Jump to content

Bombardier e Boeing na disputa por uma fatia da aviação regional brasileira


jambock

Recommended Posts

Meus prezados:

Fabricantes na disputa por uma fatia da aviação regional

Bombardier e Boeing criam estratégias para não deixar mercado na mão da Embraer

 

Dispostas a não deixar a brasileira Embraer reinar absoluta no mercado de aviação regional no Brasil — que prevê a abertura ou melhora de 240 aeroportos no país —, os concorrentes começam a se mexer. A canadense Bombardier inaugurou este mês seu escritório brasileiro, na cidade de São Paulo, disposta a aumentar sua visibilidade no mercado brasileiro.

Alex Glock, vice-presidente regional de Vendas da América Latina, diz que não está preocupado com a competição com a rival brasileira. O momento agora,diz, é de reforçar laços. Segundo o executivo, já estão sendo conduzidas conversas com as principais companhias aéreas para a negociação de modelos que se adaptem ao mercado regional. Glock aponta o turboélice Q400 NextGen, de 80 assentos, como o "estado da arte da tecnologia" e o ideal para as futuras rotas que serão abertas no país.

"O projeto da aviação regional está nos nossos planos e queremos participar disso. Temos aviões com mais alcance", afirma. Glock diz que um passo importante nesse momento é fazer com que os potenciais clientes no Brasil e na América Latina conheçam os produtos da fabricante mais a fundo. "Por isso a estratégia de estar mais presente na região", diz. A Bombardier faturou US$ 18,2 bilhões em 2013.

A presidente para o Brasil e América Latina da Boeing, Donna Hrinak, tem na Gol uma parceria de longo prazo e que poderá se estender para a aviação regional. "A Boeing está orgulhosa de sua parceria de longa data com a Gol. Trabalhamos de forma próxima à companhia para entender suas necessidades", comenta a executiva, destacando os modelos 737 Max como os ideais para rotas regionais.

Segundo ela, nos últimos cinco anos, a Boeing entregou 62 aeronaves comerciais avaliadas em cerca de US$ 7 bilhões para o Brasil. "Nossa perspectiva de mercado prevê que a região da América Latina terá uma demanda de cerca de 2.950 aeronaves comerciais, avaliadas em US$ 340 milhões, nos próximos 20 anos.

O Brasil representa cerca de 40% do mercado latino americano. É claramente uma área chave para a Boeing", completa. A Embraer afirma que o programa da aviação regional pode gerar demanda por jatos regionais não só para ela como para seus concorrentes globais, exatamente como ocorre em todas as demais regiões do planeta. A família E-jets é o ouro da Embraer para este mercado. No Brasil, somente os modelos E190, de até 114 assentos, e E195, com até 124 lugares, são comercializados.

O E175, com até 78 poltronas, é forte no mercado americano, com 234 pedidos firmes ou quase 80% das encomendas na categoria. Há interesse pelos E-Jets em mercados como Leste Europeu, África, Oriente Médio, China (onde a Embraer detém 90% do mercado de jatos100 assentos) e Ásia-Pacífico.

O professor e especialista em aviação, Jorge Leal, da USP, acredita que a Bombardier tem condições mais fortes de competição, já que seus aviões, com menos de100 assentos, conseguem operar em aeroportos com pistas menores e isso aumenta a capilaridade das aéreas. "Eles vão marcar presença e devem apresentar preços bastante competitivos", comenta.

Fonte: Erica Ribeiro para jornal Brasil Econômico via CECOMSAER 27 nov 2014

Link to comment
Share on other sites

"A presidente para o Brasil e América Latina da Boeing, Donna Hrinak, tem na Gol uma parceria de longo prazo e que poderá se estender para a aviação regional. "A Boeing está orgulhosa de sua parceria de longa data com a Gol. Trabalhamos de forma próxima à companhia para entender suas necessidades", comenta a executiva, destacando os modelos 737 Max como os ideais para rotas regionais."

 

Respeito e sou fã da Boeing ...

 

Mas daí a dizer que o 737 é ideal para rotas regionais é forçar demais a barra ...

Link to comment
Share on other sites

"Alex Glock, vice-presidente regional de Vendas da América Latina, diz que não está preocupado com a competição com a rival brasileira. O momento agora,diz, é de reforçar laços. Segundo o executivo, já estão sendo conduzidas conversas com as principais companhias aéreas para a negociação de modelos que se adaptem ao mercado regional. Glock aponta o turboélice Q400 NextGen, de 80 assentos, como o "estado da arte da tecnologia" e o ideal para as futuras rotas que serão abertas no país."

 

A afirmação do senhor Glock já é mais próxima da realidade ...

 

O difícil é a concorrência com a ATR ...

 

Para quem não conhece, o artigo a seguir faz uma excelente comparação entre o Q400 e o ATR72:

 

 

Proud to fly a Turboprop: Q400 vs ATR72

 

http://theflyingengineer.com/aircraft/proud-to-fly-a-turboprop-q400-vs-atr72/

Link to comment
Share on other sites

Nobre Grumman F-14 Tomcat,

 

De total acordo com os seus dois tópicos. Sobre o comparativo, há coisa de dois anos li um mais ou menos parecido, menos detalhado, mas que demonstrava os mesmos resultados desse, que é bem mais elaborado.

 

Abraços,

 

Navegador.

Link to comment
Share on other sites

"A presidente para o Brasil e América Latina da Boeing, Donna Hrinak, tem na Gol uma parceria de longo prazo e que poderá se estender para a aviação regional. "A Boeing está orgulhosa de sua parceria de longa data com a Gol. Trabalhamos de forma próxima à companhia para entender suas necessidades", comenta a executiva, destacando os modelos 737 Max como os ideais para rotas regionais."[/size]

 

Respeito e sou fã da Boeing ...

 

Mas daí a dizer que o 737 é ideal para rotas regionais é forçar demais a barra ...

Acho que não falou realmente sério, 737 ser o ideal para rotas regionais?

Link to comment
Share on other sites

O ATR e o Q400 são duas grandes aeronaves!

 

O ATR é imbatível em economia.

 

O Q400 é imbatível em desempenho.

 

Para rotas com mais de cerca de 600 nm, o Q400 fica mais econômico, por ser mais veloz.

Link to comment
Share on other sites

Aí que ta, 600nm não é mais regional kkk

 

Ué, depois que a GOL jura fazer regional na linha CNF-ATM meu caro, tudo é regional agora, basta não ser voo capital-capital. 737 regional me fez lembrar a RIO-SUL e o seu invento o 737-500 REGIONAL

Link to comment
Share on other sites

 

Ué, depois que a GOL jura fazer regional na linha CNF-ATM meu caro, tudo é regional agora, basta não ser voo capital-capital. 737 regional me fez lembrar a RIO-SUL e o seu invento o 737-500 REGIONAL

 

Não foi o Rolim com o Fokker 100 que inventou isso?

Link to comment
Share on other sites

 

Não foi o Rolim com o Fokker 100 que inventou isso?

 

O Fokker 100 era chamado de Jato de Congonhas nas publicidades, mas não houve até onde eu lembre da alcunha regional no nome do avião (Ex. Fokker 100 Regional), já o 737-500 quando chegou tinha em vermelho próximo a porta dianteira Boeing 737-500 REGIONAL... o que não era novidade tratando-se do grupo RG já que o 737-200 Advanced virou Super Advanced, bem como o Constellation Super I (contra os Super H da Real)...

 

Alias faz falta isso hoje né? Desde o "jet class" nenhum avião mais ganhou batismo, em tempos de TRIP houveram sugestões ao Zé Mário para que o ATR600 fosse chamado de Super 600 para ser "melhor que os da Azul" mas na época ele disse que o pessoal estava deixando de ser técnico para ser marketeiro (a sugestão veio da área de manutenção). Nossa aviação já foi mais engrenada em termos de "disputas de marketing"...

Link to comment
Share on other sites

Q400... OMG...

Aí sim....

 

tomara, tomara...pena que avião canadense é caro demais de manutenção....

e aí, a Kombizinha francesa é imbatível..

 

Enfim, veremos. Se vier, vai ser um belo atrativo voar esse maquinão!

Link to comment
Share on other sites

"A presidente para o Brasil e América Latina da Boeing, Donna Hrinak, tem na Gol uma parceria de longo prazo e que poderá se estender para a aviação regional. "A Boeing está orgulhosa de sua parceria de longa data com a Gol. Trabalhamos de forma próxima à companhia para entender suas necessidades", comenta a executiva, destacando os modelos 737 Max como os ideais para rotas regionais."

 

Respeito e sou fã da Boeing ...

 

Mas daí a dizer que o 737 é ideal para rotas regionais é forçar demais a barra ...

 

Quero ver um 737 em Governador Nunes Freire, uma cidadezinha minuscula aqui do Maranhao q invetaram q fazer um aeroporto regional

Link to comment
Share on other sites

Q400... OMG...

Aí sim....

 

tomara, tomara...pena que avião canadense é caro demais de manutenção....

e aí, a Kombizinha francesa é imbatível..

 

Enfim, veremos. Se vier, vai ser um belo atrativo voar esse maquinão!

Pois é, Gabas!

 

Esse ATR despacha ate com 1 asa, "provided..........."

 

Também torço para que venham Q400!

Link to comment
Share on other sites

 

Quero ver um 737 em Governador Nunes Freire, uma cidadezinha minuscula aqui do Maranhao q invetaram q fazer um aeroporto regional

 

Obviamente um 737 "Regional" vai operar em destinos "grandes" e não destinos que um C208 dá conta...

Link to comment
Share on other sites

Eu sei... Aff.... O povo precisa estudar mais interpretação textual por aqui pra poder distinguir o q eh sarcasmo ou não

 

Enviado de Narnia pelo Tapatalk

Link to comment
Share on other sites

Posted · Hidden by A345_Leadership, December 1, 2014 - existe o like
Hidden by A345_Leadership, December 1, 2014 - existe o like

:lol: :lol: :lol: :lol: :lol: :lol: :lol: :lol: :lol:

Link to comment

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade