Jump to content

Search the Community

Showing results for tags 'AZL'.



More search options

  • Search By Tags

    Type tags separated by commas.
  • Search By Author

Content Type


Forums

  • Principal
    • Aviação Civil
    • Aviação Militar
    • Direto da Redação
  • Classificados Patrocinados
    • Hilton Miniaturas
    • Anuncie Aqui
  • Profissional
    • Tripulantes e Mercado de Trabalho
    • Técnica e Operações
  • Spotting & Outros Hobbies
    • Fotografia
    • Videos
    • Movimento de Aeronaves
    • Modelismo
    • Rádio Escuta/ACARS/Logs
    • Técnica e Equipamentos
  • Guia CR
    • Check-in (Flight Reports)
  • Memorabilia & Off Topic
    • Papo de Hangar
    • Imagens e Documentos
    • Recordar é Viver
    • Classificados
  • Central Ponte Aérea by Contato Radar
    • Central de Relacionamento do CR
  • Contato Radar nas Redes Sociais
    • Facebook
  • Links úteis
    • Sites e blogs de aviação
  • Serviços
    • Contato Radar Publicidade
  • Memorabilia
  • Outros Hobbies
    • Simulação de Empresas Aéreas

Find results in...

Find results that contain...


Date Created

  • Start

    End


Last Updated

  • Start

    End


Filter by number of...

Joined

  • Start

    End


Group


Skype


Website URL


MSN


Yahoo


Jabber


Location


Interests


Cidade/UF/País


Data de Nascimento

Found 5 results

  1. Most airlines do not have a lot of time to focus on how the industry will be reshaped in a post-COVID-19 world. But there’s one overarching theme that emerges when they can take a step back and ponder how the industry will change after the crisis – markets will be smaller. The largest domestic airline in Brazil, GOL, believes that Latin America’s largest aviation market could potentially be smaller for some time after the pandemic ends, and that the crisis will force some airlines in the market to behave more rationally with capacity growth. For now, GOL is operating a skeleton schedule and has parked more than 100 aircraft. The airline also believes its planned international expansion will be delayed for some time. GOL’s competitor, Azul, which has also parked more than 100 aircraft, hopes to resume close to a normal operating schedule in Jul-2020, but as the crisis drags on it can only be speculated when any sense of normality will materialise. GOL and Azul join airlines worldwide in parking hundreds of aircraft Unlike some Latin American countries, Brazil has not totally shut down its domestic air routes. Instead, its airlines are operating bare bones schedules to keep an essential network in place. GOL and its rival Azul have both cut their capacity by 90%, and data from CAPA and OAG show that for the week of 20-Apr-2020, Brazil’s domestic ASKs will fall 89% year-on-year, before being planned to climb again in early May-2020. Brazil weekly domestic ASKs by year Jan-Jan: 2017-2020* Source: CAPA - Centre for Aviation and OAG. * These values are at least partly predictive up to 6 months from 13-Apr-2020 and may be subject to change. GOL is currently operating 50 daily flights from São Paulo Guarulhos International airport to the 26 state capitals in Brazil. In early March, before the effects of the COVID pandemic quickly wiped out air travel demand worldwide, GOL was operating approximately 750 flights per day. The airline has parked more than 100 of its Boeing narrowbodies, and CAPA’s fleet database shows that GOL is operating just 10 aircraft. GOL fleet summary as of mid-Mar-2020 Source: CAPA Fleet Database. GOL CEO Paulo Kakinoff recently stated that the airline is expecting to maintain that diminished schedule until early May. Recently, GOL’s domestic competitor Azul has cut its capacity by 90% from March 25 to April 30 and is operating 70 nonstop flights to 25 cities. Azul has stated that it hopes to resume close to a full operating schedule by July. CAPA’s fleet database shows that Azul has parked 124 aircraft and has just 30 in service. Azul fleet summary as of mid-Mar-2020 Source: CAPA Fleet Database. Azul executives have remarked that the company believes the COVID-19 crisis will be a “two-to-three month problem”, but they have also acknowledged that the crisis could last longer. However, Azul has also said: “We are actually starting to see governments kind of change tune a bit and realize that you can’t have a full shutdown for too long because it would be disastrous to the economy”. GOL close to a break even performance in its current network configuration GOL has essentially reduced its network to 10% of what it was before the crisis, and Mr Kakinoff explains that “automatically, we have also dropped our variable costs down to that same level”. The airline has also taken measures to slash its fixed costs, including a 50% reduction in its payroll and the deferral of lease payments. “The good news out of the essential network is that we are close to break even in cash related to that essential network operation”, Kakinoff said. “So we’ve brought down our cost to the level of our revenues. It means by operating this essential network, we are not burning cash.” GOL does not believe the COVID-19 crisis will trigger consolidation in Brazil Brazil lost one of its major airlines in 2019 when Avianca Brazil, which at one point had domestic passenger share of 15%, ceased operations. The country’s remaining airlines largely backfilled Avianca Brazil’s capacity. At one point in 2019 GOL expressed some concern about domestic capacity growth, but as the year came to an end the airline concluded that Brazil’s domestic growth in 2020 would be rational. Obviously the COVID-19 crisis has wiped out any previous projections for industry growth, and there is no certainty when – or if – demand will reach its pre-crisis levels. GOL, according to its company CFO Richard Lark, believes that Brazil’s market “on the other side of this” could potentially be smaller for a period of time. GOL does not believe that the COVID-19 pandemic will trigger any consolidation in Brazil’s market, but Mr Kakinoff has stated that a possible positive outcome of the crisis is that there could be “lessons learned by some players in the market...now you can see how toxic an overcapacity approach can be.” LATAM Airlines Brazil is the country’s second largest domestic airline behind GOL, and for Apr-2020 LATAM is continuing to operate to 39 destinations in the country, with reduced frequencies. Overall, LATAM Airlines Group is cutting its operation by 95% for Apr-2020. GOL is also adjusting its expectations for international expansion. At one point, the airline was planning to grow its international business to 25% of its total operations during the next couple of years. But obviously those plans will change; as stated, there continues to be uncertainty about when demand patterns will warrant the addition of new international routes. Brazil's economy slows to zero and the return of demand is unknown Brazil’s passenger growth was just 1.7% in 2019, after 3.3% growth in 2018. The country’s economy was starting to grow after a recession in the middle of the past decade. But now the country’s government has forecast zero economic growth for the country in 2020, and it is likely that a contraction could occur. Even if Brazil’s airlines do resume close to normal schedules in 1H2020, they will likely need to stimulate demand with much lower fares, because Brazilians will monitoring their discretionary spend due to a shaky economic environment. There is also the general and continuing apprehension about travel created by COVID-19, and it could take some time for the population to get comfortable travelling again. Airlines worldwide and in Brazil will need to resize in a post COVID-19 world Brazil is not the only market that will emerge smaller in a post COVID-19 world. There is little evidence that demand will reach any type of normal level until late 2021 or 2022, and the result will be that airlines will need to adapt to their new operating reality. Brazil’s market was largely rational prior to the onset of the crisis, but its airlines will need to resize their operations in order to maintain the ideal balance of supply and demand. https://centreforaviation.com/analysis/reports/draft-covid-19-brazils-aviation-market-will-shrink-after-the-pandemic-521177
  2. 14-Nov-2019 6:51 PM https://centreforaviation.com/members/direct-news/azul-e-alitalia-anunciam-acordo-de-codeshare-502028 Clientes da Alitalia poderão aproveitar a conveniência da malha da Azul quando voarem de e para o Brasil A Azul e a Alitalia anunciam hoje um amplo acordo de cooperação que irá oferecer muita conectividade para as malhas aéreas das duas empresas. Como parte da parceria, Clientes da empresa italiana poderão conectar diretamente com a rede da Azul – a maior do Brasil – quando chegarem ao país voando pela companhia europeia. A assinatura do codeshare proporciona aos Clientes das empresas que voem entre os destinos das companhias com a emissão de apenas um bilhete e despacho de bagagem até o destino final. Com o codeshare, serão 16 destinos domésticos da Azul que serão contemplados pela parceria. São eles: São Paulo (Guarulhos), Rio de Janeiro (Galeão e Santos Dumont), Belo Horizonte (Confins), Brasília, Campinas (Viracopos), Ribeirão Preto, Cuiabá, Curitiba, Florianópolis, Navegantes, Goiânia, Salvador, Ilhéus, Porto Alegre, Porto Seguro, Recife e também Vitória. Os voos do acordo já estão disponíveis nos sistemas de vendas das duas empresas para viagens a partir de 2 de dezembro. “Esse acordo entre Azul e Alitalia é uma combinação perfeita e proporciona benefícios incríveis para nossos Clientes. Os Clientes da Alitalia poderão se conectar com os mais de 100 destinos domésticos da Azul, mais da metade exclusivamente servidos pela empresa, aproveitando todas as vantagens e comodidades de voar na melhor companhia aérea da América Latina, segundo o TripAdvisor, com um serviço de bordo que conta com TV ao vivo e snacks a bebidas à vontade. A Azul está no Terminal 1 de Guarulhos, que oferece embarques e desembarques muito rápidos, otimizando as conexões com o Terminal 3 Internacional, mesmo sendo necessário usar o ônibus do aeroporto. Na chegada ao Brasil é possível já despachar novamente as malas nos balcões de conexão da Azul no T3, e seguir para o T1 sem malas.”, afirma Abhi Shah, vice-presidente de Receitas. “Alitalia está sempre em busca de novos parceiros que possam oferecer aos nossos passageiros a melhor experiência de viagem. Esse novo acordo de cooperação aumenta significativamente nossa presença no Brasil, um mercado importante com grande oportunidade de crescimento para a companhia aérea, principalmente por causa da forte presença da comunidade italiana”, diz Fabio Maria Lazzerini, vice-presidente comercial da Alitalia. Assim que o acordo for aprovado pelas autoridades regulatórias, os Clientes de ambas as empresas poderão aproveitar o benefício. This press release was sourced from Azul on 13-Nov-2019.
  3. 06-Aug-2019 7:25 PM Azul lança novo serviço para congelar tarifas por 48 horas Produto é ideal para Clientes que precisam de mais tempo para planejar suas viagens e é válido para voos domésticos e internacionais A Azul lança hoje em seu website uma novidade que ajudará muitos de seus Clientes no momento de comprar uma passagem e programar suas viagens com a companhia. A Tarifa Congelada Azul vai garantir o preço encontrado por até 48h, garantindo ao Cliente uma comodidade extra na hora de planejar as suas viagens. “Quem viaja de avião sabe que os valores das passagens aéreas são muito dinâmicos e costumam variar constantemente. Por isso, pensando em proporcionar mais flexibilidade e tranquilidade aos Clientes que precisam se programar antes de efetivamente pagar pelo bilhete, lançamos o Tarifa Congelada Azul. Esse serviço assegura o valor das tarifas encontradas por um preço bastante acessível e pode ser de grande ajuda para quem encontra bons preços”, diz Henrique Barone Mathias, gerente Serviços da Azul. Para conseguir garantir essa flexibilidade de data de compra da passagem, o Cliente paga R$ 30,00 por pessoa para viagens domésticas e R$ 75,00 por pessoa nos voos internacionais. O novo produto está disponível no site e pelo app da Azul. Entre as principais regras de utilização do serviço está o prazo. A Tarifa Congelada é válida para voos domésticos com até sete dias de antecedência da data da viagem e 30 dias de antecedência no caso de voos internacionais. O serviço é cobrado por Cliente e não será considerado como parte do pagamento da passagem aérea. Para saber mais e conhecer todas as regras, acesse aqui. https://centreforaviation.com/members/direct-news/azul-lana-novo-servio-para-congelar-tarifas-por-48-horas-486667
  4. SÃO PAULO Joana Cunha O presidente da Latam, Jerome Cadier, disse que está preocupado com a reputação do setor aéreo no Brasil. A crise de imagem emergiu na esteira da recuperação judicial da Avianca, que virou alvo de disputa entre as três maiores empresas aéreas brasileiras, interessadas em adquirir o que sobrou da empresa, aeronaves e funcionários, mas principalmente os slots (autorizações para pousos e decolagens) em Congonhas, para voar o rentável trecho RioSP. Em entrevista à Folha na semana passada, o presidente da Azul, John Rodgerson, afirmou que Latam e Gol se uniram para acabar com a Avianca e impedir a entrada da Azul na ponte aérea. São declarações que Rodgerson não pode provar, segundo Cadier, e maculam a imagem de um setor que deve sempre inspirar segurança. "Todo o discurso dele está baseado em mentiras. Ele leva o setor todo ao descrédito. Fica parecendo que é um setor que não é sério, que não tem regras", diz Cadier. O que o sr. achou das mais recentes declarações do presidente da Azul, de que a Latam e a Gol se uniram para provocar o fim da Avianca? Uma inversão da realidade. O que de fato aconteceu: em dezembro se decreta a recuperação judicial da Avianca e em março a Azul faz uma proposta de um leilão em que só ela, e nenhuma outra companhia, poderia participar. Semanas depois, a Elliott, principal credor da Avianca, negocia com a Latam e com a Gol uma outra forma de leilão, do qual a Azul também poderia participar. Mas ela não seria a única, teria de concorrer com Gol e Latam. Essa proposta alternativa é apresentada pela Avianca, aprovada pela assembleia de credores. Mas a Azul fez tudo o possível para barrar essa solução. Ela faz outra proposta, de novo uma proposta em que só ela pode participar e os outros não podem concorrer, surpreendentemente elevando preço. Para mim, a Azul quer levar a Avianca sem pagar. Como levar sem pagar? Esse discurso de que a Azul não consegue participar da ponte aérea porque duas empresas [Latam e Gol] não deixam é uma cortina de fumaça. É óbvio que todo o mundo quer mais concorrência. Eu entendo que o Cade [Conselho Administrativo de Defesa Econômica] e o consumidor queiram mais concorrência em tudo, não só na ponte aérea. O que o John [Rodgerson] esconde é: ele já tem 13 slots em Congonhas. A Avianca tem 21 slots em Congonhas. Desses, ela usava 13 para operar na ponte aérea. Mas ele afirma que precisa desses 13 slots lá para fazer voos para os hubs da Azul, não? Então a discussão não é de ponte aérea. A discussão é de conexão com os hubs. Por que ele está alegando que quer entrar na ponte aérea? Isso ele já pode fazer hoje. Mas ele não pode querer ter as duas coisas: conectar com os hubs e também competir na ponte aérea? O objetivo dele é levar os slots pagando o mínimo possível. Sem concorrência. [se a Avianca acabar], existe uma regra de distribuição de slots [igualmente para todas as empresas]. Mas ele quer que a Anac [Agência Nacional de Aviação Civil] ou o Cade mude as regras de distribuição. Porque ele não quer participar do leilão, que é caro. Mas a Anac tem dito que precisa respeitar as regras atuais de distribuição de slots. Não tem de cumprir a lei? Ele quer que mude a lei. Ele está tentando montar essa cortina de fumaça, dar argumento de que a concorrência não deixa ele operar na ponte aérea. Ele já pode. Mas, se ele coloca os 13 slots dele na ponte aérea, ele fica sem a conexão dos hubs? O maior hub dele é Viracopos, em Campinas. Ele quer a ponte aérea, mas ele prefere usar os slots de Congonhas para conectar voos de Confins ou de Porto Alegre etc. Mas, se o passageiro vem de Porto Alegre para Congonhas, você acha que depois ele viaja para a ponte aérea? Não precisa. Ele pode usar Viracopos. O passageiro pode fazer Porto Alegre a Viracopos e depois Viracopos para o Rio. Isso é a cortina de fumaça? Que ele defenda os interesses da Azul. Mas sem acusar e mentir. Sem acusar as outras companhias como se tivesse duopólio ou alguma combinação, como se a gente tivesse feito a proposta da Elliott. Ele inverte o argumento. Ele fala que foram a Latam e a Gol que fizeram uma proposta na assembleia de credores. A Elliott liga para a Latam e fala que quer que a gente participe do leilão nessa condição em que eu divido. "Vocês estariam interessados?" Imagina que eu vou falar: "Não, obrigado, vou deixar a Azul porque ela está preocupada com os empregos". É óbvio que eu, defendendo os interesses da Latam, vou querer os slots. Quero conectar mais cidades e ter mais voos. Vocês também vão contratar funcionários da Avianca? A gente já contratou. Mais do que ele está falando que contratou e vai contratar. Nós já contratamos 320 tripulantes da Avianca. Já estão voando. Já temos dois aviões liberados pelo juiz em abril. Ele [Azul] parou de transportar passageiro [da Avianca] no evento do leilão. Ele está preocupado com o setor, mas para de transportar passageiros da Avianca? E somos nós que estamos forçando para a Avianca quebrar? Até agora transportamos 30 mil passageiros. De graça. Todo o discurso dele está baseado em mentiras. Ele leva o setor todo ao descrédito. Fica parecendo que é um setor que não é sério, que não tem regras. Para o setor aéreo, que precisa estar ligado à ideia de segurança, uma crise de credibilidade pesa mais? Ele pode defender os interesses da Azul. Mas que não minta nem faça acusações que não pode defender. Essas acusações que ele está fazendo não se sustentam. Vai ter de provar. Onde a gente tem uma ação que force a quebra da Avianca? É um momento em que o setor passa por uma crise brutal, com prejuízo acumulado das quatro companhias juntas no ano passado de R$ 1,9 bilhão, com uma das companhias falindo. Eu confio em que os órgãos reguladores Anac e Cade entendam o que tem por trás do posicionamento da Azul. Não tem evidência nenhuma. É um momento muito frustrante pelo comportamento. A Azul lidera em voos regionais, para aeroportos menores, sem a concorrência de vocês. E eles dizem que vocês são bem-vindos para ir competir nessas rotas. Por que não vão? A demanda lá é limitada? A Latam tem a restrição do tamanho dos aviões. Tem aeroportos em que eu não consigo pousar [com aeronaves muito grandes que compõem a frota da Latam]. A não ser que eu tenha aviões menores. Por que eles estão sozinhos nessas rotas hoje? Porque ele comprou a concorrente deles [em 2012]. A Trip foi comprada por eles, que se dizem próconcorrência, mas compraram o competidor. Hoje eu não entro [nas rotas regionais] ou porque eu não tenho um avião que cabe ou porque não tem demanda. Aí passa de uma situação em que alguém está ganhando e tendo operação sustentável para duas empresas terem uma operação não sustentável. Por isso ele tem o monopólio virtual hoje em muitas das rotas que ele opera. Em 70% das rotas que ele opera, ele está sozinho. Vocês também discordavam no tema da abertura do setor ao capital estrangeiro? Ele é contra. Por quê? Porque não quer concorrência. Se ele tem essa posição de que quer concorrência, por que é contra capital estrangeiro? E ele era tão contra que conseguiu influenciar para que a regra virasse: "Pode aprovar o capital estrangeiro, mas tem de voar 5% das rotas regionais". [Em abril, comissão mista do Congresso incluiu mudanças na medida provisória de abertura do mercado ao capital estrangeiro]. A quem interessa isso? Isso torna mais difícil a entrada de qualquer companhia de fora. Eles saíram da Abear, associação do setor. Como avaliaram isso? A Abear nunca tratou de temas comerciais. Isso, sim, seria cartel. Slot de Congonhas é um tema que nunca foi tratado. Ele está brigando por causa do leilão da Avianca, que é um tema comercial, e sai da Abear . Ela trata de questões relacionadas à segurança de voo, se pode ou não operar com brigada de incêndio, roteiro de navegação. https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2019/06/acusacoes-da-azul-sao-mentiras-que-levam-setor-aereo-ao-descredito-diz-presidente-da-latam.shtml
  5. Avianca signs interline and negotiates codeshare agreements with Azul and Gol in Brazil June 21, 2019 Avianca Holdings interim CEO Renato Covelo stated Aviancabookings were impacted in Brazil due to the brand connection with Avianca Brazil (O Globo, 20-Jun-2019). Avianca signed interline agreements and is negotiating codeshares with Gol Linhas Aéreasand Azul Linhas Aereas to address domestic-international connectivity demand in the Brazilian market. https://blueswandaily.com/avianca-signs-interline-and-negotiates-codeshare-agreements-with-azul-and-gol-in-brazil/
×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade