Jump to content

[Tópicos Mesclados] Avianca pensa pequeno para crescer + Avianca negocia 50 jatos com a Embraer e outros fornecedores


teiacontabil

Recommended Posts

Nº EDIÇÃO: 848 | Negócios | 17.JAN.14 - 20:30

Avianca pensa pequeno para crescer

Empresa faz plano para decolar no país operando voos regionais, com aviões ATR e Embraer. Investimento pode chegar a US$ 1,6 bi

Por Ana Paula MACHADO

O objetivo da grande maioria das companhias aéreas é expandir suas operações para além das fronteiras de seus países – voando para destinos mundo afora. O plano de negócios da Avianca no Brasil, no entanto, prevê o contrário. Para crescer no País e conseguir operar num mercado dominado pela TAM e pela Gol, a empresa do grupo colombiano Synergy, que detém 7,7% do mercado nacional e faturou R$ 1,35 bilhão em 2012 (último balanço disponível), aposta todas as suas fichas na aviação regional, setor hoje explorado pela rival Azul, do empresário americano-brasileiro David Neeleman.

mi_3042698012265627.jpg
O piloto da Avianca: Efromovich comandará a maior mudança
de rota da história da companhia no País
Para colocar a estratégia em operação, a Avianca negocia a compra de 15 jatos da Embraer, os modernos E-Jet 195-2, e outros 30 turboélices franceses ATR-72, segundo seu presidente, o boliviano naturalizado brasileiro José Efromovich. O negócio pode chegar a US$ 1,6 bilhão, considerando US$ 855 milhões pelas aeronaves brasileiras e um contrato de US$ 750 milhões com a fabricante europeia. A ideia é aproveitar o Plano de Aviação Regional, lançado pela presidenta Dilma Rousseff, em 2012, e definir as novas rotas que a Avianca vai operar, principalmente nas cidades pequenas. “Já temos opções de compra de aviões para voar para essas cidades”, diz Efromovich, referindo-se ao acordo firmado pelo Synergy para aquisição dos ATR, com capacidade para 70 passageiros.
A ofensiva da Avianca no mercado brasileiro é uma tentativa de reduzir a distância que a separa das líderes, TAM e Gol, que detêm 38,8% e 36,4%, respectivamente, do mercado interno, segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). A Avianca opera uma frota de apenas 39 aviões Airbus e Fokker, enquanto as líderes possuem mais de 130 aviões cada uma. “O projeto é conectar as rotas regionais com a nossa malha entre as capitais”, afirma Efromovich. “O que vai definir em quais cidades vamos atuar é a infraestrutura dos aeroportos.” O plano do governo federal é investir R$ 7,3 bilhões em 270 terminais em cidades de pequeno e médio porte.
O projeto ainda não saiu do papel, mas há uma pressão das companhias aéreas para que sejam definidas as regras ainda neste ano. “É a alternativa para a companhia”, diz o consultor e especialista em aviação comercial Respício do Espírito Santo. “Ou parte para outro segmento ou se contenta em crescer pouco.” Quando os novos aviões da Avianca começarem a chegar, daqui a quatro anos, os atuais Airbus A318 deverão ser aposentados. “Até o fim deste ano definiremos as compras”, diz Efromovich. A escolha pelo avião brasileiro deve ocorrer em razão da maior economia de combustível e da possibilidade de essa aeronave também operar em aeroportos de pistas curtas.
“A Avianca, assim como a Azul, tem perfil e experiência para operar em cidades médias e pequenas”, diz o consultor e professor da FGV Renaud Barbosa. “Elas são mais preparadas do que a TAM e a Gol e estão no caminho para o crescimento.” O novo plano de voo da Avianca surge no momento em que a companhia espera ter seu primeiro lucro em 14 anos de operação no Brasil – resultado que seria alcançado em 2013, mas se manteve no vermelho em razão da disparada do dólar. “Estamos voando alto com os pés no chão”, afirma Efromovich. A opção por uma espécie de ousadia cautelosa se justifica. Em 2007, a empresa quase faliu ao tentar expandir sua malha em demasia.
No ano seguinte, foi implementado um plano de reestruturação, com redução das rotas e um modelo de negócio mais enxuto, com a operação de uma frota de apenas 14 aviões. Com isso, vários destinos foram abandonados, inclusive em capitais importantes como Belo Horizonte e Curitiba. “Não podíamos operar nessas cidades com apenas dois voos porque não seria um serviço adequado aos olhos dos clientes”, diz Efromovich. O redesenho da cobertura geográfica da Avianca fez toda a diferença. Prova disso é que, no ano passado, a empresa atingiu uma taxa de ocupação de 82%, acima da média de 76% do setor, e transportou 6,2 milhões de passageiros. A meta para 2014 é um crescimento de 19% nesse indicador, chegando a 7,4 milhões de passageiros.
Um dos fatores que apontam a Avianca para cima é a entrada da companhia na StarAlliance, a maior aliança de empresas aéreas do mundo. Com 28 membros, a Avianca ocupará a vaga deixada pela TAM, que migrará para o OneWorld, grupo fundado por sua controladora, a chilena LAN. As mudanças ocorrerão até maio. “Tudo vai depender de a companhia estar ou não preparada operacionalmente para fazer parte da StarAlliance”, diz a coordenadora da aliança no Brasil, Rebecca Meadows. A julgar pelo investimento da Avianca, os prazos serão cumpridos. Efromovich afirma que já estão sendo gastos R$ 55 milhões na troca do sistema de reservas atual para o Amadeus, exigido pela StarAlliance e utilizado pela TAM. “Não queremos ser pegos de surpresa.”
gr_3042703928573155.jpg

 

Fonte: http://www.istoedinheiro.com.br/noticias/138172_AVIANCA+PENSA+PEQUENO+PARA+CRESCER

Link to comment
Share on other sites

  • Replies 62
  • Created
  • Last Reply

O título da notícia me enganou. Se comprar 45 aviões é pensar pequeno, tenho que rever os meus conceitos. Boa a estratégia e bem óbvia também. O risco que vejo é que essa estratégia depende do governo pois será a Infraero que ficará responsável pela infra dos aeroportos.

Link to comment
Share on other sites

Gostei dessa parte...

 

“Até o fim deste ano definiremos as compras”, diz Efromovich.

 

Sucesso para a Avianca Brasil.

E fica esperta, hein Azul?! Vai perder muitos pilotos experientes em E-Jet e ATR, rs.

 

Abs!

 

 

Link to comment
Share on other sites

Será que vai ficar só nesses 15 195? Creio eu que deva fechar 15 com mais opçōes de compras, e assim a AVB terá a frota NB mais completa de todas, de 70 a 168 pax, vai ter flexibilidade de frota superior as outras.

 

 

Enviado do meu iPad usando o Tapatalk

Link to comment
Share on other sites

Tem um erro na reportagem...

 

O Synergy Group Corp que controla a Avianca BR tem sede no Brasil. Que por sua vez controla a Synergy Aerospace com sede em Bogota.

Eles também tem a Synergy Europe que esta negociando a compra da portuguesa TAP.
Synergy Group Corp
Sede Rio de Janeiro, Brasil
E não é somente a AVB que esta esperando a definição do governo quanto O plano federal para Aviação Regional com investimento de R$ 7,3 bilhões. O projeto não do papel.
Parece que o Governo anda precisando fazer " superávit "
Link to comment
Share on other sites

Será que vai ficar só nesses 15 195? Creio eu que deva fechar 15 com mais opçōes de compras, e assim a AVB terá a frota NB mais completa de todas, de 70 a 168 pax, vai ter flexibilidade de frota superior as outras.

 

 

Enviado do meu iPad usando o Tapatalk

 

Os 15 substituiriam todos os Fokker e A318... Acredito q pelo q conhecemos da ONE e do Efromovich, podemos dizer q eles primeiro vao resolver o problema da renovacao/substituicao da frota para depois pensar em aumento..

Creio que o Crescimento, com C maiusculo, da empresa no proximos anos se dara com os A330

 

 

Por ai, e cada vez mais usando esse Tapatalk

Link to comment
Share on other sites

Só fazendo uma correção, se a O6 for substituir A318 por E195-E2, ela só poderá fazê-lo a partir de 2019 e não até 2018 como está na matéria. E isso se não houver atrasos na Embraer. Os dois modelos pelo pitch atual, teriam a mesma capacidade 120 passageiros, crescendo aonde ?

Link to comment
Share on other sites

Depois da "aliança" com a finada BRA, a (hoje) Avianca pensa muito antes de tomar determinadas decisões.

Link to comment
Share on other sites

A Avianca tem que ter mais aviões, e mais destinos e rotas, pois para quem vai substituir a Tam com certeza precisa de um plano mais audacioso. Eu não ligava se o grupo Synergy tivesse uma parceria com Lufthansa ou Emirates.

Link to comment
Share on other sites

A Avianca tem que ter mais aviões, e mais destinos e rotas, pois para quem vai substituir a Tam com certeza precisa de um plano mais audacioso. Eu não ligava se o grupo Synergy tivesse uma parceria com Lufthansa ou Emirates.

 

 

Substituir a TAm, acho que vai demorar alguns anos ate mesmo décadas.

 

Ele esta fazendo o correto esperando, pois o mesmo ja salvou a empresa de uma e não quer passar pelo mesmo sufoco.

 

A economia do Pais estava consolidada ate um pouco tempo atras, não posso dizer o mesmo de hoje.

 

Muita coisa ainda pode mudar depois das eleições ( espero que mude mesmo)

 

Abraços

 

Lopes

Link to comment
Share on other sites

A substituição dos Fokker se dará a partir desse ano com a chegada de sete A320.

Os cinco restantes saem da frota ano que vem.

 

Sei lá, mas ainda acho que futuramente os A318 devem ser substituídos por outros Airbus, no caso os A319/320.

Vamos esperar até o final do ano para sabermos mais detalhes.

Link to comment
Share on other sites

A substituição dos Fokker se dará a partir desse ano com a chegada de sete A320.

Os cinco restantes saem da frota ano que vem.

 

Sei lá, mas ainda acho que futuramente os A318 devem ser substituídos por outros Airbus, no caso os A319/320.

Vamos esperar até o final do ano para sabermos mais detalhes.

 

Ainda vejo os F100 sobrevoando IOS todo dia

Link to comment
Share on other sites

Se vão substituir os F100 pelos A318 e daqui 5 anos entram os E195, será que não seria mais interessante já ter operado os E195 desde já? Mesmo sendo da primeira geração.

 

 

Enviado do meu iPad usando o Tapatalk

Link to comment
Share on other sites

Se vão substituir os F100 pelos A318 e daqui 5 anos entram os E195, será que não seria mais interessante já ter operado os E195 desde já? Mesmo sendo da primeira geração.

 

 

Enviado do meu iPad usando o Tapatalk

 

Se eles pagaram o que falam pelos A318, foi mais barato q operar a primeira geracao dos Ejets

 

 

Por ai, e cada vez mais usando esse Tapatalk

Link to comment
Share on other sites

Se eles pagaram o que falam pelos A318, foi mais barato q operar a primeira geracao dos Ejets

 

 

Por ai, e cada vez mais usando esse Tapatalk

Deve ter sido bem barato mesmo, imagino que voando uma mesma rota o E195 deve dar uma "lavada" no A318 no CASK

 

 

Enviado do meu iPad usando o Tapatalk

Link to comment
Share on other sites

Deve ter sido bem barato mesmo, imagino que voando uma mesma rota o E195 deve dar uma "lavada" no A318 no CASKEnviado do meu iPad usando o Tapatalk

Sem duvida, mais ai tem q colocar na conta os demais custos...

 

Inevitavelmente o 18 é Airbus. Acredito q a soma do leasing barato com as economias geradas pela comunalidade das pecas, staff e etc fizeram a diferenca na re-estruturação da empresa.

 

 

 

 

Por ai, e cada vez mais usando esse Tapatalk

Link to comment
Share on other sites

Para ilustrar, 6 F100 parados no hangar da empresa em CGH...

 

Foto tirada da TWR CGH na terça passada.

 

A julgar pelo horário e dia da semana, diria que esses ai já estão "stored"

 

12020259034_1df36a702b_c.jpg

Link to comment
Share on other sites

No meu entendimento, o E195 E2 não substitui o F100, tampouco o A318. Este é um avião para 132pax, bate de frente com o A319, porém o E195 E2 é muito mais leve, muito mais ajustado para a demanda de 132pax.

 

Já o E190 E2, para 106pax, esse sim substitui o F100, e o A318, com vantagens, por ser mais leve e moderno que estes últimos.

 

E na minha opinião, o ATR não seria um avião bem visto para o público da Avianca. Eu entendo que o passageiro que voa Avianca voa pelo serviço sofisticado que a Avianca oferece, e o ATR ficaria aquém das expectativas. O ATR não é um avião para o nicho da Avianca, na minha opinião.

 

Acho até inclusive que a Avianca poderia usar os E175 E2, que está um avião muito mais ajustado ao seu tempo, com motores mais eficientes e agora levando 86pax, pode ser que vingue no Brasil e seja uma boa escolha para a Avianca.

 

 

Fosse o Efromovich encomendava E190 E2 e E195 E2 pra substituir F100, A318 e A319 e talvez alguns E175 E2.

 

E mantinha os A320neo, talvez alguns A321neo, e continua com a meia dúzia de A330... lindo, baita empresa.

 

 

E também continuava voando com a pintura atual da AVB hehe... mas isso é o de menos!

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.


×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade