Jump to content

Piloto sobrevive a quatro acidentes em SP e desiste de voar: "parei de vez"


Leonardo PoA

Recommended Posts

Piloto sobrevive a quatro acidentes em SP e desiste de voar: "parei de vez"

Eduardo Schiavoni

Do UOL, em Americana (SP)

28/01/201512h43
51630
Ouvir texto
0:00
Imprimir Comunicar erro
  • Divulgação/Jornal 101 FM

    o-piloto-de-aviao-luiz-antonio-cherici-7

    O piloto afirma ainda já ter passado por outros 11 incidentes de menor gravidade

"Agora parei de vez". Essa é a decisão do piloto de avião Luiz Antônio Cherici, 71, que recebeu alta na terça-feira (27), depois de sobreviver ao quarto acidente aéreo grave em sua carreira, que já dura 45 anos.

O piloto, que integra a diretoria do aeroclube de Jaboticabal (a 342 km deSão Paulo), afirma ainda já ter passado por outros 11 incidentes de menor gravidade. "Acho que posso dizer que tenho sorte, mas agora é hora de pendurar as chuteiras", disse.

Entre os acidentes mais graves, estão uma colisão com outro avião, um pouso forçado, uma batida em um poste, na qual ficou preso próximo a fios de alta tensão e, no mais recente deles, uma batida do bico do avião com a pista pouco depois da decolagem. "Dizem que o gato tem sete vidas. Eu não sei quantas tenho, mas acho que estou competindo de igual para igual com o gato", comenta, entre risos.

Quem aprovou a decisão de parar foi a mulher de Cherici, Elaine. Casada com ele há 25 anos, ela conta que chegou a acompanhar o marido em voos e em atividades mais perigosas, como viagens de moto, mas que diminuiu o ritmo depois que a filha do casal nasceu, há 21 anos. "Ele continuou fazendo tudo, mas agora disse que vai parar. Tomara. Não aguento mais tomar sustos", afirma.

Acidente

A batida contra a pista de decolagem ocorreu na noite de sábado (24), em Jaboticabal. Nela, o ultraleve onde ele estava caiu de bico na pista segundos após decolar e foi arrastado por pelo menos 60 metros na pista.

Ele quebrou uma vértebra e terá que usar um colete de proteção por pelo menos três meses. "É a terceira vértebra que eu trinco, eu sei como é duro. Vou usar um colete por três meses. Isso vai pra balança, pra parar mesmo."

Segundo ele, a ocorrência foi uma fatalidade, já que ele tinha acabado de fazer uma revisão no monomotor. "Esse avião passa por uma avaliação todo ano. Eu fiz uma vistoria, vi que o breque não estava bom e arrumei. Ai, fui para a pista para testar se a arrumação tinha ficado boa", conta. "Não ia voar, mas veio um vento, que levantou o avião, e acabei tendo que corrigir, mas não consegui."

Mesmo com a vértebra fraturada, ele conseguiu deixar o avião. Na sequência, foi socorrido por um amigo que estava no aeroporto e levado ao hospital. "O avião ficou detonado, foi um estrago total. Comigo, graças a Deus está tudo bem", contou.

Histórico

Cherici pode ser classificado como um especialista em sobreviver a acidentes aéreos. Entre os quatro mais graves, o primeiro ocorreu em 1995 em Ribeirão Preto. O avião que ele pilotava bateu em outra aeronave e acabou caindo. Apesar da gravidade da ocorrência, ele sobreviveu.

Cinco anos depois, ele diz que, por problemas no sistema de abastecimento de combustível de um avião, foi obrigado a fazer um pouso forçado durante uma excursão ao longo do Rio São Francisco, entre Minas Gerais e Bahia. Na aterrissagem, ele acabou machucando uma das costelas.

Em outra colisão, dessa vez com a rede elétrica, ele ficou preso, com um ultraleve, em um poste. Segundo ele, o dia estava muito quente e a alta temperatura gerou uma pane na aeronave, que perdeu altitude e ficou presa perto dos fios de alta tensão.

"Essa não foi a mais grave, mas foi a que fiquei com mais medo. Nesse dia, falei para o passageiro que estava comigo que íamos morrer. Minha asa direita ficou a menos de meio metro dos fios de alta tensão", afirma. "E o poste deu uma cedida, mas não caiu. Se tivesse caído, eu tinha morrido na hora."

Para ele, avião, agora, só como passageiro. "Já tive susto demais. A idade chega, a gente perde o reflexo. Eu amo avião, amo voar, mas acho que, agora, só de passageiro mesmo", diz.

http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2015/01/28/piloto-sobrevive-a-quatro-acidentes-em-sp-e-desiste-de-voar-parei-de-vez.htm

 

 

Link to comment
Share on other sites

Meu Senhor,

 

Depois de tudo, não desista não!

Mas por via das dúvidas, vem aqui à Salvador, toma um banho de pipoca em São Lázaro, vai em algum terreiro de candomblé e faz umas oferendas ao orixá que lhe for designado, e depois sobe à Colina Sagrada da Igreja do Bonfim, assiste uma missa, amarra uma fitinha no pulso, e para garantir, sai de lá com uns patuás no bolso.

Link to comment
Share on other sites

 

As vezes é bom parar logo, antes que se mate e mate mais alguém.

 

Será que é "Zica" ou é falta de responsabilidade?

 

Aos que conhecem a peça, fica a palavra...

Link to comment
Share on other sites

A vida é relativa, o cara voa a 45 anos, sofre acidentes e não morre, numa dessa ele pode estar andando num carro e uma árvore pode cair em cima da cabeça dele e ele morrer.

Se ele vai parar de voar por causa dos acidentes, eu acredito que ele deveria continuar voando, agora se for porque ele acha que não tem mais condições de voar pela idade, físico, aí eu apoio a decisão.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Mas caso ele continue voando, faço questão que ele não me chame para uma carona....

 

 

 

 

 

 

Abraços

Link to comment
Share on other sites

As vezes é bom parar logo, antes que se mate e mate mais alguém.

 

Será que é "Zica" ou é falta de responsabilidade?

 

Aos que conhecem a peça, fica a palavra...

Eu diria que, simplesmente, não era a hora dele! Existem pessoas que passam por situações similares ou tem a vida mais segura do mundo e simplesmente escorregam no banheiro. Como já diz o ditado: "pra morrer basta estar vivo".

Link to comment
Share on other sites

Caramba!!! Um dos cometários na página do uol

 

 

0jnbxc2hm22w 2 horas atrás

Além desses acidentes eu conheço ele é daqui da nossa cidade ele ainda ficou com o braço pendurado cortado por uma moto serra foi implantado com sucesso o braço e ele continua firme grande pessoa esse é daqueles que estão acima das pobres mortais sabe viver com categoria.

Responder0Denunciar

Link to comment
Share on other sites

caraca...hahaha teve o braço reimplantado após ser cortado por uma motoserra!!!!! Bizarro....o coroa ta sempre envolvido em sinistros..acho que estar ao lado dele é correr perigo...haha hahahahahha.....só eu achei engraçado a hora que o jornalista diz que ele bateu com uma aeronave num poste?? haha que figura..rs

Link to comment
Share on other sites

71 anos... não vejo mal nenhum em se aposentar mesmo.

 

caraca...hahaha teve o braço reimplantado após ser cortado por uma motoserra!!!!! Bizarro....o coroa ta sempre envolvido em sinistros..acho que estar ao lado dele é correr perigo...haha hahahahahha.....só eu achei engraçado a hora que o jornalista diz que ele bateu com uma aeronave num poste?? haha que figura..rs

Pessoal nunca mais ia querer dirigir comigo do lado se soubesse da quantidade de acidentes de carro em que já estive. De batida contra vaca (a mais grave aos 11 meses de idade, que me deixou cheia de cicatrizes na cabeça) a batida contra ônibus numa avenida movimentada de SP (há uns 3 anos)... já até perdi a conta. Acho que é até seguro me ter do lado, porque até hoje ninguém nunca morreu. rsrs. E, diga-se de passagem, quando as batidas não foram de frente, sempre foram no meu lado. E as pessoas ainda riem quando coloco cinto de segurança...

Link to comment
Share on other sites

71 anos... não vejo mal nenhum em se aposentar mesmo.

 

Pessoal nunca mais ia querer dirigir comigo do lado se soubesse da quantidade de acidentes de carro em que já estive. De batida contra vaca (a mais grave aos 11 meses de idade, que me deixou cheia de cicatrizes na cabeça) a batida contra ônibus numa avenida movimentada de SP (há uns 3 anos)... já até perdi a conta. Acho que é até seguro me ter do lado, porque até hoje ninguém nunca morreu. rsrs. E, diga-se de passagem, quando as batidas não foram de frente, sempre foram no meu lado. E as pessoas ainda riem quando coloco cinto de segurança...

Então quando vier ao Brasil, aproveita e vem à Salvador para cumprir o roteiro que sugeri ao senhor acima. Ah! E aproveita e toma também um banho de água de cheiro no terreiro que for preparar a oferenda :coolface:

Link to comment
Share on other sites

71 anos... não vejo mal nenhum em se aposentar mesmo.

 

Pessoal nunca mais ia querer dirigir comigo do lado se soubesse da quantidade de acidentes de carro em que já estive. De batida contra vaca (a mais grave aos 11 meses de idade, que me deixou cheia de cicatrizes na cabeça) a batida contra ônibus numa avenida movimentada de SP (há uns 3 anos)... já até perdi a conta. Acho que é até seguro me ter do lado, porque até hoje ninguém nunca morreu. rsrs. E, diga-se de passagem, quando as batidas não foram de frente, sempre foram no meu lado. E as pessoas ainda riem quando coloco cinto de segurança...

 

 

Ah não é não, quando você sair de casa, você me avisa qual percurso você vai fazer, vai que numa dessa meu caminho cruza com o teu, eu não quero o meu carro destruído não..... hahahahha

 

 

 

 

Abraços

Link to comment
Share on other sites

  • 4 weeks later...

Como diz o sydy.

 

Treinamento experiência e SORTE.

 

Bruno holtz chorando com seus comentários.

 

Abraços.

 

Lopes

 

 

Enviado da Selva para a Cidade usando tapatalk.

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade