Jump to content

SOUSA CPV

Usuários
  • Content Count

    4,360
  • Joined

  • Last visited

About SOUSA CPV

  • Birthday 04/02/1975

Previous Fields

  • Cidade/UF/País
    Campina Grande / Paraíba / Brasil
  • Data de Nascimento
    02/04/1975

Profile Information

  • Gender
    Male
  • Location
    Campina Grande
  • Interests
    Conhecimento e troca de informações

Contact Methods

  • Skype
    alessandro.cpv
  • Website URL
    http://www.deltacpv.com.br
  • MSN
    deltacpv@terra.com.br

Recent Profile Visitors

1,747 profile views
  1. Essa aeronave não volta em março. Se assim fosse já estaria de forma bem instensa as divulgações. Creio que, para quem não quiser sair da Boeing agora resta pegar alguns 737 e 738 no mercado e colocar na frota. Outra solução é começar a mesclar a frota com o A320, o que trará custo.
  2. Oceanair linhas aéreas retorna as atividades como Voe América, com nova sede em Brasília. German Efromovich diz que a intenção é inicialmente recontratar funcionários Avianca Brasil. Quando o cara ler isso, tendo esses bandidos tudo para crescer dentro do pais e fizeram o que já sabemos.... Não da para levar a sério. Outra, os caras nem começaram, e já querem voos internacionais, se for verdade vão cometer os mesmos erros de antes...
  3. Geograficamente CPV é melhor sem dúvidas até para Caruaru.
  4. Em CPV já há sinais de mudanças um dia antes de assumirem o aeroporto. É visível a agilidade em resolver as coisas...
  5. Ampliação e melhorias para todos, segundo a AENA, porém cada aeroporto será analisado de forma individual.
  6. Eles nem assumiram MCZ, então como foi dito acima esse reajuste foi determinado pela ANAC, assim como os futuros.
  7. Companhia aérea que pertenceu à VASP poderá voltar a voar em breve Carlos Ferreira 8 de janeiro de 2020Empresas Aéreas Foto de Paul Ricther via Wikimedia Commons O ministro das Obras Públicas da Bolívia, Iván Arias, disse ao periódico Los Tiempos que se reuniu com representantes do Lloyd Aéreo Boliviano (LAB) e disse que não está descartada a possibilidade de apoiar o retorno da clássica empresa aos voos comerciais e que não fecha as portas para uma “concorrência saudável”. Durante a década de 1990, o LAB já pertenceu à Viação Aérea São Paulo (VASP). “Eu me encontrei com eles. Este é um governo de portas abertas. Estamos conversando com o LAB. Incentivamos tudo o que é para o bem do país, promovendo a concorrência no âmbito da legalidade, restaurando a lei e a confiança do Estado”, disse Arias, ao final da inauguração de um prédio administrativo para a BoA, nas instalações que o LAB reivindica como próprias. Uma carta publicada pelo administrador geral do LAB, Orlando Nogales, solicitou nos últimos dias, ao atual Governo Transitório, apoio para que essa linha retornasse a voos comerciais. A carta explica que a empresa pode pagar suas dívidas aos administradores do fundo de pensão (AFP) e os impostos nacionais, e por isso eles pediram para se reunir com o governo com intuito de obter a licença de voo novamente. Uma fonte não oficial do governo também indicou que é possível que a presidente interina, Jeanine Áñez, se encontre nesta segunda-feira com os representantes do LAB. Em relação aos possíveis problemas econômicos do LAB, Arias indicou que a justiça deve definir essa situação. foto de Kambui via Wikimedia Commons Os 27 terminais Em contato com essa mídia, Nogales disse que o Lloyd possui 27 aeroportos na Bolívia, o que significa uma herança que excede US$ 1 bilhão. O executivo disse que a dívida com o Servicio de Impuestos Nacionales (SIN) expirou e que o LAB atualmente deve apenas 30 milhões de dólares às AFPs e outros 30 milhões aos ex-trabalhadores. Arias explicou que, em um acordo de 1951, o Estado reconhece que os 27 terminais aeroportuários pertencem ao LAB e as pistas ao Estado. Ele explicou que o governo anterior não reconheceu a propriedade do LAB, mas que o problema seria mais político, de proteção à BoA, segundo ele. O LAB diz que sua dívida é de apenas 60 milhões de dólares e que pode pagar com seus terminais aeroportuários Já foi da VASP O Lloyd Aéreo Boliviano (abreviado LAB) foi a transportadora de bandeira e principal companhia aérea da Bolívia de 1925 até o fim das operações em 2010. Antes de sua morte, estava sediada em Cochabamba e tinha seus principais hubs em La Paz e Santa Cruz de la Sierra. A partir de 1994, o Lloyd Aéreo Boliviano passou a enfrentar crescentes dificuldades financeiras. Como consequência, o governo boliviano preparou a privatização da companhia aérea e começou a negociar com potenciais compradores. Em 19 de outubro de 1995, a companhia aérea brasileira VASP adquiriu pouco mais de 50% das ações da LAB, garantindo seu controle. Em um esforço para reduzir custos, a VASP fez uma fusão completa das duas companhias aéreas. Em 2001, a VASP passava por uma crise e acabou vendendo suas ações na LAB de volta a investidores bolivianos. Fonte: Aeroin
  8. Já estamos em 07/01 sem o MAX. Um grande prejuízo para todas as operadoras e pelo visto até final de fevereiro não voltará a voar.
  9. Faz tempo que esses sites fazem isso, há um rodizio entre as cias nos site. Afinal, alguém precisa pagar todo aquele marketing. As agencias físicas tbm tem sites, e possuem (algumas) acordo com cia que lhes permite desconto em determinadas tarifas.
  10. Político ressarcindo? Tu crê? Particularmente acho um absurdo. Todo município gostaria de um aeroporto como GRU gerando emprego, agora vem com essa só pq existe uma concessionário administrando o aeroporto. Outra é cobrar IPTU de anos os quais, a GRU AIRPORT nada tinha com isso, um absurdo.
  11. Com a saida da Avianca em JDO, GOL e AZUL colocaram voos desenfreadas. As duas ficou naquela de "eu cheguei primeiro". Agora começam a estudar melhor a malha e analisando o mercado. Os voos Avianca tinha uma distribuição de rota e horários que impedia outras entrarem.
  12. Nesta quarta (11/12) no JH noticiaram que as autoridades americanas já sabiam dos problemas do MAX, agora dão uma de exigentes.
×
×
  • Create New...