Jump to content

Recommended Posts

On Aug 5th 2015 Malaysia's Minister of Transport reported the debris recovered from Reunion on Jul 29th 2015, already identified as a flaperon of a Boeing 777, has been identified to have been part of 9M-MRO, flight MH-370.

 

http://avherald.com/h?article=4710c69b/049&opt=0


http://www.nytimes.com/2015/08/06/world/asia/mh370-wing-reunion.html?_r=0

SYDNEY, Australia — Experts have determined that the aircraft part that washed up on the island of Réunion last week is definitely from Malaysia Airlines Flight 370, Prime Minister Najib Razak of Malaysia announced in the early hours of Thursday (Wednesday afternoon Eastern time).

The part, known as a flaperon, was flown from Réunion, near Madagascar, to a laboratory in Toulouse, France, where Malaysian, Australian and French officials gathered on Wednesday to examine it, along with representatives from Boeing.

The office of the Paris prosecutor said it would hold a news conference at 8 p.m. local time (2 p.m. Eastern time) to discuss “analysis operations conducted today within the framework of the disappearance” of Flight 370. The prosecutor’s office is involved in the inquiry because four French citizens were among the 239 people on the plane when it disappeared on March 8, 2014.

The prime minister’s announcement was released shortly before the news conference was scheduled to begin.

***********

TEm um grafico interessante das correntes nessa "reportagem" do NYT.

Link to post
Share on other sites

  • Replies 465
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

Top Posters In This Topic

Popular Posts

Bom vamos ao que ja sabemos sobre o acidente: - O sistema de localizacao de caixa preta apos um acidente(especialmente no mar) não funciona adequadamente, cabe a hora de se pensar em deployable recor

Você só pode estar de brncadeira. "Aonde está a dificuldade?" Sério? Procurar um avião de 60 metros de comprimento no mar, que não se tem certeza de onde caiu, numa área de uns 15 milhões de quilô

Colegas, o outro tópico foi fechado pois continha muitas informações desencontradas, sem nexo ou com informações desatualizadas. A partir do anúncio oficial do governo malaio, decidimos abrir um novo

como pode vários objetos submersos há quase dois anos virem à tona??

 

 

Porque esse flaperon nem estava tão submerso assim, já que pela leveza dos materiais utilizados e pela arquitetura da peça, ela tem boas chances de seguir flutuando. Estrutura vazada, com boa parte em materiais compósitos, inclusive honeycomb (arquitetura semelhante à de favo), dentro do qual dificilmente vai penetrar água.

  • Like 2
Link to post
Share on other sites

Finalmente as famílias podem ter um pouco mais de paz, pois agora já tem a confirmação de que realmente a queda ocorreu e que as teorias que andaram sendo espalhadas eram falsas.

 

Mas o aparecimento dessas peças me faz questionar ainda mais o casso do PP-VLU onde nada foi encontrado até hoje.

  • Like 1
Link to post
Share on other sites

Finalmente as famílias podem ter um pouco mais de paz, pois agora já tem a confirmação de que realmente a queda ocorreu e que as teorias que andaram sendo espalhadas eram falsas.

 

Mas o aparecimento dessas peças me faz questionar ainda mais o casso do PP-VLU onde nada foi encontrado até hoje.

 

exato...pq ocorreu com essa aeronave e não ocorreu mesmo com o PP VLU? Será que tem a ver com o que o F-BHSP me respondeu acima, isto é, tem a ver com a natureza dos materiais que hj compõem a estrutura das aeronaves? Creio, por exemplo, que no PP VLU não deveriam existir muitos materiais leves como nas aeronaves de hj. Mas pq só agora e pq nas ilhas reunião?? será que se seguirem essa pista, acham os destroços?

Link to post
Share on other sites

 

Creio, por exemplo, que no PP VLU não deveriam existir muitos materiais leves como nas aeronaves de hj. Mas pq só agora e pq nas ilhas reunião?? será que se seguirem essa pista, acham os destroços?

 

 

Um 707 era quase na totalidade metal, sem material composto, com a tecnologia dos anos 60/70, o VLU jamais irão achar, alias, somente um descuido para acha-lo de alguma expedição de mergulho ao acaso.

 

Quanto a ser nas Ilhas REunião, se você olhar a simulação das correntes maritimas (que são conhecidas) que fizeram a partir da costa da Australia era quase certo que mais cedo ou mais tarde alguma coisa iria aparecer. Se olharmos o mapa onde eles procuraram durante meses, veremos que é um pedaçinho quase de nada comparado com o todo... era como achar uma cabeca de alfinete em um palheiro gigante!

 

Não sei se irão achar o charuto do avião no fundo do mar, mas a partir de agora pelo menos se tem a certeza que o avião realmente caiu no mar e não foi abduzido, pousou em base secreta, etc, como muitas teorias conspiratorias por ai...

 

Em tempo, perguntas praticas, mesmo não se gostando do tema: é sabido que apos afogamento os corpos tendem a flutuar novamente devido aos gases no interior e as vezes dependendo das condições de temperatura da agua eles nem voltam, vocês acham que irão achar algum corpo para que os parentes tenham paz?? O que vcs acham?

  • Like 1
Link to post
Share on other sites

Corpos, nunca mais...

Depende da profundidade.

 

Quando os corpos estão abaixo de 2.500m abaixo do nível do mar onde não há luz solar, microorganismos e as temperaturas são baixas (entre 2 e 5ºC), estes permanecem conservados. Um exemplo é o caso do AF447, onde 60% dos ocupantes ainda estão no fundo do mar plenamente conservados até hoje.

 

O grande problema é: Ao realizar o resgate destes corpos, trazê-los do fundo até a superfície desintegraria/despedaçaria totalmente estes corpos, de modo que eles não possam ser identificados. Isso porque a superfície possui pressão e temperatura diferentes, além da presença de microorganismos. Além disso, o tempo submerso faz com que impressões digitais, fios de cabelo e outros elementos que podem ajudar na identificada sumam dos corpos. A própria aparência pálida/arroxeada e o longo tempo faz com que, visualmente, estes não sejam identificados.

 

Se houver, resgatar e identificar será extremamente difícil, mas pode ser essencial para determinar como a aeronave caiu.

  • Like 7
Link to post
Share on other sites

ué, não houve retirada de corpos e de pedaços da fuselagem do AF447?

Houve. Contudo, grande parte dos corpos foram retirados ainda em 2009 nos primeiros dias após o acidente. Alguns outros foram retirados em 2011, mas o trabalho foi encerrado dada a fragilidade dos corpos em decorrência do tempo de submersão.

 

Os corpos retirados em 2011 se despedaçaram no trajeto entre o fundo e a superfície. O resto continua no fundo do mar até hoje.

  • Like 1
Link to post
Share on other sites

ué, não houve retirada de corpos e de pedaços da fuselagem do AF447?

Foram 50 "corpos" em 2009 e 104 em 2011. Os 74 restantes não foram resgatados diante da impossibilidade de serem identificados. Neste caso, foi depositado no local uma placa metálica em memória das vítimas.

 

E como bem dito pelo colega "B737-8HX", os "corpos" se desintegram durante o içamento.

Edited by Julio
  • Like 1
Link to post
Share on other sites

Acharam mais pedaços do avião.

 

http://avherald.com/h?article=4710c69b/049&opt=0

 

On Aug 10th 2015 Malaysia's Ministry of Transport announced, they have been informed by the Civil Aviation Authority of the Maldives about debris having been found ashore at Maldives Islands. Malaysia has dispatched a team of investigators to examine the debris. The debris had been washed ashore about a month ago at the northern atolls of the Maldives Islands, a cargo ship carrying wall panels had capsized there earlier, the captain indicating that the debris seen on the photos most likely originate from the cargo his ship has been carrying.

The debris found at Maldives' northern Atolls:
malaysia_b772_9m-mro_gulf_of_thailand_14

malaysia_b772_9m-mro_gulf_of_thailand_14

malaysia_b772_9m-mro_gulf_of_thailand_14

Link to post
Share on other sites
  • 3 weeks later...
Peça que deveria solucionar mistério do voo MH370 o complicou ainda mais
Por: Maddie Stone
31 de agosto de 2015 às 11:45
71
117
1407896805711401285.jpg

Quando um pedaço da asa de um Boeing 777 foi encontrada na Ilha da Reunião, no Oceano Índico, o governo da Malásia rapidamente a identificou como parte do voo 370 da Malaysian Airlines que desapareceu no ano passado. Mas a investigação falhou em identificar a peça, fazendo com que essa história fique cada dia mais esquisita.

Pouco depois do flaperon aparecer na praia, engenheiros da Boeing confirmaram que a asa pertencia a uma aeronave 777. E o MH370, que desapareceu em março de 2014, era o único 777 desaparecido até então. Então, caso encerrado, certo?

O Primeiro Ministro da Malásia, Najib Razak, acreditou que a peça fosse parte do voo desaparecido e, em 5 de agosto, por meio de um anúncio, declarou ao mundo que era ela era de fato. Mas minutos depois, Serge Mackowiak, investigador francês, contestou a declaração de Razak, dizendo que mais testes seriam necessários para determinar a origem da peça da asa. Os resultados deveriam sair um dia depois da declaração. Mas dias se passaram. E agora semanas.

O que houve? De acordo com a New York Magazine, a placa de identificação que deveria estar grudada ao lado do flaperon não foi encontrada. Essa placa, colocada em todos os flaperons de aeronaves 777, deveria conter o número de série da peça, conectando-a ao voo MH370. O sumiço deste número não apenas frustrou o processo de verificação, como também levou outros aspectos da investigação da asa a (talvez excessivos) exames minuciosos.

Por exemplo, o flaperon estava coberto de crustáceos. Crustáceos em tudo! E algumas pessoasestão ficando malucas com isso, uma vez que estes crustáceos sugeriam que a asa passou diversos meses abaixo da superfície oceânica. Mas como?

Enquanto é fácil imaginar um submarino ou um mergulhador pairando por 10 a 20 metros abaixo da superfície da água, isso não é algo que objetos inanimados são capazes de fazer sozinhos: ou eles são mais leves que a água, e neste caso boiam, ou eles são mais pesados, e neste caso afundam.

Então, como uma peça de avião de quase 2 m permaneceu abaixo da superfície oceânica por tanto tempo? Até então, não há nenhuma resposta de senso comum; a variedade de possíveis explicações no momento vão desde processos naturais ainda não identificados à intervenção intencional de conspiradores.

Com certeza existe uma explicação lógica para tudo isso, e vamos descobri-la uma hora ou outra — talvez até aprenderemos uma coisa ou outra sobre a ecologia destes crustáceos no processo! Mas até lá, os detetives da internet com certeza criaram as mais mirabolantes histórias para o caso do flaperon. O destino do voo MH370 permanece cada vez mais misterioso. [New York Magazine]

Foto: Reunion 1ere via AP http://gizmodo.uol.com.br/misterio-flaperon-voo-mh370/

Link to post
Share on other sites

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/09/franca-confirma-que-destroco-encontrado-em-ilha-e-do-voo-mh370.html

 

 

França confirma que destroço encontrado em ilha é do voo MH370 Avião com 239 pessoas desapareceu em março de 2014.
Pedaço da asa da aeronave foi encontrado na Ilha de Reunião.

Do G1, em São Paulo

A promotoria de Paris informou que o destroço encontrado na Ilha de Reunião, no Oceano Índico, pertence ao Boeing 777 da Malaysia Airlines, segundo as agências Reuters e "EFE". O voo MH 370 com 239 pessoas desapareceu em março de 2014, quando voava de Kuala Lampur, na Malásia, para Pequim, na China.

O pedaço de 2 metros de comprimento encontrado, conhecido como "flaperon", foi encontrado no dia 29 de julho em uma praia de Saint André de La Reunion. Nas proximidades também foram achados os restos de uma mala e garrafas com inscrições em indonésio e chinês.

Os investigadores franceses descobriram no interior da peça números que provêm de uma peça fabricada pela Airbus Defence and Space para a Boeing em sua fábrica em Sevilha, na Espanha. Em coordenação com a Justiça espanhola, o juiz francês que está à frente do caso foi a Sevilha para "obter todos os dados úteis" para as pesquisas, informou em comunicado a Promotoria de Paris, segundo a agência EFE.

O primeiro-ministro da Malásia, Najib Razan, já tinha confirmado em 5 de agosto que a peça fazia parte da aeronave desaparecida. Depois disso, uma equipe composta de especialistas internacionais passou a analisar o material.

Link to post
Share on other sites

On Sep 3rd 2015 the French Prosecutor involved in the examination of the debris washed ashore at Reunion declared that the part, a flaperon of a Boeing 777-200, originated from MH-370 without a doubt, proven by a series number found inside the flaperon.

 

http://avherald.com/h?article=4710c69b/049&opt=0

Link to post
Share on other sites

 

 

Os investigadores franceses descobriram no interior da peça números que provêm de uma peça fabricada pela Airbus Defence and Space para a Boeing em sua fábrica em Sevilha, na Espanha

 

 

 

Concorrentes parceiros. ;-)

  • Like 2
Link to post
Share on other sites
  • 5 weeks later...

  • "Malaysia awaits information from Philippines on MH370 wreckage discovery claim"

A report had been lodged at the Sandakan police station claiming that the wreckage was discovered in a forest at Pulau Sugbay, Tawi-Tawi in the Philippines early September.

POSTED: 11 Oct 2015 21:22

http://www.channelnewsasia.com/news/asiapacific/malaysian-authorities-to/2184868.html?cx_tag=recommend4u#cxrecs_s

Edited by araujair
  • Like 1
Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.




×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade