Jump to content

Search the Community

Showing results for tags 'TAP'.



More search options

  • Search By Tags

    Type tags separated by commas.
  • Search By Author

Content Type


Forums

  • Principal
    • Aviação Civil
    • Aviação Militar
    • Direto da Redação
  • Classificados Patrocinados
    • Anuncie Aqui
  • Profissional
    • Tripulantes e Mercado de Trabalho
    • Técnica e Operações
  • Spotting & Outros Hobbies
    • Fotografia
    • Videos
    • Movimento de Aeronaves
    • Modelismo
    • Rádio Escuta/ACARS/Logs
    • Técnica e Equipamentos
  • Guia CR
    • Check-in (Flight Reports)
    • Frequent Flyer
  • Memorabilia & Off Topic
    • Papo de Hangar
    • Imagens e Documentos
    • Recordar é Viver
    • Classificados
  • Central Ponte Aérea by Contato Radar
    • Central de Relacionamento do CR
  • Serviços
    • Contato Radar Publicidade
  • Memorabilia

Find results in...

Find results that contain...


Date Created

  • Start

    End


Last Updated

  • Start

    End


Filter by number of...

Joined

  • Start

    End


Group


Skype


Website URL


MSN


Yahoo


Jabber


Location


Interests


Cidade/UF/País


Data de Nascimento

Found 12 results

  1. https://blueswandaily.com/david-neeleman-xlr-is-necessary-the-a321lr-ended-up-not-having-the-promised-reach/ June 27, 2019 TAP Air Portugal major shareholder David Neeleman commented on the A321XLR, stating that TAP will place an order for the aircraft, which would come from order conversions from A321LR (Mercado e Eventos, 19-Jun-2019). Mr Neeleman qualified the A321XLR as “important, necessary and a need” adding: “The A321LR ended up not having the promised reach… to replace the Boeing 757. The XLR is more ready”.
  2. TAP Air Portugal to Add a Third New U.S. Route for 2019: San Francisco Becomes TAP’s 8th North American, and Only West Coast, Gateway SAN FRANCISCO, Dec. 13, 2018 (GLOBE NEWSWIRE) -- TAP Air Portugal will fly five weekly nonstop round-trips, year-round, between San Francisco and Lisbon from June next year. San Francisco International Airport (SFO) will become the airline’s eighth North American gateway and the only one on the west coast. Last month TAP announced new routes to Lisbon from Chicago O’Hare and Washington-Dulles, also starting in June. The SFO flights will operate Mondays, Tuesdays, Thursdays, Saturdays and Sundays, from June 10, departing SFO on at 4:10pm, and arriving in Lisbon at 11:25am the following morning. Returning flights leave Lisbon at 10am, arriving into SFO at 2:40pm. Economy fares from SFO to Lisbon start at just $380 one way, all-inclusive of taxes, or from $800 round-trip. “We’re excited to keep adding new cities from the USA to Portugal,” said David Neeleman, founder of JetBlue Airways and a major shareholder in TAP. “Despite being a 73-year old airline, this year TAP is one of the world’s top 10 fastest growing airlines. As Portugal has become a more popular destination, US travelers have not only found out about Portugal but also about flying TAP beyond Lisbon to our 70+ destinations across Europe and Africa.” "We are proud that TAP Air Portugal has selected SFO for its growth plans on the United States West Coast," said Airport Director Ivar C. Satero. "We share TAP Air Portugal's passion for making air travel an enjoyable experience, and travelers in the San Francisco Bay Area can look forward to an easy and economical new way to travel to Portugal and beyond." TAP is the launch carrier for the new A330-900neo aircraft with 21 planned for delivery in the next 18 months. The A330neo is part of a larger 71 aircraft order, with TAP also set to take delivery of 19 A320neos, 17 A321neos, and 14 A321 Long Range jets. The A330neo aircraft features state of the art personalized entertainment system and connectivity that allows for free text messaging for all passengers. TAP will be the first European airline to offer web-based messaging on long haul flights, free for all passengers. The A330neo will feature the new Airspace by Airbus cabin. The economy cabin now comprises two categories: Economy and EconomyXtra. The configuration and design provide a roomier cabin, with more legroom, deeper seat recline, and new seat covers in shades of green and gray, or green and red in EconomyXtra. The seat pitch in economy is 31 inches, while Xtra offers an additional three inches’ legroom, with 34 inches. In TAP’s Executive business class, TAP offers 34 new fully-flat reclining chairs that are more than six feet long when fully reclined. Also, TAP has powered up its new business class chairs to include USB slots and individual electrical sockets, connections for headphones, individual reading lights, and more space, including more storage room. TAP’s Executive business class fares on both routes start at $1,531 one way, or $3,102 round-trip, for travel to Lisbon. Business class one-way fares to TAP’s popular European destinations, such as Madrid, Barcelona, Paris and Rome, start from just $1,546 each way. TAP introduced the Portugal Stopover program in 2016 to further attract the ‘beyond Lisbon’ guest. Travelers to all of TAP’s European and African destinations can enjoy up to five nights in Lisbon or Porto along the way, for no extra airfare. So, from SFO, travelers will be able to see Lisbon or Porto and their pick of 70 destinations throughout Europe and Africa with fares starting as low as $279 each way, from SFO to Madrid, Barcelona, Paris or Rome via Lisbon. The Portugal Stopover comprises a network of more than 150 partners who provide exclusive offers for Stopover customers for hotels discounts and complimentary experiences such as free entry to museums, dolphin watching in the River Sado and food tastings – even a free bottle of Portuguese wine in participating restaurants. Travelers can also enjoy a stopover in Lisbon or Porto even if their final destination is in Portugal, such as: Faro (Algarve); Ponta Delgada or Terceira (the Azores); and Funchal or Porto Santo (Madeira). About TAP Air Portugal TAP is Portugal’s leading airline and a member of the global airline Star Alliance since 2005. Flying since 1945, TAP celebrated its 70th anniversary on March 14, 2015, before completing its privatization process later that year, now with the Atlantic Gateway Group as private shareholders. TAP’s network comprises 84 destinations in 34 countries worldwide. The airline currently operates around 2,500 weekly flights, with a modern fleet of 63 Airbus aircraft. TAP Express, the airline’s regional arm, operates an additional 17 aircraft. With TAP’s privatization process, it has restructured its network, launched new fare products and is renewing its medium and long-haul fleet. TAP has 53 Airbus neo aircraft on order and, by 2020, it’s long-haul fleet will either have been replaced with new aircraft or newly reconfigured aircraft. TAP Express now operates a new fleet of 8 ATR 72 and 9 Embraer 190. TAP is one of Europe’s most awarded airlines. Global Traveler (USA) named TAP as Best Airline in Europe from 2011 to 2016, and the World Travel Awards named TAP as both Europe’s Leading Airline to Africa and Europe’s Leading Airline to South America from 2014 – 2017. Previously TAP was awarded World’s Leading Airline to Africa, in 2011 and 2012, and World’s Leading Airline to South America from 2009 through 2012. TAP’s Inflight Magazine, UP, received the World Travel Award as Europe’s Leading In-flight Magazine for 2015, 2016 and 2017. Media contact: Gareth Edmondson-Jones GEJ, Ink 917 399-9355 GEJink@gmail.com http://www.globenewswire.com/news-release/2018/12/13/1666767/0/en/TAP-Air-Portugal-to-Add-a-Third-New-U-S-Route-for-2019-San-Francisco-Becomes-TAP-s-8th-North-American-and-Only-West-Coast-Gateway.html
  3. https://www.flytap.com/pt-pt/alertas-e-informacoes O que fazer? Quais as providências?
  4. 17-Mar-2019 9:42 PM Programa é sucesso em Portugal e será reproduzido no Brasil. Turistas poderão estender em até 5 dias a permanência no país sem custos adicionais Conhecer pelo menos dois destinos, sem custos adicionais, e estender a permanência em até cinco dias no Brasil: este é o Programa Stopover que a companhia aérea portuguesa TAP lançou nesta quinta-feira (14), durante a Bolsa de Turismo de Lisboa, uma das principais feiras de turismo do mercado europeu. As primeiras cidades a participarem do programa são Recife (PE), Salvador (BA), Fortaleza (CE), Rio de Janeiro (RJ) e Brasília (DF). A companhia informou que o programa deve ter início ainda no primeiro semestre deste ano. O Programa Stopover pode funcionar como um acelerador do turismo internacional no Brasil. Como comparação, em Portugal, onde a companhia aérea já oferece o serviço, em 2018 foram pelo menos 150 mil passageiros que estenderam sua viagem, no maior hub da companhia na Europa. O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, reforça que o programa Stopover "é uma medida que fomenta o turismo, movimenta a economia e gera empregos. Ganham todos: os turistas que poderão ampliar suas experiências em destinos nacionais, o empresariado do setor e, de forma ampla, o desenvolvimento do país". Para a presidente da Embratur (Instituto Brasileiro de Turismo), Teté Bezerra, a iniciativa "aquece a economia nas cidades brasileiras. É uma receita extra, uma oportunidade para os turistas conhecerem mais destinos, e permanecerem por mais tempo no País. São inovações importantes para o turismo nacional", celebrou. A TAP, que tem voos diretos para dez cidades brasileiras, voa para o Brasil há mais de 50 anos. “Hoje é aniversário de 74 anos da TAP. Nada melhor para comemorarmos que uma parceria com cinco importantes cidades brasileiras. Acreditamos que replicar o nosso bem-sucedido programa Stopover no Brasil em diversas capitais pode contribuir imensamente para o fomento do turismo internacional para o Brasil”, afirma o presidente da TAP, Antonoaldo Neves. O secretário de turismo de Pernambuco, Rodrigo Novaes, disse que "há anos temos investido na conectividade e na malha aérea, somos o aeroporto mais movimentado do Nordeste e esperamos que aumente em até 15% a entrada de turistas estrangeiros no estado de Pernambuco com o início do programa ". Arialdo Pinho, secretário de Turismo do Ceará, acrescenta que "esta ação retrata o amadurecimento do destino Brasil, que busca inovar para atrair mais turistas estrangeiros". O secretário cearense diz ainda que "69% do público dos voos que chegam ao Ceará são ocupados por europeus, portanto é um grande potencial para os turistas que visitam o País e que chegam ou decidem partir de Fortaleza, que é uma grande porta de entrada dos visitantes deste continente". O secretário de Turismo da Bahia, Fausto Franco, destacou que “já são 40 anos de voos diretos para Salvador pela TAP. Essa parceria será fundamental para dar mais opções aos turistas estrangeiros chegarem ou saírem por nossa cidade, ainda podendo permanecer alguns dias usufruindo dos nossos diversos atrativos”. O Rio de Janeiro também aderiu ao programa da companhia lusitana. Para o secretário de Turismo do estado, Otávio Leite, é estratégico oferecer a milhares de passageiros a chance de conhecer novos destinos e também voltar aos preferidos. “O Rio entende que há uma grande perspectiva de ampliar o número de visitantes tanto na capital quanto no interior com este Stopover”, acredita. “Brasília é a capital do nosso país, o centro das grandes decisões. Mas nós podemos ser muito mais, porque temos arquitetura, história, natureza, redes hoteleiras e restaurantes de excelência, temos vida que vai além da política. Com essa parceria, estamos incrementando o potencial da nossa cidade para receber bem nossos visitantes”, completou o governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha. This press release was sourced from Brazil's Ministry of Tourism on 13-Mar-2019. https://centreforaviation.com/members/direct-news/tap-lana-stopover-em-cinco-cidades-brasileiras-464742
  5. 14-Mar-2019 10:29 PM Hainan Airlines transferred (14-Mar-2019) its 54.55% shareholding in Hainan Airlines Civil Aviation Investment Limited to Global Aviation Ventures for USD30 million and the remaining 45.45% to Azul for USD25 million. Hainan Airlines Civil Aviation's underlying assets include a 9% stake in TAP Air Portugal and a 20% stake in Atlantic Gateway. https://centreforaviation.com/news/hainan-airlines-disposes-of-stake-in-tap-air-portugal-and-atlantic-gateway-887595
  6. China's HNA Group to sell overseas property, dispose non-core assets: 21st Century Business Herald BEIJING (Reuters) - HNA Group Co Ltd’s [HNAIRC.UL] Chief Executive Officer Adam Tan said the aviation-to-financial services conglomerate is negotiating to sell overseas real estate as part of a strategic streamlining, according to an interview published by 21st Century Business Herald. HNA also is looking to set-up investment funds to help sell the properties in New York, Sydney and Hong Kong to outside investors, Tan said. “HNA is a rational investor,” Tan told the mainland China media outlet, adding the company will sell and not just buy assets. HNA has “cleared” more than 100 small companies this year that weren’t key to the firm’s core business, Tan said, and has slowed the pace of its outbound investment since last November. Tan’s remarks come as HNA, which inked deals of $50 billion over two years, including stakes in Hilton Worldwide Holdings Inc (HLT.N) and Deutsche Bank AG (DBKGn.DE), faces increased scrutiny from regulators and bankers due to announced changes to its shareholding structure and its use of leverage. Last week, S&P Global Ratings downgraded HNA’s credit profile by one notch to ‘b’, five notches below investment grade, citing the group’s “aggressive financial policy” and tightening liquidity amid looming debt maturities. HNA’s financing woes continued this week, with a report that airlines owned by the Chinese conglomerate have missed some payments due on leased aircraft, Fred Browne, CEO of aviation lessor Aergo Capital Ltd, told industry publication FlightGlobal. Tan told 21st Century Business Herald that HNA’s access to credit remained sound. Domestic banks had a combined credit line of more than 800 billion yuan ($120.96 billion) with HNA at the end of November, Tan said, and nearly 300 billion yuan of credit lines were unused. The company in a separate filing earlier this year said that it had used 454.5 billion yuan of its 745.2 billion yuan total credit lines as of the end of June. Last month, HNA announced that Shanxi Rural Credit Cooperative opened credit line of 10 billion yuan to HNA, mainly to support financing of the aviation tourism industry in Shanxi Province. HNA is facing a regulatory investigations in Europe, following the July announcement by the conglomerate that named key executives as shareholders. The Swiss Takeover Board said last month HNA gave partially untrue or incomplete information during the takeover of Swiss airline catering firm Gategroup, which the conglomerate bought for $1.5 billion last year. The regulator said the group had failed to disclose that company executives held controlling stakes in the conglomerate. Reporting by Matthew Miller; Editing by Christopher Cushing Fonte: Reuters -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- HNA's airlines miss lease payments NEW YORK (Reuters) - Airlines owned by Chinese conglomerate HNA Group have missed payments due on leased aircraft, the chief executive of lessor Aergo Capital has told industry publication FlightGlobal. HNA had “stopped paying – via their owned airline subsidiaries – some lessors for leased jets for the past two to three months,” Aergo CEO Fred Browne was quoted as saying. “We only have one aircraft exposed, but I know others have a lot more,” Browne told FlightGlobal. “If those lessors turn around and say ‘no more’ and pull those aircraft out, that could truly shake the market.” Pressure is growing on the HNA conglomerate after a debt-fueled $50 billion acquisition spree including New York properties, Californian golf courses, U.S. electronics wholesaler Ingram Micro and stakes in Deutsche Bank and hotelier Hilton Worldwide Holdings Inc. Its financing costs have risen as repayments come due, and ratings agency Standard & Poor’s last week downgraded its credit assessment due to its “aggressive financial policy” and tightening liquidity. ”We value our relationships with lessors and we are committed to meeting our obligations to them,” a spokesman for HNA Group said. The rating agency cut the rating of Swiss airport services group Swissport on Tuesday due to the weakening outlook for parent HNA. [L3N1O54NC] The conglomerate’s Chief Executive Adam Tan told a conference in Beijing last week that the company was considering asset sales. [L3N1NY4I7] Headquartered in the southern Chinese island of Hainan, HNA started out as a regional airline. Among its other investments, it owns a group of mostly Chinese air carriers, including Hainan Airlines and Beijing Capital Airlines. It also has stakes in some foreign carriers such as Brazil’s Azul SA. Uncertainty shrouds the owners the privately held company and some international banks have scaled back their dealings with the firm due to its opaque ownership structure. The debt pile at Chinese firms is climbing, with levels at the end of September growing at the fastest pace in four years, according to a Reuters analysis. Fonte: Reuters -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------- O que vem acontecendo na HNA e quais as consequencias para os negócios do DN?
  7. A receita brasileira que salvou a TAP Sob comando do baiano Antonoaldo Neves, a companhia aérea portuguesa aumenta em 10% o número de passageiros, amplia destinos, renova a frota e se consolida como a empresa que mais leva turistas brasileiros para a Europa Antonoaldo Neves: O executivo assumiu a companhia portuguesa com a missão de pilotar um amplo plano de recuperação Durante quase duas décadas, a companhia aérea TAP Portugal simbolizou, com desenvoltura exemplar, a ineficiência e os maus resultados típicos das estatais europeias. Ao lado de empresas como a italiana Alitalia (privatizada às pressas em 2006) e a espanhola Iberia (incorporada pela British Airways em 2010), esteve bem perto da bancarrota. No auge da crise, em 2014, a TAP superou a marca de € 1 bilhão em dívidas e prejuízo de € 44 milhões em 12 meses – um recorde absoluto, mesmo entre estatais perdulárias. Com uma frota defasada, quadro de funcionários inchado, péssima reputação juntos aos consumidores e controlada por um estado também deficitário, as chances de sobrevivência eram mínimas. “A TAP atravessou um dos períodos mais desafiadores da sua história, com problemas estruturais internos para resolver e dificuldades em se adaptar ao acirramento da concorrência no setor aéreo”, disse à DINHEIRO, em Lisboa, o baiano Antonoaldo Neves, CEO global da companhia desde fevereiro de 2018. O executivo assumiu a cadeira do também brasileiro Fernando Pinto, ex-presidente da extinta Varig, e que havia presidido a TAP durante 17 anos. Avesso a entrevistas, Pinto atua hoje como consultor independente. A troca de comando foi orquestrada pelo empresário americano-brasileiro David Neeleman, dono da Azul Linhas Aéreas, que adquiriu, junto com o bilionário português Humberto Pedrosa, 45% da TAP por € 338 milhões em 2015, através do consórcio Atlantic Gateway. “Queremos dar continuidade ao legado da TAP em matéria de segurança e profissionalismo e, simultaneamente, criar uma companhia financeiramente sólida no longo prazo, que perdurará para as gerações futuras”, disse Neeleman, logo após vencer o leilão. Pelo acordo firmado no processo de privatização, o governo de Portugal manteve 50% do capital, mas abriu mão de participar da gestão. Os 5% restantes ficaram para os funcionários da empresa, fatia que ajudou a equalizar pendências trabalhistas que poderiam inviabilizar a continuidade das operações. “Tivemos de definir uma estratégia de recuperação que atendesse às expectativas de todas as partes envolvidas, tanto as do governo e da sociedade portuguesa quanto às dos credores e dos novos acionistas”, afirmou Pedrosa, o sócio lusitano de Neeleman e dono do Grupo Barraqueiro, maior conglomerado de empresas de logística de Portugal, com ônibus, caminhões, trens e metrôs. A turbulenta trajetória da TAP é, ao que tudo indica, uma página virada na história da companhia – e o Brasil, responsável por cerca de 30% do faturamento, é protagonista nesse enredo. No ano passado, a TAP faturou cerca de € 3,2 bilhões (segundo estimativas de mercado, com base no aumento do fluxo de clientes), acima dos € 2,9 bilhões de 2017. Houve também um crescimento de 10% no número de pessoas transportados em todo o mundo: foram 15,8 milhões de passageiros no período, 1,5 milhão a mais do que em 2017. O bom desempenho teve a providencial contribuição da alta de quase 8% no super-rentável trecho Brasil-Portugal, com 1,7 milhão de clientes, embarcados em dez capitais do País. A empresa se consolidou na liderança da rota Brasil-Europa, respondendo por 30% de todos os voos. “O ano foi excepcional para nós, e coroou um intenso trabalho de construção da nova TAP”, afirmou Neves (leia mais na entrevista ao final da reportagem). A alta de dois dígitos da TAP pode parecer trivial, mas é emblemática, especialmente para o mercado europeu. Um dos principais rivais da empresa – se não o maior –, o grupo franco-holandês Air France-KLM cresceu 2,8% no mesmo período, com 101,4 milhões de passageiros em 2018. Já o grupo alemão Lufthansa cresceu 4,7% a partir de seu hub em Frankfurt. “A performance financeira e operacional da TAP é notável sob vários aspectos, especialmente por se tratar de uma empresa que estava em profunda dificuldade há três ou quatro anos”, disse o consultor Henry Grossbongardt, especialista em aviação comercial. “Nem todas as áreas concluíram seus balanços de 2018 até agora, mas o desempenho da TAP é, muito provavelmente, o melhor entre as grandes companhias europeias”, completou. No ano passado, a TAP registrou lucro de € 100 milhões, o primeiro resultado positivo em quase 20 anos de perdas consecutivas. ESTRATÉGIA A recuperação da companhia portuguesa não se deu apenas com a mudança de cidadania dos executivos e controladores. Nos últimos 12 meses, a dupla Neves e Neeleman pilotou uma ousada manobra para tirar a empresa do sufoco e não permitir que o lucro de 2017 se tornasse um fato isolado. A mudança mais visível é a renovação da frota. Somente neste ano, a empresa receberá 37 novos A320 Long Range (para voos de longa distância) e A330-900neo, o mais moderno avião da Airbus. A TAP é, aliás, a única no mundo a operar com esse modelo. Atualmente, três aeronaves voam diariamente entre Brasil e Portugal. Outros dois serão acrescentados a esse trecho ainda no primeiro semestre. Até 2025, a TAP pretende acrescentar outros 34 aviões novos à sua frota. O investimento pode chegar a US$ 20 bilhões, considerando que cada avião custa mais de US$ 250 milhões, de acordo com a configuração de assentos e pacote de opcionais. “Ao colocar os melhores aviões na operação brasileira, a companhia claramente demonstra suas ambições para o mercado nacional”, disse Mario Carvalho, diretor-geral da TAP no Brasil. Outra frente da reestruturação da empresa é a busca pela melhoria dos índices de pontualidade, historicamente um ponto fraco da TAP. Todos os dias, nas primeiras horas da manhã, Antonoaldo Neves visita o centro de operações da companhia para verificar os índices de atrasos, cancelamentos e eventuais casos de overbooking. Esse empenho, já empregado com sucesso pelo executivo enquanto presidente da Azul, fez com que o índice de pontualidade na TAP atingisse 91% em janeiro deste ano, segundo a Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA, na sigla em inglês). Na Europa, a média é de 89%. Isso ajudou a elevar a taxa de ocupação dos voos (load factor), para 81%, acima da média regional de 78%. “O ano de 2018 foi de forte demanda de passageiros. Esperamos desempenho similar em 2019”, disse Alexandre de Juniac, diretor-geral e CEO da IATA, em recente relatório da entidade. “As preocupações estão mais associadas à desaceleração do crescimento no segundo semestre de 2018, com questões como a Brexit e tensões comerciais entre EUA e China.” A reação da TAP passou, evidentemente, por uma importante injeção de capital. Em 2016, através da Azul, Neeleman fez um aporte de € 120 milhões na empresa. Nos últimos oito meses, no entanto, outros € 240 milhões entraram nos cofres da TAP por meio de empréstimos, sendo € 137 milhões junto ao Macquarie Group, com sede em Londres, e € 70 milhões do Banco do Brasil. “A concessão desses empréstimos endossam a nossa percepção de que o mercado internacional tem aprovado e visto com bons olhos o nosso plano estratégico”, disse Neves. “Graças a tudo isso, a TAP hoje cresce a taxas de mercado emergente, apesar de operar num mercado maduro e estável. E não vamos parar de crescer.” “Não estamos mais vendendo o almoço para comprar o jantar” Antonoaldo Neves, CEO global da TAP Portugal Que balanço é possível fazer desse seu primeiro ano no comando da TAP Portugal? Um ano de muito trabalho e desafios. Desde que assumi a presidência, em fevereiro de 2018, ajudei a implementar uma extensa série de mudanças internas e externas na companhia. Fizemos ajustes de quadro de funcionários, otimização de custos e modernização de processos. Fizemos importantes aquisições de novas aeronaves, que permitirão voos mais rápidos, confortáveis e com significativa redução de consumo de combustível. Melhoramos todos os índices da TAP, desde pontualidade até o de satisfação do cliente. Em tempos de concorrência acirrada, quem não encantar o cliente está fora do jogo. Ou seja, estamos fazendo o que precisa ser feito. Toda essa reestruturação será feita por meio de endividamento? Isso é natural em uma companhia aérea. A dívida serve para financiar o nosso crescimento. Os recentes empréstimos representam uma grande vitória para nós. Antes, a percepção do mercado internacional sobre a TAP era negativa. Agora, está evidente que acreditam na credibilidade, no know-how dos acionistas e na estratégia que estamos implementando para o crescimento da TAP. Graças ao sucesso na execução do nosso plano estratégico, a TAP hoje cresce a taxas de mercado emergente, apesar de operar num mercado maduro e estável. Hoje somos um investimento atrativo, apesar do contexto internacional tão difícil e avesso à concessão de crédito como o atual. Então, a questão de caixa está equacionada na companhia pelos próximos anos? Com certeza. Estamos pagando a dívida herdada, mas com uma operação extremamente saudável. Não estamos mais vendendo o almoço para comprar o jantar, como se diz no Brasil. Estamos conseguindo financiar o nosso projeto de crescimento, não por substituição de dívida, mas por uma estrutura de capital sustentável. A TAP hoje tem crédito e ao mesmo tempo paga os seus compromissos. A empresa deixou de ser um ativo tóxico para os bancos. Antes, quando íamos aos bancos, parecia que tínhamos lepra. A primeira pergunta que me faziam era sobre a TAP Manutenção no Brasil, a segunda era sobre como iríamos gerar fluxos de caixa operacional para pagar dívida. Até onde a TAP quer chegar? Em receita, passaremos de um patamar de € 2 bilhões para quase € 4 bilhões em quatro anos. Vamos colocar mais 37 aviões de nova geração neste ano. Não há memória de outra companhia no mundo que tenha feito uma renovação tão grande da frota em apenas um ano. A operação em Washington, São Francisco e Chicago será excepcional. Os EUA vão tornar-se um outro Brasil para a TAP. Daqui a três anos, vamos ter cerca de 80 voos para os Estados Unidos e em cinco anos teremos 120. Hoje, o Brasil tem 82 voos por semana. Volta-mos a crescer de forma consistente e estamos preparados para nos consolidar como a mais brasileira das companhias aéreas europeias.
  8. https://www.bizjournals.com/chicago/news/2018/11/29/tap-air-portugal-launching-service-from-ohare.html?ana=e_ae_set1&s=article_du&ed=2018-11-29&u=2aEX9JiRM4mrn7a2cp4J0w029f8915&t=1543533733&j=85270771 By Lewis Lazare – Reporter, Chicago Business Journal 5 hours ago TAP Air Portugal, the flag carrier of Portugal, is headed to Chicago’s O’Hare International Airport. The Portuguese carrier said Thursday it will be begin nonstop service five times a week between O’Hare and Lisbon, Portugal starting June 1. TAP Air Portugal, a member of the Star Alliance global airline alliance along with Chicago-based United Airlines (NASDAQ: UAL), will operate the route on an Airbus A330-900neo, an efficient new model aircraft that a handful of carriers are just starting to fly. The TAP aircraft will be configured with an economy cabin with an EconomyXtra section with more legroom and a business class cabin with lie-flat seating. TAP’s launch of nonstop service to Lisbon will mark the 17th Star Alliance member carrier to serve O’Hare. The announcement from TAP comes as another Star Alliance member Air New Zealand is set to begin service to Auckland, New Zealand nonstop from O’Hare starting Friday. That flight will be make history as the longest ever operated by any carrier from Chicago. TAP Air Portugal has to date been a relatively low-profile airline in the North American market, currently flying only to New York, Boston, Miami and Toronto. But management at the airline is moving to add more North American gateways. New service to Washington, D.C. Dulles International Airport also was announced today. David Neeleman, a major investor in Tap Air Portugal and the founder of JetBlue (NASDAQ: JBLU), has apparently stepped into the role of chief spokesman for the Portuguese carrier. Noted Neeleman: “Today’s expansion to Chicago and Washington, D.C., is built around the fact that service to Lisbon is growing, with more visitors from the U.S. visiting places in Portugal than ever before.” The 73-year-old flag carrier of Portugal has been busy in recent years modernizing its fleet, which now includes 63 Airbus planes. TAP Air Portugal’s new route from Chicago is likely to be of interest primarily to leisure travelers. Lisbon is not a major business capital, but it has gotten high marks for being a pleasant tourist destination. TAP Air Portugal gets a three-star rating from independent airline rating service Skytrax. That puts the Portuguese carrier in the lower middle rankings of all airlines around the world.
  9. Caros, O primeiro voo da minha bebé ... A marcação da viagem: Com a esposa a trabalhar temporariamente no Porto as ligações entre esta cidade e Lisboa passaram a desempenhar um papel importante para a família. Começamos a comparar preços e horários de trem e avião e por algumas vezes o trajeto foi realizado no próprio automóvel. Por uma questão de custos, comodidade e segurança os transportes públicos foram a escolha principal, sendo que aqui as decisões foram entre o trem da CP (Comboios Portugueses) e as companhias aéreas TAP e Ryanair. A dificultar a programação das viagens, o fato da escala de serviço da minha esposa sair tarde, o que impossibilitava a compra antecipada de bilhetes. Devido a circunstância, à exceção deste voo que aqui trago, nunca encontramos uma boa relação preço/horário na TAP. A minha esposa regra geral utilizou o trem CP – Alfa Pendular no trajeto Porto-Lisboa e para o Lisboa-Porto recorreu ao último voo do dia da Ryanair (FR2096), voos estes que correram sempre muito bem. Eu utilizei o avião apenas uma vez, tendo realizado cerca de uma dezena de viagens de trem. Conhecedor informado do produto Ponte Aérea da TAP me surpreendeu o fato de com um mês de antecedência praticamente não encontrar voos com preço abaixo dos 50€ e nos horários que pretendia os preços facilmente ultrapassavam a centena de euros. Valor que não considero competitivo face ao serviço Alfa da CP. Tal como já ficou demonstrado o trem permite uma ligação mais rápida entre o centro das duas cidades. Algumas curiosidades: A minha esposa chegou a demorar mais tempo no percurso de metrô entre o aeroporto e o centro do Porto do que no voo LIS-OPO propriamente dito. Uma vez foi de táxi entre o aeroporto e o alojamento (Arca de Água/Ameal) e pagou mais pelo táxi do que pelo voo da Ryanair. Mas apesar do que acima escrevi considero que há algum "mercado" nos voos entre as duas maiores cidades portuguesas. O voo LIS-OPO: Dia: 17/02/2017 Companhia: TAP Portugal Voo: TP 1960 Rota: Lisboa - Porto Horário: LIS 16h00 – OPO 17h00 Avião: ATR 72-600 (CS-DJE) (cn 1236 – 1º voo em 04/03/2015) Lugar: 5A (janela) Distância: 172 mi / 277 km Ocupação: Mais de 75% Preço: 41,01€ (38,89€ adulto + 2,12€ bebé). Cerca de 150 Reais. Comprado em 24/01/2017. Com centenas de voos realizados, confesso que este teve um gostinho especial pois se tratou do batismo de voo da minha filhota de apenas 18 meses. Além de testar a Ponte Aérea da TAP iria também saber como é viajar com uma criança de tenra idade. Demorei mais tempo do que o previsto a preparar a bebé e cheguei ao aeroporto já muito em cima da hora. O estacionamento foi fácil, pois estacionei num dos melhores parques do aeroporto, e já no Terminal 1 desde logo vi a sinalética para o embarque da Ponte Aérea. Aqui reside um ponto fulcral deste serviço, a demora dos procedimentos em terra. De pouco adianta o avião ser o mais rápido meio de transporte se os passageiros perderem uma eternidade de tempo antes e depois do voo. No meu caso posso dizer que fiquei agradavelmente surpreendido com o embarque para o Porto. As indicações para os embarques dos voos da Ponte Aérea no aeroporto de Lisboa O embarque se fez numa área dedicada situada junto a uma das entradas e o controlo de segurança foi bastante rápido. Me dirigi então à Porta 8 onde foi realizado o embarque. Podia enfim descansar um pouco daquela correria que foi chegar à porta de embarque. A bebé estava tranquila, curiosa com o que se passava à sua volta e sem entender porque é que o pai estava a suar. Poucos minutos tinham passado desde que cheguei ao aeroporto, um ponto positivo acerca da preparação e execução destes voos por parte da TAP A porta de embarque utilizada neste voo LIS-OPO O CS-DJE junto ao terminal aguardando os passageiros Com uma criança ao colo me foi dada prioridade no embarque e simpaticamente o assistente que estava na porta de embarque se ofereceu para levar o carrinho de bebé. O ATR destinado a este voo estava parqueado junto à porta de embarque pelo que os passageiros desceram as escadas e caminharam para o interior do avião. O embarque a pé até ao avião escolhido para este TP1960 Uma vez no interior do CS-DJE pude verificar que o estado de conservação e limpeza eram excelentes. Este ATR, ex PR-AQY da brasileira Azul, é um avião bastante novo com apenas cerca de 2 anos de vida. Os níveis de conforto são perfeitamente aceitáveis para estes curtos voos, tanto quanto aos assentos como em relação ao nível de ruído, onde apenas na descolagem incomoda um pouco mais. A cabine deste ATR72 Os assentos Espaço para arrumação disponível nas costas do assento Depois de me sentar no lugar 5A me foi demonstrado como colocar o cinto de segurança para a bebé. Pude reparar que a ocupação era boa, com seguramente mais de 75% de lugares ocupados. Alguns passageiros de negócios, algumas famílias mas a maioria dos passageiros estavam em voo de ligação. Mais do que retirar pessoas ao transporte próprio, ao trem ou à concorrência da Ryanair, me dá ideia que os voos da Ponte Aérea são utilizados principalmente por passageiros em ligação na rede TAP. A bebé muito interessada nas instruções de segurança Os primeiros minutos do voo O voo foi pontual e tranquilo. A rota utilizada passou na zona de Santarém, tendo depois rumado ao litoral junto à Figueira a Foz, a partir daqui foi sempre junto à linha de costa até à pista 35 do aeroporto Francisco Sá Carneiro. A voar sobre a zona da Figueira da Foz A meio o voo foi feito o aviso sonoro que devido a uma emergência médica a bordo a tripulação não ia realizar o serviço de bordo. Fiquei assim sem conhecer a comida e bebida servida a bordo nestes voos de Ponte Aérea. A emergência médica não foi nada de preocupante e um médico presente a bordo tomou conta da ocorrência. Mesmo assim, este fato foi suficiente para atrasar o desembarque. Sem pressas, fui o último a sair do avião. Terminava desta forma o primeiro voo da minha filhota. A bebé se portou muito bem e não achei difícil fazer este curto voo com uma criança tão nova. Já no Porto a M. continuava curiosa com tudo aquilo que rodeava o avião CS-DJE (foto de Carlos Seabra - Planespotters) Em resumo: Apesar de acreditar que o avião é batido pelo trem como o melhor meio de transporte para ligar as duas principais cidades portuguesas, considero que a TAP criou um bom produto com a sua Ponte Aérea. A rapidez do embarque e desembarque são trunfos para esta rota e o avião maioritariamente utilizado (ATR72) cumpre a função. Nota positiva para este voo. Um abraço português, Jopeg
  10. A340-300 despede-se das linhas comerciais da TAP a 8 de Fevereiro 04/08/2018 A TAP Air Portugal alterou o plano de phase-out dos seus aviões Airbus A340-300 (quatro unidades ainda a voar na companhia), que deverão abandonar a frota da transportadora aérea portuguesa no início do próximo ano, substituídos pelos A330-900neo, dos quais a TAP espera ter até final de fevereiro de 2019 sete aparelhos ao seu serviço. Segundo informação que foi introduzida nos sistemas de reservas, e divulgada pelo site ‘routesonline.com’, a TAP adiantou em cerca de uma semana a saída do A340 das suas linhas comerciais. Inicialmente os últimos voos à partida de Lisboa estavam previstos para o dia 14 de fevereiro, e com este novo planeamento foram fixados para o dia 8 de fevereiro. Assim, a programação dos últimos voos com aviões A340-300 está assim prevista: Lisboa-Boston até 18 de janeiro de 2019 Lisboa-Fortaleza até 24 de janeiro de 2019 Lisboa-Luanda até 7 de fevereiro de 2019 Lisboa-Maputo até 8 de fevereiro de 2019 Lisboa-Natal até 4 de janeiro de 2019 Lisboa-Recife até 2 de fevereiro de 2019 Lisboa-Rio de Janeiro/Galeão até 31 de janeiro de 2019 Lisboa-São Paulo/Guarulhos até 19 de janeiro de 2019 Lisboa-Toronto até 7 de janeiro de 2019. Ainda poderão ocorrer alterações nesta programação, que resultarão do dinamismo das entregas dos A330-900neo, cujo processo de certificação ainda está em curso e que só deverá estar concluído no final do corrente ano. Contudo, os sete aviões que serão entregues à TAP estarão prontos até final do primeiro trimestre, disseram-nos fontes da companhia. Não há, nesta última fase, atrasos na linha de montagem. Alguma alteração poderá ser causada ainda pelo processo de certificação, no qual está envolvido o primeiro avião A330-900neo que virá para a TAP (CS-TUA) e que já ostenta as cores da companhia portuguesa, lançadora do novo modelo de avião de longo curso da construtora aeronáutica europeia. Esta reprogramação é uma atualização das datas que já sido alteradas face à previsão inicial de que os A340-300 ficariam até Março, no final da época de Inverno IATA 2018-2019. https://newsavia.com/a340-300-despede-se-das-linhas-comerciais-da-tap-a-8-de-fevereiro/
  11. 18 OCTOBER, 2018 SOURCE: FLIGHT DASHBOARD BY: DAVID KAMINSKI-MORROW LONDON Brazilian investigators have finally disclosed that a taxi route error resulted in an Airbus A340-300’s overrunning the runway on take-off from Rio de Janeiro, whereupon it collided with lights and navigation aids before climbing away. Investigation authority CENIPA detailed the circumstances in a 4 September document, released nearly seven years after the 8 December 2011 incident. The crew of the TAP Portugal aircraft, bound for Lisbon, had been instructed to taxi for runway 10 which had already been effectively shortened by construction works that rendered the first 1,270m unavailable. Take-off calculations showed that the remaining 2,730m was sufficient for a reduced-thrust ‘flex’ take-off, from the displaced threshold, at a temperature of 34°C. To reach the displaced threshold the aircraft needed to taxi to the AA intersection. But the crew inadvertently taxied to the BB intersection, which lay some 600m further down the runway – leaving just 2,095m for the take-off run. Airbus analysis showed that this distance was insufficient for the A340 to become airborne, even if it had used maximum take-off thrust. “There was no possibility of success with the [flex] thrust regime selected by the crew,” says CENIPA. “Incorrect positioning on the runway was decisive.” The inquiry highlights the layout of the taxiway system which, it believes, contributed to the blunder. From taxiway N, which runs parallel to runway 10, intersection AA could be reached by following taxiway BB, then turning sharply left onto taxiway AA. But this 135° turn would have been awkward for an aircraft the size of the A340. The inquiry says the layout of the taxiways might have “influenced” the crew to believe that following the BB taxiway would lead them straight to the displaced runway 10 threshold. It points out that “large” aircraft were advised to follow a different taxi route – turning from taxiway N onto taxiway AA – but this advisory was “excessively generic”, and did not define specifically the large aircraft types which needed to follow this route. “Clear instructions for A340-sized aircraft – requiring them to taxi via N and then via AA – could have prevented the incident,” says CENIPA. While visibility was good, the departure occurred at 22:37, some 2h after sunset. The A340 overran the runway, leaving tyre marks for 200m beyond, and striking approach lights as well as the localiser antenna situated 360m from the runway end. Analysis of the length of the damage trail, says CENIPA, shows that the take-off would have been “uneventful” if the aircraft had used the additional 600m of runway available by departing from the displaced threshold. “The pilots did not realise they had crossed the runway boundaries, because of the aircraft's nose-up attitude,” it adds. Neither could see the lights at the end of the runway. None of the 255 passengers and 11 crew members was injured, although the aircraft (CS-TOD) sustained minor damage, with components of the approach lighting system discovered embedded in its landing-gear after arrival in Lisbon. CENIPA had originally considered three hypotheses for the incident: unfamiliarity with the reduced runway length, an error in take-off calculation, or an aircraft configuration problem. But the inquiry says that all three were subsequently ruled out before investigators focused on the taxiing error. https://www.flightglobal.com/news/articles/tap-a340-overran-on-take-off-after-intersection-blun-452814/
  12. Antonoaldo Neves: A companhia aérea vai duplicar o número de aviões para 133 em 2025, revelou o presidente-executivo em entrevista ao semanário Expresso. 08 de setembro de 2018 Presidente-executivo da TAP desde Fevereiro, Antonoaldo Neves revelou em entrevista ao Expresso, publicada este sábado, que a empresa terá 15 novos aviões e 15 novas rotas no próximo ano. E frisou que o potencial da companhia aérea "é muito maior" do que imaginava. Se em 2014, quando decorria o processo de privatização, a companhia tinha cerca de 70 aviões, tem margem para "poder chegar a 130 aviões até 2025. Isso é dobrar o tamanho da empresa em dez anos", revelou. O presidente-executivo da TAP referiu que a companhia "tem de continuar a ser uma empresa dominante no Atlântico Sul e passar a ser uma empresa relevante no Atlântico Norte", além de ter "padrões globais de eficiência e excelência no serviço". Para atingir essas metas, "cumprimos todos os objectivos do plano estratégico, temos mais 1.700 colaboradores em Portugal do que antes da privatização, mantivemos o 'hub' e aumentámos a representação da TAP em Lisboa, que estava a cair para menos de 35% e passou para 54% no que diz respeito à Europa", sublinhou. Questionado sobre as previsões para contratações, Antonoaldo Neves explicou que actualmente a TAP tem 1.000 pilotos e 3.000 comissários. "Até 2025 devemos passar para 1.800 pilotos e 5.500 comissários. Hoje a TAP tem aproximadamente 90 aviões, no final do próximo ano vai ter 105. Será a primeira vez na história da TAP que se adicionam 15 aviões num ano só. Vou precisar de muitas contratações, os 300 pilotos que estou a contratar este ano são para atender aos aviões que vão chegar no ano que vem. Anunciámos a contratação de 700 comandantes mas acabarão por ser à volta de 950 nos próximos meses. Há um pico de contratação este ano e no próximo, depois em 2020 diminui um pouco e em 2021 e 2022 volta a ser grande", detalhou. Quanto a novas rotas, no próximo ano, haverá três novas rotas a partir do Porto e onze a partir de Lisboa e o voo Porto/Newark [Nova Iorque] passará a diário. "Pontualidade da TAP é vergonhosa" Os cancelamentos de voos por falta de tripulação "acabaram em Agosto", "não há mais", disse Antonoaldo Neves. "Uma companhia aérea, para operar de forma adequada, só pode ter no máximo 1% de cancelamentos. O ideal é 0,75%", sublinhou para depois revelar que a TAP "chegou a ter 3% por dia". "Houve incapacidade da TAP de colocar a sua máquina de formação de pilotos a funcionar. Treinar um piloto é um processo muito complexo, é preciso tirá-lo da sua actividade durante meses. Precisámos de treinar 44 pilotos por mês e não conseguimos chegar a esse número", explicou. Quanto à pontualidade, apesar das medidas já tomadas, ainda há trabalho a fazer. "A nossa ambição é ter uma empresa que está acima dos 80% de pontualidade. E a nível de cancelamentos, a minha ambição é ter 99% no mínimo de regularidade, já estou lá. Mas na pontualidade estamos muito longe, abaixo dos 50%, estou muito mal. É uma pontualidade vergonhosa", disse Antonoaldo Neves. Para o conseguir, "tomámos medidas muito importantes. Em Agosto tivemos dois aviões reserva no médio curso e um no longo curso, no ano passado não tínhamos isso. Investimos muito na contratação de 300 comissários e isso leva tempo na formação. Fizemos uma gestão muito forte no aeroporto. Tínhamos 100 pessoas no aeroporto de Lisboa no ano passado, este ano tivemos 210. Assinámos um novo contrato com a Groundforce e o volume de minutos de atraso por conta da Groundforce em Agosto foi muito menor do que o de 2017", resumiu. Na mesma entrevista, Antonoaldo Neves disse ainda que o Aeroporto Humberto Delgado está "totalmente esgotado", com a infra-estrutura a "ser usada no limite" e que isso causa "severas limitações" à operação da TAP. "No ano passado fizemos 14 milhões de clientes, este ano vamos fazer 16 milhões, estamos a colocar pressão no sistema. O nível de serviços cai porque o aeroporto não consegue processar. No próximo ano vamos adicionar mais um milhão e meio de passageiros", realçou o presidente-executivo da TAP que acrescentou que pode haver um colapso total do aeroporto no próximo ano. Daí que o novo aeroporto do Montijo é urgente, mas a TAP recusa financiar a sua construção. Se houver essa tentativa, irá para os tribunais. "Nós desejamos [o aeroporto do Montijo] (...) A TAP quer o Montijo porque é uma válvula de escape para este aeroporto", adiantou o presidente-executivo da TAP. "A TAP não pode operar no Montijo e o Montijo não vai ter operação de longo curso, eu tenho que continuar aqui na Portela. Então, naturalmente, pela forma que foi desenhada, é uma solução que não é para a TAP, mas até gostaria que o Montijo já estivesse pronto e que todas as companhias aéreas fossem para lá. É preciso que fique muito claro: a TAP não vai financiar o Montijo. A nossa visão é muito clara: é ilegal subir as tarifas na Portela para pagar o Montijo, se isso acontecer vamos recorrer aos tribunais, a gente vai às últimas consequências contra isso", concluiu. https://www.jornaldenegocios.pt/empresas/transportes/aviacao/detalhe/antonoaldo-neves-tap-vai-ter-15-novos-avioes-e-15-novas-rotas-em-2019
×
×
  • Create New...