Jump to content

Leto

Usuários
  • Content Count

    584
  • Joined

  • Last visited

About Leto

Previous Fields

  • Cidade/UF/País
    Rio
  • Data de Nascimento
    01/10/1977

Profile Information

  • Gender
    Male
  1. Posta onde eu torci pra a falência da empresa. Vocês não aceitam uma opinião contrária. Todo mundo é a favor da 'solução de mercado' quando é do seu interesse, se for do outro 'é esquerdopata, vai pra cuba'. Volto a repetir: estamos ou não no capitalismo. Nenhum produto é mais caro que o próprio dinheiro. Empresas abrem e quebram às toneladas mundo afora. Se o governo ajuda aqui é crime. Se ajuda Alitália, SAA, Aerolíneas, e americanas pós-atentado, é soberania. Liberar 100% de capital estrangeiro no Brasil pode e depois vêm reclamar de baixos salários. Sim, o que torce contra realmente sou eu. Deixando o Contato Radar que acompanho há anos porque se eu postar que a Cubana está quebrada, vão dizer que eu estou torcendo para ela falir, logo eu que sou mortadela... Valeu enquanto estive aqui, mas aguentar essa gentinha não dá mais.
  2. Quanto ao fato da Oceanair só usar o nome Avianca (e ainda deve pagar royalties por isso), pior pra ela. Fez um enorme esforço para se adequar e virar membro da Star Alliance pra quê se a 'matriz' não é 'matriz'? A holding não tem que se envolver pois ela não faz parte do grupo. Curioso.
  3. Por que você é sempre tão raivoso com meus comentários? Não torço contra só sou realista. E sim, acho que uma grande seguradora não vai à falência pelo enorme número de roubo de carros no Rio de Janeiro, mas o seguro aqui é caríssimo se comparado a cidades menos violentas exatamente por isso. Dinheiro não dá em árvore e tampouco as companhias de arrendamento querem acionar seus respectivos seguros pois isso também tem um preço e tudo vira uma cadeia gigantesca. Ainda que o atraso e/ou a falta de pagamento não os leve à bancarrota, não acredito sinceramente que eles estejam encarando essa situação com a tranquilidade que vc acha. Saudações respeitosas.
  4. Essa é a tal 'insegurança jurídica' que a gente tanto houve. Infinitas interpretações e recursos. Então que prazo até dia 1° de fevereiro foi esse anunciado? Enquanto isso os arrendadores pagam o financiamento dos A320neo como? Seguramente eles próprios buscam linhas de financiamento para seus negócios e têm de honrá-los. E elas no fiado e com possibilidade até de calote. Até onde a Avianca Colômbia não tem que se envolver? Ela não tem responsabilidade alguma sobre a filial brasileira?
  5. Eu sugeriria 1- mais espaço para as pernas 2- poltronas mais reclináveis 3- bagagem até 20 Kg e wi-fi grátis 4- tomadas em todos os assentos 5- Prestígio e Chokito no lugar de barrinhas de cereais.
  6. Não seria um 'projeto', mas sim um caça Mig 25 de um desertor soviético. Não entendo como com o avanço da tecnologia desde 1979, ainda hoje não haja um sistema redundante ou complementar em terra que receba esses dados codificados remotamente via satélite.
  7. Curiosidade: a empresa precisa de um aporte de 670 mil para se reerguer. Alguém sabe qual seria o valor estimado da AVB hoje se estivesse à venda?
  8. Sendo simplista, a recuperação judicial me lembra recuperação escolar: o cara tira 3 na matéria o período todo, aí vai pra a recuperação 'aprender' em quinze dias o que não aprendeu num semestre? A companhia chegou à RJ porque os credores não recebiam há tempos. Em quinze dias tem que se comprometer a pagar daqui por diante os aluguéis em dia e ainda apresentar um planejamento para a quitação dos pagamentos atrasados, que quando a pleno vapor não conseguiu honrar? se muito, vai pagar a primeira parcela, sair do SPC, mas não vai honrar nos meses seguintes o acordo por motivos óbvios: se não conseguiu antes, como conseguirá agora se tudo ficou tão mais difícil? E parece que a lista de credores não se limita a aviões e motores. Tem hotéis, taxas aeroportuárias, fornecedores. Coloquem-se no lugar do investidor. A AVB é atrativa para se colocar dinheiro e salva-la quando a matriz deu de ombros?
  9. Imagina a situação dos donos desses A320neo: o mundo inteiro implorando por essas máquinas, a Azul com a imagem que tem no mercado querendo alugá-los já e a AVB com um bocado deles usando sem pagar há meses... Pergunta: se um ex-AVB é devolvido, sai do país e volta para a Azul, há todo aquele processo de nacionalização novamente?
  10. O inverso também é verdade: fechar os olhos para o óbvio não ajuda em nada. Ninguém está torcendo contra, só que já vimos esse filme dentro e fora da aviação e o resultado foi comum. A imagem da empresa está irremediavelmente comprometida. O acordo é impraticável se não houver injeção de capital estrangeiro. Se nem a holding quer colocar dinheiro, quem vai? Acho mais importante se pensar como o mercado vai absorver o espólio e os funcionários da empresa. E pare de vitimismo. Minha empresa pode falir sim, de uma hora para outra ou em agonia, mas no capitalismo isso é tão comum quanto surgir novas empresas. O engraçado é você apontar o óbvio e ser acusado de estar 'torcendo contra'. fala sério.
  11. Está parecendo discurso de quem é contra o governo atual e por isso está torcendo contra o país. A gente só acompanha as notícias econômicas há décadas. Conhece a piada do 'seu gato subiu no telhado'? Pois é... Não se recupera, não. Não tem sequer como pagar em dia a partir de hoje, o que dirá pagar em dia e ainda apresentar um plano de pagamento dos atrasados com uma frota menor e nenhuma rota internacional. Vc me critica, mas parece torcida de seleção na Copa, tá na cara que já não deu, mas vamos cantar o oba-oba. Na boa, o único código satânico da aviação brasileira, se é que existe essa bobagem, foi o 'JJ' que agora tb já tem até outro usuário. rsrsrsrs
  12. Me conte a sua. Fiquei curioso. O que me lembro da época foi uma Dilma criando sucessivos obstáculos para a recuperação da empresa. A União devia à Varig quase o mesmo que a empresa devia ao mercado e não houve vontade política para um encontro de contas. A LH quis comprar, xingaram os alemães de nazistas. Um chinês mafioso apareceu na história e o fim todos sabemos. depois do fim da Varig a aviação comercial brasileira nunca mais se reergueu como patrimônio nacional. Será que agora para criar uma empresa no brasil com capital 100% estrangeiro será necessário, como no tempo da ditadura, colocar 'do brasil' no final do nome da empresa? Tipo Air France do Brasil ou United Airlines do Brasil. Teoricamente a Emirates poderia criar a Emirates do Brasil S.A., colocar uma frota fixa em São Paulo e alimentar seus vôos para Dubai partindo de todo o Brasil e o Cone Sul, é isso mesmo ou entendi errado?
  13. Swiss e Edelweiss, ambas do grupo Lufthansa, têm a mesma relação, não?
×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade