Jump to content


Photo

Indústria de Defesa da Rússia em crescente desordem à medida que mais fábricas estão para fechar


  • You cannot start a new topic
  • Please log in to reply
1 reply to this topic

#1 jambock

jambock
  • Membro Honorário
  • 26,509 posts
  • Location:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Interests:aeronáutica, militar em geral, informática, fotografia
  • Cidade/UF/País:Porto Alegre/RS/Brasil
  • Data de Nascimento:13/10/1941

Posted 06 de August de 2019 - 11:13

Meus prezados
Indústria de Defesa da Rússia em crescente desordem à medida que mais fábricas estão para fechar
Su-35.jpg
Por Paul Goble
O presidente russo, Vladimir Putin, fala constantemente sobre como seu país está construindo suas Forças Armadas e fornecendo-lhes super armas, mas a indústria de defesa da Rússia é cada vez mais incapaz de concretizar essas promessas.
Com o endividamento crescente (porque o estado ainda não pagou pelo que encomendou), a escassez crescente de trabalhadores qualificados e a incapacidade de produzir componentes produzidos internamente (agora indisponíveis devido a sanções), os contratados de defesa da Rússia estão com sérios problemas.
O vice-primeiro-ministro Yury Borisov diz que cada vez mais empresas de defesa estão “vivendo da mão para a boca”, enquanto outros afirmam que todo o setor está “em crise” e que muitas das maiores e mais importantes usinas terão que fechar completamente (RBC, 8 de julho). Se isso ocorrer, as palavras de Putin soarão cada vez mais vazias.
No início de julho de 2019, Borisov chocou muitos quando declarou que o complexo militar-industrial da Rússia estava seriamente endividado. Além disso, ele pediu ao governo que tome medidas para amortizar entre 600 bilhões e 700 bilhões de rublos (US$ 10 bilhões a US$ 13 bilhões) em empréstimos bancários que as empresas de defesa precisavam pagar porque o governo não havia pago por encomendas (RBC, 8 de julho). O endividamento total do setor é agora de “mais de dois trilhões de rublos” (US$ 30 bilhões), reconheceu ele; No entanto, dois terços disso, segundo Borisov, são normais e ainda são administráveis. O terço restante, no entanto, ameaça a sobrevivência de empresas que mal conseguem manter a cabeça acima da água – para não mencionar seus bancos e a economia como um todo.
O problema cresceu ao longo do ano passado, disseram funcionários da equipe de Borisov; e seu chefe tem pressionado o governo a fazer algo nos bastidores desde pelo menos 2017. A situação tornou-se séria o suficiente para que o vice-primeiro-ministro concluísse que não tinha escolha senão ir a público com suas advertências. O setor de manufatura de defesa sitiado, ele argumentou, ameaça não apenas a capacidade do Kremlin de continuar seu desenvolvimento militar, mas também pode prejudicar os bancos russos, muitos dos quais são de propriedade de empresas próximas ao governo. Entre as empresas de defesa nas mais terríveis dificuldades estão Almaz-Antey, Uralvagonzavod e a United Aircraft Construction Corporation, segundo Viktor Murakhovsky, um coronel aposentado que edita a revista de defesa Arsenal Otechestva(RBC, 8 de julho).
Nem os funcionários do Ministério da Fazenda nem os grandes bancos que detêm os empréstimos estão dispostos a responder às perguntas da RBC sobre como essa redução da dívida pode funcionar. Murakhovsky, por sua vez, sugeriu que quase a única maneira de isso acontecer é que o governo receba dinheiro do orçamento do Estado e o entregue aos bancos. Se isso ocorrer, terá que vir de algum outro lugar, forçando cortes em outros setores, gastos deficitários e maior pressão ascendente sobre a inflação e/ou novos impostos de um tipo ou outro. Ninguém acha que os bancos vão absorver o custo dos empréstimos ruins: eles resistiram com sucesso a fazê-lo no passado, e continuarão a fazê-lo agora. De fato, como a qualidade das dívidas do setor de defesa diminuiu, os bancos elevaram as taxas de juros que cobram, tornando os custos de manutenção ainda mais onerosos.
Enquanto os políticos debatem, a situação no complexo militar-industrial russo continua a deteriorar-se. Em 29 de julho, Aleksandr Stepanov, um jornalista da Versiya que acompanha o setor, relatou as condições com a alarmante manchete “A Crise Militar-Industrial” (Versiya, 29 de julho). Dados os problemas que ele aponta – além dos problemas de dívida que Borisov levantou, o título do artigo não parece ser um exagero. Algumas fábricas do setor já reduziram suas jornadas de trabalho, enquanto outras estão à beira de fazê-lo – algo que ameaça o sustento de uma parcela significativa dos dois milhões de russos empregados no setor de fabricação de equipamentos de defesa. Certamente, se um grande número de fábricas encerrar a produção por causa da falência, os militares russos deixarão de receber as aeronaves, tanques, mísseis e outros equipamentos que Putin prometeu. Mas, além disso, o país provavelmente enfrentará novo desemprego e subemprego e um aumento no número de cidades com empresas em decomposição (monogorody), que muitas vezes provaram ser focos de protesto.
Uma das principais razões para o endividamento da indústria de defesa russa, diz Stepanov, é que as empresas vêm tentando diversificar sua produção porque não podem depender de financiamento estatal, nem podem adquirir peças do exterior necessárias para a produção militar. No entanto, tal diversificação requer dinheiro – muitos deles – e muitos fabricantes de defesa russos tiveram que contrair empréstimos adicionais que não podem pagar. O declínio dos gastos do governo em certos bens de defesa também exacerbou o problema, assim como a insistência do governo (lembrando os tempos soviéticos) de que, em vez das empresas, o Estado é que definirá os preços a serem pagos, mantendo-os muito abaixo dos custos de produção. Finalmente, a corrupção sistêmica maciça agravou ainda mais essas dificuldades (Versiya, 29 de julho).
Vasily Zatsepin, economista militar do Instituto Gaidar de Política Econômica, sugeriu a Stepanov que as repercussões econômicas desta situação deverão se agravar nos próximos meses, porque o governo não quer que essas empresas fracassem para não perder a capacidade de usá-las no futuro. Consequentemente, diz ele, o contribuinte russo será solicitado a resgatar essas empresas de defesa em dificuldades. Quando isso acontecer, o poder de compra da população diminuirá ainda mais, tornando ainda mais difícil para a economia russa sair da crise atual – apenas a última maneira pela qual o militarismo de Putin está prejudicando o já pressionado povo russo (Versiya, 29 de julho).
Fonte: Eurasia Daily Monitor via site Poder Aéreo 1 ago 2019



#2 transvasp

transvasp
  • Usuários
  • 5,199 posts
  • Location:Salvador
  • Cidade/UF/País:Salvador - Bahia - Brasil
  • Data de Nascimento:04/02/1974

Posted 08 de August de 2019 - 17:26

A vida da industria Russa nunca foi fácil.  

 

Na militar não seria diferente. Quem já leu alguma coisa sobre a construção do MIG-25 vai entender o que estou dizendo.

 

De qualquer forma, acho que agora a coisa pode ser pior principalmente por que a boa mão de obra Russa pode ser utilizada em outros países o que não era possível na era da URSS.

 

Mesmo assim acredito em uma saída já que a Russia tem seus parceiros e ainda é o 2 maior vendedor de armas do mundo segundo relatório do Sipri.

 

Outro detalhe é que ainda existe uma guerra fria ........ e parte dela é feita através da propaganda de guerra hoje muito conhecida como fake news.....