Jump to content

Embraer está otimista com possibilidade de vender E-Jets para a TAP


Recommended Posts

Fonte: http://economia.uol.com.br/noticias/valor-online/2015/06/12/embraer-esta-otimista-com-possibilidade-de-vender-e-jets-para-a-tap.htm

 

Embraer está otimista com possibilidade de vender E-Jets para a TAP

 

  • Divulgação

    aviao-e195-e2-da-embraer-1432223462646_6

 

A Embraer está otimista com a possibilidade de vender seus E-Jets para a portuguesa TAP, adquirida hoje pelo consórcio Gateway, integrado pelo empresário David Neeleman, dono da brasileira Azul.

"Nossos parabéns ao David e acreditamos que haja um bom espaço para aeronaves E-Jets na TAP, seja em rotas com menor densidade de passageiros, seja em rotas que podem oferecer sempre mais freqüências e melhores serviços aos passageiros", disse Paulo Cesar Silva, presidente da Embraer Aviação Comercial.

A TAP tem 77 aviões, sendo 61 Airbus e oito aeronaves da Embraer. Os modelos da fabricante brasileira voam na Portugália Airlines (PGA), de aviação regional.

A Azul opera hoje a maior frota de jatos E195, de 120 lugares, no mundo, com 60 unidades. Em maio deste ano, a companhia confirmou uma encomenda firme de 50 aeronaves do modelo de nova geração - E-195 E2 - e outras 20 opções, um negócio da ordem de US$ 3,2 bilhões, segundo o preço de lista das aeronaves.

A frota da Azul é composta hoje por 82 jatos Embraer e ainda aguarda a entrega de outros seis E195.

Desde que entraram em serviço, em 2004, os E-Jets da Embraer, família de aeronaves composta por quatro modelos de 70 a 130 assentos, já receberam mais de 1.500 pedidos. Deste total, 1.100 foram entregues para 70 companhias aéreas em 50 países. A América do Norte é o principal destino dos E-Jets da fabricante brasileira, respondendo por quase 50% das suas vendas de jatos comerciais.

Com mais de 50% das vendas e 60% das entregas do mercado mundial, os jatos regionais fabricados pela Embraer se destacam pela combinação de custo operacional atrativo e cabines ergonômicas e espaçosas, com dois assentos por fileira.

Em 2013, a empresa lançou a segunda geração de aeronaves comerciais, os E-Jets E-2, que já contam com 242 pedidos firmes, além de 348 opções e direitos de compra. O primeiro avião E2 está previsto para ser entregue em 2018. A Azul opera hoje a maior frota de jatos E195 no mundo.

A expectativa da Embraer é que os jatos regionais sustentem a eficiência das companhias aéreas em operações de alimentação de tráfego nos grandes aeroportos e atuem de forma complementar aos aviões de maior porte, de corredor único. Desta forma, a empresa acredita que os E-Jets estariam bem posicionados para incentivar o desenvolvimento de novos mercados de média densidade com menores riscos.

A principal mudança que será incorporada nos jatos E2 em relação à atual família está relacionada ao motor. A Embraer selecionou as turbinas da Pratt & Whitney, que prometem uma economia de consumo de 16% e uma redução de 20% nos custos de operação das aeronaves.

Link to comment
Share on other sites

Fonte: http://economia.uol.com.br/noticias/valor-online/2015/06/12/embraer-esta-otimista-com-possibilidade-de-vender-e-jets-para-a-tap.htm

 

Embraer está otimista com possibilidade de vender E-Jets para a TAP

 

  • Divulgação

    aviao-e195-e2-da-embraer-1432223462646_6

 

A Embraer está otimista com a possibilidade de vender seus E-Jets para a portuguesa TAP, adquirida hoje pelo consórcio Gateway, integrado pelo empresário David Neeleman, dono da brasileira Azul.

 

"Nossos parabéns ao David e acreditamos que haja um bom espaço para aeronaves E-Jets na TAP, seja em rotas com menor densidade de passageiros, seja em rotas que podem oferecer sempre mais freqüências e melhores serviços aos passageiros", disse Paulo Cesar Silva, presidente da Embraer Aviação Comercial.

 

A TAP tem 77 aviões, sendo 61 Airbus e oito aeronaves da Embraer. Os modelos da fabricante brasileira voam na Portugália Airlines (PGA), de aviação regional.

 

A Azul opera hoje a maior frota de jatos E195, de 120 lugares, no mundo, com 60 unidades. Em maio deste ano, a companhia confirmou uma encomenda firme de 50 aeronaves do modelo de nova geração - E-195 E2 - e outras 20 opções, um negócio da ordem de US$ 3,2 bilhões, segundo o preço de lista das aeronaves.

 

A frota da Azul é composta hoje por 82 jatos Embraer e ainda aguarda a entrega de outros seis E195.

 

Desde que entraram em serviço, em 2004, os E-Jets da Embraer, família de aeronaves composta por quatro modelos de 70 a 130 assentos, já receberam mais de 1.500 pedidos. Deste total, 1.100 foram entregues para 70 companhias aéreas em 50 países. A América do Norte é o principal destino dos E-Jets da fabricante brasileira, respondendo por quase 50% das suas vendas de jatos comerciais.

 

Com mais de 50% das vendas e 60% das entregas do mercado mundial, os jatos regionais fabricados pela Embraer se destacam pela combinação de custo operacional atrativo e cabines ergonômicas e espaçosas, com dois assentos por fileira.

 

Em 2013, a empresa lançou a segunda geração de aeronaves comerciais, os E-Jets E-2, que já contam com 242 pedidos firmes, além de 348 opções e direitos de compra. O primeiro avião E2 está previsto para ser entregue em 2018. A Azul opera hoje a maior frota de jatos E195 no mundo.

 

A expectativa da Embraer é que os jatos regionais sustentem a eficiência das companhias aéreas em operações de alimentação de tráfego nos grandes aeroportos e atuem de forma complementar aos aviões de maior porte, de corredor único. Desta forma, a empresa acredita que os E-Jets estariam bem posicionados para incentivar o desenvolvimento de novos mercados de média densidade com menores riscos.

 

A principal mudança que será incorporada nos jatos E2 em relação à atual família está relacionada ao motor. A Embraer selecionou as turbinas da Pratt & Whitney, que prometem uma economia de consumo de 16% e uma redução de 20% nos custos de operação das aeronaves.

 

Não seria simples, apenas executar as 20 opções da AZUL e repassar os E-Jets para TAP?

Link to comment
Share on other sites

 

Não seria simples, apenas executar as 20 opções da AZUL e repassar os E-Jets para TAP?

 

 

E quando eu falei lá no tópico da privatização, que o crescimento da AZUL (chegada de aeronaves) poderia ser menor com a compra da TAP, a torcida organizada da AZUL achou um absurdo sem nexo alguém falar isso.

Link to comment
Share on other sites

 

 

E quando eu falei lá no tópico da privatização, que o crescimento da AZUL (chegada de aeronaves) poderia ser menor com a compra da TAP, a torcida organizada da AZUL achou um absurdo sem nexo alguém falar isso.

 

Nobre Shock Wave, trata-se apenas de uma suposição do colega RCWSKY.

 

A Embraer espera vender os E1 ou E2 para a "nova" TAP dado os laços (leia-se histórico de negócios) que a empresa tem com a JetBlue, Azul e agora TAP. O que há em comum entre elas: o Sr. David Neeleman.

 

Forte abraço ...

Link to comment
Share on other sites

 

Nobre Shock Wave, trata-se apenas de uma suposição do colega RCWSKY.

 

A Embraer espera vender os E1 ou E2 para a "nova" TAP dado os laços (leia-se histórico de negócios) que a empresa tem com a JetBlue, Azul e agora TAP. O que há em comum entre elas: o Sr. David Neeleman.

 

Forte abraço ...

 

 

Sim, eu entendi que é uma suposição, mas bem plausível, visto que o David já fez isto quando adquiriu a AZUL e converteu pedidos da Jet Blue pra ela.

 

Abç

Link to comment
Share on other sites

 

 

Sim, eu entendi que é uma suposição, mas bem plausível, visto que o David já fez isto quando adquiriu a AZUL e converteu pedidos da Jet Blue pra ela.

 

Abç

 

 

Em verdade não.

 

David Neeleman deixou de ser o CEO da JetBlue em Maio de 2007. No dia 14 de Fevereiro daquele ano houve uma tempestade de neve em New York. Neeleman insistiu em continuar as operações da JetBlue quando outras haviam interrompido. Vários aviões ficaram literalmente atolados de neve e os passageiros ficaram até seis horas dentro dos aviões até que eles pudessem voltar aos portões e serem desembarcados. A confusão gerada afetou toda a operação da cia. aérea, que somente voltou a se normalizar no dia 20 de Fevereiro. A bagunça (e o prejuízo) gerada pela insistência e errônea decisão de Neeleman acabou por afetar a imagem da empresa e consequentemente ele deixou o posto que ocupava. Com sua saída, colocou também à venda suas ações da empresa que ajudara a fundar, a JetBlue.

Fonte: http://hbswk.hbs.edu/item/5880.html

 

Então, Neeleman decide-se por voltar ao Brasil e fundar sua própria cia. aérea aqui juntamente com um grupo de investidores, oficialmente aberta no dia 04 de Janeiro de 2008 com o nome de Azul Linhas Aéreas.

 

A frota seria baseada na plataforma E190 e E195 de fabricação da Embraer.

Neeleman quando CEO da JetBlue foi um dos grandes incentivadores da Embraer. A frota da JetBlue era composta então pelo E190 para ser usado em exploração de novos mercados ou onde a aeronave maior da frota não era adequada, no caso o A320.

 

A previsão inicial para o E190 era de 100 encomendas firmes e mais 100 opções.

 

Ao longo do tempo, a composição da frota da JetBlue foi adequada para 60 aeronaves E190 com um limite máximo de 84 aeronaves. Entrava também o A321, para rotas mais densas.

 

Em outubro de 2013 a JetBlue decide postergar as entregas pendentes do E190 compreendidas entre 2014 e 2018 para 2020 e 2022.

Fonte: http://www.bloomberg.com/news/articles/2013-10-29/jetblue-to-defer-24-embraer-aircraft-to-cut-near-term-spending

 

Coincidentemente em julho de 2013 a Embraer lança a família dos EJets-E2.

É compreensível então que a JetBlue, caso mantenha a encomenda inicial das 24 aeronaves faltantes do E190 migre para o novo modelo.

 

O fato de a JetBlue ter postergado a entrega dos seus E190 não atesta que eles foram destinados à Azul.

A Azul pode ter se beneficiado desse fato pois abriram posições vagas na produção? Sim, pode. Mas não houve negócio envolvendo a JetBlue e a Azul.

 

É comum as fábricas possuírem algumas posições de entregas vagas para eventualmente atenderem encomendas de ultima hora.

E, quando existem um adiamento ou cancelamento de encomenda, ajusta-se a cadência de produção e entrega das novas aeronaves. E, dentro de uma programação prévia, também é possível aumentar a cadência de produção dentro de um nível admissível e pré-determinado.

 

Um abração para você !!!

Ricardo ...

Link to comment
Share on other sites

 

 

 

O fato de a JetBlue ter postergado a entrega dos seus E190 não atesta que eles foram destinados à Azul.

A Azul pode ter se beneficiado desse fato pois abriram posições vagas na produção? Sim, pode. Mas não houve negócio envolvendo a JetBlue e a Azul.

 

 

 

Caro Ricardo.

 

Cuidado com as informações de Internet.

 

Tanto houve negócio encvolvendo ambas, que os três primeiros aviões da AZUL nem novo eram, foram retirados da rota da Jetblue, pintados de Azul e retrofitados pra colocar o ADF (obrigatório no Brasil, mas não nos EUA), e deram início aos vôos da empresa brasileira (PR-AZL e mais dois). Estes estão até hoje voando na AZUL.

 

Abraço

Link to comment
Share on other sites

 

 

Caro Ricardo.

 

Cuidado com as informações de Internet.

 

Tanto houve negócio encvolvendo ambas, que os três primeiros aviões da AZUL nem novo eram, foram retirados da rota da Jetblue, pintados de Azul e retrofitados pra colocar o ADF (obrigatório no Brasil, mas não nos EUA), e deram início aos vôos da empresa brasileira (PR-AZL e mais dois). Estes estão até hoje voando na AZUL.

 

Abraço

 

Em verdade Neeleman aproveitou a oportunidade da reorganização e ajuste da frota de E190 da JetBlue naquele momento.

Fonte: http://www.flightglobal.com/news/articles/neeleman-reveals-plan-for-jetblue-e-190s-316340/

 

Brazilian start-up Azul in early 2009 will launch service using a combination of Embraer 190s and 195s, founder David Neeleman revealed today.

 

"We're going to launch with both types. We will have [a total] five aircraft - three E-195s and two E-190s," he said on the sidelines of JetBlue's ribbon-cutting ceremony for its new Terminal 5 facility atNew York JFK.

 

Neeleman founded JetBlue in 1999. The low-cost carrier launched operations from JFK in 2000.

 

As announced last week, JetBlue brokered an agreement to lease two E-190s to Azul, as part of the carrier's larger plan to slow growth of the type. JetBlue is also selling a further four E-190 deliveries to leasing firm Jetscape, which in turn will lease the aircraft to Azul.

 

The opportunity "presented itself" and Azul found it desirable, says Neeleman.

 

Both he and Embraer confirm that Azul's 36-strong order for E-195s remains intact. The Brazilian operator still intends to operate a total 76 aircraft within five years of launch.

Link to comment
Share on other sites

Neeleman com certeza sabia do movimento dentro da JetBlue e então aproveitou a oportunidade ...

A decisão sobre o destino daqueles E190 dentro da JetBlue já estava tomada.

E, postergar a entrega de novas aeronaves, também envolvendo os A320.

Lembre-se, ao ano era 2009 e no ano anterior tinha estourada a famosa "bolha dos imóveis" nos EUA, levando o país a recessão.

Era necessário diminuir e ajustar a frota naquele momento.

 

Fonte: http://www.flightglobal.com/news/articles/jetblue-e-190s-head-to-brazil39s-azul-316216/

 

 

An arrangement that supports the early 2009 launch of Brazilian start-up Azul while letting JetBlue Airways slow its Embraer E-190 growth has been brokered by the two carriers, which share the same founder, David Neeleman. Under the deal, Azul has leased and taken delivery of one E-190 from JetBlue and will accept delivery of a second leased E-190 "by the end of 2008", says JetBlue chief financial officer Ed Barnes.

 

Additionally, JetBlue intends to sell four future E-190 deliveries to leasing firm Jetscape in the first quarter of 2009. Jetscape will subsequently lease these four aircraft to Azul.

 

To date, JetBlue has deferred delivery of over 100 aircraft, and announced the sale of 18 AirbusA320s. The company's 2009 capacity plan calls for four E-190s and one A320 to be net additions to the fleet.

Link to comment
Share on other sites

AZA/AZL voavam na JB e vieram ora AD, AZC e AZD chegaram a ter prefixo NxxxJB em cores Azul foram ao Caribe e voltaram pro BR...

Link to comment
Share on other sites

Eu acredito que isso irá tornar verdade com certeza, com a compra da TAP o Neeleman poderá padronizar a frota de jatos da Portugália [ e colocar alguns na TAP também ] com E-jets e os turbohélices com ATR [ alguns ex-Trip quem sabe ]

 

E alguns A32F poderão ir pra Azul, pelo menos enquanto os Neo não chegarem.

Link to comment
Share on other sites

E alguns A32F poderão ir pra Azul, pelo menos enquanto os Neo não chegarem.

 

Caro A318

 

A AZUL já tinha comprado 6 A32F, e cancelou, devido as conjunturas econômicas.

A propria diretoria e presidência confirmou isto em reuniões com o grupo.

Inclusive falaram que foi um cancelamento bem tranquilo, onde o "leasor" não cobrou a multa.

De maneira que acredito que não seja o caso de passar Airbus da TAP pra AZUL agora.

 

Grande abraço.

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade