Jump to content

TheJoker

Usuários
  • Content Count

    16,762
  • Joined

Posts posted by TheJoker

  1. https://www.infomoney.com.br/mercados/o-jogo-ainda-nao-acabou-dizem-analistas-do-bradesco-bbi-sobre-proposta-da-azul-a-latam/

    No relatório intitulado “O Jogo ainda não Acabou”, os analistas disseram que isso pode acontecer caso o plano de reestruturação da companhia aérea não saia como o esperado e leve mais tempo para ser concluído. Na visão dos executivos da Azul, a conclusão do plano tem chances de ocorrer entre junho e setembro do ano que vem e não em março, como sugeriu a Latam.

    Essa demora na execução do plano de reestruturação poderia levar a objeções de credores e a empresa também ficaria suscetível a eventos inesperados nesse período. “Um ponto crítico são os direitos de preferência no Chile, já que o tribunal dos Estados Unidos pode rejeitá-los por favorecer os atuais acionistas e não os credores”, diz o texto do BBI.

     

    Por isso, AV criou uma nova holding no UK.

  2. A saga da LTM nos mínimos detalhes, 432 páginas :shock:  muito interessante!

    DISCLOSURE STATEMENT WITH RESPECT TO THE JOINT PLAN OF REORGANIZATION OF LATAM AIRLINES GROUP S.A., ET AL., UNDER CHAPTER 11 OF THE BANKRUPTCY CODE

    https://cases.primeclerk.com/LATAM/Home-DownloadPDF?id1=MjA4MTQzMw==&id2=-1

     

    Na pg.20 a dívida financeira da JJ, $272.9 milhões em 30/09/21  = R$1.5 bi o que é quase nada.

    In addition, TAM Linhas Aereas S.A. (“LATAM Airlines Brazil”) is the borrower on an unsecured loan facility from Banco do Brasil S.A. in the principal amount of $194 million 19, guaranteed by LATAM Parent. LATAM Airlines Brazil is also the borrower on an unsecured $55 million 20 loan facility and an unsecured $23 million 21 loan facility, both from Banco Bradesco, neither of which have a guarantor (the “Banco Bradesco Facilities”). LATAM Airlines Brazil is also the borrower on an unsecured loan facility in the principal amount of $943,000 from Atradius Dutch State Business which matures in the year 2022.

    19 BRL 1.037 billion loan converted to USD at 5.3 BRL per one USD as of the Subsequent Petition Date.

    20 BRL 293 million loan converted to USD at 5.3 BRL per one USD as of the Subsequent Petition Date.

    21 BRL 123 million loan converted to USD at 5.3 BRL per one USD as of the Subsequent Petition Date.

     

    • Like 1
  3. Manila, 29 November 2021 – Cebu Pacific has taken delivery of its first A330neo as it begins its widebody fleet modernisation programme.

    The aircraft is configured with 459 seats in single-class layout and will be operated by the airline on trunk routes within the Philippines and the rest of Asia, as well as on longer range services to Australia and the Middle East. The A330neo offers versatility for a wide range of routes from shorter regional services to medium and long haul operations.

    Altogether Cebu Pacific has ordered 16 A330neo, and also has 16 A320neo and 22 A321neo outstanding to be delivered. The low-cost carrier currently operates 50 Airbus aircraft, comprising 43 A320 Family and 7 A330ceo.

    The aircraft is powered by Rolls-Royce’s latest-generation Trent 7000 engines and features a new composite wing with increased span for enhanced aerodynamics.

    The A330neo brings a step change in efficiency, consuming 25% less fuel than previous generation aircraft and a similar reduction in CO2 emissions. The outstanding efficiency of the A330neo also ensures compliance with current and future sustainability requirements in terms of noise and emissions

    With an order book of more than 1,800 aircraft at the end of October 2021, the A330 remains the most popular widebody family aircraft of all time.

    https://www.airbus.com/en/newsroom/press-releases/2021-11-cebu-pacific-receives-first-a330neo

     

    spacer.png

    spacer.png

    spacer.png

    spacer.png

    spacer.png

    https://twitter.com/jeyloooo/status/1464885425185583104

     

     

     

  4. 4 hours ago, Luckert said:

    Então não reduziram a dívida ? Poxa, o próprio Roberto falou da redução que certamente passou por uma troca de dívida por ações ou debêntures conversíveis,então não fizeram o milagre que alardeiam?

    Reduziu alguma coisa, devolveram 42 aviões, despediram funcionários (13k), renegociaram contratos, etc, mas o básico mesmo vão emitir + dívida que vai pagar juros, e no vencimento, caso ela não consiga novo financiamento pra quitar o anterior, pode virar ações da empresa. 

    A LTM 2.0 pretende voltar ao tamanho que tinha em 2019 (faturamento?) só em 2024. Se ela vai voltar a ser lucrativa, ou se vai conseguir sobreviver sem novos empréstimos até lá, só acompanhando os próximos capítulos, digo Resultados.

     

    • Thanks 1
  5. spacer.png

    spacer.png

    spacer.png

    spacer.png

    spacer.png

    spacer.png

    DUBAI, Nov 29 

    A dispute between Airbus (AIR.PA) and Qatar Airways over paint and surface flaws on A350 jets stretches beyond the Gulf, with at least five other airlines raising concerns since the high-tech model entered service, according to documents seen by Reuters and several people with direct knowledge of the matter.

    Qatar's national carrier has grounded 20 of its 53 A350s, saying it is acting on orders from its local regulator, until reasons for what witnesses describe as the blistered and pock-marked appearance of some of its A350s can be confirmed.

    Airbus says there is no risk to the A350's safety - a point echoed by the other airlines, which have not grounded any jets and describe the issue as "cosmetic."

    The planemaker said in response to queries from Reuters there had been some problems with "early surface wear" that in some cases had made visible a sub-layer of mesh designed to absorb lightning, which it is working to fix.

    Three people with direct knowledge of the situation said that at Qatar Airways and at least one other airline the mesh had in some instances itself developed gaps, leaving the carbon-fibre fuselage exposed to possible weather or other damage.

    The A350, in service since 2015, is designed with ample protection to resist storms and is deployed around the world with high reliability, Airbus said in an emailed statement.

    Asked about gaps in the mesh, it said some airlines were subject to higher swings in temperatures than others, apparently referring, for example, to desert conditions in Qatar.

    Qatar Airways has called for a definitive cause to be identified and a permanent fix that satisfies its regulator. The Qatar Civil Aviation Authority declined to comment.

    Two people familiar with the grounding decision said it was based on ongoing uncertainty over the cause and impact of surface degradation and gaps in lightning protection.

    Airbus says it has found a root cause, but sources with two affected airlines said they had not been notified of one.

    The row has set the clock ticking on a compensation battle that sources said could be worth hundreds of millions of dollars after Qatar Airways halted deliveries of 23 more A350s on order.

    The clash between two of aviation's most powerful players became public in May, six months after Qatar Airways sent an A350 to be stripped and repainted in special livery for the FIFA World Cup to be held in the Gulf state next year.

    But what for months had been widely presented as an isolated issue related to Qatar's severe heat is more widespread, according to a private maintenance message board used by Airbus and A350 operators and reviewed by Reuters.

    Messages show Finnair (FIA1S.HE), which operates in the colder north, raised paint concerns as early as 2016, and reported in October 2019 that damage had spread below to the anti-lightning mesh.

    Cathay Pacific (0293.HK), Etihad, Lufthansa (LHAG.DE) and Air France (AIRF.PA) - acting in its capacity as maintenance provider for Air Caraibes - also complained of paint damage.

    Following those previously unreported problems, Airbus last year set up a "multi-functional task force," while studying new material for lightning protection in future A350 jets, two people familiar with the matter said.

    Finnair, Cathay Pacific and Lufthansa confirmed some of their A350s had suffered what they described as cosmetic damage. Air Caraibes said it and sister airline French Bee had seen "no major paint problems," and especially none regarding safety. Air France said its own A350s had operated normally since it began flying them in 2021 and declined to comment on Air Caraibes. Etihad declined to comment.

    To be sure, Qatar Airways has had disputes with suppliers in the past before reaching compromise deals. Its CEO Akbar Al Baker has periodically criticised both Airbus and U.S. rival Boeing (BA.N) over perceived manufacturing and strategy errors.

    Analysts say the dispute coincides with efforts by many airlines to reduce their exposure to long-haul jets following the pandemic. Gulf industry sources deny commercial motives for the grounding, noting Qatar badly needs jets for the World Cup.

    Airbus is also not alone in facing problems. Boeing has had paint issues and a phenomenon known as rivet rash, or flecks of missing paint, on its competing 787s. A spokesperson said it was not safety-related and was being resolved.

    However, the unusual partial grounding by Qatar comes at a sensitive time for Airbus as it races to meet an end-year delivery target and as Qatar Airways studies offers from Boeing to replace a fleet of 34 freighters. read more

    'UNFORTUNATE'

    In October 2016, a year after becoming the A350's first European operator, Finnair reported paint damage, according to the message board. It later complained "paint is in very bad condition."

    Hong Kong's Cathay Pacific, which uses a different paint supplier, reported similar problems the same month. Almost a year later, it said it "continue(s) to experienced paint peeling problems on multiple aircraft."

    In one posting, it disclosed that problems had been found on an A350 just two weeks after delivery.

    "We can confirm that we have experienced some issues with A350 painting, and have been working together with ... Airbus to solve these issues," a Finnair spokesperson said, adding the problem was "cosmetic, but naturally unfortunate."

    Cathay Pacific confirmed some of its A350s had experienced "to some extent cosmetic deterioration." The issue has been fully investigated and there is no safety impact, it said.

    By October 2017, the messages show, Lufthansa had also found areas of peeling, some spanning more than a square metre.

    Lufthansa said occasional cosmetic defects had been corrected and that safety had never been affected.

    MAKING PAINT STICK

    Paint has played a major branding and diplomatic role in the jet age, projecting the image of airlines and nations across the world. But a switch to new lightweight jets brought a hitch.

    When Airbus 15 years ago launched the A350, it chose to follow Boeing's new 787 in using carbon-fibre instead of metal.

    Experts say the lighter jets consume less fuel but are harder to deck out in a way that makes paint stick.

    The new jets also need a layer of metallic mesh to dissipate lightning strikes because carbon-fibre is not conductive.

    Finally, unlike metal, carbon does not expand and shrink as temperatures change. Yet paint does, resulting in a tug of war between plane and paint that can cause peeling over time.

    Problems reported by Qatar Airways and some - though far from all - other A350 operators suggest this is happening earlier than expected, two people familiar with the design said.

    The problem may have been compounded by the paint's especially weak adhesion to titanium rivets, they added.

    Some industry experts have questioned whether other manufacturing flaws may also have contributed to the problem.

    Pictures submitted on the message board by Finnair in 2019, seen by Reuters, appear to show corroded or missing mesh known as Expanded Copper Foil. Finnair and Airbus declined to comment on the photos, but Airbus officials said that particular problem may have stemmed from an early production issue, since resolved.

    "We have seen no effect on the structure of the aircraft and operators continue to fly with high levels of operational reliability," A350 Chief Engineer Miguel Angel LLorca Sanz said of the broader paint issue.

    "This is not at all affecting the lightning strike protection due to the substantial (safety) margins ... It is not at all an airworthiness issue," he said in an interview.

    Airbus is nonetheless looking at updating the lightning system to a more flexible material called Perforated Copper Foil, industry sources said.

    Airbus confirmed it is one option under review.

    That still leaves a war of words over existing planes sitting idle with their windows taped up in Qatar.

    Photographs obtained by Reuters show cracked or missing paint and exposed or corroded lightning protection on at least two of the jets.

    Now regulators must try to break an impasse over whether that kind of damage is within the allowable margins for dealing with lightning, which Airbus insists would still wash safely over the jet. That in turn may determine whether compensation clauses will be triggered.

    While European regulators have said there is no evidence of safety risk, Qatar is pressing for deeper analysis and shows no immediate signs of backing down.

     

    https://www.reuters.com/business/aerospace-defense/costly-airbus-paint-flaw-goes-wider-than-gulf-2021-11-29/

  6. Respondendo ao Luckert, praticamente trocou seis por meia dúzia, assim como as outras jogou a dívida pra frente.

    em 30/09 Liabilities  $18,763 millions

     

    O plano:

    convertible notes (A)   1,467

                                (B)    1,373

                                (C)    6,816

    finance lease               1,798

    operating lease           2,837

    troca DIP por novo     2,750

    Spare engine                 273

    PDP financing                 98

    Emissão de ações         800

    total                         18,212   dif 551 milhões que podem ser em função da renegociação de leasings, redução de juros, desconto de fornecedores, etc.

  7. Azul S.A., “Azul” ou “Companhia”, (B3:AZUL4, NYSE:AZUL), atualiza o mercado sobre os recentes eventos acerca da proposta de combinação de negócios com a LATAM Airlines Group S.A. (“LATAM”).

    Conforme divulgado pela LATAM em documento público arquivado em 26 de novembro de 2021, a Azul esclarece que apresentou confidencialmente em 11 de novembro de 2021, juntamente com alguns credores da LATAM, uma proposta não-vinculante referente a uma combinação de negócios com a LATAM (“Proposta”). A Proposta inclui a prospecção de aproximadamente US﹩5 bilhões de financiamento em ações (“Novo Capital”) garantido por alguns membros do grupo ad hoc de credores da LATAM, composto por várias instituições financeiras (“Credores Ad Hoc da LATAM”).

    De acordo com a Proposta, a participação na empresa combinada seria compartilhada entre os atuais acionistas da Azul, os credores da LATAM que receberiam compensação em ações, e os participantes do Novo Capital. Além disso, Azul e Credores Ad Hoc da Latam acordaram que a governança da empresa combinada seria composta por um grupo independente de conselheiros, garantindo o alinhamento entre os interesses dos acionistas da empresa combinada.

    A Azul acredita que a Proposta proporcionaria um crescimento significativo da malha aérea, com expansão no número de destinos e maior conveniência, produtos e serviços, beneficiando os clientes tanto da Azul como da LATAM. Esses benefícios gerariam sinergias estimadas em mais de US﹩4 bilhões em valor de mercado incremental acima do plano independente da LATAM, o que proporcionaria, portanto, grande criação de valor para os acionistas da Azul e maior recuperação para todos os credores da LATAM, respeitando as regras do processo de Chapter 11 dos EUA.

    O plano autônomo apresentado pela LATAM é, por definição, incapaz de gerar sinergias a partir desta combinação de negócios. Além disso, neste momento o valor da empresa no plano apresentado pela LATAM é maior do que a Azul acredita ser razoável, especialmente tendo em vista as contínuas incertezas no setor, especialmente nos mercados internacionais de longa distância.

    Como resultado, a Azul continuará focando em suas vantagens competitivas exclusivas proporcionadas por sua malha única e sua frota flexível, complementada pelo alto potencial de crescimento de negócios como a Azul Cargo, Azul Viagens e TudoAzul, e avaliando futuras oportunidades de parceria e consolidação.

    A Azul manterá o mercado atualizado sobre quaisquer novidades.

    Assessoria de Imprensa

    • Haha 10
  8. Com isso vão estender o prazo de validade por pelo menos +2 anos.

    https://www.df.cl/noticias/empresas/industria/roberto-alvo-tras-el-plan-de-reorganizacion-de-latam-es-una-estructura/2021-11-27/114103.html

    Cuetos & friends que somados tinham +50% das ações e detinham o controle, com a diluição e os novos aportes vão ter no máximo 27 a 33% (cada fonte diz um número), mas vão poder indicar 4 dos 9 diretores, os novos donos (os credores vão ficar com 67 a 70% da LTM 2.0) e vão poder indicar 5 diretores, mas não vão poder mexer na administração, fazer fusão, venda de ativos , etc, por pelo menos 2 anos após o juiz bater o martelo.

  9. LATAM AIRLINES GROUP APRESENTA PLANO DE REORGANIZAÇÃO APOIADO PELAS PRINCIPAIS PARTES INTERESSADAS PARA FORTALECER A ESTRUTURA DE CAPITAL E A SUSTENTABILIDADE DE LONGO PRAZO

    O PLANO ESTABELECE UMA PLATAFORMA DE SAÍDA DO CAPÍTULO 11 POR MEIO DE UM ABRANGENTE ACORDO DE APOIO À REESTRUTURAÇÃO (RSA) COM O GRUPO AD HOC DE CREDORES DA MATRIZ E ACIONISTAS MAJORITÁRIOS

    INJETARIA APROXIMADAMENTE ATÉ US$ 8,19 BILHÕES DE NOVOS RECURSOS NO GRUPO POR MEIO DE UMA COMBINAÇÃO DE AUMENTO DE CAPITAL, TÍTULOS CONVERSÍVEIS E DÍVIDA, CUMPRINDO ASSIM COM AS LEGISLAÇÕES NORTE-AMERICANA E CHILENA

    O PLANO FORTALECERÁ O BALANÇO, LIQUIDEZ E ESTRUTURA DE CAPITAL PARA OPERAÇÕES FUTURAS DA LATAM

    Santiago (Chile), 26 de novembro de 2021 – O LATAM Airlines Group S.A. (“LATAM”) (SSE: LTM) e as suas afiliadas no Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Peru e Estados Unidos anunciaram hoje a apresentação de um Plano de Reorganização (“o Plano”), que descreve a forma para que o grupo saia do Capítulo 11, em conformidade com as legislações norte-americana e chilena. O Plano é acompanhado por um Acordo de Apoio à Reestruturação (RSA, na sigla em inglês) com o Grupo Ad Hoc de Credores da Matriz, que é o maior grupo de credores sem garantia nestes casos do Capítulo 11, e certos acionistas da LATAM. O RSA registra o acordo e o apoio entre a LATAM e os referidos detentores de mais de 70% das reclamações sem garantias da matriz, os detentores de aproximadamente 48% dos títulos nos EUA datados em 2024 e 2026, e os certos acionistas detendo mais de 50% das ações ordinárias, sujeito à execução de documentação definitiva pelas partes e obtenção de aprovações corporativas destes acionistas. Assim como têm feito ao longo de todo o processo, todas as empresas do grupo seguem operando de acordo com as condições de viagens e demanda permitidas.

    “Os últimos dois anos foram marcados por dificuldades em todo o mundo: perdemos amigos e familiares, colegas e entes queridos. Assim enfrentamos a maior crise da aviação que, na prática, paralisou o setor aéreo. Apesar do nosso processo ainda não ter terminado, alcançamos um marco fundamental no caminho para um futuro financeiro mais sólido”, aponta Roberto Alvo, CEO do LATAM Airlines Group S.A. “Agradecemos a quem participou do processo de mediação robusto para chegarmos a este resultado, que inclui de maneira considerável todas as partes interessadas e apresenta uma estrutura ajustada às legislações norte-americana e chilena. A injeção significativa de capital novo em nosso negócio é uma prova de seu apoio e confiança em nossas perspectivas de longo prazo. Agradecemos imensamente aos esforços da excepcional equipe da LATAM, que tem superado as incertezas dos últimos dois anos e permitido que o nosso negócio siga operando e que possamos continuar atendendo aos nossos clientes da melhor maneira possível”.

    Visão geral do plano

    O Plano propõe a injeção de US$8,19 bilhões ao grupo por meio de uma combinação de capital novo, títulos conversíveis e dívida, que permitirá ao grupo sair do Capítulo 11 com a capitalização adequada para executar seu plano de negócios. Após a saída, a LATAM deverá ter uma dívida total de aproximadamente $ 7,26 bilhões1 e liquidez de aproximadamente $ 2,67 bilhões O Grupo determinou que esse é um nível de endividamento conservador e uma liquidez adequada em um período de incerteza contínua para a aviação mundial, que permitirá um melhor posicionamento do grupo para futuras operações.

    De forma específica, o plano aponta que:

        • Após a confirmação do Plano, o grupo pretende lançar uma oferta de direitos de capital por meio da emissão de ações ordinárias no valor de US$800 milhões, que será aberta a todos os acionistas da LATAM, respeitando os seus direitos de preferência conforme a legislação chilena vigente, e que estará totalmente respaldada pelos participantes do RSA, sujeito à execução de documentação definitiva e, em respeito ao apoio e respaldo dos acionistas, ao recebimento de aprovações corporativas.
        • Três classes distintas de títulos conversíveis serão emitidas pela LATAM, e serão oferecidos preferencialmente aos acionistas da LATAM. À medida que não forem subscritos pelos acionistas da LATAM durante o respectivo período de direito de preferência:
          • Títulos conversíveis de Classe A serão fornecidos a certos credores gerais sem garantia da matriz da LATAM como liquidação por suas reclamações permitidas no plano;
          • Títulos conversíveis Classe B serão inscritos e adquiridos pelos acionistas referenciados acima; e
          • Títulos conversíveis Classe C serão oferecidos a certos credores sem garantia em troca de novas contribuições de capital para a LATAM e da liquidação de suas reclamações de crédito, sujeitas a certas limitações e impedimentos por parte dos participantes.
            Os títulos conversíveis pertencentes às Classes Conversíveis B e C serão fornecidos, total ou parcialmente, em consideração de uma nova contribuição de capital no valor total de aproximadamente US$ 4,64 bilhões, totalmente respaldado pelas partes envolvidas no RSA, sujeito ao recebimento de aprovações corporativas pelos acionistas apoiadores.
        • A LATAM também vai levantar U$500 milhões em uma nova linha de crédito rotativo e aproximadamente US$2,25 bilhões em financiamento de dívida por meio de novos recursos, seja por meio de um novo empréstimo a prazo ou com novos títulos; e
        • O grupo também fez uso, e pretende fazer uso, do Capítulo 11 para refinanciar e alterar os contratos de leasing anteriores ao processo, a linha de crédito rotativo e a linha referente a motores de reposição.

    Informações adicionais

    A audiência para aprovar a adequação da Declaração de Divulgação do Capítulo 11 e dos procedimentos de votação está prevista para ser realizada em janeiro de 2022, com um calendário específico que dependerá do Tribunal. Se aprovada a Declaração de Divulgação (Disclosure Statement), o grupo iniciará o processo de solicitação para buscar a aprovação do plano por parte dos credores. A LATAM solicita que a audiência para confirmar o plano seja realizada em março de 2022.

    Documentação:

    Infográfico  https://www.latamreorganizacion.com/wp-content/uploads/2021/11/Project-Charlie_LATAM-Airlines-Media-Fact-Sheet_Portuguese_FINAL_11.26.21_9PM-EST.pdf

    Complete report   https://www.latamairlinesgroup.net/static-files/0159637a-fe05-478d-8d53-4e775a48a0a2

    https://www.latamreorganizacion.com/wp-content/uploads/2021/11/126021906188-rep-2611102025-1_compressed-1.pdf

    https://www.latamreorganizacion.com/wp-content/uploads/2021/11/Material-Fact-1-Plan-of-Reorganization-complete.pdf

    https://www.latamreorganizacion.com/

    • Like 1
    • Thanks 2
  10. https://www.nlarenas.com/2021/11/ecuatoriana-airlines-anuncio-incorporacion-3-aviones/

    La aerolínea Ecuatoriana Airlines anunció la firma del acuerdo para incorporar 3 aviones del modelo Dash 8-Q400.   (EU by Nella?) :lol:

    Muchos me preguntan seguido qué novedades han habido con Ecuatoriana Airlines y su proceso de certificación, por lo que hoy tenemos novedades.

    Tras varios meses sin tener nueva información concreta sobre los avances en el proceso de esta aerolínea en formación, podemos informar que:

    El inicio de operaciones está previsto para el 2022.

     

    De dónde y cuándo llegarán?

    Por ahora no se ha logrado conseguir más información sobre cuándo estaría arribando al país la primera aeronave, pero tal vez sí podamos saber de dónde vendrán.

    Investigando a la empresa ACC Aviation encontramos que esta se encontraba desde septiembre trabajando con la empresa US-Bangla Airlines para la reubicación de tres Q400 y sus respectivos repuestos.

    spacer.png

     

  11. https://www.nlarenas.com/2021/11/asi-es-equair-la-nueva-aerolinea-ecuatoriana/

    POR NICOLÁS LARENAS · PUBLICADA 16/11/2021

     

    EquinoxAir presentó su marca comercial oficialmente, nace así EquAir la nueva aerolínea ecuatoriana.

    Se reveló el misterio, la marca comercial de esta nueva aerolínea será EquAir y fue presentada oficialmente durante un evento en Quito.

    EquAir, la nueva aerolínea en Ecuador

    Como aerolínea doméstica y chárter en su primera fase desarrollo, EquAir es la nueva aerolínea ecuatoriana que entrará a competir con LATAM y Avianca en su ruta inicial entre Quito – Guayaquil y Galápagos.

    El 16 de noviembre en un evento en Quito se presentó su imagen corporativa como planes de desarrollo. 

    Su flota estará conformada inicialmente por dos Boeing 737-700, los cuales iniciarán su traslado al país en los próximos días, habrá post específico sobre este punto.

    La imágen referencial de la pintura de sus aviones corresponde a un Boeing 737 MAX, únicamente con fines ilustrativos.

    Uniformes

    De manera oficial, y de la mano de personal de la aerolínea, fueron también revelados los uniformes oficiales de la aerolínea. Comparto una galería de fotos al respecto:

    uniformes aerolinea equair
    uniformes aerolinea equair
    uniformes aerolinea equair
    uniformes aerolinea equair
    uniformes aerolinea equair
    uniformes aerolinea equair
     

     

     

    Rutas

    En la primera etapa, la aerolínea operará estas rutas, más detalles como horarios y frecuencias en una próxima entrega:

    • Quito – Guayaquil – Baltra
    • Quito – Guayaquil – San Cristóbal

    Inicio de vuelos

    Durante el evento de lanzamiento de la marca, se reveló la fecha de inicio de operaciones y vuelos regulares domésticos:

    • 15 de diciembre de 2021.

    Página web

    Los boletos se encuentran ya disponibles a la venta en la web de la aerolínea:

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade