Jump to content

mr_loner

Usuários
  • Content Count

    3,368
  • Joined

  • Last visited

About mr_loner

Previous Fields

  • Cidade/UF/País
    Curitiba/PR/Brasil
  • Data de Nascimento
    18/10/1985

Profile Information

  • Gender
    Male

Recent Profile Visitors

719 profile views
  1. A American possui essa categoria de tarifa sem direito a usar o bin nos voos internos dos EUA, me recuso a voar com eles por isso, até pq a aviação nos EUA está longe de ser Low Fare.
  2. Se dizem que nem o MAX8 (que era o rei da performance dos NB) pode operar em CWB, quem dirá o 757... Continuamos a espera do E2ULR...
  3. Olha Lucket, tem coisas que são detalhes, e nem falo isso como Arquiteto, nem precisa ser... Essa imitação de granito preto no aparador é de uma breguice sem tamanho, parece aqueles balcões de cozinha para quem não tem condições de comprar a peça de granito, que no final fica mais feio do que se comprasse um granilite ou inox, a escolha da Qantas em usar uma fórmica de madeira de cor sóbria, deu muito mais elegância, até por que não fica algo tão fake quanto ao ''granito preto''. A escolha de cores mais escuras também ajudou, com a vantagem de não encardir com tanta facilidade, essa divisória branca com esse alto-relevo é outro exemplo, de algo que tentou se inspirar em texturas que vem sendo usadas com bastante frequência na arquitetura, mas que nesse exemplo fica claro que foi uma imitação que no final ficou claramente fake e brega, as linhas arredondadas e pequenos detalhes de controle na lateral do assento deram um ar futurista na cabine da Quantas, as formas arredondadas do banco passam uma idéia de maior conforto, mesmo que tecnicamente elas sejam poltronas exatamente iguais. Mas é simples fazer o teste, pegue qualquer leigo em aviação e apresente as duas imagens, depois pergunte caso aquela pessoa podasse viajar de graça em qual ela viajaria. No final das contas foi aquele exemplo de ''economia de guardanapo'', provavelmente tudo que eu pontuei aqui custaria uma fração do que custou o equipamento em sí, mas dariam uma visão bem melhor ao produto, e infelizmente (ou felizmente talvez) se eu que nem sou ''frescurento'', já achei algo ''meia boca'' imagina o público que tem condições de pagar Business, que fica reparando até no rótulo do vinho e na fluência do inglês dos comissários... As vezes achamos que não, mas estava lendo hoje uns realeses de passeio em Phuket, na Tailândia, e vi uma Brasileira reclamando que o passeio havia se comprometido em fornecer um ''soft drink'', mas que ele só era servido no almoço, e não na entrada da embarcação... Mas enfim, como cia de ''bandeira'', torço para que dê certo, mas isso não me cega de ver que infelizmente, em comparação mesmo com a C da Azul (pra fazer a comparação com as de casa), ficou a desejar.
  4. Pode até ser ''igual'', mas visualmente o produto da Qantas parece bem mais ''executivo''.
  5. A questão é que o mundo inteiro (exceto EUA e Canadá que também possuem mercados protecionistas) consegue viabilizar empresas aéreas LCLF, mesmo em países de alta intervenção estatal como a Argentina, várias empresas do tipo estão abrindo, a UE não é um mar de liberdade econômica, e temos players como a Easy Jet, Vueling, Nowergian, sem falar na Ryanair que sempre é o primeiro exemplo... Acho que é muito simplista jogar a culpa de possíveis prejuízos das nossas ''M3'' em baixas tarifas, afinal existem outras condicionantes, inclusive erros de gestão, más escolhas, decisões equivocadas, pois diferente do que pregam aos quatros ventos, o Brasil não possui a maior carga tributária do mundo (não está nem no top 30), não é o país mais intervencionista do mundo (está em uma posição mediana no Ranking Heritage), não tem o AV gás mais caro do mundo nem os funcionários mais caros do mundo, muitos dos países que possuem LCLF operando possui condições mercadológicas piores que as nossas, e isso eu nem estou colocando a Ásia na jogada senão o tombo é grande. Então eu acho válido sim questionar por que me cobram R$ 2200,00 em um CWB - JPA - CWB, e exatamente nas mesmas datas, a Air Europa cobra de um primo meu que vai passar o final de ano em FRA R$ 1950,00 no REC - FRA - REC... Algo errado não está certo... e nem dá pra dizer que é por que há mais turistas e demanda pra JPA que para FRA, como muitos aqui usam para justificar tarifas mais caras em alguns lugares.
  6. Sei lá, eles deram uma salgada violenta nos últimos meses... Mas nem adianta comentar, que logo vem uma galera falando em custo Brasil de cá, ICMS de lá, prejuízo de acolá e assim segue o barco...
  7. Mas imaginao que não haja uma diferença tão grande de aluguel entre o Airside e o Landside... mas que deveria ter ao menos um MC ou BK no Airside do T2 deveria... se a conexão for acima de 1h15 eu saio e retorno mas não pago 40 reais em um café com crossant ou folhado na casa do pão de queijo.
  8. No Airside, BSB é imbatível. GIG ainda tem Mc, BK e Subway, agora GRU sem chance, só esses cafés de ''snacks'' ou opções a preços escandinavos para refeições mais completas.
  9. Tudo bem que o Air Train é bem mais prático (apesar de parar lá na PQP), mas achei o sistema de metrô de NY muito confuso, até mesmo para quem domina o idioma. Esse lance de ter 4 linhas parando na mesma plataforma, de ter linhas express sem muita definição de quantas estações eles suprimem, eu mesmo peguei trem errado umas 2 ou 3 vezes... Não sei se NY seria o melhor exemplo de transporte ferroviário ao aeroporto, até agora a melhor experiencia que tive foi Helsinki, Arlanda também é bom, mas é pornográfico o valor que eles cobram pelo ticket, até mesmo para a realidade econômica escandinava.
  10. Um Hotel da Rede Ibis bem localizado, inclusive pra duas pessoas... Se for Ibis Budget da pra conseguir por 149 para três pessoas. Em Paris você até consegue (o que fui custava em média isso, em 2017), mas tem que ficar nos últimos arrondissements, ou mesmo na região metropolitana, e não se importar de andar uns 700m a 1000m até uma estação de Metrô, ou mesmo combinar ônibus + metrô. Em NY impossível, nem fora da ilha. Paguei 600 reais de diária pra ficar no Queens, o hotel era até bom, mas exigia 20min de caminhada até a estação de metrô mais próxima... se quiser ficar na Ilha você dificilmente achará algo por menos que 800 a diária, isso em algo muito, mas muito meia boca... Agora se você comparar o preço de uma diária turística em Paris ou NY com a diária do Fasano, do Copacabana Palace, ou qualquer outro hotel top a beira mar no Rio, de fato será mais caro... Mas nem de longe é mais barato fazer turismo nos EUA e Europa que aqui... Se a comparação fosse com o Caribe e a Tailândia aí faria mais sentido.
  11. Não chega a ser Baratíssimo, mas consegui CWB - MCO - CWB (via CNF) por R$ 2600,00 pra setembro, nas mesmas datas era 4K pela LATAM via GRU.
  12. Eu achei a solução muito boa. A única mudança que faria, seria por mais uma estação em frente ao terminal de cargas.
  13. Hoje existe cobrança pela bagagem e não desconto. Eu falo de um desconto, de voce ter uma tarifa X e em uma das etapas do processo de compra aparecer a opção de abrir mão da bagagem despachada que ter um desconto por isso, aos moldes do check-in inteligente da GOL há alguns anos atrás.
  14. Seria ilegal criar um desconto para quem abrisse mão da franquia de bagagem?
  15. Eu achava que GIG e VCP também podiam receber o A380.
×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade