Jump to content

Stratocruiser

Ombudsman/Atendimento ao Usuário
  • Content Count

    6,810
  • Joined

  • Last visited

About Stratocruiser

Previous Fields

  • Cidade/UF/País
    Washington, DC
  • Data de Nascimento
    12/03/1981

Profile Information

  • Gender
    Male
  • Location
    Bethesda, MD
  1. Encontrada mais uma parte, a 15 milhas do local onde o flaperon foi achado. Possivelmente uma porta. Excerto relevante: A second object – possibly a door – believed to be part of the missing Malaysia Airlines plane MH370 has been found washed up on the Indian Ocean island of Réunion. The object, a metal sheet featuring Chinese symbols, was discovered by a passerby in Saint Denis, 15 miles (25km) from Saint-André, where the first piece of debris was found. Authorities immediately cordoned off the perimeter and the object was taken away for further analysis. Fonte: http://www.theguardian.com/world/2015/aug/02/flight-mh370-debris-found-reunion-missing-plane
  2. Tem uma outra foto aqui: Fonte: http://www.theguardian.com/world/2015/jul/29/suspected-aircraft-debris-found-reunion-island-examined-mh370-links
  3. A coordenação das buscas passará agora a cargo de um time liderado pelo ex-chefe da defesa da Austrália, Angus Houston, e ficará baseado em Perth. Creio que até que os destroços sejam encontrados, a Malásia deixará de ser a protagonista, haja vista a notável incompetência demonstrada -- mesmo considerando as dificuldades. Um imenso vexame internacional, e mostra que construir arranha-céus e atrair eventos esportivos como corridas de Formula 1 não bastam para fazer com que um país se torne desenvolvido, nem provam que o sejam. ============ Flight MH370: former Australian defence chief to co-ordinate search Angus Houston will head a joint agency coordination centre in Perth to oversee efforts to find debris from Malaysia Airlines flight Oliver Milman theguardian.com, Sunday 30 March 2014 03.28 BST Former Australian defence force chief Angus Houston will co-ordinate international efforts to find the missing Malaysia Airlines flight MH370, ahead of a fresh attempt to locate the aircraft’s debris. Tony Abbott said Houston, a retired Air Chief Marshal, will head a new joint agency coordination centre, based in Perth, which will oversee the efforts to find the plane. The agency will help co-ordinate Australian and international efforts to locate the flight, which went missing more than three weeks ago, carrying 239 passengers and crew. While Malaysia is officially responsible for the recovery of the flight, which departed Kuala Lumpur bound for China on 8 March, the proximity of the search area to Australia means operations will be overseen from Perth. The prime minister said Houston was an “individual of enormous experience and great skill” who would lead an agency that provide a single contact point for families to get relevant information on the search. “This multi-country search is a powerful example of international cooperation at a time of adversity,” Abbott said. “Military air crew from Australia, China, Japan, Malaysia, New Zealand, the Republic of Korea and the United States are searching for possible debris from MH370. “They have been conducting these searches over a very large area in challenging conditions, far from the Western Australian coast and in variable weather.” Abbott confirmed that passenger family members heading to Australia will not have to pay a visa fee. The search for the remains of the plane has shifted to a different part of the southern Indian ocean, after fresh analysis of satellite data. Objects already retrieved from the ocean by a Chinese ship off Western Australia are not part of the missing plane, the Australian Maritime Safety Authority has confirmed. The objects are likely to be fishing debris or rubbish. The new search area, 1,900km from Perth, will be scoured on Sunday by a total of 10 aircraft, from Australia, Japan, China, Korea, the US and Malaysia. A total of eight ships will also be deployed in the search for the plane amid an unfavourable weather forecast. Fonte: http://www.theguardian.com/world/2014/mar/30/flight-mh370-angus-houston-international-search-efforts
  4. Buscando na internet, aparentemente a Inmarsat teria incluindo o efeito Doppler nos seus cálculos, e comparado com a trajetória de outras aeronaves. Nesse caso, e considerando que a fonte não é o governo da Malásia, mas uma empresa na Inglaterra, consigo agora crer que seja mais confiável. Fragmento da notícia logo abaixo (notar que não há nada referente ao MH370 nos press releases): "We looked at the Doppler effect, which is the change in frequency, due to the movement of a satellite in its orbit. What that then gave us was a predicted path for the northerly route and a predicted path the southerly route," explained Chris McLaughlin, senior vice president of external affairs at Inmarsat. This information was relayed to Malaysian officials by 12 March, but Malaysia's government did not publicly acknowledge it until 15 March, according to the Wall Street Journal. Malaysia began to redirect the search effort that day, to focus on the areas the information described. However, some officials involved with the probe warned that the lost days and wasted resources could impede the investigation. Meanwhile, Inmarsat's engineers carried out further analysis of the pings and came up with a much more detailed Doppler effect model for the northern and southern paths. By comparing these models with the trajectory of other aircraft on similar routes, they were able to establish an "extraordinary matching" between Inmarsat's predicted path to the south and the readings from other planes on that route. "By yesterday they were able to definitively say that the plane had undoubtedly taken the southern route," said McLaughlin. These pings from the satellite – along with assumptions about the plane’s speed – helped Australia and the US National Transportation Safety Board to narrow down the search area to just 3 per cent of the southern corridor on 18 March. "We worked out where the last ping was, and we knew that the plane must have run out of fuel before the next automated ping, but we didn't know what speed the aircraft was flying at – we assumed about 450 knots," said McLaughlin. "We can’t know when the fuel actually ran out, we can’t know whether the plane plunged or glided, and we can’t know whether the plane at the end of the time in the air was flying more slowly because it was on fumes." Inmarsat passed the relevant analysis to the UK Air Accidents Investigation Branch (AAIB) yesterday. The cause of the crash remains a mystery. Fonte: http://www.telegraph.co.uk/technology/news/10719304/How-British-satellite-company-Inmarsat-tracked-down-MH370.html
  5. É o mais provável, mas o governo da Malásia está jogando com as probabilidades para ter algo a dizer para as famílias e para o mundo. Das evidências apresentadas na imprensa internacional, nenhuma sugere que qualquer fragmento da aeronave tenha sido encontrado, apenas objetos inespecíficos -- lixo espalhado pelo oceano. Nada mais. A própria Inmarsat nada declarou. Vamos aguardar.
  6. Aconteceu ao contrário: a mudança deve beneficiar a Embraer e deixar a Hawker enfraquecida na disputa: 08/05/2012 - 17h55 Embraer participará de nova concorrência da Força Aérea dos EUA MARIANA BARBOSA DE SÃO PAULO Atualizado às 19h00. A Embraer informou que vai participar do novo processo de seleção da Força Aérea dos Estados Unidos para a aquisição de aviões de ataque leve. As novas regras foram publicadas na sexta-feira. O presidente da Embraer Defesa e Segurança, Luiz Carlos Aguiar, informou que se o processo de seleção for "justo, competitivo e transparente", o avião Super Tucano deverá ser novamente selecionado. "Vamos para a competição com um pouco de preocupação pois já tínhamos assinado o contrato. Mas com as novas condições, que dão um peso importante para a experiência passada dos aviões em combate, acreditamos que vamos vencer novamente." Dentre as novidades que agradaram à fabricante brasileira está a exigência de comprovação de experiência efetiva em operações de contrainsurgência. Essa experiência deve ser atestada por meio de correspondência enviada pelas forças aéreas de países que já utilizaram o avião em combate. O avião Super Tucano da Embraer está em uso em seis nações, incluindo a Colômbia, o Equador e Burkina Fasso, na África. Já o avião da concorrente Hawker Beechcraft ainda é um protótipo, tendo sido desenvolvido a partir do projeto de um avião treinador para essa concorrência. As empresas deverão apresentar suas propostas no dia 18 de junho. O Caça Super Tucano, projetado para ataque e treinamento Em abril, o Departamento de Estado dos EUA disse considerar "muito importante" que a Embraer participe da nova concorrência para o fornecimento de aviões de ataque leve para as tropas americanas no Afeganistão. Segundo Thomas Kelly, primeiro sub-secretário-assistente da divisão de assuntos político-militares, o cancelamento da disputa, vencida pela Embraer no final do ano passado, "não teve nada de político" --referência às críticas de que a Força Aérea teria se curvado ao lobby político da concorrente Hawker Beechcraft. "A decisão não teve nada a ver com a Embraer nem teve nada de político", disse Kelly, na ocasião. "O cancelamento ocorreu após uma investigação interna apontar a necessidade de rever procedimentos internos relacionados à qualidade da documentação." O CASO A Força Aérea dos Estados Unidos cancelou, em fevereiro, o contrato de US$ 355 milhões para fornecimento de 20 aviões Super Tucano, da Embraer, citando problemas com a documentação. O negócio estava suspenso desde janeiro. O órgão disse que iria investigar e refazer a licitação, que também foi contestada na Justiça dos EUA pela norte-americana Hawker Beechcraft após sua aeronave AT-6 ser excluída da competição --o que levou o negócio a ser suspenso no começo de janeiro. O contrato havia sido concedido pela Força Aérea dos EUA para a Embraer e a parceira Sierra Nevada Corp. O contrato, em negociação há um ano, gerou resistências, principalmente entre congressistas do Kansas, Estado-sede da Hawker. Pedidos de investigação internacional para apurar eventual subsídio do Brasil à Embraer chegou a ser cogitado. A avaliação era que um contrato dessa magnitude (em momento de crise econômica) e um setor tão sensível não podem chegar às mãos de uma empresa estrangeira. PACOTE DE SERVIÇOS O negócio havia sido anunciado no final de 2011 e incluía, além do fornecimento das aeronaves, um pacote de serviços, como treinamento de mecânicos e pilotos responsáveis pela operação do avião. Pelo contrato, a Embraer teria 60 meses para entregar esse primeiro lote, prazo que começaria a contar já neste mês. O primeiro avião teria de ser entregue em 2013. A unidade de São José dos Campos, no Vale do Paraíba (SP), produziria grande parte do avião. A montagem final seria feita nos EUA. A companhia mantinha expectativas de vender mais 35 aviões, o que poderia elevar o contrato à cifra de US$ 950 milhões. DEFESA O fornecimento das 20 unidades do A-29 Super Tucano era o primeiro contrato da Embraer com a Defesa americana. Quando anunciou o contrato, a Embraer disse que o negócio seria "uma grande vitrine". "Esse é o primeiro contrato com a Força Aérea dos EUA. Esse é um item sensível no maior mercado de defesa do mundo. Muitos países vão olhar isso", disse na ocasião Luiz Carlos Aguiar, presidente da Embraer Defesa e Segurança. Com esse pedido, a Embraer alcançaria 200 encomendas do modelo Super Tucano (desenvolvido pela FAB em 1995 e exportado para vários países do mundo). Apenas 40 precisam ainda ser entregues, mas esse número inclui o pedido que havia sido feito pela Força Aérea americana. O A-29 Super Tucano, projetado para missões de contra-insurgência, atualmente é empregado por seis forças aéreas e possui encomendas de outras, segundo a Embraer. De acordo com a licitação, as aeronaves da Embraer seriam utilizadas para treinamento avançado em vôo, reconhecimento e operações de apoio aéreo no Afeganistão. Com reportagem de São Paulo e agências Fonte: http://www1.folha.uo...a-dos-eua.shtml
  7. Muito bacana. A Embraer vem comendo pelas bordas: aviões regionais, jatos executivos, treinamento e agora transporte militar. Com isso eles se consolidam ainda mais como indústria forte e com presença global. Próximo passo: disputar espaço com o 737 e A320 no mercado civil! (sonhar não custa nada!)
  8. Rumores sobre esse novo aviao haviam aparecido quando houve aquela venda de avioes militares pra Colombia. Lembro que foi falado na BandNews. Achei o máximo quando ouvi. Depois fui procurar na internet, e nao achei nada! Show de bola! Viva a Embraer!
×
×
  • Create New...