Jump to content

All Activity

This stream auto-updates     

  1. Past hour
  2. Meus prezados Azul opera o primeiro jato cargueiro civil da Embraer PR-AYO, primeiro Ejet configurado como cargueiro Foto: Azul A Azul Cargo Express recebeu, na última quinta, as certificações necessárias para iniciar as operações com o primeiro jato cargueiro civil da Embraer em todo o mundo. Com matrícula PR-AYO, o Embraer 195 cumpria voos comerciais de passageiros até março e no sábado realizou seu primeiro voo na nova configuração permanente para missões de carga e logística. Mais três aviões do tipo também serão convertidos. O projeto tem algumas diferenças na comparação com um cargueiro puro, já que a aeronave recebeu apenas algumas adaptações. Nesse caso, foram retiradas grande parte das poltronas, preservando algumas em locais estratégicos, como portas e saídas de emergências. Diferente das aeronaves convertidas para o transporte de cargas paletizadas, esse projeto prevê a acomodação de volumes em espaços determinados, presos com redes específicas para essa finalidade. A Azul Carga Express conta também com dois Boeing 737-400F e eventualmente voa com até cinco turboélices ATR-72, que podem ser convertidos em cargueiros. “A demanda para produtos e serviços da Azul Cargo Express está aumentando de forma muito forte. Temos vantagens competitivas exclusivas, como nossa malha aérea, a maior do Brasil com mais do que 100 destinos, e nossa frota diversificada. Assim conseguimos entregar pacotes de e-commerce no país de forma única, rápida e segura. Todos os nossos parceiros de e-commerce estão querendo esse tipo de solução e nós estamos prontos para entregar”, diz Izabel Reis, diretora da Azul Cargo Express. Fonte: ASAS
  3. O que eu vejo é uma empresa difícil, um sindicato intolerante, um grupo de colaboradores egoistas e uma tchurma do lado de fora que não sabe ajudar então podia não atrapalhar. Estamos vivendo a primeira de muitos embates na indústria e no emprego aonde a comunicação virtual trabalha para o bem ou para o mal. E aonde o líder se porta como liderado e vice versa, a verdade não é verdade, o ser humano no papel de metralhadora e nunca de alvo. Nenhum de nós ( tripulantes ou aqueles que sonhavam em ser e não puderam ser) tem condição de opinar nada com conhecimento de causa.O grande vilao deste episódio LATAM e funcionários reside fortemente na inabilidade de lidarmos com a internet. Ninguem comenta que as congêneres fizeram um péssimo negócio para os colaboradores, que o que está acontecendo é com velhas regras que nenhum q já foi tripulante nos últimos 50 anos teve coragem de peitar e mudar isso. Falam em greve, falam em ética, falam em vergonha na cara. Será que alguém pode exemplificar os mártires da aviação do passado? Os heróis de lutas de classe na aviação brasileira ? Cadê ? Ou foi um grande negócio ser da laranja com salário baixissimo ( perguntem aos part time) ou ficar postando agora que trabalha na melhor empresa do mundo só que todos nós sabemos que com o pior salário do mundo tb . Tudo regado por fake news, posts covardes e muita inconsequência. Se conhecer a história da comercial até hoje sabe que não mudou quase nada. Tripulante é tripulante. Empresa é empresa. Sindicato é sindicato. Volto a dizer que de novo só temos a comunicação ruim das partes q participam desse episódio e que as pessoas não sabem mais qual é o seu próprio quadrado. O resto é perda de tempo, de digital ou de saliva.
  4. Today
  5. Situação parece cachorro correndo atrás do próprio rabo. A primeira proposta era inaceitável, logo, vota-se não. Manda gente pra rua, coloca-se uma nova proposta que agora seria “aceitável”, mas fica vergonhoso, pois se tivessem aceitado a primeira proposta, ninguém teria sido demitido. Mas a primeira proposta era inaceitável.... e volta tudo de novo. Os chilenos souberam jogar o jogo...
  6. Vota não, alguns colegas vão para a forca, que pena né?, Quem fica é vida que segue. Só que não, agora acho melhor negociar... Uma grande parte desse grupo votou para mudar uma lista de senioridade de mais de 20 anos retroativamente porquê assim adiantava a carreira, alguns colegas vão lá para trás, que pena né? Vida que segue. Isso é indefensável, Sorry. Cada um durma com sua consciência, quem ainda tem.
  7. Eu fui um pequeno empresário durante quase 25 anos, passei por várias crises e vou te dizer que a que tem que demitir é a pior. Nenhum empresário demite ninguém se a situação está boa, pelo contrário ! contrata. Acho que é um ponto de vista.
  8. Acho que o sim pra negociar passa, já a proposta só se for muito suave e com MUITA explicação pra convencer a galera antigassa. Eu entendo 100% todos os lados, namorada e bons amigos rodaram, entendo e concordo com quem acha que é cinismo aceitar negociar agora, assim como entendo quem quem tá voando e quer ter um mínimo de pé no chão e vê que nessa negociação no meio da pandemia e com a empresa em crise financeira já perdemos o jogo e o poder de negociar e agora é tentar amaciar o placar. Já mudei de opinião 200 vezes sobre isso mesmo sem voar lá e exatamente por não voar, me recuso a xingar de covarde ou mau caráter quem tá voando há meses nesse clima e acompanhando o jogo de dentro com a bunda na boleia. Eu só não consigo é me acostumar com a ideia de normalizar mais 1200 demissões “por princípios”. Tenha a opinião que seja sobre os que viraram voto do “não” pro “sim”, mas por Deus, 1200 na rua é péssimo pra toda a indústria! Mais 1200 pra entregar CV se estapeando por uma vaga na ITA que sabe Deus se sai do papel. São elocubrações de quem tá de fora mas nem tanto, eu não voto, quem saiu não vota, então que quem ficou tenha a serenidade de votar com consciência porque votar com o fígado já foi nefasto o suficiente.
  9. Como eu disse em outras oportunidades nobres colegas, eu entendo todos os posicionamento. Que seja o que Deus quiser, eu acho que o sim passa mas não tenho certeza. Não tenho nem ideia do que todo o grupo está pensando nesse momento. Talvez o não ganhe, enfim, a partir de amanhã descobriremos e que seja o que tiver que ser. Como eu disse, no Chile foram 3 rodadas de demissões e uma hora o grupo abriu as pernas, aqui a tática será a mesma. Ponto. Veremos.
  10. A Vale atende o trecho com aeronave própria (E190) saindo de PLU, mas a Azul manteve o voo saindo de CNF. Geralmente em alguns dias vinham os 3 aviões juntos, Gol, Azul e Vale.
  11. Exato Hugo, o Tegel é aquele terminal funcional alemão funcional, saída rápida da aeronave para o carro, e sua forma lembra muito a ideia das asas de Narita. Mas como eu ressaltei, era para um projeto de uma outra época, outras condicionantes, com poucos voos e aeronaves menores. Hoje o Aerogáre não é uma referência de um terminal eficiente, diferente de 1974 que era a expressão máxima de arquitetura de aeroportos. Da mesma forma foi GRU, CNF, GIG, Worldport...
  12. Tudo depende da tarifa gerada e da canibalização nas conexões atualmente operadas! O Carajas tende a dar certo por compensar o O&D gerado pela Vale (acordo talvez perdido pela Gol ?) em troca da maior capilaridade de Brasilia vs Confins. Do Rio continua sendo acessado com 1 escala/conexão. Sobre NVT e LDB, expandir em uma época como essa me soa suicidio operacional e financeiro. A menos que estejam substituindo outros voos nesses mercados.
  13. Sério, eu não consigo ler isso e ficar quieto... Empatia do grupo que ficou é ZERO. Não estou falando de você em especial caro CabinCrew, mas empatia, respeito, vergonha na cara. Sobre a visão generalizada de cansaço e realismo, essa foi a principal desculpa pro NÃO ganhar tão disparadamente lá atrás. Segundo os que não estavam com a corda no pescoço, a ideia era votar não pra acabar logo com essa negociação sem fim. Ora ora, eis que agora, a solução pro mesmo cansaço e desânimo é votar SIM... Interessante... O problema que estava pegando lá atrás é o MESMO que pega hoje. Redução permanente. O grupo não quer isso. Agora, o grupo talvez aceite pra acabar com as negociações? Sério, é incrível... Sensacional mesmo.... Essa batalha, as batalhas com as empresas, nós, os aeronautas sempre estamos em desvantagem. Até mesmo nos dissídios, onde a maioria dos afegões médios só fica sabendo do aumento real de 1% pra poder reclamar na galley/cockpit no dia seguinte. O que o grupo está vendo de diferente agora? Antes então tínhamos o poder de entubar um não no traseiro da empresa e sair arrotando mortadela, e agora estamos na defensiva? Essa é a questão. O grupo que outrora não corria riscos, e agora corre, mudou uma posição radicalmente negativa pra um "agora o sim passa"........ Pra quem estava vendo de fora, eu explico o motivo da revolta dos demitidos com o posicionamento do grupo agora. Em todo o momento, nós, os "rabos de fila", vímos o risco que essa negociação representava. Porque víamos esse risco? Pq nós estavamos na linha de tiro. Quem se posicionou pelo SIM na act que daria pelo menos a possibilidade de uma LNR, foi ridicularizado. Virou meme. Eu tenho aqui guardado, prints do grupo de tripulantes Sindicato Latam ridicularizando pessoas que se posicionavam. E a coisa ia longe. Os perfis eram stalkeados, as pessoas mandavam fotos do tripulante de uniforme, e outra no 1 emprego (no caso Mc Donalds) dizendo, claro que vai votar sim, novinha na aviação não conhece a luta que foi pra conquistar o que temos hoje. E não foi com 1 pessoa. Nem com 2, nem com 5, nem com 10. Nas lives do sindicato, era só CCT, CCT, CCT, CCT, a gente não conseguia ver as mensagens no chat pq era poluído de CCT, CCT, CCT... Até o pessoal do sindicato pedia pra que o pessoal parasse de poluir o chat com cct, cct, cct... Nos grupos de whats, eram figurinhas com "já é não na Australia, já é não no Japão" e centeeeenas de memes... No grupo de tripulantes de uma capital do Brasil que fica entre os estados de Santa Catarina e São Paulo, mas que eu não vou falar qual é, o povo fora da linha de corte promovia bolões de qual seria a porcentagem que o NÃO ganharia. Era uma avalanche de NÃO, e quem pensasse o contrário era ridicularizado e tachado de novinho deslumbrado. Essa é a razão da revolta de muitos colegas que foram chutados da maneira mais desprezível por uma empresa podre com a anuência dos colegas do NÃO.... Agora, esse NÃO tão poderoso no discurso vira um Sim pela possibilidade de demissões. Desculpem o desabafo, mas é lamentável se essa pouca vergonha passar. Não tem argumento que mude isso. A propósito, convido os nobres colegas a visitarem as páginas 17 e 18, onde eu mesmo coloquei algumas razões pra votar um SIM naquele 1 momento. E qual o motivo dos meus argumentos lá atrás terem sido rebatidos com tanta propriedade e agora eles fazem sentido pro povo do não....
  14. Yesterday
  15. Tem uma história popular linda: "- Mãe, ele falou que ia por só a cabecinha. Eu deixo ele comer minha bunda? - Filhinha, não seja ingênua. Pica não tem ombro. Se a cabeça entrar, ele vai atochar até chegar nas bolas." hoje o argumento é a pandemia. Amanhã, que a empresa não ta dando lucro. daqui a algum tempo, é salário base ou pior, PJ com salário mínimo e zero beneficios, porque olha, nos EUA CMS não tem habilitação que nem no Brasil. Você acha que eles vão parar onde quando a cabeça passar? Uma coisa bem clara sobre dissuasão da guerra fria: Destruição mútua assegurada é a única forma de sobreviver. Eles já falaram e demonstraram que vão demitir. Então mostrem, ao menos um dia, força. Porque pica não tem ombro.
  16. Via Skyliner Airbus A350-941 - msn 24 - PR-XTA - Latam Brasil - ferried 30sep20 GRU-VCV for onward storage - ex F-WZFS
  17. também aprecio o Tegel. estive lá poucas vezes mas consegui ver as qualidades do projeto do fim dos anos 1960 (aliás, tem uma mistura muito interessante de pós-modernismo com vários cacoetes do modernismo racionalista alemão), isso mesmo num terminal claramente hipersaturado, entuxando o que nem cabia, operando muito mais fluxos do que o prédio foi feito para comportar. obviamente tinha coisas muito ruins como as esteiras de bagagem no terminal principal (nasceram e morrerão pequenas), ou os puxadinhos que eram como salas de embarque remotas (pax faz check in no term. principal, depois sai do edifício e caminha sob uma coberturinha de vidro e entra no term. D/E pra sala de embarque), mas pra mim é claro que Tegel tinha o charme da época quando cada aeroporto era de um jeito, tinha "personalidade".
  18. Apenas para constar, parece que o GGM saiu incólume desse episódio. Acaba de voar BEL-GIG normalmente.
  19. Tá muito bonito ver todo mundo julgando. Podem ser preparar porque dessa vez acho que sim passa e o motivo não é covardia, não é falta de caráter, não é porque a água chegou no pescoço. A água antes já tava no pescoço de muita gente que votou não e acabou ficando por 10 números. De forma generalizada o que vejo é cansaço, e realismo. Essa batalha a gente não vence. Vão vir mais demissões com outro não, após as demissões de um não agora. O grupo do Chile aguentou 3 rodadas de demissões. Aqui vai ser igual. A empresa é podre, um lixo, não se importam com pessoas, é o jeito deles de administrar. Uma bosta. Eles tem o poder econômico, eles tem a pandemia a favor deles. Já sei que vão me xingar, me chamar de covarde bla bla bla fiquem a vontade. A realidade tá aí pra quem quiser ver.
  20. Acho bacana esse estilão "retrô" meio Guerra Fria. Lembra o T1 do GIG e (já demolido) terminal B de EZE em mtos pontos. Pra eu que curto velharia, o Tegel vai deixar saudades.
  21. https://www.aeroin.net/dhl-inaugura-hub-carga-aerea-aeroporto-guarulhos/ DHL inaugura hub de carga aérea no Aeroporto de Guarulhos Receba as notícias em seu celular, clique para acessar o canal AEROIN no Telegram e nosso perfil no Instagram. Como parte de seu plano de fortalecimento das operações de transporte doméstico de ponta a ponta, a DHL Supply Chain, líder global em armazenagem e distribuição, anuncia hoje a inauguração de seu Hub de carga aérea no Aeroporto Internacional de Guarulhos. Enquanto terminal de cargas dedicado, o Hub consolida, paletiza e prepara cargas para transporte aéreo nacional expedidos em São Paulo. A DHL opera diretamente com as companhias aéreas parceiras e pretende expandir o uso de aeronaves dedicadas, consolidando, no futuro, uma malha aérea exclusiva ao transporte de carga. Atualmente, a DHL Supply Chain movimenta por via área mais de 1.000 toneladas por mês e a meta é dobrar esse volume em um ano. O hub possui equipes dedicadas full time às operações do modal aéreo e acesso direto à pista de voo, sendo o único operador logístico com esta configuração no Brasil. O Hub proporciona um processamento diferenciado para as cargas aéreas domésticas embarcadas com a DHL Supply Chain. Em primeiro lugar, o hub tem acesso direto à pista de voos do aeroporto e as companhias aéreas retiram a carga diretamente de lá. Segundo, a DHL age como agente consolidador, diluindo custos de taxas e pacotes mínimos, e emitindo a documentação necessária. “Agregamos valor ao paletizar os produtos e embalar se for necessário, reduzindo assim os riscos de avarias e extravios na movimentação. Além disso, o fato de termos o galpão dentro da área de movimentação de carga do aeroporto aumenta o leque de companhias aéreas que podemos atuar”, explica Fábio Miquelin, Head de Transportes da DHL Supply Chain no Brasil. Instalações da DHL no GRU Airport – Imagem: DHL Supply Chain O serviço está disponível para todos os perfis de carga que comportem transporte aéreo, sendo mais indicado para trajetos de média e longa distância e/ou para produtos perecíveis e com entrega urgente. Atualmente, predominam carga seca, tecnologia e medicamentos, tendo como destinos principais capitais do Norte, Centro Oeste e Nordeste. Esses embarques podem se conectar com a malha de transportes da DHL Supply Chain em todo o País, tanto para trechos complementares, como para o last mile. A companhia oferece ainda sistemas tecnológicos de gestão da carga, permitindo visibilidade de ponta a ponta e o acompanhamento de indicadores de desempenho. O transporte aéreo no Brasil é ainda muito ligado aos voos de passageiros, tendo assim alguns momentos de escassez de capacidade, principalmente em períodos de férias e feriados. Isso ficou ainda mais evidente durante a pandemia com a drástica redução dos voos, o que impactou também o setor de cargas. Neste sentido, o Hub é uma alternativa para os embarcadores, pois amplia as opções disponíveis, seja com outras companhias aéreas, voos fretados ou até alternativas rodoviárias, como foi o caso da solução Rodo Expresso, criada pela DHL durante a pandemia. “Essa linha supriu uma demanda que em geral seria aérea fazendo entregas rodoviárias de média e longa distância em até dois dias, usando até dois motoristas se necessário. Essa alternativa só pode ser acessada com agilidade por meio de operadores logísticos experientes e com estrutura”, finaliza Fábio Miquelin.
  22. Interessante? Terminal antiquado, apertado, antigo, lembra os aeroportos Europeus dos anos 60 e 70. Apesar da conveniência da proximidade do centro de Berlim, será fechado com um atraso de 10 anos, pelo menos. O novo BER precisa agora de uma cia com Hub lá para não ficar tão dependente de FRA, MUC, além de AMS, CDG e LHR para se chegar a outros continentes.
  23. https://twitter.com/FAANews/status/1311366964158377984 Depois teve uma news conference https://twitter.com/FAANews/status/1311374588274638849
  24. Sem falar que o pátio lá tem um desnível acentuado que, inclusive, já teve avião passando por cima de mecânico... imagina tentar tirar esse avião da aí na correria. Receita para acontecer algo pior.
  25. Segundo Live agora no Teaching For Free o AAF seria o Adilson Aparecido Furlan,. fonte:
  1. Load more activity


×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade