Jump to content

Search the Community

Showing results for tags 'GIG'.



More search options

  • Search By Tags

    Type tags separated by commas.
  • Search By Author

Content Type


Forums

  • Principal
    • Aviação Civil
    • Aviação Militar
    • Direto da Redação
  • Classificados Patrocinados
    • Hilton Miniaturas
    • Anuncie Aqui
  • Profissional
    • Tripulantes e Mercado de Trabalho
    • Técnica e Operações
  • Spotting & Outros Hobbies
    • Fotografia
    • Videos
    • Movimento de Aeronaves
    • Modelismo
    • Rádio Escuta/ACARS/Logs
    • Técnica e Equipamentos
  • Guia CR
    • Check-in (Flight Reports)
  • Memorabilia & Off Topic
    • Papo de Hangar
    • Imagens e Documentos
    • Recordar é Viver
    • Classificados
  • Central Ponte Aérea by Contato Radar
    • Central de Relacionamento do CR
  • Contato Radar nas Redes Sociais
    • Facebook
  • Links úteis
    • Sites e blogs de aviação
  • Serviços
    • Contato Radar Publicidade
  • Memorabilia
  • Outros Hobbies
    • Simulação de Empresas Aéreas

Find results in...

Find results that contain...


Date Created

  • Start

    End


Last Updated

  • Start

    End


Filter by number of...

Joined

  • Start

    End


Group


Skype


Website URL


MSN


Yahoo


Jabber


Location


Interests


Cidade/UF/País


Data de Nascimento

Found 8 results

  1. Agentes da Delegacia do Aeroporto Internacional do Galeão ainda apreenderam materiais usados para fabricar balões. Investigações prosseguem com a delegacia. Um homem de 54 anos foi preso por policiais da Delegacia do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro (DAIRJ) em São Gonçalo, na Região Metropolitana, nesta terça-feira (22). O suspeito, segundo a polícia, participou de uma invasão que terminou com um tiroteio entre baloeiros, policiais federais e policiais civis. Com ele, a polícia apreendeu diversos materiais para a confecção de balões e carretéis de linha chilena, além de cinco pássaros. A investigação é uma continuação dos trabalhos que foram iniciados com a invasão de baloeiros ao aeroporto do Galeão, em julho. Na ocasião, 30 criminosos trocaram tiros com a Polícia Federal. Uma parte deles conseguiu fugir. De acordo com a Polícia Federal, imagens de câmeras de segurança confirmaram a movimentação. Na operação, antes de serem presos, os dois homens trocaram tiros com os policiais, segundo os agentes. Ainda de acordo com a PF, os demais integrantes do grupo fugiram, usando não só os veículos com que chegaram ao aeroporto, mas também um barco, para escapar pela Baía de Guanabara. Fonte: https://g1.globo.com/rj/rio-de-janeiro/noticia/2020/09/22/policiais-prendem-suspeito-de-integrar-grupo-de-baloeiros-que-invadiu-galeao.ghtml
  2. https://blueswandaily.com/rio-de-janeiro-galeao-airport-could-be-retendered-in-2023/ March 10, 2020 Brazil‘s Secretary of Civil Aviation Ronei Glanzmann commented on Inframerica‘s request to return the concession of Natal Aluízio Alves International Airport, noting the request raised red flags in with Government officials regarding Rio de Janeiro Galeão International Airport‘s concession (Valor, 06-Mar-2020). Mr Glanzmann stated: “Rio de Janeiro Galeao is the one which worries us the most”. The airport will reportedly have to pay BRL1 billion (USD220 million) annual concession fee in 2023 and is possible it will not raise enough to pay. The Government is considering the possibility that the asset will have to be retendered in 2023.
  3. LATAM AIRLINES ADMITE INTERESSE EM ABRIR ROTA LISBOA-RIO DE JANEIRO Por Inês de Matos a 4 de Fevereiro de 2020 as 12:37 A LATAM Airlines está a estudar a abertura de novas rotas em Portugal, com Cinthia Louza, sales manager da LATAM Airlines para Portugal e Espanha, a admitir que a companhia pode vir a abrir uma nova operação entre a capital portuguesa e a cidade brasileira do Rio de Janeiro. “Pode haver novidades em abril, que é quando são divulgadas as novas rotas. Vamos ver, mas a ocupação do voo de São Paulo é bem alta e a rentabilidade é a melhor da Europa, isso pode levar a que, em breve, se coloque outro avião em Lisboa para operar para o Rio de Janeiro”, admitiu a responsável esta terça-feira, 4 de fevereiro, durante uma conferência de imprensa, em Lisboa. De acordo com Cinthia Louza, “os números justificam” a abertura de uma nova rota para Lisboa, que poderia até ser servida pelo B767, o avião que a companhia aérea utilizava na rota entre Lisboa e São Paulo e que foi substituído esta terça-feira por um A350 de nova geração e com maior capacidade. “Os números justificam, nem que seja com um avião menor, poderia até ficar o A350 na rota de São Paulo e o 767 na do Rio de Janeiro”, acrescentou a sales manager da LATAM Airlines para Portugal e Espanha, explicando que, além de turismo, o Rio de Janeiro tem também muito tráfego corporativo, motivos que justificam a abertura dessa ligação. Além do Rio de Janeiro, Cinthia Louza diz que a abertura de outra ligação desde o Nordeste, a exemplo de Salvador, na Bahia, também é uma possibilidade, ainda que mais difícil, já que a ‘alimentação’ dos voos seria mais complicada apenas com Portugal, motivo pelo qual, explicou, será mais provável que a LATAM Airlines venha a abrir uma rota para Salvador desde Madrid. “Penso que o Rio de Janeiro é mais possível, o Nordeste será mais complicado porque mesmo que seja um Lisboa-Salvador, dependemos da ‘alimentação’ da concorrência, não pode ser um voo só de Portugal, precisamos de uma porta de entrada da Europa para o Nordeste. Por isso, provavelmente, se se abrir um voo do Nordeste, talvez seja à partida de Madrid, porque existem outras companhias aéreas que facilitam a ‘alimentação dos voos’”, explicou. Em Portugal, a LATAM Airlines poderá ter ainda interesse a abertura de ligações entre o Porto e São Paulo, uma vez que, referiu ainda Cinthia Louza, seria possível “apanhar o tráfego das empresas do Norte e até do Norte de Espanha”, e não está descartada a abertura de um segundo voo diário para Lisboa, ainda que, para isso, a companhia precise de ter uma maior disponibilidade de aviões, nomeadamente A350. “Para isso precisamos de outro A350 ou então acabamos misturando os aviões e temos uma inconsistência de produto que se critica na concorrência e que nós também tivemos em alguns momentos e isso não é bom para os passageiros de business, porque estes são passageiros fiéis”, acrescentou, revelando, no entanto, que a LATAM Airlines conta já com oito destes aparelhos e espera o nono para breve, devendo receber mais até 2021. https://www.publituris.pt/2020/02/04/latam-airlines-admite-interesse-em-abrir-rota-lisboa-rio-de-janeiro/
  4. Por: Mercado & Eventos Reunião entre líderes da Flybondi e equipe da Embratur, liderada pela presidente Teté Bezerra flybondiA low-cost argentina FlyBondi visitou o Instituto Brasileiro de Turismo (Embratur), nessa quarta-feira (9), e apresentou seu planejamento para operar no Brasil já em 2019. Florianópolis e Rio de Janeiro, os principais destinos dos turistas argentinos no País, são as cidades que a aérea pretende operar no País. A empresa quer operar voos partindo da cidade de Córdoba e da capital, Buenos Aires. Flybondi e JETSmart já solicitaram 560 novas rotas na Argentina envolvendo Brasil Atualmente, a empresa realiza voos para duas cidades fora da Argentina: Assunção, no Paraguai, e Punta del Este, no Uruguai. “É fundamental para o turismo nacional a ampliação da oferta de voos internacionais, auxiliando a chegada de turistas ao País. O relacionamento com as companhias aéreas faz parte das ações estratégicas da Embratur para auxiliar a comercialização do turismo no Brasil”, declarou a presidente do Instituto, Teté Bezerra. O diretor da Flybondi explicou que traz para a América do Sul o modelo de sucesso na operação das empresas de baixo custo europeias O diretor da Flybondi, Esteban Tossutti, explicou que a companhia traz para a América do Sul o modelo de sucesso na operação das empresas de baixo custo europeias e que são extremamente importantes para o turismo porque “os passageiros não gastam nos bilhetes aéreos, e sim nos locais para onde estão indo, seus destinos de viagem”. A reunião aconteceu um mês após a assinatura da Medida Provisória que permite a liberação de até 100% de capital estrangeiro em companhias aéreas brasileiras.
  5. Praticidade atrai vizinhos e faz com que oferta de voos para destinos como São Paulo e Angra dos Reis saindo da Barra da Tijuca cresça Rodrigo Berthone 11/08/2019 - 08:00 RIO — O movimento de aviões e helicópteros é crescente no Aeroporto Roberto Marinho , nome oficial do Aeroporto de Jacarepaguá , em funcionamento há 48 anos em um ponto estratégico da Avenida Ayrton Senna . Apesar do momento difícil da economia, empresas de diferentes setores, que oferecem de voos panorâmico s a viagens Rio-São Paulo, veem sua clientela crescer e fazem planos de expandir seus serviços. Uma delas é a Flapper, que oferece voos fretados e afirma ser a primeira no Brasil a disponibilizar o compartilhamento de assentos na aviação executiva . Uma de suas principais rotas é a Barra-Congonhas , cuja passagem custa R$ 950. O trajeto, em aeronaves de até oito lugares, é feito atualmente duas vezes por semana. — Com esta operação, conseguimos atrair dois públicos, o de negócios e o de lazer — detalha Manoel Assunção, sócio da empresa. — O de negócios geralmente mora no Rio e trabalha em São Paulo. Ele viaja na segunda de manhã e volta na sexta, no fim do dia. Mas também há o público que faz o caminho inverso e vem ao Rio para reuniões. Já o de lazer chega à cidade na sexta e volta para casa na segunda pela manhã. A relações-públicas Manu Maya embarca rumo a São Paulo no Aeroporto de Jacarepaguá: comodidade Foto: Gabriela Fittipaldi / Agência O Globo A empresa está operando com uma taxa de ocupação que varia entre 80% e 90% e planeja aumentar a frequência dos voos saindo da Barra. — A procura está crescendo. A ideia é aumentarmos a quantidade de voos compartilhados no mês que vem, tendo opções também às terças e quintas — adianta o polonês Paul Malicki, CEO da Flapper. A empresa, que começou a operar em 2016 e inaugurou no início do mês um novo lounge no Aeroporto de Jacarepaguá, com cerca de 40 metros quadrados, oferece também fretamento de helicópteros. São 18 aeronaves fazendo as rotas Barra-Angra dos Reis e Barra-Búzios . — Às vezes, as pessoas acham que é muito caro, mas num helicóptero pequeno, para até três pessoas, por exemplo, o valor para Angra é a partir de R$ 3 mil — diz Assunção, que busca se adequar a diferentes demandas. — Há helicópteros com três, quatro, cinco e seis lugares, com preços que vão de R$ 3 mil a R$ 6 mil. Para moradores e frequentadores da região, o deslocamento para os aeroportos Santos Dumont, no Centro, e Tom Jobim, na Ilha do Governador, pode significar muito tempo no trânsito e risco de perder o voo. Sair de casa menos de meia hora antes do voo e decolar do próprio bairro é uma possibilidade que vem atraindo passageiros para a ponte aérea da empresa. É o caso de Marcos Marinho, que integra a diretoria da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), cuja sede fica a cinco minutos de carro do Aeroporto de Jacarepaguá. Integrante da comissão de arbitragem, Marinho mora em São Paulo e passa a semana no Rio. É cliente da Flapper há quatro meses e cita a comodidade como principal atrativo: Manoel Assunção (esquerda) e Paul Malicki, da Flapper: expectativa de aumentar número de decolagens no mês que vem Foto: Gabriela Fittipaldi / Agência O Globo — Da porta da minha casa, em São Paulo, até o trabalho levava cinco horas. Hoje, levo três. Ganho tempo, descanso melhor e não tenho que enfrentar aeroporto grande, aguardar 30, 40 minutos para pegar a mala. Comparando com o voo de carreira, às vezes o preço é até menor — diz. Marinho foi um dos quatro passageiros que embarcaram no último dia 12, por volta das 18h30m, em um King Air B200GT com destino a Congonhas. Junto com ele, voaram a relações-públicas Manu Maya, o ator Juliano Laham e o galerista Sérgio Gonçalves. Os quatro se conheceram minutos antes do voo, no lounge da empresa. Dono de uma galeria de arte no CasaShopping, Gonçalves, que voava pela primeira vez com a empresa, também escolheu o serviço pela praticidade. — Há duas semanas, quase perdi o voo para São Paulo, onde também tenho casa. Saí da Barra para o Santos Dumont com quatro horas de antecedência, mas foi um dia daqueles em que tudo parou. Achei melhor desta vez pegar o avião no Aeroporto de Jacarepaguá. Foi praticamente atravessar a rua — diz o galerista, que torce pelo aumento da peridiocidade dos voos. “Pegar o avião no Aeroporto de Jacarepaguá foi praticamente atravessar a rua ” SÉRGIO GONÇALVES Galerista Do Aeroporto de Jacarepaguá também partem helicópteros que fazem voos panorâmicos. Uma das empresas que prestam este tipo de serviço é a Ases Táxi Aéreo, que oferece voos de 30 minutos partindo da Barra, passando pela orla do bairro e por Pão de Açúcar, Maracanã, Cristo Redentor e Alto da Boa Vista. O preço é de R$ 2 mil para até seis pessoas. Um voo de maior duração, sobrevoando, além dos pontos turísticos mais famosos da cidade, a orla de Recreio, Prainha e Grumari, é outra opção de roteiro. — O mercado dos voos panorâmicos tem apresentado crescimento. Durante o verão, a procura costuma ser maior, mas nos surpreende o fato de que, mesmo nesta época de inverno, tem sido significativo o número de voos em dias de tempo bom — diz Ivo Buschmann Junior, diretor de operações da Ases, que realiza cerca de 30 voos panorâmicos por mês. Para os próximos meses, a empresa planeja novidades em parceria com a Vertical Rio, agência de turismo que ficou conhecida por realizar voos panorâmicos em helicópteros sem portas. —No momento, a Vertical não está operando estes voos, porque a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) solicitou uma avaliação da segurança operacional do serviço. A empresa entrou com um novo pedido e está aguardando a homologação. A previsão é que tenhamos uma resposta em 30 dias — diz Buschmann Junior. O comandante Thyerrí Loureiro (à esquerda) e Ivo Buschmann Júnior, diretor de operações da Ases: voos sobre cartões-postais Foto: Bruno Kaiuca / Agência O Globo Além dos voos panorâmicos, a Ases oferece traslados de helicóptero para a Região dos Lagos e para Angra dos Reis, serviço que tem como principais clientes moradores da Barra e do Recreio. Desde 2017, o movimento de aeronaves de serviço aéreo não regular (voos operados sem sujeição a normas governamentais sobre continuidade e frequência, como voos fretados, panorâmicos e de jatos privados), vem aumentando no aeroporto. Em 2018, foram 63.750, crescimento de 7,7% em relação ao ano anterior. As operações offshore, de voos em direção às plataformas marítimas de exploração de petróleo, respondem por grande parte da atividade do aeroporto. A Emar Táxi Aéreo, que desde 2015 ocupa um dos seus hangares, é uma das empresas que prestam este serviço. — Os voos geralmente saem daqui para a região do pré-sal, na Bacia de Santos. Duram cerca de três horas e são contratatos por empresas que precisam realizar trocas de turno. Voam também militares da Marinha que fazem inspeções e auditorias em plataformas — explica Breno Mendonça, representante da área jurídica da Emar. https://oglobo.globo.com/rio/bairros/moradores-da-barra-trocam-santos-dumont-tom-jobim-pelo-aeroporto-de-jacarepagua-23867579
  6. BERLIN – O estande do Brasil na ITB 2019 foi palco de um anúncio muito especial para o Rio de Janeiro. A partir de junho, duas novas frequências passam a ser operadas pela Iberia a partir de Madri, o que volta a tornar a operação diária e regular. O anúncio foi feito pela própria diretora da Iberia, Célia Munhoz, ao lado do governador, Wilson Witzel, do secretário de Turismo do RJ, Otávio Leite, da presidente da Embratur, Teté Bezerra, e do Embaixador do Brasil na Alemanha, Roberto Jaguaribe. “Estamos muito felizes de anunciar o aumento de frequências entre Madri e Rio de Janeiro, o que tornará nossa operação diária”, disse Celia Munhoz, diretora da Iberia, que foi logo complementada pelo governador do RJ, Wilson Witzel. “Gostaria de agradecer a Iberia pela confiança em adicionar duas novas frequências para o Rio, que trarão mais 20 mil turistas adicionais já a partir de junho. Estou muito feliz de saber que o Rio de Janeiro volta a ser um destino prioritário para turistas de todo o mundo”, completou Witzel.
  7. MIAMI — Spanish carrier Iberia has announced massive expansion plans to its Latin American network, which is already the most significant in the airline’s worldwide coverage. The carrier will increase frequencies on its flights between Madrid (MAD), Buenos Aires (EZE), and Mexico City (EZE). Iberia currently operates 254 flights per week across 16 countries in Latin America, with MEX and EZE being one of its busiest routes. BUENOS AIRES, MEXICO CITY From October 27, Buenos Aires will increase frequencies from 14-weekly flights to 17. The Spanish flag carrier has served the Argentinean capital city since 1946. The additional flights will be operated by the airline’s brand-new Airbus A330-200s, which come with a two-class configuration of 19 seats in Business and 269 in Economy. These extra three flights will provide a 90,000-seat increase, adding up to 625,000 seats per year. Iberia is also incrementing to 17 flights per week to MEX, which is also operating on a 14 times per week basis at the moment. This will kick in for the 2018/19 Winter season, which is three additional flights as compared to the previous year. The three flights will offer an additional 30,000 seats per year on the route, offering a 13% increase overall. Iberia has operated this route since 1950. The existing Mexico City flights are operated with the airline’s largest aircraft—the Airbus A340-600, which offers room for 36 people in Business, 23 in Premium Economy and 300 in Economy. The A340-600 will continue operating the three additional flights. SANTIAGO, SAN JUAN, RIO DE JANEIRO, GUATEMALA On top of these increments, Iberia is also adding flights to Santiago de Chile (SCL), from one daily flight to 10 services per week. Rio de Janeiro will also see an addition from four to five times per week, together with San Juan, Puerto Rico (SJU), where 24% more seats will be on offer to fliers. Finally, on October 1, the carrier will be flying daily to Guatemala City (GUA), which is only operating on a four times per week basis. This is good news for Iberia as the Latin American market remains strong, it means that they do not have to focus into any other current markets at this time. As the carrier continues to receive its new Airbus A350-900 aircraft, the airline’s network might continue to expand further. Iberia took delivery in late-June the first of 16 A350s that the carrier is due to receive over the next three years, with the final delivery expected to be completed by 2021 respectively. https://airwaysmag.com/airlines/iberia-upgauges-presence-in-latin-america-details/
  8. Regiões metropolitanas tiveram alta de destinos domésticos e internacionais em 2018 6.abr.2019 às 16h36 Daniel Mariani Marina Gama Cubas SÃO PAULO O número de destinos aéreos nacionais e internacionais oferecidos a partir das principais regiões metropolitanas do país aumentou em 2018 em quase todo o país, apontam dados oficiais tabulados pela Folha. Considerando apenas os destinos nacionais saindo de Congonhas e Guarulhos, o número de 2018 igualou o ápice da série histórica, que havia sido em 2011. Em ambos os anos, foram 46 destinos que saíram ao menos 26 semanas consecutivas —padrão adotado pela reportagem para definir um trecho como frequente. As informações primárias são da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil). Imperatriz (MA) é um dos novos destinos de 2018 para quem sai de São Paulo. Jijoca (CE) passou a ter voos frequentes —em 2017 foi oferecido apenas no período de temporada. No geral, a malha aeroviária no país atingiu o ápice em 2011, começou então a cair acompanhando o desaquecimento da economia e chegou ao patamar mais baixo em 2013. Voltou a crescer, mas houve uma queda entre 2016 e 2017. Considerando o ano passado, houve aumento de rotas nacionais saindo também de Belo Horizonte, Recife e Salvador. Rio e Brasília ficaram estáveis. Campinas caiu. Essas são as regiões que mais têm voos frequentes. O aeroporto de Guararapes, no Recife, é um exemplo de crescimento constante. Em 2012, ele oferecia 14 opções de rotas domésticas e passou para 25 em 2018. Nos trajetos internacionais, houve aumento de rotas saindo de todas essas áreas, com exceção de Brasília. Se somados todos os destinos de todos os aeroportos do Brasil, houve aumento de 5% no número de rotas em 2018 em relação a 2017, ante uma leve queda de 1% no período 2016-2017. Em termos de destinos, a capital mineira foi a que teve o maior crescimento em 2018, com ampliação de 20% das opções de destinos desde 2017 —saltando de 35 para 42 em 2018. Esse movimento de crescimento de rotas também apareceu em simulações considerando período inferior às 26 semanas adotadas pela reportagem. O crescimento no número de destinos em 2018 no país coincide com levantamentos do setor aéreo que apontam também aumento no volume de passageiros, movimento que segue nos primeiros meses de 2019. “A escolha das rotas é resultado [de estudo] econômico. As empresas têm seus departamentos de planejamento que estudam dados demográficos e entradas de fatos novos, como o início de uma usina ou empresa em determinada região”, afirma Gianfranco Beting, especialista em aviação, que foi executivo da Azul. Ainda que a demanda seja o gatilho, outras variáveis são fundamentais para a decisão de ampliar ou fechar destinos e quais serão as cidades escolhidas. A existência de uma infraestrutura mínima dos aeroportos nas cidades em que se constata uma alta procura é uma delas. Benefício fiscal é outro ponto levado em conta. Em março, por exemplo, a Gol apresentou novas opções de destinos saindo do aeroporto de Guarulhos para cidades do interior de São Paulo. A medida responde a um pedido do governo estadual, que anunciou desoneração fiscal do combustível da aviação. Houve redução da alíquota do ICMS do querosene usado no abastecimento de aeronaves, de 25% para 12%. A expectativa tanto da Abear (Associação Brasileira das Empresas Aéreas) quanto de especialistas no setor é que o crescimento do mercado se mantenha em 2019. Entre os fatores que podem contribuir para isso estão justamente benefícios fiscais, as concessões para a iniciativa privada de 12 aeroportos e a liberação de 100% de capital estrangeiro em companhia aéreas —a proposta passou na Câmara e foi para o Senado. “Teremos a possibilidade da entrada de novos participantes que podem levar ao aumento de passageiros transportados. Mais aeroportos são objetos de concessão, e a tendência é que haja aumento do mercado como um todo”, afirma Fábio Falkenburguer, especialista de aviação do Machado Mayer Advogados. Beting, porém, está um pouco mais cético em relação ao crescimento do mercado aéreo. “O Brasil parou de piorar, mas não engatou a marcha de aceleração. É uma recuperação muito tímida e aquém do que o Brasil poderia alcançar.” ________________________________________ O site da Folha está bugando com os infográficos, que podem ser acessados em: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2019/04/oferta-de-destinos-aereos-a-partir-de-sp-cresce-e-volta-ao-pico-de-2011.shtml
×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade