Jump to content

O aeroporto do futuro terá pista de pouso em passarelas no meio da cidade?


PP-CJC

Recommended Posts

Conceitualmente é interessante, mas há duas questões: o barulho dos aviões e a idéia dele se baseou em uma cidade imaginária, como que seria isso em Londres, Paris, Tokyo, NY ou SP.

 

Fora que esta estrutura seria pesada na paisagem urbana.

Link to comment
Share on other sites

Conceitualmente é interessante, mas há duas questões: o barulho dos aviões e a idéia dele se baseou em uma cidade imaginária, como que seria isso em Londres, Paris, Tokyo, NY ou SP.

 

Fora que esta estrutura seria pesada na paisagem urbana.

 

 

Discordo. A nível de ruído, as cidades já contam com isso. E vamos falar de tecnologia. A indústria cada vez mais adota tecnologia para redução de ruído. Impondo limitações de horário, não vejo porque não apostar para o futuro.

A ideia de atravessar a rua e ter a disposição uma estação (ou terminal) com expressos para vários pontos do país e do mundo é algo muito interessante. E para falar a verdade é algo natural. Inicialmente o trem era um transporte de elite. Hoje temos CPTM e Super Via. Fugindo um pouco do âmbito passional, a aviação naturalmente tem tudo para ser um meio de transporte cada vez mais popular. A história para por si só.

Temos tecnologia? Talvez sim, mas não ao custo para realizar algo desta magnitude. Um sistema de trilho, proteção e sistemas de precisão para pouso são realidades. Não temos porta aviões?

Já vi discussões sobre isso. É assunto inovador, mas não inédito.

Link to comment
Share on other sites

Jamais. Pousar entre prédios altos? Tem lugar que dá trabalho por ter rampa diferente, atmosfera sempre turbulenta e rajadas complicadas.

Redução de ruído à ponto de permitir que uma pessoa fique distando 50m do avião em T/O Thrust? Não. Não enquanto os motores utilizarem querosene e partes móveis.

Estrutura que permita frenagens rápidas e distribua melhor o peso para pousar em passarelas simples? Difícil...


Ao meu ver, tudo isso só faria o preço da passagem aumentar, o que é contraditório para um transporte dentro da cidade. Se nem os helicópteros conseguiram tal façanha ainda, duvido muito dos aviões...

Link to comment
Share on other sites

É conceitual, mas desse conceito é possível tirar idéias bacanas.

por exemplo totens de auto-checkin em pontos estratégicos da cidade que estão entre os principais caminhos de acesso ao aeroporto.

ou então, por exemplo, poder despachar a bagagem na Penn Station ou na estação Jamaica a caminho do JFK, claro, com uma antecedência maior.

 

Como nos desfiles de moda das grandes grifes, a gente não vê aquelas roupas estrambólicas, que as modelos usam, nas lojas ou nas ruas, mas vemos tendências e conceitos mostrados nos desfiles.

 

Neste caso, é uma leitura que cada um faz, do tipo, trazer os serviços do aeroporto para mais perto de você.

Link to comment
Share on other sites

É conceitual, mas desse conceito é possível tirar idéias bacanas.

por exemplo totens de auto-checkin em pontos estratégicos da cidade que estão entre os principais caminhos de acesso ao aeroporto.

ou então, por exemplo, poder despachar a bagagem na Penn Station ou na estação Jamaica a caminho do JFK, claro, com uma antecedência maior.

 

Como nos desfiles de moda das grandes grifes, a gente não vê aquelas roupas estrambólicas, que as modelos usam, nas lojas ou nas ruas, mas vemos tendências e conceitos mostrados nos desfiles.

 

Neste caso, é uma leitura que cada um faz, do tipo, trazer os serviços do aeroporto para mais perto de você.

Isso já existe em Seoul, tem um mini terminal no centro da cidade onde você faz check in, despacha as malas e pega um ônibus exclusivo para o aeroporto em si...
Link to comment
Share on other sites

Discordo. A nível de ruído, as cidades já contam com isso. E vamos falar de tecnologia. A indústria cada vez mais adota tecnologia para redução de ruído. Impondo limitações de horário, não vejo porque não apostar para o futuro.

A ideia de atravessar a rua e ter a disposição uma estação (ou terminal) com expressos para vários pontos do país e do mundo é algo muito interessante. E para falar a verdade é algo natural. Inicialmente o trem era um transporte de elite. Hoje temos CPTM e Super Via. Fugindo um pouco do âmbito passional, a aviação naturalmente tem tudo para ser um meio de transporte cada vez mais popular. A história para por si só.

Temos tecnologia? Talvez sim, mas não ao custo para realizar algo desta magnitude. Um sistema de trilho, proteção e sistemas de precisão para pouso são realidades. Não temos porta aviões?

Já vi discussões sobre isso. É assunto inovador, mas não inédito.

O barulho das cidades é difusa, agora imagina o Dreamliner taxiando ou ligando os motores a 50m de um edifício de escritórios, escolas ou hospitais? Isso por que é uma das aeronaves mais silenciosas da aviação. E a tecnologia dos motores do B787 irá durar uns 30 anos no mínimo.

 

O Metrô paulistano foi obrigado a colocar barreiras acústicas em alguns trechos, principalmente elevados.

 

Ter pontos pulverizados de embarque é interessante do ponto de vista do passageiros, em termos operacionais é um desastre. Como coordenar todos estes vôos? Informatizando não é a solução.

 

O sistema de segurança tem que ser complexo, de tal modo que evite acidentes como o JJ3054.

 

Como vai colocar isso em uma metrópole como São Paulo, cheia de prédios e topografia irregular? Ou no Rio de Janeiro, acabando com aquela paisagem?

 

Tem tanto contorcionismo para viabilizar este aeroporto em área central, não é melhor construir um há uns 20km do centro? Coloca um trem semi-expresso a 100km/h, com capilaridade para outras linhas de transporte; terminais off-line onde é possível fazer o check-in e despachar a mala, se possível tudo automatizado; chegando apenas no aeroporto com o cartão de embarque no smartphone e passando pela segurança e embarcando.

 

E a idéia de aeroporto no meio da cidade, elevado, não é nova:

Manhattan-Airport.jpg

Nova Iorque

 

http://longstreet.typepad.com/.a/6a00d83542d51e69e201287660835f970c-pi

Londres

Link to comment
Share on other sites

Os Jetsons se passa em 2063. Em um famoso filme, Dr. Emmet leva Martin para 2015. Quando pensamos em futuro vislumbramos tecnologia do futuro, sem a realidade do presente ou os impedimentos da física. Imaginar não custa nada.... Mas sendo realistas, não será TÃO diferente de hoje

Link to comment
Share on other sites

Pista elevada já existe. https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/e/e5/Aeroporto_da_Madeira_runway.JPG

 

O ruído talvez pudesse ser minimizado através de decolagem assistida por catapulta eletromagnética (como nos novos porta-aviões dos EUA) e razão mínima de subida até se afastar do centro urbano.

 

Deslocar a aeronave na cidade só para que os passageiros não precisem se transferir de um transporte dedicado me parece o menos plausível. Mas reforça o potencial desse transporte dedicado. Imagine pegar um ônibus uma hora antes do voo na porta de casa e descer na porta do avião, sem se preocupar com check-in ou bagagem. Não é do interesse de taxistas, operadores de estacionamento ou de aeroporto, mas é de interesse dos passageiros, que infelizmente são menos capazes de se organizar.

Link to comment
Share on other sites

O barulho das cidades é difusa, agora imagina o Dreamliner taxiando ou ligando os motores a 50m de um edifício de escritórios, escolas ou hospitais? Isso por que é uma das aeronaves mais silenciosas da aviação. E a tecnologia dos motores do B787 irá durar uns 30 anos no mínimo.

 

O Metrô paulistano foi obrigado a colocar barreiras acústicas em alguns trechos, principalmente elevados.

 

Ter pontos pulverizados de embarque é interessante do ponto de vista do passageiros, em termos operacionais é um desastre. Como coordenar todos estes vôos? Informatizando não é a solução.

 

O sistema de segurança tem que ser complexo, de tal modo que evite acidentes como o JJ3054.

 

Como vai colocar isso em uma metrópole como São Paulo, cheia de prédios e topografia irregular? Ou no Rio de Janeiro, acabando com aquela paisagem?

 

Tem tanto contorcionismo para viabilizar este aeroporto em área central, não é melhor construir um há uns 20km do centro? Coloca um trem semi-expresso a 100km/h, com capilaridade para outras linhas de transporte; terminais off-line onde é possível fazer o check-in e despachar a mala, se possível tudo automatizado; chegando apenas no aeroporto com o cartão de embarque no smartphone e passando pela segurança e embarcando.

 

E a idéia de aeroporto no meio da cidade, elevado, não é nova:

Manhattan-Airport.jpg

Nova Iorque

 

http://longstreet.typepad.com/.a/6a00d83542d51e69e201287660835f970c-pi

Londres

 

Tecnologia, amigo. Não estou falando de algo para duas ou três décadas. Estou falando de algo que talvez nossos filhos também não terão a oportunidade de ver.

Aviões e motores atuais não estão em discussão. Usaram imagens como exemplo, mas estes projetos são debatidos. Quer ver? Helicópteros não pousam em edifícios? Será que um dia não teremos tecnologia para pousos semelhantes em transportadores civis?

Mas temos exemplos de que esse é o desejo do mercado. Existem locais no centro de algumas capitais, onde malas são despachadas. Você não precisa de carro para se deslocar até o aeroporto, uma vez que a administradora entende o desejo do cliente, e oferece transporte de qualidade e em alguns casos expressos de alta velocidade.

Link to comment
Share on other sites

ha 100 anos um avião com um ou dois a bordo precisavam de 100/150 metros para decolar.

Quando a aviação evoluiu para próximo do atual foram necessarios algo em torno 1000 a 2000 metros lá pelo idos dos anos 70 para uma acft com 100/200 POB; hoje ainda esta da mesma forma...com acréscimo de POB.

 

Inversamente do que se exaltava, a aviação sofreu muitas retaliações em suas operações nos grandes centros. Éla é fundamental mas fustigada a se ambientar, sob pena do senão, ser afastada dos grandes centros...que dela precisam para sobreviver.

 

Este modelo apresentado mistura aeronaves de hoje com um futuro que não acontecerá com estes parâmetros.

Link to comment
Share on other sites

Acho que pode sim funcionar, mas quando a tecnologia da motorizacao dos avioes for bem diferente. Enquanto usarem querosene e fizerem o barulho que fazem esse projeto da forma como esta nao emplaca. BH mudou a movimentacao do aeroporto para Confins e uma das razoes era obvia... A poluicao sonora em PLU era terrivel.
Mas o projeto e legal sim!

Link to comment
Share on other sites

Archived

This topic is now archived and is closed to further replies.

×
×
  • Create New...

Important Information

Saiba os termos, regras e políticas de privacidade