Jump to content

Comte Curtiss

Usuários
  • Content Count

    1,347
  • Joined

  • Last visited

About Comte Curtiss

Previous Fields

  • Cidade/UF/País
    Sao
  • Data de Nascimento
    20/11/1950

Profile Information

  • Gender
    Male
  1. No passado a operaçao de Congonhas era voltada para regionais e voos mais curtos como Ponte Aerea,Belo Horizonte Brasilia,Curitiba,Porto Alegre,etc Acho que faz muito mais sentido um passageiro com voo curto embarcar em Congonhas do que Guarulhos.O passageiro que for a Fortaleza,Manaus,etc pode ir a Guarulhos,o que for a Araçatuba,Ribeirao Preto,etc precisa da opçao do aeroporto central ou nao compensa o aviao
  2. Video Horrivel !Imagina escutar isto antes de cada voo!
  3. O fato ´que é uma vergonha este plano, querm vender slots para salvar algum $ para os Fundos,o resto dos credores e funcionarios vao dançar.Tal qual foi quando a Gol comprou slots da Varig.Oxala este Governo impeça esta falcatrua e recolha os slots
  4. Feriadao+Mal Tempo = Desastre A probabilidade de ter excedido os minimos é alta.Eu disse probabilidade,vamos aguardar conclusoes do Cenipa
  5. mais algumas fotos:https://youtu.be/u4Fr6X9Pl4g
  6. Foi um bom negocio, o navio esta em otimas condiçoes e com meia vida util.É uma plataforma que permite manter um bom nivel de treinamento e apoio em operaçoes na plataforma maritima,alem de que a Aviaçao Naval precisa ser mantida independente e reforçada
  7. http://www.svd.se/naringsliv/branscher/industri-och-fordon/har-flyger-brasilianska-piloter-jas-39-gripen_4321085.svd
  8. Eu ja deixei celular ligado por esquecimento mais de uma vez,ao chegar no destino verifiquei varias mensagens de texto de operadoras de paises que sobrevoamos dando as boas vindas,portanto o sinal pega sim
  9. Estes avioes vendidos por Portugal serao substituidos por algum outro modelo ou trata-se de reduçao da Força Aerea e quantos permanecem ativos?
  10. Denise Chrispim Marin, de Washington WASHINGTON - Em uma guinada inesperada pela Embraer, a Força Aérea dos Estados Unidos (USAF) cancelou na tarde desta terça-feira, 28, sua decisão de comprar 20 aviões A-29 Super Tucano, a serem destinados ao front no Afeganistão. O valor desse contrato, ainda não assinado, alcançaria US$ 355 milhões. Embora justificada por "problemas de documentação", a decisão foi motivada sobretudo pela pressão da oposição republicana e de políticos do Estado do Kansas, onde está instalada a sede da Hawker Beechcraft, a rival americana da Embraer. "Apesar de buscarmos a perfeição, nós às vezes não atingimos nosso objetivo. E quando isso acontece, temos de adotar medidas de correção", afirmou o secretário da USAF, Michael Donley, por meio de um comunicado. "Dado que a compra ainda está em litígio, eu somente posso dizer que o principal executivo responsável pelas aquisições da Força Aérea, David Van Buren, não está satisfeito com a qualidade da documentação que definiu o vencedor". De acordo com a USAF, o diretor da área de equipamentos, Donald Hoffmann, determinou a abertura de uma investigação sobre o processo de licitação. A porta-voz da Força Aérea, Jennifer Cassidy afirmou não saber quando o processo de compra será retomado. Tampouco detalhou as razões do cancelamento. Apelação Em janeiro, a Hawker contestou na Corte Federal de Apelação a decisão da Força Aérea americana de desqualificá-la na licitação para a compra de caças leves, tomada no mês anterior. Única concorrente, a Embraer foi declarada vitoriosa. A decisão judicial era esperada entre o final de fevereiro e o início de março sem causar preocupação para a empresa brasileira. Segundo um alto executivo da Embraer, a escolha da USAF se mostrara consistente com as exigências da licitação, e os argumentos da Hawker eram "frágeis". Além da Embraer, o Itamaraty e o Departamento de Estado consideravam uma questão de semanas a emissão de um parecer positivo a esse negócio pela Justiça americana. A dissipação da incerteza na esfera judicial daria maior fôlego para a visita da presidente Dilma Rousseff a Washington, no próximo dia 9. Embora não estivesse entre os temas de discussão das equipes de Dilma e de Barack Obama, presidente dos EUA, o futuro contrato da USAF com a Embraer seria tomado como um exemplo da iniciativa da Casa Branca de atrair investimentos brasileiros capazes de gerar empregos em solo americano. A Embraer estava por decidir pela ampliação de suas instalações na Flórida, de forma a adequá-la à exigência de produção dos aviões nos EUA, ou pela montagem na planta de sua parceira nessa empreitada, a americana Sierra Nevada Corporation. Também alimentava a expectativa de ver a compra elevada a 55 unidades, em valor equivalente a US$ 950 milhões, e de receber encomendas de outros parceiros dos EUA na Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan). Desde a escolha da Embraer, oficializada em 30 de dezembro passado, a decisão da Força Aérea tem sido criticada duramente por políticos e tornou-se fonte de atritos entre os governos da Flórida e do Kansas. A derrota da Hawker Beechcraft significaria a perda de empregos em Wichita, Kansas, cidade em risco de ver sua fábrica da Boeing fechada. A opção da USAF pela Embraer havia se tornado também munição eleitoral contra o presidente Barack Obama. O pré-candidato republicano Newt Gingrich criticara pelo menos duas vezes a escolha dos aviões da Embraer. Em comunicado, o deputado federal Mike Pompeo, republicano de Kansas, afirmou ter chamado a atenção para o fato de "algo não cheirar bem" nessa licitação. "Estou contente por ter seguido os meus instintos e lutado pela Hawker Beechcraft e pelos empregos que ela gera em Kansas. Eu aplaudo a USAF por ter, finalmente, começado a eliminar esse véu de sigilo", afirmou.
  11. Meus parabens por dividir suas recordaçoes.Brilhante FR e que outos colegas nos escrevam outros FR "Vintage" Certamente serao bem recebidas lembranças de voos em outros tempos com Douglas, Constellation,Scandia,Convair,Curtiss, Viscount,etc.......Sao tempos de grandes recordaçoes e muitas estorias!
×
×
  • Create New...