Jump to content

Jet Age

Usuários
  • Content Count

    238
  • Joined

About Jet Age

Previous Fields

  • Cidade/UF/País
    SP
  • Data de Nascimento
    30/04/1995

Profile Information

  • Gender
    Male
  • Location
    SP

Recent Profile Visitors

694 profile views
  1. O assunto é interessante e pode se prolongar para 'mais de metro', mas apenas tentando adicionar informação ao que foi dito pelo Rotate, de forma genérica, sem a intenção de fazer julgamento ao que ocorreu nesse episódio que é o tema do tópico, basicamente 3 fatores estabelecem, como ponto de partida, a altitude que um avião bimotor com um motor inoperante é capaz de manter (a partir da falha em voo de cruzeiro, digamos, acima de 30,000 pés): - Peso no nivelamento após a descida (que é o peso na hora da falha, descontado o combustível consumido durante todo esse processo de 'afundamento'
  2. Nenhum jato comercial bimotor consegue manter sem penalidades o nível de cruzeiro (em altitudes elevadas) ao perder tração plena num dos motores. Dessa forma, é necessário seguir a rotina operacional do equipamento, que prevê, entre outras coisas, conduzir o voo considerando a altitude que a aeronave é capaz de manter nessa configuração. Voo monomotor num bimotor é considerado como sendo uma emergência e a recomendação é prosseguir o voo e pousar no aeroporto adequado mais próximo.
  3. A operação de carga aérea obriga equilíbrio entre custo e rentabilidade. A margem entre perdas e ganhos é tênue, e o que ocorre hoje nessa atividade não é parâmetro para absolutamente nada. É algo transitório e com data para acabar. O 727, como andam anunciando no lançamento de uma nova empresa (e que seja muito bem-vinda), pode teoricamente possuir um payload mais ajustado e melhor capacidade operacional, se compararmos com o 737 Classic, por exemplo, contudo, é uma aeronave com 3 JT8, possivelmente com um 'drag factor' absurdo (provavelmente nos moldes dos 707 no fim de carreira), de ma
  4. Na teoria, sim. Alegam que é capaz de voar no seu máximo range -- ao redor de 2,000 nm -- no máximo payload -- 23 toneladas. A distância do trecho GRU-MAO é inferior a isso, mas as alternativas são distantes, portanto, é preciso saber se o transporte das reservas legais para cumprir os requisitos regulamentares nessa rota não comprometem o MLW (peso máximo de pouso) no destino.
  5. Temos o PP-SME / SBE / SRE / SQE / PDE ... e assim por diante. Combinações de outras letras não faltam, mas qualquer associação com potencial risco de se acidentar não faz o menor sentido.
  6. É um ex-Continental (EUA), assim como outros da frota desta empresa.
  7. Apesar da insistência em criar uma má reputação em relação ao 737, pois para a mídia não especializada e boa parte do público em geral não há distinção entre os modelos, a versão -500 é certamente um dos aviões mais seguros que existe, e todos os seus acidentes com perda total foram causados por operação inadequada. Tivemos inclusive uma 'quase' perda de um por aqui, mas também se enquadraria em quesitos operacionais. Ficaria bem surpreso se o acidente de ontem foi causado por alguma falha de projeto. De qualquer forma, temos mais um episódio extremamente lamentável na Indonésia. Na
  8. Alguém mais daquele pessoal inicial de Operações saiu, foi remanejado ou o CM é mais um para compor o time?
  9. Boa pancadaria, como se um fórum tivesse o poder (ou pior, a obrigação) de encontrar soluções para diversas questões. O 'guichê de reclamações' é outro. Numa conta beeem aleatória, tomando como base informações oficiais, 18.000 -- sim, DEZOITO MIL! -- se candidataram às vagas de comandante, copiloto, comissário de bordo e DOV. Imagino o seguinte: desconsiderando os 'paraquedistas', 10.000 se inscreveram ao processo seletivo de comissários, 2.000 para o cargo de DOVs e 6.000 como pilotos. Focando apenas os aviadores, 'chutando' que a avaliação de cada um levaria 3 minutos entre analisar o
  10. Nada de surpreendente ao seguir o mesmo caminho das outras empresas da região. Porém, no caso da EY ela vinha tropeçando nas próprias pernas bem antes dos efeitos da pandemia, e no atual contexto somente piorou o que já estava bem ruim. Curioso para saber se ao demitir por equipamento desativado, vão mexer com o pessoal mais antigo (mas também mais caro) da companhia, que voa o A380. *Sophia e Shamia -- sendo locais, não serão afetadas, quando muito ficarão de 'licença paga' pelo governo local.
  11. Há várias ocorrências de quedas, muitas fatais, de escada (se não me engano, houve um evento em Congonhas envolvendo um funcionário de solo) ou de portas abertas, por diversas razões. Uma comissária da Varig se feriu gravemente ao cair de um 737 em Brasília. Um caso bizarro ocorreu em Miami, quando um comissário caiu de um A300 da American. Seguindo instrução da cabine de comando, ele abriu a porta durante uma evacuação de emergência, porém, como a aeronave ainda mantinha um residual de pressurização, o tripulante foi 'empurrado' para fora da aeronave, sem chance de sobrevivência.
  12. Apesar de eventuais simplificações com o passar dos anos, os aviões da Boeing ainda apresentam uma série de procedimentos baseados em ações que não dão margem para consultar o manual antes de manter a aeronave sob controle. É agir e prosseguir na leitura de um cheque quando der. Ok, a grande maioria dos itens de memória é intuitiva e segue uma lógica natural, mas jamais será surpreendente observar se um piloto alterar a sequência ou esquecer-se de cumprir todos os itens ou realiza-los erroneamente. Sob pressão, até o básico pode ser complicado. Claro que o enfoque agora é encontrar
  13. É notório que ao ocorrer conflito de interesses, em dado instante a segurança de voo é invariavelmente colocada em segundo plano. O Relatório Final apresenta uma série de evidências que a operação daquele helicóptero estava seriamente comprometida, muito antes do trágico evento. A indisciplina operacional está sempre 'rondando' a atividade área. Isso é fato. Como os efeitos nem sempre são imediatos ao cometer uma pequena violação aqui, outra ali, cria-se a falsa percepção que nada dará errado. E a sensação de infalibilidade vai aumentando, entretanto, esse processo acaba entrando numa esp
  14. Alguém sabe como ficou a seleção dos tripulantes? Ouvi comentários que alguns não conseguiram fazer o upload do vídeo (comissários), outros dizem que não foi possível completar uma ou outra prova, perguntas repetidas na mesma avaliação, etc. Gostaria de saber como escolheram quem foi selecionado.
×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade