Jump to content

Nando_VIX

Usuários
  • Posts

    23
  • Joined

  • Last visited

Everything posted by Nando_VIX

  1. Lipe é que o Brasil é um país de renda média inferior a 10mil dólares anuais. Qualquer aumento em produto que é demandado por todas as classes sociais vai gerar redução de demanda. No caso dos alimentos, compra-se os mais baratos do momento ou se deixa de comer. No caso das passagens se voa com aeronave vazia, cancela-se e se reposiciona aeronaves, devolve-se aeronaves ao lessor? A questão é que enquanto as refinarias não estão nas mãos do estado parcial ou totalmente, o qual investiria para ergue-las(ou compra-las de volta) e manter, penaliza-se a economia como um todo em momentos como esses. Uns deixam de voar , outros de tirar o carro da garagem e outros de comer. Em países de renda alta a paridade faz estrago menor, proporcionalmente, mas ainda assim, faz.
  2. Já se iniciou a nova malha da gol concentrando todo o possível no SDU ou é no fim do mês?
  3. O ideal era mesmo que o virus fosse contido cada vez que novo foco fosse descoberto, na Europa, nos EUA, Canadá e Japão, países que possuem moedas sólidas mais conversíveis que a de paises periféricos e podem se endividar sem maiores restrições fiscais ou balanço de pagamentos/ desvalorização das moedas/ fulga de capitais. Os governos até tentaram mas nós ocidentais devemos ter uma cultura que não aguenta o isolamento por tanto tempo irrestrito, gostamos de viver e aproveitar a vida e não ficar fazendo meditação transcendental para encontrar o suposto equilibrio rsrs. Talvez um governo autoritário como o de Pekin junto com a cultura chinesa que talvez preze mais a coletividade que o individual tenha se saído melhor. Já o governo autoritario e Putin teve uma das piores ondas de mortes. E um democrático como o da Nova Zelandia se saiu bem em número de mortes...casos multiplos a se estudar pra quem é de humanas, ciência tão importante como as outras pelo visto. Agora punir as companhias aéreas como as causadoras da pandemia isoladamente seria comico, nem se elas operassem com liberdade irrestrita não sujeitas a regulações diversas para operar no abre e fecha e a demanda por viagens quase inexistente em alguns momentos pandemicos e ainda reprimida, por legítimo medo de parte das pessoas em se aglomerar, antes das vacinas(e após), seria justificável para o estado alemão deixar uma Lufthansa falir, bem como as homonimas dos países vizinhos...
  4. As concessionárias confundem de propósito direito público com privado ao se meterem nessa questão...liberdade de mercado( e de interesses) A concessionária de CNF deveria então advogar pela reabertura irrestrita de PLU...
  5. Imagino que haja algum impacto na demanda por passagens aéreas de pessoas que trabalham/tem estadia curta e não podem chegar um dia ou dois depois no retorno para o trabalho... Inclusive, imagino que boa parte dos idosos aposentados de classe média-alta que costumavam viajar com frequencia mas que ainda evitam aglomerações. Devem ter retornado as viagens em parte com a queda nos obitos atribuida a cobertura vacinal...
  6. Interessante os números. Olhando pelo lado da AR, assumindo que o pib nominal feche 2021 em torno de USS450 bi, sem nenhum novo tombo, o que é recorrente na história argentina, um eventual subsidio de 450 milhões de dolares significa algo próximo a 1 milésimo do PIB (ou 0,1%). Parece pouco mas não é, mesmo que eles fossem um país desenvolvido, trata-se da alocação de recursos públicos... Para lá de ideologias, a conta que os peronistas-kirchneristas e oposição tem que fazer constantemente, é: quantos dolares a operação deficitária da AR ajuda a trazer por meio de suas operações internacionais e domésticas? Tem também a lenda que a AR, em suas opererações domésticas conecta certas cidades pequenas às maiores , cidades que historicamente acabam não sendo servidas pelas empresas privadas, levam órgãos/equipamentos medicos, toda uma questão logística de territórios pouco habitados, de conectar certas partes do país. Eles tinham criado recentemente um mini hub em Cordoba o que era interessante, por reduzir o fluxo de conexão no AEP, entre outras iniciativas. Li certa vez que a maior parte do deficit deles vem dos poucos destinos de operações longhaul, não sei se procede tal informação...
  7. Acontece que em 1980(base de comparação usada acima), a distância em PIB/capita da Argentina com o resto dos países da AL e Brasil era grande ainda, tirando a Venezuela se não me engano que tinha o maior PIB/capita. Enfim, Porcentagem é uma variável, valor absoluto é outra...
  8. Parece que em 2021 o crescimento interno seria "rebote" de 10%. Grande problema da Argentina desde 2001 foi a perda de credibilidade de parte da própria população que é poupadora e há décadas prefere fazer isto em dólares. Estima-se que os argentinos tenham o equivalente a quantia maior que o próprio PIB do país em dólares depositados no exterior ou em cofres-" em baixo do colchão". E essa cultura bi monetária deles ajuda a "retroalimentar" a disparada do dólar por lá em momentos de escassez da divisa ou de excesso de pesos que culturalmente demandam dólares. Enquanto aqui no Brasil ficamos amarrados ao teto de gastos primários( que controlam o orçamento menos juros) e o estado fica amarrado de fazer incentivos e investimentos que poderiam ser interessantes se bem coordenados a longo prazo, lá eles ficam de tempos em tempos amarrados ao FMI. Sintoma de América Latina de dois países próximos da renda média( 10 mil dólares/ano/capita) . Argentina ainda está na frente por paridade de poder de compra per capita e nominalmente considerando câmbio oficial. E o Brasil caiu nominalmente em dólares 30% em 2020....
  9. A pessoa física só sofre se for CLT ou funcionário público, com o imposto retido na fonte, e tabela que não é reajustada desde 2015. Se bem que os salários também não têm, em média, acompanhado muito a inflação de lá pra cá...
  10. Tudo que o GIG não precisava, perder os bancos de pouca mas existentes, de conectividade Gol...reflexo do dolar alto e barril do petróleo também alto, Itapemirim no GIG, Azul e Latam voando Oiapoque ao Chuí do SDU, etc...Vai adotar mesma estratégia que Azul e Latam no Rio.
  11. Moscow-Buenos Aires deve ser uma senhora distancia! Penso que muito mais fácil ter demanda de russos querendo as praias brasileiras que querendo ir a Buenos Aires, época que os próprios portenhos tentam fugir do calor para as praias de Mar del Plata, Uruguai, Santa Catarina, Rio, Bahia, etc. Mas deve haver alguma demanda turística talvez...
  12. Li em algum lugar que a Petrobras teria investido 80 bi para descobrir o Pré sal. Aí vem a lava-jato, sem tirar totalmente seu mérito inicial( com cooperação internacional com os EUA nas delações premiadas) e descobre 5 ou 6 bi de corrupção na empresa e usa-se o suposto moralismo de acabar com corrupção e despreza-se totalmente o investimento e esforço realizado pela estatal até então, que foi quem assumiu o risco, ao fazer as perfurações para prospecção e descoberta de novos campos, quando ninguém mais tomou o risco. Despreza-se também o seu papel estratégico como empresa energética e se vende suas refinarias(que reduziam os lucros e dividendos repassados aos acionistas) Enquanto aqui tivemos lava-jato, no congresso americano existe e sempre existiu uma coisa chamada de lobby legalizado e ninguém lá fica falando que é a corrupção que atrasa o país deles e empresas estratégicas, incluseive militares, não são punidas na mesma proporção como foram aqui a Petrobras, Odebrecht, OAS, tendo sido impedidas de seguir com diversos projetos em andamento. Nada contra recuperar dinheiro de corrupção bilhonária numa empresa pública/economia mista. Mas daí a frear/paralizar sua gestão para se apurar suposta corrupção. Isso deveria estar feito constantemente desde sempre. E Petrobrás deveria voltar a ter seu papel estratégico no país, mesmo que fosse necessário pegar de volta as ações dos acionistas e pagar-lhes o que tem direito pelo papel. E sobre superfaturamento, inclusive há relatos que construtoras multinacionais reservam um percentual do valor de suas planilhas de orçamento para o caixa 2, contando que ganhem o projeto, ou alguém pensa que as grandes contrutoras americanas, europeias, chinesas quando vencem concorrencias em seus países de origem( ou fora) o nível de propina é 0%?
  13. Pois é, a pesar de eu ser um defensor do GIG, prefiro uma Azul fazendo Cuiaba, POA, CWB, FLN, CNF, BSB, VIX , GYN, SSA, REC do SDU, adicionando mais non-stops ao RIO, do que entubando esses passageiros via GRU, VCP e CNF(caso houvesse uma restrição a 500 km conforme propõe a prefeitura). Mas penso que deveria ser respeitado um teto de movimentação no SDU até o GIG voltar a ter mais movimento ao invés de deixar que o mesmo seja ampliado a 15 milhões por ano conforme o edital...9 milhões já faz um estrago danado ao GIG, a propósito, desde 2008 quando dona Azul disse que queria montar seu hub no SDU e fez a Anac reabrir.
  14. Concordo com o argumento de reformas, principalmente a tributária no nosso caso, que toca muitos interesses e é onde mais se pode fazer justiça social, gerar simplificação, realocação de recursos. Por isso nunca acontece, ou fica travada no congresso ou senado lobista desde sempre...mas, fazendo uma outra análise histórica... os alemães foram além dessa receita de reformas "estruturantes" para ultrapassar a Inglaterra na segunda revolução industrial, os EUA terra da liberdade, era liberdade para empreender pra quem tinha as terras e armas pra se defender, lei do mais forte a la farwest até certo período, o estado lá só se fez mais presente com Roosvelt e o new Deal, quando ajudam a reerguer a Europa (e amarrá-la sob seu domínio) e se consolidam como "a potencia". A China mais recentemente, fez algo mais, além de atrair e esperar investimentos de multinacionais, eles tem multinacionais próprias agora também. A própria Inglaterra, de onde surgiu o conceito de liberalismo, contra as monarquias absolutistas, quando se tornou potencia na primeira revolução industrial, só conseguiu isto por meio de sua força naval(estado) assegurando mercados consumidores de suas manufaturas nos 4 cantos do mundo(Império onde o sol não se põe) e matéria prima em troca, ou seja era basicamente um monopólio deles com o mundo. Então diante desse breve apanhado histórico( rs), na minha opinião esperar o livre mercado por sí só para se desenvolver não funciona sozinho. Talvez funcione para quem já detenha tecnologias, capital financeiro e humano de qualidade, mas estes em geral, já são potencias normalmente. Penso então que o estado tem que ser também indutor do desenvolvimento que quer gerar, e aí entram diversas variáveis na possível "longa corrida de decolagem". O Brasil( E Am. do Sul ) deveria ir além de ser cassino financeiro, fazendão e jazidas minerais diversas....mas isso é assunto para outro forum rs, peço desculpas por fugir do tema do tópico!
  15. De que adianta desburocratizar apenas, tornar o Brasil o estado mais eficiente do mundo se não há aumento de renda real da população, se em dólares, (os custos do setor são em dolar boa parte) o PIB/capita não volta ao nível de 2014? Isso por si só não atrai empresas. Tornar o estado mais eficiente só resolve parte do problema, pois sobraria uma parte maior do orçamento para o estado voltar fazer investimentos em setores estratégicos ou mesmo nos que carecem de mais recursos. Velha história, o Pib precisa voltar a crescer gerando empregos de qualidade , não apenas bilionários, seja por investimentos privados( que só vem quando se vislumbram retornos em curto/médio prazo), ou seja pelo público(taboo!)...
  16. Saudade de quando existia Odebrecht( com a parte boa dela acumulada ao longo de décadas). Agora a "inflação" deve ser feita pela players estrangeiras ou nacionais que eventualmente tiverem entrado no seu market-share de domínio.
  17. Que maravilhoso se isto se tornar realidade, "antes tarde do que nunca"! Precisou de uma crise pandêmica para começarem a se mexer....E a concessionária certamente pressionando. Se nada for feito certamente a Changi sai fora cedo ou tarde.
×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade