Jump to content

Search the Community

Showing results for tags 'g3'.



More search options

  • Search By Tags

    Type tags separated by commas.
  • Search By Author

Content Type


Forums

  • Principal
    • Aviação Civil
    • Aviação Militar
    • Direto da Redação
  • Classificados Patrocinados
    • Anuncie Aqui
  • Profissional
    • Tripulantes e Mercado de Trabalho
    • Técnica e Operações
  • Spotting & Outros Hobbies
    • Fotografia
    • Videos
    • Movimento de Aeronaves
    • Modelismo
    • Rádio Escuta/ACARS/Logs
    • Técnica e Equipamentos
  • Guia CR
    • Check-in (Flight Reports)
    • Frequent Flyer
  • Memorabilia & Off Topic
    • Papo de Hangar
    • Imagens e Documentos
    • Recordar é Viver
    • Classificados
  • Central Ponte Aérea by Contato Radar
    • Central de Relacionamento do CR
  • Serviços
    • Contato Radar Publicidade
  • Memorabilia

Find results in...

Find results that contain...


Date Created

  • Start

    End


Last Updated

  • Start

    End


Filter by number of...

Joined

  • Start

    End


Group


Skype


Website URL


MSN


Yahoo


Jabber


Location


Interests


Cidade/UF/País


Data de Nascimento

Found 25 results

  1. January 30, 2020 Gol CFO Richard Lark, in Gol‘s Credit Suisse Latin America Investment Conference presentation, stated (29-Jan-2020) that “Gol is the leader in Brazil and Brazil is beginning to boom”. Mr Lark explained that inflation and interest rates in the country are at historic lows while GDP growth is normalising and governmental policies have led to a “steady recovery of economic growth over the last three years… [while] domestic travel is expected to expand between 6% and 9% in 2020”. https://blueswandaily.com/gol-cfo-gol-is-the-leader-in-brazil-and-brazil-is-beginning-to-boom/
  2. January 14, 2020 Gol reported (10-Jan-2020) it had the best aircraft utilisation in 3Q2019 out of any other carrier, with 12.6 block hours. Gol reported Ryanair had 12 block hours utilisation, followed by jetBlue with 11.9 hours and Azul with 11.7. https://blueswandaily.com/gol-claims-the-highest-utilisation-rate-in-3q2019-with-12-6-block-hours/
  3. Dezembro 23, 2019 A GOL Linhas Aéreas inaugurou no último sábado, 21, a inédita rota entre Manaus (AM) e Orlando (FL). Agora, a capital do Amazonas se junta à Brasília e Fortaleza com voo direto para Orlando pela companhia aérea. Os voos serão semanais, todos os sábados. Com isso, a capital amazonense se torna a terceira base nacional a oferecer voos diretos para Orlando, destino turístico mais procurado pelos brasileiros. A duração do voo é de aproximadamente 6h20. Tanto a ida (voo G3 7606) quanto a volta (voo G3 7605) serão aos sábados: a partida às 16h15 (horário de Manaus), com chegada em Orlando prevista para 21h35 (horário local), e o retorno de Orlando às 22h45, com pouso em Manaus às 6h05 da manhã do dia seguinte. Segundo a GOL, a nova rota é realizada com a aeronave Boeing 737-800 NG, com capacidade para até 176 passageiros, que terão à disposição o serviço de bordo completo, com refeições e bebidas gratuitas, acesso a plataforma de entretenimento da Gol com filmes, séries e TV ao vivo, sem custo adicional. O passageiro também poderá usar a internet wi-fi durante o voo através de pacotes pagos. Essas aeronaves são equipadas com a classe GOL Premium Economy, que tem o assento do meio bloqueado, proporcionando mais conforto e privacidade; compartimento exclusivo de bagagem e prioridade no check-in e no embarque. https://gazetanews.com/gol-inaugura-voo-direto-de-manaus-orlando/ Não sei se já foi postado, se tiver podem excluir. Em compensação, a G3 cancelou o MAO-EZE que sempre teve ocupações baixas.
  4. Por Pedro Menezes em 15/01/2020 A Gol completa 19 anos, nesta quarta-feira (15), com 489,3 milhões de clientes transportados em mais de quatro milhões de voos. E para celebrar a data, a companhia lançou novos uniformes que serão utilizados pela equipe, uma criação de Alexandre Herchcovitch, estilista de reputação internacional, que liderou um processo colaborativo de criação envolvendo a participação direta de 150 colaboradores, de novembro de 2017 a novembro de 2019. Alexandre ouviu as reais necessidades de tripulantes, dos times de aeroportos e funcionários que atuam em manutenção, cargas e lojas. Ele visitou, ainda, oito bases nacionais e estrangeiras para conhecer in loco suas peculiaridades, inclusive na pista de pousos e decolagens – das características de Campo Grande (MS), que tem verões e invernos acentuados, a Quito, no Equador, com seu clima de altitude. “Agradar uma pessoa com um vestido é fácil. Já para milhares de pessoas com a mesma roupa é um desafio complexo. O uniforme é um cartão de visitas, diz muito sobre quem você é e sobre a empresa. Me sinto em casa e confortável na Gol, por isso pensei uma roupa democrática, duradoura, contemporânea e atemporal, a cara da Companhia e seus Colaboradores”, afirma Alexandre Herchcovitch. Dos 15 mil colaboradores, 12 mil vão vestir os uniformes, que se propõem a cobrir com conforto e funcionalidade todos os tipos de corpos, de pessoas de diferentes gêneros e idades. Ao todo, foram concebidos 70 artigos, entre roupas, calçados e acessórios, como cintos e echarpes, totalizando mais de 334 mil peças, produzidas por 70 costureiros em São Paulo, Curitiba e João Pessoa. Em média, cada funcionário recebeu 17 itens para o dia a dia. Em relação à cartela cromática das vestimentas, para os que trabalham nas áreas externas, a força do laranja, cor-emblema da Gol, como forma de facilitar a identificação da empresa pelo cliente; dentro das aeronaves, o predomínio e a discrição do preto, do cinza e do branco, com toques alaranjados, pois o passageiro já fez a sua escolha. Camisas-bodies, que se mantêm dentro das saias, modernas jaquetas bomber, dégradés do laranja ao cinza em pulôveres e a mescla de algodão com elastano nos tecidos revelam criatividade, estilo e praticidade. https://www.mercadoeeventos.com.br/noticias/aviacao/gol-lanca-novos-unifomes-em-comemoracao-aos-seus-19-anos-de-historia/ Gol 19 anos https://www.youtube.com/watch?v=cuexGx0mO3s Testes novos uniformes https://www.youtube.com/watch?v=IB8t5gxxQ_U
  5. Gol abre vendas para GIG-Macaé, em parceria com VoePass 23/12/2019 Por Artur Luiz Andrade A Gol Linhas Aéreas iniciou vendas de passagens de uma nova rota para o ano de 2020, com a parceira VoePass (antiga Passaredo): do aeroporto internacional RIOgaleão para Macaé, no interior do Estado do Rio de Janeiro. Serão seis voos por semana, com um horário diário e duração de meia hora. A operação entra em operação a partir de 3 de fevereiro de 2020. MEA 15:10 GIG 15:55 exc. sáb GIG 16:35 MEA 17:15 exc. sáb Guarulhos-Rio Verde (GO) também já está à venda na Gol Além de Rio-Macaé, também abriu as vendas de passagens para uma nova rota em Goiás para o ano de 2020, com a parceira VoePass: do GRU Airport (em Guarulhos) para Rio Verde, no interior do Estado goiano. Serão seis voos por semana, com um horário diário. Esses novos destinos entram em operação a partir de 3 de fevereiro de 2020. Os bilhetes estão à venda no aplicativo, no site www.voegol.com.br, nas lojas VoeGOL e nas agências de viagens de todo o Brasil. RVD 05:15 GRU 07:15 GRU 22:05 RVD 00:25 https://www.panrotas.com.br/aviacao/empresas/2019/12/guarulhos-rio-verde-go-tambem-ja-esta-a-venda-na-gol_170139.html
  6. Slot allocation at airports worldwide is often a complex process, but the divvying up of Avianca Brazil’s slots in the wake of the airline’s demise has been particularly labyrinthine. An auction of the carrier’s assets was initially called off and then held, with LATAM Airlines Group and GOL emerging as the winners. But now it seems Brazil’s government has deemed that auction invalid. That could possibly benefit Brazil’s third largest airline, Azul, which refused to participate in the auction process. Azul has also tapped social media to make its case for slots at São Paulo Congonhas, a strategic airport for all airlines in Brazil. But the outcome of the drawn-out process remains anyone’s guess as Brazil’s domestic market becomes more concentrated after Avianca Brazil’s exit. The race for Avianca Brazil's assets has had many twists and turns Avianca Brazil sought creditor protection near the end of 2018 and subsequently its fleet dwindled as some of the airline’s aircraft were repossessed and others were returned to lessors. In May-2019 Brazilian regulator suspended the airline’s operations. The carrier was the fourth largest domestic airline in Brazil behind its competitors GOL, LATAM Airlines Brazil and Azul, and its market share before it sought creditor protection was between 13% and 15%. The wind-down of Avianca Brazil’s assets – mainly coveted airport slots – has been anything but predictable. Earlier in 2019 Azul forged a non-binding agreement to acquire significant assets of Avianca Brazil, paying USD105 million for 30 Airbus 320 jets and 70 airport slots that included slots at São Paulo Congonhas. Congonhas is a key market for business travellers taking the air shuttle to Rio de Janeiro Santos Dumont airport. Azul’s service from Congonhas includes Porto Alegre, Curitiba, and Belo Horizonte. Its share of departing frequencies is just a fraction of those of LATAM Airlines Brazil and GOL. As of late Jul-2019, Azul had a total of 87 frequencies from Congonhas. São Paulo Congonhas Airport percentage of weekly departing frequencies by airline: as of mid-Jul-2019 Source: CAPA - Centre for Aviation and OAG. After Azul declared its intentions, Avianca Brazil’s largest creditor, the hedge fund Elliot Management, struck a deal with LATAM and GOL for each company to offer USD70 million for Avianca Brazil’s assets at an auction originally scheduled for early May-2019. Avianca Brazil was divided up into seven segments to be auctioned off. After a legal challenge from Swissport Brazil, a court temporarily suspended the auction. Swissport claimed that the transfer of slots was prohibited. Azul then submitted a new bid for of USD145 million for slots pairs, including the slot pairs for shuttle service from Congonhas to Rio Santos Dumont. Before submitting its latest bid for Avianca Brazil’s slots, Azul’s management declared that “Congonhas would have been an incredible cherry on top of the cake for us to show our product to the market”. Brazil's government appears to have taken over Avianca Brazil's slot allocation In Jul-2019 an auction of Avianca Brazil’s seven units occurred, but Azul refused to participate, “because it did not believe in the legitimacy of the procedure”, according to The Rio Times. Both GOL and LATAM Airlines Brazil secured slots at São Paulo Guarulhos, São Paulo Congonhas and Rio Santos Dumont. After the auction, Azul launched a campaign highlighting the duopoly on the air bridge between Santos Dumont and Congonhas, noting that 95% of slots at Congonhas are held by LATAM and GOL. Data from CAPA and OAG comparing seat shares on the air bridge from mid-Jul-2018 to mid-Jul-2019 show that in 2018 Avianca Brazil’s seat share between Santos Dumont and Congonhas was 18.1%, compared with GOL’s 38.6% seat share and LATAM’s share of 43.3%. In 2019 GOL’s share was 51.8% and LATAM’s share was 48.2%. Brazil’s aviation regulator ANAC has reportedly deemed the auction of Avianca Brazil’s asset as invalid and has resumed the process of distributing Avianca Brazil’s slots. How that process will work is somewhat up in the air. ANAC has held consultations with aviation stakeholders regarding the allocation, but the outcome is far from predictable. But ANAC’s assumption of responsibility for the slot allocation should provide Azul some hope that it can gain additional slots at Congonhas. Brazil's domestic market remains stable after Avianca Brazil's exit As ANAC works to allot Avianca Brazil’s slots at Congonhas and other airports, domestic capacity growth in the country’s domestic market for the 5 months ending May-2019 was just 0.3%, with traffic growth of 2.1%. Domestic passengers grew 2.6% year-on-year, to 37.7 million, and GOL, LATAM Airlines Brazil and Azul all grew their respective passenger shares, with Azul’s share jumping 12.9% year-on-year to 25.7%. GOL remained the market leader, with a 34.4% share of domestic passengers – an increase of 3.9% year-on-year. LATAM Airlines Brazil’s market share increased 1.5%, to 31%. Avianca Brazil’s share fell from 12.9% to 8.3% and in ensuing reports released by ANAC, Brazil’s three largest airlines should report even greater gains in passenger share now that Brazil’s fourth largest airline has officially ceased operations. Brazil's domestic market is becoming more concentrated among three airlines The latest statistics from Brazil’s government show that from Jan-2019 to May-2019 GOL, LATAM Airlines Brazil and Azul had a combined domestic passenger share of 91%. Avianca Brazil was still operating limited services during part of that period, and now that the airline has completely ceased operations, Brazil’s domestic passenger share will become even more concentrated among the country’s three largest airlines. Azul is attempting to inject competition into one of Brazil’s busiest and lucrative domestic routes, but for now its ambitions remain in the hands of the country’s regulators. Want More Analysis Like This?
  7. SÃO PAULO Joana Cunha O presidente da Latam, Jerome Cadier, disse que está preocupado com a reputação do setor aéreo no Brasil. A crise de imagem emergiu na esteira da recuperação judicial da Avianca, que virou alvo de disputa entre as três maiores empresas aéreas brasileiras, interessadas em adquirir o que sobrou da empresa, aeronaves e funcionários, mas principalmente os slots (autorizações para pousos e decolagens) em Congonhas, para voar o rentável trecho RioSP. Em entrevista à Folha na semana passada, o presidente da Azul, John Rodgerson, afirmou que Latam e Gol se uniram para acabar com a Avianca e impedir a entrada da Azul na ponte aérea. São declarações que Rodgerson não pode provar, segundo Cadier, e maculam a imagem de um setor que deve sempre inspirar segurança. "Todo o discurso dele está baseado em mentiras. Ele leva o setor todo ao descrédito. Fica parecendo que é um setor que não é sério, que não tem regras", diz Cadier. O que o sr. achou das mais recentes declarações do presidente da Azul, de que a Latam e a Gol se uniram para provocar o fim da Avianca? Uma inversão da realidade. O que de fato aconteceu: em dezembro se decreta a recuperação judicial da Avianca e em março a Azul faz uma proposta de um leilão em que só ela, e nenhuma outra companhia, poderia participar. Semanas depois, a Elliott, principal credor da Avianca, negocia com a Latam e com a Gol uma outra forma de leilão, do qual a Azul também poderia participar. Mas ela não seria a única, teria de concorrer com Gol e Latam. Essa proposta alternativa é apresentada pela Avianca, aprovada pela assembleia de credores. Mas a Azul fez tudo o possível para barrar essa solução. Ela faz outra proposta, de novo uma proposta em que só ela pode participar e os outros não podem concorrer, surpreendentemente elevando preço. Para mim, a Azul quer levar a Avianca sem pagar. Como levar sem pagar? Esse discurso de que a Azul não consegue participar da ponte aérea porque duas empresas [Latam e Gol] não deixam é uma cortina de fumaça. É óbvio que todo o mundo quer mais concorrência. Eu entendo que o Cade [Conselho Administrativo de Defesa Econômica] e o consumidor queiram mais concorrência em tudo, não só na ponte aérea. O que o John [Rodgerson] esconde é: ele já tem 13 slots em Congonhas. A Avianca tem 21 slots em Congonhas. Desses, ela usava 13 para operar na ponte aérea. Mas ele afirma que precisa desses 13 slots lá para fazer voos para os hubs da Azul, não? Então a discussão não é de ponte aérea. A discussão é de conexão com os hubs. Por que ele está alegando que quer entrar na ponte aérea? Isso ele já pode fazer hoje. Mas ele não pode querer ter as duas coisas: conectar com os hubs e também competir na ponte aérea? O objetivo dele é levar os slots pagando o mínimo possível. Sem concorrência. [se a Avianca acabar], existe uma regra de distribuição de slots [igualmente para todas as empresas]. Mas ele quer que a Anac [Agência Nacional de Aviação Civil] ou o Cade mude as regras de distribuição. Porque ele não quer participar do leilão, que é caro. Mas a Anac tem dito que precisa respeitar as regras atuais de distribuição de slots. Não tem de cumprir a lei? Ele quer que mude a lei. Ele está tentando montar essa cortina de fumaça, dar argumento de que a concorrência não deixa ele operar na ponte aérea. Ele já pode. Mas, se ele coloca os 13 slots dele na ponte aérea, ele fica sem a conexão dos hubs? O maior hub dele é Viracopos, em Campinas. Ele quer a ponte aérea, mas ele prefere usar os slots de Congonhas para conectar voos de Confins ou de Porto Alegre etc. Mas, se o passageiro vem de Porto Alegre para Congonhas, você acha que depois ele viaja para a ponte aérea? Não precisa. Ele pode usar Viracopos. O passageiro pode fazer Porto Alegre a Viracopos e depois Viracopos para o Rio. Isso é a cortina de fumaça? Que ele defenda os interesses da Azul. Mas sem acusar e mentir. Sem acusar as outras companhias como se tivesse duopólio ou alguma combinação, como se a gente tivesse feito a proposta da Elliott. Ele inverte o argumento. Ele fala que foram a Latam e a Gol que fizeram uma proposta na assembleia de credores. A Elliott liga para a Latam e fala que quer que a gente participe do leilão nessa condição em que eu divido. "Vocês estariam interessados?" Imagina que eu vou falar: "Não, obrigado, vou deixar a Azul porque ela está preocupada com os empregos". É óbvio que eu, defendendo os interesses da Latam, vou querer os slots. Quero conectar mais cidades e ter mais voos. Vocês também vão contratar funcionários da Avianca? A gente já contratou. Mais do que ele está falando que contratou e vai contratar. Nós já contratamos 320 tripulantes da Avianca. Já estão voando. Já temos dois aviões liberados pelo juiz em abril. Ele [Azul] parou de transportar passageiro [da Avianca] no evento do leilão. Ele está preocupado com o setor, mas para de transportar passageiros da Avianca? E somos nós que estamos forçando para a Avianca quebrar? Até agora transportamos 30 mil passageiros. De graça. Todo o discurso dele está baseado em mentiras. Ele leva o setor todo ao descrédito. Fica parecendo que é um setor que não é sério, que não tem regras. Para o setor aéreo, que precisa estar ligado à ideia de segurança, uma crise de credibilidade pesa mais? Ele pode defender os interesses da Azul. Mas que não minta nem faça acusações que não pode defender. Essas acusações que ele está fazendo não se sustentam. Vai ter de provar. Onde a gente tem uma ação que force a quebra da Avianca? É um momento em que o setor passa por uma crise brutal, com prejuízo acumulado das quatro companhias juntas no ano passado de R$ 1,9 bilhão, com uma das companhias falindo. Eu confio em que os órgãos reguladores Anac e Cade entendam o que tem por trás do posicionamento da Azul. Não tem evidência nenhuma. É um momento muito frustrante pelo comportamento. A Azul lidera em voos regionais, para aeroportos menores, sem a concorrência de vocês. E eles dizem que vocês são bem-vindos para ir competir nessas rotas. Por que não vão? A demanda lá é limitada? A Latam tem a restrição do tamanho dos aviões. Tem aeroportos em que eu não consigo pousar [com aeronaves muito grandes que compõem a frota da Latam]. A não ser que eu tenha aviões menores. Por que eles estão sozinhos nessas rotas hoje? Porque ele comprou a concorrente deles [em 2012]. A Trip foi comprada por eles, que se dizem próconcorrência, mas compraram o competidor. Hoje eu não entro [nas rotas regionais] ou porque eu não tenho um avião que cabe ou porque não tem demanda. Aí passa de uma situação em que alguém está ganhando e tendo operação sustentável para duas empresas terem uma operação não sustentável. Por isso ele tem o monopólio virtual hoje em muitas das rotas que ele opera. Em 70% das rotas que ele opera, ele está sozinho. Vocês também discordavam no tema da abertura do setor ao capital estrangeiro? Ele é contra. Por quê? Porque não quer concorrência. Se ele tem essa posição de que quer concorrência, por que é contra capital estrangeiro? E ele era tão contra que conseguiu influenciar para que a regra virasse: "Pode aprovar o capital estrangeiro, mas tem de voar 5% das rotas regionais". [Em abril, comissão mista do Congresso incluiu mudanças na medida provisória de abertura do mercado ao capital estrangeiro]. A quem interessa isso? Isso torna mais difícil a entrada de qualquer companhia de fora. Eles saíram da Abear, associação do setor. Como avaliaram isso? A Abear nunca tratou de temas comerciais. Isso, sim, seria cartel. Slot de Congonhas é um tema que nunca foi tratado. Ele está brigando por causa do leilão da Avianca, que é um tema comercial, e sai da Abear . Ela trata de questões relacionadas à segurança de voo, se pode ou não operar com brigada de incêndio, roteiro de navegação. https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2019/06/acusacoes-da-azul-sao-mentiras-que-levam-setor-aereo-ao-descredito-diz-presidente-da-latam.shtml
  8. 04-Jul-2019 7:18 PM South African Airways announces codeshare and frequent flyer agreements with Gol Linhas Aéreas South African Airways (SAA) has signed codeshare and Frequent Flyer agreements with Brazilian airline Gol - Linhas Aéreas (GOL). The agreement will enable SAA to add its code on flights operated by GOL in the Brazilian territory, which will allow SAA customers to integrate their travel with easy connections on flights of both carriers. The codeshare is effective from today and tickets can already be purchased through all SAA sales channels including flysaa.com. The agreement makes it possible for SAA to add its code on 20 connecting flights in Brazil operated by GOL, including Rio de Janeiro, Brasília, Curitiba, Porto Alegre, Belo Horizonte, and Florianópolis, among others. The codeshare with the leading carrier in the domestic Brazilian market extends SAA’s reach throughout Brazil. Besides the codeshare, the signed Frequent Flyer Programme ("FFP") agreement offers members of each airline’s programmes, Voyager from SAA and Smiles from GOL, the opportunity to accrue and redeem miles. Customers from Smiles can accrue and redeem miles on flights operated by SAA to Africa, Asia and Australia, and Voyager members can accrue and redeem Voyager miles on flights operated by GOL. “We are extremely pleased with this agreement which comes at an opportune time and gives strategic impetus to our strategy of growing partnerships globally to offer our customers more travel options. It is an important step in the execution of our strategy and gives our customers, through our direct flights to Sao Paulo, a number of further travel options to explore Brazil. In turn, the mutually beneficial agreement offers GOL customers the chance to explore the riches of Africa,” says Zuks Ramasia, SAA acting Chief Executive Officer. “The partnership with South African Airways is in line with our commitment to offer a larger international connectivity, with quality of service and integrated products of each carrier. Thus, we enable more destinations options and connectivity bringing more benefits to our clients, with more agility and the smart use of time on their trips,” says Randall Saenz Aguero, GOL’s Director of Alliances, International Expansion and Distribution. This press release was sourced from South African Airways on 03-Jul-2019. https://centreforaviation.com/members/direct-news/south-african-airways-announces-codeshare-and-frequent-flyer-agreements-with-gol-linhas-areas-481536
  9. Avianca signs interline and negotiates codeshare agreements with Azul and Gol in Brazil June 21, 2019 Avianca Holdings interim CEO Renato Covelo stated Aviancabookings were impacted in Brazil due to the brand connection with Avianca Brazil (O Globo, 20-Jun-2019). Avianca signed interline agreements and is negotiating codeshares with Gol Linhas Aéreasand Azul Linhas Aereas to address domestic-international connectivity demand in the Brazilian market. https://blueswandaily.com/avianca-signs-interline-and-negotiates-codeshare-agreements-with-azul-and-gol-in-brazil/
  10. There is no doubt that the shrinking of Avianca Brazil has altered market dynamics in Brazil’s domestic market, and the country’s three largest airlines believe Avianca Brazil’s bankruptcy will create opportunities for the country’s remaining carriers. GOL, LATAM Airlines Brazil and Azul have all been vying for Avianca Brazil’s assets but the government suspended an asset auction, including airport slots, and now the fate of Avianca Brazil is anyone’s guess. While the government drags its feet on rescheduling an auction or some other form of asset dispersal, Avianca Brazil continues to languish with Brazilian operators suspending the airline's operations. As the uncertainty over the fate of Avianca Brazil shows no signs of disappearing in the near future, Brazil’s airlines maintain a reasonably positive view of the domestic market, despite headwinds created by rising fuel prices and currency devaluation. Avianca Brazil's market share falls as its fleet shrinks Brazil’s domestic travel increased by 4.3% year-on-year in 1Q2019 on 3.4% capacity growth. GOL remain the domestic market share leader, with a 36% share. LATAM Airlines Brazil’s share slipped 2.8ppt year-on-year to 30.8%, and Avianca Brazil’s share plummeted 12.2% to 11.0% as its ASKs dropped 7.5%. Brazil domestic traffic share by airline for 1Q2019 Airline Domestic share GOL 36% LATAM Airlines Brazil 30.8% Azul 21% Avianca Brazil 11.9% Source: Brazil ANAC. Avianca Brazil sought creditor protection in Dec-2018, and since that time the airline has had some aircraft repossessed and has returned others to lessors. CAPA’s fleet database shows the airline has six aircraft in its operating fleet as of late May-2019 – down from an operating fleet of close to 50 aircraft. Avianca Brazil fleet summary as of mid-May-2019 Source: CAPA Fleet Database. The capacity reduction is in some ways strengthening an already rational domestic market in Brazil. Recently, executives from Azul remarked that at one point Avianca Brazil had approximately a 13% to 15% market share in Brazil, and “we believe that in all scenarios only about half that capacity will ever put back into the market, which I think is very healthy overall for Brazil”, said chief revenue officer Abhi Shah. LATAM Airlines ups 2019 Brazil domestic capacity as Avianca Brazil shrinks Citing a healthy demand environment and the “declines recently made by one of our competitors”, LATAM Airlines Brazil’s management have said that the airline is boosting its domestic capacity growth in Brazil in 2019 5% to 7%, from original projections of an increase of 2% to 4%. LATAM Airlines Group is shrinking its planned international growth to flat to a 2% increase, a reduction from previous estimates of a 3% to 5% expansion. The company’s overall capacity growth for 2019 is now projected at 3% to 5%, versus previous estimates of an increase of 4% to 6%. LATAM has agreed to forge leasing deals on 10 Airbus A320s that the lessor Aircastle reposed from Avianca Brazil and has not made a final decision about where those aircraft will be deployed. The company believes that opportunities exist in Brazil, as well as Chile, Peru and Colombia. Avianca Brazil's reorganisation has been mired in unpredictability Avianca Brazil’s bankruptcy protection has been complex and somewhat temperamental. Earlier in 2019 Azul forged a non-binding agreement to acquire significant assets of Avianca Brazil, paying USD105 million for 30 Airbus 320 jets and 70 airport slots that included slots at São Paulo Congonhas. Azul does not currently serve Congonhas, which is key market for business travellers taking the air shuttle to Rio de Janeiro Santos Dumont airport. See related report: Brazil aviation: positive outlook and Azul is still opportunistic Subsequently, Avianca Brazil’s largest creditor, the hedge fund Elliot Management, struck a deal with each of LATAM and GOL to offer USD70 million for Avianca Brazil’s assets at an auction originally scheduled for early May-2019. The company was divided up in seven segments to be auctioned off. After a legal challenge from Swissport Brazil, a court temporarily suspended the auction. Swissport claimed that the transfer of slots was prohibited. At the same time, Azul has submitted a new bid for of USD145 million for slots pairs, including the slot pairs for shuttle service from Congonhas to Rio. Prior to submitting its latest bid for Avianca Brazil’s slots, Azul’s management declared that “Congonhas would have been an incredible cherry on top of the cake for us to show our product to the market”. There has been no indication of a rescheduling of the auction, but Reuters is reporting that Elliot has opposed Azul’s latest bid, which further muddies the fate of Avianca Brazil. LATAM executives have stated that if there is no action for Avianca Brazil’s airport slots then the process would fall under current rules, which means they would be returned to a pool and distributed to the “current players”. As a result, Azul would lose out on an opportunity at Congonhas. Brazil's domestic market remains on solid ground, driven by sustained demand As the industry waits for the outcome of Avianca Brazil’s bankruptcy, the overall domestic market in Brazil remains solid despite rising fuel expense and currency pressure. LATAM has calculated that the BRL/USD average exchange rate for 1Q2019 was BRL3.77 per USD. Its Brazilian unit revenues denominated in the BRL grew 7.2% year-on-year in 1Q, but dropped by 7.2% measured in the USD. The company has seen fares increase and is forecasting double digit BRL unit revenue growth for its domestic operations in Brazil during 2Q2019. GOL’s year-on-year 2Q2019 unit revenue comps will be slightly inflated due to a trucker’s strike in Brazil during mid-May-2018 that pressured demand. But the airline is experiencing strong bookings and yields in Brazil’s domestic market. Azul has also commented it had experienced solid bookings in Apr-2019 and May-2019, noting a favourable balance between volumes and fares. Brazil's airlines should continue to maintain rational capacity growth Brazil’s domestic airlines have maintained a positive view of the domestic market over the past few months as the country slowly emerges from a recession. For now, it seems that those airlines are achieving a certain level of fare traction in the market as Avianca Brazil has now ceased operations. There is little doubt that at some point Avianca Brazil’s assets will be absorbed by the remaining airlines, and it appears those operators are aiming to maintain some degree of rational capacity growth in Brazil. https://centreforaviation.com/analysis/reports/brazilian-aviation-avianca-brazils-decline-assets-for-grabs-474772
  11. 23-May-2019 9:32 PM Brazilian carrier GOL Linhas Aereas will offer free messaging to all flyers on Gogo-equipped flights. The promotion is available fleet wide on all GOL flights equipped with Gogo 2Ku. While onboard, passengers using their smartphone can send and receive greetings from the sky at no charge using applications like WhatsApp, Facebook Messenger, and iMessage. Guests can find more information about GOL Online and internet passes online. To learn more about Gogo inflight connectivity and entertainment, visit www.gogoair.com. This press release was sourced from Gogo on 22-May-2019. https://centreforaviation.com/members/direct-news/gol-offers-free-messaging-on-gogo-equipped-flights-474924
  12. Por Lisia Minelli em 15/05/2019 A Gol anuncia a terceira fase de ampliação de voos no Estado de São Paulo que, desta vez, contempla 10 cidades nas regiões sul e nordeste do país. As novas operações iniciam a partir da primeira semana de agosto e estarão concentradas no aeroporto internacional de Guarulhos. Ao todo, semanalmente, a companhia terá um aumento 32 decolagens neste terminal. Entre as novas cidades atendidas estão: Fortaleza (CE), Recife (PE), Salvador (BA), Maceió (AL), Petrolina (PE), Juazeiro do Norte (CE), Porto Alegre (RS), Manaus (AM), Aracaju (SE) e Foz do Iguaçu (PR). “Com o anúncio da terceira fase de expansão de voos em São Paulo a Gol chega a um total de 115 novas decolagens semanais no Estado. O aumento está alinhado ao nosso planejamento estratégico de crescimento consciente e, também, contempla o pacote de contrapartidas com o Governo pela redução na alíquota do ICMS sobre o combustível para aviação comercial”, diz Rafael Araujo, diretor de Planejamento de Malha da Gol. https://www.mercadoeeventos.com.br/noticias/aviacao/gol-anuncia-mais-10-voos-de-sao-paulo-para-regioes-sul-e-nordeste-do-pais/
  13. https://economia.uol.com.br/noticias/estadao-conteudo/2019/05/05/uma-empresa-aerea-quebra-a-cada-dois-anos-no-pais.htm 2/8 São Paulo 05/05/2019 09h52 Luciana Dyniewicz Um leilão marcado para ocorrer na terça-feira, em um edifício próximo à Avenida Paulista, em São Paulo, colocará fim a mais uma companhia aérea brasileira. A Avianca Brasil será a 11.ª empresa do setor a encerrar as operações desde 2001 no País, que tem taxa de mortalidade de uma empresa a cada dois anos. Os casos de falência ou de recuperação judicial na aviação não são exclusividade do Brasil. Neste ano, outras nove empresas aéreas endividadas deixaram de voar no mundo, desde pequenas, como a sul-coreana AirPhilip, até companhias mais relevantes, como a Jet Airways, que chegou a ser uma das maiores da Índia. Nos EUA, American Airlines, Delta e United já tiveram de recorrer ao Chapter 11, o equivalente à recuperação judicial brasileira, mas acabaram sobrevivendo. Margens baixas, necessidade de injeções volumosas de capital, contratos de longo prazo com arrendadoras de aeronaves e vulnerabilidade ao preço do combustível --e ao dólar, no caso brasileiro-- estão entre os fatores que explicam a elevada taxa de mortalidade. "É uma indústria muito difícil no mundo todo", diz Jerome Cadier, presidente da Latam no Brasil. "Temos incerteza de curto prazo em relação à demanda e necessidade de tomar decisões de longo prazo, como o tamanho da frota. São decisões caras e difíceis de tomar." Foram basicamente duas dessas decisões que tornaram a situação da Avianca insustentável nos últimos anos, segundo analistas. Uma delas foi a de não enxugar a frota em 2015 e 2016, período mais delicado da aviação brasileira desde os anos 2000. Foram nesses anos que a crise econômica derrubou a demanda por transporte aéreo e os custos foram pressionados pela alta do dólar e do petróleo. Nessa época, muitos apostaram que a Gol seria a primeira a sucumbir - dado seu nível de endividamento -, mas uma renegociação com credores, aliada a um plano de devolução de aeronaves, garantiu a virada do jogo. Latam e Azul fizeram movimentos semelhantes em suas frotas e contaram ainda com novos recursos --a primeira vendeu uma participação para a Qatar e a segunda abriu capital. A Avianca, porém, não recuou no número de aeronaves, em uma tentativa de ganhar participação de mercado. Outra decisão equivocada foi a entrada no mercado internacional, em 2017. Um voo para o exterior tem um custo médio dez vezes superior ao de um doméstico. Se o avião não sai lotado, portanto, o prejuízo é grande. A operação internacional da Avianca queimou rapidamente o caixa da companhia, que já não tinha boa performance. Os resultados da empresa nunca foram dos melhores devido, em parte, ao fato de ela voar principalmente em rotas disputadas por Latam e Gol. A Gol foi a primeira companhia nacional a adotar um modelo de negócio de custo baixo, obrigando a Latam a ir por um caminho semelhante. Com aviões novos, mais eficientes e alta utilização da frota (em média voando 12 horas por dia, quando a média nacional era de 7 horas), a Gol estreou no mercado com um custo 40% inferior ao da Varig e da então TAM (hoje Latam). A Varig quebrou ao resistir ao corte de custos. A TAM se salvou justamente por fazê-lo - eliminou, mais recentemente, até a tradicional balinha de boas-vindas. Competição Gol e Latam se tornaram, assim, muito competitivas - o que tem dificultado a entrada de novas companhias no setor e feito novatas quebrarem no caminho, diz o especialista no setor aéreo André Castellini, sócio da consultoria Bain & Company. Para tentar ganhar passageiros em rotas dominadas pelas concorrentes, a Avianca apostou em preços inferiores para passagens compradas de última hora, apesar de oferecer um serviço muitas vezes superior - e mais caro -, como comida quente e espaço maior entre poltronas. A estratégia poderia funcionar para ganhar participação de mercado, mas não era sustentável no longo prazo. A Azul foi a única que conseguiu, até agora, entrar com sucesso no setor dominado por Latam e Gol. A receita foi fugir das rotas nas quais as duas estão presentes. Ajudou também o fato de ela começar a crescer quando a crise dava os primeiros sinais, obrigando Latam e Gol a focarem nas próprias operações, e não na concorrente. A questão é que atuar no mercado secundário é mais caro. Entrar no segmento da Azul tem, portanto, um desafio extra para uma possível nova estreante. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo"
  14. Gol aumenta voos de SP para MG, GO, SC, PR e Interior A Gol vai aumentar a oferta de voos no Estado de São Paulo, partindo dos aeroportos de Congonhas e Guarulhos para sete destinos já operados pela empresa: Montes Claros (MG), Caldas Novas (GO), Joinville (SC), Chapecó (SC), Presidente Prudente(SP), Goiânia (GO) e Maringá (PR). A operação totalizará em média 11 novos voos por dia, entre pousos e decolagens. A expansão é mais uma das contrapartidas negociadas com o Governo do Estado pela redução na alíquota do ICMS sobre querosene para aviação comercial. “A iniciativa criada pelo Governo do Estado é um passo importante para que possamos ampliar, ainda mais, a nossa malha em São Paulo, que já é o principal centro de conexões da Gol. Além disso, a medida contribui para o fortalecimento e desenvolvimento do setor aéreo como um todo, bem como com o aumento do Turismo e economia local”, disse o diretor de Planejamento de Malha da Gol, Rafael Araujo. As novas operações da companhia abrangem quatro voos partindo do GRU Airport, sendo três deles exclusivos, para Montes Claros, Chapecó e Joinville, além de mais uma opção na rota para Goiânia. Já Congonhas terá mais voos da Gol para Presidente Prudente, Caldas Novas e Maringá, todas operadas exclusivamente pela companhia. Confira os detalhes na imagem abaixo. · GUARULHOS - MONTES CLAROS (MG): A nova rota iniciou no dia 31 de março e a companhia é a única empresa aérea a realizar voos diretos de São Paulo para a cidade mineira. · GUARULHOS - CHAPECÓ (SC): Esta rota é atualmente operada com exclusividade pela GOL, e a partir de 6 de maio, passa de duas operações para três. · GUARULHOS - GOIÂNIA (GO): A partir de 30 de junho, a companhia passa a ter 4 opções de voos diretos para Goiânia partindo do aeroporto de Guarulhos. em · GUARULHOS – JOINVILLE (SC): Com início em 5 de agosto, a rota será operada exclusivamente pela GOL com saídas deste aeroporto. · CONGONHAS - CALDAS NOVAS (GO): Única companhia a operar entre São Paulo e a cidade goiana, a GOL irá incluir voos às quartas-feiras e sábados na rota que já é operada pela empresa às quintas-feiras e domingos. As novas operações têm início no dia 1º de maio. · CONGONHAS - PRESIDENTE PRUDENTE (SP): A partir de 2 de junho, a GOL passa a ter três voos entre as cidades com uma operação durante o período da tarde. · CONGONHAS - MARINGÁ (PR): Com o novo voo, que inicia em 1° de julho, a companhia amplia de três para quatro voos diários a rota que já é oferecida exclusivamente pela GOL. https://www.panrotas.com.br/aviacao/novas-rotas/2019/04/gol-aumenta-voos-de-sp-para-mg-go-sc-pr-e-interior_163548.html
  15. Brazil’s two largest domestic airlines – GOL and LATAM Airlines Brazil – have reasonably solid outlooks for their performance in the country during 2019 as the country marches toward an economic recovery. Uncertainty remains over the fate of Brazil’s fourth largest airline, Avianca Brazil. The airline sought bankruptcy protection in late 2018, and recently Brazil’s third largest airline Azul stated that it had entered a non-binding agreement to acquire some of Avianca Brazil’s assets – aircraft and slots at some of Brazil’s key airports. If those plans materialise, capacity rationalisation should be maintained in Brazil’s domestic market; however GOL and LATAM could find a formidable competitor in some key airports in Brazil. Azul has a track record of making opportunistic acquisitions to accelerate its position in Brazil’s domestic market – the largest in Latin America. Brazil posts solid domestic passenger growth in 2018; 2019 is off to a good start In 2018 Brazil posted 3.3% growth year-on-year in domestic passenger numbers, compared with an increase of 2% in 2017 and negative growth of 7.8% in 2016. Nearly 94 million passengers travelled in Brazil’s domestic market in 2018, which was still below the 96 million recorded in 2015 before the country’s recession hit its low point. Brazil domestic passenger growth from 2013 through Jan-2019 Source: CAPA - Centre for Aviation and Brazil ANAC. The country’s tepid GDP growth of 1.1% in 2018 was largely driven by a truckers' strike and uncertainty over Presidential elections in Brazil. Its new President, Jair Bolsonaro, is largely viewed as business-friendly, and Azul has stated that the new administration appears to be taking all the right steps to promote the economic development of the country. Recently, GOL’s executives remarked that Brazil’s Central Bank was forecasting 2.5% GDP growth in 2019, and ABEAR, the association of Brazil’s airlines, estimates domestic air travel demand should grow 5% to 7%. GOL’s domestic traffic grew 3.1% in 2018 and load factors notched up 0.6ppts, to 80.8%. Its average fares increased 8% year-on-year and yields increased 7.7%. Brazil did face currency pressure in 2018, but the fluctuations largely affected international demand to North America and Europe. Both GOL and LATAM Airlines Brazil had reasonably positive views of Brazil’s domestic market at the end of 2018, and those views appear to be holding steady into early 2019. GOL and LATAM believe there are positive trends in the Brazil's domestic market GOL’s management has concluded that “business activities” were up year-on-year in late 2018 and early 2019, which was sustaining higher yields in the domestic markets. Additionally, the Carnival holiday was in Mar-2019 versus Feb-2018, which was positive for extending the the summer travel season in the country. Both GOL and LATAM Airlines Group have highlighted a certain level of capacity rationalisation in Brazil’s domestic market. Data from the Brazilian regulator ANAC show that domestic ASKs grew 4% year-on-year in Jan-2019. GOL has forecast that its domestic capacity will increase 2% to 4% in 2019, and LATAM Airlines Brazil expects its domestic ASKs to grow in the same range for the year. Azul is forecasting 16% to 18% domestic capacity growth. LATAM, which posted a 10.2% increase in domestic Brazil unit revenues in 4Q2018 (denominated in BRL, the result was a 6.2% decrease denominated in the USD), recently concluded that there are good trends in Brazil’s domestic market. However, “we believe that capacity discipline is very important to the market”, company executives recently stated. Data from Brazil’s ANAC and CAPA show that 2018 was the first year that Brazil’s domestic ASKs had increased above 1% since 2014. ASKs fell approximately 6% year-on-year in 2016 during a two-year recession in the country that began to wane in 2017. Brazil domestic ASK growth from 2013 through Jan-2019 Source: CAPA - Centre for Aviation and Brazil ANAC. Azul stresses its pursuit of Avianca Brazil's assets won't upset capacity balance In Dec-2018, Brazil’s fourth largest airline, Avianca Brazil, sought bankruptcy protection as lessors threatened to repossess the airline’s aircraft. Data from ANAC show that Avianca Brazil’s domestic traffic share fell to 11% to 12.9% in Jan-2019, and its ASKs fell 7.2% year-on-year. Brazil domestic traffic share by airline for Jan-2019 Airline Percentage share GOL 39% LATAM Airlines Brazil 30% Azul 20% Avianca Brazil 11% Source: Brazil ANAC. Azul has forged a non-binding agreement to acquire significant assets of Avianca Brazil, including 30 Airbus 320 jets and 70 airport slots for USD105 million. The Rio Times has reported that the deal could allow Azul to bolster its slots at the close-in, high-yielding domestic airport São Paulo/Congonhas airport, which would be a positive strategic development for the airline (it will also gain slots at other airports if the deal is approved). Data from CAPA and OAG show that presently (as of mid-Mar-2019) Azul accounts for 5% of departing frequencies at the airport. Azul is also reportedly hoping to gain slots at São Paulo Guarulhos and Rio de Janeiro Santo Dumont. São Paulo Congonhas: percentage of departing frequencies by airline, as of mid-Mar-2019 Source: CAPA - Centre for Aviation and OAG. Azul’s 16% to 18% capacity growth in 2019 includes some A320s that Avianca Brazil has already disposed of as part of its transformation plan, Azul executives recently explained. The company’s management stressed that it expected capacity rationalisation to remain intact if the proposed deal to acquire Avianca Brazil’s assets was finalised. It is a logical assumption, given that it is largely a transfer of assets designed to bolster Azul’s position in the domestic market. When Azul announced plans to purchase the regional Brazilian airline TRIP in 2012, Azul’s domestic market share was approximately 10%, and TRIP had a 4% share. The acquisition allowed Azul to obtain a higher share than it could have done through pure organic growth. Essentially, the acquisition of TRIP accelerated Azul’s growth by broadly four years. Azul has been opportunistic in Brazil's domestic market place Even as Azul believes its pursuit of Avianca Brazil’s assets will not materially affect the capacity balance in Brazil’s domestic market, in key markets GOL and LATAM will face a more formidable competitor with a more solid financial footing. Azul is marking more than a decade in service, and in that short period of time has been opportunistic in acquiring TRIP to bolster its position in Latin America’s largest aviation market. https://centreforaviation.com/analysis/reports/brazil-aviation-outlook-positive-trends-and-azul-still-opportunistic-464553
  16. 20 de Março de 2019 Por Jamerson Miléski Uma equipe de vistoria foi designada pela Gol Linhas Aéreas para realizar uma inspeção no Aeroporto João Batista Figueiredo, em Sinop. O levantamento das condições do aeródromo começou a ser feito na manhã desta quarta-feira (20). Os técnicos permanecem no município até amanhã, quinta-feira (21). A sondagem da Gol no município foi retomada há cerca de 30 dias. A empresa já havia declarado a intenção operar em Sinop no ano de 2015, quando solicitou junto a Anac (pedido nº GLO-000195-000), a permissão para dois voos: Sinop-Cuiabá e Sinop-Brasília. Em 2016 a Gol reavaliou seu plano de expansão, desistindo dos trechos. Depois de 3 anos sem novas investidas, diretores da Gol entraram em contato com a prefeitura de Sinop no final de fevereiro deste ano, perguntando se havia interesse em um voo da companhia, conectando Sinop a Guarulhos (SP) – o principal terminal aeroportuário do país. A resposta foi assertiva. O que a Gol projeta, nesse momento, para Sinop é um voo diário Guarulhos-Sinop-Guarulhos. Com base na frota da companhia, esse voo será operado por um Boeing 737 com capacidade para 180 passageiros. Os dados sobre a performance do aeroporto de Sinop serão coletados por essa equipe técnica e observados pela companhia, que utilizará as informações para aferir a viabilidade do novo trecho. http://gcnoticias.com.br/geral/golprojetaabrirvoosinop-guarulhos/67245816
  17. March 4, 2019 Gol Linhas Aéreas CFO Richard Lark, speaking on the 4Q2018 financial results call, commented (01-Mar-2019) on Avianca Brazil‘s chapter 11 filling and its effects on FFP Amigo, stating: “That situation highlighted the shared credit risk between airlines and their affiliated FFPs and that will make it more difficult for programmes to finance themselves on a stand alone basis”. https://blueswandaily.com/gol-cfo-avianca-brazils-situation-highlighted-the-shared-credit-risk-between-airlines-and-ffp/
  18. Por Lisia Minelli em 27/02/2019 A Gol anunciou novidades em seu serviço de bordo. Nas rotas entre Rio de Janeiro, Salvador, São Paulo, Brasília e Fortaleza a companhia servirá, de forma gratuita, pães de queijo no café da manhã e hambúrguer no happy hour. A iniciativa será um complemento às opções de snacks integrais e orgânicos já disponíveis. “Essas ações buscam inovar e potencializar ainda mais o nosso serviço de bordo, de forma a transformar e personalizar a experiência do cliente em diferentes rotas da companhia. A escolha das parcerias e os produtos oferecidos fazem parte deste trabalho de melhoria contínua do serviço”, afirma Fernando Rodrigues, Gerente de Produtos da Gol. Além disso, devido ao sucesso do happy hour na ponte aérea, a parceria com a Wessel foi renovada. Dessa forma, continuarão disponíveis os hambúrgueres e as cervejas nos voos das quintas e sextas-feiras, entre as 17h e 23h. https://www.mercadoeeventos.com.br/noticias/aviacao/gol-passa-oferecer-pao-de-queijo-e-hamburguer-no-servico-de-bordo/
  19. 18-Feb-2019 6:19 PM Com uma projeção de investimento de mais de R$ 50 milhões, a empresa brasileira abriu hoje seu site local para começar a se posicionar como o programa de milhas mais completo para o viajante argentino A Smiles, programa de fidelidade da GOL com mais de 20 anos de experiência e 15 milhões de usuários, abriu hoje seu site exclusivo para a Argentina - www.smiles.com.ar, redesenhando todo o conteúdo do site de acordo com o mercado local para iniciar suas atividades no país. Com uma projeção de investimento superior a R$ 50 milhões, distribuídos entre operações, marketing e pessoal, a empresa pretende representar 15% da operação Smiles em três anos. "Nos últimos cinco anos, o mercado de cartões na Argentina cresceu 37%. Juntamente com os novos regulamentos de processamento de pagamentos, temos uma grande oportunidade de crescimento para nossos negócios", disse André Fehlauer, presidente da Smiles Argentina. Será também uma alternativa para programas de fidelidade dos bancos, que têm poucas opções de transferência de pontos, operando exclusivamente com seu próprio catálogo e através de agências de turismo. “A chegada da Smiles na Argentina oferecerá empregos e atenderá às demandas do mercado argentino, além de todas as transações serem feitas em moeda local. É importante ressaltar que esta não é uma tradução do site da Smiles Brasil, mas sim um projeto de e-commerce local, adaptado às necessidades desse público, que planeja sua próxima viagem com bastante antecedência ", afirmou Fehlauer. A partir de agora, os novos usuários, juntamente com os 300 mil clientes argentinos que já estão registrados na base brasileira, poderão se unir à Smiles Argentina e aproveitar os melhores benefícios para ter uma experiência de viagem completa. Entre as funções mais importantes do site está a emissão de passagens da GOL e de outras 17 companhias aéreas com 100% de milhas, Smiles & Money (milhas e pesos) e gateway local de pagamento em pesos. Além disso, os clientes do Banco Patagônia e da American Express podem transferir seus pontos dos programas Club Patagônia e Membership Rewards para começar a acumular milhas. Os clientes argentinos que têm uma conta na Smiles Brasil poderão migrar suas milhas para sua conta na Argentina. Promoções exclusivas também serão oferecidas para voos GOL, a maior companhia aérea brasileira, para os principais destinos procurados pelos argentinos, saindo de Buenos Aires: Rio de Janeiro, Salvador, Porto Alegre e Orlando, além da possibilidade de partir de Córdoba para o Rio de Janeiro. Também oferece mais de 900 destinos em mais de 160 países ao redor do mundo com as outras companhias aéreas associadas. https://centreforaviation.com/members/direct-news/smiles-inicia-operao-na-argentina-460517
  20. Por Pedro Menezes em 26/09/2018 A Gol acaba de anunciar seu novo destino internacional durante a Expo Abav 2018. A partir de junho de 2019, a companhia passa a operar voos diretos entre Brasília e Cancún a bordo do moderno B737 MAX. O anúncio foi feito pelo próprio VP de Vendas e Marketing, Eduardo Bernardes, na tarde desta terça-feira (26), no estande da Gol, ao lado do diretor Comercial Rogério Guerra. “Já começamos todo o processo operacional e trâmites legais para termos a autorização do voo. Devemos iniciar as operações com quatro voos semanais, todas as segundas, quartas sextas e domingos, a partir de nosso hub em Brasília, a bordo dos B737 MAXs. Terminaremos 2018 com seis aeronaves. E, a partir de 2019, passamos a receber uma aeronave de 25 a 40 dias com o objetivo de ampliar nossa operação internacional, o que faz parte do plano estratégico da Gol”, disse Eduardo Bernardes. https://www.mercadoeeventos.com.br/noticias/aviacao/gol-tera-rota-brasilia-cancun-a-partir-de-junho-de-2019/
  21. Por Lisia Minelli em 28/01/2019 A Gol registrou em 2018 recorde de uso de internet nos voos, com mais de 250 mil acessos. A novidade passou a ser oferecida aos clientes há pouco mais de um ano, por meio da plataforma Gol Online, que inclui também uma ampla programação gratuita de filmes e TV ao Vivo. Hoje, 80% da frota já possui essa tecnologia e, até o fim do primeiro semestre, toda a frota estará equipada. “Estar conectado hoje é uma das principais expectativas em voo ou em outros ambientes. Principalmente para nossos Clientes frequentes, a conectividade a bordo é um grande diferencial na experiência de voar Gol. A plataforma Gol Online é líder de mercado, e oferece a mais completa solução de bordo da América Latina”, explica Paulo Miranda, Diretor Executivo de Produtos e Experiência do Cliente da Gol. https://www.mercadoeeventos.com.br/noticias/aviacao/gol-bateu-recorde-de-clientes-conectados-a-internet-em-2018/ 250.000 / 33.415.000 = 0,75% baixíssimo.
  22. A Gol planeja oferecer serviços de manutenção e reparo para clientes terceiros já a partir de 2020. O MRO (Manutenção, Reparos e Operações) estaria preparado, inicialmente, para receber aeronaves modelo B737. O hangar de manutenção, localizado em Belo Horizonte/Tancredo Neves, tem capacidade para receber até seis narrowbodies, incluindo um na estação de pintura, embora a Gol não tenha divulgado o quanto de capacidade passaria a oferecer para outros clientes e o quanto ainda utilizaria de forma exclusiva para sua frota. Tudo isto foi dito pelo diretor de Manutenção da Gol, Carlos Alberto Costa, no evento da Aviation Week Latin American. Outro ponto dito é que a companhia aérea ainda não decidiu se colocaria eventualmente uma unidade MRO separada fisicamente de seus hangares próprios de manutenção. No entanto, a Gol espera que já em meados de 2019 tenha os procedimentos necessários para o possível ingresso no mercado. Em 2021, a companhia ainda planeja expandir estes serviços para outros modelos narrowbodies e, em 2022, para modelos widebodies. Fonte:https://www.mercadoeeventos.com.br/n...artir-de-2020/
  23. November 15, 2018 Two of Brazil’s largest airlines are optimistic about the future now that the uncertainty surrounding the recent presidential elections are over. Summary: Brazilian carrier Azul Airlines and GOL have offered a more optimistic industry outlook now uncertainty surrounding the recent presidential elections is over; Brazil’s far right president-elect Jair Bolsonaro was a controversial candidate, but he is widely viewed as business friendly; Brazil’s Central Bank has reduced a growth forecast for 2018 to +1.4% but expects it to accelerate to 2.4% in 2019. Brazil’s far right president-elect Jair Bolsonaro was a controversial candidate, but he is widely viewed as business friendly; the recently concluded election removes a level of uncertainty for airlines operating in Latin America’s largest aviation market. The chairman of Brazil’s third largest airline Azul, David Neeleman, recently declared the airline is “relieved that the Brazilian elections are finally over, and that the micro environment in Brazil is more stable”. Reuters has recently reported that Brazil’s Central Bank expects growth to accelerate in 2019. The news outlet stated the bank expects growth of 2.4% in 2019, but has refined estimates for 2018 to 1.4% growth versus a previous forecast of an increase of 1.6%. “We are very optimistic with the new administration; they seem to be taking all right steps to promote economic development of the country.” Mr Neeleman concluded. Azul’s management has recently highlighted that during the last decade, Brazil’s aviation industry has doubled in size, but the average GDP growth has only been 1.5%. If the country’s GDP starts growing at a rate of 2% to 4%, there is a “lot of potential we see here”. CHART – The Brazilian aviation system returned to capacity growth in 2017, albeit at a modest 0.5% rate. It will grow at a decade high rate of around 4.6% this year, but seat levels remain significantly down on those recorded in the first half of the 2010sSource: CAPA – Centre for Aviation and OAG Executives at the country’s largest domestic airline GOL Linhas Aereas recently stated that 2017 had been the first year of economic growth after six years of slowdown, contraction and a recession. “We’re all feeling this out here in Brazil in a variety of sectors, feeling our way out on the other side of this election cycle, and how we address the challenges of the demand cycle as opposed to a contraction cycle”, said GOL CFO Richard Lark. Speaking on its 3Q2018 financial results call at the beginning of the month, the airline’s CEO Paulo Kakinoff discussed GOL’s expectation for demand following the result of the Brazilian election. He said: “We expect that the outcome of the elections will have a positive impact on business and consumer confidence.” “More than 65% of our clients travel for business reasons, and we believe that eliminating the political uncertainty will spur an increase in corporate activity in general. The appreciation of the Real should also help in the increase of consumer purchasing power for air travel.” he added. However, IATA has warned that against a fragile economic backdrop and ahead of the (recent) election, businesses confidence remained subdued in Brazil. Across the wider region RPK growth ticked down for both North and Latin American carriers in Aug-2018 to 4.6% & 4.4% year-on-year, respectively. Its data shows that only African airlines are showing softer year-on-year growth in passenger volumes at present. https://blueswandaily.com/brazils-gol-and-azul-paint-a-more-optimistic-outlook-for-brazil-with-business-friendly-president-in-office/
  24. A demanda por transporte aéreo doméstico no Brasil e a oferta2 disponibilizada pelas companhias caminharam absolutamente em linha no mês de julho: tiveram crescimento idêntico de 7,43% na comparação com o mesmo mês do ano anterior. Com oferta e procura avançando em igual ritmo, o fator de aproveitamento ficou estável em 83,97% na base anual de comparação. Foram transportados 8,8 milhões de passageiros nos voos nacionais em julho, um crescimento de 6,75% sobre o mesmo mês de 2017. Os números da ABEAR são a consolidação das estatísticas das empresas AVIANCA, AZUL, GOL e LATAM e contemplam mais de 99% do mercado doméstico. Participação do mercado4 doméstico em julho de 2018: GOL: 38,50% LATAM: 30,00% AZUL: 18,81% AVIANCA: 12,70% Acumulado do ano A aviação doméstica tem crescimento de demanda da ordem de 4,79% em sete meses na comparação com o mesmo intervalo de 2017. A oferta tem expansão ligeiramente superior, de 4,81%. O fator de aproveitamento se mantém estável em 80,88%. Somam 53,3 milhões os passageiros transportados no ano, alta de 3,80% sobre o ano anterior, o correspondente a um acréscimo de aproximadamente 2 milhões de pessoas. Participação do mercado doméstico no acumulado de 2018: GOL: 36,17% LATAM: 31,62% AZUL: 18,55% AVIANCA: 13,67% Mercado Internacional As estatísticas das associadas ABEAR abrangem atualmente cerca de 30% das operações aéreas internacionais envolvendo o Brasil. A parcela restante é detida por empresas de bandeira estrangeira. Nas rotas internacionais, as associadas ABEAR registraram em julho crescimento consolidado 14,78% na demanda para uma oferta 17,24% maior nas comparações com 2017. O fator de aproveitamento teve pequena piora de 1,80 ponto percentual em julho, baixando a 84,19%. Foram 884,4 mil passageiros transportados no mês nos voos internacionais, total 10,49% superior ao do ano passado. Participação do mercado internacional em julho de 2018 (entre as empresas brasileiras): LATAM – 68,67% AZUL – 15,76% AVIANCA – 7,44% GOL – 8,13% Acumulado no ano De janeiro a julho a demanda internacional sobe 15,63% em relação a 2017. A oferta tem ampliação de 19,00%, por sua vez. O fator de aproveitamento no ano é de 82,86%, com piora de 2,42 pontos percentuais em um ano. Ao todo são 5,4 milhões de passageiros internacionais transportados, crescimento de 13,67% no contingente. Participação do mercado internacional no acumulado de 2018: LATAM – 68,64% AZUL – 15,29% GOL – 9,61% AVIANCA – 6,45% Cargas5 As estatísticas de carga incluem as operações das associadas AVIANCA, AZUL, GOL, LATAM e LATAM CARGO. Tais empresas transportaram 30,6 mil toneladas de carga no mercado doméstico em julho (alta de 4,59% em relação ao mesmo mês do ano anterior) e 23,6 mil toneladas no mercado internacional (alta de 21,52%). No acumulado de sete meses são 215,3 mil toneladas de carga transportadas em rotas domésticas (crescimento de 13,55% ante igual período de 2017) e 162,8 mil toneladas transportadas nas rotas internacionais (crescimento de 34,52%). Confira as planilhas completas com as estatísticas na área de Dados e Fatos do site da ABEAR, na seção NÚMEROS DAS COMPANHIAS AÉREAS ASSOCIADAS. Confira também o GLOSSÁRIO com os principais termos utilizados. This press release was sourced from ABEAR on 27-Aug-2018. https://centreforaviation.com/members/direct-news/abear-aviaco-domestica-cresce-743-em-julho-435450
  25. Brazilian carrier Gol Linhas Aereas has become the first operator in Latin America to adopt SITA’s ‘Scan&Fly’ new self service bag drop technology. The system was introduced for domestic travellers at Rio de Janeiro Galeão International Airport last week and will soon also be adopted at São Paulo Guarulhos International Airport. SITA is retro-fitting Scan&Fly units at each airport, allowing passengers to check in their baggage in just 40 seconds, around half the estimated time it would traditional take at a human operated desk, while also delivering travellers more control and choice over their airport journey. As well as the units themselves, SITA also provided consultancy to develop the optimised processes in both airports, integrating the solution into the airlines’ and airports’ infrastructures. The global air transport IT and communications specialist also provides around the clock support both on the ground and through its command centres. The latter claims to be able to proactively detect issues to avoid any potential passenger disruption. That monitoring ranges from tracking surges in internet usage which might have an impact on the airport, to alerting the team on the ground that bag tag paper supplies are running low. Each year, GOL flies around 32 million passengers. Providing significant reductions in the time it takes to check in is a major bonus for passengers, as well as helping GOL reach the targets set as part of the IATA Fast Travel programme. Data from CAPA – Centre for Aviation airline profiles for this week shows that Rio de Janeiro Galeão International is its fourth largest domestic operation, while São Paulo Guarulhos International is its second domestic base. CHART – The ‘Click&Fly’ units are initially being introduced at two of GOL’s largest domestic network points Source: CAPA – Centre for Aviation and OAG GOL’s Sergio Quito, vice president of operations, describes the self bag-drop technology as “fast, reliable and easy to use,” and expects a positive response to its introduction from consumers. “Self-service is important for us because it improves the customer experience and helps streamline our operations,” he adds. Scan&Fly has already been adopted by many airports across the world and SITA claims to have more than 55 airlines connected to varying BagDrop technologies at over 40 airports worldwide. The Scan&Fly unit is equipped with latest technology like common-use payment facilities for excess baggage, passport reader and more and its hybrid functionality enables a switch from self-service to an agent-assisted mode in a matter of seconds. It can complete simple baggage check-in requests in as little as 15 seconds, according to SITA and answers the immediate need for more terminal capacity, while lowering operational usage costs. https://blueswandaily.com/gols-adoption-of-self-bag-drop-technology-set-to-cut-check-in-times-and-reduce-waiting-times-at-rio-sao-paulo-deployment-to-follow/
×
×
  • Create New...

Important Information