Jump to content

ErickCF

Usuários
  • Content Count

    396
  • Joined

About ErickCF

Previous Fields

  • Cidade/UF/País
    Brasil
  • Data de Nascimento
    00/00/0000

Profile Information

  • Gender
    Male
  • Location
    Brasil

Recent Profile Visitors

288 profile views
  1. Olha, eu era super-fã da Avianca, tive ótimas experiências na Oxané (tanto pessoal, quanto profissional), e não sou fã da Azul (como passageiro), mas inegavelmente, o serviço é "outro padrão". Começando pela frota, o conforto dos E-Jets na configuração 2-2 é inigualável; o entretenimento a bordo, é outro patamar (com conteúdo atualizado e claro, o diferencial da TV Ao Vivo). O ar modernista (e sofisticado) da configuração de cabine dos Airbuses da Azul também é algo que chama atenção dos passageiros. Nos últimos anos da O6, ao contrário, o serviço só piorou (analisando com um olhar mais crítico e imparcial, como passageiro); cansei de voar em A320 (especialmente nos quatro mais antigos, AVP, AVQ, AVR e AVU) com interior totalmente surrado; saídas de áudio sem funcionar, banheiros sujos, tomadas USB danificadas, etc. Nos últimos anos também, o serviço de bordo perdeu um pouco de qualidade. Meus sinceros parabéns à Azul e a todos os tripulantes.
  2. Que agonia, meu Deus... (o meu não chega a ser bem toque, é SOC, mas neste caso, acho que qualquer cidadão fica agoniado)
  3. Ando totalmente sem esperanças com o Brasil... Cheguei a reconsiderar isso em 2018, acreditando que tomaríamos novos rumos na política (mesmo que mínimos, já que a mudança é lenta e gradual); me enganei. É enraizado, nunca mudaremos. E o último que sair da República das Bananeiras, apague às luzes.
  4. E La Cámpora (Ks) vão a loucuraaaa. Quem será a próxima? A Flybondi ou a JetSMART Argentina?
  5. Acho que paralelamente a relicitação de São Gonçalo do Amarante, o Ministério da Infraestrutura deveria começar a pensar em alternativas para a integrar o aeroporto à capital. Porque do jeito que está/é, duvido que haja interessados; a menos que a PPI seja "justa" e condizente com a realidade do terminal, diga-se de passagem, fadado ao fracasso (pelas condições atuais).
  6. O Airbus A330-200 foi o carro-chefe da modernização e expansão internacional da Avianca no começo da década passada, substituindo os veteranos 767-300ER. Posteriormente, com o Boeing 787, a intenção foi novamente conduzir uma modernização (na Colômbia), somada a uma expansão internacional (com novos destinos europeus), e o crescimento de suas filiais e associadas, no mercado inter-regional, é tanto que mandou A332 subarrendado pra cá (Brasil) e baseou alguns em LIM, para voar especialmente em rotas na América do Sul (GRU, GIG, EZE, SCL). Quanto ao A330-300, foi um avião tampão, já que boa parte da frota de 787 ficou em terra por um bom tempo por causa dos motores. Sobre o A350, sempre foi para o Brasil; e o pedido foi cancelado posterior a falência da Oceanair.
  7. Nos últimos meses de 2019 e começo de 2020, a participação se reduziu ainda mais. Jan/Fev de 2020, participação caiu a 1.9 por cento. Abertura do mercado peruano foi gota d'água para a Avianca Perú e demais companhias aéreas locais.
  8. Não tem como agradecer quando são os próprios passageiros que estão desistindo de viajar para a Europa pelo temor com a enfermidade.
  9. Nesse momento, cidadão franceses e funcionários da Airbus em geral estão reunidos em Lévignac (comuna francesa cujas ruas ficaram famosas pela passagem dos comboios com a fuselagem do A380) para celebrar a travessia da seção da fuselagem do último Super Jumbo que será montado.
  10. Só esqueceu de mencionar que, a atual alta do dólar é nominal, não considera a correção da inflação. Já tivemos picos anteriores de chegarmos na cotação de 1/10 (2002/2003) com a correção inflacionária da época. No período 2010-2016 (Dilma), tivemos picos de até 1/7 corrigindo na inflação, que pela primeira vez na história, atingiu dois dígitos. Sem contar que, os picos passados deram-se por motivos destintos dos atuais. Nos anteriores, o país era acometido por uma crise econômica sem precedentes em nossa história (não que estejamos totalmente recuperados, mas estamos em uma situação muito melhor à anterior); agora, temos cenários diferentes: Guerra comercial entre as duas maiores potências econômicas globais, uma pandemia mundial batendo na porta de vários países (incluindo a China, primeira/segunda maior economia do planeta) e não menos importante, e a principal por trás da alta do dólar, a inflação e taxas de juros a longo prazo nos Estados Unidos, resultando numa fuga de capital dos países em desenvolvimentos para voltar-se a investir em títulos nos Estados Unidos (que agora têm maiores projeções de ganhos).
  11. Levy também é, atualmente, membro do conselho de Administração da Copa Airlines. Lembrando que há um tempinho atrás, foi ele quem comprou a XTRA Airways para assegurar a certificação 121.
  12. Acho que podemos somar ao fator Air Nostrum, o bloco de aeroportos do nordeste, cujo leilão foi vencido pela concessionária estatal espanhola AENA. Possa ser que, ambas trabalhem juntas para impulsionar a conectividade regional na região nordeste, e quebrar o inegável 'monopólio' da Azul no mercado regional dessa região.
  13. Acordado sempre estou, é que da aviação brasileira, eu não duvido mais nada, tudo torna-se possível. Há pouco mais de um ano, quem diria que a Avianca Brasil iria para o saco? (Lembro-me da AFA Azul/Avianca). E que a Passaredo -aquela que atrasa salários, obrigações trabalhistas e inclusive, o arrendamento de aeronaves- iria comprar uma rival (MAP) e trazer mais aviões? Que a Azul poderia comprar a TWOFlex. Tantas coisas estranhas ocorreram nos últimos doze meses, que eu não duvido é de mais nada.
  14. Ouvi um papo de A220 e CVC por trás, será? (Sonhar não custa nada).
×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade