Jump to content

Estudo prevê colapso dos aeroportos de SP até 2015


Renan - SAO

Recommended Posts

Capacidade de Guarulhos-Congonhas precisa mais que dobrar para absorver demanda.

Relatório do ITA sugere discussão sobre construção de terceiro aeroporto na Grande SP.

Do G1

 

Caso não sejam adotadas medidas para ampliar a capacidade operacional dos aeroportos de São Paulo, o sistema Guarulhos-Congonhas vai entrar em colapso nos próximos anos. Esta é a conclusão de um estudo inédito do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) de São José dos Campos, a 91 km de São Paulo, divulgado na edição desta segunda-feira (5) do jornal "O Estado de S. Paulo".

 

 

"Existe uma demanda por transporte aéreo em São Paulo que a infra-estrutura instalada não suporta sem a redução do nível de serviço oferecido aos usuários", diz o estudo, assinado pelos professores do ITA Cláudio Jorge Pinto Alves e German Alberto Barragán de los Rios.

 

 

De acordo com o estudo do ITA, que leva em consideração projeções de crescimento da demanda de transportes de carga e de passageiros até 2015, seria preciso ampliar de 220% a 350% a capacidade do terminal do passageiros em Congonhas. A capacidade das pistas precisaria aumentar em 50% a 130% e o pátio de aeronaves em 410% a 620% - o que é impossível diante das limitações físicas do aeroporto.

 

 

 

Em Guarulhos, seria preciso ampliar de 40% a 100% a capacidade do terminal e do pátio, enquanto as pistas precisariam de um reforço de 20%. Os índices apontados, no entanto, serão suficientes apenas para manter o sistema operando no limite, com 100% de ocupação ao longo do dia, todos os dias do ano. Em caso de imprevistos, como a crise aérea do segundo semestre de 2006, mesmo com todo o investimento o sistema sofreria problemas.

 

 

"Parte da demanda terá de ser transferida para outro aeroporto ou, simplesmente, terá de optar por outro meio de transporte", diz o estudo do ITA. O setor aéreo tem exibido ganhos de eficiência e, nos últimos três anos, cresceu a taxas recordes - 3 a 4 vezes superior à expansão do Produto Interno Bruto (PIB). Para este ano, a previsão é de um crescimento acima de 10%, ante 12,3% em 2006 e 19,4% em 2005.

 

 

Investimentos

 

Apesar de os problemas vividos pelos passageiros de avião nos últimos meses terem tornado públicas as falhas do sistema aeroportuário brasileiro, os investimentos anunciados para os próximos anos estão aquém das previsões de demanda.

 

O Programa de Aceleração de Crescimento (PAC) prevê R$ 3 bilhões para 20 aeroportos até 2010, enquanto a necessidade do setor seria de R$ 7 bilhões, segundo a própria Infraero. O estado de São Paulo deve receber pouco mais de R$ 1 bilhão. Entretanto, o PAC não contempla as principais obras apontadas por especialistas para dar conta da demanda nos próximos cinco a dez anos.

 

Segundo a reportagem do "Estado", as intervenções necessárias seriam a terceira pista para pousos e decolagens de Guarulhos e a ampliação de Viracopos, Campinas. E mais: para transformar Viracopos em uma opção viável, é necessária a construção de um trem-bala ligando o aeroporto à capital, projeto ainda em discussão. Outro plano é a construção, para daqui a dez anos, de um terceiro aeroporto, mais próximo a capital.

 

O PAC contempla apenas a construção de um terceiro terminal de passageiros em Guarulhos, além de reformas e obras de modernização do sistema de pistas e pátios existentes em Guarulhos e Congonhas. Segundo o superintendente da regional Sudeste da Infraero, Edgar Brandão Junior, com essas obras e reformas, a infra-estrutura existente no estado "estará bem servida" até 2010.

 

Melhorias

 

Para aumentar a capacidade do sistema, o estudo do ITA sugere melhorias operacionais e de infra-estrutura de curto e médio prazos. "A questão da construção ou não de um terceiro aeroporto deve começar a ser estudada já, para que, eventualmente, venha a ser construído dentro de dez anos", diz Pinto Alves. No entanto, argumenta, "se a construção se mostrar inviável, será preciso estimular a transferência de tráfego para aeroportos menores ou regionais".

 

 

A adoção de políticas que interfiram na demanda - como transferência de tráfego de um aeroporto para outro e a cobrança de tarifas diferenciadas pelo uso de cada aeroporto - são consideradas pelos estudiosos do ITA como cruciais para redistribuir o tráfego. "A solução não depende apenas de vultosos recursos, mas de uma grande dose de engenhosidade", diz o estudo.

 

A transferência de tráfego depende de portaria e vem sendo adotada com sucesso pela Infraero e pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Foi o que aconteceu no Rio de Janeiro, com a transferência de vôos fora da Ponte Aérea do Santos Dumont para o Aeroporto Internacional Tom Jobim.

 

A cobrança de tarifas aeroportuárias mais baratas das empresas aéreas para estimular a demanda em aeroportos subutilizados está totalmente descartada pela atual administração da Infraero. "Hoje não se discute política de diferenciação tarifária", declarou a estatal, por meio de sua assessoria.

Link to comment
Share on other sites

Descentralização é a palavra chave. O país todo agradeceria, principalmente os paulistas. Ou será que alguém acredita em tal aumento da capacidade até 2015?!

 

Abraço

Link to comment
Share on other sites

Olha eu sou paulista e de vez em quando utilizo o complexo que existe na região metropolitana (CGH e GRU) e uma coisa eu garanto a construção do 3º terminal de GRU vai aliviar e muito o sistema desde que haja algumas transferencias de vôos para outros aeroportos, porque ao meu ver o que poderia ser feito, construia o T3 de GRU com isso desafogaria CGH pois poderiamos transferir 30% das operações de CGH pra GRU, porém pra GRU não ficar sufocado com a transferencia definitiva de 30% dos vôos de CGH p/ GRU, seria necessario uma redistribuição dos vôos pelo GIG e por CNF (que ao meu ver são os mais viáveis para uma transferência).

Link to comment
Share on other sites

Isso só prova a necessidade de se fazer um trem-bala São Paulo-VCP e o "Expresso Aeroporto" GRU-São Paulo.

 

Se investirem nessas obras, dará para desafogar CGH mas mesmo assim o passageiro poderia ter um acesso rápido até a cidade.

Link to comment
Share on other sites

Descentralização é a palavra chave. O país todo agradeceria, principalmente os paulistas. Ou será que alguém acredita em tal aumento da capacidade até 2015?!

 

Abraço

 

Eu já disse isso várias vezes mas tem gente que não entende e não aceita! Prefere correr o risco de ver um avião se chocar com outro em cima da cabeça dele ou ver um avião surgir na sua frente quando está andado por uma avenida! Fazer o que?

Link to comment
Share on other sites

Se é para descentralizar, então deve-se buscar aeroportos bem localizados. BSB e a REC, por exemplo, seriam excelentes pontos de conexão para a Europa e EUA - melhores localizados que GIG e CNF. POA seria ideal para o Cone Sul. MAO para a América Central e SSA para África.

 

Agora, alguém REALMENTE acredita que a descentralização, se ocorrer, seguirá esse padrão?! óbvio que não........

Link to comment
Share on other sites

Um aeroporto para sustentar ligações internacionais precisa ser um aeroporto com alta demanda e oferta de vôos domésticos. Se você transferir os vôos internacionais, eles não sobrevivem sem suas conexões oferecidas por um grande centro, como GRU, por exemplo. Muitos dizem que resolvem isso fácil, mandando para aeroportos como GIG e BSB que têm essa estrutura de vôos para oferecer conexões. Mas pegunta qual companhia quer sair de GRU e ir para outro aeroporto. E o que faremos a respeito disso? Proibiremos as Cias Aéreas de continuarem operando em São Paulo?! Como forçá-las a sair de um mercado consagrado internacionalmente e arriscar em outro lugar? Todo mundo acha a TAP o máximo por oferecer vários destinos brasileiros non-stop, mas todo mundo sabe qual é a maior receita e a prioridade da empresa.

 

Fácil reclamar, o difícil é achar uma solução plausível para isso. O governo pode incentivar a desconcentração, mas ela só ocorrerá a partir do dia que as Cias Aéreas acharem interessante, quer nós queiramos ou não. Simples assim.

Link to comment
Share on other sites

Guest SAO SAMPA

Procuro olhar o lado positivo causado pelo caos aereo e greve dos controladores de voo:

Pela primeira vez no Brasil, comeca a se discutir planejamento para daqui a 5 anos mostrando a saturacao do sistema aeroportuario de SP se nada for feito ate la. Em se tratando de Brasil, ja é uma evolucao sem igual.

 

Na verdade, se houver vontade politica e se colocar em pratica todas as recomendacoes baseados em estudos serios como o acima, devem ser feitas nao uma mas varias acoes beneficiando o sistema aereo Brasileiro como um todo, a saber:

 

1. Criar, desde ja, condicoes atraves de beneficios para as cias que queiram operar em outros aeroportos fora de SP, utilizando o GIG, BSB ou CNF como hub para ligacoes entre todas as regioes que nao tenham SP como O&D. De maneira nenhuma obrigar, isto nao funciona em lugar nenhum do mundo. A cia quer voar para onde tenha (mais) pax e mesmo pagando mais voara para o lugar mais caro se este lhe trouxer receita (vide QAV em GRU a 25% e no GIG a 4%).

 

2. Ao mesmo tempo, as cias,a Infraero, ANAC, etc... sabem que a demanda em GRU continuara crescendo e este é o mercado mais importante do Brasil (mesmo que so pax do estado fizerem cnx la) e por isto SP precisa urgentemente dos seguintes pontos:

a. licitacao urgente do TPS3, alem das reformas nas pistas e taxiways (construcao de uma nova e reforma da antiga) que ja estao sendo feitas.

b. enfrentar com forca politica e desalojar a favela de 3500 familias atras de GRU. Aquela area é do aeroporto e sempre se soube que seria utilizada para a construcao da terceira pista e nova taxiway.

c. "Expresso Aeroporto" tem que ser incluido no PAC ou ser feito agtraves de PPP (prefiro esta segunda...chance maior de conclusao ate 2010).

d. "Expresso Bandeirante" - importantissimo nao so para ligar VCP a Grande SP mas a Gde Campinas a Gde SP.

e. considerar VCP um aeroporto estrategico para o trafego em SP pela sua localizacao geografica, possibilidade de construcao de segunda pista e de mais terminais de carga e de passageiros. Ele nao pode ser desconsiderado de forma nenhuma. Com um trem ate la, as cias low fare low cost e fretamentos de CGH (e ate GRU) poderiam operar la atendendo a todo o estado de SP, alem de outros voos, com voos das gdes cidades do estado a VCP. Ai sim, CGH ficaria como aeroporto de negocios e GRU como aeroporto internacional e domestico tambem.

A distribuicao/desconcentracao dos voos ao outros estados, ja adiantadas daqu a alguns anos, ajudariam a dar sobrevida a GRU que, com seus 30 milhoes de pax de capacidade, por nao 10, mas 15, 20 anos.

f. Bastante polemica, mas fundamental a longo prazo, considerar um novo aeroporto em SP. Ja li que ele poderia ter num primeiro momento capacidade para 12 milhoes de pax, mas esta alternativa so estaria pronto (bem) depois de 2020. Uma forma de acelerar seria entregar para iniciativa privada e cobrando taxas mais altas, mas com um trem rapido ate ele. Seria digamos assim um aeroporto premium no Brasil. SP, pelo tamanho de seu mercado tera em 15, 20 anos, toda condicao para ter um aeroporto com esta caracteristica.

 

Agora so nos resta torcer.

 

Abracos,

Link to comment
Share on other sites

Se você transferir os vôos internacionais, eles não sobrevivem sem suas conexões oferecidas por um grande centro, como GRU, por exemplo.
nao se esqueça q aeroportos como GIG e BSB tem mto serviço doméstico. e ao contrario de SP, os voos dentro do brasil nao sao rachados entre dois aeroportos. eles oferecem tantas conexoes qto GRU. obvio q se as cidades atendidas apenas por CGH (NVT, JOI, etc) fossem adicionadas a malha de GRU a situacao se diferiria, mas nao acontece. BSB é um mega centro de conexoes, por exemplo. GIG tem potencial para se-lo, e os voos domesticos ja estao la.

 

a criacao de novas conexoes a partir de outros aeroportos nao seria problema, visto q nao seria necessaria e nao exigiria mto tempo/dinheiro.

 

O governo pode incentivar a desconcentração, mas ela só ocorrerá a partir do dia que as Cias Aéreas acharem interessante, quer nós queiramos ou não. Simples assim.

 

ou a partir do momento em q as conexoes se tornarem mais baratas. o brasil tem taxas aeroportuarias absurdas. se elas criassem um ambiente propicio a descentralizacao, eu garanto q as cias viriam.

Link to comment
Share on other sites

Quer descentralizar ?

 

"Politica de SLOT, quer mais ? " Tem REC, NAT, FOR, MAO, BSB....

 

Funciona na Alemanha, funciona na California, funciona em Nova York, funciona em Londres, funciona em Toquio....

 

 

O resto eu não comento...

 

Felipe

Link to comment
Share on other sites

Se você transferir os vôos internacionais, eles não sobrevivem sem suas conexões oferecidas por um grande centro, como GRU, por exemplo.

 

Melhor vc se informar antes!

 

Números de pax domésticos transportados em 2006

 

 

Guarulhos

7.501.203

 

Brasília

9.666.701

 

Galeão

6.624.891

 

Salvador

5.037.703

Link to comment
Share on other sites

Melhor vc se informar antes!

 

Números de pax domésticos transportados em 2006

Guarulhos

7.501.203

 

Brasília

9.666.701

 

Galeão

6.624.891

 

Salvador

5.037.703

 

Melhor vc ler direito o q eu escrevi! Acho q vc pulou o "por exemplo" ali.

Link to comment
Share on other sites

Já vi que vai virar mais um tópico GRU x GIG, e nesse papo eu não entro. Mas falando da localização de CNF e GIG isso é o de menos. Primeiro porque eu não falei pra mexer em GRU, porque entendo que CGH hoje é bem mais crítico, segundo que se for pra organizar o tráfego em São Paulo não haveria o menor problema de fortalecer as ligações Sul-GIG, sul-CNF e nordeste-GIG, nordeste CNF. Repito o que poucos parecem entender, não estou falando de esvaziar CGH e depenar o hub. Não é isso. Eu falo de novos horizontes, novas opções pra fugir da baderna chamada Terminal SP. Pode fazer até um teletransporte pra VCP que ele continuará sendo rejeitado em favor de CGH, e este simplesmente não aguenta mais tráfego há anos. Se vai descentralizar ou não isso eu não sei, e acredito que não a julgar pelos caciques que nossa aviação conta hoje (pessoas com a cabeça congelada na década de 60) mas também espero deitado a resposta da Infraero pra toda essa demanda de estrutura que SP deverá exigir nos próximos anos. Resumindo, estamos de fato fudidos.

 

Abraço

Link to comment
Share on other sites

Diego no que depender de mim, e de outros, vamos conduzir as discussões de forma que essa "guerra" não exista.

 

E opinião pessoais podem ser mantidas e sustentadas, mas não vale a pena você discutir opiniões achando que vai mudar a dos outros. Cada um tem a sua, e os outros tem que respeitar isso.

 

Eu concordo com tudo o que você disse, menos a palavra no final, que não é a mais recomendada (apesar de espelhar a realidade).

 

Saudações,

 

Felipe

Link to comment
Share on other sites

Diego no que depender de mim, e de outros, vamos conduzir as discussões de forma que essa "guerra" não exista.

 

E opinião pessoais podem ser mantidas e sustentadas, mas não vale a pena você discutir opiniões achando que vai mudar a dos outros. Cada um tem a sua, e os outros tem que respeitar isso.

 

Eu concordo com tudo o que você disse, menos a palavra no final, que não é a mais recomendada (apesar de espelhar a realidade).

 

Saudações,

 

Felipe

 

:thumbsup: :thumbsup:

 

 

Abraço

Link to comment
Share on other sites

:thumbsup: :thumbsup:

Abraço

 

Eu acredito que não há necessidade de mais um aeroporto na região metropolitana de São Paulo. Basta racionalizar o uso dos três: Congonhas, Guarulhos e Viracopos. e promover uma ligação rápida entre os três. Nada de trem bala, de investimentos fabulosos como fez a China para o novo aeroporto de Xangai, basta investimento em ligação rápida e confortável, como existe, por exemplo, em Paris. Congonhas, tal como o Santos Dumont, no Rio de Janeiro, e Pampulha, em Belo Horizonte, ficaria com os vôos da Ponte Aérea, com os vôos regionais e com a aviação executiva. Guarulhos ficaria com os vôos nacionais e os internacionais para a América do Sul. E Viracopos poderia ficar com os vôos internacionais para os países da América do Norte, Europa, Ásia e África. Se pensarmos bem, comparados a outros grandes aeroportos internacionais, como o novo de Hong Kong, o novo de Xangai, o internacional de Washington (Dulles) que fica no estado da Virginia, o intercontinental de Houston, o de Osaka, para só citar alguns, o aeroporto de Viracopos não é tão longe assim. O que lhe falta é uma ligação eficiente com o centro da cidade de São Paulo. E, além do mais, as desapropriaçôes por, lá, acredito que sejam bem mais em conta do que na área de Guarulhos. E mais uma coisa: nessas grandes cidades em que existem mais de um aeroporto, o passageiro para continuar sua viagem muitas vezes tem de se deslocar de um aeroporto para outro; não seria um caso específico de São Paulo.

Link to comment
Share on other sites

Melhor vc ler direito o q eu escrevi! Acho q vc pulou o "por exemplo" ali.

 

Eu entendí o "por exemplo" sim. Só quis mostrar que se houver transferência de vôos internacionais de GRU para GIG, BSB ou SSA, as cias vão sobreviver sim pois como GRU eles oferecem vasta rede de vôos nacionais.

 

P.s.: Estou focando o assunto do tópico! Sem rixas!!

 

Abraços!

Link to comment
Share on other sites

  • 3 weeks later...
e pensarmos bem, comparados a outros grandes aeroportos internacionais, como o novo de Hong Kong, o novo de Xangai, o internacional de Washington (Dulles) que fica no estado da Virginia, o intercontinental de Houston, o de Osaka, para só citar alguns, o aeroporto de Viracopos não é tão longe assim.

Vejamos...

 

Distância ao centro da cidade

 

Hong Kong = 49 km

Shangai (Pudong) = 30 km

Washington (IAD) = 50 km

Houston (IAH) = 37 km

Osaka (KIX) = 50 km

 

Campinas (VCP) = 100 km de SP

Link to comment
Share on other sites

Eu acredito, se a linha de trem for bem projetada e com trens rapidos (na alemanha os trens tem velocidade máxima de 220km/h, em SP 150Km/h está ótimo), em 50 minutos é possivel ligar VCP a GRU e/ou à algum ponto de conexção para os transportes metropolitanos da cidade de São Paulo...Em Paris (CDG), a ligação aeroporto centro (Gare d'est) dura aproximadamente 30 minutos e está longe de ser confortavel, trens sujos e sem espaço para a bagagem. Em Londres, de Hewtrow até o Picadilly Circus, dura 50 minutos de metro, ou se quiser pagar bem mais caro, 15 minutos com trem de alta velocidade direto até uma outra estação bem proxima do centro, London City fica a 30 minutos do centro de metro. Em Munich, a unica opção rapida até o centro é a linha de metro, que dura aproximadamente 45 minutos.

 

Abraços

 

Matheus

Link to comment
Share on other sites

  • 2 weeks later...
Guest SAO SAMPA
Eu acredito, se a linha de trem for bem projetada e com trens rapidos (na alemanha os trens tem velocidade máxima de 220km/h, em SP 150Km/h está ótimo), em 50 minutos é possivel ligar VCP a GRU e/ou à algum ponto de conexção para os transportes metropolitanos da cidade de São Paulo...Em Paris (CDG), a ligação aeroporto centro (Gare d'est) dura aproximadamente 30 minutos e está longe de ser confortavel, trens sujos e sem espaço para a bagagem. Em Londres, de Hewtrow até o Picadilly Circus, dura 50 minutos de metro, ou se quiser pagar bem mais caro, 15 minutos com trem de alta velocidade direto até uma outra estação bem proxima do centro, London City fica a 30 minutos do centro de metro. Em Munich, a unica opção rapida até o centro é a linha de metro, que dura aproximadamente 45 minutos.

 

Abraços

 

Matheus

 

Noticia fresquinha: (FSP-08/03)

"NOS TRILHOS

O presidente mundial da Bombardier, Laurent Beaudoin, desembarca no Brasil para compromissos em Brasília e em São Paulo. Na agenda, estão previstos um encontro com o presidente Lula na segunda, e, à noite, no mesmo dia, um jantar, na capital paulista, organizado por João Doria Jr. O jantar terá a presença de um grupo seleto de pesos pesados como Joseph Safra e Marcio Cypriano. Beaudoin afirmou que não irá tratar de assuntos aeroviários, e sim de ferrovia, seu outro alvo de interesse. A Bombardier é a principal concorrente da Embraer."

 

Sera que vem uma parceria para os Expressos Aeroporto e Bandeirantes por ai???

 

Abracos,

Link to comment
Share on other sites

Que adianta construir mais 4 terminais em Guarulhos e levar 5 horas de carro para se chegar no aeroporto .

 

Fora o tempo de espera por tráfego aéreo.

 

Descentralização Já!!!!

Link to comment
Share on other sites

Guest SAO SAMPA
Que adianta construir mais 4 terminais em Guarulhos e levar 5 horas de carro para se chegar no aeroporto .

 

Fora o tempo de espera por tráfego aéreo.

 

Descentralização Já!!!!

 

GIG76,

 

Acho que vc nao entendeu o meu mail. Justamente para evitar o transito que é fundamental o trem Expresso. Voce é do Rio (pelo nome e perfil no CR) e nao deve ser um expert em transito e caminhos alternativos em SP. Ha muitos caminhos a GRU (a Marginal é a pior delas) e muita gente nem passa por ela para atingir GRU (como a maioria dos taxistas)....em horas de rush pode se levar da Paulista 1 hora e meia (5 horas seria do centro do Rio ate GRU).

 

Por causa de constantes retencoes na Linha Vermelha, alem das blitze, ja levei muitas vezes mais de 1 hora do GIG ate a Zona Sul....problemas de qualquer grande cidade do mundo....(o Lipe que mora em NY pode te dizer como o trem JFK-Manhattan melhorou a vida de quem chega e sai de NY).

 

A descentralizacao é importante e ja esta acontecendo (veja os novos voos para o Nordeste, MAO, BSB e GIG ao longo de 2006 e 2007), mas nao entendi o que isto tem a ver com o Expresso Aeroporto que vai facilitar a vida dos milhoes de Paulistas e turistas (negocios ou nao) que utilizam o Aeroporto Internacional de SP...

 

Abracos,

Link to comment
Share on other sites

Olá colega,

 

Realmente sou do Rio. Apesar de ter ido bem direto ao assunto, não quis em momento nenhum falar mal da cidade de S.Paulo. Os problemas que existem aí, aqui também têm de montão. Não foi uma opinião bairrista.

 

O que eu quis dizer foi que não adianta construir terminais e mais terminais em um só aeroporto e não tomar nenhuma outra atitude para o complemento da infraestrutura necessária a uma cidade ( ou cidades se incluirmos Guarulhos).

 

Esse é um problema brasileiro. Na maioria das grandes cidades do mundo você desembarca no aeroporto internacional e pode escolher se pega trem, metrô, carro , ônibus ou taxi. Aqui no Brasil funciona a máfia. Pagar r$ 26,00 no Airport Service para ir até CGH é um absurdo. E me diga.... qual a outra opção??? Taxi... Nem pensar ... R$ 120,00 até SP.

Aqui no Rio não é diferente... os táxis em sua maioria estão querendo explorar o turista e não o turismo. Chegou-se até ao absurdo de colocar um guarda para não deixar nenhum carro entrar no piso de desembarque no Galeão. É isso aí..... Se você vai buscar um parente seu , não pode pegá-lo no piso onde este desembarca. Ou estaciona o carro ( pagando estacionamento, é lógico!!! ) ou vai pegá-lo no piso de embarque. Isso vai virar piada lá em Portugal!!!!

 

Trânsito... nas duas cidades é uma coisa muito complicada. Acredito que SP é um pouco pior por ser bem maior que o RIo.

 

Então amigo, me desculpe se você se sentiu ofendido.... mas o que eu quis foi criticar a mentalidade brasileira de se fazer as coisas e não uma cidade especificamente...

 

Abraços

Link to comment
Share on other sites

Guest SAO SAMPA
Olá colega,

 

Realmente sou do Rio. Apesar de ter ido bem direto ao assunto, não quis em momento nenhum falar mal da cidade de S.Paulo. Os problemas que existem aí, aqui também têm de montão. Não foi uma opinião bairrista.

 

O que eu quis dizer foi que não adianta construir terminais e mais terminais em um só aeroporto e não tomar nenhuma outra atitude para o complemento da infraestrutura necessária a uma cidade ( ou cidades se incluirmos Guarulhos).

 

Esse é um problema brasileiro. Na maioria das grandes cidades do mundo você desembarca no aeroporto internacional e pode escolher se pega trem, metrô, carro , ônibus ou taxi. Aqui no Brasil funciona a máfia. Pagar r$ 26,00 no Airport Service para ir até CGH é um absurdo. E me diga.... qual a outra opção??? Taxi... Nem pensar ... R$ 120,00 até SP.

Aqui no Rio não é diferente... os táxis em sua maioria estão querendo explorar o turista e não o turismo. Chegou-se até ao absurdo de colocar um guarda para não deixar nenhum carro entrar no piso de desembarque no Galeão. É isso aí..... Se você vai buscar um parente seu , não pode pegá-lo no piso onde este desembarca. Ou estaciona o carro ( pagando estacionamento, é lógico!!! ) ou vai pegá-lo no piso de embarque. Isso vai virar piada lá em Portugal!!!!

 

Trânsito... nas duas cidades é uma coisa muito complicada. Acredito que SP é um pouco pior por ser bem maior que o RIo.

 

Então amigo, me desculpe se você se sentiu ofendido.... mas o que eu quis foi criticar a mentalidade brasileira de se fazer as coisas e não uma cidade especificamente...

 

Abraços

 

Nao se preocupe.

Voce foi bem claro na sua resposta.

Nosso pais é uma piada mesmo.

Estive no OPO 15 dias atras e peguei um metro novinho e pontual que em 27 minutos me deixou no centro da cidade.

 

Esta do GIG nao sabia....tomara que os Portugueses nao descubram porque chega a ser hilario se nao fosse tragico....que eles resolvam logo este problema e reabram o desembarque para quem quer pegar pax, como em qualquer terminal do mundo.

 

Abracos,

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

Guest
This topic is now closed to further replies.
×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade