Jump to content

flightFernando

Usuários
  • Content Count

    617
  • Joined

  • Last visited

About flightFernando

  • Birthday 04/10/1963

Previous Fields

  • Cidade/UF/País
    base SAO
  • Data de Nascimento
    10/04/1968

Profile Information

  • Gender
    Male
  • Location
    Sao Paulo

Recent Profile Visitors

The recent visitors block is disabled and is not being shown to other users.

  1. Meu caro, um fato da vida e da história: a aeronave É HOMOLOGADA desde 198(sei lá) sem Brake Fan. Cada penduricalho é pêso, consumo. Como outros ja falaram, serão todas as operações em aeródromos de LDA abaixo do 1500m?. Ora pois! Qual cenário no Brasil de 2021, vamos dizer, 80% dos vôos na situação deles seriam full MTOW? Exemplo bem dado: todos são Teresina, Brasília, Goiânia o ano todo no calor execessivo? Nós tamos num mundo novo, tem que dançar conforme a música. Concluíram o óbvio, até pelos gastos com grade, calota, conjunto, índice de falhas/troubleshooting.
  2. Me prova no FCOM, já que gostam tanto de matar a cobra e mostrar o pau onde livra, entra no box e sai a 500 graus em toda a extensão do pouso, turn around e voltar. Que não existe cool down etc etc etc. Que só brake fan é resolve, ítem indispensável etc etc etc. Tô curioso.
  3. Quero saber em que cenário você opera com 500 graus em TODA A EXTENSÃO da LDA e bombando o pé no ingresso ou livrando bruscamente? Qual empresa faz turn around atualmente, no geral, de 25 minutos como nos antigos pinga pinga? Esse ITA "SPJ" é LIP? Já é direcionado para SDU?... Será que eu vou ter que ir catar isso no FCOM ? Então Wizz, Northwest vivem/viveram no mundo da lua? Tudo bem. Cada piloto com suas manias.
  4. Se tiverem uma Engenharia de Operações trabalhando, sem dúvidas são ítens dispensáveis. Esses outros que virão são CFM 56-5? Se não, tudo em ordem.
  5. Cool down! . Corretor bronqueado, não consigo corrigir.
  6. Só pra ficar esclarecido: é ATÉ 150 Graus para decolagem que variam de 50 a 100 Graus em poucos segundos, não conheço quem sai do box até alinhar que vá enterrando o pé. Antes de 300 graus é o limite do sensor.
  7. Você tem pé duro? Eu não. Autobrake e Warm up existem para isso. Até onde sei, aeronave é HOMOLOGADA sem Brake Fan. É opcional. Vai do gosto e bolso do dono.
  8. A palavra "Voltaria" entendam como Volaris! Queria ter dito como uma negociação também envolve contratos pós vendas e busca de market share. Um caso interessante: a Pratt & Whitney inegavelmente tem um produto muito bem acertado, o IAE V2500 tanto bem provado que a Embraer o colocou no KC 390 demonstrando a força e novo posicionamento da United Tecnologies que é a holding dona da PW. A GE tinha uma abordagem bem agressiva de vendas junto aos clientes com o CFM 56-5. A United Tecnologies/Pratt Whitney por muitos anos ficou letárgica (final anos 90 até 2006), poucas vendas
  9. Passou batido pelos colegas dois detalhes: essa unidade não tem Brake Fan, pode ser uma boa iniciativa da empresa. É uma inutilidade, peso morto, nem se justifica hoje em dia a não ser cenários extremos de peso alto, calor e decolagem abortada, como as Arábias. Nunca livrei nem conheço quem tenha chegado a 300 graus no pouso em Ilhéus, Passo Fundo ou SDU, que exigem pouco mais frenagem. Os freios de carbono são muito mais eficientes que os antigos conjuntos metálicos, como nos 737-300. Este "SPJ" com motores V2527 não tem a strake/indutor de vórtex no capô, também são opcionais e menos um ga
  10. Ivepar ou GRU Airport, qualquer que fosse a marca, e estiver pensando em entrar na Bolsa com IPO em 2022/23, Eu compraria ações, só se for PN. Brasil com essas bombas de Gasolina alta, Segunda e possível Terceira Ondas, o cenário Eleitoral com Lula no páreo, é e se esperar ações com desconto, e a GRU Airport tem ativos interessantes, poe ser indutora e captadora e infraestrutura. Vamo aguardar.
  11. Falou e disse! Esse é o espírito da coisa, ler e interpretar o que outros tem preguiça de ver. Chegou num ponto central.
×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade