Jump to content

F-BVFA

Colaborador
  • Content Count

    10,407
  • Joined

  • Last visited

About F-BVFA

  • Rank
    Stargazer

Previous Fields

  • Cidade/UF/País
    Jan Mayen
  • Data de Nascimento
    01/01/1980

Profile Information

  • Gender
    Male
  • Location
    Alexanderplatz, Berlin

Recent Profile Visitors

1,960 profile views
  1. As a consequence of Aigle Azur’s bankruptcy and the loss of the historical precedence of slots previously held by some airlines operating at Orly airport, a « pool » of 12335 slots was made available for reallocation at Paris-Orly airport. The French authorities decided to apply the provisions of Article 4 of January 28th, 2002 Decree on the use and reservation of some slots at Orly airport and to preempt the maximum of 20% of the pool for Public Service Obligations routes, thus reducing the size of the pool available for reallocation by the coordinator to 9868 slots. COHOR, appointed as Paris-Orly airport coordinator by the French Minister of Transport Order of August 27th, 1996 as modified and in accordance with the amended EU Regulation 95/93 of January 18th, 1993 on common rules for the allocation of slots at Community airports (Slot Regulation), distributed the entire pool on an annual basis considering the requests on waiting list for the Summer 2020 scheduling period (S20). The requests submitted by all airlines at Orly airport for the summer season only represent 232658 slots, i.e. almost the annual volume at which the airport is limited. The Slot Regulation as amended in July 2004 stipulates that carriers must clearly request the new entrant status and that half of the pool must be allocated between carriers’ requests with new entrant status. According to Article 10.6 « Among requests from new entrants, preference shall be given to air carriers qualifying for new entrant status under both Article 2 b) i) and ii) », meaning approximately and in a simplified manner, carriers with less than 5 slots per day at the airport AND intending to operate intra-Community flights on a route operated by less than 3 carriers. The carriers having claimed the new entrant status and fulfilling the requirements of Article 2b) i) of the Slot Regulation (carriers with less than 5 slots per day at the airport) are: Air Caraïbes Atlantique (3 weekly flights to Cayenne-Rochambeau, 1 daily flight to New York – Newark, 1 daily flight to Sao Paolo – Viracopos, 3 weekly flights to St-Maarten / Princess Juliana), Air Nostrum (2 daily flights to Madrid – Barajas), ASL Airlines France (2 daily flights to Alger, 1 daily flight to Bejaia, Belgrade, Djerba, Oran, Oujda, Tunis), Azul Brazilian Airlines (5 weekly flights to Sao Paolo – Viracopos), La Compagnie-Dreamjet (4 weekly flights to New York – Newark), EasyJet Airline (1 daily flight to London – Gatwick), Hop! (1 daily flight to Florence), Ryanair (2 daily flights to Dublin), Siberia Airlines ( 1 daily flight to Moscow – Domodedovo), Tassili Airlines (1 daily flight to Alger), Transavia Airlines C.V. (4 weekly flights to Beirut, Funchal, 2 weekly flights to Lanzarote, Manchester), Ukraine International Airlines (1 daily flight to Kiev Boryspil), Volotea (2 daily flights to Alger, Oran, 1 daily flight to Bejaia, Constantine, Setif, Tlemcen), Wizz Air (1 daily flight to Bucarest, Vienne). The carriers having claimed the new entrant status and fulfilling the requirements of Article 2b) ii) of the Slot Regulation (intra-Community flights with less than 3 carriers on routes) are: Chalair Aviation (5 weekly flights to La Rochelle – Laleu), EasyJet Switzerland (1 daily flight to Hanover), Vueling (1 daily flight to Bergamo – Orio al Serio, Santiago de Compostela, Turin, 5 weekly flights to Bologna, 4 weekly flights to Göteborg-Landvetter, Pisa, Warsaw – Chopin, Zagreb, 3 weekly flights to Jerez de la Frontera, 6 weekly flights to Munich – FJ Strauss). The carriers having claimed the new entrant status and fulfilling both the requirements of Article 2b) i) and those of Article 2b) ii) of the Slot Regulation (first regulation priority among applications with new entrant status) are: Anisec Luftfahrt GmbH (13 weekly flights to Vienna), Easyjet Airline (1 daily flight to Glasgow), Hop! (2 daily flights to Frankfurt and 2 daily flights to Munich – FJ Strauss), Lufthansa (2 daily flights to Munich – FJ Strauss), Transavia Airlines C.V. (2 weekly flights to Bristol, Glasgow, Liverpool, 1 weekly flight to Gran Canaria, 3 weekly flights to Krakow, Santiago de Compostela), Wizz Air (1 daily flight to Budapest, Sofia, Warsaw – Chopin). The airlines that have benefited from the slot pool allocation are (please click on “Attached Document” for further details): As new entrant (5110 slots) : Lufthansa (1460) : 2 daily flights to Munich [article 2b i) and ii) of the Slot Regulation] HOP! (1460) : 2 daily flights to Frankfurt [article 2b i) and ii) of the Slot Regulation] Wizz Air (1460) : 1 daily flight to Budapest and 1 daily flight to Sofia [article 2b i) and ii) of the Slot Regulation] Easyjet Airline (730) : 1 daily flight to Glasgow [article 2b i) and ii) of the Slot Regulation] As incumbents (4758 slots) : Air Caraïbes International : 1460 slots (equivalent to 2 daily flights) Corsair International : 1460 slots (equivalent to 2 daily flights) Transavia France : 1460 slots (equivalent to 2 daily flights) La Compagnie-Dreamjet : 312 slots (equivalent to 3 weekly flights) TAP Air Portugal : 66 slots for summer season only These slots were allocated on an annual basis and were based on submissions on the waiting list received for the Summer 2020 scheduling period (S20). However, carriers which are now receiving slots from this pool and willing to start their operations already during the present Winter 2019-2020 scheduling period (W19) will be allowed to do so. Those carriers will get the quota reserved for their year-round services during the upcoming Winter 2020 scheduling period (W20), provided that their new services really start during Summer 2020 scheduling period (S20) and that they duly confirm their year round operation requests by the industry submission deadline set for W20. All details of PSO slot allocation at Paris-Orly airport are available on Cohor website. (please click on « Attached Document » for further details) December 05th, 2019 Eric HERBANE Managing Director, COHOR http://www.cohor.org/en/ory-05122019-new-slot-pool-allocation/ ------------------ A Azul solicitou parte destes slots para operar VCP-ORY 5x semanais e não foi contemplada. Mas nada impede a companhia de servir CDG. A Air Caraibes solicitou para operar ORY-VCP e EWR diariamente além de ORY-SXM e ORY-CAY 3x semanais. Todos os pedidos totalizam quase 3 voos diários, a companhia recebeu slots para operar dois. Resta saber se irão utilizar algum em VCP.
  2. 05/12/2019 With a Dec. 7 deadline set by regulators looming, Hong Kong Airlines (HKA) said Dec. 4 it has drawn up a cash injection plan and received sufficient cash to pay its employees on Dec. 5. However, the airline did not reveal where the cash came from, although it is widely believed to be through its holding company, HNA Group, which had received a HKD4 billion ($569 million) loan from state-owned banks. On Dec. 2, Hong Kong’s Air Transport Licensing Authority (ATLA) gave Hong Kong Airlines until Dec. 7 to find either a new investor or avenue to inject cash into airline operations, or risk having its license revoked or suspended. The move followed HKA’s Nov. 29 statement that it would be holding back November salary for selected employees, with the exception of cabin crew and overseas employees. HKA had also said it was stopping IFE on its aircraft, likely because of its inability to pay suppliers or part of its cost-cutting measures. ATLA had said Dec. 2: “HKA’s financial position has deteriorated rapidly to such an extent that has severely impacted on HKA’s capability in meeting its obligations as an employer to pay salary and the probability of providing a satisfactory service under its license in respect of continuity and regularity of operation.” It is unclear if the new cash boost met the unspecified “satisfactory level” set by ATLA, which will decide Dec. 7 if it would suspend or revoke HKA’s license. After the ATLA warning Dec. 2, owners HNA Group secured a HKD4 billion from eight Chinese banks: China Development Bank, China Exim Bank, Bank of China, Agricultural Bank of China, ICBC, China Construction Bank, Postal Savings Bank of China and Bank of Communications. Each contributed CNY500 million to the pool. In addition, HNA transferred the majority shares of West Air to the Chongqing city government, which will now hold at least 70% of the LCC. The percentage and value of shares transferred was not disclosed. Chen Chuanren, chuanren@purplelightvisuals.com https://atwonline.com/airlines/hong-kong-airlines-receives-cash-injection
  3. South African Airways to Enter Into Bankruptcy Protection 5/12/19 By Paul Vecchiatto and Antony Sguazzin Last-ditch measure is aimed at preventing carrier’s closure SAA last made a profit in 2011, is reliant on state bailouts South Africa’s government will place the national airline under a local form of bankruptcy protection as a last-ditch measure to try and prevent its total collapse. State-owned South African Airways is entering a business-rescue process to allow a “radical restructuring” under which the carrier will receive 4 billion rand ($274 million) in funding, Public Enterprises Minister Pravin Gordhan said in a statement Thursday. The process will allow SAA to continue operating. “This is the optimal mechanism to restore confidence in SAA and to safeguard the good assets of SAA and help to restructure and reposition the entity into one that is stronger, more sustainable and able to grow and attract an equity partner,” Gordhan said. SAA, which last made a profit in 2011 and has received 57 billion rand in bailouts since 1994, has been struggling to pay its bills after the National Treasury balked at providing it with more funding. Its finances took a further hit when staff staged a pay strike last month, grounding a number of flights and causing bookings to be canceled on a number of others. South Africa’s Companies Act enables firms in financial distress to file for business rescue. If granted, a business-rescue practitioner is appointed to help the company reorganize and assess whether it can be turned around. Companies in the process of being rehabilitated are protected from liquidation and legal proceedings, enabling them to keep trading. Gordhan said the business-rescue process at SAA will include: Existing lenders to SAA will provide 2 billion rand of “post-commencement finance” guaranteed by the government and repayable out of future budget appropriations to enable SAA to continue to operate The Treasury will provide an additional 2 billion rand of funding in a “fiscally neutral manner” The full recovery of capital and interest on existing debt provided to SAA by existing lenders that is the subject of existing government guarantees will not be impacted by business rescue A review of the airline’s cost structure will be conducted, with a simultaneous effort to retain as many jobs as possible. SAA has more than 5,000 workers, and the SAA Group of companies employs thousands more. “This set of actions should provide confidence to customers of SAA to continue to use the airline because there will not be any unplanned stoppages of flights or cancellation of flights without proper notice should that be necessary,” Gordhan said. SAA spokesman Tlali Tlali said the company’s board will announce the appointment of business-rescue practitioners in “the near future.” It also plans publish a new provisional flight timetable “shortly,” he said in an emailed statement. Labor union Solidarity filed a lawsuit last month aimed at forcing the airline into business rescue, saying the measure was needed to guard the interests of workers and taxpayers whose money was being squandered. Other labor unions, such as the National Union of Metalworkers of South Africa, have opposed talk of restructuring the airline or selling a stake to private investors. That’s in line with most unions in South Africa, which have threatened strikes if the government attempts to reorganize state companies and cut jobs. Taxpayer Burden “By placing South African Airways under business rescue, the South African government effectively outsources the hitherto politically unpalatable (but essential) work of restructuring the failing national carrier to non-ANC hands,” said Daniel Silke, the director of Cape Town-based Political Futures Consultancy, in a Twitter posting. The ANC is South Africa’s ruling African National Congress. The main opposition Democratic Alliance welcomed the government’s decision to voluntarily place the carrier into business rescue, saying this was the only viable option to prevent it from placing any further burden on the economy and taxpayers. “The business practitioner who is appointed must take robust action to immediately cut costs at SAA,” DA lawmaker Alf Lees said by email. With business rescue will come an obligation for government guarantees to be honored, which will require “an increase in sovereign borrowings that in turn will increase debt-service costs and place a further burden on taxpayers.” — With assistance by Liezel Hill (Updates with minister’s comments from second paragraph) https://www.bloomberg.com/news/articles/2019-12-04/south-african-airways-to-be-placed-into-business-rescue?cmpid%3D=socialflow-twitter-markets&utm_campaign=socialflow-organic&utm_content=markets&utm_source=twitter&utm_medium=social
  4. JOHANNESBURG, 5 December 2019. South African Airways (SAA) is today in a position to announce that the Board of Directors of SAA has adopted a resolution to place the company into business rescue at the earliest opportunity. As previously announced, the SAA Board of Directors and the Executive Committee have been in consultations with the shareholder, the Department of Public Enterprises (DPE), in an effort to find a solution to our company’s well-documented financial challenges. The considered and unanimous conclusion has been to place the company into business rescue in order to create a better return for the company’s creditors and shareholders, than would result from any other available solution. Furthermore, the company is seeking to minimize the destruction of value across its subsidiaries and provide the best prospects for selected activities within the group to continue operating successfully. SAA understands that this decision presents many challenges and uncertainties for its staff. The company will engage in targeted communication and support for all employee groups at this difficult time. SAA will endeavour to operate a new provisional timetable and will publish details shortly. The company greatly appreciates the continued support of both its customers and partners in the travel industry around the world. The Board of Directors will also announce the appointment of business practitioners in the near future, and provide media updates as and when appropriate. It is important to point out that services operated by SAA’s subsidiary airline, Mango, will continue as usual and as scheduled. ISSUED BY SAA BOARD OF DIRECTORS For Media Enquiries, please contact: SAA Spokesperson Mr Tlali Tlali Email: TlaliTlali@flysaa.com Mobile: +27 (0)82 333-3880 Office: +27 (0)11 978-2298 https://www.flysaa.com/about-us/leading-carrier/media-center/media-releases/newsroom
  5. Euroatlantic não tem 767-200/ER ela possui 767-300/ER sendo que só um possui 300 assentos em classe única o CS-TKT (ex Kenya). Eles operam um 763 ainda mais denso o CS-TST (ex-Hainan) que conta com 309 assentos. Um baita aperto.
  6. TAP Air Portugal today (25NOV19) opened reservation for its 11th destination in Brasil, as the airline schedules Lisbon – Maceio nonstop route. Operated by Airbus A321neo LR, TAP to operate this route 3 times weekly from 12JUN20. Following schedule is subject to Government Approval. TP027 LIS1715 – 2115MCZ 32Q 357 TP028 MCZ2245 – 1035+1LIS 32Q 357
  7. Impressionante a criatividade do governo italiano em burlar as regras da Comissão Europeia neste caso.
  8. Cada companhia tem o direito de querer participar do programa ou não. Se quiser gozar dos benefícios fiscais é preciso cumprir as condições impostas pelo GERJ.
  9. Gol e Azul vão ampliar voos no Rio para aderir ao regime que reduz o ICMS do querosene de aviação RIO - Gol e Azul , duas dentre as três maiores companhias aéreas do Brasil, vão aderir ao novo regime tributário fluminense, que prevê a redução da alíquota do ICMS que incide sobre o querosene de aviação (QAV) de 12% para até 7% mediante maior oferta de voos. Já a Latam apresentou uma contraproposta ao governo do Rio e ainda não tomou sua decisão. O governador Wilson Witzel assinou nesta terça-feira o decreto que institui a nova regra de tributação, que entra em vigor em dezembro. Ele anunciou que vai dobrar para R$ 40 milhões a verba destinada à promoção turística do estado no Brasil e no exterior em 2020. — Nós vamos aderir. Até meados do ano que vem, teremos um incremento na oferta de assentos que oferecemos no Rio, quando alcançaremos o patamar de 90 mil assentos semanais, como pede o programa. Temos o objetivo de entrar na faixa de 7% de alíquota de ICMS sobre o QAV. Isso permite expandir a oferta doméstica e, mais adiante, avaliar também como avançar no internacional — destacou o presidente da Gol, Paulo Kakinoff. O programa fluminense tem por objetivo puxar o desenvolvimento econômico do estado atraindo novas companhias e voos. Com isso, estabelece 7% de alíquota de ICMS sobre o QAV a novas companhias aéreas que se estabelecerem no Rio, tendo a cidade como centro de distribuição (hub) da empresa onde devem estar concentrados mais de 30% do total de voos. Terão direito ainda aos 7% as empresas aéreas de transporte de carga e os aeroportos do interior do estado, incluindo o de Jacarepaguá, na capital. As demais empresas de transporte de passageiros poderão ingressar no regime por meio de quatro faixas de alíquotas, de 10% a 7%, estabelecidas conforme o aumento da oferta de assentos semanais feito pela aérea. A contrapartida é que ampliem em 15% a disponibilidade de assentos semanais na comparação com a média que mantinha em junho e julho deste ano, além de implementar o stopover, a parada gratuita para passageiros em conexão no Rio. A decisão de criar faixas de adesão agradou à Azul. — Queremos aderir já a partir de janeiro, com alíquota de 10%. Iniciamos novas frequências no Santos Dumont, no Galeão e anunciamos Macaé para para dezembro. Vamos bater 20% de expansão de assentos sobre junho e julho — disse Marcelo Bento, diretor de relações institucionais e alianças da Azul. A meta, continua Bento, é avançar para faixas de maior desconto progressivamente. — Combustível é nosso maior custo, então ICMS menor sobre o QAV é um grande incentivo. O regime do Rio vai ajudar a ampliar a conectividade do Galeão, que tem muitos voos internacionais e pouca demanda doméstica. Para Azul, que tem a atuação regional, voando para Campos, Cabo Frio e, a partir de dezembro, Macaé, é muito interessante. A Latam, que vai encerrar 2019 com alta de 30% na oferta de voos no Rio, ainda não bateu o martelo. — Nós apresentamos uma contraproposta ao governo do Rio utilizando os parâmetros do programa, mas usando outros marcos. Estamos esperando um posicionamento para decidirmos o que vamos fazer — explicou Tatiane Viana, gerente de regulatório da Latam. A expansão na oferta de voos internacionais também pode ajudar as companhias a cumprirem as cotas de assentos semanais para obter descontos no ICMS sobre o QAV, embora essas linhas não tenham tributação. O benefício poderá ser computado também em caso de code-share, quando a operação é feita em parceria com outra empresa aérea. O governador Wilson Witzel pontuou que o pacote vai colaborar para estimular o turismo no estado, estratégia para ampliar geração de emprego e renda. — Estamos perdendo bilhões de reais em renda para a sociedade sem receber os turistas que deveríamos no Rio. Vamos dobrar a verba de promoção do estado no Brasil e no exterior para R$ 20 milhões em 2020. Vamos abrir quatro escritórios no exterior, em Lisboa, Londres, Orlando e Buenos Aires. E fortalecer o calendário de eventos da cidade — disse ele, que destacou já manter conversas para trazer a Disney Parade ao Rio em outubro, entre outros eventos. https://oglobo.globo.com/economia/gol-azul-vao-ampliar-voos-no-rio-para-aderir-ao-regime-que-reduz-icms-do-querosene-de-aviacao-1-24077393
  10. RIO - O Estado do Rio entra nesta terça-feira com força na disputa tributária para atrair novas companhias aéreas e mais voos para o estado. O governador Wilson Witzel lança um pacote de medidas ancorado em decreto reduzindo a alíquota do ICMS que incide sobre o querosene de aviação (QAV) de 12% para até 7%. Novas empresas que se estabelecerem no Rio, as de transporte aéreo de carga e os aeroportos do interior terão o percentual de 7%. Para as demais, haverá quatro faixas de tributação concedidas de acordo com a expansão na oferta semanal de assentos acordada com a empresa. Para aderir ao regime, essas voadoras terão de ampliar em ao menos 15% a oferta de assentos no Rio na comparação com o que mantinham em junho e julho últimos, implementando ainda o stopover , parada gratuita para passageiros em conexão na cidade. Diferentemente do formato adotado pelo Estado de São Paulo — que anunciou redução da alíquota de ICMS sobre o QAV de 25% para 12% em fevereiro, com a meta de atrair 74 novas rotas e 490 frequências — o Rio aposta em dar “passos do tamanho das pernas”, com o cálculo baseado em assentos, ao invés de voos. — Nosso objetivo principal é aumentar a atividade econômica do estado. Então o foco é alíquota de 7% para novas companhias que se instalem no Rio, definindo a cidade como hub (centro de conexão), nos aeroportos do interior e para as empesas aéreas de transporte de carga — explica Luiz Cláudio de Carvalho, secretário estadual de Fazenda. — Para as demais aéreas de passageiros, principalmente as que já operam no Rio, criamos faixas de desconto para facilitar a adesão e fazer com elas busquem ter mais assentos para obter alíquota ainda menor. A arrecadação fluminense com o ICMS que incide sobre o QAV é de cerca de R$ 160 milhões por ano. A estimativa é ter uma perda de R$ 23 milhões nessa quantia nos primeiros 12 meses do programa, diz o secretário de Turismo do Estado, Otávio Leite, complementando que esse valor será compensado pelas contrapartidas acordadas com as empresas aéreas que aderirem ao plano. A aposta do governo fluminense, contudo, é de que os ganhos indiretos ampliem as receitas tributárias do estado. — O Rio entra com força na disputa por empresas e voos, oferecendo condições de forma objetiva a investidores estrangeiros decididos a criar empresas aéreas operando no Brasil. Já nos reunimos com a Globalia, por exemplo, estavamos falando com outras estrangeiras. O foco está em fortalecer o hub internacional, a partir do Galeão, e ampliar as conectividades domésticas para alimentar essas ligações — conta Leite, que espera que a retomada no setor de óleo e gás puxe também a demanda por aeroportos como Campos, Macaé e Cabo Frio. A espanhola Globalia, dona da Air Europa, recebeu permissão da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para montar a primeira subsidiária para atuar no mercado doméstico após a aprovação da abertura do capital das aéreas brasileiras ao capital internacional. Na última semana, porém, a Air Europa foi comprada pela gigante IAG, dona de Iberia e British Airways, por € 1 bilhão. A transação, que depende da aprovação das autoridades reguladoras da concorrência, deve ser concluída no segundo semestre de 2020. Até lá, a Globalia informou apenas que seguirá trabalhando normalmente. Procurada, a IAG não comentou. Para Alessandro Oliveira, especialista do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), o Rio conseguiu costurar um plano bem arquitetado para estimular a demanda e atair mais oferta: — Criar condições diferenciadas para novas empresas e as já estabelecidas é estratégia inteligente e arrojada para atrair voos na aviação regular. A alíquota de 7% traz grande vantagem comparativamente com São Paulo. Há as novas low-costs estrangeiras na pauta nacional. Pode ampliar a competitividade, reduzir preços e ampliar a demanda. Os secretários afirmam que houve diversos encontros com representantes de empresas aéreas nacionais e estrangeiras para discutir a facilitação. A Azul confirmou que vai participar da cerimônia de assinatura do decreto hoje no Rio. E disse que “tão logo tenha acesso aos detalhes oficiais poderá traçar possíveis planos para sua malha no estado fluminense”. Em São Paulo, a companhia adicionou 442 decolagens por semana desde a implementação do incentivo. Força: Estado do Rio sobe ao segundo lugar no ranking de maiores exportadores do Brasil A Latam abriu 78 novas frequências semanais em São Paulo, siando de Guarulhos. E afirmou que fecha 2019 com expansão de 30% na oferta de voos no Rio. Em comunicado, a Gol disse considerar a medida positiva por possibillitar a criação de novos voos e fomentar o turismo. Ana Helena Mandelli, diretora de Aviação da Plural, que reúne as grandes distribuidoras de combustível do país, avalia que a redução do ICMS é um caminho acertado a ser seguido pelo Rio: — É uma isca eficiente para atrair empresas aéreas brasileiras, porque as estrangeiras só virão se houver conectividade para seus voos. A redução da alíquota do ICMS sobre o QAV ajuda a estimular voos regulares e também os regionais. Com mais passageiros, amplia a receita gerada. O combustível representa perto de 33% dos custos de operação das companhias aéreas. O ICMS pode abocanhar até 25% do preço do QAV no país, dependendo da alíquota praticada em cada estado. Além de São Paulo, estados do Nordeste como o Ceará ampliaram oferta com políticas fiscais, lembra Ana Helena. O Rio conseguiu autorização do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) para reduzir o ICMS sobre o QAV em julho, após quatro tentativas feitas desde o fim de 2018. É estratégia para ajudar o Estado a se recuperar do tombo dos últimos anos na aviação civil. Retração em decolagens e passageiros De janeiro a agosto deste ano, o número de decolagens no Rio encolheu em 12,9% frente a igual período do ano passado. Na comparação com esses mesmos meses de 2014, o tombo chega a 26,4%, mostram dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Em passageiros, o recuo é menor, de 8,65% e de 15,5%, respectivamente, pelo uso de aviões maiores e com altas taxas de ocupação pelas companhias aéreas. É desempenho muito abaixo da média do país, que teve retração de 3,17% em decolagens este ano sobre 2018 e de 13,7% ante janeiro a agosto de 2014. Em passageiros, o país já apresenta avanço de 0,86% este ano sobre igual período do ano passado e de 1% em relação a cinco anos atrás. É importante considerar que este cálculo inclui o fim da Avianca Brasil, que deixou uma perda de 37.783 decolagens e 4,82 mihões de passgaeiros de janeiro a agosto deste ano no país, contra igual período de 2018. Para aderir ao pacote — que entra em vigor em dezembro e vale até o fim de 2025 —, as empresas que fazem transporte aéreo de passageiros deverão se comprometer em aumentar a oferta de assentos em ao menos 15% sobre a média oferecida por cada uma nos meses de junho e julho deste ano ao longo dos 12 meses seguintes à assinatura do acordo. Será obrigatório ainda oferecer o chamado stopover , que é permitir uma parada gratuita de ao menos dois dias no Rio para passageiros em voos com conexão na cidade. Há quatro faixas de alíquotas. A de 10%, vale para empresas que disponibilizarem de 12.001 a 40 mil novos assentos por semana; a de 9% vale para a banda de 40.001 a 60 mil assentos semanais; a de 8%, para 60.001 a 90 mil e, por fim, a de 7% para a partir de 90 mil. A expansão em voos inernacionais também valerá para garantir descontos no ICMS para as operações domésticas. As linhas para o exterior — operadas tando por estrangeiras quanto por brasileiras — não recolhem o tributo sobre o QAV graças a acordos bilaterais. Em São Paulo, a meta de 490 novas partidas semanais foi batida em agosto, segundo a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), com o anúncio de mais de 500, sendo quase 480 já em operação. Tanto Azul quanto Gol já iniciaram stopover nos aeroportos de São Paulo. https://oglobo.globo.com/economia/rio-reduz-icms-sobre-querosene-de-aviacao-ate-7-para-atrair-novas-companhias-mais-voos-1-24075493
  11. Só torcida não vai bastar. Enquanto não houver pressão de demanda em VCP em outras empresas, o cenário vai se mexer muito pouco no curto prazo. É preciso que o pax da RMC use Viracopos independente se vai de Azul ou não. Muitas vezes é mais rapido fazer conexão no GIG ou BSB com Gol ou LATAM do que descer a Bandeirantes/Anhanguera até SP, depois pegar o trânsito da marginal e depois Dutra para ir a GRU. Será que não vale a pena?
  12. Meu ponto nessa parte foi: se o pax da RMC está disposto a se despencar até GRU e CGH, para fugir dos preços elevados da Azul, a pressão de demanda nos voos LA e G3 em VCP é menor do que deveria. E isso não dá a essas companhias a dimensão correta do mercado da região o que implica na oferta tímida que existe hoje por essas duas empresas. Além de inflar o mercado de SP o que incentiva mais ainda o pax da RMC e se despencar a SP devido a grande oferta de assentos que precisa ser ocupada.
  13. Princípio basico de yield management: se o LF está alto no valor que está sendo cobrado, baixar o preço pra que? Um corte no valor da passagem pode até mesmo causar problemas para a empresa visto que ela não daria conta da demanda o que a faria perder mercado para a concorrência, pois não se conseguiria vagas em voos da Azul obrigando a companhia a uma corrida desenfreada por aviões. O que implicaria em trazer aviões com leasings caros, o que faria o balanço da empresa sangrar. Sem falar em outros custos. Aumento de custos com yield menor não é uma combinação interessante. A beleza da concorrencia é essa: A Azul está cara? De VCP se sai também de LA e G3. Quem sabe essa demanda não incentive essas companhias a atender VCP melhor? Ou mesmo atrair novos players como a Passaredo? O pior que se pode fazer é dirigir 1h para GRU pois assim o mercado de Campinas fica distorcido. E o da capital também.
  14. Eu uso frequentemente os dois e acho ORY pouco prático em termos de acesso. E não é necessário ser residente para se ter uma Navigo, é só comprar uma Decouverte que sai uns 5 euros. O GOC Bus para o RER C demora e dependendo de onde se vai é mais prático até pegar o Tram 7 ate Villejuif do que pegar esse ônibus. O RERB para CDG passa em ligares não muito seguros mas é só não bobear com as bagagens. No final vira questão de gosto: eu acho CDG mais prático.
×
×
  • Create New...