Jump to content

Mulheres: apenas 1,88% dos comandantes e copilotos no Brasil


jambock

Recommended Posts

Meus prezados:

Mulheres representam apenas 1,88% dos comandantes e copilotos no Brasil
Média mundial de profissionais do sexo feminino no comando de aviões é 5%, de acordo com Institute for Women of Aviation

Apenas 1,88% dos pilotos e comandantes aéreos no Brasil são mulheres, segundo dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Esse número fica muito abaixo da média mundial de 5%, de acordo com dados do Institute for Women of Aviation, consórcio global sem fins lucrativos de empresas e organizações.

Passados 82 anos do feito da norte-americana Amelia Mary Earhart (1897-1937) – a primeira mulher a voar sozinha sobre o oceano Atlântico, em 20 de maio de 1932 – ainda não é possível verificar se o número de 637 pilotas e copilotas que trabalham na aviação civil brasileira hoje no Brasil tem crescido ou diminuído.

Já o número de homens tripulantes técnicos - excluindo comissários - chega a 33.190. Segundo a Anac, esse levantamento por gênero está sendo feito pela primeira vez no País neste ano.

Portanto, a comparação só será possível no fim de 2015.

De acordo com dados da Anac, há hoje em atividade no mercado doméstico de aviões 505 pilotas distribuídas entre aviação comercial, que contam com 220 profissionais do sexo feminino; privada; com 251, e de linha aérea, com 34. As outras 132 profissionais são pilotas de helicóptero.

Do número de comissários de bordo hoje em atuação, 67,7% composto por mulheres, o que equivale a 7.464, enquanto os homens são 3.547.

A Gol tem cinco comandantes e 13 copilotas, segundo informado em workshop promovido pela empresa em 4 de novembro em São Paulo.

Elizabeth Diniz, gerente de Tripulação Comercial da Gol, disse na ocasião que o número de mulheres entre tripulantes tem crescido. "É mais comum do que se imagina ver comissárias estudando e sendo aproveitadas internamente pela empresa para ir para a tripulação técnica, ser copiloto e comandante", ressaltou Elizabeth.

A TAM se destaca no setor onde 33.190 tripulantes técnicos são homem, ante 637 mulheres, por ter no comando, desde maio de 2013 uma presidente mulher – Cláudia Sender, de 39 anos. Segundo a companhia, neste ano, a empresa opera voos com quatro comandantes, 24 copilotas e 3.448 comissárias.

Já a Avianca tem em seu quadro técnico de tripulantes duas comandantes, cinco copilotas e mais de 50% dos comissários são mulheres.

Fonte: Último Segundo via CECOMSAER 17 nov 2014

Link to comment
Share on other sites

E na Azul??

Garanto que lá tenha mais mulheres tanto copilotos quanto comandantes...

 

Também não entendo pq aqui no Brasil nós somos minoria, talvez seja mais cultural, já que em países da Europa e EUA existem mais mulheres em trens, onibus e caminhões também.

Link to comment
Share on other sites

eu acho que é uma questão de interesse...tem mais homem interessado na atividade do que mulher, então naturalmente vão ter mais cmte/copila homem. Só isso e pronto acabou.

Também acho que é isso.

Link to comment
Share on other sites

eu acho que é uma questão de interesse...tem mais homem interessado na atividade do que mulher, então naturalmente vão ter mais cmte/copila homem. Só isso e pronto acabou.

Concordo, assim como se analisarmos algumas profissões como nutrição, enfermagem, terapia ocupacional, serviço social, veremos que as mulheres são fortemente predominantes.

Link to comment
Share on other sites

Isso é normal!!!

Tem áreas que temos um interesse masculino maior, exatas, por exemplo!!

E outras, onde as mulheres se interessam mais, exemplo, algumas profissões da área da Saúde.

Fisioterapia, enfermagem e outras.

E outras ainda, temos uma tendência ao equilíbrio. Ex: direito, medicina, administração e outras muitas

Link to comment
Share on other sites

O mundo sempre "separou" algumas classes para "mais" masculinas ou "mais" femininas muito por causa do machismo do passado... entretanto hoje em dia eu já vejo uma hemogeneização em todas as classes e áreas... podemos até observar mulheres em ascensão enorme em áreas tal como a construção civil...

Bom.. vamos ao tópico... hehe

Não querendo criar polêmica porém não podemos deixar de analisar um fator interessante... não vou citar nomes de empresas nem nada...

Algumas empresas estão dando preferência para homens até para as vagas de comissários em virtude de alguns fatores tais como a licença maternidade.. sempre que uma tripulante "entra" nesse status e se afasta a escala sofre... quando são várias simultâneas... vixi...

Não adianta... a empresa normalmente vai analisar o lado dela e não dos "direitos iguais"...

Link to comment
Share on other sites

E digo mais, pelo que tenho visto, dessas mulheres tripulantes, pelo menos 60% são gatas hehhehe

 

Não era comandante, mas a umas semanas atrás voei com uma comissária na Gol, que peloamordedeus queria uma turbulência pra poder segurar na mãozinha dela... êêê trem bão....

 

 

 

Abraços

Link to comment
Share on other sites

  • 8 months later...

Meus prezados
Cada vez mais mulheres "voam" atrás do sonho de pilotar
Elas avançam em uma profissão que já foi quase que exclusivamente masculina

O número ainda é imensamente menor que o de homens mas, a cada década a presença de mulheres em cursos de formação de pilotos de avião e helicópteros vem avançando. Os números da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) comprovam isso: em 2000 foram emitidas 13 licenças de Piloto Comercial de Avião para mulheres e em 2012 esse número subiu para 59. No total, incluindo aviões e helicópteros, as mulheres receberam 711 licenças em 2000 e 10 anos depois, as licenças femininas praticamente dobraram, chegando em 1.376.

“Há 30 anos, era impensável ver uma mulher dentro da cabine de pilotagem e a tripulação era composta somente por comissárias de bordo, com muito charme e glamour. Atualmente, os papeis se inverteram e, tanto homens como mulheres, estão provando que não existem diferenças que impeçam a realização das tarefas”, comenta o coordenador do curso de Pilotagem do Centro Tecnológico Positivo, Fábio Augusto Jacob. Segundo ele, a tendência é que elas assumam o comando, assim como fizeram em outras tantas áreas.

Um bom exemplo é a curitibana Thais Caroline Zuccoli, aluna do curso de Pilotagem. Já formada em Enfermagem e descontente com a profissão, ela procurou no ar outra área de interesse. “Comecei o curso de comissária de voo em 2012 e logo me despertou a vontade de pilotar. Me formo no final do ano e não me imagino fazendo outra coisa”, conta.

Thais ainda divide os bancos da sala de aula onde 90% dos alunos são do sexo masculino, mas garante que a mudança está acontecendo — e com excelentes representantes. “É muito gratificante e surpreendente ver outras mulheres nas salas de aula, aeroclubes e nos cockpits. Eu e minhas colegas procuramos desempenhar a profissão da melhor maneira possível para alçar voos cada vez mais altos, em todos os sentidos”, afirma.

Olhada
Colega de Thais no curso do Positivo, Luísa Woehl também está perto de se formar, e conta como decidiu se tornar uma piloto. “Eu sempre gostei de olhar, de ver essas coisas. Meu pai sempre teve aviãozinho em casa. Mas nunca tinha pensado como profissão. Foi quando cheguei no terceirão (ensino medio), todas as profissões que eu procurava não gostava, não me via fazendo. Eu tinha um amigo que o tio era piloto, ele falou para eu dar uma olhada no curso. Estou adorando’, conta.

“Minha mãe sempre incentivou a gente a fazer o que nos fizesse feliz. Ela achou estranho, por não ser uma profissão muito comum, tanto para homem como para mulher, mas ela super me apoiou. Ela também tem um primo que é piloto, então foi tranquilo. Meu pai também adorou, ele sempre gostou bastante dessas coisas”.

Licenças em Atividade

.....................................................Homens Mulheres Total
Piloto Privado – Helicóptero ,,,,,,,,,,,246......... 6 .........252
Piloto Comercial – Helicóptero ......1.077...... 21....... 1.098
Piloto de Linha Aérea – Helicóptero 772....... 11......... 783
Total de Pilotos de Helicóptero....... 2.095..... 38 .......2.133

.....................................................Homens Mulheres Total
Piloto Privado – Avião.................... 2.919 ......71 .......2.990
Piloto Comercial – Avião................ 5.720...... 99 .......5.819
Piloto de Linha Aérea – Avião........ 5.092...... 27 .......5.119
Total de Pilotos de Avião.............. 13.731.... 197...... 13.928

............................................................Homens Mulheres Total
Comissário.......................................... 2.818 .....6.185.... 9.003
Mecânico de Manutenção Aeronáutica 11.263... 129.... 11.392

* Tabelas atualizadas em abril de 2015. Fonte: Anac

Fonte: jornal BemParaná via CECOMSAER 18 AGO 2015

Link to comment
Share on other sites

Cara, é só ir no curso de PPA e ver a quantidade de mulher matriculada, quase zero. Das que fazem o curso e continuam, TODAS chegam lá. Sim, TODAS. Geralmente são beneficiadas por isso na verdade. Quem vive o dia a dia de aeroclube sabe do que to falando. Então é uma pura questão de desinteresse feminino o fato de ter pouca mulher comandante e copila, só isso. Assim como tem menos homem fazendo balé e etc...

Link to comment
Share on other sites

Cara, é só ir no curso de PPA e ver a quantidade de mulher matriculada, quase zero. Das que fazem o curso e continuam, TODAS chegam lá. Sim, TODAS. Geralmente são beneficiadas por isso na verdade. Quem vive o dia a dia de aeroclube sabe do que to falando. Então é uma pura questão de desinteresse feminino o fato de ter pouca mulher comandante e copila, só isso. Assim como tem menos homem fazendo balé e etc...

Na verdade não exatamente todas, mas entendi perfeitamente...

Link to comment
Share on other sites

Quando o mercado está aquecido existe uma " cota" das linhas para as mulheres, nada oficial, mas como é politicamente correto sempre existe uma boa vontade em dar oportunidade para o sexo feminino em um mercado tão dominados pelos homens. Tipo direito das minorias, o que é prática das boas empresas nas mãos diversas áreas.

Porém qd o mercado está desaquecido as coisas ficam mais difíceis.

Primeiro que muitos táxis aéreos não contratam por motivos de economia de hospedagem. ( quarto duplo ainda é comum em táxis menos estruturados.

Também rola preconceito em algumas executivas. Tipo ciúme da mulher do piloto, ciúme da mulher do patrão dentre outros preconceitos.

Resumindo, na minha opinião, dependendo do momento ser mulher pode ajudar ou atrapalhar

Link to comment
Share on other sites

Infelizmente ainda há um problema cultural muito sério no que se refere às mulheres na aviação. Tem gente que torce o nariz, tem gente que ainda duvida da capacidade e, além disso, ainda há a questão familiar muito presente. Sei de histórias de meninas que tiveram que enfrentar o mundo sozinhas para conseguirem pilotar, enfrentando enormes resistências familiares.

 

Existe a incerteza pela questão da minoria, mas acredito que este não seja o fator de repulsa. São vários fatores além deste, e muito mais fortes.

 

Outro dia voei com uma copiloto (ou copilota? kkkk) fantástica. Atenta, educada, delicada, um doce de pessoa. Operação padrãozinha, menina super detalhista. Tratava a todos com muito carisma, sempre com tom de voz adequado. E, além disso, mandou uns pousos que até hoje não consegui fazer.

 

É certo que o mercado está muito mais aberto para as mulheres, mas as resistências continuarão por um bom tempo ainda (como o Lucas muito sabiamente colocou no post acima).

Link to comment
Share on other sites

Não sei se é possível falar sobre o assunto deixando de lado o "politicamente correto", machismo e o preconceito que cerca o assunto, mas vamos tentar...

Desconsiderando que na minha turma da TAM a única colega que não conseguiu chegar ao final do treinamento era mulher, posso dizer que enquanto eu fui copiloto tive a oportunidade de voar com inúmeras comandantes mulheres, até então achava que o sexo pouco influenciava no exercício da profissão e que quem reclamava era machista, preconceituoso, etc... Depois de alguns anos voando na esquerda e tendo a oportunidade de voar com copilotos do sexo feminino me deparei com a situação onde 90% delas encontravam-se muito abaixo do nível técnico (prático) dos copilotos masculinos com o mesmo número de horas de voo. Mesmo voando em outro país esse fenômeno se repete e continuo a observar que as "copilotas" apresentam uma dificuldade enorme tanto de handling como de gerenciamento do voo. Mesmo com as "copilotas" mais experientes sinto aquela falta de fluidez no voo e parece que estão constantemente "lutando" contra a aeronave, não consigo explicar. E devido a mais uma coincidência da vida nesse novo emprega tive que "tomar os comandos" durante o pouso uma única vez até o momento, e adivinhem? A empresa possui dezenas de comandantes mulheres e devido ao alto nível de exigência acredito que todas sejam extremamente competentes na função, porem continuo a observar essa situação onde 90% das "copilotas" que eu tenho a oportunidade de voar encontravam-se muito abaixo do nível técnico dos copilotos masculinos com o mesmo numero de horas de voo e quando converso de maneira séria com outros colegas da mesma função chego a conclusão que essa não é só a minha opinião. Talvez tamanha dificuldade com o voo tenha uma origem biológica onde o cérebro e a linha de raciocínio são nitidamente diferentes entre os sexos. São profissionais extremamente eficientes em tudo que envolve a parte teórica e até mesmo nas relações interpessoais, mas nã hora de voar não conseguem colocar a teoria em prática. Como disse é um assunto delicado e difícil de abordar sem ser rotulado de machista ou preconceituoso, porem oq observo na prática é um numero infinitamente maior de pilotos homens quem "nasceram para a coisa". Gostaria da opinião dos colegas e que principalmente o discussão fosse mantida em um nível profissional. Que nenhuma piloto feminina se sinta ofendida com as minha observações ao ler o post.

Link to comment
Share on other sites

Respeito sua opinião, mas posso dizer que, até hoje, voei bastante com os 10%(sic) de mulheres competentes que você citou. Fracos existem! e observei em todos os nichos de cor, religião gênero e opção sexual.

 

 

Pra mim não tem essa de atividade pra cada gênero, a pessoa é para o que nasce, e se dedica pra ser independente do que tem entre as pernas.

 

Que as mulheres conquistem cada vez mais esse espaço, certamente todos só temos a ganhar, inclusive aprender a ser mais tolerantes.

Link to comment
Share on other sites

Pois é, estou compartilhando uma observação que fiz baseada nos meus 20 anos de profissão, coloquei o dedo na ferida justamente para tentar discutir com gente mais experiente que eu. Ao contrário de você eu acho sim que a aviação é algo que a pessoa tem que "nascer para isso", principalmente devido as habilidades necessárias para conduzir um voo. Hoje talvez o automatismo esteja mascarando grande parte das deficiências dos que não "nasceram para a coisa", mas acredito sim que em uma visão mais generalizada não só o sexo influencia nas habilidades do piloto. Pergunte para quem voa na Ásia, não sei se é cultural ou genético mas o povo de lá segundo os colegas também não leva jeito para a coisa, não possuem a tal cultura aeronáutica. Realmente difícil expor as ideias sem parecer preconceituoso, mas os fatos realmente me levam a pensar sobre oq escrevi acima. Por outro lado não sou nenhum especialista em cultura aeronáutica, então posso estar falando bobagem aqui.

Link to comment
Share on other sites

Pois é, estou compartilhando uma observação que fiz baseada nos meus 20 anos de profissão, coloquei o dedo na ferida justamente para tentar discutir com gente mais experiente que eu. Ao contrário de você eu acho sim que a aviação é algo que a pessoa tem que "nascer para isso", principalmente devido as habilidades necessárias para conduzir um voo. Hoje talvez o automatismo esteja mascarando grande parte das deficiências dos que não "nasceram para a coisa", mas acredito sim que em uma visão mais generalizada não só o sexo influencia nas habilidades do piloto. Pergunte para quem voa na Ásia, não sei se é cultural ou genético mas o povo de lá segundo os colegas também não leva jeito para a coisa, não possuem a tal cultura aeronáutica. Realmente difícil expor as ideias sem parecer preconceituoso, mas os fatos realmente me levam a pensar sobre oq escrevi acima. Por outro lado não sou nenhum especialista em cultura aeronáutica, então posso estar falando bobagem aqui.

Sim!

 

Com certeza meu espaço amostral é bem menor que o seu, durante minha vida entre instrução, malote, taxi aéreo e instrução de novo voei com 8 mulheres:

 

2 era excepcionais - certamente nasceram pra aquilo, não me deram susto, consciência situacional ótima, "airwomanship" impecável e eram excelentes pessoas

3 eram padrão - não me deram susto, fizeram o que se esperava delas e não me surpreenderam nem decepcionaram

1 era complicada mas humilde, atenta e esforçada (fui inva dela), pelo que sei foi em frente hoje voa bem lá pros lados de SBKP

1 era atenta, esperta e voava bem, só era extremamente insegura, ok,ela era copila, mas era "eu fiz certo?" pra tudo! se eu tivesse um treco ela tentaria me acordar pra perguntar onde pousava o avião!

1 era complicada, arrogante desleixada e perigosa,ela fazia o curso de inva e enfiei a mão no manche em 3 pousos dela pra não aparecermos no Datena as 18h, fui bem sincero com ela do debriefing e foi um dos poucos nota 1 que eu dei enquanto fui INVA, era conhecida por dar carteiradas por ser filha de cmte e cms da gol. Espero de coração que essa tenha desistido.

 

O que eu quero dizer é que esse casos acima não destoaram do que eu encontrei entre homens, por exemplo, (exceto aluno de pp/pc arrogantes! nesse quesito homens ganhavam disparado!) talvez mais pra frente minha opinião mude, não sei. Mas algo que eu acho que influencia é a noção das moças de que elas estão num meio que não é delas. Isso gera talvez um nervoso, uma insegurança, uma que atrapalha tudo quando se está com a bunda no banco. Como se elas achassem que tem que ser sempre as melhores pra vencer num território muito masculino e ainda bastante machista, esse afã de ser excelente as vezes atrapalha tudo.

 

Mas é o que você disse, não sou sociólogo de aviação e meu espaço amostral é pequeno, mas acho que as moças tem sim seu espaço e tirar o cheiro de cueca da cabine é sempre bom! rs

 

abs!

Link to comment
Share on other sites

FOQA disse tudo que eu sempre tento dizer, mas não tenho paciência nem polidez.

 

Em 10 anos de aviação cheguei em uma conclusão parecida com a dele.

 

O fato de ter menos mulher do que homem obviamente é causado por falta de interesse feminino na profissão.

 

Mesmo as muito fracas, até perigosas com quem eu convivi/voei estão voando hoje, exceto as que já se mataram. Chego a conclusão de que tem mt piloto/proprietário/instrutor babão que da muita ajuda só pelo fato de serem mulheres.

 

Existem as exceções, mas como o nome já diz, são excessões.

Link to comment
Share on other sites

Sendo homem, sendo mulher, pouco importa.

 

Tem de encarar a profissão por VOCAÇÃO, e não por OPÇÃO.

 

Tem gente que entrou na profissão por OPÇÃO: ah, foi lá, viu um anúncio...passou na frente da escola/aeroclube e foi mundo adentro. Foi seduzido por um salário fantasioso, por um glamour que não existe mais, vive reclamando, e diz que não quer ver um avião na frente depois de desembarcar.

Tem gente que entrou na profissão por VOCAÇÃO: sempre quis, sempre quis, sempre quis. Obstáculos na trajetória só foram trampolim para subir e saltar mais alto, e buscar patamares cada vez mais elevados.

Tanto homem, quanto mulher , tem gente assim.

E é facil ver, quem entrou por opção, e quem entrou por vocação. Cristalino.

E, como disseram, é simplesmente porque a profissão até um certo tempo, só era fonte de interesse de homens. Agora está se tornando também das mulheres, e tomara que aumente.

Desde que com VOCACIONADAS, e não aquelas que OPTARAM em ser aviadoras.

Simples.

Talvez eu esteja sendo meio utópico. Mas encaro as coisas dessa forma.

Abraços.

Link to comment
Share on other sites

Onde aprendi a voar, por um certo tempo o numero 1 da senioridade foi ocupado por uma mulher. Instrutora, checadora, mais de 5000 horas dual given e tive a sorte de fazer meu curso de IFR com ela, extremamente técnica, rígorosa e quase perfeccionista, extremamente educada e gentil (nao quando checadora), foi o meu check mais facil de todos. Foi a unica mulher com quem voei.

Link to comment
Share on other sites

Um dia que estava nublado em presidente prudente eu estava na escuta e estava chegamdo um voo da G3 e o procedimento era o Delta03. Pasme a aeronave bloqueo 5 vezez e nao pousava....advimhem quem tava executando

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade