Jump to content

Recommended Posts

  • Replies 465
  • Created
  • Last Reply

Top Posters In This Topic

Top Posters In This Topic

Popular Posts

Bom vamos ao que ja sabemos sobre o acidente: - O sistema de localizacao de caixa preta apos um acidente(especialmente no mar) não funciona adequadamente, cabe a hora de se pensar em deployable recor

Você só pode estar de brncadeira. "Aonde está a dificuldade?" Sério? Procurar um avião de 60 metros de comprimento no mar, que não se tem certeza de onde caiu, numa área de uns 15 milhões de quilô

Colegas, o outro tópico foi fechado pois continha muitas informações desencontradas, sem nexo ou com informações desatualizadas. A partir do anúncio oficial do governo malaio, decidimos abrir um novo

Meus prezados
Avião do voo MH370 foi jogado ao mar de próposito, diz especialista
Larry Vance falou sobre suas conclusões à imprensa malaia. Ele averigou o acidente da Swiss Air, em 1998, para a TV australiana.

Um especialista em acidentes aéreos afirmou que o voo MH370, da Malaysia Airlines, que desapareceu no dia 8 de março de 2014 com 239 pessoas a bordo, quando ia de Kuala Lumpur, na Malásia, para Pequim, na China, foi jogado deliberadamente no Oceano Índico, informam nesta segunda-feira (1º) veículos de imprensa locais.

"Alguém pilotou o avião até o final do voo (...) alguém pilotou o avião contra a água", disse Larry Vance, que averiguou o acidente da Swiss Air em 1998, para o Canal 9 da televisão australiana.
O especialista comentou na noite de domingo (31) que a parte encontrada no ano passado na ilha da Reunião e que foi entregue à França para sua análise é a evidência mais forte de que o Boeing 777 de Malaysia Airlines foi "planando" sobre o oceano, informou o portal de notícias "news.com.au".
Esta hipótese aponta o local do impacto em algum ponto muito mais ao sul da região de 120 mil quilômetros quadrados no litoral australiano onde se rastreia o aparelho, segundo os cálculos sobre o esgotamento do combustível.
Apesar de a França ainda não ter revelado suas conclusões, Vance considera que essa peça da asa do avião foi aberta para a aterrissagem e depois arrastada pela força de água.
Peter Foley, máximo encarregado da busca realizada pelo Escritório para a Segurança no Transporte da Austrália, não descarta a possibilidade de que alguma pessoa tenha controlado o avião até o final.
O funcionário australiano também admitiu que o escritório viu "algumas análises dos franceses" que sugerem que a peça da asa foi aberta, o que apoiaria a teoria de que o desaparecimento foi premeditado.
queda-aviao-v10_2.jpg
Fonte: portal G1 via CECOMSAER 1 AGO 2016

Link to post
Share on other sites

Pelo que eu li em outros sites, não existe nova área de busca. Foi anunciado o fim das buscas na área atual e só. As buscas no mar só serão retomadas se surgir algum indício novo. E os indícios estão surgindo.

 

A determinação da área atual partiu da premissa que o avião voou sem controle após o fim do combustível e depois "despencou" no mar. A descoberta dos destroços na costa africana é que causou a antecipação do fim das buscas.

 

A investigação dos destroços que estão sendo encontrados apontam para uma área mais ao norte devido estudo das correntes marinhas. E o estado em que se encontram indicam que não houve um grande impacto, o que sugere que o avião "planou" controladamente até atingir o mar. Isto por outro lado aumenta a área de busca.

 

Acredito que logo eles terão coletado mais destroços e pistas de forma a justificar o reinício das buscas, em outro local.

Link to post
Share on other sites
  • 1 month later...

http://www.news.com.au/travel/travel-updates/incidents/game-changer-new-possible-mh370-debris-shows-signs-of-fire-on-board/news-story/1b302c8986ebc3e984fb81d27e6cd252

 

ADVENTURER and MH370 sleuth Blaine Gibson has brought what he believes is the most significant piece of potential wreckage from the missing Malaysia Airlines plane to Australia for analysis.

The fragment, found by three locals on the east coast of Madagascar and passed on to Mr Gibson, appears to have come from the interior of a Boeing 777 and exhibits signs of having been exposed to fire or a great heat.

“The top layer of paint has been singed, scorched black,” Mr Gibson told Channel 7 Perth overnight after touching down in Australia.

“(It’s significant) because it appears to be from the interior of the plane but not the main cabin, perhaps the cargo hold, perhaps the avionics bay.”

Mr Gibson personally handed over the debris to Australian Transport Safety Bureau (ATSB) investigators in Canberra this morning.

If confirmed to have come from the plane, it will be the first evidence that a fire — possibly an electrical one — brought down MH370 rather than the actions of a suicidal pilot.

Mr Gibson said it was also possible the burn marks could have come from the force of impact.

“The sea is slowly giving up her secrets,” he told Airline Ratings.com.

“I believe these pieces are extremely important.”

Mr Gibson has found 13 of the 27 pieces of suspected and confirmed MH370 debris that have been found to date during beachcombing expeditions in Mozambique, Madagascar and the region.

Of the 13, roughly half have been confirmed by Australian investigators as “highly likely” to have come from the missing plane.

Previously, Mr Gibson has entrusted his finds to local authorities but he believes the latest fragments — including the one with burn marks and a suspected frame from a monitor attached to the back of a plane seat — are too important to leave in the hands of others.

“Malaysia is yet to pick up five pieces I found there three months ago,” Mr Gibson told Airline Ratings.

The ATSB confirmed that it had received the debris but said it planned to consult Malaysia before taking any action.

“Yes, the ATSB has today received debris from Mr Gibson and are seeking advice from Malaysian authorities regarding how they would like to proceed,” a spokesman told news.com.au.

“Note that the Malaysian Government is responsible for the investigation and therefore is responsible for the analysis of all possible MH370 debris.”

viation specialist Geoffrey Thomas said if the latest piece was confirmed to have come from the avionics bay — where an aircraft’s electronic systems are held — the implications were enormous.

“If it was proven this was from the avionics bay, it was a flash fire, yes, it changes everything,” Mr Thomas told Channel 7 in Perth.

“It talks to the issue of why did two electronics systems shut down, apparently without any reason.”

EIGHT VITAL MH370 QUESTIONS THAT NEED ANSWERS

ARE YOU INADVERTENTLY HOARDING MH370 DEBRIS?

Speculation of a fire on board was rife in the days and weeks after the plane’s disappearance on March 8, 2014, en route from Kuala Lumpur to Beijing with 239 people on board.

It increased after Malaysian authorities revealed the plane had been transporting a large amount of potentially flammable lithium batteries in its cargo.

The possibility of a botched remote hack of the plane’s electronic and engineering bay (known as the E/E Bay) has also been discussed. Soon after the plane vanished,it was revealed that the bay could have been physically accessed via an unsecured hatch by a passenger or crew member with specialist knowledge.

Aviation writer Ben Sandilands, who has doggedly reported on developments, big and small, since the plane’s disappearance, called the discovery a “highly significant find”.

“(The debris found so far) all bear witness to a violent and sudden end to the flight, and underscore the indications from satellite data that it descended at high speed to the surface of the ocean,” he wrote in an article overnight.

“The destructive force of that impact may have also reduced or eliminated the amount of larger and longer term floating objects that it could have produced.

“This looks like a highly significant find. But decoding it, and seeing how it fits in other clues as to what caused this disaster may take more time than the attention spans of the proponents of various fiercely advocated solutions to the mystery.”

Link to post
Share on other sites
  • 4 weeks later...

 

Wing part confirmed as coming from MH370

MEDIA RELEASE

DC135/2016

07 October 2016

Federal Minister for Infrastructure and Transport Darren Chester said today a wing part from a Boeing 777 found in May 2016 on the island of Mauritius had been conclusively determined as coming from missing Malaysia Airlines flight MH370.

“The wing part was collected by the Malaysian investigation team from Mauritius and hand-delivered to the Australian Transport Safety Bureau (ATSB) for examination,” Mr Chester said.

“Examination revealed the presence of a unique identifying number relating to the part's construction which allowed it to be determined as definitely coming from missing Malaysia Airlines flight MH370."

“The finding of this debris, which is the third piece to be conclusively linked to MH370, continues to affirm the focus of search efforts in the southern Indian Ocean. It does not, however, provide information that can be used to determine a specific location of the aircraft."

“The search for MH370 is continuing and we remain hopeful the aircraft will be located."

“Ministers from Malaysia, the People's Republic of China, and Australia agreed at the tripartite meeting on 22 July 2016 to suspend the search for MH370 if the aircraft is not located in the current search area, and if no new credible evidence about the specific location of the aircraft emerges,” Mr Chester said.

http://minister.infrastructure.gov.au/chester/releases/2016/October/dc135_2016.aspx

Link to post
Share on other sites

http://edition.cnn.com/2016/10/07/asia/mh370-mauritius-debris-confirmed/index.html

 

(CNN)A fragment of plane wing discovered in Mauritius in May has been confirmed as coming from missing plane Malaysia Airlines MH370, Australia's Transport Safety Bureau (ATSB) said in a statement on Friday.

It is the third piece of debris to be definitively linked to MH370, Australia's transport minister Darren Chester said Friday.
"It does not, however, provide information that can be used to determine a specific location of the aircraft," Chester said.
The plane wing fragment was discovered in Mauritius on 10 May 2016, and was delivered to the ATSB for investigation.
An "'OL' part identifier" was legible on the plane piece, the ATSB said, which allowed investigators to definitively identify the wreckage.
Malaysian Airlines Flight 370 vanished on March 8, 2014, after taking off from Kuala Lumpur on a flight towards Beijing with 239 people on board. The investigation into its disappearance is ongoing.
MH370 debris found in Tanzania, Reunion Island
Two previous pieces of airplane wreckage have been confirmed as coming from MH370 -- a flaperon discovered on Reunion Island in July 2015 and an outboard wing flap found in Tanzaniain June 2016.
The Reunion Island wreckage was the first piece of MH370 debris discovered.
Since July 2015, about six pieces of wreckage have been confirmed as likely coming from the missing plane, although not all pieces could be completely verified.
This includes two items of debris found on the Mozambique coast in December 2015 and February 2016, each considered "almost certainly" from MH370.
A seventh piece of debris found in Madagascar, covered in burn marks, may also come from the missing plane but has yet to be verified.
Edited by Leonardo PoA
Link to post
Share on other sites
  • 4 weeks later...

Meus prezados

O MH370 caiu sem intervenção humana, segundo um centro de controle baseado na Austrália.

http://www.msn.com/pt-pt/noticias/video/voo-da-malaysia-airlines-caiu-sem-interven%C3%A7%C3%A3o-humana/vi-AAjIVXx?ocid=ieslice

Link to post
Share on other sites
  • 2 months later...

Acabam as buscas por avião da Malaysia Airlines desaparecido desde 2014

Buscas duraram quase três anos, mas causas da tragédia que matou 239 não foram esclarecidas

 

As buscas pelo avião MH370 da Malásia desaparecido em 8 de março de 2014 com 239 pessoas a bordo foram encerradas nesta terça-feira, segundo comunicado conjunto emitido pelos ministérios dos transportes da Austrália, Malásia e China. O último navio deixou a região onde se realizava o rastreamento definitivamente depois de mais de dois anos de trabalho, durante os quais se examinou uma área submarina de 120.000 quilômetros quadrados, ao sul do oceano Índico. O mistério do desaparecimento do avião, que viajava da capital da Malásia, Kuala Kumpur, em direção a Pequim, fica, assim, sem uma solução.

As famílias das vítimas soltaram uma nota em que criticam a decisão das autoridades, classificando-a de “irresponsável”. A associação que reúne os parentes dos passageiros do voo, chamada Voice370, lembra que a Austrália, país encarregado de coordenar as buscas, havia recomendado em dezembro passado que as operações deveriam prosseguir em uma área de 25.000 quilômetros quadrados mais para o norte da região rastreada até o momento –sugestão que, no entanto, foi desconsiderada. “Ampliar as buscas para a nova área definida pelos especialistas é uma obrigação inescapável que se deve ter para com o público em geral e com os interesses da segurança aérea. Não se pode admitir que aviões comerciais desapareçam sem deixar rastro algum”, afirma a nota da associação.

“Apesar de todos os esforços feitos com a utilização da mais avançada tecnologia disponível, uma tecnologia de vanguarda, bem como técnicas de simulação, além da assessoria de profissionais altamente qualificados, os melhores em seu campo de atuação, infelizmente as buscas não conseguiram chegar à localização do avião”, diz o comunicado da companhia aérea, divulgado pela CNN. “A decisão de suspender as buscas submarinas não foi tomada de forma leviana, tampouco sem muita tristeza”, acrescenta. Em julho do ano passado, a Malásia, a Austrália e a China haviam decidido encerrar as buscas caso não fossem encontrados o avião ou indícios de que os seus restos poderiam ser descobertos na região investigada.

Um dos últimos relatórios divulgados sobre o acidente, em novembro passado, concluía que o voo MH370 da Malaysia Airlines teve uma descida rápida e não estava preparado para aterrissar ou para pousar no mar. A bordo havia 153 chineses, 50 malaios (sendo 12 da tripulação), sete indonésios, seis australianos, cinco hindus, quatro franceses, três norte-americanos, dois neozelandeses, dois ucranianos, dois canadenses, dois iranianos, um russo, um holandês e um taiwanês. O relatório da Agência para a Segurança no Transporte da Austrália (ATSB) reforçou, com esse trabalho, a tese segundo a qual o aparelho teria caído no mar depois de ficar sem combustível.

Passados mais de dois anos desde o desaparecimento do avião, foram encontrados mais de 20 pedaços de restos que podem ser do MH370 nas praias da Ilha de Reunião, Moçambique, Maurício, África do Sul, assim como da ilha francesa de Rodrigues, que possuem o mesmo padrão de correntes do Índico e do local onde as buscas vinham sendo realizadas.

A Malaysia Airlines afirma que as buscas foram “completas e exaustivas”, mas que ainda “mantém a esperança de que, em um futuro próximo, uma nova e importante informação venha à tona e o avião seja finalmente localizado”.

fonte: http://brasil.elpais.com/brasil/2017/01/17/internacional/1484634747_366234.html

Link to post
Share on other sites

Meus prezados

Especialista fala da dor do fracasso após suspensão de buscas por avião

O sentimento de frustração dos envolvidos na busca pelo voo 370 da Malaysia Airlines é enorme, abrangendo desde as ondas monstruosas que fustigaram as equipes de busca em uma das áreas oceânicas mais desertas do mundo até a falta de informações sobre o voo, fatores que bloquearam a ação das equipes.

O anúncio feito pela Austrália na terça-feira (17) da suspensão oficial da busca infrutífera pelo avião no oceano Índico, levada adiante por quase três anos, desencadeou um processo inevitável de questionamento dos responsáveis pela operação, que custou US$160 milhões.

Poucos conhecem tão bem a agonia pela qual a equipe de busca está passando quanto o oceanógrafo americano David Gallo.

Em 2010, Gallo e sua equipe do Instituto Oceanográfico Woods Hole, em Massachusetts, foram incumbidos de uma tarefa: teriam dois meses para ajudar a localizar os destroços do avião que fez o voo 447 da Air France que caiu no oceano Atlântico em 2009 quando voava do Rio de Janeiro a Paris.

Quando a aeronave não foi localizada até o fim desse prazo, as autoridades suspenderam a busca. Gallo ficou doente com o fracasso; ele não conseguia dormir e ficava apenas olhando para fotos que tinha sobre sua mesa de pessoas que estavam a bordo do avião.

Ficou torturado por dúvidas, perguntando-se se sua equipe tinha de alguma maneira deixado passar os destroços.

"Foi horrível", ele se recorda. "As famílias ficaram tremendamente desapontadas, as empresas envolvidas –Airbus, Air France– queriam saber o que tinha acontecido. Perguntavam quem eram esses sujeitos que disseram que conseguiriam localizar os destroços, mas não os encontraram."

Depois de um ano de esforços de persuasão, as autoridades deixaram Gallo e sua equipe retomar as buscas. Eles localizaram o avião em pouco mais de uma semana.

Como os investigadores do voo 370, Gallo e sua equipe foram acusados inicialmente de não saber o que estavam fazendo, de fazer uma leitura equivocada dos dados, de utilizar os equipamentos errados. Mas Gallo, que manteve contato estreito com as autoridades australianas no comando das buscas pelo voo 370, acredita que elas fizeram tudo o que estava ao seu alcance, em vista dos dados limitados disponíveis.

Recentemente os investigadores fizeram nova análise de todas as informações disponíveis sobre o avião da Malaysia Airlines e sugeriram que as equipes de busca vasculhassem uma nova região ao norte da área de 160 mil quilômetros quadrados que acabaram de examinar.

O governo australiano vetou a ideia, mas Gallo considera imperativo que as equipes sejam autorizadas a estender a busca.

"Se você termina de examinar uma área, pode dizer com a consciência limpa `fizemos tudo que foi possível na época para encontrar o avião´", ele diz. "Mas, se não levarem a busca àquela área, isso vai nos assombrar para sempre."

E, segundo ele, localizar a aeronave é crucial, por muitas razões.

Gallo ainda pensa nas pessoas que morreram no voo 447 da Air France. Ele vive no litoral do Massachusetts, onde frequentemente vê aviões partindo para atravessar o Atlântico, de Boston à Europa. Ele pensa nos passageiros a bordo, cada um deles com seus entes queridos em casa.

A segurança dos passageiros é sua preocupação e é uma das principais razões por que ele acha crucial que o voo 370 seja localizado –pelo bem da segurança de todos que viajam de avião e pelas famílias das pessoas que estavam a bordo da aeronave que desapareceu.

"Aquelas 239 pessoas sumiram sem deixar rastros. Que preço podemos atribuir a isso?", ele diz. "E o público geral que viaja de avião. Enquanto não soubermos o que aconteceu ali, há o risco de isso acontecer com qualquer um de nós."

Tradução de CLARA ALLAIN

Fonte: Kristen Gelineau Da Associated Press, Em Sydney via FOLHA DE SÃO PAULO 18 JAN 2017

Link to post
Share on other sites

Neologicamente falando, "inengulível" o fato de que, hoje, se perca uma aeronave daquele porte. Como Gallo mesmo colocou "Aquelas 239 pessoas sumiram sem deixar rastros. Que preço podemos atribuir a isso?"

Há ainda recantos possíveis de serem vasculhados? Sinseramente, sob hipótese alguma se deveria deixar isso de lado, seja por respeito às vítimas e seus familiares, seja por interesse da investigação científica, que sempre resulta em mais segurança de voo.

  • Like 1
Link to post
Share on other sites
  • 9 months later...

Prezados,

 

Parece que pouco após serem praticamente finalizadas as tentativas por parte da Australia, a Malásia vai tentar mais alguma coisa:

 

http://avherald.com/h?article=4710c69b/0541&opt=0

 

 

On Oct 19th 2017 Australia's Transport Minister announced that the Malaysian Government has taken up on an offer by private company "Ocean Infinity" to continue the search for MH-370. The minister said:

I acknowledge the announcement that the Malaysian Government is entering into an agreement with Ocean Infinity, to search for Malaysia Airlines flight MH370.

The Malaysian Government has accepted an offer from Ocean Infinity to search for the missing plane, entering into a ‘no find no fee’ arrangement.

Malaysia's decision to proceed with the search shows the commitment to find MH370.

While I am hopeful of a successful search, I'm conscious of not raising hopes for the loved ones of those on board.

Ocean Infinity will focus on searching the seafloor in an area that has previously been identified by experts as the next most likely location to find MH370. Australia, at Malaysia's request, will provide technical assistance to the Malaysian Government and Ocean Infinity.

No new information has been discovered to determine the specific location of the aircraft, however data collected during the previous search will be provided.

As always our thoughts are with the families and friends. I hope that this new search will bring answers, both for the next of kin and for the rest of the world.


Malaysia however have not released any official information so far.

Link to post
Share on other sites
  • 2 months later...

A nova cartada da Malásia para tentar resolver mistério sobre voo MH370, desaparecido há 4 anos.

 

O governo da Malásia fechou um acordo com uma empresa norte-americana para tentar solucionar um dos grandes mistérios da história da aviação.

 

A Ocean Infinity, companhia de exploração subaquática, vai retomar as buscas ao avião da Malaysia Airlines, desaparecido há quase quatro anos.

 

A empresa tem um prazo de 90 dias para realizar as buscas e só receberá pagamento se encontrar a aeronave.

 

O avião que fazia o voo MH370 - de Kuala Lumpur, na Malásia, para Pequim, na China - desapareceu em 8 de março de 2014, com 239 pessoas a bordo.

 

A operação de buscas foi suspensa em janeiro do ano passado, após 1.046 dias, gerando protestos de familiares de tripulantes e passageiros da aeronave.

 

Por que a nova operação de busca é diferente?

A Ocean Infinity alugou um navio de pesquisa norueguês para realizar a missão. A embarcação possui vários submarinos autônomos, o que deixaria a operação mais ágil do que a anterior.

 

Além disso, as buscas serão conduzidas em uma área bem menor, mapeada pela Secretaria de Segurança dos Transportes australiana. A área de 25 mil quilômetros quadrados está localizada ao norte da zona explorada anteriormente, no sul do Oceano Índico.

 

O contrato firmado com a Ocean Infinity é baseado no princípio do "no cure no pay" ("se não salvar, não recebe", em tradução livre), adotado há séculos na indústria de recuperação de cargas valiosas naufragadas.

 

Esse tipo de acordo prevê que a empresa arque com o custo das buscas (não revelado) e só seja remunerada se concluir com sucesso a missão.

 

Se a aeronave for encontrada nos primeiros 5 mil quilômetros quadrados da área de busca, a companhia receberá £ 15 milhões (R$ 65,6 milhões). O montante aumenta gradualmente de acordo com o perímetro, podendo chegar a até £ 52 milhões (R$ 227,5 milhões).

 

Como o voo MH370 desapareceu?

O avião da Malaysia Airlines decolou de Kuala Lumpur e, de acordo com a rota estabelecida, deveria ter seguido para nordeste, passando por Camboja e Vietnã, até chegar à China.

 

Mas, algumas horas depois após a decolagem, a aeronave parou de se comunicar com a torre de controle e, segundo as poucas informações existentes, teria desviado para oeste e começado a voar em direção ao sul.

 

Os dados de rastreamento divulgados pelas autoridades da Malásia parecem confirmar que o avião caiu no Oceano Índico, no sudoeste da Austrália.

 

O que foi encontrado até agora?

A operação para encontrar o voo MH370 - que contou com esforços da Austrália, Malásia e China - é considerada uma das maiores buscas na superfície e subaquática da história da aviação.

 

Até ser suspensa em janeiro de 2017, a operação tinha vasculhado 120 mil quilômetros quadrados, com um custo estimado de cerca de £ 120 milhões (R$ 525 milhões).

 

Embora a exploração não tenha encontrado nada, destroços do avião, levados pelas ondas, foram achados em ilhas do Oceano Índico e na costa africana.

 

Por que a busca foi cancelada?

A busca, liderada pela Austrália, estava programada para terminar em janeiro de 2017.

 

Na ocasião, drones submarinos e sonares operados por navios especializados passaram um pente fino no Oceano Índico, mas acabaram não encontrando nada.

 

Mas novas análises da provável trajetória de voo sugerem que o avião pode ter caído ao norte da área onde as operações de busca anteriores foram realizadas.

 

O ministro do Transporte da Malásia, Liow Tiong Lai, disse que "há 85% de chance de encontrar os destroços nas novas áreas".

 

E ressaltou que a missão da nova busca é encontrar os destroços e caixa-pretas do avião.

 

Segundo ele, o país tem um "compromisso sólido com a solução do mistério do MH370".

 

http://www.bbc.com/portuguese/geral-42633376?ocid=socialflow_facebook

Link to post
Share on other sites
  • 4 months later...

Para especialistas, sumiço de avião da Malaysia foi planejado por piloto

default.jpg

 

Uma nova teoria para o desastre aéreo do voo MH 370 da Malaysia Airlines, ocorrido em 2014, foi transmitida no início deste mês no programa de televisão 60 Minutes, do Channel 9, e pode enfim ter solucionado o caso que há quatro anos segue sendo um mistério do transporte aéreo.

De acordo com cinco especialistas em aviação encabeçados por Martin Dolan, que na época da queda era Comissário Chefe do Departamento de Segurança de Transportes da Austrália e conduziu as investigações por dois anos, o capitão do voo, o malaio Zaharie Amhad Shah, teria deliberadamente evitado o radar por horas para garantir que o avião nunca fosse encontrado.

Um dos argumentos é que Boeing 777-200ER que partiu de Kuala Lumpur, capital da Malásia, para Pequim, na China, seguiu uma direção completamente oposta, para o sul do Oceano Índico, após desligar o transponder que informava sua localização, 38 minutos após a decolagem. Destroços foram encontrados anos depois na Ilha da Reunião, pertencente à França, e ainda em Moçambique e Tanzânia, ambos na costa leste da África, a milhares de quilômetros de distância do local da decolagem.

A construção de um simulador de voo caseiro encontrado na casa do piloto Amhad Shah é outro indício de que ele teria planejado desaparecer com o avião antes de derrubá-lo.

O B777 levava 227 passageiros e 12 tripulantes, e teria sobrevoado por sete horas o Oceano Índico antes de cair em local ainda indeterminado no Índico, de forma deliberada em ato de assassinato e suicídio de Amhad Shah.

Martin Dolan e os outros quatro especialistas devem reexaminar as provas para identificar indícios que comprovem a teoria, mas, em 2016, o primeiro-ministro da Malásia, Malcolm Turnbull, já havia dito que era “muito provável que o capitão planejasse esse evento chocante”, após testes em simuladores.

"Acho que o público em geral pode se consolar com o fato de que há um crescente consenso sobre os momentos finais do avião", comentou ainda Larry Vance, ex-investigador sênior do Transportation Safety Board do Canadá e um dos especialistas que fazem parte da investigação.

Completam a equipe de especialistas o capitão Simon Hardy, piloto especializado em B777 e instrutor de voo; o capitão John Cox, especialista em segurança da aviação, instrutor de voo e piloto de testes; e Charitha Pattiaratchi, professora de Oceanografia Costeira da University of Western Australia.

RESUMO DO CASO
Em 8 de março de 2014, o Boeing 777-200ER da Malaysia Airlines decolou de Kuala Lumpur, na Malásia, com destino à Pequim, na China, com 239 pessoas a bordo. As pesquisas mostram que não houve transmissões recebidas do jato 38 minutos após o início do voo.

A partir de então, o mistério envolvendo a busca da aeronave ganhou destaque após serem iniciadas as buscas e os resultados não apresentarem sucesso. Os relatórios, porém, detalham que o B777 ainda voou por sete horas e sua última posição foi corrigida ao Noroeste de Sumatra pelos sistemas de vigilância que operavam naquela noite, seis horas antes do voo cair em algum local do sul do Oceano Índico.

 

Fonte: https://www.panrotas.com.br/aviacao/empresas/2018/05/sumico-de-mh-370-da-malaysia-foi-planejado-por-piloto-dizem-especialistas_155693.html

Edited by Leonardo de Paula
Link to post
Share on other sites

Prezado capelini

Vamos direto ao assunto:

Edited by jambock
  • Like 3
Link to post
Share on other sites
A Ocean Infinity não teve sucesso nas buscas...



Busca ao avião MH370 da Malaysia Airlines acabará em 29 de maio


Boeing 777 desapareceu em março de 2014 com 239 pessoas a bordo, pouco depois de decolar de Kuala Lumpur com destino a Pequim.


A busca no Oceano Índico ao avião do voo MH370 da Malaysia Airlines, desaparecido misteriosamente em 2014, terminará no dia 29 de maio - anunciou o ministro dos Transportes da Malásia nesta quarta-feira (23).


O Boeing 777 desapareceu em 8 de março de 2014 com 239 pessoas a bordo, pouco depois de decolar de Kuala Lumpur com destino a Pequim.


A primeira operação de busca marítima, a mais importante da história da aviação, coordenada pela Austrália, foi suspensa sem resultados em janeiro de 2017.


Nenhum vestígio do avião foi encontrado em uma área de 120.000 km2 do sul do Oceano Índico, determinada após a análise via satélite da possível trajetória da aeronave depois que se desviou de sua rota teórica.


Pressionado pelas famílias dos desaparecidos, o governo malaio anterior chegou a um acordo com a Ocean Infinity, empresa privada especializada em buscas submarinas.


O acordo previa que a empresa cobraria apenas se encontrasse o avião, ou as caixas-pretas.


A Ocean Infinity se concentrou em outra zona de busca, de 25.000 km2, situada um pouco mais ao norte que a primeira.


Seu navio, o "Seabed Constructor", com bandeira norueguesa, está equipado com oito drones equipados com sonares e câmeras que podem mergulhar a até 6.000 metros de profundidade.


O ministro malaio dos Transportes, Anthony Loke, membro do novo governo que assumiu o poder após as eleições de 9 de maio, disse que a operação deveria ter acabado em abril, mas prosseguiu por mais algumas semanas. "A busca prosseguirá até 29 de maio", disse Loke à imprensa.


Grace Nathan, uma advogada malaia que perdeu a mãe na tragédia, afirmou que o anúncio não é uma surpresa, mas indicou que o governo deveria deixar sobre a mesa a possibilidade de que outra empresa retome as investigações.


"Não podemos dizer (ao governo) o que tem que fazer, mas, para mim e para as famílias, encontrar o avião é importante por muitas razões", disse.


Quase 20 pedaços de destroços encontrados na costa da África oriental - longe da zona de busca - foram identificados como sendo provável, ou certamente, peças do avião.




Link to post
Share on other sites

Esse acidente dá lições importantíssimas de como as primeiras horas são vitais.

 

Incrível como a Malásia deu uma cabeçada atrás de outra.

 

Pelos anos (4) e estar em região remota, é praticamente impossível achar algo do avião.

Link to post
Share on other sites

Perfeito, é isso

 

Faz sentido a análise. Pelo visto o piloto deve ter liquidado o copila dentro da cabine de comando, caso contrário ele - o comandante - não teria tido toda a "calma" para seguir o plano nos mínimos detalhes.

Como é apenas uma teoria já deixo claro que não estou culpando o piloto, apesar de evidências apontarem para isso.

Provavelmente esse mistério nunca seja resolvido.

Link to post
Share on other sites

E as buscas acabaram mais uma vez.

 

"On May 29th 2018 Ocean Infinity announced the search is coming to an end:

 

Ocean Infinity, the technology company specializing in collecting high resolution seabed data, today confirms that its current search for the wreckage of Malaysian Airlines Flight MH370 is shortly coming to an end.

 

During the course of its operation, Ocean Infinity searched and collected high quality data from over 112,000 km2 of ocean floor successfully overcoming both challenging conditions and terrain. The total area covered, in a little over 3 months of operational days, is far in excess of the initial 25,000 km2 target and almost the same area as the previous search achieved in 2 ½ years.

 

Oliver Plunkett, Ocean Infinitys CEO, said:

 

I would firstly like to extend the thoughts of everyone at Ocean Infinity to the families of those who have lost loved ones on MH370. Part of our motivation for renewing the search was to try to provide some answers to those affected. It is therefore with a heavy heart that we end our current search without having achieved that aim.

 

We are most grateful to the Government of Malaysia for entertaining our offer and affording us the opportunity to recommence the search. The commitment that the new government in Malaysia has made to prioritising finding MH370 was very good to hear.

 

We want to thank the team onboard Seabed Constructor who have worked tirelessly and all the many companies, organizations and individuals whose support, guidance and advice were invaluable. The staff at the ATSB whose dedication to finding the plane has been unwavering deserve our particular gratitude.

 

Whilst clearly the outcome so far is extremely disappointing, as a company, we are truly proud of what we have achieved both in terms of the quality of data weve produced and the speed with which we covered such a vast area. There simply has not been a subsea search on this scale carried out as efficiently or as effectively ever before.

 

We sincerely hope that we will be able to again offer our services in the search for MH370 in future.

 

On Oct 19th 2017 Australia's Transport Minister announced that the Malaysian Government has taken up on an offer by private company "Ocean Infinity" to continue the search for MH-370. The minister said:

 

I acknowledge the announcement that the Malaysian Government is entering into an agreement with Ocean Infinity, to search for Malaysia Airlines flight MH370.

 

The Malaysian Government has accepted an offer from Ocean Infinity to search for the missing plane, entering into a no find no fee arrangement.

 

Malaysia's decision to proceed with the search shows the commitment to find MH370.

 

While I am hopeful of a successful search, I'm conscious of not raising hopes for the loved ones of those on board.

 

Ocean Infinity will focus on searching the seafloor in an area that has previously been identified by experts as the next most likely location to find MH370. Australia, at Malaysia's request, will provide technical assistance to the Malaysian Government and Ocean Infinity.

 

No new information has been discovered to determine the specific location of the aircraft, however data collected during the previous search will be provided.

 

As always our thoughts are with the families and friends. I hope that this new search will bring answers, both for the next of kin and for the rest of the world."

 

Fonte: Avherald

Link to post
Share on other sites
  • 1 year later...

Meus prezados

MMH370 interceptado pelo Sukhoi SU-30 FIGHTER JET antes de desaparecer
MMH370-intercepted-by-Sukhoi-SU-30.jpg
Um investigador voluntário afirmou que o voo MMH370 da Malaysian Airlines que desapareceu em 2014 foi interceptado por um caça a jato Sukhoi SU-30
O voo da Malaysia Airlines que estava viajando de Kuala Lumpur para Pequim transportando um total de 239 pessoas em 8 de março de 2014. Todos os esforços para rastrear o avião - que tinha 239 pessoas a bordo - fracassaram.
O governo da Malásia divulgou seu relatório final e concluiu que ainda não há respostas para o que aconteceu.
Mas um investigador voluntário afirmou que há provas de que o Boeing 777 foi interceptado por um caça antes de desaparecer.


Andre Milne, fundador da empresa de tecnologia militar Unicorn Aerospace, disse que uma foto mostra que a velocidade da aeronave chega a 58.200 pés, mas acrescentou que um Boeing não poderia ultrapassar os 44.000.
O único avião capaz dessa alta altitude foi o russo Sukhoi SU 30, que é usado pela Royal Air Force da Malásia.
Milne disse ao Daily Star: “Um caça a jato foi implantado para interceptar o MH370.
Andre Milne mostrou ao Daily Star Online uma imagem mostrando que a velocidade da aeronave mostra que alcançou 58.200 pés.
“A descoberta dessa evidência suprimida levanta sérios problemas em vários níveis, desde a total perda de credibilidade do governo da Malásia até o fator de culpabilidade que o governo da Malásia está agora sujeito ao desaparecimento geral dos passageiros e da tripulação.
“Isso também significa que virtualmente toda divulgação de MH370 feita pelo governo é agora suspeita como sendo uma fabricação.
“O fato de um jato de combate ter sido implantado apesar das negações repetidas com a explicação bizarra de que os retornos de radar misteriosos que se aproximavam do espaço aéreo da Malásia eram considerados amigáveis sugere fortemente que os retornos do radar eram de fato considerados o oposto de amistosos. ou uma ameaça. ”
“Isso levanta a questão de saber exatamente quando o MH370 foi considerado como sendo agora uma ameaça para o espaço aéreo da Malásia.
“Nós agora certamente todos sabemos que o governo enviou aeronaves de caça a jato, o que significa que toda a cadeia de comando e controle foi colocada em alerta máximo para lidar com essa ameaça hostil.
“Isso significa que vários esforços para tentar a comunicação direta com os pilotos e / ou os sequestradores teriam sido contratados pelo ATC da Malásia para tentar um acordo negociado para o retorno seguro dos passageiros e da tripulação.
"Obviamente, as discussões com os sequestradores falharam, pois os passageiros nunca foram recuperados".
mh370-final-report-1433168.png
Prova? Um investigador acredita que esta imagem mostra um jato interceptado MH370
Fonte: www.dailystar.co.uk e www.thesun.co.uk
Link to post
Share on other sites

Até agora temos somente suposições, algumas até certo ponto fundamentadas, mas nada de concreto para se tornar conclusivo. Sendo assim, todo mundo se acha no direito à uma opinião, e até mesmo os "especialistas" não perdem a chance de culpar alguém, na base da imaginação e pura interpretação pessoal.

Edited by Longreach
Link to post
Share on other sites

Essa tradução tá bucha... foto de um 747 ao invés de um 777 e ai a VELOCIDADE é de 58200 PÉS?? :lol: :lol: :lol:

 

Ta deixando isso de lado, vejamos: teto operacional do Sukhoi SU30 é aprox, 17.300m ( 56.700 pés), Teto do B777 em torno de 42.000 pés, pelo grafico ali que ele diz que pode ser um avião interceptando a 44.000 pés, fica poucos instantes e na sequencia do grafico ele desce para 36000 e depois sobre pra 58000 e despenca para 4800 pes em 1 minuto?? razao de descida de 53000 ft/min?? tá, eh um caça, blz.

 

MAs ai ele interceptou o 777 e não seguiu ele nem por 1 minuto???? Interceptação não deveria seguir nivelado com o alvo e tentar contato visual? Tentar descobrir o que estava acontecendo?? A não ser que ele abateu esse 777...

 

 

 

 

Até agora temos somente suposições, algumas até certo ponto fundamentadas, mas nada de concreto para se tornar conclusivo. Sendo assim, todo mundo se acha no direito à uma opinião, e até mesmo os "especialistas" não perdem a chance de culpar alguém, na base da imaginação e pura interpretação pessoal.

 

 

Exato, é tudo suposições, o que realmente aconteceu com esse voo nós nunca saberemos.

 

MAs que tem umas teorias conspiratórias divertidas a respeito desse voo, ahh tem! :thumbsup: :thumbsup:

  • Like 3
Link to post
Share on other sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Guest
Reply to this topic...

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.




×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade