Jump to content

Air New Zealand bumps up fleet and looks at destinations in US, South America


AF085

Recommended Posts

December 8, 2014 - 5:18PM

 

 

By Jamie Freed

Article%20Lead%20-%20wide63954222122rq9i

Air New Zealand plans to order two more Boeing 787-9 Dreamliners for its fleet. Photo: Bloomberg

Air New Zealand has firmed up orders for two additional Boeing 787-9s and will look to add new destinations in South America and the United States as it embarks on a phase of capacity growth.

Chief executive Christopher Luxon said the airline would increase overall capacity by more than 5 to 6 per cent a year over the next five years now that the business was stronger and profitability had improved.

"That is a fantastic level of growth and that is profitable growth we are after there ... [and] these aircraft come on top of that," he said after a speech to the National Aviation Press Club in Sydney on Monday. "We are taking those profits and we are ploughing them straight back into the business, whether it be new fleet, lounges, technology or customer service training."

The two new 787-9s will bring its total on order to 12, with six remaining purchase options. The first of the new orders will arrive in late 2017 and the second in the second half of 2018.

 

Mr Luxon said Air NZ was looking to announce the airline's first flights to South America "shortly", although he would not reveal the destination.

Air NZ is also considering a new destination in the US. The airline already serves Los Angeles, San Francisco and Vancouver, Canada, but Mr Luxon said he believed there was room for additional growth in that market.

"We will keep exploring that and keep working on that in the new year," he said. "It will be with a 777."

Sources have said Las Vegas, Houston and Chicago are under consideration, but Mr Luxon declined to confirm that. None of those destinations are served directly from Australia, so they could prove an enticing option for Australians looking for a one-stop flight transiting through Auckland.

Mr Luxon said Air NZ's 787-9s, which fly to Perth and Asian destinations, had performed better than expected. But Air NZ is continuing to fly 777-200s and 777-300s to the US because those aircraft have a higher number of business class seats.

"What we are finding is the 787-9 works perfectly for Asian markets because predominantly what we have is a high proportion of inbound leisure tourists doing a once-in-a-lifetime tour or visiting New Zealand," he said. "In America, what we are finding is we have a slightly higher corporate mix, business mix as well as higher yielding, wealthier leisure travellers."

Mr Luxon, who has a background in consumer products through years of working for Unilever, said Air NZ was taking a focused approach to the addition of new routes.


Read more: http://www.smh.com.au/business/aviation/air-new-zealand-bumps-up-fleet-and-looks-at-destinations-in-us-south-america-20141208-122re6.html#ixzz3LLOeWWvI

Link to comment
Share on other sites

  • Replies 73
  • Created
  • Last Reply

Air NZ expands Dreamliner fleet

5:00 AM Tuesday Dec 9, 2014

 

4abdb5a50f93ae23050644483a993e03e5b3cb66
Air New Zealand was the launch customer for the Boeing 787-9 Dreamliner. Photo / Peter Meecham

Air New Zealand will buy two more Boeing 787-9 Dreamliners and is looking at new places to fly.

The extra planes will take the total number in the fleet to 12 within the next four years.

The NZX-listed airline was the launch customer for the 9-series, the second version of the fuel-efficient plane, and has had three already delivered. They have been used on Australian and Asian routes for the past three months.

Air New Zealand is nearing a decision on a new United States route in addition to Los Angeles and San Francisco and chief executive Christopher Luxon said a new global destination would be announced soon.

"We hope to make an announcement around a new market before Christmas."

He has said previously that a South American country was missing from Air New Zealand's route map and yesterday said this was still being studied. India was also suggested as a possible destination when the airline first opted for the Dreamliner and that country is seen as a growth market.

The airline is benefiting from strong demand and falling fuel prices and is on track to improve significantly on last year's $244 million profit.

"We can only open up new markets because of the profits. We only buy these aircraft because of that," he said. "All the investments coming into our business are quite profound and putting us on a very aggressive growth platform. It's profitable growth."

Being the launch customer for the 787-9 meant the airline was able to get a good deal on the planes it ordered originally. Unlike some other airlines, Air New Zealand stuck with the plane maker throughout years of delays in developing and building the Dreamliner.

"I think we're getting a really good deal with it. Being in with Boeing from the very beginning was very helpful."

The airline was also able to access cheaper funding compared to most airlines because of its relatively strong credit rating.

The planes are made up of about 50 per cent carbon fibre and typically sell for between $150 million and $200 million.

luxon.jpg
Christopher Luxon says the Dreamliners are exceeding performance expectations. Photo / NZME.

Luxon said Dreamliners already in service were exceeding performance expectations.

"We love the aircraft, it's gone slightly better than we expected and we had pretty high expectations."

On the Auckland-Perth route there had been a "significant" uplift in traffic as passengers opted to travel on them.

New destinations being considered in the United States include Chicago, Houston and Las Vegas and the decision is seen as a close call.

More Dreamliners gave the airline more opportunities in North America and in other countries, he said.

"For us there's a number of options - we could put them on 777 routes and redeploy them [777s] elsewhere or put them into new locations."

The two additional aircraft are expected to be delivered in late 2017 and the latter half of 2018 respectively. The airline has another six 787-9 purchase options still available.

Salt Funds Management director Paul Harrison said the aircraft were perfect for the airline's long, thin routes - where there were not huge passenger volumes.

Harrison said flights into South America were more likely in partnership with another carrier. New routes required roughly $50 million in revenue a year to make them profitable.

Air New Zealand shares closed down 1c at $2.38 yesterday after a 22 per cent surge last month.

 

- NZ Herald

http://www.nzherald.co.nz/business/news/article.cfm?c_id=3&objectid=11370966

 

No Chile, especulam sobre EZE ou SCL, ou até LIM.

 

SIA talvez na jogada, mas SIN-AKL-GRU é mais distante do que SIN-BCN-GRU......não creio.

Link to comment
Share on other sites

Brasil é o principal mercado para Austrália no continente

Panrotas.com.br

 

Mesmo não tendo voo direto, o Brasil já é o principal mercado na América do Sul para Austrália, superando inclusive a Argentina, que por anos contou com uma ligação diária para Sydney, e Chile, que mantêm voos de Santiago para Sydney com a Lan e Qantas. Entre setembro de 2013 a setembro de 2014 foram 42 mil brasileiros visitando o país da Oceania.

 

Mais importante do que a quantidade de turistas é quanto estes turistas estão gastando. E neste quesito o Brasil também lidera com folga o ranking sul-americano. Neste mesmo período os brasileiros gastaram cerca de 326 milhões de dólares australianos (AUD), um crescimento de 18% se comparado com setembro de 2012 a setembro de 2013.

 

Ao portal PANROTAS, a vice-presidente do Turismo da Austrália para América do Sul, Jane Whitehead, confirmou que o foco é trabalhar o mercado brasileiro com mais ênfase para que em 2020 os gastos dos brasileiros cheguem a 780 milhões AUD.

 

“Nossa projeção é em relação aos gastos e nossa meta é mais do que dobrar em cinco anos”, afirmou Jane, que está no País para fazer uma sucessão de visitas a agências de viagens Virtuoso e a operadoras, sempre ao lado de Daniele Roman, vice-presidente da Interamerican, empresa que há três anos é responsável pela promoção do destino no Brasil.

 

Além de participação em feiras e eventos, a Austrália conta com o Aussie Specialist, treinamento on-line para agentes de viagens sobre o destino. A capitação tem versão em português e já está disponível para os agentes de viagens, basta clicar aqui.

Link to comment
Share on other sites

Engana-se quem pensa que o mercado estaria restrito apenas a Brasil-Oceania. GRU-AKL-NRT poderia ser um produto bastante competitivo e certamente ajudaria a viabilizar o voo.

Link to comment
Share on other sites

Para o passageiro que mora na Australia a diferença de preço entre Qantas e Air New Zealand para se voar aos EUA é grande ?? Pergunto isso porque não entendo a vantagem para quem mora na Australia chegar aos Estados Unidos passando por Auckland. Não é mais prático ir de Qantas até Los Angeles ou Dallas e de lá conectar com a American para qualquer cidade do país ??

 

Ou seria a Air New Zealand bem mais barata nesses futuros vôos até Las Vegas, Chicago ou Houston ?

Link to comment
Share on other sites

Aposto Houston como novo destino da NZ na América do Norte. LAS é perto de LAX e o tráfego é mais leisure e sem apoio local da SA. Chicago longe demais e implicaria em back-tracking para alguns pontos. Houston é hub da UA e boa localização e fora que a própria UA iria lançar IAH-AKL de Dreamliner.

 

Engana-se quem pensa que o mercado estaria restrito apenas a Brasil-Oceania. GRU-AKL-NRT poderia ser um produto bastante competitivo e certamente ajudaria a viabilizar o voo.

Norte da Ásia eles teriam que apostar em preço, mas Indonésia, Cingapura, Malásia e obviamente Austrália são bem competitivos.

 

AKL-NRT ????

Sim, a NZ voa para Tokyo.

 

Para o passageiro que mora na Australia a diferença de preço entre Qantas e Air New Zealand para se voar aos EUA é grande ?? Pergunto isso porque não entendo a vantagem para quem mora na Australia chegar aos Estados Unidos passando por Auckland. Não é mais prático ir de Qantas até Los Angeles ou Dallas e de lá conectar com a American para qualquer cidade do país ??

 

Ou seria a Air New Zealand bem mais barata nesses futuros vôos até Las Vegas, Chicago ou Houston ?

Não saberia dizer, mas a NZ captura um bom público de cidades secundárias australianas. Fora que ela percebeu bem antes da Qantas o avanço da ME3 e preferiu apostar nos EUA e Sudeste Asiático, além de cancelar o AKL-HKG-LHR.

Link to comment
Share on other sites

Como destino sul americano não vejo outra opção que não seja GRU.

 

EZE é dominado pela AR que é SkyTeam, fora que a situação econômica da Argentina não favorece o voo. A AR mesmo saiu da rota há algum tempo.

 

SCL não faz sentido, por já haver a presença da LA e QF, além de não haver conectividade com a SA.

 

Já GRU faria todo sentido com a entrada da AVB e quem sabe AD na Star. Fora que de GRU ela conseguiria captar clientes da AV Colômbia e poderia também firmar um interline com a G3.

 

A grande maioria dos pax que fazem os voos América do Sul - Oceania são brasileiros, então justificaria essa operação.

 

GRU-AKL-NRT seria uma excelente opção sim, desde que os horários fossem próximos, favorecendo a conexão. Fora que para um passageiro que vai do Brasil para alguma cidade que não seja Sydney ou Perth, precisa fazer obrigatoriamente duas paradas antes de chegar lá. Com esse voo seria possível fazer voos como GRU-AKL-MEL, GRU-AKL-BNE, GRU-AKL-OOL, GRU-AKL-CNS etc, com apenas uma conexão. Além de todas as outras opções de conexões para o sudeste asiático, que certamente aumentaria o Yield.

 

Mesmo na Y, as empresas que voam para a Oceania não cobram tarifas menores que USD 1500,00. É daí pra cima, por isso acredito o Yield não seja muito baixo.

Link to comment
Share on other sites

Só mais um detalhe:

 

Com o início de uma operação direta entre dois países, a demanda turística e comercial entre eles acaba crescendo por si só.

 

Ex 1: depois que a TAM iniciou as operações no México, o volume de pax viajando pra lá (especialmente CUN) cresceu absurdamente.

 

Ex 2: antes da EK entrar no mercado DXB-GRU, quase ninguém viajava a Dubai.

 

Ex 3: número de brasileiros visitando a Turquia após a entrada da Turkish.

 

Ex 4: destinos do Caribe antes do início da operações da G3

 

Claro que cada caso é um caso, mas vejo com muito bons olhos uma operação da Air New Zealand aqui. Como morei um tempo na Nova Zelândia pude ver a enorme quantidade de brasileiros que criou residência lá. Além disso, a demanda de estudantes é altíssima. A Nova Zelândia é um dos poucos países de língua inglesa que está com o câmbio (dólar neozelandês) na faixa de 2,00, fora que permite o trabalho para quem tem visto de estudo.

 

Tudo bem que estudante não traz dinheiro para empresa aérea, mas como franqueado de uma das maiores redes de agências de intercâmbio do Brasil, sei que especialmente os voos pra lá são bastante lucrativos, pois mesmo uma tarifa para estudante (temos negociações para vender tarifas com preços diferenciados) não sai por menos de BRL 3.800,00. A média de preços para esses voos vão de BRL 3.500,00 a BRL 9.000,00. Sempre que viajo pra lá, os funcionários e executivos de contas comentam que é uma das rotas mais lucrativas da LAN e eu não duvido que seja.

 

A Air New Zeland se dará muito se souber trabalhar o mercado brasileiro, caso decida voar pra cá.

Link to comment
Share on other sites

Fora que ela percebeu bem antes da Qantas o avanço da ME3 e preferiu apostar nos EUA e Sudeste Asiático, além de cancelar o AKL-HKG-LHR.

Sim, ela agora faz AKL-LAX-LHR e com grande sucesso além de nao sofrer a concorrência da ME3.

Link to comment
Share on other sites

AKL-NRT ????

Sim! Na nossa concepção cartesiana usual, que omite o fato de o planeta ser esférico, parece ser bem mais longe, mas o fato é que GRU-AKL-NRT se afasta apenas 12,8% da distância em linha reta. GRU-NYC-NRT é o traçado mais curto, mas a rota via AKL seria tão competitiva quanto via DXB.

 

No entanto, acredito que qualquer coisa a oeste do Japão já complique mais as coisas (plotei HKG no mapa como exemplo).

 

http://www.gcmap.com/mapui?P=gru-nrt%2C+gru-jfk-nrt%2C+gru-lax-nrt%2C+gru-fra-nrt%2C+gru-dxb-nrt%2C+gru-akl-nrt%2C+gru-hkg%2C+gru-dxb-hkg%2C+gru-akl-hkg&MS=wls&DU=km&SG=.83&SU=mach

Link to comment
Share on other sites

Como destino sul americano não vejo outra opção que não seja GRU.

 

EZE é dominado pela AR que é SkyTeam, fora que a situação econômica da Argentina não favorece o voo. A AR mesmo saiu da rota há algum tempo.

 

SCL não faz sentido, por já haver a presença da LA e QF, além de não haver conectividade com a SA.

 

Já GRU faria todo sentido com a entrada da AVB e quem sabe AD na Star. Fora que de GRU ela conseguiria captar clientes da AV Colômbia e poderia também firmar um interline com a G3.

 

A grande maioria dos pax que fazem os voos América do Sul - Oceania são brasileiros, então justificaria essa operação.

 

GRU-AKL-NRT seria uma excelente opção sim, desde que os horários fossem próximos, favorecendo a conexão. Fora que para um passageiro que vai do Brasil para alguma cidade que não seja Sydney ou Perth, precisa fazer obrigatoriamente duas paradas antes de chegar lá. Com esse voo seria possível fazer voos como GRU-AKL-MEL, GRU-AKL-BNE, GRU-AKL-OOL, GRU-AKL-CNS etc, com apenas uma conexão. Além de todas as outras opções de conexões para o sudeste asiático, que certamente aumentaria o Yield.

 

Mesmo na Y, as empresas que voam para a Oceania não cobram tarifas menores que USD 1500,00. É daí pra cima, por isso acredito o Yield não seja muito baixo.

 

 

Poderia ser um AKL-SCL-GRU?

 

Acho que é um consenso quanto à viabilidade de GRU. Colocaria como outra hipótese LIM, hub secundário da Avianca.

Link to comment
Share on other sites

En el anuncio ANZ está hablando de destinos en América del Sur, entonces una buena opción podería ser AKL-LIM-GRU.

 

En LIM tiene como socia a AV en la Star Alliance para conexiones y GRU como destino importante de brasileros a Oceanía.

Link to comment
Share on other sites

Não acho que LIM seja uma boa opção: está muito ao Norte e alongaria a viagem GRU-AKL em 1.200 milhas. A LAN/Qantas manteria uma grande vantage na rota Brasil-Oceania.

Link to comment
Share on other sites

O maior mercado é Brasil=>Oceania, não Oceania=>Cusco/Machu Picchu.

 

LIM é muito distante pra quem quer ter vantagem competitiva sobre QF/LA em SCL.

 

LIM é Hub da Star Alliance. Não me parece tão absurdo, embora entenda que GRU - EZE - AKL é mais "seguro". Teriam que apostar forte em interline com G3 e AD.

Link to comment
Share on other sites

Tendo em vista um planejamento mais de longo prazo, AKL-LIM não é uma opção tão irreal assim, pois seria a opção ideal para colombianos e peruanos em direção à Oceania (assim como brasileiros, vocês não têm idéia como tem colombianos na Austrália e Nova Zelândia, graças à economia crescendo e à moeda apreciada) e também de australianos e neozelandeses para Cuzco. Mas é certo que a Air New Zealand só lançaria um AKL-LIM depois de ter o AKL-GRU consolidado.

Link to comment
Share on other sites

Tendo em vista um planejamento mais de longo prazo, AKL-LIM não é uma opção tão irreal assim, pois seria a opção ideal para colombianos e peruanos em direção à Oceania (assim como brasileiros, vocês não têm idéia como tem colombianos na Austrália e Nova Zelândia, graças à economia crescendo e à moeda apreciada) e também de australianos e neozelandeses para Cuzco. Mas é certo que a Air New Zealand só lançaria um AKL-LIM depois de ter o AKL-GRU consolidado.

Peru/Colômbia e Oceania? deve ser mínimo é já é atendido pela LA/QF em SCL.

Link to comment
Share on other sites

Peru/Colômbia e Oceania? deve ser mínimo é já é atendido pela LA/QF em SCL.

 

Nem tanto. Não sei como está a quantidade de peruanos, mas colombiano você encontra vários, mas um voo AKL-LIM é algo para muito longo prazo.

Link to comment
Share on other sites

Duas opções de escalas das quais brasileiros e neozelandeses podem aproveitar:

 

Ida:

AKL-IPC(Ilha de pascoa)-GRU

 

volta:

GRU-PPT(Papeete-Tahiti)-AKL

 

fora q vai bater de frente com a LAN tanto no voo para AKL e tanto para PPT e Ilha de Pascoa.

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.


×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade