Jump to content

chico

Usuários
  • Content Count

    3,677
  • Joined

  • Last visited

About chico

  • Birthday 05/22/1980

Previous Fields

  • Cidade/UF/País
    Rio do Sul/SC/Brasil
  • Data de Nascimento
    22/05/1980

Profile Information

  • Gender
    Male
  • Location
    Rio do Sul/SC/Brasil
  • Interests
    Aviação, Automobilismo e Automóveis, Economia e Negócios

Recent Profile Visitors

808 profile views
  1. Conforme notícia abaixo, Brasil e Argentina chegam a acordo pra aumentar as frequências de voos entre os dois países de 133 para 170 frequências semanais - ou seja, aumento de 5 voos diários + 2 voos semanais... Quantas frequências será que a Azul vai pedir?? Acredito que terão muito interesse, até pra fortalecer as parcerias com membros da Star Alliance, que hoje ainda dependem muito da LATAM ou da Gol pra ir à Argentina... Acordo celebrado pela ANAC com a Argentina é ratificado na Cúpula do Mercosul Brasil avança em conectividade internacional com negociações de acordos aéreos em 2019 publicado: 05/12/2019 12h07, última modificação: 05/12/2019 12h07 Brasília, 05 de dezembro de 2019 – Nesta quarta-feira (04/12) foi ratificado o Acordo Bilateral de Serviços Aéreos com a Argentina, aumentando de 133 para 170 o número de frequências semanais. Com a assinatura, também não há mais limite para voos cargueiros entre os países. O Brasil vem ampliando significativamente suas opções de conectividade aérea internacional graças a negociações de acordos de serviços aéreos. No último ano, a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) contabilizou 16 entendimentos negociados, 6 acordos assinados e outros 6 promulgados. Ao todo, já são 115 os entendimentos relacionados a serviços aéreos internacionais concluídos. Em 2019, os destaques foram as inclusões de entendimentos com Malta, El Salvador e Geórgia (aguardando formalização), e, principalmente, o fim das restrições do número de voos entre Brasil e Portugal. Foram contabilizadas conquistas importantes como as negociações com Espanha, França, Grécia, Dinamarca, Noruega, Suécia, Arábia Saudita e Colômbia em dezembro de 2018. Em alguns desses entendimentos, houve a conclusão de acordos de serviços aéreos (ASA), contudo em todos ocorreu assinatura de memorandos de entendimento (MoU) ou de atas de reunião de negociação com efeitos imediatos, possibilitando a ampliação da conectividade entre os países. Uma das negociações de destaque concluídas recentemente, e anunciada em 28 junho de 2019, foi o Memorando de Entendimentos (MoU) entre Brasil e Portugal. De acordo com as tratativas, que preveem a assinatura futura de um Acordo de Serviços Aéreos, as empresas aéreas dos dois países poderão explorar serviços regulares entre os respectivos territórios, combinando pontos intermediários ou além em outros países, utilizando o chamado tráfego acessório de 5ª liberdade do ar. Céus abertos O MoU com Portugal prevê ainda capacidade livre de voos (sem limitação de quantidade), abertura total do quadro de rotas (sem restrição de localidades atendidas), regime de liberdade tarifária e amplo compartilhamento de códigos entre empresas aéreas. O entendimento com Portugal seguiu o modelo “céus abertos” adotado para as negociações concluídas recentemente com Reino Unido, Holanda, Dinamarca, Suécia, Luxemburgo e Finlândia. Na mesma ocasião das tratativas com Portugal, houve também negociação com Malta. As autoridades de aviação civil brasileira e maltesa concluíram a negociação de Acordo de Serviços Aéreos entre os dois países garantindo até 14 frequências semanais para serviços aéreos mistos (passageiros e cargas) e livre determinação de capacidade para serviços exclusivamente de cargas entre os dois destinos, com possibilidade de ligação com terceiros países. El Salvador e Angola Em 24 de setembro, durante a 40ª Assembleia da Organização da Aviação Civil Internacional (OACI) em Montreal, o Brasil assinou com El Salvador um memorando de entendimento que prevê livre determinação de capacidade, quadro de rotas aberto e direitos de tráfego até a 5ª liberdade do ar, além de amplo compartilhamento de códigos. Na ocasião, foi assinado ainda pelo governo brasileiro o Acordo de Serviços Aéreos com Angola, negociado em abril de 2017 pela ANAC. Acordos técnicos para a certificação de aeronaves e intercâmbio entre autoridades de aviação civil também foram negociados pela ANAC em Montreal. Um memorando de entendimentos foi assinado entre a Agência brasileira e a autoridade de aviação civil russa, a Federal Air Transport Agency (FATA), para a promoção da segurança da aviação civil. Com o entendimento, foram estabelecidas as diretrizes para a construção de procedimentos técnicos de implementação entre as autoridades que facilitarão as atividades futuras na área de certificação inicial de produtos e suporte em ações de aeronavegabilidade continuada. Assessoria de Comunicação Social E-mail: jornalismo@anac.gov.br
  2. Bem interessante também que falam que assinaram um MoU (Memorando de Entendimento) para "subleasing" de até 32 jatos Embraer E1, visando permitir o recebimento mais acelerado dos jatos E2... Também fala que o 195-E2 tem um custo por "viagem" cerca de 14% menor, mas levando 18 assentos a mais - ou seja, gasta bem menos e leva bem mais gente! Baita negócio!
  3. Notícia do Yahoo Finanças / Valor Econômico: RJ deve formalizar na próxima semana corte no ICMS do querosene de aviação Rodrigo Carro Valor Econômico•7 de novembro de 2019 Medida segue benefício concedido por São Paulo para aumentar voos ao Estado Está prevista para o próximo dia 12 a assinatura pelo governador Wilson Witzel (PSC) do decreto que reduz a alíquota de ICMS incidente sobre o querosene de aviação (QAV) de 13% para até 7% no Estado do Rio de Janeiro. A diminuição na alíquota foi confirmada hoje em almoço na Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ) pelo secretário de Fazenda fluminense Luiz Claudio Rodrigues de Carvalho. O Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) já havia autorizado em julho a redução do ICMS cobrado sobre o querosene de aviação. “Com essa autorização, fomos conversar com as empresas aéreas, com os agentes do setor, para conseguir contrapartidas. A ideia é que a gente não conceda uma redução de forma unilateral. Contrapartidas serão exigidas das companhias aéreas, como foi em São Paulo e em praticamente todos os Estados”, explicou Carvalho. De acordo com o secretário, o tempo decorrido entre a autorização do Confaz e a assinatura do decreto foi gasto na formatação de um modelo de contrapartidas “exequíveis e cobráveis.” As companhias aéreas negociam com ao menos outros 10 Estados a redução no imposto. Trata-se de uma demanda antiga do setor aéreo. As alíquotas de ICMS são definidas por cada Estado. Pela legislação, o Confaz estabelece um piso e um teto para essas alíquotas, que atualmente fica entre 12% e 25%. Quando um Estado decide adotar percentuais fora dessa faixa, é preciso obter aprovação dos demais governos no Confaz. Em um Estado onde a alíquota de ICMS sobre o querosene de aviação é 25%, o imposto representa 7,5% do custo total do transporte aéreo. Em São Paulo, onde a alíquota foi reduzida de 25% para 12%, o custo das aéreas com o tributo caiu pela metade. https://br.financas.yahoo.com/noticias/rj-deve-reduzir-icms-querosene-212833985.html
  4. Bem que podiam anunciar o lançamento de uma Econômica Premium nos 777 E A350 - em ambos os casos diminuir um assento por fileira, ficando 3-3-3 no T7 e 2-4-2 nos A350... Considerando que a LATAM não tem mais First, a alta densidade dos aviões deles, e como esse produto tem crescido mundo afora, acho um desperdício eles não ofertarem esse produto
  5. Sim, comparando com a LATAM foi bem grande mesmo... Porém cerca de US$ 285 milhões foram perdas lançadas no trimestre passado, devido a "venda" dos 10 E-190, 10 A318 e 4 A320 com prejuízo (no balanço estão com um valor maior do que o que vão receber na venda), e outros desinvestimentos, como na mexicana Aeromar - essa pensei que fosse investimento do Synergy ou dos Efromovich, não da Avianca Group... E cancelaram uma penca de rotas não? 25, dentre elas: Bogota-Montevideo, Bogota-Chicago, Bogota-Boston, El Salvador-Boston, Guatemala-Chicago, Lima-Mendoza... O problema também tem sido a competição crescente com as LCC (além da Latam e a Copa), como a Viva Colombia, Viva Air Peru, Jetsmart...e a desvalorização do peso colombiano frente ao dólar, pois assim como aqui, dificilmente você consegue subir as tarifas na mesma proporção que os seus custos sobem junto com o dólar / euro...
  6. Acho MUITO difícil Ozires, não há o mínimo interesse dos sindicatos em dar qualquer brecha pras majors americanas aumentarem a "terceirização" dos voos pras companhias regionais... E o fato da Delta ter comprado os A220 pra voar na própria cia (mainline) só reforçou o ponto de vista deles, de que as companhias podem ter voos lucrativos mesmo com aviões relativamente pequenos... O problema é se a Mitsubishi conseguir fazer o MRJ70 ficar dentro do MTOW das Scope Clauses - me parece que estão redesenhado o avião pra baixar o peso dele...aí vai complicar de vez. Infelizmente creio que foi um erro a Embraer não ter feito o E175 E2 dentro das Scope Clauses, mesmo que isso representasse um pequeno encurtamento do avião, e ter asas menores, pra baixar o peso dele...
  7. Exato - a Republic basicamente atende as majors com "jatos regionais", então pra eles o jato precisa atender as "scope clauses"...e infelizmente o 175 E-2 não atende as mesmas (por questões de peso), ao menos por enquanto... E muito menos o A220 (atender as Scope Clauses), pois na verdade são jatos acima de 100 assentos... Inclusive o A220-300 começou a vender muito bem, acredito eu, por ser um avião de tamanho equivalente aos A319/73G (ou seja, próximo dos 150 assentos em classe única), mas muito mais econômico...e agora com a Airbus dando suporte, as empresas tem certeza de que o modelo não vai sair de linha de uma hora pra outra...e provavelmente a Airbus vem sendo agressiva nos preços também... Não sei, mas em breve a Alitalia pretende "aposentar" os 15 E-175 que possuem na frota (devido a mudança do modelo de negócio) - aposto uma cerveja que irão pra Republic...
  8. Atualizando, já que tivemos o CS-TUM entregue hoje (total de 13 A330neo na frota da TAP): # 1 - CS-TUB, MSN 1836. Entregue em 28/11/18; # 2 - CS-TUC, MSN 1850. Entregue em 10/01/19; # 3 - CS-TUD, MSN 1892. Entregue em 10/01/19; # 4 - CS-TUF, MSN 1900. Entregue em 08/03/19; # 5 - CS-TUG, MSN 1904. Entregue em 14/03/19; # 6 - CS-TUA, MSN 1819. Entregue em 12/04/19 (participou da campanha de testes, por isso precisou ser "refurbished"); # 7 - CS-TUI, MSN 1908. Entregue em 18/05/19; # 8 - CS-TUH, MSN 1906. Entregue em 12/06/19; # 9 - CS-TUE, MSN 1897. Entregue em 13/06/19; # 10 - CS-TUL, MSN 1914. Entregue em 13/06/19; # 11 - CS-TUJ, MSN 1909. Entregue em 12/07/19; # 12 - CS-TUK, MSN 1913. Entregue em 19/07/19 (pintura Star Alliance); # 13 - CS-TUM, MSN 1918. Entregue em 09/08/19; Os próximos a serem entregues devem ser (não necessariamente nesta ordem): MSN 1921, futuro CS-TUN, já voou e está com pintura completa, mas faltam voos de teste e aceitação da TAP; MSN 1922, futuro CS-TUO, ainda não voou; Foi fotografado em 18/06 com pintura completa mas sem motores; MSN 1925, futuro CS-TUP, ainda não voou; Fotografado em TLS em primer em 18/02; Depois disso não sei...
  9. Mas não era esse que supostamente iria pra Qatar também??
  10. [quote name="FCRO" post="1415435" timestamp="1564681641" esses avioe ssão apenas para cobrir o periodo do verão europeu? Tem o problema dos 737 Max também, que a LOT tinha/tem na frota...
  11. Mais uma atualização: MSN 1913, futuro CS-TUK (pintura Star Alliance): realizou o 1° voo de aceitação pela TAP; Deve ser entregue ainda em Julho; MSN 1918, futuro CS-TUM: realizou o 1° voo hoje, já com pintura completa; OBS: Vale dizer que o 1° A330neo da Lion Air também fez o 1° voo de aceitação hoje, e o belíssimo A330neo da Aircalin (Air Caledonie International) fez o 1° voo hoje...
  12. Pois é, mas se não tiver demanda de carga acho que dificilmente se justifica um 767... Pesquisando pelo GCMap, GRU-MPN são 3.313 Km - e me parece que mesmo com ETOPS 120 minutos, a rota poderia ser feita sem desvios...então um A320 (ou A321) consegue fazer tranquilo...apesar de que decolando de GRU talvez perca um pouco de payload... Haha, com certeza não, já que os ingleses chamam de Falklands...
  13. Ganhar dinheiro no verão é relativamente fácil, o problema é no inverno, quando eles tem acumulado grandes prejuízos... Vamos ver se ela vai conseguir continuar independente no começo de 2020.
  14. Não entendi porque tantas críticas a LATAM - ela está apenas buscando maior eficiência na operação, pois a subsidiária argentina só opera 3 widebodies, qual seria o problema de operar aeronaves com matrículas de países vizinhos se a tripulação continuará sendo argentina? Pelo que li no Airliners, alguém estimou que os 767 mais antigos precisam de um investimento de aprox. US$ 1,5 - 2,0 milhões por aeronave para poderem voar para os EUA. Então nota-se que é um investimento razoavelmente alto para um setor com margens baixas, e pra atender um país que está em crise com a economia em recessão... Quanto a questão de terem encomendado 787, A350 e 777: fácil falar agora, quando foram encomendados a cerca de 10 anos atrás era difícil antever como a demanda estaria...e a TAM tinha encomendado o A350 Mk.1, que eram os A330-200 e -300 "modernizados", que basicamente se tornou o A330neo (que diga-se de passagem não está vendendo nada na versão menor -800)... Na época a TAM tinha First, acho que o A350-900 estava previsto ter cerca de 300 assentos, que era exatamente o "buraco" na frota da TAM, visto que os A330-200 tinha cerca de 223 assentos e os 77W 365 aproximadamente... E os 77W atenderam (e ainda atendem) muito bem certas rotas da LATAM, se renovaram o leasing é porque sabem / acreditam que são lucrativos em rotas como LHR, FRA, MAD, MIA e eventualmente CDG, JFK... Quanto a ter um avião menor, a LATAM recebeu 10 787-8 e converteu o restante dos pedidos pra 787-9 - então obviamente o 787-8 não é muito eficiente pra tamanho / preço dele...
  15. Pequena atualização sobre os próximos A330neo a serem entregues pra TAP: MSN 1909, futuro CS-TUJ: deve ser entregue nos próximos dias, pois já realizou 3 vôos de aceitação com a TAP; MSN 1913, futuro CS-TUK (pintura Star Alliance): já realizou 3 voos de teste; Pode ser entregue ainda em Julho; MSN 1918, futuro CS-TUM: ainda não voou, e também não lembro de ter visto fotos recentes; MSN 1921, futuro CS-TUN: fez o primeiro voo e foi trasladado pra CHR pra pintura; MSN 1922, futuro CS-TUO: fotografado em 18/06 já pintado mas sem os motores; MSN 1925, futuro CS-TUP: ainda não voou, e também não lembro de ter visto fotos recentes;
×
×
  • Create New...