Jump to content

Avião caiu em Assunção do Piaui (PI)


jambock

Recommended Posts

Meus prezados

Avião de pequeno porte caiu, nesta madrugada, em Assunção do Piauí. Incendiou-se, carbonizando duas pessoas ( piloto e pax). Moradores do local informaram a existência de uma pista clandestina na região. A polícia encontrou narcótico nos destroços.

Fonte: jornal Bandnews 11 ABR 2015

Link to comment
Share on other sites

Aqui no Brasil. Não se abate.

Aviador toma dedo do meio, risada na cara, e fica por isso mesmo.

Alguem já viu algum vídeo de avião abatido?? Eu nunca.

Link to comment
Share on other sites

Meus prezados
Aeronave com drogas cai no Norte do Piauí e dois morrem carbonizados
Acidente aconteceu na madrugada deste sábado (11), em Assunção do Piauí. Pacote de drogas foi encontrado pela Polícia Militar nos destroços do avião.

img-20150411-wa0005.jpg

Um avião monomotor explodiu durante uma queda na madrugada deste sábado (11) na comunidade Lajeiro Branco, zona rural de Assunção do Piauí, Norte do estado . De acordo com Willame Costa, gerente de policiamento do interior, os corpos do piloto e de um passageiro foram encontrados carbonizados nos destroços da aeronave, além de um pacote com 30 kg de cocaína (assista ao vídeo acima).
"Fiquei sabendo do acidente às 10h30 deste sábado e de imediato desloquei os delegados de Campo Maior e Castelo, Gustavo Jung e Laércio Evangelista, para confirmar o fato. Logo após as primeiras informações do local, comuniquei o delegado geral da Polícia Civil e a Polícia Federal. O secretário de segurança, Fábio Abreu, junto com o comandante geral da Polícia Militar, coronel Carlos Augusto, estão a caminho", relatou.
O delegado Willame Costa revelou que equipes da perícia criminal, do Instituto Médico Legal (IML) e policiais do Grupo de Repressão ao Crime Organizado (Greco) também foram acionados e estão em direção ao local do acidente.
"Os dois corpos estavam carbonizados e somente exames de DNA podem comprovar a identidade deles. A pericia vai dizer se as vítimas morreram da queda ou da explosão da aeronave", destacou.
Moradores da região relataram ter escutado duas explosões, seguidas de barulho e clarão, mas apenas na manhã deste sábado (11) constataram ser um avião. Eles contaram que o avião estaria fazendo uma rota em direção a uma pista clandestina localizada numa propriedade, entre os municípios de Assunção do Piauí e São Miguel do Tapuio.
Tráfico de drogas
O coronel Paulo de Tarso, comandante de policiamento do interior, revelou que a Polícia Militar iniciou este ano uma investigação para apurar a construção de uma pista clandestina na localidade Palmeira de Cima, próximo onde aconteceu o acidente.
"Estavamos apurando a denúncia de que uma pista clandestina estava sendo construída para o tráfico de drogas. O local escolhido seria uma propriedade localizada na serra. Agora com este acidente aéreo, queremos identificar o dono do terreno e saber a sua ligação com o comércio de entorpecentes", contou.
Fonte: Catarina Costa Do G1-pi via CECOMSAER 12 ABR 2015

Link to comment
Share on other sites

Aqui no Brasil. Não se abate.

Aviador toma dedo do meio, risada na cara, e fica por isso mesmo.

Alguem já viu algum vídeo de avião abatido?? Eu nunca.

 

A Lei do abate existe.

 

Abate também existe. A diferença é que a FAB nunca vai divulgar o vídeo.

Imagina o que os Direitos dosMano falariam?

Link to comment
Share on other sites

 

A Lei do abate existe.

 

Abate também existe. A diferença é que a FAB nunca vai divulgar o vídeo.

Imagina o que os Direitos dosMano falariam?

Se você já ouviu de um caçador que abateu, interessante.

Essa é nova para mim.

Eu sabia exatamente o inverso.

Link to comment
Share on other sites

Se você já ouviu de um caçador que abateu, interessante.

Essa é nova para mim.

Eu sabia exatamente o inverso.

 

Talvez a Lei exista mesmo, e é bem provável que exista.

 

Agora, só pq nao há relatos não implica que não exista. Como o pai de um amigo meu, em 25 anos de carreira como policial ele nunca precisou matar um bandido ( e ele tem permissão para fazer isso em legítima defesa).

 

Um coisa é puder, outra coisa é haver necessidade e outra coisa mais diferente ainda é não fazer mesmo havendo necessidade (covardia? talvez). Cada situação é diferente.

 

Agora só uma dica: cuidado ao postar, re-leia antes e veja se não parece ser meio arrogante ou intransigente. Eu acho que se vc nao sabe de fato se a Lei existe ou nao, deixe explicito no seu comentário e avise que qualquer comentário sobre ela é apenas suposição. :)

Link to comment
Share on other sites

Talvez a Lei exista mesmo, e é bem provável que exista.

 

lianderson,

 

A Lei existe. Se já foi empregada, já. Há video dela no youtube. Se já abateram alguma aeronave? Nunca revelado pela FAB.

 

 

LEI Nº 9.614, DE 5 DE MARÇO DE 1998

 

A Lei nº 9.614, de 5 de março de 1998 alterou a Lei nº 5.565/86 (Código Brasileiro de Aeronáutica), que passou a prever a possibilidade de abater aeronaves suspeitas de tráfico de entorpecentes e drogas afins que venham a ser consideradas hostis e estejam sobrevoando o espaço aéreo brasileiro.

 

"LEI Nº 9.614, DE 5 DE MARÇO DE 1998

 

Altera a Lei nº 7.565, de 19 de dezembro de 1986, para incluir hipótese destruição de aeronave.

 

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

 

Art. 1º O art. 303 da Lei nº 7.565, de 19 de dezembro de 1986, passa a vigorar acrescido de um parágrafo, numerado como § 2º, renumerando-se o atual § 2º como § 3º, na forma seguinte:

 

"Art. 303. (...)

 

§ 2º Esgotados os meios coercitivos legalmente previstos, a aeronave será classificada como hostil, ficando sujeito à medida de destruição, nos casos dos incisos do caput deste artigo e após autorização do Presidente da República ou autoridade por ele delegada.

 

§ 3º A autoridade mencionada no § 1º responderá por seus atos quando agir com excesso de poder ou com espírito emulatório."

 

Art. 2º Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação."

 

4. DECRETO Nº 5.144, DE 16 DE JULHO DE 2004

 

A Lei nº 9.614/98 foi regulamentada no governo do Presidente Luiz Inácio Lula da Silva através do Regulamento nº 5.144/04.

 

"DECRETO Nº 5.144, DE 16 DE JULHO DE 2004.

 

Regulamenta os §§ 1o, 2o e 3o do art. 303 da Lei no 7.565, de 19 de dezembro de 1986, que dispõe sobre o Código Brasileiro de Aeronáutica, no que concerne às aeronaves hostis ou suspeitas de tráfico de substâncias entorpecentes e drogas afins.

 

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e tendo em vista o disposto nos §§ 1o, 2o e 3o do art. 303 da Lei no 7.565, de 19 de dezembro de 1986,

 

DECRETA:

 

Art. 1o Este Decreto estabelece os procedimentos a serem seguidos com relação a aeronaves hostis ou suspeitas de tráfico de substâncias entorpecentes e drogas afins, levando em conta que estas podem apresentar ameaça à segurança pública.

 

Art. 2o Para fins deste Decreto, é considerada aeronave suspeita de tráfico de substâncias entorpecentes e drogas afins aquela que se enquadre em uma das seguintes situações:

 

I - adentrar o território nacional, sem Plano de Vôo aprovado, oriunda de regiões reconhecidamente fontes de produção ou distribuição de drogas ilícitas; ou

 

II - omitir aos órgãos de controle de tráfego aéreo informações necessárias à sua identificação, ou não cumprir determinações destes mesmos órgãos, se estiver cumprindo rota presumivelmente utilizada para distribuição de drogas ilícitas.

 

Art. 3o As aeronaves enquadradas no art. 2o estarão sujeitas às medidas coercitivas de averiguação, intervenção e persuasão, de forma progressiva e sempre que a medida anterior não obtiver êxito, executadas por aeronaves de interceptação, com o objetivo de compelir a aeronave suspeita a efetuar o pouso em aeródromo que lhe for indicado e ser submetida a medidas de controle no solo pelas autoridades policiais federais ou estaduais.

 

§ 1o As medidas de averiguação visam a determinar ou a confirmar a identidade de uma aeronave, ou, ainda, a vigiar o seu comportamento, consistindo na aproximação ostensiva da aeronave de interceptação à aeronave interceptada, com a finalidade de interrogá-la, por intermédio de comunicação via rádio ou sinais visuais, de acordo com as regras de tráfego aéreo, de conhecimento obrigatório dos aeronavegantes.

 

§ 2o As medidas de intervenção seguem-se às medidas de averiguação e consistem na determinação à aeronave interceptada para que modifique sua rota com o objetivo de forçar o seu pouso em aeródromo que lhe for determinado, para ser submetida a medidas de controle no solo.

 

§ 3o As medidas de persuasão seguem-se às medidas de intervenção e consistem no disparo de tiros de aviso, com munição traçante, pela aeronave interceptadora, de maneira que possam ser observados pela tripulação da aeronave interceptada, com o objetivo de persuadi-la a obedecer às ordens transmitidas.

 

Art. 4o A aeronave suspeita de tráfico de substâncias entorpecentes e drogas afins que não atenda aos procedimentos coercitivos descritos no art. 3º será classificada como aeronave hostil e estará sujeita à medida de destruição.

 

Art. 5o A medida de destruição consiste no disparo de tiros, feitos pela aeronave de interceptação, com a finalidade de provocar danos e impedir o prosseguimento do vôo da aeronave hostil e somente poderá ser utilizada como último recurso e após o cumprimento de todos os procedimentos que previnam a perda de vidas inocentes, no ar ou em terra.

 

Art. 6o A medida de destruição terá que obedecer às seguintes condições:

 

I - emprego dos meios sob controle operacional do Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro - COMDABRA;

 

II - registro em gravação das comunicações ou imagens da aplicação dos procedimentos;

 

III - execução por pilotos e controladores de Defesa Aérea qualificados, segundo os padrões estabelecidos pelo COMDABRA;

 

IV - execução sobre áreas não densamente povoadas e relacionadas com rotas presumivelmente utilizadas para o tráfico de substâncias entorpecentes e drogas afins; e

 

V - autorização do Presidente da República ou da autoridade por ele delegada.

 

Art. 7o O teor deste Decreto deverá ser divulgado, antes de sua vigência, por meio da Publicação de Informação Aeronáutica (AIP Brasil), destinada aos aeronavegantes e de conhecimento obrigatório para o exercício da atividade aérea no espaço aéreo brasileiro.

 

Art. 8o As autoridades responsáveis pelos procedimentos relativos à execução da medida de destruição responderão, cada qual nos limites de suas atribuições, pelos seus atos, quando agirem com excesso ou abuso de poder.

 

Art. 9o Os procedimentos previstos neste Decreto deverão ser objeto de avaliação periódica, com vistas ao seu aprimoramento.

 

Art. 10. Fica delegada ao Comandante da Aeronáutica a competência para autorizar a aplicação da medida de destruição.

 

Art. 11. O Ministério da Defesa, por intermédio do Comando da Aeronáutica, deverá adequar toda documentação interna ao disposto neste Decreto.

 

Art. 12. Este Decreto entra em vigor noventa dias após a data de sua publicação."

 

Abraço,

 

Sydy

Link to comment
Share on other sites

 

Agora só uma dica: cuidado ao postar, re-leia antes e veja se não parece ser meio arrogante ou intransigente. Eu acho que se vc nao sabe de fato se a Lei existe ou nao, deixe explicito no seu comentário e avise que qualquer comentário sobre ela é apenas suposição. :)

Que a lei existe, existe. Disso não tenho dúvidas.

A duvida é sobre um abate de fato. Tiros de advertência já foram dados em mais de uma ocasião, segundo fiquei sabendo.

Um forista postou dizendo que já houve abate e é sobre esta informação que eu tive dúvidas, já que o que sei é exatamente o oposto.

De qualquer forma, toca o barco. Quem sabe sabe, quem não sabe, acha que sabe. Nunca teremos certeza absoluta de nada, não me anima esse tipo de "conversa".

Se lhe pareceu arrogante lamento pelo mal entendido, mas não foi o caso.

Link to comment
Share on other sites

Meus prezados

Pista clandestina do Piauí usada para o tráfico de drogas será explodida
Local seria utilizado por avião monomotor que caiu e matou duas pessoas. Solicitação da explosão foi encaminhado ao Exército e Polícia Federal.

A pista clandestina usada para o tráfico de drogas e onde pousaria o avião monomotor que caiu matando duas pessoas nesse sábado (11) em Assunção do Piauí, Norte do estado, será explodida. De acordo com delegado Gustavo Jung, titular de Campo Maior, a solicitação foi encaminhada ao Exército e Polícia Federal logo após a queda da aeronave, que transportava 30 kg de cocaína.

A pista fica dentro de uma propriedade na localidade Palmeira de Cima, região de serra entre os municípios de Assunção do Piauí e São Miguel do Tapuio, próximo da divisa com o Ceará. Segundo o delegado, o local já estava sendo monitorado pela polícia e há informação de que a pista funcionava a cerca de três meses como trajeto para o tráfico de drogas.

"É uma quadrilha de alto escalão do tráfico, que trabalha somente com a distribuição de 50 kg ou mais de droga e o avião provavelmente era deles. O que chamou a atenção da polícia também foi a grande quantidade de equipamento de aviação apreendida, incluindo um drone e 10 rádios de comunicação aeronáutico", comentou.

Para a polícia, parte da cocaína encontrada nos destroços do avião seria distribuída no Piauí e outra no Ceará. Ele revelou também que os seis suspeitos presos de darem apoio técnico ao avião são na maioria cearenses, mas há integrantes do Rio Grande do Norte e de Santa Catarina.

"Os suspeitos foram encaminhados na manhã deste domingo para a Casa de Custódia de Teresina, pois são presos de alta periculosidade. A prisão do grupo aconteceu quando eles descobriram que o avião tinha caído e tentavam localizar o local da queda para resgatar a droga", informou.

Policiais civis ainda realizam diligências na região para a captura de um outro integrante da quadrilha, que conseguiu fugir. Todo o material apreendido, incluindo a droga, também foi encaminhado para análise em Teresina. Os corpos carbonizados passarão por exame de DNA para identificação das vítimas.

Piloto de avião ficou desorientado e tentou pouso forçado, diz polícia do PI
Avião não caiu de bico, o que indica a tentativa de um pouso forçado. Para a polícia, este seria o primeiro voo na pista clandestina.

O secretário de segurança do Piauí, Fábio Abreu, e o delegado Gustavo Jung revelaram ao G1 que o piloto morto na queda do avião monomotor nesse sábado (11) teria ficado desorientado e tentou realizar um pouso forçado na mata.

Para a polícia, este seria o primeiro voo na pista clandestina localizada entre as cidades de Assunção do Piauí e São Miguel do Tapuio, Norte do estado.

"Acreditamos que ele não conhecia tão bem a região e os seis suspeitos presos após a queda da aeronave tinham a função de orientar o piloto sobre o local exato da aterrisagem. A iluminação da pista seria feita pelos carros apreendidos, mas o grupo se atrasou e o piloto ficou desorientado, pois caiu muito longe do local de pouso", explicou Fábio Abreu.

Para o delegado Gustavo Jung, que também esteve no local do acidente, a posição em que o avião caiu mostra que o piloto ainda tentou um pouso forçado. "A aeronave não caiu de bico, mas com as asas abertas na tentativa de pouso e a explosão foi em decorrência da queda. Ele perdeu a altitude gradativamente e entrou mata a dentro", contou.

Fábio Abreu reafirmou que o avião monomotor Cessna 210 é provavelmente de uma organização criminosa de alto escalão do tráfico de drogas e que o dono da propriedade onde foi construída a pista clandestina já foi identificado. "A polícia o notificou e ele deverá prestar esclarecimentos esta semana. A queda da aeronave será apurada pelo Cenipa [Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos], enquanto a morte dos dois passageiros ficará a cargo da Polícia Civil do Piauí e o tráfico de drogas da Polícia Federal", disse.

Tráfico de drogas

Diante do aparato tecnológico apreendido com a quadrilha, o secretário de segurança não descarta a possibilidade de ter mais droga. A polícia investiga se há outros pacotes de cocaína dentro da mata, queimada nos destroços do avião ou extraviada por populares que chegaram antes da polícia ao local do acidente.

"Era uma estrutura muito bem montada para apenas 30 kg de cocaína. Será feita uma perícia na aeronave para constatar mais droga, mas temos policiais no meio da mata procurando se outros pacotes foram jogados antes da queda. Também estamos orientaNdo as pessoas da região, que tiverem encontrado algo semelhante nos avisem", destacou.

Ainda segundo Fábio Abreu, pela forma de mala em que a droga foi embalada, ela poderia ser jogada sem a necessidade do avião pousar. A polícia também investiga se há outros integrantes na organização.

Fonte: G1-Pi via CECOMSAER 13 ABR 2015

Link to comment
Share on other sites

Meus prezados

Corpo de piloto morto em queda de avião é identificado e liberado do IML
Filha do piloto veio ao Piauí e reconheceu pertences encontrado com o corpo. Vítima foi identificada como Antônio José Pedreira, 62 anos, natural de Goiás.

O Instituto Médico Legal de Teresina (IML) confirmou no fim da tarde desta terça-feira (14) que foi liberado o corpo do piloto do avião que caiu na madrugada do sábado (11) na zona rural de Assunção do Piauí, no Norte do Piauí.

A vítima foi identificada como Antônio José Pedreira, de 62 anos, natural do estado de Goiás.

De acordo com Marcos Aurélio Santos, diretor do IML, a mulher veio a Teresina acompanhada do noivo e afirmou que o relógio encontrado entre os destroços da aeronave pertencem ao seu pai.

“Foi feito o exame da arcada dentária que confirmou a identidade do homem. A filha trouxe uma ficha odontológica do piloto que facilitou o reconhecimento”, disse.

Segundo o delegado Menandro Pedro, coordenador da Delegacia Especializada de Prevenção e Repressão a Entorpecentes (Depre), a identificação do piloto pode esclarecer alguns pontos da investigação. “Temos que saber quem é o verdadeiro dono da aeronave e qual a ligação do piloto com o grupo preso.

Além disso, podemos confirmar também de onde a droga pode ter vindo”, destacou.

O delegado disse ainda que o corpo do piloto será levado para o estado goiano nesta quarta-feira (15). O acidente envolvendo a aeronave aconteceu na madrugada do sábado (11) e após o fato a polícia acabou descobrindo que o avião de pequeno porte estava transportando cocaína.

O corpo do piloto foi encontrado carbonizado junto aos destroços da aeronave, além de um pacote com 30 kg de cocaína. As investigações estão a cargo da Delegacia de Repressão a Entorpecentes e correm em segredo de Justiça. Após o acidente, seis pessoas foram presas suspeitas de darem apoio técnico ao avião monomotor.

Fonte: Catarina Costa e Ellyo Teixeira Do G1 Pi via CECOMSAER 15 ABR 2015

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade