Jump to content

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

alferreira

Tour pela Itália de carro

Recommended Posts

Olá a todos.

 

Penso em realizar - junto com minha esposa - um tour pela Itália, em julho, em carro alugado. A ideia inicial é:

- Europa via Lufthansa ou Swiss, indo depois para Roma (aproveitar milhas da LH);

- Passear por Roma (3 dias inteiros dá, onde ficar?);

- alugar o carro e seguir até Nápoles;

- costa Amalfitana;

- Sardenha (um pouco caro no ferry com carro+quarto) e atravessa-la até o norte, voltando por Olbia -> Civitavechia;

- Livorno, Pisa;

- Varias cidades da Toscana (quais?);

- San Marino;

- Verona, Veneza (1 dia em Veneza?);

- Lago di Como e adjacências;

- Milão (visitando a Exposição Mundial);

- Retorno por onde cheguei (Se eu retornar por Zurique, há trens de Milão a Zurique? Pelo que pesquisei quem fazia

essa linha fechou em dezembro passado).

 

Busco aqui sugestões e auxílios dos colegas (me deram excelentes dicas ano passado, como por exemplo, Sintra e Cascais),

sobre a viabilidade e outras dicas.

 

Agradeço a todos antecipadamente.

 

Abraços.

 

P.S.: prometo os respectivos FRs e TRs.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Tenho planos (sem data) de fazer uma viagem muito parecida com a sua, porém saindo de carro da Itália e indo até a França.

 

Quanto tempo você estima para seu percurso?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Olha, eu pessoalmente pensaria em fazer os trechos internos mais urbanos por trem mesmo (mas Costa Amalfitana de carro mesmo acho que é ok)

 

Para o trem dá pra procurar aqui https://www.sbb.ch (e tem sim Milao-Zurich, 4h de trem)

 

Tem até um link sobre a Expo http://www.sbb.ch/en/timetable/rail-traffic-information/zusatzzuege/expo-milano-2015.html

Share this post


Link to post
Share on other sites

Tenho planos (sem data) de fazer uma viagem muito parecida com a sua, porém saindo de carro da Itália e indo até a França.

 

Quanto tempo você estima para seu percurso?

Thales: eu terei uns 20 a 25 dias para isso tudo: algo como Roma-Salerno-Piombino+Elba(troquei a Sardenha por esta ilha)+Toscana+San Marino+Veneza+Verona+Lago di Garda+Milão.

Parece muito mas atravessar de "lado a lado" dá cerca de 240 km! Para você ter uma ideia fazia direto Santos-São Carlos (SP) em 4 horas e são 340 km! E em estradas de 1º mundo. Pelo Google Maps, percursos em estrada de no máximo 3 horas. No mapa parece muito mas na prática não é (já andei por Portugal e França de carro alugado).

 

Ainda vou imprimir o mapa e desenhar (rascunhar) todo o percurso. Posto aqui depois.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Olha, eu pessoalmente pensaria em fazer os trechos internos mais urbanos por trem mesmo (mas Costa Amalfitana de carro mesmo acho que é ok)

 

Para o trem dá pra procurar aqui https://www.sbb.ch (e tem sim Milao-Zurich, 4h de trem)

 

Tem até um link sobre a Expo http://www.sbb.ch/en/timetable/rail-traffic-information/zusatzzuege/expo-milano-2015.html

Raverbashing: Obrigado.

Ficaria até mais barato (ou elas-por-elas), mas fica mais tranquilo também. E queremos curtir as paisagens, parando em locais que "bateu o olho, gostou."

Se tem trem de Milão a Zurique, e for mais barato (deve ser mais bonito), prefiro essa opção, porque a ideia inicial é chegar/sair da Europa via Zurique.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Quando tiveres próximo a Verona, sugiro passear pelo Lago di Garda, um dos maiores da Europa, e um dos lugares mais bonitos que já visitei.

 

Valeria uma esticadinha até a província de Trento (para o norte de Verona) e visitar as Dolomitas, são montanhas espetaculares!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Quando tiveres próximo a Verona, sugiro passear pelo Lago di Garda, um dos maiores da Europa, e um dos lugares mais bonitos que já visitei.

 

Valeria uma esticadinha até a província de Trento (para o norte de Verona) e visitar as Dolomitas, são montanhas espetaculares!

Obrigado Caravelle.

 

Não lembro se foi o colega Jopeg ou você, que publicou há tempos atrás um TR sobre as Dolomitas: muito bonito o lugar. Vou pensar.

Lago di Garda já está na lista, na ida de Veneza para Milão. Tens sugestão de cidade/hospedagem em torno do lago?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Alferreira, na Toscana, reserva 1 dia para Siena. Os demais para Firenze. Firenze da para ficar uma semana tranquilo. Gosto muito de museus e da arquitetura de lá. Fiquei 6 dias lá e 1 em Siena em 2013.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Alferreira, na Toscana, reserva 1 dia para Siena. Os demais para Firenze. Firenze da para ficar uma semana tranquilo. Gosto muito de museus e da arquitetura de lá. Fiquei 6 dias lá e 1 em Siena em 2013.

Bem lembrado Pedro: estava aqui rascunhando e no trajeto Costa Adriática-Piombino tem Siena bem no meio. Depois, na subida para o Norte, Firenze (ou, FLorença). Obrigado.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Essa viagem de carro pela Europa vai ser minha lua de mel. A ideia é como o alferreira falou, sem pressa, parar em pequenas cidades, curtir a paisagem, etc..

Share this post


Link to post
Share on other sites

Essa viagem de carro pela Europa vai ser minha lua de mel. A ideia é como o alferreira falou, sem pressa, parar em pequenas cidades, curtir a paisagem, etc..

Thales: ontem estive pesquisando rapidamente e "de leve" sobre aluguel de carro na Italia. A ideia é pegar em Roma, largar em Milão (fora de aeroportos), 20 dias, com seguro e km livre. Um modelo mais barato (Fiat Panda ou similar, completo) sai por volta de 700 euros. Já um modelo superior (Lancia, 1.3, 16V) por pouco mais de 800 euros. Há diferenças em pagar via Web - adiantado - ou "no caixa, lá". Locadora mais barata: Maggiore.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Essa viagem de carro pela Europa vai ser minha lua de mel. A ideia é como o alferreira falou, sem pressa, parar em pequenas cidades, curtir a paisagem, etc..

Eu passei pela Itália na minha lua de mel. Mas aluguei o carro somente para fazer Firenze/Siena num bate volta.

 

Cheguei em Barcelona pela Singapore. Aluguei um carro e fui ao norte da Catalunha que tem praias muito boas. De lá fui para Zurique pela Swiss para fazer Luzerne/Interlaken/Lausanne e Genebra. De Genebra peguei um vôo da Aegean para Atenas. Conheci Atenas e Delfos. + um vôo da Aegean e fui para Mykonos. Depois peguei um vôo da Easy para Roma. Fiquei em Roma e peguei um trem para Firenze. Feito Firenze, voltei para Barcelona para pegar o vôo de volta da Singapore.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Eu passei pela Itália na minha lua de mel. Mas aluguei o carro somente para fazer Firenze/Siena num bate volta.

 

Cheguei em Barcelona pela Singapore. Aluguei um carro e fui ao norte da Catalunha que tem praias muito boas. De lá fui para Zurique pela Swiss para fazer Luzerne/Interlaken/Lausanne e Genebra. De Genebra peguei um vôo da Aegean para Atenas. Conheci Atenas e Delfos. + um vôo da Aegean e fui para Mykonos. Depois peguei um vôo da Easy para Roma. Fiquei em Roma e peguei um trem para Firenze. Feito Firenze, voltei para Barcelona para pegar o vôo de volta da Singapore.

Quanto tempo tudo isso Pedro?

 

Minha esposa está achando só Itália muito pouco (tá se achando a bacana!). Falei para ela que Suiça é muito caro, Grécia tem muita coisa para ver, teria que ser a parte; Espanha já fomos (não na Catalunia).

Já vi aqui (creio que o colega Jopeg postou) a Costa Adriático da antiga Iugoslávia (foi mais de um desses "novos" desmembramentos): daria para entrar por Trieste (perto de Veneza). Mas não sei se poderia com o carro alugado na Italia, vistos, demandaria mais tempo de viagem, não veria algumas coisas na Itália, etc...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Quanto tempo tudo isso Pedro?

 

Minha esposa está achando só Itália muito pouco (tá se achando a bacana!). Falei para ela que Suiça é muito caro, Grécia tem muita coisa para ver, teria que ser a parte; Espanha já fomos (não na Catalunia).

Já vi aqui (creio que o colega Jopeg postou) a Costa Adriático da antiga Iugoslávia (foi mais de um desses "novos" desmembramentos): daria para entrar por Trieste (perto de Veneza). Mas não sei se poderia com o carro alugado na Italia, vistos, demandaria mais tempo de viagem, não veria algumas coisas na Itália, etc...

 

Espicha pra Áustria e talvez sul da Alemanha.

 

Pertinho de Trento e Bolzano, subindo de Verona.

 

Paisagens de tirar o fôlego!

Share this post


Link to post
Share on other sites

Quanto tempo tudo isso Pedro?

 

Minha esposa está achando só Itália muito pouco (tá se achando a bacana!). Falei para ela que Suiça é muito caro, Grécia tem muita coisa para ver, teria que ser a parte; Espanha já fomos (não na Catalunia).

Já vi aqui (creio que o colega Jopeg postou) a Costa Adriático da antiga Iugoslávia (foi mais de um desses "novos" desmembramentos): daria para entrar por Trieste (perto de Veneza). Mas não sei se poderia com o carro alugado na Italia, vistos, demandaria mais tempo de viagem, não veria algumas coisas na Itália, etc...

28 dias. Eu não gosto de ficar num só país e por mais que seja um país muito legal, não acho a Itália o melhor destino de acordo com os meus gostos e o preço. A Itália é muito cara. Uma agua num restaurante pode sair 5€.

 

Recomendo muito Barcelona. A cidade é incrível - a melhor da Espanha disparado, Madrid não dá nem pro cheiro. É uma cidade barata dentro dos padrões europeus e tem tudo, arte, gastronomia, praia, futebol e muito mais.

 

Suíça é muito cara, mas vale a pena conhecer. As paisagens são lindas e as cidades também. Só não gostei de Genebra.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Uma pergunta técnica: para dirigir na Itália precisa de carteira internacional, carteira traduzida ou basta a brasileira (como nos EUA)?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Uma pergunta técnica: para dirigir na Itália precisa de carteira internacional, carteira traduzida ou basta a brasileira (como nos EUA)?

Me pediram a internacional quando aluguei lá.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Bom dia! Ano passado fiz uma viagem similar de 21 dias. Porém, comecei por Siracusa, na Sicília (GRU-FCO-CAT aéreo, e CAT-Siracusa, terrestre, carro locado e pego no aeroporto de CAT). E, de carro, seguimos até Roma, onde entregamos o carro, porque realmente dele não se precisa na capital.

Para quem gostaria de conhecer e explorar a Costiera Amalfitana recomendo não fincar base em Napóles. O ideal seria permanecer mais dias (fiquei 5) em Sorrento e, de lá, explorar a região, com o carro ou mesmo os serviços do trem (ferrovia transvesuviana ou os ônibus locais).

Abraços.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Aluguei em Lisboa de uma agência muito pequena, indicada pelo hotel. Saiu muito mais barato que Europcar, foram muito cortês, só olharam passaporte e cartão de crédito. Foi um Punto 1.6 novinho. Na França, pela Europcar, paguei bem mais caro, cobraram um monte de taxa que não tinham falado nem estava no site, pediram passaporte e a Permissão Internacional para Dirigir. Escanearam tudo. E me deram um Toyota Yaris batido, feio que doi... Aluguei agora pela Easycar (saiu mais barato que no site) para a Locauto, 18 dias. No site fala que precisa da PID, passaporte e cartão de crédito (aliás, já caiu na fatura minutos depois). 18 dias, Renault Clio (o mais barato) deu US$ 660, com motorista adicional, km livre, pegando em Roma, largando em Milão (+ 60 euros). Caro? Fiz uma simulação de um similar aqui no Brasil, se fosse de São Paulo a Recife por exemplo, pela Localiza e deu RS 7.000,00 (US$ 2300 aproximadamente). É, um "pouco" mais caro aqui e o carrinho, beeeemmmm pior...

Share this post


Link to post
Share on other sites

Em Roma desde 05/07 e por enquanto só de metro. E nada de econtrar GPS (navigatori) por aqui... Anunciam nas páginas das lojas (grandes magazines) que tem: chego lá não tem nada....

E não tem lojinha pequena em nenhum lugar... Ainda procurando, senão vou ter que morrer com o da locadora mesmo.

Share this post


Link to post
Share on other sites

Aproveitando a deixa gostaria de dicas. Tenho bilhete para Roma dia 12 DEZ com retorno 25 DEZ. Quanto tempo em Roma? E arredores?

Share this post


Link to post
Share on other sites

Aproveitando a deixa gostaria de dicas. Tenho bilhete para Roma dia 12 DEZ com retorno 25 DEZ. Quanto tempo em Roma? E arredores?

Murundum, é o seguinte.

 

Tá quente prá caramba aqui (julho, veraozão): uns 38 graus.

Cidade lotada! Metro transbordando de gente.

Hoje, para ir ao Vaticano desisti do metrô (imagina São Paulo, Sé, 18h) e peguei ônibus, também lotado, mas

suportável. Mesmo tempo que o metrô.

Fila em tudo quanto é lado: o primeiro domingo do mês Coliseu é de graça e ontem peguei 1/2 hora de fila: bonito,

para quem gosta de arqueologia e só. O Fórum Romano, em frente, gratuito também ontem: lindo, muitas arvores e mais ruínas.

Escadaria da Piazza Spagna lotada demais! Os sorvetes - 4 euros o mais caro que vi - valem a pena. Fontana di Trevi fechada, em reformas. Vaticano capela central, linda, fila de 40 minutos, grátis; Museu do Vaticano, não comprei online (compre!): fila de 1h30, mas valeu super a pena.

 

Pés doendo de tanto andar...

 

Estou achando a cidade mais bonita que Paris. Pena ir embora amanhã (sul, várias e depois norte, vou abrir um tópico)... Faltou Vila Borghese e Castelo Santo Angelo (fechado hoje).

 

Cuidado com batedores de carteiras: ontem levaram a da minha esposa (só RG, carteira de motorista e cartão já cancelamos), hoje vi os Carabinieri prendendo um casal e correndo atrás do outro comparsa. Tem que ficar muito esperto, agarrado a mala/bolsa e imaginar sempre o impossível (eles são muito espertos). Não querendo ser preconceituoso, mas é só ciganos (que vi, que me falaram no hotel e que estavam perto de minha esposa ontem). Os africanos (muitos, muitos mesmo) são de boa!

 

Os onibus hop on - hop off (2 andares) tá 20 euros, mas perde-se muito tempo no entra-e-sai e vc fica esperando de bobeira.

Ônibus de Fiumiccino a Termini 5 euros: T3 piso inferior, do lado de fora (T3 tá uma bagunça devido a um incêndio em uma loja em maio, ainda está).

 

Precisando de mais dicas, peça, será um prazer ajudar.

 

Achei o GPS: 129 euros (na locadora 179): a patroa reclamando que tava cansada, fui pegar o Metro (Flaminio) e dei de cara

com uma Euronics que tinha todos os modelos Tomtom. Comprei e já está OK (português brasileiro + mapas Europa).

Share this post


Link to post
Share on other sites

Boa noite a todos. Segundo prometido - e com prazer - retorno aos leitores do fórum as minhas experiências de um tour pela Itália/Áustria de carro - não somente pelo prazer de ser útil aos demais colegas-viajantes, mas também agradecer às dicas fornecidas.

Tentarei fazer um misto de Flight Report - Quick Report e Trip Report, conforme a disponibilidade.

 

Então, vamos em frente:

 

03/07 - Guarulhos, Brasil, Oceano Atlântico

Eu e minha esposa saímos de Santos (SP) as 10h35, pelo serviço da Cometa, em direção ao aeroporto de Guarulhos, onde meu voo partiria para Lisboa, pela TAP. Apesar da chuva na serra do Mar, a viagem foi rápida, chegando ao aeroporto as 12h20. Descemos no T2, andando (com prazer) ao T3. Estava com um movimento médio. Ao chegarmos nos balcões da TAP, dois guichês funcionavam para despacho de bagagem (já tinha feito check-in online no dia anterior e impresso os boarding pass). Menos de 5 minutos na fila, fomos atendidos pelo funcionário com cortesia e simpatia. Bagagens rapidamente pesadas, o funcionário apenas anotou o portão (não me lembro agora qual foi) e desejou boa viagem.

Rápido almoço (mas com uma espera terrível) no Montana, e caro, aguardamos um pouco e seguimos para o embarque. Experimentei o leitor automático de passaportes e foi certeiro e bem rápido: ponto para a Polícia Federal (e ao GRU Airport também?). Aguardamos um pouco mais perto do portão de embarque e, ao ouvir que o embarque estava iniciado me equivoquei e entrei na fila: fomos os primeiros da fila (não havia necessidade de pressa). Embarque da bussines e das prioridades foi respeitadíssima e o pessoal de controle do embarque, muito cortês e eficiente.

Passamos pelo embarque, desejaram-nos boa viagem mas... ficamos empacados dentro do finger por uns 15 minutos, todo mundo em pé. Alguma coisa foi liberada e embarcamos rapidamente, sendo orientados aos devidos assentos (37H e J). Sentamos, todos se acomodaram rapidamente. Havia uma turma enorme - todos devidamente uniformizados - de um grupo intitulado "Pequeninos do Jockey": adolescentes e treinadores(as) que se comportaram exemplarmente durante o vôo (parabéns a eles). Uma bebê ameaçou chorar mas foi tranquila durante todo o vôo.

Sentei na janela, esposa no corredor (nem pensar o contrário). Cobertor e travesseiro bem cheirosos desembalados, fone testado, revista folheada e o push-back se deu com 5 minutos após o programado (15h50). Mas andar até a cabeceira é outra história: mais 15 minutos...

Corrida média (menor que o dos A340) do A330-200 de prefixo CS-TOQ. Foi subindo sem pressa, acompanhando a Via Dutra. Furou a camada densa de nuvens que insiste em ficar sobre GRU em todas as minhas partidas e chegadas.

Lá em cima, o sol logo estava se pondo e, sob o Ceará (eh linda Fortaleza), foi servido o jantar. Pedi carne e minha esposa peixe e ambos estavam ótimos. O cathering melhorou sensivelmente do anos passado para este. De bebidas fomos de suco de laranja português mesmo. A sobremesa é que estava indecifrável,

Pratos recolhidos pela simpática tripulação do comandante Ferreira (nos serviram um rapaz muito prestativo e uma loura muito simpática e bonita).

Aí chegou a hora do soninho. Luzes apagadas, cabine em temperatura "femininamente congelante" e tasca-lhe videos. Uma boa seleção, com um sistema (trocaram este ano) de excelente definição. Ví "O Juiz" (bom) e minha esposa "Big Eyes". Depois, fiquei ouvindo música, vendo o mapa, vendo filmes e a lua nova me fazendo companhia junto com a insonia (nada de dormir). Devo ter cochilado, nas 09h e tantas de voo, menos de 2 horas.

As várias jornadas ao banheiro (com o pretexto de esticar as pernas mas na verdade foi usar mesmo) encontrei o banheiro sempre limpo e bem cuidado (exceção eu acho), tanto os à frente quanto os do fundo (estava uma ocupação de uns 95%, poucos lugares vagos).

Voo tranquilo sem nada de turbulência (apenas um aviso que não se concretizou). E assim chegamos ao dia 04/07 e a Europa.

 

P.S.: depois posto as poucas (explico depois o por que) fotos.

Share this post


Link to post
Share on other sites

04/07 - Lisboa, Fiumicino

Tudo escuro lá fora, a lua nova subindo rápido e as horas passando. Uma hora antes do pouso, as luzes se acendem e o café da manhã é servido. O básico (sanduíche, biscoito, sucos, cafe e salada de frutas), mas muito gostoso, pois na salada de fruta as frutas tinham cada uma os seus gostos (em 2012, quando voei pela LH não conseguia saber qual era qual, mesmo olhando). Bandejas rapidamente recolhidas, horário de pouso se aproximando e eu, na minha ansiedade pergunto à comissária se dará tempo para a minha conexão: chegada em Lisboa prevista para 05h35, embarque para Roma as 6h10, partida as 06h50. Bem apertado, mas o sistema de reservas da TAP montou este esquema então creio que eles se responsabilizem.

Pousamos em Lisboa suavemente as 5h20 (opa, adiantado!), pouso suave e o dia começando a amanhecer. E toca a andar pra cá, a rodar para lá e fomos estacionar em uma remota muito longe do terminal. Pensei: só para piorar. Ao contrário de muitos outros voos, todos permaneceram sentados até a parada completa da aeronave. Parando, levantei rapidamente, tirei tudo do bin e já sai andando, parando na metade da aeronave (estava no fundão, 37). A fila andou rápido, despedi-me da cordial tripulação e desci as escadas, sendo abraçado por um calor bem forte, mesmo as 06h30 da manhã. No primeiro ônibus não deu para embarcar, mas no segundo, deu e ele lotou rápido. Portas fechadas e mais e mais voltas, se afastando do terminal e depois retornando por um túnel. Paramos debaixo do último finger (só para atrasar mais), descemos rápidos e subimos as escadas ligeiramente. Quase correndo pelo corredor eis que ao chegar ao controle de imigração nos deparamos com uma fila quilométrica! Voltas e mais voltas (só sei que chegamos junto com o voo da TAP de BH).

Falei com um funcionário da TAP que deu risada e falou que estava cedo, que todo mundo conseguiria embarcar. Com mais pessoas com outras conexões insistindo, ele falou que chamaria para cada conexão. E entramos na fila. E ela andando até que rápido. Mais alguns minutos, chegam com uma listagem impressa e o cara da TAP sai gritando, chamando os que tem conexão para Paris. Ao perguntar para ele sobre Roma, ele falou que ainda não tinha aberto (?).

Mais 5 minutos, outra listagem e ele chama o pessoal para Roma: poucos saem da fila e vão para a frente dos guichês de imigração. Rapidamente eu e minha esposa somos chamados ao guichê. Os passaportes são escaneados, carimbados e nenhuma pergunta feita. Do outro lado, um funcionário da TAP manda seguir em frente: seguimos, passamos pelo Raio-X, descemos uma escada e chegamos ao recolhimento de bagagens. Algo estava errado. Ao perguntar para um funcionário do aeroporto onde deveria embarcar para minha conexão (o cara da TAP tinha dito portão 34) ele me falou que eu deveria ter passado pelo Raio-X e que eu não poderia retornar:deveria sair e fazer novo checkin.

Ai começamos literalmente a correr pois era 06h40 (já dava como perdido). Saímos, subimos para o 1º andar, corremos para a checagem do embarque, viram a correria e nos deixaram passar. Ao chegar ao Raio-X idem: passei rapidinho mas minha esposa teve que tirar a bota. Ela me disse para ir na frente e "segurar a aeronave (como? sento em frente ao trem de pouso?). Sai correndo, passando feito o Coiote do Papa-léguas pelo FreeShop, corri pelo corredor dos fingers e aos avistar uma funcionária da TAP, pedi um auxílio. Ela viu meu nervosismo e falou para eu ter calma. Ao chegar no portão do finger, 34, apresentei o boarding pass e os passaportes e expliquei que minha esposa já estava vindo (achei que ela viria descalça). Esperei acho que uns 5 minutos (ela anda devagar) mas o pessoal esperou de boa. Ela chegou, entramos, descemos o finger e adentramos ao A320 da TAP (com duas classes),cumprimentando a comissária muito jovem que nos recepcionou, indo sentar na fileira 6 (E e F). Mochila no bin (com o cansaço nem quis saber da camera), afundei no assento, encharcado de suor, esperando o ar-condicionado realizar seu milagre.

E nada de o avião se mexer. Ainda chegou uma família e mais um padre de algum pais da África (não pela cor da pele, por favor, mas sim pelo passaporte e pelo sotaque), que sentou ao nosso lado, no corredor. Portas fechadas e push-back as 07h00, já bem claro. Filminho de instruções passando nas telas LCD dos corredores (este não tinha telas individuais). Na cabeceira, esperamos uma ATR-72 da Portugália pousar, o A320 da TAP a frente decolar e mal ingressamos na pista, decolamos. Eu não gosto muito do "ronco" desses motores (PW?) do A320, parecem mais motores elétricos industriais (estava a frente deles), parecem sem força. Céu com poucas nuvens e o sol já bem forte, tomamos proa para Roma.

O sono e o cansaço venceram: creio que sobrevoando a Espanha adormeci. Minha esposa me acordou em cima das ilhas Palma de Mallorca e Minorca, para o café da manhã: ótimo, pois tudo agora era "importado", o queijo, o iogurte, o suco, o pão e muito gostoso. Fomos servidos neste voo por 4 comissários, mas eles se faziam tão presentes que pareciam que eram uns 10 (3 moças e um rapaz, todos muito jovens). Foi tudo rapidamente acomodado e voltei a dormir. Nem levantei do assento, o voo todo. Faltando pouco tempo para o pouso (eram umas 10h15, por ai), fui novamente acordado, poltrona endireitada e comecei a ver o litoral italiano. Praias cheias, muitos barcos no mar. Fizemos uma longa e lenta curva no sentido horário e creio que alinhamos com a pista. Fomos descendo, descendo e... há poucos metros do toque, arremetemos com tudo. Minha esposa, bem morena, ficou da cor de uma folha de papel: eu ri muito e adorei o procedimento (subimos bem inclinado e forte). Ao sobrevoar a pista perpendicular a nossa, observei um 767 decolando, em direção ao mar. Logo a seguir o comandante explicou - em um tom meio insatisfeito - que o pouso foi cancelado por motivos de trafego na pista e faríamos um circuito de espera. Trem recolhido, subimos, longa curva no sentido anti horário, novo alinhamento e agora o pouso deu certo. De leve, tocamos a pista: o povo do fundão assoviou e bateu palmas. Andamos até um finger do Terminal 1, e todos desembarcaram tranquilamente e rapidamente. Despedi-me do comandante e andei pelo finger. Chegamos em Fiumicino e na Itália! (continuo amanhã, pois vou fazer o checkout agora em Salerno e seguir estrada).

Share this post


Link to post
Share on other sites

04/07 - 1º dia em Roma

Em terra, vamos para Roma. Enquanto a esposa olhava o Free Shop, fui direto ao recolhimento de bagagens, mais por medo de alguém sair com as nossas bagagens do que assistir ela gastando. A área era muito extensa, creio que umas 10 esteiras. Sob cada uma, várias telas de LCD mostravam o início e o término do tempo de recolhimento de bagagens. Na minha esteira, o meu vôo era o primeiro, das 11h15 as 11h25 (10 minutos), seguido de outros 3 que logo utilizariam aquela esteira. A área de desembarque tinha muitos jovens alemães: creio que era alguma excursão de escola. E em um canto, um setor de reclamação repleto de malas, pacotes, carinhos de bebe, tudo esquecido.E sem vigilância nenhuma: dava impressão de que alguém pode chegar lá, pegar qualquer mala e sair andando. Na saída, dois camaradas vestidos a paisana, mas com crachá, não davam o menor sinal que inspecionavam alguma coisa. Esposa chegou, malas (as primeiras, milagre!) chegaram intactas, pegamos e saímos.

Um rápido lanche em uma rede que, se não me engano, chamava-se Autogrill (tinha em todas as estradas): água, sanduíche de presunto Parma e outro mais leve para minha esposa: 11,30 euros (achei barato, mas depois vi que tinha mais barato na cidade: aeroporto). Já descansados e sem pressa, sai a procura do ônibus para Roma, estação Termini (no centro, semelhante a Estação da Luz em São Paulo). Aí, tive que andar até o Terminal 3 (fácil, no ar condicionado). Só que fui pelo embarque e não encontrei nada. Ao chegar no final do Terminal 3, perguntei a uma jovem que estava com um colete do tipo “Posso ajudar?” da empresa que cuida do aeroporto. Perguntei dos ônibus (tinha visto 2 empresas, mesmo preço) e ela me falou “O ônibus demora muito, por que o senhor não vai de trem? É rápido e é só atravessar aquela passarela”. Disso eu sabia, mas o trem era 12 euros e o ônibus 5. Voltei ao terminal 1, onde minha esposa estava descansando e fui ao balcão de informações (fila pra informações, sem ninguém cortar a sua frente dizendo “é só uma perguntinha”: ai a moça me informou que era no térreo, quase passando o Terminal 3. Então, peguei esposa e malas e fomos andando, pelo térreo até o final do terminal 3, sendo abordados por vários taxistas. Chegando a o final, encontramos muita gente comprando esses bilhetes, tinha 4 empresas, todas com o mesmo preço. Escolhi uma qualquer, que vi todo mundo comprando. O ônibus sairia em 15 minutos. Mais uns 20 metros de caminhada, para uma marquise, e começou a juntar gente: chega ônibus, sai ônibus e chega o meu. Aí é que se vê que brasileiro é até bem educado: todo mundo se atropelando para enfiar a mala no bagageiro (motorista não faz esse serviço). Coloquei as malas e tentei (parecia uma saída de curral com estouro de boiada) entrar no ônibus. Consegui, sentei, gente de tudo quanto é nacionalidade. Péssimo ar condicionado, cadeira quebrada e em 35 minutos (quase o mesmo tempo do trem, mas era sábado) chegamos a estação Termini. Desci, peguei as malas e andei uns 500 metros pela Via Cavour até o hotel Borromeo (comentarei os hotéis no TripAdvisor), debaixo de um sol tipo “zona sul do Rio em Fevereiro”. Chegando no hotel, me informam (olha que aprendi bem italiano em um cursinho de banca de jornal) que houve um problema com minha reserva, iriam me mandar de táxi grátis a outro hotel de mesmo nível e no dia seguinte, retornaria a este, a partir das 14h.

Tudo bem: de taxi, fui ao hotel Flavia, bem mais longe e fora do eixo que eu gostaria de ficar. Bem recebido, me deram a chave e fomos tirar uma soneca. Duas horinhas de sono em ar condicionado e banho gelado e estava novo. Saímos, andamos cerca de 1 km até a estação Termini, atrás de um GPS (iria precisar e deixei para comprar lá), na loja Troni. Chegando na loja, não tinha o modelo, só um de 179 euros (o mesmo preço do aluguel, mas eu ficaria com o aparelho). Preferi ir atrás do plano B (outra loja).

Comprar bilhete de metro é super simples: toca no botão referente ao tipo de bilhete (não é na tela, é no botão ao lado), escolhe-se a quantidade (cada aperto, aumenta 1), introduz-se as notas ou moedas (1,50 euro cada) e retira-se embaixo os bilhetes e il resto (troco). Tão fácil que eu até ajudava os outros estrangeiros. Fui de metro (gente: o de São Paulo é lindo, limpo, confortável, seguro, tudo de bom comparando-se com o de Roma) até a estação Piazza Spagna, onde desci. Olhei a tal escadaria, cheia de gente, subi, tirei foto, andei até a Piazza Del Popollo, tomei um Gelato (lá é caro, 3 euros cada), andei pelo comércio, entrei (aliás, acompanhei a esposa) em um torra-torra (sinônimo de santista para loja de roupas baratas e bregas), fui ver a tal Fontana di Trevi e para meu azar, estava em reformas. Lá perto, comi por 10 euros uma lasanha com cerveja (é vinho? Perdão, mas preferi cerveja) e voltamos andando (foi seguro) para o hotel. E terminamos o primeiro dia.

Share this post


Link to post
Share on other sites

×
×
  • Create New...