Jump to content

Sete brasileiros presos em um vôo da AA


Recommended Posts

"Briga a bordo do vôo da American Airline. Sete brasileiros presos", por Ricardo Noblat

 

Imagine uma briga com troca de socos dentro de um avião. Seguida do pânico de parte dos passageiros que confundiram "briga" (fight) com "fire" (fogo).

 

Foi o que aconteceu na madrugada desta terça-feira no vôo 995 da American Airline, que faria a rota Miami-São Paulo.

 

O avião decolou às 23h30, horário de Miami (0h30, horário de Brasília). Com poucos minutos de vôo, uma brasileira começou a passar mal.

 

O comissário de bordo perguntou se havia algum médico entre os passageiros. Três deixaram os seus lugares para socorrer a mulher. Por recomendação deles, o vôo voltou a Miami para que a mulher fosse levada a um hospital.

 

A aterrissagem de um grande avião com sua carga de combustível praticamente intacta é algo arriscado. Exige perícia dos pilotos e o perfeito estado do sistema de freios.

 

Deu tudo certo. A mulher desembarcou aos cuidados de uma equipe de paramédicos do aeroporto. E os passageiros foram avisados de que o avião voltaria a decolar dali a duas horas.

 

Era necessário submeter o sistema de freios a uma nova revisão.

 

Um brasileiro, que viajava junto com a mulher nos fundos do avião, reclinou a cadeira para dormir. Outro brasileiro, sentado atrás dele, reclamou. Disse que a cadeira reclinada o impedia de ver televisão com conforto.

 

O ocupante da cadeira em questão respondeu que nada faria. O outro ameaçou:

 

- Então vou lhe cobrir de porrada.

 

Prometeu e cumpriu.

 

Foi quando uma aeromoça, que ouviu o bate-boca dos dois sem entender direito, correu na direção da cabine do comandante gritando "Fight, fight, fight" (briga).

 

Um expressivo lote de passageiros brasileiros entendeu "Fire" (fogo). E logo acompanhou a aeromoça em sua corrida, amontoando-se na classe executiva.

 

Abriu-se a porta do avião e entraram três policiais. Que dali a instantes foram embora levando cinco brasileiros algemados - o autor das porradas e quatro amigos dele, e mais o ocupante da cadeira que reclinou, e sua mulher.

 

O vôo 995 decolou outra vez às 4h33 (horário de Brasília). Nada mais ocorreu digno de relato.

 

Fonte: Blog do Noblat - http://www.facebook.com/BlogdoNoblatOGlobo?fref=ts

Link to comment
Share on other sites

Eu só não briguei pelo mesmo motivo (eu era o da frente), porque o cara tinha mais de 2 metros e eu não sou burro.

 

O direito do de trás começa onde termina o da frente.

 

Se estava permitido a pessoa reclinar a cadeira, o senhor que estava na poltrona atrás, tem que aceitar e pronto.

 

Esse é um dos meus maiores "receios" quando pego um avião, arrumar uma confusão por causa de cadeira reclinada (adicione chute, empurrão e gritaria)

Link to comment
Share on other sites

Eu sou um dos mais chatos com esse negócio de reclinar a cadeira

 

Agora reclamar e partir para a briga porque não consegue ver TV em uma aeronave no solo, merece prêmio de otário mesmo.

 

Torço para que se divirta bastante nas instalações policiais do aeroporto de Miami, e que continue bem nervosinho assim, aí já encaixam algumas outras acusações na criatura.

Link to comment
Share on other sites

Numa situação como essa onde há uma certa tensão pois o avião teve que voltar e etc. o mínimo que o passageiro da frente poderia ter feito era a cortesia de desculpar-se e colocar sua poltrona na posição vertical! O espaço entre as poltronas da classe econômica é tão restrito e por uma simples questão de consideração só se deveria reclinar as poltronas em pleno voo ou melhor ainda quando for hora de dormir.

É também uma questão de educação permanecer com a cadeira sem reclinar ao comer. Coisa que nós brasileiros não estamos nem aí. O nosso egoísmo as vezes é um espanto: não pensamos jamais nos outros. É sempre a velha estória: EU, EU, EU! Não importa onde em ônibus ou em avião a primeira coisa que fazemos é reclinar a cadeira.

Link to comment
Share on other sites

Cada vez mais apoio minha mulher que só aceita viajar em "executiva" e reclina ou não na hora que quiser sem incomodar quem quer que seja.

 

Estou falando de "executiva" em aeronave decente não nessas que são similares a ônibus leito.

Link to comment
Share on other sites

Vou contar uma boa:

 

Certa vez, há uns 15 anos, presenciei uma briga em uma aeronave da (finada?) BWIA. Um jovem, de uns 16 anos, sentado na janela F, estava de walk-man (sim, nada ipods naquele tempo) e batucava incessantemente, na mesinha aberta, na janela, nas molduras da janela...

 

Eu estava sentado no corredor na mesma fileira do rapaz. Não me incomodava, de verdade. Achava até engraçado o transe do cara.

 

Acontece que o sujeito sentado à frente dele não estava vendo muita graça em ser batucado no seu ouvido e no seu banco (por conta da mesinha). Uma vez levantou-se, virou-se e pediu para o cara parar. Nada! Segunda vez fez o mesmo. Nada!

 

Na terceira, virou-se e lascou uma castanhada da cabeça do rapaz. O fone voou longe. Eu não sabia se ria ou se apartava. A turma do deixa disso foi imediata. Tiraram o baterista de lá, atordoado.

 

Sabe o que aconteceu depois? Nada... ficou tudo por isso mesmo.

 

Mas que foi engraçado demais, foi :) Pelo menos hoje relembrando... se fosse atualmente, não sei se seria.

 

Abraços!

Link to comment
Share on other sites

 

Mas que foi engraçado demais, foi :) Pelo menos hoje relembrando... se fosse atualmente, não sei se seria.

 

 

engraçado é..

 

mas... nos dias de hoje, viraria briga generalizada, gritaria e reclamação - vulgo chilique - nos balcões da linha aérea pq o piloto teria de pousar para retirar os brigões e os demais santos perderiam suas conexões no destino..

 

além - claro - da notinha clássica do G1..

 

adicione os termos terror, pânico e "não fomos informados de nada pelo comandante"... a gosto... :macumba:

Link to comment
Share on other sites

Numa situação como essa onde há uma certa tensão pois o avião teve que voltar e etc. o mínimo que o passageiro da frente poderia ter feito era a cortesia de desculpar-se e colocar sua poltrona na posição vertical! O espaço entre as poltronas da classe econômica é tão restrito e por uma simples questão de consideração só se deveria reclinar as poltronas em pleno voo ou melhor ainda quando for hora de dormir.

É também uma questão de educação permanecer com a cadeira sem reclinar ao comer. Coisa que nós brasileiros não estamos nem aí. O nosso egoísmo as vezes é um espanto: não pensamos jamais nos outros. É sempre a velha estória: EU, EU, EU! Não importa onde em ônibus ou em avião a primeira coisa que fazemos é reclinar a cadeira.

 

Não vejo desta maneira, não é "previlégio" do brasileiro esse egoísmo todo, ou mesmo nos latinos, os anglo-saxões neste quesito, são insuperáveis.

Link to comment
Share on other sites

 

adicione os termos terror, pânico e "não fomos informados de nada pelo comandante"... a gosto... :macumba:

 

Adicione também uma entrevista com um dos pax: "pensei que ia morrer" :P

Link to comment
Share on other sites

 

Não vejo desta maneira, não é "previlégio" do brasileiro esse egoísmo todo, ou mesmo nos latinos, os anglo-saxões neste quesito, são insuperáveis.

Há 20 anos viajo por quase todos os cantos do mundo e é somente nos voos de/para/no Brasil é que este tipo de incoveniência acontece. Ingleses, espanhóis, portugueses, escandinávos, japoneses, franceses, italianos, americanos (que são na mairoria das vezes muito altos, o que justificaria) em quase 100 % dos casos perguntam se é OK reclinar a poltrona e assim mesmo só durante o voo. Não me manifesto com relação a argentinos e chilenos porque não costumo viajar por lá. O engraçado é que na maioria dos lugares onde costumamos estar: seja no trabalho ou até mesmo em casa não existe isso de reclinar poltrona. Não existe nehuma garantia de relaxar mais nesta posição agora que incomoda quem está atrás, isto sim.

Link to comment
Share on other sites

Independente se pode ou nao pode reclinar, se deveria ou nao, o fator principal eh a cordialidade de ambos, que deveria ter vindo em 1 lugar.

Link to comment
Share on other sites

Já passei por situação parecida sendo o passageiro da frente, mas no meu caso ao reclinar a poltrona sem querer atingi uma moça que estava deitada no colo do seu namorado, de imediato pedi desculpa e voltei a cadeira pra posição original, mas a folgada não saiu e voltei a reclinar a mesma, o namorado da vaca começou a me ofender verbalmente, foi quando resolvi levantar e me colocar a disposição pra resolvermos a diferença, aí ele parou e a namorada dele foi deitar na poltrona dela.

 

Resumindo já quase passei por uma situação como a descrita acima, sou radicalmente contra a violência, evito ao máximo e nada a justifica, porém as vezes mesmo contando até 100 é impossivel se conter, principalmente quando o erro não é seu e os outros estão invadindo seu direito.

Link to comment
Share on other sites

Enquanto isso num certo país da impunidade engraçadinhos ameaçam por bomba em avião, causa transtornos para os demais passageiros e tripulantes, e no final da estória fica tudo por isso mesmo.

Link to comment
Share on other sites

O curioso é que nenhuma das partes procurou chamar um comissário para resolver a situação no voo da AA.

Aliás, nem nos posts acima.

Não seria o melhor a fazer?

Link to comment
Share on other sites

Outra versão para o acontecido, vai saber qual é a verdadeira:

 

"4 brasileiros são presos dentro de avião nos EUA

 

Quatro brasileiros foram algemados e presos pela polícia americana dentro de um Boeing 777-200, na pista do aeroporto de Miami, na madrugada de terça-feira, 7. Os homens protagonizaram uma briga com socos e golpes dignos de uma luta de UFC dentro do voo 995, que fazia o trajeto Miami-São Paulo.

O voo foi tumultuado. O avião decolou de Miami com destino a São Paulo às 23h50 de segunda-feira, 6, e, quando sobrevoava a ilha de Alice Town, nas Bahamas, foi obrigado a retornar para socorrer uma passageira, também brasileira, que passava mal. A mulher estava desacordada, com inchaço em um lado do rosto. Quando a aeronave estava no solo, entraram paramédicos, bombeiros e policiais para prestar atendimento à mulher.

Nesse momento, dois jovens com idade entre 20 e 25 anos reclinaram seus assentos e acabaram acertando a cabeça da passageira que estava no banco de trás, deitada no colo do marido. O homem não gostou e se levantou para tirar satisfação. Começou então uma gritaria dentro do avião. Um terceiro rapaz, que estava sentado numa poltrona mais à frente, saiu correndo pelo corredor e deu um soco no rosto do homem. Chorando, a mulher dele pediu que o rapaz parasse, mas os outros também se levantaram para bater nele.

Um deles gritava: "Você está morto! Você está morto!". O rapaz que havia saído da poltrona mais à frente deu uma gravata no homem e eles caíram no chão. Os policiais chegaram, seguraram os quatro homens e os algemaram. O rapaz que deu o primeiro soco no homem gritava: "O que eu fiz? O que eu fiz?". Os passageiros aplaudiram quando eles foram levados para fora da aeronave. As famílias dos envolvidos também saíram, levando os pertences.

Passageiros das poltronas perto da confusão tiveram de descrever o fato para os comissários de bordo e os agentes da polícia que apuravam as responsabilidades.

Segundo comissários da American Airlines, os quatro homens foram levados à cadeia e poderão ser enquadrados na lei federal que trata de segurança aeronáutica.

"Pai não ensina, a vida ensina", comentou um passageiro. "Eram mal-educados, já chegaram falando alto", resmungou uma mulher. "Eles estão acostumados a dar um jeitinho, sair sem pagar. Aqui não vai rolar isso não, estamos nos Estados Unidos", festejou outra mulher. Passageiros de outros setores passaram a ir até o fundo para conhecer o que chamavam de "cenário do UFC aeronáutico". "Foi aqui que teve a briga?", indagou um senhor.

Excesso de peso

Mas os problemas não pararam. O comandante do voo 995 informou aos passageiros que tinha notado, na aterrissagem, sinais de "excesso de peso" na aeronave e, por isso, o avião precisaria passar por um exame mecânico. Todos os passageiros tiveram de desembarcar. O voo decolou apenas às 3h20 de quarta-feira, 9, e só chegou a São Paulo às 12h35, mais de quatro horas depois do previsto. "Senhoras e senhores, bem-vindos a São Paulo. E pedimos desculpas pelo incidente lamentável desta noite", disse o comissário de bordo pelo interfone, após a aterrissagem.

A tripulação informou que a mulher que havia sido atendida emergencialmente no avião no início da tumultuada noite, que fora internada em um hospital em Miami, já estava melhor. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo. "

http://www.estadao.com.br/noticias/geral,4-brasileiros-sao-presos-dentro-de-aviao-nos-eua,1029672,0.htm

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade