Jump to content

Nasa estuda viabilidade de aviões com um piloto só


A345_Leadership

Recommended Posts


P1-BS230_SINGLE_G_20141214171924.jpg


Por ANDY PASZTOR

terça-feira, 16 de dezembro de 2014 00:04 EDT



Diante de uma potencial escassez de pilotos de avião e de importantes avanços na automação, pesquisadores do setor aéreo e do governo americano começaram a considerar seriamente o desenvolvimento de jatos capazes de operar com apenas um piloto.


Todos os grandes aviões comerciais de passageiros e serviços de carga hoje voam com pelo menos dois pilotos na cabine de comando. Um novo estudo da Nasa, a agência aeroespacial americana, e da Rockwell Collins Inc. se concentra na ideia provocadora de que os copilotos devem permanecer no chão, ajudando remotamente aviadores solitários na cabine de comando durante os trechos mais difíceis do voo, diz John Borghese, vice-presidente do Centro de Tecnologia Avançada da Rockwell.


O sucesso do conceito vai depender não só de sua viabilidade técnica, mas também de disposição política e aceitação social. Os pesquisadores não estão endossando o conceito ou desenvolvendo planos específicos para a operação de grandes aviões comerciais com um único piloto. Eles estão, na verdade, buscando analisar as mudanças na tecnologia e nas operações que podem tornar o conceito viável no futuro — mesmo que seja tão distante quanto 2030.


Dos elevadores sem operador lançados há mais de meio século aos avanços dos carros que não precisam de motoristas, a mobilidade humana está se tornando cada vez mais automatizada. O estudo da Nasa reflete não só uma ambição tecnológica, mas preocupações mais práticas: muitas autoridades do setor aéreo temem que a oferta mundial de pilotos se reduzirá nos próximos 20 anos, enquanto o volume de viagens aéreas deve dobrar.


A redução da tripulação na cabine de grandes aviões de carga ou de passageiros — ou mesmo a eliminação total de um piloto — têm sido tópicos de discussões teóricas entre autoridades do setor e pesquisadores por muitos anos. A iniciativa da Nasa é significativa porque eleva a importância do conceito e sinaliza que os técnicos da agência aeroespacial estão convencidos de que ele é digno de mais pesquisa.


O contrato de quatro anos e cerca de US$ 4 milhões foi dado à Rockwell no início do ano, mas a primeira fase só será anunciada hoje. Ela inclui a realização de simulações, a definição de onde a tecnologia é necessária e até testes de voo. A Nasa prevê que os testes da Rockwell devem gerar novos estudos por uma gama de outras empresas e especialistas.


Dentro do conceito estudado pelos pesquisadores, aviadores no solo poderiam ser responsáveis por auxiliar pilotos solitários na cabine de comando de vários aviões, dando assistência virtual durante os períodos mais necessários num espaço aéreo congestionado, durante as manobras de aproximação e aterrissagem ou se algo sair errado.


O estudo sobre como esse conceito pode ser aplicado em grandes aviões “é uma área razoavelmente nova”, diz Parimal Kopardekar, gerente do programa, que está sendo desenvolvido pelo centro de pesquisa Ames da Nasa, na Califórnia.


Uma mudança radical não deve acontecer em breve, e há um consenso de que a redução da tripulação para aviões de passageiros não será considerada até que ela seja lançada primeiro no setor de cargas. Segundo especialistas e autoridades do setor, é improvável que isso ganhe força muito antes do fim da próxima década.


Os aviões hoje são desenhados para ter dois pilotos nos controles, e reformular aviões existentes “pode ser muito caro e talvez muito difícil” para se obter aprovação regulatória, diz Kopardekar, da Nasa. Autoridades do setor dizem que seriam necessários aviões totalmente novos com cabines de comando criadas com apenas um piloto em mente.


O sistema internacional de aviação atingiu níveis incomparáveis de segurança e confiabilidade, em parte devido à maior automação e a padrões globais amplamente aceitos de comportamento e cooperação na cabine.


Estudos iniciais de voos com um só piloto no ar e outro no solo revelaram que a separação frequentemente gera confusão sobre o que o outro está fazendo.


A Boeing Co. e a Airbus Group NV desenharam aviões nos anos 70 cada vez mais automatizados, eliminando um terceiro membro da tripulação de cabine, que costumava ser responsável pelo monitoramento da navegação e dos vários sistemas da aeronave.


Avanços contínuos na automação da cabine e uma melhoria das habilidades de aeronaves não tripuladas transformaram as tecnologias necessárias para operações de companhias aéreas com um menor número de pilotos.


“Fundamentalmente, não é mais uma questão de engenharia”, diz Richard Healing, ex-membro do Conselho Nacional de Segurança do Transporte dos Estados Unidos. “O debate real é sobre como os reguladores e a opinião pública reagirão a essas mudanças, antes impensadas.”


Há cerca de 10 anos, a FedEx Corp. abordou informalmente a ideia de reduzir a tripulação de seus aviões de carga de três para dois pilotos em rotas de mais de oito horas sobre águas.


A empresa abandonou a ideia, disseram autoridades do governo na época, basicamente por causa da oposição do sindicato. A Associação dos Pilotos de Companhias Aéreas e a FedEx não quiseram comentar.


A discussão inicial nasceu de um desejo de cortar custos, mas o estudo mais recente da Rockwell é parcialmente inspirado na estimativa de uma escassez de pilotos. A Boeing calcula que serão necessários 533 mil novos pilotos de aviões comerciais nos próximos 20 anos, à medida que o número de milhas voadas dobra. A fabricante de aviões vem alertando que a disponibilidade de pessoal pode não ser suficiente.


Analistas, grupos de trabalho e acadêmicos argumentam que qualquer escassez de pilotos é resultado da falta de disposição do setor de pagar bons salários a eles. A Boeing não quis comentar o estudo da Nasa com a Rockwell.



Link to comment
Share on other sites

isso pra mim é apenas uma maneira de viabilizar o lucro e desprezar a segurança, quem sabe em algumas centenas de anos onde a automação finalize o trabalho de um piloto, mas em duas décadas?

 

 

Enviado do meu iPhone usando o Tapatalk

Link to comment
Share on other sites

Meus prezados:

Esta história de um só piloto vem mexendo com os profissionais, colegas do CR.

http://forum.contatoradar.com.br/index.php/topic/112643-embraer-estuda-eliminar-a-funcao-do-co-piloto/?hl=%2Bembraer+%2Bco-piloto

Link to comment
Share on other sites

A ganância por deixar de pagar um salário a mais é tão grande que até a segurança deixam de lado para conseguirem o que querem.

 

Comparar a não necessidade de um operador de elevador a operação de um avião, é cada um.

Link to comment
Share on other sites

Porque as companhias aereas que precisaram de pilotos num futuro próximo nao investem desde 0 para formar seus propios pilotos e tudo o custo pela preparaçao do piloto é descontado do propio salario do piloto?

Link to comment
Share on other sites

Porque as companhias aereas que precisaram de pilotos num futuro próximo nao investem desde 0 para formar seus propios pilotos e tudo o custo pela preparaçao do piloto é descontado do propio salario do piloto?

Por que elas vêem o tripulante como custo, um mal necessário. Investir em formação?! Piada para os CFO´s.

 

O salário de um copila de ATR nos EUA chega a ser um absurdo de tão baixo comparada com a complexidade e responsabilidade que demandam dele.

Link to comment
Share on other sites

A ganância por deixar de pagar um salário a mais é tão grande que até a segurança deixam de lado para conseguirem o que querem.

Comparar a não necessidade de um operador de elevador a operação de um avião, é cada um.

Aí que não da pra entender. Se vai ter que ter um "copiloto" no solo, vai ter que paga-lo, não?

 

Escassez de pilotos? É claro, com os salários diminuindo, e o investimento pra se formar altíssimo.

 

Hahaha chega a ser engraçado, ser Copiloto ja não é la essas coisas, e ainda vai ficar no chão? "Negocião" hein!

Ai vão criar outra escassez, a de Comandantes. Ou o copiloto vai aprender a voar no chão?

Link to comment
Share on other sites

Aí que não da pra entender. Se vai ter que ter um "copiloto" no solo, vai ter que paga-lo, não?

 

Escassez de pilotos? É claro, com os salários diminuindo, e o investimento pra se formar altíssimo.

 

Hahaha chega a ser engraçado, ser Copiloto ja não é la essas coisas, e ainda vai ficar no chão? "Negocião" hein!

Ai vão criar outra escassez, a de Comandantes. Ou o copiloto vai aprender a voar no chão?

 

Concordo contigo.

 

Escassez de piloto??? aonde??

 

Se eu descer aqui na sala vip do hangar agorinha...tem um bocado de piloto desempregado!

Link to comment
Share on other sites

Por que elas vêem o tripulante como custo, um mal necessário. Investir em formação?! Piada para os CFO´s ...

 

 

 

Leader,

 

Diversas empresas (ex. CX, EY, SQ ...) investem na formação dos seus pilotos, direcionada para aqueles a partir do "zero" e/ou para pilotos mais veteranos, mas sem experiência prévia em determinados equipamentos e que portanto necessitam obter também a qualificação a partir do zero.

Link to comment
Share on other sites

Deveriam deixar os dois no chão. Será que seria possível trabalhar de casa? tipo "trabalhe sem sair de casa, saiba como. Disque 0800...." Quem sabe não daria para levar uma vida mais saudável sem depender dessas escalas horríveis e desumanas. Também não sei onde está faltando pilotos. Tenho uma penca de amigos na rua. Ainda bem que não falta muito para chegar aos 80 anos anos para me aposentar. Aposentar e depois...morrer. Ô vida boa.

Link to comment
Share on other sites

Longe de tomar bandeira... mas fala-se muito dos dois pilotos na cabine, como motivo de segurança e redundância...

 

Mas em alguma pane, dois pilotos sem um CRM adequado... não seria de tal forma tão prejudicial quanto a própria pane?

 

Digo isto, pois acho que li alguns relatórios de acidentes (antigos e gringos) onde panes simples, se transformaram em acidente por falta de um CRM adequado.

 

Acho que temos teses para todos os gostos...e aviação é isso... evolução... sempre sopesando a máxima segurança e a máxima eficiência.

Link to comment
Share on other sites

tudo que é repetitivo, manual e demanda muitos trabalhadores, será substituído por máquinas (robôs ou sistemas). fato.

 

foi assim na industria automotiva, nas fábricas, metrôs, até os carros sem motorista já estão entrando no mercado.

 

operadores de check-in, despachos de voo, carregadores, abastecimento e, sim, pilotos, são profissões passíveis de ficarem na história.

 

ao ser humano restará a criatividade, a tomada de decisão (por enquanto..)

Link to comment
Share on other sites

tudo que é repetitivo, manual e demanda muitos trabalhadores, será substituído por máquinas (robôs ou sistemas). fato.

 

foi assim na industria automotiva, nas fábricas, metrôs, até os carros sem motorista já estão entrando no mercado.

 

operadores de check-in, despachos de voo, carregadores, abastecimento e, sim, pilotos, são profissões passíveis de ficarem na história.

 

ao ser humano restará a criatividade, a tomada de decisão (por enquanto..)

 

 

Skynet ?

Link to comment
Share on other sites

Eu queria entender por que acham que vai faltar piloto?

Se compararmos a aviação da década de 70 com a de atualmente, o número de aeronaves aumentou absurdamente e não tivemos escassez de pilotos até hoje, por que isso aconteceria no futuro?

Link to comment
Share on other sites

A ganância por deixar de pagar um salário a mais é tão grande que até a segurança deixam de lado para conseguirem o que querem.

 

Concordo! É um absurdo estarmos hoje em dia voando sem rádio-telegrafista, navegador e engenheiro de voo!!!

 

O ideal seria termos todos de volta na cabine, pois isso geraria mais emprego.

 

Opa! Infelizmente o tempo dessas profissões passou, apesar de eu ter adorado voar com FE a bordo!

Link to comment
Share on other sites

Os infartos em tripulantes devem estar maiores que 10^-9... Acho eu que se chegar ao ponto de voar com um piloto só, a redundância não se fará mais necessária. Já imagino a certificação ESOPS, para o único motor na barriga do avião, quase integrado à fuselagem.

Link to comment
Share on other sites

Os infartos em tripulantes devem estar maiores que 10^-9... Acho eu que se chegar ao ponto de voar com um piloto só, a redundância não se fará mais necessária. Já imagino a certificação ESOPS, para o único motor na barriga do avião, quase integrado à fuselagem.

 

 

 

não me lembro se é o 787, A380 ou A350, mas um deles haveria salvo engano OITO redundâncias para o sistema de controle de voo

Link to comment
Share on other sites

Só uma pergunta.

só vai ter um piloto a bordo, comandante do voo acredito eu!!???

É como vai se formar esse Comandante que nunca foi copiloto, pois não existirá mais essa função???

Já sei, as pessoas já nascerão Comandantes e tomarão pílulas de experiência feitas por uma empresa farmacêutica comprada pela Nasa.

não conseguimos Fazer nem um data link que funcione sem interrupções veja lá controlar aviao com 100 200 300 pessoas remotamente

 

Deviam gastar energia com coisas mais úteis !!

Link to comment
Share on other sites

Mas em alguma pane, dois pilotos sem um CRM adequado... não seria de tal forma tão prejudicial quanto a própria pane?

 

Andrefoppa,

 

Vc está correto. Tem determinados pilotos que são realmente problemáticos. Na firma onde trabalho tinha um assim. O cara era tão problemático que chegava a ser prejudicial ao bom andamento do voo. Depois de duas missões com o sujeito, conversei com meu chefe e o desembarcava quando a escala me comunicava o voo. Eu preferia ir sozinho do que com ele. Detalhe: 25% do quadro de comandantes se recusava a voar com o cara... Depois que ele foi devolvido ao mercado, nunca mais voou.

 

Tem cara que é difícil mesmo.

 

Só uma pergunta.

só vai ter um piloto a bordo, comandante do voo acredito eu!!???

É como vai se formar esse Comandante que nunca foi copiloto, pois não existirá mais essa função???

Já sei, as pessoas já nascerão Comandantes e tomarão pílulas de experiência feitas por uma empresa farmacêutica comprada pela Nasa.

 

Oi Lucas, a solução para o seu questionamento se chama "Programa de Treinamento e Qualificação."

 

Duvida? Olha pra Segunda Guerra Mundial (70 anos atrás praticamente) e vê como mandavam os pilotos combater. Vc não esperava ele ter 5 anos de experiência e nem 10.000hrs. Vc treinava os caras muito bem, alguns se matavam no caminho, e eles iam combater. A mesma filosofia poderá ser empregada no futuro, mas já empregando técnicas de treinamento bem mais avançadas.

 

Abcs,

 

Sydy

Link to comment
Share on other sites

Caro Sidy,

Muitos pilotos da Segunda Guerra Mundial, mal sabiam pousar um Avião.

Muitas escoltas de caça, nem acertavam encontrar seus bombardeios nos lugares e horas marcados.

Porém fabricava se milhares de aviões e milhares de pilotos, a necessidade era maior, estavamos em Guerra!!!

Tem dezenas de bons documentários e livros que relatam isso.

A teoria nunca, digo nunca, vai contemplar todos os aspectos da prática.

Isso vale para todas as áreas

Link to comment
Share on other sites

Muitos pilotos da Segunda Guerra Mundial, mal sabiam pousar um Avião.

...estavamos em Guerra!!!

Lucas,

 

Desculpe-me, mas pilotos operacionais se tornavam operacionais quando estavam acima do mínimo. Se não atingissem os mínimos eram eliminados (quando não se matavam no meio do caminho). O mesmo acontecerá para os Comandantes de aeronaves comerciais single-pilot. Quando forem considerados aptos, eles o serão.

 

Não sei se vc é checador, mas quando é feito um cheque, vc tem níveis e limites de proeficência para que seja considerado um cheque bem sucedido. O mesmo se aplicará no futuro. Obviamente tem muita coisa a ser desenvolvida nessa questão, mas os primeiros passos já foram dados há alguns anos. Por favor, não pense que isso é uma coisa de agora, da Embraer, da Nasa, da Airbus ou da Boeing... É sempre uma evolução. Se tiver curiosidade, dá uma lida no PTS - Practical Test Standards, pois é uma excelente base para saber como um piloto deve ser devidamente avaliado. Aproveite o link: https://www.faa.gov/training_testing/testing/test_standards/

 

Hj estamos em guerra também, mas é uma guerra econômica. Isso vale uma tese...

 

De qualquer forma, a sua vontade (e a minha) não infuenciarão em nada a inquestionável e contínua evolução da tecnologia. O par tecnologia e treinamento acabarão colocando um piloto só na cabine de aviões comerciais. Se não em 10 anos, talvez em 30, mas que já está sendo estudado há algum tempo, isso está.

 

Abcs,

 

Sydy

Link to comment
Share on other sites

O assunto desperta os ânimos, pois coloca muito empregos (e familias) em jogo.

 

Mas é uma realidade que vai chegar, mais cedo ou mais tarde.

 

Vide outras áreas, onde só não foi automatizado, haja vista a força de entidades sindicais para manter os postos de trabalhos. Ex? Cobradores de onibus. Se não me engano na Inglaterra eles nao existem. Aqui em Florianópolis tentaram cortar este posto de trabalho, mas até agora nada.

 

Um colega me confessou que nas grandes empresas como Macedo, Aurora etc, já teria tecnologia capaz de eliminar 200 a 500 funcionários...

 

A própria aviação tem eliminado postos de trabalho, hoje temos só duas pessoas dentro da cabine...

 

Se a questão for em relação a segurança, temos que ter em mente que o próprio desenvolvimento desta tecnologia que possibilita a operação de aeronaves com um piloto, com certeza focará na criação de redundâncias e procedimentos que permitam a operação desta maneira. (com um piloto).

 

Por fim, neste estágio inicial, acredito que devemos contribuir e acrescentar com nossas experiencias para o melhor desenvolvimento desta tecnologia... ao invés de adivinhar o insucesso dela.

 

Por que ela vai chegar... cedo ou tarde!

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade