altitude, com barulhos estranhos e com sinais de fumaça saindo das turbinas, o Coronel DAVI disse que em caso de acidentes é normal estes comentários. Ele reafirmou que a investigação não encontrou problemas técnicos na aeronave. O voo em baixa altitude tinha um objetivo. Fotografar a região, sendo que um dos pontos era a balsa,o que explica o fato do Caça ter passado muito próximo da embarcação. Na época chegou ser sugerido que o mesmo estava com problemas mecânicos




Piloto ejetou



Outra conclusão, que fará parte do relatório que será encaminhado ao CENIPA em Brasília, órgão que investiga acidentes aéreos em todo Brasil, é que o piloto tentou se salvar. Conforme apurado pela Rádio Catarinense, no local do acidente, capitão André acionou o alavanca de ejeção. Em razão da baixa altitude e das condições, pós colisão, ele acabou sendo arremessado contra as árvores.




Novo sensor



Para evitar problemas futuros, da mesma natureza, os Caças AMX da Base Aérea de Santa Maria, terão os sensores de captação de imagens substituídos. Coronel Davi de Almeida Alcoforado informou que providências já estão sendo tomadas para aquisição dos novos componentes. Com a nova tecnologia, os pilotos não precisarão mais realizar voos rasantes ou em baixa altitude para fazer o trabalho de mapeamento.


Vídeo mostra local do acidente




[/right]
Fonte: Rádio Catarinens




http://www.radiocata...p?id=3350&cat=4