Jump to content

All Activity

This stream auto-updates     

  1. Past hour
  2. Ah, agora sim! É virou pó no cenário atual, que não vai perdurar muito, aviação é longo prazo, mas de fato NG vs MAX e CEO vs NEO equipararam em custo, mas e o amanhã? Enquanto não passarmos o COVID e o LOW PRICE, nenhum exercicio imaginário terá/será um norte, pois não sabemos o que vai virar, suponhamos que a GOL encolha 50%¨não vai precisar nem de NG, nem de MAX, já estará "pronta"
  3. Today
  4. Meus prezados A Força Aérea dos EUA identificou 23 organizações e unidades com missões espaciais específicas que passarão para a Força Espacial dos EUA nos próximos seis meses, anunciou o Serviço na terça-feira. A transferência se aplica a cerca de 1.840 locais da Força Aérea, que não serão realocados fisicamente - nem nenhuma das pessoas designadas para essas unidades, disseram autoridades em comunicado. "A construção da Força Espacial dos EUA representa uma das principais prioridades do Departamento da Força Aérea", disse a secretária da Força Aérea Barbara Barrett. "Essas transferências de missão incorporam as forças existentes na ágil Força Espacial, que está pronta para defender os interesses americanos e aliados". À medida que o serviço implementa a mudança, os indivíduos permanecerão na Força Aérea para preservar a continuidade, como benefícios centralizadores. Funcionários nos últimos meses disseram que aqueles que se mudarem para a Força Espacial manterão sua classificação ou grau e seus salários sob sistemas já estabelecidos de promoção, remuneração e benefícios na Força Aérea. "Nos próximos meses e quando disposições apropriadas estiverem em vigor, como parte de um processo separado, os militares que atenderem aos critérios aplicáveis terão a oportunidade de se voluntariar para a transferência para a Força Espacial", afirma o comunicado. "Se eles optarem por não se transferirem, permanecerão na Força Aérea e serão designados para a unidade da Força Espacial até que sua rotação normal de tarefas seja concluída, quando serão transferidos para uma tarefa dentro da Força Aérea." Aqui estão as unidades que se deslocam para a Força Espacial (* indica uma transferência parcial da missão em relação ao tamanho de um flight, ramo, divisão ou acima): • Na Base da Força Aérea de Peterson, Colorado: 17º Esquadrão de Testes; Instituto Espacial de Segurança Nacional; Destacamento do Centro de Testes e Avaliação Operacionais da Força Aérea 4; 544º Pessoal e destacamento do Grupo de Inteligência, Vigilância e Reconhecimento 5 • Na Base da Força Aérea de Wright-Patterson, Ohio: 18º Esquadrão Intel; Direcção dos Sensores do Laboratório de Pesquisa da Força Aérea (AFRL) *; Execução da missão do laboratório de pesquisa AFRL *; Esquadrão de Análise de Contra-Espaço; Esquadrão de Análise Espacial. • Na Base da Força Aérea Schriever, Colorado: 25º Esquadrão da Faixa Espacial; 527th Esquadrão de Agressores Espaciais; 705º Esquadrão de Treinamento de Combate OL-A; 16º AF / Programas Avançados *; Destacamento 1, Centro de Guerra da USAF. • Na Base da Força Aérea de Kirtland, Novo México: Diretoria de Veículos Espaciais da AFRL *; a Divisão Eletro-Óptica AFRL * (parcialmente baseada na base, mas também em Maui, Havaí); a Divisão de Segurança Espacial do Centro de Segurança da Força Aérea. As unidades remanescentes incluem: o 328º Esquadrão de Armas, na Base Aérea de Nellis, Nevada; 7º Esquadrão Intel * e 32º Esquadrão Intel *, ambos em Fort Meade, Maryland; o 566º Esquadrão Intel * na Base da Força Aérea de Buckley, Colorado; o 533º Esquadrão de Treinamento na Base da Força Aérea de Vandenberg, Califórnia; e a Divisão de Propulsão a Foguetes da AFRL * na Base da Força Aérea de Edwards, Califórnia. Aqui estão alguns outros desenvolvimentos que ocorrem em toda a Força Espacial e no portfólio espacial militar: A Barreira do Espaço torna-se operacional Em 27 de março, a USSF disse oficialmente que seu sistema de radar Space Fence, localizado na ilha de Kwajalein, na República das Ilhas Marshall, está pronto para uso. O serviço declarou capacidade operacional inicial, ou COI, para o sistema, que pode "detectar e rastrear objetos em órbita, como satélites comerciais e militares, foguetes empobrecidos e detritos espaciais em órbita terrestre baixa, média e geossíncrona" que aumentarão o espaço geral de conscientização dentro da Rede de Vigilância Espacial (SSN). Conforme relatado pelo Space News, o radar de US $ 1,5 bilhão pode rastrear objetos muito pequenos, até do tamanho de uma bolinha de gude. Os membros do 20º Esquadrão de Controle Espacial (SPCS), Destacamento 4, no Space Fence Operations Center em Huntsville, Alabama, podem operar esse sistema, que então alimenta os dados para os 18 SPCS em Vandenberg. As informações de rastreamento do SSN podem ser encontradas em www.space-track.org. Ações anti-satélite disruptivas em ascensão Disfarçar informações e comunicações por meio de falsificação de GPS, conexões bloqueadas e até ofuscantes - ou satélites ofuscantes com lasers - estão aumentando, à medida que mais países lançam tecnologias no domínio espacial, de acordo com um novo Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais. Países, incluindo grandes players como EUA, Rússia e China, que já estão interferindo no espaço, estão gradualmente normalizando essas maneiras não cinéticas de interromper as operações, de acordo com o relatório de 30 de março, "Space Threat Assessment 2020". Ações como ofuscantes "são uma forma interessante de ataque [porque] poderia ser usada como parte de uma estratégia da zona cinzenta para um país tentar ficar abaixo do limiar do ... conflito" sem causar danos colaterais, disse Todd Harrison, diretor do Projeto de Segurança Aeroespacial e da Análise de Orçamento de Defesa no CSIS. "Essas são algumas das áreas que considero vulneráveis no momento. Elas também são difíceis de defender", disse ele a repórteres durante um briefing sobre o relatório. "Essas são formas realmente preocupantes de ataque, e estamos vendo países como Rússia e China realmente dobrar seus investimentos nessas áreas". O relatório alertou para o aumento da atividade adversa co-orbital, como inspeção de satélites em órbita geoestacionária, e que "a taxa de incidentes de obstrução e falsificação de satélites só aumentará à medida que essas capacidades continuarem a proliferar e se tornar mais sofisticadas nos próximos anos. " Segue-se outro estudo divulgado esta semana pela Secure World Foundation, que afirmou que países em todo o mundo não devem desconsiderar que alguns maus atores podem estar adotando medidas ofensivas e defensivas no espaço. "As evidências mostram uma pesquisa e desenvolvimento significativos de uma ampla gama de recursos de contra-espaço cinético (destrutivo) e não-cinético em vários países", de acordo com o estudo anual Global Counterspace Capabilities, conforme relatado pelo Space News. Fonte: Oriana Pawlyk - Military.com 1 abr 2020 Trad./adapt. jambock
  5. Legal esse fuel price monitor. Pelo que tá aí, o MAX melhor ficar parado mesmo, pelo menos o NG a gente sabe que voa...
  6. @PT-KTR JET A1 é produzindo craqueando o óleo, obviamente, como na gasolina existem custos de logística, distribuição, etc. que são não correlacionados, mas com óleo a 29,00, aliás 27,00 USD/bbl a gasolina, jet fuel, são precificados de acordo com o preço do principal insumo de produção em alguns mercados em marcação direta, exceto pela flutuação da "cracking margin" para JET A1 estamos num ponto muito baixo de 3-7 USD/BBL...vs. 13 USD/BBL. Ou seja: Oleo a 29,00 USD/BBL WTI 1 Barril tem 42 galões e 1 galão 3.785 litros; coversão em volume adcionando 4 USD/BBL de margem do craqueamento = temos 0.20 USD/litro; Considerando a densidade de 0.8 m3/ton temos 0.25 USD/kg ...250 USD/ton. O que não é muito distante do preço publicado pela IATA em 3 de abril. https://www.iata.org/en/publications/economics/fuel-monitor/ Voltando ao tópico, nesse cenário a vantagem do MAX virou pó né? O mesmo acontece com A320 ceo/neo.
  7. Meus prezados O KC390... já começou a ser utilizado em missões de transporte em apoio ao combate ao coronavírus... "Operated by 1° GTT Coral Sqdn - Radio Callsign ZEUS07. Aircraft photographed during landing to deliver test kits for coronavirus (COVID-19) in Belem." As informações abaixo foram retiradas do flightradar24.com FAB2853 - no solo em Belém 02 Apr 2020 — Belem (BEL) (ZEUS06) 2:21 — 10:22 AM — Landed 9:43 AM 01 Apr 2020 Sao Paulo (GRU) — (ZEUS06) — — 5:51 PM — (retorno para Anapólis) 01 Apr 2020 Santa Maria (RIA) Sao Paulo (GRU) (ZEUS06) 1:25 — 3:23 PM — Landed 4:49 PM 01 Apr 2020 — Brasilia (BSB) (ZEUS06) 0:18 — 1:13 PM — Landed 10:31 AM 31 Mar 2020 Manaus (MAO) — (ZEUS06) — — 11:36 AM — Unknown 31 Mar 2020 — Manaus (MAO) (ZEUS06) 3:12 — 10:59 AM — Landed 10:10 AM 30 Mar 2020 Rio de Janeiro (GIG) — (ZEUS04) — — 9:19 PM — Unknown 30 Mar 2020 — Rio de Janeiro (GIG) (ZEUS04) 1:28 — 8:11 PM — Landed 6:40 PM 30 Mar 2020 Sao Jose dos Campos (SJK) — (ZEUS12) — — 1:31 PM — Unknown 30 Mar 2020 — Sao Jose dos Campos (SJK) (ZEUS12) 1:14 — 1:32 PM — Landed 11:46 AM FAB2854 - no ar rumo sul entrando no Paraná 02 Apr 2020 — — (ZEUS04) — — 1:17 PM — Schedule 01 Apr 2020 Belem (BEL) — (ZEUS07) — — 2:07 PM — 01 Apr 2020 Brasilia (BSB) Belem (BEL) (ZEUS07) 2:19 — 9:25 AM — Landed 11:44 AM 01 Apr 2020 — Brasilia (BSB) (ZEUS07) 0:19 — 10:52 AM — Landed 8:11 AM 31 Mar 2020 — — (ZEUS07) — — 7:08 PM — Unknown - (Anapólis/Natal-RN) 31 Mar 2020 — — (ZEUS07) 2:49 — 3:08 PM — Landed 5:57 PM (Natal/Anapólis) 29 Mar 2020 Manaus (MAO) — (ZEUS07) — — 9:34 AM — Unknown (retorno para Anapolis) 28 Mar 2020 — Manaus (MAO) (ZEUS07) 3:05 — 12:29 PM — Landed 11:34 AM (saindo de Anapolis) 27 Mar 2020 Sao Paulo (GRU) — (ZEUS06) — — 9:07 PM — Unknown (Retornando para Anapolis) 27 Mar 2020 — Sao Paulo (GRU) (ZEUS06) 1:21 — 9:04 PM — Landed 7:25 PM (partindo de Anapolis) 27 Mar 2020 — — (ZEUS03) — — 5:26 PM — Unknown 26 Mar 2020 — — (ZEUS03) — — 11:24 PM — Unknown 26 Mar 2020 — — (ZEUS03) 0:47 — 10:06 PM — Landed 10:52 PM 26 Mar 2020 Rio de Janeiro (GIG) — (ZEUS07) — — 11:08 AM — Unknown (retornando para Anapólis)
  8. Meus prezados O KC390... já começou a ser utilizado em missões de transporte em apoio ao combate ao coronavírus... "Operated by 1° GTT Coral Sqdn - Radio Callsign ZEUS07. Aircraft photographed during landing to deliver test kits for coronavirus (COVID-19) in Belem." As informações abaixo foram retiradas do flightradar24.com FAB2853 - no solo em Belém 02 Apr 2020 — Belem (BEL) (ZEUS06) 2:21 — 10:22 AM — Landed 9:43 AM 01 Apr 2020 Sao Paulo (GRU) — (ZEUS06) — — 5:51 PM — (retorno para Anapólis) 01 Apr 2020 Santa Maria (RIA) Sao Paulo (GRU) (ZEUS06) 1:25 — 3:23 PM — Landed 4:49 PM 01 Apr 2020 — Brasilia (BSB) (ZEUS06) 0:18 — 1:13 PM — Landed 10:31 AM 31 Mar 2020 Manaus (MAO) — (ZEUS06) — — 11:36 AM — Unknown 31 Mar 2020 — Manaus (MAO) (ZEUS06) 3:12 — 10:59 AM — Landed 10:10 AM 30 Mar 2020 Rio de Janeiro (GIG) — (ZEUS04) — — 9:19 PM — Unknown 30 Mar 2020 — Rio de Janeiro (GIG) (ZEUS04) 1:28 — 8:11 PM — Landed 6:40 PM 30 Mar 2020 Sao Jose dos Campos (SJK) — (ZEUS12) — — 1:31 PM — Unknown 30 Mar 2020 — Sao Jose dos Campos (SJK) (ZEUS12) 1:14 — 1:32 PM — Landed 11:46 AM FAB2854 - no ar rumo sul entrando no Paraná 02 Apr 2020 — — (ZEUS04) — — 1:17 PM — Schedule 01 Apr 2020 Belem (BEL) — (ZEUS07) — — 2:07 PM — 01 Apr 2020 Brasilia (BSB) Belem (BEL) (ZEUS07) 2:19 — 9:25 AM — Landed 11:44 AM 01 Apr 2020 — Brasilia (BSB) (ZEUS07) 0:19 — 10:52 AM — Landed 8:11 AM 31 Mar 2020 — — (ZEUS07) — — 7:08 PM — Unknown - (Anapólis/Natal-RN) 31 Mar 2020 — — (ZEUS07) 2:49 — 3:08 PM — Landed 5:57 PM (Natal/Anapólis) 29 Mar 2020 Manaus (MAO) — (ZEUS07) — — 9:34 AM — Unknown (retorno para Anapolis) 28 Mar 2020 — Manaus (MAO) (ZEUS07) 3:05 — 12:29 PM — Landed 11:34 AM (saindo de Anapolis) 27 Mar 2020 Sao Paulo (GRU) — (ZEUS06) — — 9:07 PM — Unknown (Retornando para Anapolis) 27 Mar 2020 — Sao Paulo (GRU) (ZEUS06) 1:21 — 9:04 PM — Landed 7:25 PM (partindo de Anapolis) 27 Mar 2020 — — (ZEUS03) — — 5:26 PM — Unknown 26 Mar 2020 — — (ZEUS03) — — 11:24 PM — Unknown 26 Mar 2020 — — (ZEUS03) 0:47 — 10:06 PM — Landed 10:52 PM 26 Mar 2020 Rio de Janeiro (GIG) — (ZEUS07) — — 11:08 AM — Unknown (retornando para Anapólis)
  9. Que conta foi essa? O operador aéreo não compra barril de petroleo e sim JET A1 que não vem em barril a 29 USD!
  10. Também acho difícil, até porque o lado podre (Infravix) já vendeu, e não é tanto dinheiro assim: Capital Social R$1.235 milhões x 51% = R$630 milhões em dez18, sem correção é a parte da CAAP. Infraero R$605 e o empréstimo do BNDES R$1.080 ficam no Governo.
  11. Sei não, e mesmo que venha perder a concessão, o governo federal vai ter que devolver bilhões para empresa.
  12. Numa conta aproximada: 737Max: Diferencial de consumo vs. NG: 500 kg/h; Horas de voo/ dia: 11 horas; Economia estimada: 500 kg/h x 11 horas/dia x 30 dias = 165 ton de combustível/mês. Petróleo @ 29 USD/bbl reflete no cambio atual a combustível a 230 USD/ton; Economia em USD: 37,950 USD/mês Diferencial de Leasing NG vs. MAX: 40,000 USD/mês. Ou seja, a não ser que tenha algo muito fora nessa conta, já não faz sentido o MAX no momento. Por quanto tempo esse situação vai se manter é outra discussão.
  13. Meus prezados FAB amplia capacidade de pronta-resposta em apoio à Operação COVID-19 No domingo (05), a Força Aérea Brasileira (FAB) deslocou seus meios aéreos, de diversas localidades do país, para a ALA 1 – Base Aérea de Brasília, ALA 11 – Base Aérea do Galeão e ALA 12 – Base Aérea de Santa Cruz, com o objetivo de promover a ampliação da capacidade de pronta-resposta em atendimento às demandas do Ministério da Defesa nas ações logísticas de enfrentamento à COVID-19. As aeronaves permanecerão de sobreaviso para o transporte de material a ser empregado no combate ao surto do novo coronavírus, tendo sido posicionadas na capital do país e no Rio de Janeiro, importantes centros logísticos de distribuição. As aeronaves da FAB foram deslocadas de diversas regiões do país. No total, foram acionados cinco C-95 Bandeirante, cinco C-98 Caravan e dois C-105 Amazonas. Além dos meios aéreos deslocados, a mobilização conta, ainda, com aeronaves orgânicas da ALA 1, ALA 11 e ALA 12, incluindo os aviões C-130 Hércules, C-99 e C-97 Brasília. Uma aeronave VC-99, pertencente ao Grupo de Transporte Especial (GTE), também foi disponibilizada para a Operação, tendo sido adaptada para transportar 4.000 kg de carga. O Comandante da aeronave C-105 Amazonas, do Segundo Esquadrão do Décimo Grupo de Aviação (2º/10º GAV) – Esquadrão Pelicano, Capitão Aviador Luiz Gustavo Torresan, comentou sobre o significado de participar da missão. “É muito importante, principalmente para nós do 2°/10° GAV, que temos a missão de salvar vidas. Levar um pouco de alívio para as pessoas que estão com dificuldades em diversas partes do Brasil, é extremamente Clique aqui para baixar a imagem original gratificante”, ressaltou. Para o Suboficial Wagner Brizola, loadmaster da ação realizada pelo Esquadrão Pelicano, é uma satisfação integrar a Força Aérea Brasileira. “E muito mais agora com esta missão humanitária. É uma realização completa de qualquer militar da FAB”, declarou. Do Quinto Esquadrão de Transporte Aéreo (5º ETA) – Esquadrão Pégaso, duas aeronaves C-95 Bandeirante decolaram de Canoas (RS) com destino à Base Aérea do Galeão (RJ), e uma C-98 saiu de Canoas (RS) até Brasília (DF). Para o Tenente Aviador Eduardo Oliveira Travessas, piloto de Bandeirante do 5° ETA, “essa é uma grande oportunidade como tripulante e como militar de contribuir no combate ao novo coronavírus”, afirmou. O Segundo Esquadrão de Transporte Aéreo (2º ETA) – Esquadrão Pastor, da Ala 10, localizado em Parnamirim (RN), enviou três aeronaves para dar apoio à missão. Dois C-98 Caravan decolaram pela manhã do aeródromo de Natal e um do aeródromo de Recife com destino a Brasília. O Primeiro Esquadrão de Transporte Aéreo (1º ETA), sediado na Ala 9, em Belém (PA), também deu apoio à Operação COVID-19, com duas aeronaves: C-95 e C-98. Ambas decolaram com destino à capital federal neste domingo. O Primeiro Esquadrão do Décimo Quinto Grupo de Aviação (1º/15º GAV) – Esquadrão Onça, também integra a missão. Um C-105 e um C-98 partiram de Campo Grande (MS) para a entrega de materiais em Brasília (DF). OPERAÇÃO COVID-19 A Operação COVID-19 é uma ação interministerial, coordenada pelo Comando de Operações Aeroespaciais (COMAE) junto ao Centro de Operações Conjuntas do Ministério da Defesa, em apoio ao Ministério da Saúde. Na sexta-feira (03/04), uma aeronave C-130 Hércules do Primeiro Esquadrão do Primeiro Grupo de Transporte (1º/1º GT) – Esquadrão Gordo – realizou Transporte Aéreo Logístico de material de saúde e outros itens, da Ala 11 – Base Aérea do Galeão, no Rio de Janeiro, até a Ala 8 – Base Aérea de Manaus, no Amazonas. Na quarta-feira (1º/04), outro C-130 do 1º/1º GT – Esquadrão Gordo – prestou apoio no transporte de 9,6 toneladas de álcool em gel e Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) de Guarulhos (SP) para Recife (PE). Duas aeronaves C-130 Hércules da FAB, ainda, decolaram do Rio de Janeiro (RJ) e de Belém (PA), no dia 24 de março, na missão de resgate de cidadãos brasileiros que se encontravam em Cuzco, no Peru, impedidos de regressarem ao Brasil em razão do fechamento das fronteiras, como mecanismo de combate ao novo Coronavírus. O Apoio Aéreo Logístico é uma das muitas ações realizadas pelo Ministério da Defesa no contexto da Operação Covid-19. Militares das Forças Armadas também estão envolvidos em campanhas de conscientização e vacinação e descontaminação de locais públicos. Os militares ainda atuam apoiando órgãos de saúde com a montagem de postos de triagem; fiscalização da entrada e saída de passageiros nas fronteiras, nos aeroportos e nos portos; confecção e distribuição de máscaras; além de inspeções navais em todo o território nacional. Confiram o vídeo da operação: https://youtu.be/izu4G95b-wc Fonte: Agencia Força Aérea via CAVOK 6 abr 2020
  14. A admissibilidade do processo já foi aprovada no TCU que já enviou para análise da ANAC
  15. Meus prezados Observando-se voos de aviões de caça nota-se que os mesmos, normalmente, apresentam-se em grupo de quatro aeronaves, mesmo quando em esquadrão. Mas como e porque tal formação? A história do piloto de caça da Luftwaffe que concebeu a formação de "quatro dedos" A Luftwaffe é o ramo de guerra aérea das forças armadas da Alemanha. Quando a Guerra Civil Espanhola estourou em 1936, a Luftwaffe era uma nova força aérea, estabelecida em segredo e formada oficialmente em 1935. Mas estava se expandindo rapidamente e já em posição de ajudar seus aliados ideológicos, os nacionalistas de Franco. A força expedicionária da Luftwaffe - a Legion Condor - lançou o primeiro transporte aéreo do mundo a trazer as tropas de Franco para a Espanha. Nos três anos seguintes, enviou seus melhores pilotos e aeronaves mais recentes - o Bf 109, He 111 e Ju 87 Stuka - para se juntar à luta e desenvolver a doutrina, as táticas e a experiência de combate da Luftwaffe. A Guerra Civil Espanhola provou ser um excelente campo de treinamento para o Blitzkrieg que logo seria desencadeado através da Europa. Conforme relatado pelo Dr. James S. Corum em seu livro Legion Condor 1936-39, a Luftwaffe desenvolve Blitzkrieg na Guerra Civil Espanhola, a Luftwaffe também aprendeu muitas lições táticas na Espanha, mas a mais importante foi uma mudança revolucionária no combate que eventualmente, mudar a maneira como todas as forças aéreas lutaram. Uma das figuras mais importantes da Guerra Civil Espanhola não era um oficial de alto escalão, mas um piloto de caça que chegou como primeiro tenente e comandante substituto do esquadrão de combate. No entanto, esse jovem oficial, em um período muito curto, teria um papel central na revolução das táticas de combate. Werner Mölders tocou trompa em 1913 na Vestfália. Seu pai, um oficial da reserva, foi morto nas batalhas de 1915 e foi criado pela família de sua mãe na Alemanha central. Ele se formou em uma das melhores escolas secundárias da Alemanha em 1931 e, com seu Abitur (certificado de ingresso na universidade), ele se candidatou ao exército como aspirante a oficial. Ele foi nomeado para o 2º Regimento de Infantaria da Prússia e passou por um programa de educação de oficiais de três anos muito completo e intensivo. Em março de 1934, Mölders foi contratado como tenente e designado para a nova Luftwaffe. Mölders entrou no treinamento de vôo e se formou no topo de sua classe. Ele então segue para o curso especial de seis meses de piloto de caça e novamente se graduou em junho de 1935. Em 1936, foi promovido a primeiro tenente. Mölders assumiu o comando de um esquadrão de treinamento e serviu sob o comando do grupo, major Theo Osterkamp, que também se tornaria uma das figuras-chave da força de combate da Luftwaffe. Em março de 1937, Mölders recebeu o comando de Jagdgeschwader 334 e provou ser um comandante excepcional, além de instrutor. Mölders se ofereceu para ir para a Espanha, chegando em março de 1938. Ele foi designado para assumir o esquadrão de combate de Adolf Galland, que ainda estava equipado com o He 51, mas em processo de transição para o Bf 109. Em maio de 1938, após um curto período de transição, ele assumiu o comando de esquadrão. Mölders logo se envolveu nos combates muito difíceis em Aragão e no Ebro. Ele marcou sua primeira vitória sobre uma I-15 em 15 de julho de 1938. Entre julho e 3 de novembro de 1938, Mölders conquistou 14 vitórias aéreas confirmadas, o que o tornou o principal craque alemão da Guerra Civil Espanhola. Suas vitórias incluíram dois I-15, 12 I-16 e um SB-2. Enquanto Mölders liderava seu esquadrão nas batalhas de Aragão e Ebro, ele começou a trabalhar no desenvolvimento de um novo sistema tático revolucionário para os combatentes. O sistema usado por todas as principais forças aéreas até aquele momento mal mudou da Primeira Guerra Mundial, na qual esquadrões de 9 a 12 aeronaves voariam em uma formação muito estreita, geralmente baseada no 'V' ou no vôo de três aeronaves. Festa de aniversário de Theo Osterkamp em 15 de abril de 1941; da esquerda para a direita: Major Wenzel (assessor de Mölders), Adolf Galland, Mölders e Osterkamp. As estreitas formações de aeronaves herdadas do combate da Primeira Guerra Mundial de um período em que as aeronaves de combate não tinham rádios e precisavam usar sinais manuais; para observar esses sinais, os pilotos precisavam estar suficientemente perto de seus líderes de vôo e esquadrão. Agora que as aeronaves eram duas vezes mais rápidas que os biplanos da Primeira Guerra Mundial e equipadas com rádios, um sistema tático da Grande Guerra fazia sentido. Mölders desenvolveu um sistema baseado em pares, no qual um par de pilotos, chamado Rotte, cuidava um do outro, um geralmente à frente e outro ligeiramente acima e atrás. O Rotte poderia ser ampliado com outro Rotte, para formar uma formação solta de quatro aeronaves chamadas Schwarm (enxame). Esse Schwarm de quatro aeronaves substituiu o voo de três aeronaves e também foi chamado de 'formação de quatro-dedos' porque parecia os dedos de uma mão, com dois dedos, o segundo ligeiramente à frente e, em seguida, outro par de dedos, o segundo novamente ligeiramente à frente. Vista de cima para baixo de uma formação de quatro dedos usada por aviões de combate - Créditos: Usuário: Gold Lead Agora, as táticas dos esquadrões de combate seriam baseadas em pares e pequenos grupos. Em vez de uma distância de 30 m entre as aeronaves, como nas táticas antigas, as aeronaves agora podiam voar de 300 a 500 m, uma vez que o contato via rádio lhes proporcionava comunicações efetivas. Ao espalhar e emparelhar os combatentes, uma área mais extensa do céu poderia ser patrulhada e observada, e o perigo de colisões no ar foi amplamente eliminado. Dada a velocidade do Bf 109, qualquer Schwarm envolvido em combate poderia rapidamente ser acompanhado por outros Schwarms. Mölders treinou seus pilotos de caça nas novas táticas. Ele também desenvolveu uma nova maneira de transformar em combate um voo em formação. Anteriormente, uma forte mudança de direção para um voo ou esquadrão era uma manobra excepcionalmente perigosa devido à separação muito estreita entre as aeronaves. Agora, com uma separação mais ampla, Mölders inventou a curva do cruzamento, que a aeronave simplesmente girava 90 graus e trocava de posição. As novas táticas de caça foram tão bem-sucedidas contra os pilotos republicanos que, quando Mölders terminou sua turnê, ele foi levado de volta à equipe da Luftwaffe e recebeu uma missão especial na Inspetoria de Caças: desenvolver e treinar o Comando de Caça neste novo sistema tático. Mölders serviu apenas oito meses na Espanha, de março a dezembro de 1938, quando entregou seu esquadrão a Hubertus von Bonin e recebeu sua promoção para o posto de capitão. No entanto, esses oito meses na Espanha garantiram a reputação de Mölder como um excelente líder e estrategista de caças. Mölders foi rapidamente promovido a comandar grupos e alas. Ele foi um comandante major e de grupo na campanha de 1940 na França e em 1941 alcançou o posto de coronel, ou Oberst, e comandou uma ala de caça na Rússia. Naquele ano, ele foi nomeado inspetor dos Luftwaffe Fighters, por apenas um breve período nessa posição, pois foi morto em um acidente em novembro de 1941. Ele foi o primeiro piloto de caça do mundo a obter mais de 100 vitórias aéreas confirmadas. O impacto de suas novas táticas foi tão dramático que, eventualmente, todas as forças aéreas adotaram o sistema de formação de pares de dedos com quatro dedos e a virada cruzada que foi inventada por Mölders. Quatro F-16 do 457 ° Esquadrão de Caça da USAF voando em formação de “Quatro-Dedos” Fonte: Fighter Jets World 5 abr 2020 Trad./adapt. jambock
  16. De novo, essa conta nao precisa ser feita. O Petroleo nao vai ficar a 20-30 USD. Simples asism
  17. O mundo vive de petroleo e seus lucros a cerca de 200 anos. e isso vai continuar acontecendo. eu duvido q chegaremos em 2021 com Petroleo a preco de banana. Tem muita gente interessada em mante-lo claro.
  18. British Airways envia suas aeronaves Airbus A380 para estocagem prolongada na França Foto - Nick Morrish/British Airways A British Airways, companhia aérea do Reino Unido está enviando cerca de metade da sua frota de Airbus A380 para Châteauroux, um cemitério de aeronaves na França, esta semana. Na semana passada, a companhia aérea transportou cinco Boeings 747 para um cemitério de aeronaves espanholas já que sua capacidade é desnecessária em meio a crise. Seis aviões Airbus A380 da British Airways vão para a França para um armazenamento mais prolongado. Atualmente, não está confirmado quanto tempo a aeronave permanecerá em estocagem. Quatro aeronaves voarão para Châteauroux no centro da França hoje (06). Mais dois serão transferidos amanhã (07). Isso deixará a British Airways com apenas cinco aeronaves Airbus A380 em Londres-Heathrow, de prontidão para voltar aos voos comerciais quando o surto de coronavírus passar. Os Airbus A380 que seguirão para estocagem são os: G-XLEA – O mais antigo Airbus A380 da British Airways, é esperado que esta aeronave siga para o sul hoje. Aos sete anos de idade, o último voo de passageiros desta aeronave foi no dia 23 de março, saindo de Joanesburgo. G-XLEC – Outro Airbus A380 de sete anos de idade, e o terceiro recebido pela British Airways. Seu último voo de passageiros partiu de Cingapura no dia 23 de março. A aeronave já está a caminho de Châteauroux como BA9151. G-XLEF – Este Airbus A380 de seis anos de idade também está atualmente a caminho de Châteauroux como BA9152. Seu último voo com passageiros partiu de São Francisco no dia 26 de março. G-XLEI – Este Airbus A380 tem apenas cinco anos de idade. Seu último voo de passageiros partiu de Los Angeles no dia 26 de março. O A380 também deve voar hoje para Châteauroux. G-XLEJ – A primeira aeronave que voará amanhã para Châteauroux, este A380 transportou passageiros pela última vez no dia 27 de março partindo de Los Angeles. Esse avião tem quatro anos de uso. G-XLEL – Por último, mas não menos importante, este A380 é o mais novo da companhia aérea, com quatro anos de uso. Seu último voo de passageiros foi no dia 25 de março, saindo de Joanesburgo. Esta aeronave também deve ir para a França amanhã. Fonte: Aeroflap
  19. Aqui em BSB deu uma caída, coisa de 10%. Mas era pra ter sido na casa dos 40%. Algo que estão ocrrendo por aqui é a falta de GLP (gás de cozinha), já que esse é um sub-produto do refino de gasolina e querosene e com a queda no consumo o refino caiu muito.
  20. Deu ruim para Inframerica, mas o que é curioso, que essa delação só apareceu, depois que a Inframerica desistir do Aeroporto de Natal.... Aí tem.
  21. Confissão de propina pode fazer a Inframérica perder o aeroporto de Brasília Ex-CEO disse ter pago propina a amigo de Temer: contrato prevê a anulação da concessão Ex-chefe da Engevix e ex-CEO da Inframerica, José Antunes Sobrinho admitiu em delação à Polícia Federal, em 2018, haver pago propina de R$1 milhão ao Coronel Lima, amigo do ex-presidente Michel Temer, para obter a concessão do Aeroporto de Brasília. Isso pode anular o contrato de concessão do aeroporto, segundo a Lei Anticorrupção e o contrato da Inframerica com a União e agência reguladora Anac, que determina sua “caducidade” em caso de envolvimento com corrupção. A informação é da Coluna Cláudio Humberto, do Diário do Poder. O artigo 13.17.3 (Seção III) do contrato entre Inframerica e União prevê sua “caducidade” (a perda do valor) em casos de fraude ou corrupção. A Lei Anticorrupção (12.846/13) prevê multas e proíbe empresas enroladas em corrupção de contratar com o Poder Público. O artigo 5°da Lei Anticorrupção prevê a punição no caso de “vantagem indevida a agente público”, como confessou o ex-CEO da Inframerica. A Inframerica informou desconhecer o teor da delação e diz que não vai comentar. Mas garante observar todas as regras internas e as leis. Fonte: http://www.bombeirosdf.com.br/2019/06/inframerica-pode-perder-concessao-do.html
  22. Por enquanto, o cartel de combustivel automotivo é duro de bater.
  23. Enquanto isso o preço de JET A1, AVGAS, Gasolina de carro etc... continuam o mesmo no Braziu!
  24. Meus prezados O “Lobo Cinzento” chega Por Brian W. Everstine Patrulhar os campos de mísseis da USAF é o primeiro trabalho do novo helicóptero da Força Aérea. Quando o primeiro helicóptero MH-139 "Gray Wolf" pousou na Base da Força Aérea de Eglin, na Flórida, marcou dois primeiros lugares surpreendentes: baseado em um helicóptero civil Agusta Westland AW139, é o primeiro helicóptero adquirido diretamente pela Força Aérea e a primeira grande aquisição do Comando de Ataque Global da Força Aérea. O MH-139 substituirá o antigo UH-1N Huey e será usado principalmente para patrulhar os vastos campos de mísseis do AFGSC. "Vamos fazer mais coisas com esta aeronave do que jamais poderíamos fazer com o Huey", disse o comandante da AFGSC, general Timothy Ray, quando o primeiro MH-139 foi entregue em meados de dezembro. "Ele ainda tem o cheiro de carro novo." A cerimônia de Eglin ocorreu pouco mais de um ano depois que uma equipe da Boeing e Leonardo venceu a competição e iniciou um ciclo de testes operacionais e de desenvolvimento com o objetivo de atingir a capacidade operacional inicial até 2021. A Força Aérea estabeleceu primeiro os requisitos para a substituição do Huey como parte do Programa de Suporte Vertical ao Helicóptero Comum em 2007, mesmo antes da criação do AFGSC. Naquela época, a maior parte da frota de Huey tinha quase 40 anos, com limites de alcance e velocidade, dificultando o desempenho da missão nos campos de mísseis e de deslocamento VIPs em torno da área de Washington. Naquela época, a capacidade operacional inicial chegaria por volta de 2015, mas a mudança de prioridades e cortes no orçamento forçou a Força Aérea a adiar e depois cancelar o programa em 2013. As autoridades começaram novamente em 2015 e lançaram uma solicitação formal de propostas em julho de 2017. A Boeing e Leonardo se uniram para oferecer essa variante do AW139, enquanto a Sikorsky ofereceu uma variante do seu H-60. Em seguida, Sikorsky apresentou um protesto antes do prêmio em 2018 ao Gabinete de Prestação de Contas do Governo sobre como os direitos de propriedade intelectual seriam tratados. O GAO rejeitou a denúncia. Ainda o programa ficou para trás. O general John Hyten, então comandante do Comando Estratégico dos EUA, disse aos legisladores em 2017: “É um helicóptero, pelo amor de Deus. Estamos construindo helicópteros há décadas. ... eu não entendo por que diabos é tão difícil. " Um ano depois, Hyten estava de volta ao Congresso dizendo: "Vamos comprar um novo helicóptero, se vou morrer tentando ou matar alguém para fazê-lo". Em setembro de 2018, a Força Aérea finalmente puxou o gatilho e concedeu à Boeing-Leonardo um contrato de US $ 2,38 bilhões por até 84 MH-139, 41% a menos do que o custo original estimado para o programa. Faremos mais coisas com esta aeronave do que jamais poderíamos fazer com o Huey. Comandante do Comando da Greve Global da Força Aérea, general Timothy Ray "A forte concorrência reduziu os custos do programa, resultando em economia de US $ 1,7 bilhão para o contribuinte", disse a então secretária da Força Aérea Heather Wilson quando o prêmio foi anunciado. Finalmente, 14 meses após a adjudicação do contrato, o primeiro MH-139 da Força Aérea pousou em Eglin em dezembro, e a Força Aérea anunciou o novo nome do helicóptero - Gray Wolf*. O AFGSC escolheu o nome entre as sugestões enviadas pelas unidades e tripulações aéreas que irão operar a aeronave. A escolha homenageia uma espécie nativa das planícies ocidentais onde os helicópteros irão operar. Lobos cinzentos atacam "o medo no coração de muitos", disse Ray. “Seu alcance é absolutamente inerente aos campos de mísseis balísticos intercontinentais [ICBM] que temos. "Enquanto caçam como um bando, atacam como um, trazem a força de muitos", disse ele. "É exatamente assim que você precisa abordar a missão de segurança nuclear” Gráfico: Mike Tsukamoto e Dash Parham / equipe Em Eglin, um pequeno número de aviadores e algumas aeronaves estão iniciando testes de desenvolvimento. Cinco pilotos e seis aviadores de missões especiais colocarão quatro helicópteros na campanha da Flórida antes que os helicópteros e tripulações se desloquem para o norte, para Malmstrom Air Force Base, Montana, para testes operacionais no próximo ano. As equipes designadas para Eglin vêm de todas as áreas e conjuntos de missões que os UH-1Ns servem. "Estamos realmente focados na representação da missão para todos os nossos clientes - Greve Global, Distrito da Força Aérea de Washington, Comando de Educação e Treinamento Aéreo", disse a tenente-coronel Mary Clark, comandante do destacamento 7 em Eglin, que está supervisionando o desenvolvimento. testando junto com o 413º Esquadrão de Teste de Voo de Eglin. O 413º FLTS também está supervisionando os testes de desenvolvimento do helicóptero de resgate de combate HH-60W, que está substituindo o HH-60G Pave Hawk, o que significa que o esquadrão estará envolvido no desenvolvimento de toda a futura força de helicópteros da Força Aérea. Isso é uma "bênção e uma maldição", disse Clark, porque significa que as equipes do MH-139 e HH-60W terão que compartilhar espaço aéreo e recursos. Os aviadores que trabalham com o MH-139 devem garantir que o “Lobo Cinzento” atenda a todos os requisitos contratados pela Força Aérea, incluindo velocidade, manuseio, carga útil e muito mais. Dado o histórico operacional do AW139, o helicóptero já provou ter saltado os limites à frente do Huey. "Vai mais longe, mais rápido, voa mais tempo e transporta muito mais pessoas", disse Clark. O AW139 é classificado para uma velocidade de cruzeiro de 130-140 nós com uma velocidade máxima de 167, em comparação com 90-100 nós para o idoso Huey. O alcance é de cerca de 778 milhas contra pouco mais de 300 milhas para o Huey, de acordo com a Força Aérea. Essas características desempenharão um papel importante em como o MH-139 pode proteger comboios e responder quando necessário nas amplas áreas de mísseis da Força Aérea. Um USAF UH-1N acompanha um comboio de transportadores de carga. O antigo UH-1N, em serviço por cerca de 50 anos, está programado para ser substituído pelo MH-139, cuja missão será centrada nos campos de mísseis da AFGSC. Foto: Matt Bilden / USAF O “Gray Wolf” é blindado e possui contramedidas a bordo, além de capacidade de uma metralhadora montada em um suporte. Sua aviônica moderna permite voar em clima ruim, e um piloto automático de quatro eixos aprimorado e automação aprimorada que "ajuda um piloto em uma situação de alta carga de trabalho", disse Clark. "É quase como ter um terceiro piloto com você." O MH-139 também é equipado com um sistema de câmera infravermelha voltado para o futuro, que será usado para ajudar as equipes a encontrar sobreviventes para possíveis missões de resgate e para alvejar os "bandidos", disse Clark. Existem centenas de pontos de teste a serem realizados, e cada um exige "dias e dias de trabalho nos bastidores", além das horas de voo, com pré-briefing e pós-briefing, desenvolvimento do plano de teste etc. Este primeiro plano de teste é linear e se concentrará nas características "realmente binárias" da aeronave. Ele “voa tão rápido quanto a Boeing disse que pode voar? Ela carrega tantas pessoas quanto elas dizem que carrega? Coisas em preto e branco - disse Clark. Então, à medida que os testes progridem, "começaremos a entender melhor, suas qualidades de manuseio, como a aeronave atua com diferentes entradas, condições e configurações de potência". "Enquanto a militarizamos, a plataforma básica é conhecida há tanto tempo", disse Clark. Esta parte do teste deve ser relativamente breve. Porém, após a mudança para Malmstrom, prevista para 2021, as tripulações desenvolverão as táticas, técnicas e procedimentos [TTPs] para a aeronave. É aqui que o histórico das equipes se torna parte integrante do futuro do MH-139, segundo Clark. Por exemplo, determinar a melhor maneira de operar em condições de mau tempo ou operar com vigilância intensiva de um comboio exige que a missão tenha sido executada no passado. Para a continuidade das missões do governo no Distrito da Força Aérea de Washington, a velocidade, a capacidade de resposta e o alcance para "fugir da ameaça" serão importantes, assim como os rádios seguros da aeronave e aviônicos avançados. Da mesma forma, uma pequena unidade na Base Aérea de Yokota, no Japão, que voa UH-1Ns em um papel comparável na região de Tóquio, também deve ser apoiada. As equipes da unidade de teste também terão esse histórico para aplicar ao processo de teste. O Huey também tem um grande papel no Comando de Educação e Treinamento Aéreo, voando em busca de sobrevivência, evasão, resistência e treinamento de fuga para tripulações aéreas. Para estarem prontos para esta missão, as equipes precisam estabelecer TTPs para saltar de paraquedas da aeronave e usar sua talha de resgate. Esse processo de teste ocorrerá à medida que a produção da aeronave aumentar. A produção de taxa total é esperada para 2023, com entregas antecipadas a uma taxa de 10 por ano no início da década de 2030. "Vamos o mais rápido possível, mas vamos fazer o que é certo", disse Clark. "Vamos levá-lo ao guerreiro o mais rápido possível. É isso que realmente estamos tentando fazer, mas não vamos fazer isso à custa dos requisitos de segurança e comprometimento. Vamos fazer o que é certo e estamos realmente empolgados. " Enquanto isso, Hueys continuarão a percorrer os campos de mísseis e a servir outras missões atuais. O Global Strike atualizou a aeronave, incluindo atualizações de combustível e armamento, para mantê-la relevante e garantir que não haja "lapso em nenhuma missão", disse Clark. Os aviadores nas bases de mísseis implantaram bolsas de combustível para que as tripulações possam pousar e reabastecer-se no meio de uma missão, se necessário. Os aviadores foram forçados a fazer patrulhas mais longas e trabalhar mais horas para garantir que a missão de segurança de mísseis seja cumprida com o antigo helicóptero. "Sabemos que o Huey está mexendo com isso", disse Clark. "Sabemos disso há um tempo e tivemos que conviver com correções, Band-Aids, eu acho, para garantir que estamos cumprindo nossa missão como prescrito, em resposta à ameaça. Estamos fazendo isso nas costas dos aviadores, trabalhando em turnos mais longos, as forças de segurança fazendo patrulhas mais longas. ... Estamos fazendo [essa missão], mas é muito melhor fazer isso de maneira mais inteligente. " Fonte: Air Force Magazine 1 mar 2020 Trad./adapt. jambock * Cerimônia de divulgação do nome do Gray Wolf (Lobo Cinzento) da Boeing MH-139A https://youtu.be/4kLnK2nb7yc
  25. Yesterday
  26. Meus prezados Acordo com Boeing deve ser definido depois de junho, diz Embraer A Embraer acredita que o acordo com a Boeing deverá ser definido depois de junho deste ano. Isso porque a Comissão Europeia parou a análise do processo, como afirmou o vice-presidente executivo de Finanças e Relações com Investidores da empresa, Antônio Garcia. Atualmente, apenas a Comissão Europeia não aprovou a parceria entre Embraer e Boeing. A palavra final da comissão estava prevista para acontecer em março deste ano. Em novembro do ano passado, a Comissão Europeia chegou a informar que uma revisão mais aprofundada em relação aos detalhes da fusão precisava ser realizada. Um total de oito jurisdições – Estados Unidos, China, Japão, África do Sul, Quênia, Colômbia, Montenegro e Brasil - já endossaram a aliança. Em nota, a Embraer disse que aguarda uma decisão positiva. “A Boeing e a Embraer estão envolvidas com a Comissão Europeia (CE) desde o final de 2018 e continuamos a cooperar com a CE na avaliação de nossas transações e esperamos uma solução positiva. Recebemos autorização incondicional para fechar nossa transação de todas as jurisdições necessárias, com exceção da Comissão Europeia”, diz o comunicado. Fonte: Vinicius Novaes – site PANROTAS 27 mar 2020
  27. Meus prezados Avolon cancela pedido de 75 aviões Boeing 737 Max A Avolon, especialista e líder em leasing de aeronaves, cancelou o pedido de 75 Boeing 737 Max. A medida tomada em função do impacto da pandemia de coronavírus na aviação ainda inclui o cancelamento do pedido de quatro A330neos e o adiamento da entrega de 25 aeronaves narrowbody (fuselagem estreita, com corredor único). "O impacto líquido de nossas ações no primeiro trimestre nos levou a reduzir nossos pedidos de aeronaves entre 2020 e 2023 de 284 aeronaves, no final do ano, para 165 aeronaves hoje, e, assim, também reduzir significativamente nossos compromissos de capital no curto prazo", afirmou a Avolon em comunicado. O principal motivo da medida empresa de leasing é o contínuo cancelamento de voos, significando que as aéreas não estão utilizando nem os atuais aviões possuídos. Isso, claramente, representa que as companhias deixarão de adquirir novas aeronaves por agora. Dos 75 aviões, 55 eram B737 Max 8 e os outros 20 eram o B737 Max 10. Fonte: Victor Fernandes site PANROTAS 3 mar 2020
  28. Meus prezados COVID-19: Rússia envia avião com ajuda médica aos EUA Um cargueiro Antonov An-124 Ruslan levou ajuda médica aos EUA para combater o coronavírus NOVA IORQUE, 1 de abril /TASS/. Um avião russo Antonov An-124 Ruslan transportando equipamentos médicos para os Estados Unidos pousou no Aeroporto Internacional John F. Kennedy de Nova York na quarta-feira, disse a missão permanente russa à TASS. Na segunda-feira, os presidentes da Rússia e dos EUA, Vladimir Putin e Donald Trump, chegaram a um acordo em um telefonema de que a Rússia enviaria uma aeronave com ajuda aos Estados Unidos. O embaixador da Rússia em Washington, Anatoly Antonov, disse que a pandemia de coronavírus está ameaçando o mundo inteiro, então as nações devem se unir para combatê-la. A Universidade Johns Hopkins, que calcula estatísticas com base no governo, na OMS e em outros números de fontes oficiais, relata que os EUA têm mais de 190.000 casos confirmados de coronavírus, enquanto mais de 4.100 pessoas morreram com a infecção. No final de dezembro de 2019, as autoridades chinesas notificaram a Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre o surto de uma pneumonia desconhecida na cidade de Wuhan, na China central. Desde então, casos do novo coronavírus – chamado COVID-19 pela OMS – foram relatados em todos os cantos do globo, incluindo a Rússia. Em 11 de março de 2020, a OMS declarou pandêmica o surto de coronavírus. Até o momento, mais de 850.000 pessoas foram infectadas em todo o mundo e mais de 42.000 mortes foram relatadas. A Rússia já enviou um segundo avião An-124 com 150 toneladas de equipamentos hospitalares, remédios, máscaras e respiradores. Mais dois voos estão planejados Fonte: TASS via blog Poder Aéreo 2 abr 2020 Russia ajudando os EUA? Quem diria...
  1. Load more activity


×
×
  • Create New...

Important Information