Jump to content

Táxis aéreos clandestinos voam livremente sem fiscalização


thor.rao

Recommended Posts

Pirataria nos céus do Brasil. O Fantástico denuncia o perigo dos táxis aéreos fora da lei.

Eles são irregulares, clandestinos, mas estão por toda parte. Nossa equipe chegou a embarcar num desses aviões piratas para mostrar como eles voam livremente, sem fiscalização.Um risco pra todos nós: seja aqui no chão ou a bordo de uma dessas aeronaves.

Para saber como funciona o esquema clandestino de táxi aéreo, nossas equipes foram a grandes centros urbanos, como São Paulo e Rio de Janeiro e também a comunidades isoladas, espalhadas pelo país.

Qual o perigo que um avião desses traz para quem está no chão ou no céu? O que diz a lei?

“Você precisa ter, além de uma estrutura física adequada, um centro técnico de manutenção. Sem isso, entende-se que você não tem como dar uma prestação de serviço de forma segura”, afirma Georges de Moura Ferreira, professor de direito aeronáutico.

Um alicate derrubou uma aeronave, depois de uma manutenção mal feita.

“Como há casos que a gente tem conhecimento até de que foi feito por mecânico de automóvel. São riscos a que estamos expostos”, alerta Enio Paes de Oliveira, diretor da Associação Brasileira de Táxis Aéreos.

No Aeroporto de Jacarepaguá, Zona Oeste do Rio, procuramos um táxi aéreo para fazer um passeio. “Eu faço para você por R$ 1.100”, avisa o piloto.

Ele é piloto e diz que R$ 1.100 é o preço que ele cobra de um voo de helicóptero, com duração de meia hora. Ele entra em um hangar e mostra o helicóptero.

Fantástico: A aeronave é sua?
Piloto: É da empresa.
Piloto: Você quer com ou sem emoção?
Repórter: O que é com emoção?
Piloto: Sensação que vai cair, que vai morrer. Já andou de montanha-russa?
Repórter: Já.
Piloto: Então, exatamente.

Pagamos, embarcamos e logo pedimos para descer, alegando medo.

No cadastro da Anac, a Agência Nacional de Aviação Civil, consta que o helicóptero faz apenas serviço aéreo privado. Ou seja, é particular: só o dono e quem ele autoriza podem voar. Não é táxi aéreo. Portanto, não pode cobrar para transportar passageiros.

Quando o Fantástico pediu explicações...

Repórter: Vocês fazem táxi aéreo?
Piloto: Não. As aeronaves que a gente tem aqui são particulares. Voo somente para os proprietários. Eu não voo táxi aéreo. Eu voo aeronave particular somente.

“Uma empresa de táxi aéreo tem que atender exatamente aos mesmos requisitos de uma empresa de linha aérea. Nós precisamos ter um programa de treinamento para cada piloto, para cada tipo de aeronave”, explica Georges Ferreira.

Segundo a Anac, em 2013, houve 159 acidentes aéreos no Brasil: 64 com aviões particulares, pouco mais de 40%. A causa mais comum é pane no motor.

No dia 11 de janeiro de 2013, no aeroporto de Rio Branco, no Acre, um avião monomotor, modelo minuano, da empresa "Decolando com você", que não é autorizada a fazer taxi aéreo, passa por uma manutenção.

Foi feita por dois mecânicos que não possuem habilitação da Anac. Foi isso que atestou o Cenipa, órgão da Aeronáutica que apura os acidentes. É lei: só pessoal credenciado pode fazer manutenção.

Na aeronave, vão o piloto e sete pessoas que pagaram pelo voo. Hoje, a passagem custa R$ 150. O destino era Envira, no Amazonas, a cerca de 400 quilômetros da capital do Acre.

O avião decola e o motor começa a falhar. O piloto volta para a pista, mas só consegue parar depois da cabeceira e de cabeça para baixo. Os passageiros tiveram ferimentos leves.

O Cenipa concluiu: os mecânicos esqueceram um alicate dentro do motor. A ferramenta bateu na válvula dosadora de combustível e reduziu a potência.

“A primeira providência adotada pelo Ministério Público Federal foi ajuizar uma ação cautelar para suspender imediatamente o funcionamento dessa empresa”, afirma o procurador da República Rafael Rocha.

Esta semana, o Fantástico ligou para a "Decolando com você", que continua funcionando.

Por telefone, o repórter Jeferson Dourado tentou falar com Ivon Moreira, que se apresenta como dono da empresa, mas: “A gente não tem interesse em levar reportagem, não. Até porque não teve vítima fatal nenhuma”, respondeu ele.

Com tantas irregularidades, com tantos riscos, como estes aviões conseguem operar, ilegalmente, como táxis aéreos? Uma das respostas pode estar no voo que partiu de Cumbica.

O Fantástico foi até o Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos para registrar uma irregularidade.

Na quarta-feira (9), dia da semifinal entre Argentina e Holanda, na arena Corinthians, nossa equipe passou pela segurança e chegou ao pátio de embarque sem nenhum tipo de fiscalização.

Contratamos um táxi aéreo clandestino para poder denunciar como são comuns esses voos piratas. O valor é de R$ 5,7 mil para ir até Ribeirão Preto, no interior do estado. A equipe do Fantástico não se apresentou como jornalistas.

Um dia antes do embarque, fomos até Campinas, sede da "Extreme taxi aéreo". Para a Anac, ela deveria estar inoperante, mas um casal nos atende. O marido é o piloto e dono da empresa. A mulher dele recebe R$ 5,7 mil pela viagem entre Guarulhos e Ribeirão Preto.

O piloto Carlos liga para alguém no Aeroporto de Guarulhos: "Estou precisando fazer um atendimento amanhã, às 7h da manhã para o pátio 12".

O avião dele não é cadastrado como taxi aéreo. É de uso particular. Para enganar a fiscalização, ele não diz que vai transportar clientes, e sim, amigos: “Um amigo meu que está chegando do Rio. Eu vou pegar ele aí em Guarulhos e levar ele para o interior de São Paulo”, avisa.

Em Cumbica, às 7h de quarta-feira passada, depois do susto na decolagem, quando o motor demorou para pegar. “Ele faz bolha de ar nos caninhos. É duro de pegar aqui, mas pega”, avisou o piloto.

Em uma hora, chegamos a Ribeirão Preto. Na volta, o avião segue só com o piloto.

Depois do voo, estivemos na empresa. O piloto reconheceu que vendeu um voo de táxi aéreo clandestino, e que cometeu um erro, mas não quis gravar entrevista.

A Anac determinou que o avião não voe mais, até que tudo seja apurado.

A administração do Aeroporto de Guarulhos disse que cumpre todas as normas exigidas pelos órgãos que regulamentam o setor.

Outro caso grave aconteceu em Manaus, na véspera do jogo Inglaterra e Itália, na Arena da Amazônia, no dia 13 de junho.

Segundo a Anac, um taxi aéreo clandestino com três passageiros ia de Barcelos, no interior do Amazonas, para o aeroporto de Flores, em Manaus. Mas a aeronave ficou com pouco combustível e teve que fazer um pouso de emergência no Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, também na capital amazonense.

Foi assim que a Anac descobriu que, além de o voo ser ilegal, o piloto Klender Hideo Ida estava com a habilitação vencida e que usou o nome de outro piloto para comandar a aeronave. O avião foi apreendido e o caso encaminhado à Polícia Federal.

Tentamos falar com o piloto Klender, deixamos recados, mas ele não retornou.

As regras são ainda mais rigorosas para um tipo de taxi aéreo muito usado no Norte e no Centro-Oeste. Chamado de aeromédico, transporta doentes para municípios com hospitais maiores e tem que estar pronto para atender emergências também durante o voo.

Em março de 2013, com problemas respiratórios, Renato, de 1 ano e 6 meses, precisou ser transferido de Barra do Garças, Mato Grosso, para Goiânia.

Os pais dizem que contrataram a empresa “Jetmed Táxi Aéreo” por R$ 5,5 mil.

“O combinado foi a UTI aérea, a enfermeira e o médico. Eu tinha um carro velho, na época. Eu vendi meu carro”, conta Vandecleiton de Paula e Silva.

Quando o pai viu o avião, levou um susto e tirou fotos. “Não tinha lençol, não tinha nada. Eu não vi nada de aparelho de UTI”.

No avião, estavam o piloto e o dono da empresa, o médico Wendel Macedo.

“Eu pedi para ele colocar meu filho na maca. Ele falou: ‘não, você coloca ele no seu colo e vai segurando ele até chegar em Goiânia’. Ele mandou a gente calar a boca e falou que se a gente abrisse a boca novamente, ele ia voltar e deixar a gente na cidade de volta e a gente ia a pé para Goiânia”, relata o pai de Renato.

Renato morreu de pneumonia, quatro dias depois. Os pais dizem que o atendimento precário no avião agravou o estado de saúde da criança. “A gente não quer dinheiro, não quer nada. A gente só não quer que fique em vão tudo o que a gente passou”, lamenta o pai do menino.

Segundo as investigações, Wendel Macedo não tem autorização para voar como aeromédico. Ele foi indiciado pela Polícia Federal por colocar em risco o transporte aéreo. A pena é de até 5 anos de cadeia.

Wendel não quis gravar entrevista. Em nota, disse que "a criança faleceu em decorrência do agravamento da doença" e que não fez taxi aéreo. Alegou que foi uma ajuda para atender ao "pedido desesperado do pai do menino" e que não cobrou pelo voo e sim "apenas pelo serviço de médico".

Será que ele não fez táxi aéreo mesmo? Sem nos identificar como jornalistas, ligamos para Wendel, como se fôssemos contratá-lo.

Repórter: Eu estou precisando urgente de fazer um translado com a minha tia. Ela está passando muito mal do coração.

O médico aceita e diz o preço para ir para Goiânia no avião dele: “São R$ 5 mil. Ela vai deitadinha. Deita a poltrona e dá para ir três pessoas junto”.

Procuramos as autoridades aeronáuticas.

A Força Aérea Brasileira disse, em nota, que existe uma "sistemática" quando um avião pede autorização para voar: começa no "preenchimento do plano de voo e depois no contato por meio de rádio". Segundo a FAB, "nesse processo, a informação necessária para a segurança é o número de pessoas a bordo, independentemente da destinação ou do tipo de transporte".

A Secretaria de Aviação Civil disse que "a fiscalização dos táxis aéreos clandestinos cabe à Anac".

A Agência Nacional de Aviação Civil confirmou que todas as aeronaves mostradas nesta reportagem estão irregulares. Alegou que tem dificuldade para flagrar táxi aéreo clandestino "porque, muitas vezes, os passageiros não contam para a fiscalização que pagaram pelo voo".

A Anac disse ainda que tem "cerca de mil inspetores para fazer fiscalizações" e que já "foram abertos 239 processos administrativos" contra os aviões piratas.

“Eu espero que a justiça seja feita porque é a única coisa que resta para fazer ainda”, pede a mãe de Renato, Juciele Ferreira de Moura.

3495067.jpg

http://g1.globo.com/fantastico/noticia/2014/07/taxis-aereos-clandestinos-voam-livremente-sem-fiscalizacao.html

Nota pessoal: Carlos Edo queimando sua imagem.

Link to comment
Share on other sites

Dois pesos duas medidas...

 

Aos amigos fica a pergunta...vcs sabem quanto tempo a anac leva para homologar um taxi?

 

Muita coisa errada dos dois lado...

 

Conheço os dois casos do norte.

 

Abraços

 

Lopes

 

 

 

 

Enviado da selva para o cidade usando Tapatalk

Link to comment
Share on other sites

Não precisa ser gênio, pra ver que isso foi matéria plantada.

 

Engraçado que existe a impressão de que a imprensa é um panteão de honestidade, de decência, e de idoneidade. A Agência Fiscalizatória então.....

Porque:

- Não fazem reportagens sobre checadores NÃO HABILITADOS?
- Não fazem reportagens sobre bizarrices como, um checador de helicóptero não ser habilitado em helicóptero?
- Não fazem reportagens sobre a DEMORA absurda dos processos?
- Não fazem reportagens sobre como algumas empresas conseguem processos mais rápidos que os outros?
- Não fazem reportagens sobre a incompetência que campeia nos escritórios no Rio de Janeiro?
- Não fazem reportagens sobre a forma como alguns "Gerentes" assinam autorizações, às quais os mesmos não tem A MENOR NOÇÃO do que estão fazendo ( você leigo, sabia que o avião que você voa, é certificado por um cidadão formado em Gastronomia ou Veterinária? Pois é....)
- Não verificam o cabedal de empregos pra cumpanherada deitar e rolar na Aviação Nacional?
- Não verificam o disparate que é a tabela de preços para os PÉSSIMOS serviços prestados por eles?

Coisas erradas, todos nós fazemos. Em graus maiores, ou menores. A hipocrisia nessa hora campeia junto com a incompetência. Todo mundo vira santo, vomita m3rda, e diz que nunca pegou UMA laranja no quintal do vizinho. Um sintoma do politicamente correto, no qual muita gente boa embarca, pra pagar uma de santinho, e que dá nojo.

A imprensa se posiciona como se fora uma entidade acima do bem e do mal, só porque informa. Legal.

Porque não investigar a própria imprensa? Porque não entrar nas redações com uma câmera escondida, de maneira ardilosa, e participar dessas reuniões de pauta, e principalmente, ver qual é a de muito editor-chefe por aí....

Tá valendo também? Ou lá é território inexpugnável, sob aquele argumento ridículo de que , um país livre, tem de ter imprensa livre?

Destruir é fácil. Pegar as pessoas no contrapé, é fácil.

Ir lá e bater palmas, pelo que as pessoas fazem de bem, de legal, de bonito, de construtivo, não.

A imprensa não serve pra isso.

Aliás, as pessoas ultimamente não estão servindo pra isso.

Poucos hoje em dia servem. Muitos são descartáveis.

Na moral?

Não tem santo. Seja na imprensa, seja na agência fiscalizatória. Muito pelo contrário.

Link to comment
Share on other sites

Pessoal...

 

Concordo com tudo o que falaram e sou solidário quanto as complicações, no entanto faço apenas uma pergunta:

 

Como ficam aqueles que lutam contra a burocracia, morosidade e abusos do sistema ? Se estes conseguem, não consigo ver justificativa para qualquer outro fazer TACA, se não o bom e velho "jeitinho".

 

Gostaria de deixar bem claro que não quero, em nenhum momento, colocar em xeque a idoneidade das pessoas envolvidas, porém:

 

As dificuldades do sistema não justificam a ilicitude do negócio.

 

Just my 2 cents.

 

:unsure:

Link to comment
Share on other sites

Thiago, conte-me mais sobre como é achar que todas as matérias da Globo são ''falsas e sensacionalistas''...

Link to comment
Share on other sites

Não precisa ser gênio, pra ver que isso foi matéria plantada.

 

Engraçado que existe a impressão de que a imprensa é um panteão de honestidade, de decência, e de idoneidade. A Agência Fiscalizatória então.....

 

Porque:

 

- Não fazem reportagens sobre checadores NÃO HABILITADOS?

- Não fazem reportagens sobre bizarrices como, um checador de helicóptero não ser habilitado em helicóptero?

- Não fazem reportagens sobre a DEMORA absurda dos processos?

- Não fazem reportagens sobre como algumas empresas conseguem processos mais rápidos que os outros?

- Não fazem reportagens sobre a incompetência que campeia nos escritórios no Rio de Janeiro?

- Não fazem reportagens sobre a forma como alguns "Gerentes" assinam autorizações, às quais os mesmos não tem A MENOR NOÇÃO do que estão fazendo ( você leigo, sabia que o avião que você voa, é certificado por um cidadão formado em Gastronomia ou Veterinária? Pois é....)

- Não verificam o cabedal de empregos pra cumpanherada deitar e rolar na Aviação Nacional?

- Não verificam o disparate que é a tabela de preços para os PÉSSIMOS serviços prestados por eles?

 

Coisas erradas, todos nós fazemos. Em graus maiores, ou menores. A hipocrisia nessa hora campeia junto com a incompetência. Todo mundo vira santo, vomita m3rda, e diz que nunca pegou UMA laranja no quintal do vizinho. Um sintoma do politicamente correto, no qual muita gente boa embarca, pra pagar uma de santinho, e que dá nojo.

 

A imprensa se posiciona como se fora uma entidade acima do bem e do mal, só porque informa. Legal.

 

Porque não investigar a própria imprensa? Porque não entrar nas redações com uma câmera escondida, de maneira ardilosa, e participar dessas reuniões de pauta, e principalmente, ver qual é a de muito editor-chefe por aí....

 

Tá valendo também? Ou lá é território inexpugnável, sob aquele argumento ridículo de que , um país livre, tem de ter imprensa livre?

 

Destruir é fácil. Pegar as pessoas no contrapé, é fácil.

 

Ir lá e bater palmas, pelo que as pessoas fazem de bem, de legal, de bonito, de construtivo, não.

 

A imprensa não serve pra isso.

 

Aliás, as pessoas ultimamente não estão servindo pra isso.

 

Poucos hoje em dia servem. Muitos são descartáveis.

 

Na moral?

 

Não tem santo. Seja na imprensa, seja na agência fiscalizatória. Muito pelo contrário.

 

Thiago, erros existem aos montes. Eles não fazem essas reportagens por que, primeiro, não vivenciam este mundo no dia a dia, segundo por que não devem ter muita gente denunciando esses problemas e terceiro por que não deve ter muito ibope.

 

Você vivencia tudo isso diariamente, então, você e tantos outros deveriam correr atrás para denunciar todos esses problemas e jogar a m* no ventilador.

O que não pode, e você está nessa a algum tempo, é achar teoria da conspiração em tudo.

 

Ninguém é santo e todos sabemos, mas um monte de coisa errada não justifica outros erros.

Link to comment
Share on other sites

Não só a Extreme, mas varias outras empresas, tem vários aviões que eles usam no taxi aéreo, porém apenas 1 é TPX, pra manter o negocio "legalizado". Isso ja é velho, e todo mundo sabe.

Link to comment
Share on other sites

Thiago, conte-me mais sobre como é achar que todas as matérias da Globo são ''falsas e sensacionalistas''...

 

Primeira coisa: eu não utilizei os termos acima. Procure em meu texto, e veja se os acha. Portanto, acho que não devo explicações sobre algo que não escrevi.

 

Segunda coisa: coloquei em dúvida, em xeque, a idoneidade da imprensa, de seus editores-chefe, de todo o círculo pernicioso que envereda redações adentro. Se a imprensa tivesse esse puleiro limpo todo, poderia vir pagar de paladina da moral. Casos de relações promíscuas entre editoras, portais, emissoras, com interesses menos morais, são muito mais do que conhecidos. Dá um google aí, e verá.

 

Terceira coisa: a imprensa está mal acostumada de achar que, tudo o que ela quer denegrir, ela destroi e vira terra arrasada. Me diga: se ela quer fazer uma reportagem sobre isso - taca - o que tem a ver, uma partida mais demorada no motor do C310? Admiro muito os grandes jornalistas, mas isso é rasteiro, é pequeno, é baixo-jornalismo, ou como gostamos de dizer, merecidamente: imprensa marrom.

 

Quarto: Errou? Errou! Agora, me diga: quem aqui não errou? Você nunca errou? Eu nunca errei? Quem me lê, nunca errou? Quando se erra, e o erro viaja "via Embratel", e chega prontinho pra ser deglutido pelo telespectador Homer Simpson, " ahhhhh, mas olha só...... onde já se viu?......que investiguem agora, pois....punição aos envolvidos!!!" Aí o cidadão recebe o troco a mais no pedágio, percebe, engata a primeira e sai cheio de si. Todo mundo é bom pra apontar os erros alheios - na aviação então, isso é patológico - mas jamais pra pegar o próprio erro, e falar pra todo mundo apontando pra si : Ó cambada, errei viu? Essa hipocrisia de moralidade me enoja, e pra mim, é quantitativamente, mais enojante que o próprio erro em si.

 

Quinto: A própria dona imprensa, qualifica a agência como ooooutra paladina da moralidade, da isenção, da moral, e dos bons costumes. Nós sabemos o que é a ANAC, e o que ela representa pra cada um de nós usuários. Abrir a caixa preta lá do prédio na Santa Luzia, no centro do RJ, ninguém põe microcâmera, ninguém não diz que é jornalista, ninguém vai no intuito de destruir o que nos destroi. Não! Território inexpugnável, impermeável. Relação causa-efeito: porque uma VTI de um jato executivo, por exemplo custa O OLHO DA CARA, não viabiliza a ida de um checador lá praquelas bandas do Minuano citado, pra rechecar uma galera que precisa ter a CHT em dia? Porque, uma prosaica taxa de inscrição de prova, não viabiliza um seminário de segurança de voo lá praquelas bandas? Investiguem também, pois , já que é pra ser isento, e apontar o erro de um, que também envolva-se quem fiscaliza!

 

Sexto: Reportagem comprada, matéria paga, rasteira e vil.

 

 

 

 

Link to comment
Share on other sites

 

Primeira coisa: eu não utilizei os termos acima. Procure em meu texto, e veja se os acha. Portanto, acho que não devo explicações sobre algo que não escrevi.

 

Segunda coisa: coloquei em dúvida, em xeque, a idoneidade da imprensa, de seus editores-chefe, de todo o círculo pernicioso que envereda redações adentro. Se a imprensa tivesse esse puleiro limpo todo, poderia vir pagar de paladina da moral. Casos de relações promíscuas entre editoras, portais, emissoras, com interesses menos morais, são muito mais do que conhecidos. Dá um google aí, e verá.

 

Terceira coisa: a imprensa está mal acostumada de achar que, tudo o que ela quer denegrir, ela destroi e vira terra arrasada. Me diga: se ela quer fazer uma reportagem sobre isso - taca - o que tem a ver, uma partida mais demorada no motor do C310? Admiro muito os grandes jornalistas, mas isso é rasteiro, é pequeno, é baixo-jornalismo, ou como gostamos de dizer, merecidamente: imprensa marrom.

 

Quarto: Errou? Errou! Agora, me diga: quem aqui não errou? Você nunca errou? Eu nunca errei? Quem me lê, nunca errou? Quando se erra, e o erro viaja "via Embratel", e chega prontinho pra ser deglutido pelo telespectador Homer Simpson, " ahhhhh, mas olha só...... onde já se viu?......que investiguem agora, pois....punição aos envolvidos!!!" Aí o cidadão recebe o troco a mais no pedágio, percebe, engata a primeira e sai cheio de si. Todo mundo é bom pra apontar os erros alheios - na aviação então, isso é patológico - mas jamais pra pegar o próprio erro, e falar pra todo mundo apontando pra si : Ó cambada, errei viu? Essa hipocrisia de moralidade me enoja, e pra mim, é quantitativamente, mais enojante que o próprio erro em si.

 

Quinto: A própria dona imprensa, qualifica a agência como ooooutra paladina da moralidade, da isenção, da moral, e dos bons costumes. Nós sabemos o que é a ANAC, e o que ela representa pra cada um de nós usuários. Abrir a caixa preta lá do prédio na Santa Luzia, no centro do RJ, ninguém põe microcâmera, ninguém não diz que é jornalista, ninguém vai no intuito de destruir o que nos destroi. Não! Território inexpugnável, impermeável. Relação causa-efeito: porque uma VTI de um jato executivo, por exemplo custa O OLHO DA CARA, não viabiliza a ida de um checador lá praquelas bandas do Minuano citado, pra rechecar uma galera que precisa ter a CHT em dia? Porque, uma prosaica taxa de inscrição de prova, não viabiliza um seminário de segurança de voo lá praquelas bandas? Investiguem também, pois , já que é pra ser isento, e apontar o erro de um, que também envolva-se quem fiscaliza!

 

Sexto: Reportagem comprada, matéria paga, rasteira e vil.

 

 

 

 

Belas palavras! O problema raro sistema como um todo, não apenas na ponta.

Link to comment
Share on other sites

Meus 2 cents num assunto bastante controverso, TACA existe desde que o avião começou a existir creio eu, esta certo? não! A agencia que deveria fiscalizar, regular, propiciar condições de regulação adequada e com menos burocracia estatal o faz de maneira correta ? também não! Viramos portanto o pais do jeitinho e um taxi aéreo não adequado, homologado e fiscalizado dentro dos padrões vigentes, tanto de segurança como fiscal e um jeitinho dentro dos 1.00000 de jeitinhos que vivemos hoje em dia, sou piloto e não repórter , não tenho como julgar a matéria sem colocar emocao em meu julgamento, portanto não irei faze-lo, sou aviador a bastante tempo, aviador profissional e so posso lamentar o que vejo, o que leio e o que vivo quando tenho contato com as coisas que vem acontecendo em nosso pais...Julgar culpados e bastante confortável, concordo 100% que esta na hora de se fazer algo, seja fazendo um seminário de forma gratuita, sendo através da passagem de conhecimento, seja reclamando do sistema(por escrito), seja não aceitando o jeitinho, seja votando certo nas eleições..

Link to comment
Share on other sites

Situação muito complicada.

 

A TACA ajuda muitos profissionais a conseguirem suas horas de voo para poderem entrar em uma comercial ou conseguirem o seu primeiro emprego, isto e fato.

 

Muita gente depende disto para viver, muitos não tem condições financeiras para manter um taxi aereo, no Brasil hoje ter um taxi aereo e um custo exorbitante.

 

Existe um monte de coisa errada na aviação, começando pela Anac, então e bom sempre olhar os dois lados da situação antes de julgar, quem vive na aviação e conhece o dia a dia sabe das dificuldades que vivemos.

 

Abraço.

Link to comment
Share on other sites

É difícil, é caro, é lento manter as carteiras em dia. Se por ventura as suas carteiras vencerem, é aceitável voar (você está na prática proficiente, sua saúde está 100%, etc) com as carteiras vencidas? Com o código de outro?

 

Alguém aqui pega o carro e vai dar carona "remunerada" na rua, afinal, sou um ótimo motorista, meu carro está com a manutenção em dia, que mal tem nisso?

 

Se não pode, não pode, ponto. Não tem justificativa para o injustificável.

 

O TACA não ajuda ninguém, o TACA atrapalha a geração de empregos. Como uma operação RBAC 91 em condição Single Pilot vai ajudar na geração de empregos para pilotos, frente uma operação RBAC 135 com 2 tripulantes a bordo? No máximo o sujeito consegue "voar" um Seneca, um Baron, ou outro avião MNTE ou MLTE, como copila, que, se muito, faz fonia, aprende "macetes", não recebe por isso, anota as horas de voo e assume a responsabilidade por uma operação ilegal. Isso é gerar emprego?

 

Situação muito complicada.

A TACA ajuda muitos profissionais a conseguirem suas horas de voo para poderem entrar em uma comercial ou conseguirem o seu primeiro emprego, isto e fato.

Muita gente depende disto para viver, muitos não tem condições financeiras para manter um taxi aereo, no Brasil hoje ter um taxi aereo e um custo exorbitante.

Existe um monte de coisa errada na aviação, começando pela Anac, então e bom sempre olhar os dois lados da situação antes de julgar, quem vive na aviação e conhece o dia a dia sabe das dificuldades que vivemos.

Abraço.

 

O TACA ajuda muitos profissionais a exercerem funções a bordo de uma aeronave sem receber remuneração para tal, ajuda a arrumar um avião para voar de graça, ajuda a prostituir o mercado, a desvalorizar a profissão desde a base e essa desvalorização vai sendo carregada ao longo da piramide. Se a demanda existe, não seria MUITO melhor um emprego de co-piloto num táxi aéreo? Alguém aqui achou suas carteiras no meio fio da calçada, de graça, não se valorizam não?

 

 

Com relação à matéria, só não concordo com o sensacionalismo do acionamento do Cessna 310, normal aquilo, não tem nada ali, apenas um reporter para o qual avião pequeno é ATR-72, Embraer E-Jets, etc... se fosse um Willian Waack, Max Fercondini, que são pilotos, não cairia nessa besteira ai.

Link to comment
Share on other sites

Prezados,

 

Uma pena essa reportagem. Ilegalidades existem e devem ser combatidas, mas não se devem fazer matérias sensacionalistas se utilizando de subterfúgios pra causar sensação. Mostram três vezes a partida do 310... Pra quê?

 

Se concordo com TACA? Obviamente que não, mas também não concordo com esse estilo de jornalismo. Acho que o Thiago já escreveu tudo que poderia ser escrito aqui.

 

Abcs,

 

Sydy

Link to comment
Share on other sites

Repasso abaixo o texto publicado no perfil no Facebook do Rodrigo Edo, filho do cmte Carlos Edo (o "homenageado" pelo Fantástico):

Existe uma GRANDE diferença entre Taxi Aéreo Pirata/Clandestino e Taxi Aéreo Homologado com UM avião momentaneamente em situação irregular.

A que ponto chega o limite de um programa que o dever dele é apenas noticiar a verdade para a massa brasileira? Passar do limite CAUSANDO uma notícia não deveria ser algo da ÉTICA de um programa. Eu não assisto globo, não gosto da globo e de nenhum programa exibido nessa porcaria de emissora, não fui educado assistindo globo assim como se eu tiver filhos, eles nunca irão assistir um segundo da porcaria que é mostrada nesse canal. O fantástico perdeu MUITO ibope nos últimos anos e agora procura matérias sensacionalistas para mostrar e tentar ganhar mais pontos, uma delas foi mostrada ontem envolvendo os MEUS PAIS. A notícia real e sem cortes é a seguinte, eles venderam um avião que era usado para taxi aéreo no passado e tiveram a oportunidade de comprá-lo de volta um tempo depois, ao pegar o avião de volta eles iniciaram um processo para homologar o avião de novo, deixar em condições legais para voo comercial. Com tamanha burocracia nesse país eles perderam a paciência e desistiram de usar o avião para TAXI AÉREO e decidiram deixar apenas para VOOS PRIVADOS e desde então nunca houve um problema até pouco tempo atrás quando um repórter (não se identificou) ligou pedindo um voo, insistindo que o voo só podia ser feito nesse avião e ainda pedindo desconto, ao cair no papo do repórter e agir de boa vontade (#####, ainda deram desconto?) eles cairam numa armadilha, o voo aconteceu e ontem foi mostrado na TV. Cara, qual o sentido nisso? Pra quê? Pra que fazer isso? Por que nessa bosta de emissora tem TANTA GENTE DO MAL #####?!?!?! O avião sempre esteve em condições de voo, nenhum problema com a ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil) então o por que a globo tem que se meter no meio disso? Por que causar uma notícia?

E essa é a "emissora" número 1 do país, que as pessoas assistem no almoço ou no jantar, que mostra esse tipo de informação pra massa, essa notícia envolveu meus pais e eu sei o que aconteceu, agora imagina o QUANTO de matérias que são exibidas no dia-a-dia com distorção da realidade. Se nem o repórter se aprofundou no assunto e pesquisou os dados certos então o que se espera de quem assiste isso? Não assista a Globo, não dê ibópe para esses programas filhas da ##### que choram por audiência. Se você quiser continuar enchendo esse negócio inútil na sua cabeça que você chama de "cérebro" com o que é mostrado na Globo então beleza, o problema é seu, mas não julgue sem saber a fonte, ou reclame da porcaria que está o país…

Pra finalizar, gostaria de mandar o meu sincero EI GLOBO, VAI TOMAR NO ##!!!

Link to comment
Share on other sites

Buenas...

 

logico que é errado a TACA, existe "burrocracia" para homologar perante a ANAC, os impostos sao altos, etc,etc,etc, mas perai, todo mundo sabe disso e ninguem se une para faz algo? Não existe sindicato das empresas? Ninguem é unido? Se a classe não se unir não isso nunca vai mudar. Não adianta reclamar da globo e da sua quinta categoria de reportagens, o cara está agindo errado, está fora da lei e o pseudo jornalista que não sabe diferenciar pés de metros vai usar isso para dar IBOPE!!!! É mesma coisa que perua clandestina, sempre houve, sempre se fez, infelizmente. Quando tem alguma noticia vinculada com avião o povo para pra olhar e ai tudo que eh porcaria é falado MENOS que a ANAC NÃO FUNCIONA! Deveriam entrar com uma camera na anac e filmar como é feito os processos, por quem eh homologado, etc... alias, a maioria das repartições publicas não funcionan...

 

Quanto ao que o filho do cara postou, acho que a melhor forma dele se defender é contratar um advogado e ver se pode fazer algo a respeito... não conheco a lei, nao sei se cabe algum processo contra a emissora, já que ele estava agindo errado. Se é verdade o que o filho fala, ele deve provar e não sair mandando a globo tomar naquele lugar, pra mim demostra falta de maturidade e burrice, está falando coisas que ele acha, e sabe-se que nesse pais qualquer coisa escrita por ai pode dar processo. Porque ele nao fez um post baseado nas RBAs da vida e contando a historia.

 

 

Existe uma GRANDE diferença entre Taxi Aéreo Pirata/Clandestino e Taxi Aéreo Homologado com UM avião momentaneamente em situação irregular.

 

Sei não hein, no momento que você não está em situação irregular e faz o serviço você não está sendo clandestino? Se ele esta em situação irregular e está no chão não há problema algum mas voando??? O que diz a lei será, alguem sabe?

Link to comment
Share on other sites

Vocês conhecem o conceito de legalidade? De ser legal, estar legal?

 

Você pode ser astronauta, ter pisado na lua, se seu CMA estiver vencido, você NÃO está legal. O mesmo com empresas, você pode ter T6, Lear 25, fazer acrobacia, voar em ala com Embraer 190, tudo muito bacana, se seu CHE está vencido, em situação irregular, pouco importa o motivo, pouco importa a morosidade da ANAC, naquele momento, você NÃO pode exercer a atividade de taxi aéreo.

 

É simples.

 

Se um dia depois do vencimento do seu MLTE você tiver um acidente voando um Baron num interiorzão desses ai, você ta ferrado, porque? Porque ontem você podia voar MLTE, hoje não.

 

Sabe que está errado, sabe que faz errado, insiste em fazer, uma hora acontece uma besteira dessas e o cara roda.

 

Voem na linha, sigam as regras, as leis, que nada, absolutamente nada, acontecerá.

Link to comment
Share on other sites

Boa tarde Thales,

 

Fiz a minha postagem para mostrar que existe um outro lado da historia e que não foi mostrado.

 

Também não concordo com a TACA, mas muitos profissionais so conseguiram chegar e um bom emprego depois de voarem fazendo isto, sem remuneração, acho que não, ja vi muita gente voar sem remuneração ate as 200hs pra checar o comercial, depois disto cada um no seu emprego ou no freelance e assim vai.

A prostituição do mercado vem de varias outras formas, empresas aereas e taxi aereos que pagam muito abaixo da media e um bom exemplo.

A demanda existe e seria muuuito melhor ter taxi aereos, mais empregos, mais aviões mais concorrencia, concordo plenamente.

Acho que aqui ninguem achou a carteira no meio fio não, e nem veio de graça pra ninguem também, acho que todos ralamos muito para poder termos as carteiras e voar, por isso mesmo que não julgo quem aceita voar e uma empresa aerea, taxi aereo ou particular ganhando abaixo da media.

 

Abraço.

Link to comment
Share on other sites

Discussao bastante interessante, pois e , estamos fazendo um Seminario no final do mês exatamente sobre isto, sobre emprego, tem gente das Empresas Aereas, Taxi Aereo, Sindicato, Escolas de Aviacao, Cenipa, ANAC , OAB...ou seja o sistema todo vai estar la, estão todos de grátis, cedendo seu tempo e competência em favor da comunidade como um todo, isto mesmo, ninguém esta ganhando e nem cobrando um tostão para fazer algo em prol de todos(alias a APAE vai estar presente recolhendo alimentos não perecíveis), muito mais que reclamar no facebook que tal sair de casa? pegar um passe? Vir de busao? Isso mesmo sair da zona de conforto e ir la discutir de verdade com quem entende e que eventualmente pode fazer algo para mudar, somos o reflexo do que queremos ser, a Van clandestina se torna aceitável uma vez que o poder publico não oferece qualidade e eu também não estou nem ai pois a coluna do Neymar ta machucada..Vai ter imprensa cobrindo o evento, fácil, vai la, pergunta para os jornalistas presentes como e o porque se faz um reportagem com determinada abordagem sobre determinado tema...Nosso pais se transformou numa grande festa, somos conhecidos por samba, futebol e cerveja, somos os hospitaleiros não os competentes, me cansei de ver chegar aqui fora colegas que são exemplo de competência simplesmente porque cansaram, estamos perdendo o que temos de melhor, nossa gente capacitada, e sabe porque ? porque cansa..A ANAC e lenta? Mandado de Seguranca nela...Somos o pais do jeitinho, do companheiro , esta todo mundo na rua , exato, o pessoal do mensalao deu linha na pipa e a coluna do Neymar esta machucada..Sinto muito, não vou julgar colega nenhum, não e assim que se faz, se esta errado e o sistema permite, pune quem fez errado, corrige o sistema e segue em frente, alias faz algo de bom , ser leao no face, twetter, Internet me desculpe mas e um exemplo do que não esta certo, vamos la, e dia 30, discorde, mas o faca cedendo o seu tempo(grátis)...E desculpem o off topic mas ate o mais paciente cansa..

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade