Jump to content

TheJoker

Usuários
  • Content Count

    16,324
  • Joined

Posts posted by TheJoker

  1. A Aena Brasil informa que, em inspeção regular, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) requereu uma série de ações, principalmente relativas à revitalização da pintura de sinalização horizontal dos Aeroporto de Maceió e do Recife. Essa solicitação não afeta em nada a movimentação nem a segurança dos aeroportos, que seguem operando normalmente com todos os pousos e decolagens regulares. Também não foi registrada nenhuma queixa de companhias aéreas. A revitalização da pintura já foi começada pela Aena Brasil nos dois aeroportos, e os trabalhos devem ser concluídos na próxima semana, quando deverão ser suspensas as portarias provisórias.

     

    https://www.cadaminuto.com.br/noticia/2021/10/16/anac-proibe-ampliacao-de-voos-para-o-aeroporto-de-maceio

  2. Também, a capacidade de CGH 3.235 emb + 3.645 desemb = 6.880 pax/hora x 16h x 6 (sab e dom é metade) x 52 semanas 365 dias = 34.3 milhões e já teve +22.

    6880 / 32-33 = 215-208 pax

    foi calculada com A321 que nem opera :lol:  coisas de Infraero

    537 mov/dia x 6 x 52 = 167.544 mov x 150 pax = 25.1 milhões é + realista

    https://transparencia.infraero.gov.br/wp-content/uploads/2021/04/DECLARAÇÃO-DE-CAPACIDADE-W21-SBSP.pdf

  3. 10 minutes ago, Leandrinho said:

    E como o Governo afirma então, categoricamente, que vão aumentar a quantidade de pontes?

    Pode não constar no PEA, mas devem colocar no edital definitivo, acredito.

    Pois é, falam que vão liberar inter em CGH, não li nada sobre ter que criar um setor/terminal pra processar pax inter...normalmente publicavam assim:

    Aeroporto de Porto Alegre – Salgado Filho

    7.1. Para a Fase I-B do Contrato, com prazo máximo de duração de 26 (vinte e seis) meses a partir da Data de Eficácia do Contrato, a Concessionária deverá realizar os investimentos necessários para disponibilizar os sistemas permanentes, que possibilitem a prestação de serviço adequado aos Usuários, conforme abaixo:

    7.1.1 Ampliar a capacidade de processamento de passageiros e bagagens no aeroporto, incluindo terminal de passageiros, estacionamento de veículos e vias terrestres associadas, com área e equipamentos equivalentes aos adequados para processar simultaneamente no aeroporto pelo menos:

    7.1.1.1    2.350 (dois mil trezentos e cinquenta) passageiros domésticos em hora pico durante o embarque;

    7.1.1.2    1.850 (hum mil oitocentos e cinquenta) passageiros domésticos em hora pico durante o desembarque; 7.1.1.3 400 (quatrocentos) passageiros internacionais em hora pico durante o embarque;

    7.1.1.4 400 (quatrocentos) passageiros internacionais na hora pico durante o desembarque;

    7.1.1.5 14 (quatorze) pontes de embarque e respectivas posições de pátio, com área equivalente à adequada para atender, de forma simultânea e independente, a 12 (doze) aeronaves Código “C”, 1 (uma) aeronave Código “D” e 1 (uma) aeronave Código “E”.

     

    Nessa rodada não tem em nenhum deles.

  4. 7.46. Para a Fase II do Contrato, deverão ser realizados os investimentos de adequação da infraestrutura aeroportuária, em especial, em terminais de passageiros, pátios de aeronaves, sistema de pistas de pouso e decolagem, sistema de pistas de rolamento e vias de acesso, de forma a prover capacidade adequada para o atendimento da demanda de passageiros, veículos e aeronaves.

     

    Ou seja, só quando crescer a demanda.

  5. A Audiência Pública está agendada para o dia 27 de outubro, às 14h. 

     

    Vendo o PEA, SDU e CGH não tem exigências de aumento de posições ou pontes, só adequação de pistas/twys, iluminação nas cabeceiras.

    BEL  7.14.2 Disponibilizar pátio de aeronaves para acomodar, de forma simultânea e independente, 15 (quinze) posições código “C” e 2 (duas) posições código “E”.

    MCP  7.17.2 Disponibilizar pátio de aeronaves para acomodar, de forma simultânea e independente, 3 (três) posições código “C”.

    CGR  7.23.2 Disponibilizar pátio de aeronaves para acomodar, de forma simultânea e independente, 11 (onze) posições código “C”.

    CMG  7.27.2 Disponibilizar pátio de aeronaves para acomodar, de forma simultânea e independente, 4 (quatro) posições código “C”.

    STM  7.33.2 Disponibilizar pátio de aeronaves para acomodar, de forma simultânea e independente, 5 (cinco) posições código “C”.

    MAB  7.36.2 Disponibilizar pátio de aeronaves para acomodar, de forma simultânea e independente, 4 (quatro) posições código “C”.

    O resto 3 posições C no máximo.

     

  6. 17 hours ago, LipeGIG said:

    Sendo simplista que isso gera só embarque doméstico e que não tem potencial de alavancar voos internacionais ? 

    2019  VCP   9.6 pax/milhões dom.  (CNX 5.2 milhões  54%)  inter 977k        inter/dom  10,2%

              GIG   9.2                                                                                 4.3 milhões               46,7%

     AD no GIG  18.8                                                                              5,1                            27,1%   

    total 23.9 milhões/ano vs outorga R$1.2 bi + 122 milhões juros + 177 milhões amortização = R$1.5 bi

                                                    = R$62,50 custo médio por pax

     

             GRU  28.2                                                                             14.8                           52,5%       

    total  43 milhões vs outorga R$1.5 bi +289 milhões juros +437 milhões amortização dívida = R$2.2 bi

                                                  = R$51,20  por pax

    outra simulação

    AD no GIG                                  + parte das CNX dom/inter de GRU

       dom  18.8                                                                                  9.9                             52,5%

    total 28.7  / R$1.5 bi   = R$52,30

     

    Só explicando porque eu disse que pro GIG ser aproximar de GRU, precisaria fechar  VCP e ainda trazer parte do inter de GRU. 

    E GRU não dá lucro....             

     

  7. https://www.mercadoeeventos.com.br/noticias/aviacao/latam-elimina-check-in-e-agiliza-processos-de-compra-e-embarque/

    Por Pedro Menezes em 15/10/2021

    Neste segundo dia de “Latam Experience”, evento digital e gratuito promovido pela Latam Brasil que discute os rumos do setor, Juliana Rios, VP de TI e Digital, e Rafael Walker, diretor de Customer Care, debateram “as Tendências de Mercado e Customer Experience (experiência do cliente)”. Uma série de novidades já chegaram e estão chegando para mudar a relação do cliente com as viagens. E uma delas é a extinção do check-in obrigatório.

    “Que valor o check-in agrega ao cliente? O passageiro que já comprou a passagem, já escolheu o assento, ainda tem que estar atento dias antes para entrar no sistema e fazer o check-in? Então a gente eliminou o check-in na Latam. Na hora da compra, o viajante já seleciona o assento, emite o bilhete e já recebe a primeira versão do seu cartão de embarque, que vai automaticamente sendo atualizado a medida que chega a hora de voar, com informações como portão de embarque, que podem ser modificadas ou até mesmo definidas perto da hora do voo”, disse Juliana.

    Ainda segundo a VP, a experiência de compra do cliente no site da Latam está 40% mais rápido em média, do começo ao fim, em comparação com a experiência digital anterior da compra de passagens.

    “A pandemia mudou nosso comportamento, nosso dia a dia. A comparação não é mais no mesmo setor, os passageiros querem viver a experiência completa, se auto servir. E a gente quer que a Latam seja uma companhia digital, com conceito que faz com que o cliente pense que a companhia está na mão dele, para interarir de maneira autônoma e construir sua experiência ao longo do seu momento. Uma plataforma que tenha consistente, traga informação e possibilidade independente do momento e canal que o cliente está interagindo, criando uma experiência mais completa e eficiente para o cliente”, destacou Juliana.

    Pandemia acelera mudança de comportamento

    Já de acordo com Rafael, a pandemia acelerou uma série de mudanças de comportamento, como a digitalização. “O cliente, mais do que nunca, quer tudo de maneira imeditada, sem fila, sem contato, com processos mais digitais e rápidos. Outro ponto é que o cliente está muito mais conectado e o terceiro ponto é que o consumidor hoje consome muito mais do que o produto em sí. O importante é o que o produto significa para a comunidade dele, para o mundo”, disse o diretor.

    Reconstrução da Latam

    Muito mais do que a reconstrução por conta do Chapter 11 nos Estados Unidos, a Latam está se reconstruindo digitalmente, investindo em três pontos: sustentabilidade, transformação digital e a relação com a comunidade onde opera.

    “A Latam está se reconstruindo de uma maneira diferente, mais digital e mais humana. A transformação mais urgente foi toda a restruturação operacional e financeira que o grupo vem passando, o que nos permite abrir novas rotas. Além disso, há ainda a questão da sustentabilidade, que vai nos permitir ser pioneiros na aviação neste quesito, cuidando das futuras gerações. Há também a transformação digital, a qual decidimos fazer desde 2019 e que foi acelerada com a pandemia, com uma revolução total da experiência do cliente, e a relação com a nossa comunidade para sermos mais empáticos e simples”, disse Rafael.

    Whatsapp, um novo jeito de fazer compras e ‘Ready to Fly’

    A Latam começou a utilizar o Whatsapp para avisar os clientes sobre o atraso nas bagagens, uma medida que foge ao processo obrigatório de baixar aplicativos, por exemplo. Agora, uma novidade que é muito esperada, é a possibilidade de comprar a passagem usando a combinação de milhas e dinheiro, o que deve ser implementado em breve. “Vamos proporcionar uma experiência ainda melhor”, disse a VP de TI e Digital da Latam.

    Já o “Ready To Fly” tem o conceito do passageiro chegar ao aeroporto e não interarir com ninguém, indo direto para aeronave, algo que será viabilizado pela Latam com investimentos em biometria e conferência de documentação antecipada.

    Tecnologia para os agentes

    Para todas essas inovações, como a nova plataforma, a ideia é que sejam disponibilizados para os clientes e agentes de viagens. “Queremos estar cada vez mais conectadas para prover uma experiência muito melhor para o cliente final através destes profissionais. Essa parceria é estratégica para a gente”, finalizou Juliana.

  8. 4 hours ago, Delmo said:

    Tem mezanino no T1?!

    Tem em cima do raio x, era usado com área administrativa.

     

    Postado em nov19, na pág 13 desse tópico.

    Azul is the only airline using terminal one at Guarulhos, and Mr Pita explained the airport is “doing some work there to improve the passenger experience” in that space, including a new food court utilising the mezzanine space, and a new apron that will accommodate up to six widebody aircraft.

    https://corporatetravelcommunity.com/sao-paulo-guarulhos-upgrades-terminal-one-to-accommodate-azuls-expansion/

     

    outra fonte

    https://www.guarulhoshoje.com.br/2019/10/01/novo-patio-de-aeronaves-do-aeroporto-de-guarulhos-ainda-nao-tem-previsao-de-inauguracao/

     

    Terminal 1 tem obras para aumentar a capacidade de passageiros

    O Aeroporto de Guarulhos está com três obras em andamento, sendo o novo pátio para aeronaves, além da expansão da área para check-in de conexão no Terminal 3 e o aumento da capacidade de passageiros no Terminal 1, para acomodar o crescimento da companhia aérea Azul no local, segundo a concessionária.

  9. 3 hours ago, Delmo said:

    Não sei o que achar.

    Em horário de pico fica tão apertado quanto o T2 cheio.

    Mas pra conexão é mais ágil.
    as opções de sobrevivência pra comer são bem menos.

    Devem melhorar, estavam fazendo obras no mezanino antes da pandemia.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade