Jump to content

American rebrands Eagle subsidiary Envoy


A345_Leadership

Recommended Posts

EDWARD RUSSELL - Flight International

WASHINGTON DC 15:18 14 Jan 2014


Envoy is the new identity that American Airlines Group has selected for its American Eagle Airlines subsidiary, leaving the Eagle name as the brand covering all of its regional flying.


“Our people and our company – which is one the largest regional carriers in the world with some of the best people in our business – deserve a name that is all our own,” says Pedro Fábregas, president and chief executive of the regional carrier, in a statement. “By taking on the Envoy name, we can better differentiate ourselves from the competition and better market ourselves.”


The name Envoy conveys the fact that the airline acts as an "ambassador and representative to customers" of American, the Fort Worth, Texas-based carrier says.


American Eagle Airlines will officially change its name during the second quarter of 2014, subject to regulatory approvals.


The American Eagle brand will continue to be used for all of American's regional flying, similar to Delta Connection at Delta Air Lines and United Express at United Airlines.


Envoy is also the name of US Airways’ existing international business class product.


American and US Airways merged on 9 December 2013.


American first announced plans to rebrand American Eagle Airlines in September 2012, however, a decision was postponed after it announced plans to merge with US Airways in February 2013.


Chautauqua Airlines, Envoy, ExpressJet Airlines, Republic Airlines and SkyWest Airlines will all operate under the American Eagle brand once the name change is complete. US Airways Express flights will be rebranded as American Eagle by the end of 2015.

Link to comment
Share on other sites

Resumidamente: o que hoje é American Eagle vai virar Envoy e as demais vão virar American Eagle?

Muito estranho né?

Link to comment
Share on other sites

Resumidamente: o que hoje é American Eagle vai virar Envoy e as demais vão virar American Eagle?

 

O "brand" e logotipo da American Eagle é aplicado para o braço regional da American Airlines, incluindo aí a subsidiária da American Airlines, a American Eagle e que agora passa a se chamar Envoy. Ambas ( American Airlines e Envoy ) são parte integrante do grupo AMR.

 

Todas as demais regionais que não pertencentem ao grupo AMR mas prestam serviços a eles ( Chautauqua Airlines, ExpressJet Airlines, Republic Airlines e Skywest ) também utilizam o "brand" e logotipo da American Eagle. Porém, como prestadoras de serviços, seus aviões e tripulações pertencem a cada uma das regionais e não estão vinculados por contrato de trabalho à AMR e nem seus aviões fazem parte da frota desta.

 

Creio que a mudança para Envoy é por questões práticas e para não confundir o nome à empresa.

 

Expliquei ou confundi ????

Link to comment
Share on other sites

Aparentemente, de acordo com os comentários no airliners.net, a Envoy, que conta hoje com uma frota de ERJ135-140-145 e CRJ7, ficará somente com os ERJ145 e os recentes adquiridos E175.

A composição da nova frota será de 40 ERJ145 e de até 130 E175. Assim, além da encomenda inicial de 60 E175 firmada recentemente com a EMBRAER, há ainda uma opção para até 90 desses jatos, o que provavelmente serão convertidos em encomendas firmes se a composição da nova frota vir a se confirmar.

 

A USAriways também possui em sua frota um total de 20 E190 nas versões AR e IGW voando pela "mainline" com configuração de 11 lugares na F e 88 lugares na Y. Estes aviões estão baseados em Boston. Resta saber se com a fusão entre AA e US os aviões serão mantidos pela American. As "scoupe clauses" limitam o número de assentos operados pelas regionais ao total de 76 lugares. Acima disso os aviões devem ser operados pelos pilotos da "main line", com custos superiores. Entretanto, desde a aposentadoria dos F100 da frota da AA, eles estão à procura de um avião na categoria de 100 assentos. Aguardaram até aqui um relaxamento nas regras, o que não aconteceu. Uma pena, pois com certeza seria uma provável encomenda à EMBRAER.

Link to comment
Share on other sites

 

O "brand" e logotipo da American Eagle é aplicado para o braço regional da American Airlines, incluindo aí a subsidiária da American Airlines, a American Eagle e que agora passa a se chamar Envoy. Ambas ( American Airlines e Envoy ) são parte integrante do grupo AMR.

 

Todas as demais regionais que não pertencentem ao grupo AMR mas prestam serviços a eles ( Chautauqua Airlines, ExpressJet Airlines, Republic Airlines e Skywest ) também utilizam o "brand" e logotipo da American Eagle. Porém, como prestadoras de serviços, seus aviões e tripulações pertencem a cada uma das regionais e não estão vinculados por contrato de trabalho à AMR e nem seus aviões fazem parte da frota desta.

 

Creio que a mudança para Envoy é por questões práticas e para não confundir o nome à empresa.

 

Expliquei ou confundi ????

imagina acontecer algo parecido no Brasil, pelas leis trabalhistas não teria jeito para as trips. Se quisessem processar a AA poderiam fazer tranquilamente.

Link to comment
Share on other sites

imagina acontecer algo parecido no Brasil, pelas leis trabalhistas não teria jeito para as trips. Se quisessem processar a AA poderiam fazer tranquilamente.

 

Em verdade é tudo uma questão das "unions" ( sindicatos ). As "scoupe clauses" acabam que por engessar a flexibilidade que a "main line" poderia ter. Acontece também com UA, DL, US, AA, AC entre outras e há mais pelo mundo afora.

O sindicato dos pilotos de linha áerea ( ALPA - Air Line Pilot Association ) é muito forte nos Estados Unidos e Canadá e estabelece entre outras coisas regras severas quanto a pisos salariais e quantidade máxima de aviões e de passageiros em cada avião a ser transportado pelas regionais americanas. Pilotos da DL, HA, UA por exemplo fazem parte da ALPA. Outras, como AA por exemplo, possuem seu próprio sindicato ( APA, no caso da AA ).

58% dos pilotos da Jet Blue optaram no passado ( 2011) em não aceitar um sindicato ( union ) para a sua categoria e não se filiaram à ALPA ou outra entidade, deixando a empresa livre para estabelecer suas próprias regras quanto aos aviões a serem operados e livre negociação salarial com seus empregados. Abriram-se assim as possibilidades para ter o E190 em sua frota.

 

Fonte: The Wall Street Journal

 

JetBlue, an entirely nonunion discount carrier based in Forest Hills, N.Y., had campaigned to retain its current model of direct relationships with employees, claiming that collaboration brings better results than the traditional industry negotiation model.

 

Em suma, cada caso, um caso ...

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade