Jump to content

Search the Community

Showing results for tags 'Boeing'.



More search options

  • Search By Tags

    Type tags separated by commas.
  • Search By Author

Content Type


Forums

  • Principal
    • Aviação Civil
    • Aviação Militar
    • Direto da Redação
  • Classificados Patrocinados
    • Anuncie Aqui
  • Profissional
    • Tripulantes e Mercado de Trabalho
    • Técnica e Operações
  • Spotting & Outros Hobbies
    • Fotografia
    • Videos
    • Movimento de Aeronaves
    • Modelismo
    • Rádio Escuta/ACARS/Logs
    • Técnica e Equipamentos
  • Guia CR
    • Check-in (Flight Reports)
    • Frequent Flyer
  • Memorabilia & Off Topic
    • Papo de Hangar
    • Imagens e Documentos
    • Recordar é Viver
    • Classificados
  • Central Ponte Aérea by Contato Radar
    • Central de Relacionamento do CR
  • Serviços
    • Contato Radar Publicidade
  • Memorabilia

Find results in...

Find results that contain...


Date Created

  • Start

    End


Last Updated

  • Start

    End


Filter by number of...

Joined

  • Start

    End


Group


Skype


Website URL


MSN


Yahoo


Jabber


Location


Interests


Cidade/UF/País


Data de Nascimento

Found 17 results

  1. "Para que fique claro o que estou afirmando, vou repetir: se não for salva pelos contribuintes americanos, a Boeing vai quebrar." (Ivan Sant'Anna, trader no mercado financeiro) Vale a leitura: https://www.seudinheiro.com/apertem-os-cintos-a-boeing-esta-falindo/
  2. Comentário do autor da foto: Shizuoka Airport not only sees off, but you can see many families and spotters visiting on holidays and waving on the plane. Most pilots know this place and pass slowly. On this day, there was a 10th anniversary event of the airport. ANA assigned the Star Alliance livery and was greatly excited. https://www.airliners.net/photo/Star-Alliance-All-Nippon-Airways-ANA/Boeing-737-881/5595843
  3. Do NY Times de hoje, parte da materia sobre os prejuizos da Boeing com o MAX "Already, the tally is substantial. Boeing will take a pretax charge of $5.6 billion in the second quarter, its current estimate of what it will take to compensate its Max-flying customers" Se são 371 aeronaves paradas e outras não entregues, a conta bate provavelmente em mais de US$ 10 mm por unidade. Agora resta saber como a Boeing está comunicando isso a cada cia aérea. Teremos boas novidades no balanço da GOL em breve por exemplo.
  4. Meus prezados Índia começa a avaliar propostas para o contrato de caças de US$ 15 bilhões O Gripen E é um dos concorrentes pelo contrato da Índia A Índia deu um passo em direção à análise das ofertas para a compra de 114 caças, atualmente o maior contrato do mundo em jogo, já que o primeiro-ministro Narendra Modi busca aumentar a capacidade das forças armadas do país e substituir uma antiga frota de aviões de combate. O contrato – avaliado em mais de US$ 15 bilhões – atraiu ofertas iniciais de grandes empresas globais de defesa, incluindo a Boeing Co., a Lockheed Martin Corp e a sueca Saab AB. Pelo menos 85% da produção tem que acontecer na Índia, de acordo com um documento inicial emitido há mais de um ano. A modernização das forças de defesa do país é fundamental para o primeiro-ministro, que não assinou novos contratos importantes de armas durante seu primeiro mandato, apesar de ameaças simultâneas de vizinhos da China e do Paquistão. Um jato paquistanês F-16 derrubou um antigo MiG-21 da era soviética – a base da Força Aérea Indiana – em um “dogfight” durante um confronto militar no início deste ano. Avaliação começa A avaliação das propostas iniciais e a finalização dos requisitos da Força Aérea começaram, disse o ministro da Defesa, Shripad Naik, a parlamentares. O governo também está elaborando documentos iniciais para a compra de tanques e veículos blindados, além de pedir que construtores navais estrangeiros mostrem interesse em fabricar submarinos na Índia, disse ele. Fonte: Bloomberg Quint via site Poder Aéreo 4 jul 2019
  5. 29-May-2019 8:36 PM https://centreforaviation.com/members/direct-news/embraer-and-weg-sign-an-agreement-for-technological-cooperation-in-electric-aeronautical-propulsion-475657 Embraer and WEG, two of Brazil's largest high-tech manufactured products exporters, announced today a scientific and technological cooperation agreement to jointly develop new technologies and solutions to enable electric propulsion in aircraft. The partnership, in the context of pre-competitive research and development, seeks to accelerate the knowledge of the technologies necessary to increase the energy efficiency of aircraft from the use and integration of electric motors in innovative propulsion systems. The electrification process is part of a series of efforts carried out by the aeronautical industry aimed at ensuring its commitments to environmental sustainability, as is already being done with biofuels to reduce carbon emissions. “By creating this technological development agreement with WEG, we have combined more than 100 years of innovation from two leading companies in generating knowledge and strengthening the supply chain, as well as increasing Brazilian competitiveness in the global market,” said Daniel Moczydlower, Executive Vice President of Engineering and Technology at Embraer. “Advances in scientific research can make clean and renewable energy a major enabler of a new era of urban and regional air mobility that is more accessible to the population.” The cooperation between the research teams will support the creation of innovative technologies that can generate opportunities for future evolutions of new aeronautical configurations and the possibility of developing new market segments. Initiatives like this, combined with long-term incentive policies, also enhance Brazil's intent to become a world leader in sustainable technologies. “Our powertrain technology, developed over years for tried and tested applications in trains, buses, trucks and boats, and in constant evolution, has paved the way for this exciting scientific and technological cooperation project. Together with Embraer we will work not only to enable the electric propulsion of aircraft, but also to increase the technological capacity of WEG, of Embraer and of Brazil, taking our country to an even more competitive level,” says Manfred Peter Johann, Superintendent Director of WEG Automation. After testing these technologies in the laboratory, an aeronautical platform will be used for integration and testing of complex systems under real operating conditions. A small single-engine aircraft, based on the EMB-203 Ipanema, will be used as the test bed, which will carry out the primary evaluation of the electrification technology. The first flight of the electric powered demonstrator is scheduled for 2020. The proposed scientific development of aeronautical electrification, using a technology demonstration platform, constitutes an effective and efficient pre-competitive research instrument for learning and training, as well as for the maturation of the technologies before they are applied in future products. Embraer is committed to the open innovation model and maintains collaborations with dozens of universities and research centers in Brazil and abroad. Among the highlights are long-term partnerships with institutions such as FINEP, FAPESC, FAPESP, FAPEMIG and Embrapii, which are key to narrowing the gap between the scientific community and industry needs. By establishing strategic partnerships through more agile cooperation mechanisms, Embraer is stimulating knowledge networks to allow a significant increase in the country's competitiveness and the construction of a sustainable future. This press release was sourced from Embraer on 28-May-2019.
  6. When it comes to the New Mid-market Airplane (NMA), Air Lease executive chairman Steven Udvar-Hazy says that Boeing could end up building two new aircraft: one for range and another for optimal economics. "The NMA programme is a huge undertaking," says Udvar-Hazy, often credited with redirecting Airbus's original plans for the A350. He was speaking at the JP Morgan aviation, transportation and industrials conference today. "It will involve new ways of producing airplanes. Boeing knows it has a lot of work to do. With the scars they have from the 787 programme – cost overruns, delays, problems with subcontractors, partners – they are taking a thoughtful approach." While some airlines are keen on range, as noted by moderator Jamie Baker, a senior research analyst at JP Morgan, others are focused on the lowest cost per seat kilometer. The widebody NMA would seat 200-270 passengers with a range of 4,000-5,000nm (7,400-9,300km), aiming directly at the heart of the so-called middle-of-the-market between Boeing's largest 737 Max and smallest 787. "Some of the Asian airlines are less interested in range and more interested in a higher capacity version, delivering the most optimal economic performance," Udvar-Hazy says. "Ultimately, I think it's driving towards two different models. Boeing will have to address which comes first." This is not the first time it has been suggested that the NMA will be larger than just a single aircraft programme. "It's a two-aircraft deal," Kevin Michaels, managing director at consultancy AeroDynamic Advisory said of the NMA on 12 February at the annual meeting of the Pacific Northwest Aerospace Alliance. "You work out this new business model on the 797, and you take this to the new single-aisle later on." Yesterday, Delta Air Lines chief executive Ed Bastian confirmed the carrier's interest in Boeing's NMA. "Boeing hasn't decided if it's going to launch that aircraft – we hope they will," Bastian told investors at the JP Morgan conference on 5 March. Boeing had planned to make a decision on the NMA this year but recently postponed that to 2020, in a move that took many in the industry by surprise. The airframer maintains that, if it launches the new aircraft, the type would debut in 2025. https://www.flightglobal.com/news/articles/boeing-nma-driving-towards-two-different-models-u-456401/
  7. 6-Mar-2019 12:27 AM Delta Air Lines CEO Edward Bastian stated (05-Mar-2019) the airline is "very interested" in Boeing's New Midsize Airplane (NMA), adding Delta is looking to replace almost 200 757 and 767 aircraft over the next decade. He noted the airline is in discussions "at a very preliminary phase" with Boeing. https://centreforaviation.com/news/delta-air-lines-ceo-airline-very-interested-in-boeing-nma-884816
  8. January 08, 2019 Lightweight, ultra-thin and more aerodynamic wing concept Boeing revealed the newest Transonic Truss-Braced Wing (TTBW), which researchers say will fly higher and faster than the previous TTBW concepts. The new configuration is designed to offer unprecedented aerodynamic efficiency while flying at Mach 0.80. From end-to-end, the folding wings measure 170 feet. The high wingspan is made possible by the presence of a truss, which supports the extended length of the ultra-thin wing. Originally, the TTBW was designed to fly at speeds of Mach 0.70 – 0.75. To increase the aircraft’s cruise speed, the new concept now has an optimized truss and a modified wing sweep. By adjusting the wing sweep angle, the truss can carry lift more efficiently. The end result was a more integrated design that significantly improved vehicle performance. The new changes follow extensive wind tunnel testing at NASA Ames Research Center. For nearly a decade, Boeing and NASA have been studying the concept as part of the Subsonic Ultra Green Aircraft Research (SUGAR) program. The research focuses on innovative concepts that reduce noise and emissions while enhancing performance. https://www.boeing.com/features/2019/01/spreading-our-wings-01-19.page O lançamento do 797 está próximo. Toda vez que a Boeing vem com conceito novo, tipo Sonic Cruiser, é pra chamar atenção pra um novo avião de conceito antigo.
  9. Boeing, Green Africa Airways Announce Landmark Commitment for up to 100 737 MAX aircraft SEATTLE, Dec. 21, 2018 /PRNewswire/ -- Boeing [NYSE:BA] and Lagos-based Green Africa Airways today announced a commitment for up to 100 737 MAX 8 aircraft, evenly split into 50 firm aircraft and 50 options, as the airline gears up to begin commercial operations. The total deal carries a list-price of $11.7 billion, the largest aircraft agreement from Africa, and will be reflected on Boeing's Orders and Deliveries website once finalized. "Today is a historic day for the Nigerian and African aviation industry," said Babawande Afolabi, Founder & CEO, Green Africa Airways. "This landmark deal takes us much closer to our long-held dream of building a world-class airline that will unlock a new realm of positive possibilities for millions of customers. Broadly speaking, this deal is a bold symbol of the dynamism, resilience and soaring entrepreneurial drive of the next generation of Nigerians and Africans." Green Africa Airways, a value airline based in Lagos, Nigeria aims to offer safe, quality and affordable air travel and be a significant contributor to the economic development of Nigeria and the African continent. The new airline has received its Air Transport License from the Nigerian government and is anchored by a group of senior industry leaders led by Tom Horton, former Chairman and CEO of American Airlines, William Shaw, Founder and former CEO of VivaColombia and Virasb Vahidi, former CCO of American Airlines. "Nigeria is uniquely positioned to be the home of the next major value airline. The strategic partnership with Boeing positions Green Africa Airways to expand and improve air travel for customers in Nigeria, and further strengthens the relationship between the United States, Nigeria and Africa," Vahidi said. The airline initially plans to develop the Nigerian market and then build a strong Pan African network. According to Boeing's 20-year Commercial Market Outlook, airlines in Africa will require 1,190 new airplanes as the continent boosts both intra-continental and intercontinental connectivity over the next couple of decades. "The growth potential for air travel across Nigeria and Africa is extraordinary with the airplane fleet expected to more than double over the next 20 years. We are delighted that Green Africa Airways has selected the 737 MAX to serve this expanding market," said Ihssane Mounir, Senior Vice President of Commercial Sales & Marketing, The Boeing Company. "We look forward to Green Africa Airways building their fleet with the MAX and taking advantage of the jet's efficiency and dependability to open new options across Nigeria and the African continent. Boeing will be a trusted partner to Green Africa Airways as the MAX is introduced into their operations and through their long-term success." The 737 MAX is the fastest-selling airplane in Boeing history, accumulating more than 4,800 orders from over 100 customers worldwide. The airplane's superior performance is enabled by the latest technology in the single-aisle market, including advanced CFM International LEAP-1B engines, Advanced Technology winglets, and other airframe enhancements. Fonte: https://boeing.mediaroom.com/2018-12-21-Boeing-Green-Africa-Airways-Announce-Landmark-Commitment-for-up-to-100-737-MAX-aircraft Se quiserem ver a matéria em português, acesse: http://www.cavok.com.br/blog/boeing-e-green-africa-airways-anunciam-acordo-para-ate-100-aeronaves-737-max/
  10. 21-Nov-2018 10:42 PM Airline announces decision to renew its fleet with more efficient and longer-range MAX 12 737 MAX 8 jets will replace current fleet and provide up to 16 percent fuel savings Boeing and Caribbean Airlines today announced the airline has chosen to enhance and renew its single-aisle fleet with the 737 MAX 8. The carrier, which has long operated the Next-Generation 737, will take delivery of 12 MAX airplanes in the coming years. The airline commemorated the selection of the MAX during a ceremony featuring national dignitaries, including the Prime Minister of Trinidad and Tobago, the Honorable Keith Rowley, and Caribbean Airlines Chief Executive Officer, Garvin Medera. "Boeing has been by our side since Caribbean Airlines was founded twelve years ago using the 737-800. The 737 MAX allows us to continue offering a safe and comfortable experience for our passengers, while significantly improving fuel efficiency and environmental performance," said Medera. "All of these elements position us for long-term success." The 737 MAX 8 – part of a fuel-efficient family of airplanes – will seat up to 160 passengers in Caribbean Airlines' three-class configuration featuring the "Caribbean Plus" Cabin, and provide more than 500 nautical miles more range than the existing aircraft. The airplane incorporates the latest technology CFM International LEAP-1B engines, Advanced Technology winglets, and other airframe enhancements to improve performance and reduce operating costs. Caribbean Airlines projects the MAX 8 will provide up to 16 percent fuel savings compared to its current fleet. The MAX, outfitted with the popular Boeing Sky Interior and designed to be quieter than previous jets, will also offer Caribbean's customers the latest in passenger comforts. "We are honored that Caribbean Airlines has placed its trust once again in the Boeing airplane family and chosen to bridge to the future with the 737 MAX 8. Its selection reaffirms the partnership we have built together with the Next-Generation 737 family," said Ihssane Mounir, senior vice president of Commercial Sales & Marketing for The Boeing Company. In addition to flying Boeing airplanes, Caribbean Airlines also uses Boeing's services to optimize its operations. The carrier participates in the Fuel Dashboard Program, for example, which allows operators to look across their fleet and identify fuel savings. Caribbean also uses Boeing's consumable and expendable material services to ensure it has the parts it needs when it needs it. The 737 MAX family is the fastest-selling airplane in Boeing history, accumulating about 4,800 orders from more than 100 customers worldwide. Boeing has delivered more than 200 737 MAX airplanes since May 2017. https://centreforaviation.com/members/direct-news/boeing-caribbean-airlines-announce-selection-of-737-max-449793
  11. https://www.aeroflap.com.br/boeing-747-100-de-testes-da-ge-realiza-o-seu-ultimo-voo/
  12. No final da tarde de sábado (22 de setembro de 2018), aconteceu o primeiro pouso com o novo Boeing 737 MAX 8 da @voegoloficial na Paraíba. O voo 7702 operado pelo PR-XMB chegou procedente de Buenos Aires às 17h30, e decolou para Buenos Aires com escala em Maceió 47min depois. =D Mais registros de JPA no instagram @spotterinjpa
  13. Compartilho uma foto incrível tirada por Oscar Wistrand do aeródromo de Boeing Field/King County, onde fica a linha de montagem do 737. Alguém tem dúvida de que mercado tem uma grande demanda de norrow body? fonte:
  14. Bom dia, pessoal. Registro recente em CHS, trata-se do primeiro 787-9 da companhia taiwanesa Eva Air. Eu, particularmente, achei muito bonito. Fonte: https://www.airliners.net/photo/EVA-Air/Boeing-787-9-Dreamliner/5205695/L
  15. Um Boeing 737 da companhia aérea russa Utair pegou fogo após pousar no aeroporto de Sochi, perto do Mar Negro, neste sábado (1º). Dezoito pessoas ficaram feridas, entre elas três crianças, informou o Ministério de Saúde da Rússia. O avião, que tinha partido de Moscou, transportava 164 passageiros e seis integrantes da tripulação. Ele patinou na direção a um rio por volta das 3h (horário de Brasília), segundo a France Presse. A aeronave perdeu partes da fuselagem, da asa e do trem de pouso e começou a pegar fogo. O supervisor do turno do aeroporto, Vladimir Begiyan, que foi um dos primeiros a responder ao acidente, morreu de ataque cardíaco no local, de acordo com o ministro do Transporte, Yevgeny Ditrikh. As autoridades iniciaram uma investigação para determinar a causa do acidente. https://g1.globo.com/mundo/noticia/2018/09/01/aviao-pega-fogo-ao-pousar-em-sochi-na-russia-e-deixa-feridos.ghtml
  16. Sabe quando você está olhando alguma coisa, totalmente despretensioso e, de repente, como um click, acende uma lâmpada sobre sua cabeça? Você já teve alguma ideia meio maluca, do nada, só porque olhou pra algo comum, talvez até corriqueiro? Pois bem, eu tive. E vou contar a vocês como começou essa minha saga rumo ao berço das máquinas mais belas que cruzam os céus todos os dias. Vamos lá!! Preparados? Muito bem, em julho do ano passado (estou em 2018 falando de 2017, caso você esteja aí em 2021 lendo essa budega), recebi o informativo de um curso em San Diego, na Califórnia, e resolvi me inscrever. Eu já tinha feito um curso na mesma faculdade e escrevi um FR sobre como cheguei até a West Coast naquela ocasião (http://forum.contatoradar.com.br/index.php/topic/114204-jetblue-senta-que-e-de-menta-new-york-a-los-angeles-na-executiva-mint/). Assim, como a viagem até lá não é curta, decidi tirar férias na mesma época, assim pude aproveitar mais tempo turistando pela América. Com os dias livres já determinados, começou o brainstorm para decidir o roteiro, as companhias aéreas, hotéis e etc. Enquanto eu fazia essas pesquisas, apareceu no site airliners.net uma foto do PT-TAA da Transbrasil em apresentação no salão de Le Bourget, antes mesmo da Boeing entregar o avião à cia. do arco-íris. Dando uma olhada em mais fotos da época, achei uma imagem da linha de montagem do 767, no início da década de 80, que continha um avião sendo preparado para a Delta, uma asa azul à frente e mais três aviões ao fundo. Eu estava diante de um retrato da produção dos primeiros 767 da Transbrasil! Essa magnífica imagem deu o click que falei no início! Seria um sonho visitar a fábrica da Boeing e, já estando na costa oeste dos EUA, não seria nada mal dar um pulo em Seattle e ficar totalmente imerso no mundo aeronáutico (além de conhecer uma cidade nova). Pois é, eu não voo tanto o quanto eu gostaria e, assim como vocês, sendo um grande fã da aviação, não poderia perder essa chance. A ideia inicial, antes de eu ver a foto acima, era ir de San Diego para Orlando num voo direto da Alaska Airlines, mas, contando os dias e programações que eu pretendia fazer, consegui encaixar Seattle entre San Diego e Orlando. Um triângulo meio doido pelos EUA né!? Mas quem de nós não gosta!? Meu roteiro me levaria da calçada da fama ao Mickey, com paradas no muro de Tijuana e na maior fábrica do mundo. Como bom entusiasta, procurei voar no maior número de cias. e então fechei meu itinerário da seguinte forma: 25/10 GRU-LAX com American Boeing 777-200ER 30/10 Los Angeles - San Diego Via terrestre 04/11 SAN-SEA com Alaska Boeing 737-700 06/11 SEA-SLC-MCO com Delta Boeing 737-800 e 737-900ER 14/11 MCO-MIA-GRU com American Boeing 757 e 777-300ER A primeira opção que pesquisei no trecho San Diego Seattle foi a que fechei: ALASKA AIRLINES. Uma empresa que nunca tinha tido a chance de voar e provavelmente demorarei a voar de novo, mas eu sabia do hub forte em Seattle e múltiplos voos em San Diego desta cia. A compra da passagem foi muito simples, prática e, acima de tudo, barata. A primeira classe no voo que eu queria custou em torno de 140 dólares. Esse valor caiu bem como uma luva, afinal, eu queria tomar um café da manhã um pouco melhor no voo, não perdendo tempo ao parar pra comer próximo à fábrica da Boeing. Obviamente isso se mostrou inevitável já que a fome costuma ser grande, mas nada que comprometesse o tour. No dia 04 de novembro, acordei as 5 da matina e me dirigi ao aeroporto Lindbergh Field, para pegar o voo AS493, non-stop service to Seattle. O check-in preferencial pra First foi super-rápido e, com uma mala despachada, fui direto para a fila do TSA. Tem uma ala reservada para passageiros em classes superiores naquele local, mas não adiantou muito, já que o acanhado terminal 1 em SAN estava lotadíssimo naquele momento. Creio que fiquei uns 40 minutos na fila de raio-x, o que me fez chegar ao portão 18 no momento em que o embarque começou. Nosso 737-700 de hoje voa há 18 anos com a matrícula N609AS, tendo sido entregue direto à Alaska Airlines em 1999. Esta ave já ostenta a nova pintura da companhia, que acho linda! Confesso que queria viajar num 737-900ER, avião presente em minha coleção de modelos em escala 1:400 (@400collector no instagram, se alguém quiser conferir: https://www.instagram.com/400collector/), mas na realidade não fez a menor diferença. Ao embarcar, notei um interior impecável, muito limpo e bem conservado. Meu assento naquela manhã foi o 1A e, sendo saudado pela simpática comissária chamada Megan, logo me foi oferecida alguma bebida. Optei por um café e uma água. Tinha acordado as 5 da manhã naquele dia, tendo ido dormir pra lá da 1 em razão das festividades do fim do curso que fiz. Um café, que a Alaska se orgulha de servir Starbucks, foi muito bem-vindo. O espaço na primeira fileira é bastante bom e achei a poltrona de couro confortável. À minha frente, uma imagem acarpetada que achei muito interessante, diferente das paredes brancas com alguma texturinha que vemos por aí. O ambiente estava realmente ótimo, avião bem conservado, limpo, poltrona confortável e diferenciais que provavelmente só um avgeek como nós repararia. Assim, pouco depois de tomar o bom café, a comissária Megan anunciou as opções do café da manhã: 8 tortas de omelete e 4 cereais com iogurte. Em seguida, ela passou por todos os passageiros da classe perguntando quais seriam as nossas escolhas. Dei graças a deus por estar na 1A, uma vez que as duas opções estavam disponíveis e eu detestaria ter que comer cereais com iogurte. Pois bem, com as portas fechadas, pontualmente iniciamos o pushback na ensolarada manhã sul-californiana. Decolamos pela pista 27 e através da minha janela tive vistas espetaculares da bela San Diego. Vídeo do pushback, taxi e decolagem: https://youtu.be/Onj2zIUh-Lk Rapidamente se iniciou o serviço de bordo e achei bastante conveniente terem anotado os pedidos antes da decolagem, isso agilizou bastante o trabalho dos comissários, deixando mais tempo para descansarmos durante o resto do voo. Apesar de ser um voo relativamente curto, a srta. Megan sempre aparecia para checar os passageiros. Em determinado momento ela viu minha GoPro e veio me perguntar se eu tinha conseguido tirar boas fotos. Mostrei para ela o vídeo da decolagem e ela ficou empolgadíssima, dizendo: this is goooooorgeous!!! e me acenando um high-five, que logo retribui. Achei isso engraçado, meio infantil até, mas muito simpático da parte dela. Uma atenção extra que certamente fez meu já alto conceito sobre a Alaska crescer. O restante do voo foi bem tranquilo, apesar dos olhares de lado do meu seat mate a cada vez que eu sacava a o celular ou a GoPro para tirar fotos da comida, do assento, da janela... Até pedi desculpas uma hora, mas ele me ignorou totalmente, então fui tirando minhas fotos feliz, contente e sem vergonha. Sem vergonha de tirar fotos, não pensem bobagem. Com vistas de algumas montanhas cobertas por neve, a chegada a Seattle foi um tanto quanto turbulenta. O tempo lá estava nublado e, quando estávamos abaixo das nuvens e eu pude ver a cidade.... Telhados brancos cobertos por neve!! Na noite anterior uma nevasca tinha deixado a cidade com alguns pontos críticos, inclusive, quando cheguei ao hotel, não havia sinal de TV a cabo por conta disso. Pousamos no Sea-Tac antes do horário previsto, o que me deixou bastante feliz, afinal, meu dia seria inteiramente dedicado à Boeing. Na verdade, já tinha começado, uma vez que sobrevoamos o aeródromo Boeing Field, onde o museu da Boeing está localizado. Foi espetacular estar do lado certo do avião para ter essa vista. Vídeo da aproximação e pouso: https://youtu.be/Wn_SGPYUynI Já em solo, depois de passar pela procissão de esquimós azuis pelas pistas de taxi, desembarquei, rapidamente peguei minha mala e fui direto para Mukilteo, que é a cidadezinha onde fica o hotel em que me hospedei. Uma das divisas dessa cidade, com Everett, é justamente o perímetro do aeroporto Paine Field. Lá descobri que esse aeroporto não é exclusivo da Boeing, existindo outras operações de aviação geral e comercial, além dos voos de testes e entregas da própria fabricante de aeronaves. O hotel que reservei fica exatamente em frente à cabeceira da pista do Paine Field. Obviamente pedi um quarto com vista para o aeródromo e quando cheguei lá.... não consigo nem expressar com palavras a empolgação. Assim, larguei a mala no quarto, comi alguma coisa na vila de Mukilteo (eu disse que a fome era grande), e fui direto ao tour da fábrica da Boeing. Apesar da câmera não captar a grandeza do local, vou deixar as fotos falarem por si só: Depois do tour ainda tem essas belezas expostas: E essas janelas estranhas?? Hahaha Meus caros amigos, vale MUITO a pena. Li comentários na internet de que os guias não dão muitos detalhes, de que o tour é curto e blá blá blá... Pode até ser verdade, mas sem sombra de dúvida foi uma das melhores coisas que fiz na vida. Não se pode esperar que eles deem informações muito detalhadas sobre o processo de produção e montagem das aeronaves, mas a guia respondeu todas as perguntas que fizeram, como por exemplo, quantos 787 produzem por mês, quantos estavam na linha de montagem naquele momento, qual o valor de um avião desses, quanto tempo demora para um ficar pronto, e etc. Antes do início do tour eles deixam bem claro que não pode portar arma de fogo, facas ou armas afiadas, celular, câmera, bolsas, mochilas ou malas de qualquer tipo, mas tem armários gratuitos na entrada do prédio para armazenamento dos itens. O curioso (e até perigoso, na minha modesta opinião) é que ninguém passa por revista ou detector de metais. Quem tiver a oportunidade, faça o Tour e fique hospedado neste hotel: Hilton Garden Inn Seattle North/Everett. Eu mal dormi a noite, toda hora ficava indo à janela para olhar aquele monte de 787 sendo preparado para a entrega. Mas notem: o dia que estive lá era sábado e, para a minha surpresa, ninguém trabalha aos fins de semana na fábrica. Assim, já pretendo voltar lá em algum dia de semana para ver o pessoal com a mão na massa e ver os voos de teste também, já que os únicos movimentos que vi foram de um 777F da FedEx e uns monomotores de um aeroclube que tem lá.
  17. A norte-americana Boeing está em negociação para adquirir a rival brasileira Embraer, relatou o jornal "The Wall Street Journal", citando pessoas não identificadas familiarizadas com o assunto. A Embraer ganharia um ágio substancial além dos US$ 3,7 bilhões de valor de mercado, disse o jornal nesta quinta-feira (21). Segundo o jornal, as empresas estão aguardando a palavra do governo brasileiro, que tem poder de veto sobre uma possível venda. As ações da Embraer listadas na Bolsa norte-americana subiam 26%, para US$ 24,44. A Boeing, com sede em Chicago, caiu menos de 1%, para US$ 297,13. Na Bolsa brasileira, as ações da Embraer subiam 2,54% às 15h14, cotadas a R$ 16,91. A Embraer teve uma receita liquida de R$ 21,436 bilhões em 2016. Procurada pela Folha, a Embraer disse que em breve soltará um comunicado sobre o assunto. Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/mercado/2017/12/1945117-boeing-negocia-compra-da-embraer-diz-jornal.shtml
×
×
  • Create New...