Jump to content

De Marchi

Usuários
  • Content Count

    5
  • Joined

  • Last visited

About De Marchi

Previous Fields

  • Cidade/UF/País
    São Paulo
  • Data de Nascimento
    19/08/1989

Profile Information

  • Gender
    Male
  1. Obrigado! Estou procurando uma fonte oficial. Essa pode ser uma interpretação do operador da AFIS.Não há lugar nenhum que diz que a entrada DEVE ser feita na perna do vento. Obrigado. Mas como eu disse na minha pergunta, procuro fontes não-FAA. Na FAA, circuitos NÃO são mandatórios. Vide AC:https://www.faa.gov/documentLibrary/media/Advisory_Circular/AC_90-66B.pdf Meu ponto de vista:4.2.6 OPERAÇÕES EM AERÓDROMO OU EM SUAS IMEDIAÇÕES As aeronaves que operarem em um aeródromo, ou nas suas imediações, quer estejam ou não em uma ATZ, deverão: a) observar o tráfego do aeródromo a fim de evitar colisões; OK! b) ajustar-se ao circuito de tráfego do aeródromo efetuado por outras aeronaves ou evitá-lo; OK, mas pode ser um ingresso na perna base, de través...sem ingressar a 45na perna do vento...não especifica! E se não houver aeronaves? Não preciso me ajustar ao circuito? c) efetuar todas as curvas à esquerda ao aproximarem-se para pouso e após a decolagem, a não ser que haja instrução que indique de outra forma OK, então ao ingressar 45 na perna do vento, estou realizando uma curva pela direita! Uma final direta também não significa uma curva pela direita. d) pousar e decolar contra o vento, a menos que razões de segurança, configuração da pista ou de tráfego aéreo determinem que outra direção seja recomendável; e) em aeródromo não controlado, prosseguir para pouso somente quando não houver outra aeronave na pista; e f) ocupar a pista de pouso e decolagem o mínimo de tempo necessário para a operação de pouso e decolagem, evitando deter-se sobre a pista por tempo que prejudique a operação das demais aeronaves. Onde eu quero chegar: Voei anos nos EUA e reparei que no Brasil há uma cultura muito forte de fazer coisas de determinadas maneiras que não estão escritas, mas que foram passadas de boca a boca, geração por geração, sem nenhuma base teórica. Vejo coisas, como pilotos não cruzando a barra de parada ao livrar uma pista antes de obter autorização de taxi, essa questão do circuito, o mito sobre aproximações visuais, que muitos pensam que cancelariam o plano IFR, etc. De onde tiram isso? Leiam as ICAs 100-37 e 100-12 com olhar crítico para isso, questionando se o que está escrito realmente bate com o que a cultura diz e me dêem uma opinião, por favor. Obrigado e abraços
  2. Prezados, Alguém saberia me dizer uma FONTE OFICIAL, brasileira ou ICAO, contendo uma instrução que obriga pilotos em um aeródromo não controlado, sem AFIS, sem TWR, sem nada, apenas uma FCA, a entrar no circuito de tráfego de forma específica (ex.: 45º da perna do vento)? Ainda, existe alguma proibição ESCRITA relacionada a entrar no circuito de tráfego em uma final direta (de novo, AD sem AFIS/TWR)? Pela FAA, o circuito é apenas recomendado. A entrada 45º não é mandatória pela FAA também. Se alguém puder me indicar fontes ICAO/DECEA/ANAC oficiais sobre o tópico, agradeço. Na ICA 100-37 e 100-12 não há nada, ao meu ver, que dê uma reposta. Segunda dúvida. Em um aeródromo provido de AFIS, posso realizar e entrada no circuito pela perna base? A ICA 100-37 proíbe POUSOS DIRETOS, o que deixa uma área cinzenta para argumentos. Obrigado e um abraço
×
×
  • Create New...